março 29, 2006

Imagens que passais pela retina

Às vezes penso que se tivesse de escolher um só poema...


                    Isabel Munuera.jpg
                                                                                                       fotografia por Isabel Munuera


     Imagens que passais pela retina
     Dos meus olhos, porque não vos fixais?
     Que passais como a água cristalina
     Por uma fonte para nunca mais!...

     Ou para o lago escuro onde termina
     Vosso curso, silente de juncais,
     E o vago medo angustioso domina,
     ― Porque ides sem mim, não me levais?

     Sem vós o que são os meus olhos abertos?
     ― O espelho inútil, meus olhos pagãos!
     Aridez de sucessivos desertos...

     Fica, sequer, sombra das minhas mãos,
     Flexão casual de meus dedos incertos,
     ― Estranha sombra em movimentos vãos.

     Camilo Pessanha, Clepsidra, Editora Nova Crítica, Porto


Agradável coincidência, hoje, em Germina.


Publicado por sol em 07:53 PM | Comentários (8)

março 13, 2006

Mãe-D'Água

silencio2.JPG


Deitar fora sem desgosto a tigela antiga que se partiu
(isto é: que eu parti)
                                 e pensar com a risada de minha
Mãe: «Deixá-lo! Temos que fazer viver os oleiros!»
(a consolar-se do seu gesto desastrado)
                                                                  e aceitar o passar
do tempo sem angústia e sem saudade
                                                                  e dizer
como ela dizia sem palavras:
                                            «O tempo fez-se para
passar!»
                Ah sim! que passe e nos leve e não se fala
mais nisso!
                    Mas se ao menos nos levasse para o mesmo
sítio, Mãe!»


Teresa Rita Lopes, Afectos, Editorial Presença, Lisboa, 2000

Publicado por sol em 08:48 PM | Comentários (40)

março 05, 2006

Escolas do Paraíso

[...] saber ler é a chave de tudo para o desempenho na vida quotidiana, seja o labor profissional (compreender o que se faz, e o bem e o mal do como se faz), seja o percurso da existência (a compreensão de si e dos outros, a rejeição das formas de alienação e delinquência, o civismo no comportamento) seja o desempenho comunitário (através do qual se deve ser um exemplo de comportamento para os outros, adoptando o exemplo dos outros também – e sabemos como os modelos para os jovens são hoje os que lhes são sugeridos no facilitismo, na vigarice e na corrupção, tornadas heróicas).

Mas parece que saber ler (decifrar códigos linguísticos, sinais de comunicação, a interpretação do Mundo) não interessa! E mesmo, para certas políticas e para certas programações culturais, quanto mais analfabeto, melhor! E andamos a contentar-nos com a ficção de uma acção cultural empenhada, cheia de programas, de actividades, de formação contínua, com muitos cursos de especialização para tudo e para nada, que resulta num atropelo convulsivo do indivíduo, quando a condição para a experiência cultural fecunda é o oposto disso: ministrar uma formação de base sólida e exigente, na escola (que é para isso que a escola serve), e dar ao indivíduo, na sua vida, a emparelhar com o seu trabalho e com o seu meio familiar, tempo, dar-lhe mesmo "tempo" – para o lazer, o prazer do vago, que permite a reflexão, suscita o desejo, dá azo à fruição cultural ampla e descondicionada [...].

Sabemos como nenhum sistema político gosta de dar isso ao indivíduo – tempo! Ao invés, o sistema enrola as pessoas em burocracias que empatam a vida, lhes suga a liberdade em trajectórias quotidianas absurdas. Ao sistema político interessa que a pessoa não pense e só com tempo se pensa e se aprende, só a vivência de uma duração própria e interior nos permite tentar perceber o que somos e desenvolver essa aprendizagem na relação cadenciada com os outros, com o ambiente, com a arte, com aquilo que de bom existe para nós [...].

Há um grande mal-entendido de base em tudo isto: é que se pretendeu transformar a escola que herdámos do salazarismo, que era de facto sinistra (nunca se poderá dizer o contrário), mas em vez de se banir o que nela era repressão, censura e hipocrisia, mantendo o que tinha de leccionação eficaz, acabou-se integralmente com o seu modelo, substituído por concepções demagógicas de anti-autoritarismo, de criatividade a partir do nada, de pedagogia espontaneísta, de valorizações do coloquial e da busca do divertimento na aprendizagem que deformou a criança e o adolescente, tirando-lhe as imagens, os modelos, as estruturas, os conhecimentos e a base de valores e de segurança a partir da qual, só, pode exercitar-se e preparar a sua contestação. Pretendeu-se que a escola fosse um paraíso e não se curou das regras que até no paraíso uma organização transcendente impôs.
[...]

Repare-se na concepção tacanha dominante quanto ao ensino da Literatura e das Humanidades. Nem falo da castração que representa, na formação intelectual, a redução da leitura dos clássicos, crime de nefastas consequências contra o património; falo da condescendenciazinha em entender a Literatura como uma componente decorativa e obsoleta, como se o estudo da Literatura não fosse justamente a trave mestra da possibilidade do conhecimento na formação do indivíduo, a base de toda a educação, estética e científica, uma vez que esta assenta na comunicação e expressão dos diferenciados matizes expressivos da língua.

De uma vez por todas, entenda-se isto: a literatura é o estudo do tratamento estético da linguagem, e como tal confere ao indivíduo o entendimento integral e abrangente das várias formas de comunicação no quotidiano e fora dele. Não é apenas estudando a língua que o cidadão se habilita a praticar a comunicação informativa e expressiva, e por conseguinte a melhorar as suas circunstâncias de vida, a sua experiência humana e a produtividade do seu trabalho, que o realiza tanto mais quanto dele toma consciência. Ter consciência das coisas é justamente poder pensá-las e imaginá-las naquilo que são e no que poderiam ser, e essa conjectura dos possíveis, só a linguagem da ficção e da construção poética, na literatura e na arte, nos pode dar. [...]

Maria Alzira Seixo, artigo publicado na revista "Actual" do semanário "Expresso", do dia 27-3-2004 (sublinhados meus)

Publicado por sol em 12:49 AM | Comentários (28)

março 04, 2006

eu que poderia ter dormido

orfeu-e-euridice.jpg
Rodin, Orfeu e Euríce


EURÍDICE

Lançaste-me então para trás,
eu que poderia ter caminhado com as almas vivas sobre a terra,
eu que poderia ter dormido entre flores vivas
por fim;

então pela tua arrogância
pela tua truculência
fui lançada para trás
para onde o líquen morto escorre
escórias mortas sobre musgo de cinza;

então pela tua arrogância estou
por fim despedaçada,
eu que vivi inconsciente,
que fui quase esquecida;

se me tivesses deixado esperar
teria crescido da indiferença
para a paz,
se me tivesses deixado repousar com os mortos, ter-me-ia esquecido de ti
e do passado.


Ezra Pound (tradução de Filipe Jarro)

Publicado por sol em 10:05 PM | Comentários (4)

março 02, 2006

No princípio, o folk

                       cruel sister.jpg

                      
           Lord Franklin, canção tradicional, arran. Bert Jansch, John Renbourn, Jacqui McShee, Danny Thompson, Terry Cox - Pentangle, 1970


Publicado por sol em 12:22 AM | Comentários (6)