abril 21, 2005

Apanhada

na corrente, respondo ao repto da Linha de Cabotagem e das Musas Esqueléticas .

Não podendo sair do "Fahrenheit 451", que livro quererias ser?
Os que já sou: alguns poemas de Eugénio de Andrade, Camões, Pessanha, Pessoa, Cesário, Manuel Bandeira, Leonard Cohen, René Char...; fragmentos de "Os Lusíadas", "Menina e Moça", "Dune". Talvez houvesse lugar, no universo do "Fahrenheit 451", para um livro não especializado.

Já alguma vez ficaste apanhadinho(a) por um personagem de ficção?
Sim. Por todas as personagens que me interpelam, ou me comovem, ou me batem familiarmente no ombro. Tantas... Ao acaso da memória: Quióaqui, de Mishima; Alexandre Magno, de Mary Renault; João da Ega, de "Os Maias"; Lazarus Long, da "História do Futuro", do Heinlein; o protagonista de "Os Despojados", da Ursula K Le Guin; Mersault, de Camus; o próprio Camus, nos seus "Cadernos"; Zenon, Adriano e Dona Anna, de "Anna Soror", da Yourcenar. Em tempos mais remotos, o herói, cujo nome já não recordo, de "Uma Aventura na Escócia" e "Catriona". Mais recentemente, encantei-me com o jardineiro de "Três Cavalos".

Qual foi o último livro que compraste?
"Poemas de Mário de Sá-Carneiro", em edição de Teresa Sobral Cunha; "Duelo", de Luís Quintais; e "Don Quijote de la Mancha" (9,5 euros, edição da Real Academia Española).

Qual o último livro que leste?
Excepção à poesia, cuja leitura vou fazendo em permanência e intercaladamente, o último livro que li de uma assentada foi "As Lições dos Mestres", de George Steiner.

Que livros estás a ler?
"A Mancha Humana", de Roth, "À Procura da Língua Perfeita", de Umberto Eco e "Aventuras de Tom Bombadil", de Tolkien, estão aqui, juntamente com vários livros de poesia, a Bíblia, e umas quantas e díspares gramáticas da língua portuguesa.

Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?
Nenhum. Incapaz de escolher entre tantos, ficaria como o burro entre os dois fardos de palha. Por outro lado, a leitura, ainda que actividade a sós connosco, é uma prática cultural. Sozinha, numa ilha deserta, sem a referência do Outro, não teria sentido ler.

A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e porquê?

Ao Rogério Santos - pelo seu interesse específico nos fenómenos da blogolândia.
Ao Sete Sóis - porque temos cruzado leituras e para passar testemunho à geração mais jovem (e porque ele está a preparar-se para me bombardear, em breve, com muitas e difíceis perguntas, vingança antecipada).
Ao Adair - porque é poeta, meu amigo e está do outro lado do mar, no Brasil.



Publicado por sol em 07:50 PM | Comentários (12)

abril 11, 2005

Breve escatologia

summers-end-Jeane Vogel.jpg


Caminhando na praia
olho para trás -
nem uma só pegada.

Hosai Ozaka (1885 - 1926)


             * * *


Crisântemo de Inverno -
apenas visitado pela sua
fatigada luz.

Shuoshi Mizuhara (1892-1981)


O Haicai no Século XX - Antologia, selecção e tradução de Casimiro de Brito e Ban'ya Natsuishi




Publicado por sol em 11:15 PM | Comentários (18)