« abril 2004 | Entrada | setembro 2004 »

maio 27, 2004

Condição Humana

A hospitalização de um familiar que me é muito querido avivou-me a consciência sobre a condição humana.
Traído pelo seu próprio corpo e dele prisioneiro, o homem doente não deixa de lutar pela sua dignidade; como a senhora da cama quarenta que protestava numa voz entaramelada pelo A.V.C. contra o facto do lençol da sua cama estar mais comprido do que a colcha, que recusava veementemente o pijama do hospital para que lhe vestissem a camisa que era sua, que insistia em pegar sozinha no copo de água com a mão que ainda lhe obedecia.
A doença aviva também a esperança, o mais humano dos sentimentos humanos na adversidade; como a senhora da cama quarenta e um que a não quer perder, uma esperança que insiste em persistir, não obstante as evidências nada promissoras da ciência médica.

Publicado por Maria Adelaide às 02:47 PM | Comentários (3)

maio 13, 2004

Prioridades e Critérios

Milhares de docentes ficaram excluídos ou simplesmente eclipsaram-se das listas graduadas do concurso para colocação de professores.
Coloquemo-nos na pele desses docentes; com que tranquilidade e paz de espírito ( absolutamente essencias na relação com os discentes) deram as aulas no dia de tais revelações, preocupados que estariam, necessariamente, com as inevitáveis reclamações?
Foi, seguramente, um problema que afectou grande número de famílias portuguesas; dado o elevado número de docentes envolvidos, em quase todas elas, seguramente, um jovem viu o seu professor ou professora atingidos por tamanha incompetência.
E, no entanto, aquele problema nacional não teve honras de abrir os serviços noticiosos; coincidente que foi com a euforia do jogo entre o Futebol Clube do Porto e o Corunha, foi este que obteve a primazia. Enfim, prioridades e critérios da sociedade portuguesa e dos seus media; primeiro o futebol, depois a educação.
E, no entanto ainda, nunca como agora se falou tanto de educação. Mas alguém pensa que é possível melhorar o sistema de ensino sem a colaboração dos professores? E que contributo dão erros desta envergadura para a motivação dos docentes?

Publicado por Maria Adelaide às 10:30 PM | Comentários (2)