« Prioridades e Critérios | Entrada | Em Tua Memória. »

maio 27, 2004

Condição Humana

A hospitalização de um familiar que me é muito querido avivou-me a consciência sobre a condição humana.
Traído pelo seu próprio corpo e dele prisioneiro, o homem doente não deixa de lutar pela sua dignidade; como a senhora da cama quarenta que protestava numa voz entaramelada pelo A.V.C. contra o facto do lençol da sua cama estar mais comprido do que a colcha, que recusava veementemente o pijama do hospital para que lhe vestissem a camisa que era sua, que insistia em pegar sozinha no copo de água com a mão que ainda lhe obedecia.
A doença aviva também a esperança, o mais humano dos sentimentos humanos na adversidade; como a senhora da cama quarenta e um que a não quer perder, uma esperança que insiste em persistir, não obstante as evidências nada promissoras da ciência médica.

Publicado por Maria Adelaide às maio 27, 2004 02:47 PM

Comentários

Apesar do Livro não sei se à morte advém um julgamento. Também não me preocupa.
Sei, por dolorosas experiências, que a morte aprazada nos conduz a um balanço, à busca de um sentido, à passagem de um testemunho, à aproximação de quem parte e quem chega e é nesta conjugação que a vida não acaba, desde que passemos o testemunho da dignidade da nossa condição.

Publicado por: carlos a.a. em junho 1, 2004 05:19 PM

Um mês passado sobre o Post e visto que mais nada aqui se escreveu, se partilhou, se ofereceu para que por outros fosse lido, venho assim desejar as melhoras (se é que as mesmas ainda são possíveis)de quem doente se encontrava e em qualquer dos casos coragem, aquela que não é dita em sinal de impotência de quem a profere mas sim aquela corajosa força interior que, mesmo não sabendo de onde nos vem, acaba sempre por nos "obrigar" a, de cabeça levantada, continuar. Um abraço e até breve (assim espero!).

Publicado por: Zé Chaparro em junho 29, 2004 03:14 PM

Quando estamos doentes ou incapacitados, damos valor às pequenas coisas que no dia-a-dia nos passam despercebidas. Já se passou comigo!
Obrigado pela sua visita à minha tasca.

Publicado por: canzoada em julho 20, 2004 02:39 PM