março 28, 2004

Bad Ambassor


"Bad Ambassador", dos DIVINE COMEDY, incluída no álbum Regeneration de 2001, é uma das minhas canções/obra-prima pop-rock de sempre. É de uma perfeição e beleza incríveis. Adoro o trabalho da guitarra, a progressão harmónica e a melodia arrepiam-me todo, e a voz do Neil Hannon... já sabem... sem palavras. Destaco também a beleza do arranjo das cordas, e todos aqueles pormenores que vou descobrindo à medida que a vou ouvindo dezenas de vezes. Como sou um pouco "apanhado" por versões acústicas, aconselho a quem conhecer esta canção, possuir a versão acústica - porque é sublime.

Já agora, o Regeneration é o meu álbum preferido dos Divine Comedy.

Publicado por David em 09:53 PM | Comentários (1) | TrackBack

março 25, 2004

MUSE

Vão voltar. Finalmente.

MUSE

Vão tocar no festival Super Bock Super Rock

Local: Parque Tejo (Parque das Nações)

Dia: 9 de Junho

Publicado por David em 10:48 PM | Comentários (3) | TrackBack

março 20, 2004

Coimbra em Blues

1.º dia do festival
---------------------------

* * * * *

CEPHAS & WIGGINS / 18-03-04 / Quinta-feira / TAGV-Coimbra


Quem lá esteve percebe porque dou nota 5 ao concerto do Cephas & Wiggins. Ter ouvido a guitarra/voz de John Cephas e a harmónica tocada majestosamente por Phil Wiggins, foi algo simplesmente contagiante, maravilhoso e enriquecedor.

Ao ouvir este duo, a sensação que tive foi a de estar sentado à beira do rio Mississipi (ou melhor, à beira do rio Mondego!), no entardecer de um dia cansativo, a ouvir dois velhos bluesman a tocar as tristezas e amarguras da vida. Subitamente um deles transforma-se e da sua harmónica nascem sons divinos e arrebatadores enquanto o outro canta e dedilha a guitarra como se todo o mundo estivesse ali mesmo...

Foi mais ou menos isto que senti ao ouvir o duo Cephas & Wiggins. Não mais esquecerei aqueles solos virtuosos e empolgantes da harmónica de John Cephas e de certeza que Coimbra também não esquecerá. Que o digam as centenas de pessoas que encheram o Gil Vicente (casa cheia) e que, de pé, aplaudiram por duas vezes e entusiasticamente John Cephas e Phil Wiggins.

2.º dia do festival
-----------------------------------

* * *

ROSCOE CHENIER BLUESBAND/ 19-03-04 / Sexta-feira / TAGV-Coimbra

Não foi mau, mas também não foi sublime. Em algumas músicas notou-se a criativade dos guitarristas, mas como banda não chegaram a surpreender.

* * *

Carey Bell/ 19-03-04 / Sexta-feira / TAGV-Coimbra

Segunda banda a actuar. Depois de aquecida a noite, foi a vez do lendário harmónica Carey Bell tentar maravilhar a plateia, ansiosa por outra noite sublime. No princípio ainda se sentiram rasgos de genialidade, sobretudo pelas descargas eléctricas dos solos do guitarrista e a sonoridade quente da harmónica de Bell. O baixista e o baterista portaram-se igualmente bem. Mas, infelizmente, não passaram daqui e sem quaisquer rasgos de criatividade, acabaram por repisar a mesma fórmula até ao final. Juntando a isto alguns problemas técnicos do excelente guitarrista, a noite tornou-se morna. O público, certamente ainda em êxtase com a noite de quinta, sentiu o mesmo que eu senti e, no final, uns breves aplausos e até qualquer dia que a noite já vai longa!...

3.º dia do festival
-----------------------------------

REVEREND VINCE ANDERSON * * * * *

Decorem este nome! Que concerto soberbo e jubiloso! Juntamente com a 1.ª noite, mais propriamente com Cephas & Wiggings, foram os momentos mais altos deste festival de Blues. Com voz à Tom Waits, e a ajuda de fogo divino, este senhor ofereceu-nos um concerto delirante. Bastou o piano e uma atitude mais que original e criativa, para nos causar vários e constantes arrepios. Pregou o evangelho à sua maneira e deu-nos verdadeiras lições de fé. Tudo através do Gospel, Blues, Rock, etc.

O último concerto foi um sacrifício - que o digam as dezenas de pessoas que abandonaram a sala. Eu quase que o fiz! Quem convidou o LITTLE AXE para encerrar o festival enganou-se redondamente. Que sonoridade horrível e que músicos fracos (o baterista safou-se). Já para não falar do som, que foi péssimo... (foi, de facto, o concerto mais fraco do festival e por isso só merece *)

Publicado por David em 04:04 PM | Comentários (0) | TrackBack

março 14, 2004

The Passion of the Christ

* * * *

O Sr. Mel Gibson surpreendeu pela positiva. É o que posso dizer depois de ver o filme. E não percebo o porquê de tanta confusão. Só se for mesmo para ajudarem o Sr. Gibson a ganhar mais dinheiro!... O filme está fantástico, fiel à verdade e genial em termos criativos, que nos prendem do princípio ao fim. Em vários momentos precisei de controlar bastante o diafragma, de forma a respirar bem fundo e segurar as emoções vividas. Não percam o filme e a mensagem que todos conhecemos mas que às vezes esquecemos...

Publicado por David em 10:13 PM | Comentários (3) | TrackBack

março 12, 2004

Lost In Translation

* * * *

"Lost In Translation - O Amor é um lugar Estranho"

Realizado por Sofia Coppola, arrisca-se a ser um dos melhores filmes de 2004... Ou talvez não!...

As personagens são apaixonantes e a realização igualmente fantástica. Cabe a cada um de nós rever-se no assunto central deste filme. Eu adorei.

Publicado por David em 10:27 PM | Comentários (1) | TrackBack

março 07, 2004

Wray Gunn

Concerto dos Wray Gunn, no auditório Gil Vicente em Coimbra, na sexta-teira (5 de Março) - apresentação do novo álbum Eclesiastes 1.11, no âmbito da comemoração dos 18 anos da RUC.

Nota: * * * *

Pontos positivos

1. A garra do Paulo Furtado

2. O coral gospel que deu um espírito único e atraente ao concerto.

3. Algumas músicas novas bem interessantes.

Pontos Negativos

1. Fórmulas Musicais repetitivas - É pena que a base harmónica e melódica se repita em algumas músicas.

Mas a verdade é que foi uma grande concerto, com momentos vibrantes. Os Wray Gunn convenceram e mostraram que Eclesiastes 1.11 será bastante original por estas terras...

Publicado por David em 12:36 AM | Comentários (1) | TrackBack

março 04, 2004

DISCOS SUBLIMES - 2

Sweet Georgia Peach - Russell Malone - 1998

Amo este disco e afirmo, sem qualquer receio, que este é um dos melhores álbuns de guitarra jazz de sempre.

Russell Malone

Publicado por David em 10:31 PM | Comentários (1) | TrackBack