O HINO!

Fernando Tordo e Ary dos Santos
Fado de Alcoentre

CALENDÁRIO

junho 2012
dom. seg. ter. qua. qui. sex. sáb.
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

CORREIO DA REVOLUÇÃO

EXTRA! EXTRA!

COMUNICADOS DE ÚLTIMA HORA

ARQUIVOS DO MFA

dezembro 2005

julho 2005

dezembro 2004

novembro 2004

outubro 2004

março 2004

novembro 2003

setembro 2003

PESQUISA


LIGAÇÕES SECRETAS

Ainda por descobrir

CONTADOR

Desde Outubro de 2004


CRÉDITOS

Syndicate this site (XML)

Motor editorial:
Movable Type 2.661

Alojado por:
Weblog.com.pt  Blogs portugueses em Portugal


7 dezembro, 2005


Porque a merda é exactamente a mesma...

... é que aqui o tasco não carece de actualização. Vira o disco e toca o mesmo, e repete, e repete, e repete...

Nós também repetimos, porque este post continua a fazer todo o sentido.





30 de Novembro, 2004

Alegrem-se as intermináveis legiões de fãs do MFA: NÓS AGORA FALAMOS A SÉRIO!!!!

Não nos revemos em nenhuma lista nem em nenhum candidato (e isto é a sério), pelo que apresentamos algumas ideias sobre o que deveria ser a base ideológica de uma verdadeira Associação Académica. As ideias de uma maioria silenciada, mas não silenciosa.

E como de boas intenções está o Inferno cheio, não chega dar o paleio do “devia ser e acontecer”. Há que apresentar ideias, medidas concretas, métodos de trabalho. Assim sendo, nem é preciso ir mais longe que os próprios Estatutos:

“Representar os estudantes e defender os seus interesses” (enquanto estudantes universitários, obviamente)

1. Isto faz-se, em primeira instância, nos órgãos. E nos órgãos estão estudantes eleitos pelos seus colegas para os representarem. Pelo que todo e qualquer representante que faltar continuamente ao seu dever de representatividade, não pondo os pés nas reuniões do órgão para o qual foi eleito, terá obviamente que ser punido. Não há cá representantes para o estatuto. Há multas, há demissões que poderão ser decididas em RGA de cada Faculdade/Escola, há as Assembleias Magnas que podem fazer o mesmo aos representantes da AA nos órgãos. O que não pode haver é baldas às reuniões. Quando os próprios representantes não se interessam pelos assuntos que ditam o dia-a-dia da Universidade, quem se interessará?

2. Efectivação do trinómio Associação / Núcleos Pedagógicos / Representantes nos órgãos das unidades orgânicas e UAlg, para uma melhor e mais coesa representatividade e comunicação entre os estudantes. Há que reactivar os Conselhos de Senadores, as reuniões periódicas com os Núcleos Pedagógicos, e porque não implementar este tipo de reuniões aos representantes nos restantes órgãos? Só com uma posição esclarecida e coesa por parte dos estudantes, poderão as nossas reivindicações ser levadas a sério.


“Contribuir para a formação dos estudantes, através do fomento de actividades culturais, físicas e político-sociais”

1. Porque estar na Universidade não se resume a tirar um curso; é também adquirir e cultivar o espírito crítico e o exercício da cidadania. Assim, e apesar da reduzidíssima participação que este tipo de eventos tem registado nos últimos anos, é de continuar a organizá-los para os poucos que não andam anestesiados e ainda reconhecem o seu valor.

2. Quanto às festas, que é disso que o povinho gosta: a Semana Académica e a Semana de Recepção ao Caloiro ocupam imenso tempo e recursos àqueles que deveriam estar a representar os interesses estudantis. Tudo pára meses antes, e isso é totalmente inadmissível numa verdadeira AA. A continuar este tipo de festas, ao menos que sejam concessionadas a produtoras que sabem tratar do assunto muito melhor – afinal, sobrevivem à conta deste trabalho – libertando assim a AA para o que realmente interessa: os estudantes e os inúmeros problemas que os afectam.


“Pugnar pela melhoria das condições dos estudantes, de modo a que o ensino seja acessível a todos”


“Contribuir para o incremento de iniciativas conducentes à concretização de um ensino democrático e de qualidade”

Com ênfase no democrático! Abri os olhos, caros colegas, querem reduzir a nossa participação nos órgãos, tirar-nos o pouco poder de decisão que ainda nos resta, enquanto toda a gente anda (?!) distraída com as propinas


“Defender os princípios democráticos da liberdade, solidariedade e igualdade de oportunidades”

Já que estes são, infelizmente, valores em vias de extinção (bem como os Dinos...)


Cooperar EFECTIVAMENTE com outras organizações congéneres, nacionais e internacionais, para atingir os objectivos preconizados anteriormente – ao invés de pactuar com as lutas e rivalidades, cuja génese é apenas a medíocre Política das Juventudes.

Não se percebe como é q a AAUAlg não é ainda membro do FAIRe (Fórum Académico para a Informação e Representação Externa), uma plataforma federativa de compilação e distribuição de informação e de representação a nível internacional, que assume actualmente especial importância por causa do Processo de Bolonha.


Para além do fundamental, exposto anteriormente, também se poderia pensar em:

Actividades extracurriculares

Desporto: O actual modelo desportivo da AAUAlg é um bom modelo. Claro que pode e deve incluir mais modalidades, mais oferta, mais e melhores condições para a prática desportiva na UAlg. Talvez o tão antigo projecto de criação de infra-estruturas desportivas (fora dos Campi) não seja de deitar fora... Sem deixar de piscar o olho ao facto de o desporto em Portimão ser inexistente (ou quase). Talvez também aqui fosse hora de representar os alunos...

Cultura: Cinema, Teatro, Fotografia, Dança, Clubes de Leitura, Tertúlias, Faro Capital Nacional da Cultura, Concertos (a sério), Tunas, há um sem fim de coisas que podem ser feitas com e sem as secções autónomas, com e sem as associações das cidades (Faro e Portimão), que por si só já promovem um variado leque de oferta cultural.

Eventos: Nada de touradas, porque touros já cá houve o mecânico e nunca ninguém o viu... E porque não o Mini-Golf na Alameda? Coisas leves que a malta está farta de festas...

Estudo (Para quem, não tem mais nada para fazer...): Melhores Bibliotecas, mais livros, mais salas de estudo, mais salas de informática (tipo FE - se for preciso também damos mestrados), mais conteúdos informáticos... E em horários decentes (ou seja, a qualquer hora...)


Aspectos Cívicos

1. Criação de infra-estruturas de Educação Ambiental, aproveitando os recursos naturais que o Campus de Gambelas proporciona; balizamento de zonas pedestres;

2. Criação de um sistema integrado de reciclagem nos Campi e espaços da Associação;

3. Incentivo ao uso do transporte colectivo, nomeadamente incentivos financeiros: desconto nos serviços da AAUAlg aos detentores de passe, ou atribuição de senhas a quem entrasse/saísse da Universidade com o carro cheio. Criação de um Serviço de boleias para/de Gambelas.

4. Negociação com a EVA para maior número de transportes directos para Gambelas (Baixa - Rotunda do Hospital - Fórum - Gambelas)

5. Promoção do dia Aberto ao cidadão. Visitas guiadas a Associações de Pais do Ensino Secundário e outros cidadãos interessados.

6. Criação e implementação de um Jornal Académico mensal, bem coordenado e dinamizado, integrado na redacção da RUA fm

7. Promoção de acções cívicas regulares (acordos com as estruturas de recolha de sangue, medula, serviços de rastreio de doenças infecto-contagiosas, limpezas de praias, recolhas de roupa, brinquedos, comida, etc...)

8. Disponibilização de aconselhamento jurídico aos estudantes.

9. Criação do GAPS (Gabinete de Apoio Profissional e Social) na Universidade. Mas a sério!


Tradição Académica

1. Ressuscitar a 5ª feira académica: descontos nos serviços da AAUAlg a quem for trajado para a Universidade, desconto no BA para quem sair trajado à noite.

2. Criação de um Conselho de Praxe constituído pelos elementos da DG-AAUAlg para coordenar e ajuizar as Praxes.

3. Promoção da opção Anti-praxe e fomento de actividades de não exclusão destes alunos.


Processo de Bolonha (O próximo grande elefante Branco do ENSINO SUPERIOR)

1. Desenvolver uma campanha de informação sobre todos os aspectos do Processo de Bolonha e seus pressupostos.

2. Criação de uma comissão de acompanhamento mista - docentes, alunos e funcionários - da implementação deste processo na Universidade do Algarve.

3. Pugnar pela “...participação dos estudantes em todas as fases do processo.” (in Comunicado de Berlim).

4. Atendendo à dimensão Social do Ensino Superior consagrada no Comunicado de Berlim, garantir a igualdade de oportunidades na finalização dos estudos, bem como no prosseguimento dos mesmos.

5. Acompanhar o processo de reestruturação dos cursos da Universidade do Algarve, tendo em particular atenção os seguintes aspectos:

Estrutura de Graus: Descrever qualificações em termos de carga de trabalho, nível, resultados da aprendizagem, competências e perfil.

ECTS: Garantir que não se trata de um mero processo matemático, e no que toca a calcular a carga de trabalho, pugnar para que os estudantes sejam directamente envolvidos neste processo.

6. Pugnar para que, a partir de 2005, todos os diplomados recebam o Suplemento ao Diploma, automática e gratuitamente, e emitido numa língua falada a nível europeu. (in Comunicado de Berlim)

7. No sentido de fomentar o desenvolvimento de competências, conhecimentos e formação pessoal, pugnar pela abolição do pagamento de inscrição em disciplinas extracurriculares (sem componente laboratorial).

8. Deveria ser dado um ênfase nas capacidades transdisciplinares transferíveis que são ganhas em certas disciplinas e em certas actividades académicas.

9. Pugnar para que a Universidade assuma uma postura pró-activa na criação do “Espaço Europeu de Ensino Superior”, não ficando à espera que os outros tomem a iniciativa por si. A criação de programas e protocolos nacionais e internacionais de mobilidade de estudantes, docentes e funcionários, bem como o incentivo e apoio aos já existentes (Erasmus, Vasco da Gama, Leonardo da Vinci, etc..) parece-nos absolutamente essencial.


Pedagogia

Efectivar a avaliação pedagógica dos docentes:
1. Elaboração de propostas a enviar à Assembleia da Republica para alteração da legislação vigente (Estatuto da carreira docente uniforme - Universitário e Politécnico - Lei de Bases, etc..).

2. Exigir aos Conselhos Científicos a inclusão de uma efectiva avaliação Pedagógica nos docentes, criando periodicamente cursos de formação em matérias de Pedagogia, uso de meios multimédia, etc...

3. Elaborar uma avaliação semestral de todos os docentes, através de inquéritos aos alunos e posterior divulgação pública. Atribuição do prémio “Melhor Pedagogo”, com uma viagem para duas pessoas à Eurodisney. Proposta de Honoris Causa para o docente que conseguisse 3 prémios consecutivos de “Melhor Pedagogo”.





Comunicado do MFA às 03:03 AM | Comentários (980)

13 julho, 2005


Chegou a hora!

Portugal enfrenta hoje a maior e mais voraz crise de dignidade e cidadania. A República colapsa que nem “Estrelitas” para um Buraco Negro. É hora do Algarve!

O Algarve é a ultima reserva de EXCELÊNCIA. É coisa que não nos falta e é tempo de resgatá-la e usá-la a nosso favor. Para tal, tem de se demarcar do pântano que se tornou Portugal e afirmar o seu destino milenar. Apresenta-se perante nós a melhor oportunidade desde o PREC (Período Raios E Coriscos).

Deixemo-nos de abraços, de palmadinhas nas costas e apalpões, isso que fique para Sousa Moura; está na hora de mostrar orgulho de ser Marafado e caminhar para além do abismo.

Vinde ser testemunhas da mudança que o mundo espera; vinde ver a proclamação, não da 6ª República, mas do 7º Céu. Isso sim, vai ser um jardim à beira mar.

Tende orgulho, Marafados, e procurai com confiança as “VELHAS FRONTEIRAS” desta Nação. NÓS TEMOS A SOLUÇÃO FINAL. Seremos abençoados pela nossa iniciativa e vangloriados pela vitória. Grandes momentos nos esperam e é com fé que iniciamos esta viagem que o mundo espera e aclama.

O tempo da colonização há-de chegar ao fim e é para isso que se trabalha. Com sobriedade, vamos aproveitar este momento em que Portugal se digladia por “pão e circo” e trabalhar para as gerações futuras de Marafados.

O nosso grande Líder Marafado, “Renegado de Boliqueime”, assim seu nome de código para que não seja descoberto até à hora da libertação, levar-nos-á à libertação e finalmente à independência.

Quais MIA, quais ELA; o grande Líder Marafado “Renegado de Boliqueime”, incumbiu-me a mim, Sultão Zacarias Griséus, auxiliado pelo Sheik Abel Alcagoitas e fiéis companheiros, bem como a todos aqueles que se nos quiserem juntar, de dar a terra prometida a cada Marafado – o Santo Algarve.

Para isso, grandes esperanças nos invadem na obtenção da nossa supremacia. A “Brigada Marafad” (a nossa Mossad), comandada por mim, Sultão Griséus, irá trazer novo alento a todos os Marafados de lés a lés do Algarve na conquista do nosso desígnio.

Ide, Marafados. Ide, mas esperai pelo vosso dia, que há-de chegar.

Com Dés
Sultão Zacarias Griséus



Comunicado do MFA às 02:02 AM | Comentários (506)

13 dezembro, 2004


O Sistema numa lata

10 PERGUNTAS DE Fi

1) Porque será que este ano há 16 (dezasseis) listas candidatas para 5 (cinco) orgãos da FÉ, quando nos outros anos eram sempre listas únicas?

2) Porque será que há listas da panelinha com o Conselho Divertido, listas para a mama, e listas para o estatuto?

3) Porque será que os docentes falam mal uns dos outros nas aulas e nos corredores?

4) Porque será que há professores que se candidatam nas listas dos alunos aos órgãos da ‘FÉ’?

5) Porque será que o Conselho Divertido está sempre a intrometer-se nos assuntos dos estudantes?

6) Porque será que há cursos que não têm um único aluno nas listas para os órgãos da ‘FÉ’?

7) Porque será que uns tiram cópias dos panfletos à borla e os outros nem por isso?

8) Porque será que “é preciso garantir a eleição de um Presidente do Conselho Divertido que tenha o apoio dos estudantes” amigos?

9) Porque será que aqueles que apregoam a mudança, afinal querem que tudo fique na mesma?

10) Porque será que é importante ter amigos?


10 RESPOSTAS DE GÉNIO

1) Será que é por este ano haver eleições para o Conselho Divertido?

2) Será que é porque quem não chora não mama, uma mama nunca vem só, e mamar dá estatuto?

3) Será que uns são ortodoxos e os outros são renovadores?

4) Será que é para orientar os votos dos alunos?

5) Será que há €uros ao barulho?

6) Será que ainda ninguém reparou que existem três cursos?

7) Será que uns são filhos e os outros enteados?

8) Será que não têm amigos suficientes entre os professores?

9) Será que existe um presidente que quer estar seis meses de férias, para depois voltar a ocupar a cadeira do poder?

10) Será que é para garantir um tacho?


Esta é uma edição ilegal e de ficção e os seus autores não assumem qualquer semelhança com factos, pessoas ou acontecimentos reais. Na certeza porém, de que a ficção supera sempre a realidade...



Comunicado do MFA às 04:19 AM | Comentários (14)

30 novembro, 2004


UM POST SÉRIO

Cá estamos nós nessa maravilhosa época que nos brinda e alegra no fim de cada ano: as eleições para a COFE – Comissão de Organização de Festas para Estudantes. Mais um ano, mais eleições, mais... do mesmo!!

Para não fugir à tradição, o processo eleitoral deste ano traz-nos, pela enésima vez, a contribuição do PC (o computador, claro), em oposição a uma lista dita “da continuidade”.

De novidades há apenas o facto de que uns correm sérios riscos de terem uma surpresa e serem eleitos, enquanto que nos outros há pessoas que podem finalmente conseguir o que o Santana Lopes ainda não conseguiu, serem finalmente eleitos. Este ano parece o percentil dos subnutridos: poucas listas, poucas pessoas. Em tempos idos, qualquer lista metia os amiguinhos nos Núcleos Pedagógicos; agora já nem amiguinhos têm para empurrar.

Como somos do contra, e como até agora nenhuma lista apresentou uma – UMA – ideia original que fosse, e como nós somos obviamente CONTRA este declínio de inspiração (ou capacidade), resolvemos apresentar a nossa alternativa.

Alegrem-se as intermináveis legiões de fãs do MFA: NÓS AGORA FALAMOS A SÉRIO!!!!

Não nos revemos em nenhuma lista nem em nenhum candidato (e isto é a sério), pelo que apresentamos algumas ideias sobre o que deveria ser a base ideológica de uma verdadeira Associação Académica. As ideias de uma maioria silenciada, mas não silenciosa.

E como de boas intenções está o Inferno cheio, não chega dar o paleio do “devia ser e acontecer”. Há que apresentar ideias, medidas concretas, métodos de trabalho. Assim sendo, nem é preciso ir mais longe que os próprios Estatutos:

“Representar os estudantes e defender os seus interesses” (enquanto estudantes universitários, obviamente)

1. Isto faz-se, em primeira instância, nos órgãos. E nos órgãos estão estudantes eleitos pelos seus colegas para os representarem. Pelo que todo e qualquer representante que faltar continuamente ao seu dever de representatividade, não pondo os pés nas reuniões do órgão para o qual foi eleito, terá obviamente que ser punido. Não há cá representantes para o estatuto. Há multas, há demissões que poderão ser decididas em RGA de cada Faculdade/Escola, há as Assembleias Magnas que podem fazer o mesmo aos representantes da AA nos órgãos. O que não pode haver é baldas às reuniões. Quando os próprios representantes não se interessam pelos assuntos que ditam o dia-a-dia da Universidade, quem se interessará?

2. Efectivação do trinómio Associação / Núcleos Pedagógicos / Representantes nos órgãos das unidades orgânicas e UAlg, para uma melhor e mais coesa representatividade e comunicação entre os estudantes. Há que reactivar os Conselhos de Senadores, as reuniões periódicas com os Núcleos Pedagógicos, e porque não implementar este tipo de reuniões aos representantes nos restantes órgãos? Só com uma posição esclarecida e coesa por parte dos estudantes, poderão as nossas reivindicações ser levadas a sério.


“Contribuir para a formação dos estudantes, através do fomento de actividades culturais, físicas e político-sociais”

1. Porque estar na Universidade não se resume a tirar um curso; é também adquirir e cultivar o espírito crítico e o exercício da cidadania. Assim, e apesar da reduzidíssima participação que este tipo de eventos tem registado nos últimos anos, é de continuar a organizá-los para os poucos que não andam anestesiados e ainda reconhecem o seu valor.

2. Quanto às festas, que é disso que o povinho gosta: a Semana Académica e a Semana de Recepção ao Caloiro ocupam imenso tempo e recursos àqueles que deveriam estar a representar os interesses estudantis. Tudo pára meses antes, e isso é totalmente inadmissível numa verdadeira AA. A continuar este tipo de festas, ao menos que sejam concessionadas a produtoras que sabem tratar do assunto muito melhor – afinal, sobrevivem à conta deste trabalho – libertando assim a AA para o que realmente interessa: os estudantes e os inúmeros problemas que os afectam.


“Pugnar pela melhoria das condições dos estudantes, de modo a que o ensino seja acessível a todos”


“Contribuir para o incremento de iniciativas conducentes à concretização de um ensino democrático e de qualidade”

Com ênfase no democrático! Abri os olhos, caros colegas, querem reduzir a nossa participação nos órgãos, tirar-nos o pouco poder de decisão que ainda nos resta, enquanto toda a gente anda (?!) distraída com as propinas


“Defender os princípios democráticos da liberdade, solidariedade e igualdade de oportunidades”

Já que estes são, infelizmente, valores em vias de extinção (bem como os Dinos...)


Cooperar EFECTIVAMENTE com outras organizações congéneres, nacionais e internacionais, para atingir os objectivos preconizados anteriormente – ao invés de pactuar com as lutas e rivalidades, cuja génese é apenas a medíocre Política das Juventudes.

Não se percebe como é q a AAUAlg não é ainda membro do FAIRe (Fórum Académico para a Informação e Representação Externa), uma plataforma federativa de compilação e distribuição de informação e de representação a nível internacional, que assume actualmente especial importância por causa do Processo de Bolonha.


Para além do fundamental, exposto anteriormente, também se poderia pensar em:

Actividades extracurriculares

Desporto: O actual modelo desportivo da AAUAlg é um bom modelo. Claro que pode e deve incluir mais modalidades, mais oferta, mais e melhores condições para a prática desportiva na UAlg. Talvez o tão antigo projecto de criação de infra-estruturas desportivas (fora dos Campi) não seja de deitar fora... Sem deixar de piscar o olho ao facto de o desporto em Portimão ser inexistente (ou quase). Talvez também aqui fosse hora de representar os alunos...

Cultura: Cinema, Teatro, Fotografia, Dança, Clubes de Leitura, Tertúlias, Faro Capital Nacional da Cultura, Concertos (a sério), Tunas, há um sem fim de coisas que podem ser feitas com e sem as secções autónomas, com e sem as associações das cidades (Faro e Portimão), que por si só já promovem um variado leque de oferta cultural.

Eventos: Nada de touradas, porque touros já cá houve o mecânico e nunca ninguém o viu... E porque não o Mini-Golf na Alameda? Coisas leves que a malta está farta de festas...

Estudo (Para quem, não tem mais nada para fazer...): Melhores Bibliotecas, mais livros, mais salas de estudo, mais salas de informática (tipo FE - se for preciso também damos mestrados), mais conteúdos informáticos... E em horários decentes (ou seja, a qualquer hora...)


Aspectos Cívicos

1. Criação de infra-estruturas de Educação Ambiental, aproveitando os recursos naturais que o Campus de Gambelas proporciona; balizamento de zonas pedestres;

2. Criação de um sistema integrado de reciclagem nos Campi e espaços da Associação;

3. Incentivo ao uso do transporte colectivo, nomeadamente incentivos financeiros: desconto nos serviços da AAUAlg aos detentores de passe, ou atribuição de senhas a quem entrasse/saísse da Universidade com o carro cheio. Criação de um Serviço de boleias para/de Gambelas.

4. Negociação com a EVA para maior número de transportes directos para Gambelas (Baixa - Rotunda do Hospital - Fórum - Gambelas)

5. Promoção do dia Aberto ao cidadão. Visitas guiadas a Associações de Pais do Ensino Secundário e outros cidadãos interessados.

6. Criação e implementação de um Jornal Académico mensal, bem coordenado e dinamizado, integrado na redacção da RUA fm

7. Promoção de acções cívicas regulares (acordos com as estruturas de recolha de sangue, medula, serviços de rastreio de doenças infecto-contagiosas, limpezas de praias, recolhas de roupa, brinquedos, comida, etc...)

8. Disponibilização de aconselhamento jurídico aos estudantes.

9. Criação do GAPS (Gabinete de Apoio Profissional e Social) na Universidade. Mas a sério!


Tradição Académica

1. Ressuscitar a 5ª feira académica: descontos nos serviços da AAUAlg a quem for trajado para a Universidade, desconto no BA para quem sair trajado à noite.

2. Criação de um Conselho de Praxe constituído pelos elementos da DG-AAUAlg para coordenar e ajuizar as Praxes.

3. Promoção da opção Anti-praxe e fomento de actividades de não exclusão destes alunos.


Processo de Bolonha (O próximo grande elefante Branco do ENSINO SUPERIOR)

1. Desenvolver uma campanha de informação sobre todos os aspectos do Processo de Bolonha e seus pressupostos.

2. Criação de uma comissão de acompanhamento mista - docentes, alunos e funcionários - da implementação deste processo na Universidade do Algarve.

3. Pugnar pela “...participação dos estudantes em todas as fases do processo.” (in Comunicado de Berlim).

4. Atendendo à dimensão Social do Ensino Superior consagrada no Comunicado de Berlim, garantir a igualdade de oportunidades na finalização dos estudos, bem como no prosseguimento dos mesmos.

5. Acompanhar o processo de reestruturação dos cursos da Universidade do Algarve, tendo em particular atenção os seguintes aspectos:

Estrutura de Graus: Descrever qualificações em termos de carga de trabalho, nível, resultados da aprendizagem, competências e perfil.

ECTS: Garantir que não se trata de um mero processo matemático, e no que toca a calcular a carga de trabalho, pugnar para que os estudantes sejam directamente envolvidos neste processo.

6. Pugnar para que, a partir de 2005, todos os diplomados recebam o Suplemento ao Diploma, automática e gratuitamente, e emitido numa língua falada a nível europeu. (in Comunicado de Berlim)

7. No sentido de fomentar o desenvolvimento de competências, conhecimentos e formação pessoal, pugnar pela abolição do pagamento de inscrição em disciplinas extracurriculares (sem componente laboratorial).

8. Deveria ser dado um ênfase nas capacidades transdisciplinares transferíveis que são ganhas em certas disciplinas e em certas actividades académicas.

9. Pugnar para que a Universidade assuma uma postura pró-activa na criação do “Espaço Europeu de Ensino Superior”, não ficando à espera que os outros tomem a iniciativa por si. A criação de programas e protocolos nacionais e internacionais de mobilidade de estudantes, docentes e funcionários, bem como o incentivo e apoio aos já existentes (Erasmus, Vasco da Gama, Leonardo da Vinci, etc..) parece-nos absolutamente essencial.


Pedagogia

Efectivar a avaliação pedagógica dos docentes:
1. Elaboração de propostas a enviar à Assembleia da Republica para alteração da legislação vigente (Estatuto da carreira docente uniforme - Universitário e Politécnico - Lei de Bases, etc..).

2. Exigir aos Conselhos Científicos a inclusão de uma efectiva avaliação Pedagógica nos docentes, criando periodicamente cursos de formação em matérias de Pedagogia, uso de meios multimédia, etc...

3. Elaborar uma avaliação semestral de todos os docentes, através de inquéritos aos alunos e posterior divulgação pública. Atribuição do prémio “Melhor Pedagogo”, com uma viagem para duas pessoas à Eurodisney. Proposta de Honoris Causa para o docente que conseguisse 3 prémios consecutivos de “Melhor Pedagogo”.




Comunicado do MFA às 09:32 PM | Comentários (10)

27 outubro, 2004


Apelamos à desobediência civil: Atirem macacos para cima do carro do Rei-Tôr!

Nós primamos pela chunguice!! Tiramos macacos do nariz com o mesmo prazer de quem come lagosta! E mais: Não gostamos de burriés, macaquinhos ou gafanhotos! Nós curtimos à brava MACACOS! Incentivamos todos os apreciadores a fazer o mesmo. Assumam-se como degustadores desse belo petisco! Libertem-se de todos os preconceitos culturais que vos impingiram. Arranquem um verdinho sempre que passarem por algum Rei-Tôr e atirem-no discretamente para cima do carro dele (cuidado com o motorista que o homem não tem a culpa).

Revoltem-se com o que têm à mão! A revolução está em marcha!



Comunicado do MFA às 06:23 PM | Comentários (0)


Nós também queremos molhar a sopa!

O MFA tomou conhecimento da ocorrência, na semana passada, de um motim na Univer-Sidade de Con-Ímbriga. UM MOTIM!!! Com direito a polícia de choque e tudo!!! Afinal, o que é que eles têm que nós não temos???
- Ah, pois é... Eles têm o Se-Nado...

Os nossos camaradas estudantes, que só queriam ir fazer uma perninha até ao Se-Nado, certamente para se inteirarem da sua correcta e ultra-democrática forma de funcionamento, foram recebidos pela polícia de choque. Esses senhores, que se encontravam na Univer-Sidade a frequentar um curso de reciclagem sobre “Como optimizar o uso do cacetete”, aproveitaram o facto para praticar nos incautos e pacíficos estudantes.

Pois nós somos CONTRA!!! Tudo bem que a polícia queira vir até à Univer-Sidade, que se instrua, que se cultive e que se actualize... Mas se têm falta de material para as aulas práticas, que se aumente ainda mais a propina, por forma a poder adquirir os modelos adequados para o espancamento. Aliás, não sendo a sua uma formação ao nível da licenciatura, é chulá-los à força toda!!! Agora, suprimir esta notória carência de material arreando na estudantada, não há direito!

Por isso o MFA apela à revolta na Univer-Sidade do Al-Garbe!
- Nós também queremos ter Se-Nado!
- Nós também queremos ter cursos de reciclagem para a polícia de choque!
- Nós queremos vingar os camaradas estudantes!
- Nós também queremos molhar a sopa!

E já agora, também queremos uma Comissão de Festas que seja Associação Académica e ligue aos interesses dos estudantes. Porque nós, para além de molhar a sopa,

queremos molho
e queremos pão
e queremos mais propinas
e menos educação

(e assim provamos que, para além de sermos capitães da revolução, também podemos ser poetas!)



Comunicado do MFA às 06:19 PM | Comentários (0)

18 outubro, 2004


De volta às hostilidades

Devido ao um longo período de ausência, os Capitães do Movimento Fundamentalista Académico, entendem por bem ser este o momento propício para um a intervenção, a fim de “encazinar o sistema e acordar as consciências anestesiadas pela estupidez vigente”. Pois então deixámos o Jurássico por momentos para vir arreliar mais uns mamíferos, ou como se diz em inglês mammalians. Mas como dizem os anúncios da Câmara:
- “Prometemos ser Breves”

O país está em mudanças e como o(um dos) nosso(s) objectivo(s) é liderar a revolución e ver pastar o rebanho, propomo-nos tecer alguns comentários relativos a transformações profundas nos mais diversos terrenos de pastagem. Obviamente, NÓS SOMOS CONTRA!!! É deixar ficar tudo como está, porque como está é que está bem.

Verão quente no Al-Garve, praia, miúdas, copos, miúdos, enfim... Nada de novo excepto um fogacho que certo dia nos ía dando um belo contentamente, recriando uma mensagem tantas vezes proferida: “Nós só queremos Gambelas a arder”... Pois nós vimos Gambelas a arder!!!! Quase se cumpria um velho desejo de alguns dos nossos membros, que era transformar Gambelas num parque de estacionamento... E neste campo, tudo na mesma. Tal como há dois anos atrás, nada funcionou: as bocas de incêncio, secas ou desadequadas, não serviram para nada. E assim mesmo é que é! Inventam estas modernices para quê, se está mais que provado que a bela da filinha pirilau, e a passagem de baldes de água de mão em mão, servem perfeitamente para levar qualquer fogo à extinção?

Findo o fogacho e o Verão, após as festividades do Adiante, inúmeras novidades inundam o panorama nacional. No universo KomuProletariado, grandes mudanças se avizinham (ou então não!!!). Pelos visto, AqueleCujoNomeNosLembra a água Carvalhelhos, bateu com a porta (levado ao colo ou empurrado, ou então não...) e vai ser substituído pelo PontadeLança da Luta que tem nome de índio...

Mudanças também na TVI, com o professor Martelo a bater com a porta, depois de o PMSantanídeo, por intermédio de um KloneKoligado, já com a cabeça azougada das Marteladas do Professor Martelo, pedir que mandassem esse dito professor pastar para os pântanos.

Mais perto de nós, aqui na Uni-Versidade do Al-Garb, avizinha-se também o fim do Rei-Nado Pimpa-Nisto (apesar de ainda faltar aí um anito) que agora deu em Jardineiro (e recuperador da paisagem perdida, onde os BMPs levam os novos alunos para as lúdicas actividades de integração do mergulho e rebolanço em peixe podre) para a caloirada, ou organizador de eventos desportivos... E a pergunta impõe-se: “KemSeráOSu-Ce-Ssor? Será o senhor do fundo com aspirações à cadeira do Pu-der, ou o candidato natural à Su-Ce-Ssão, ou ainda o Senhor-ke-tem-uma-nova-Kasa-e-sempre-Kis-Ser-Rei-tor... Será??? Será???Será???
O Konselho da Revolução mantém-se atento...

Mais novidades na Comissão de Organização de Festas para Estudantes (encontramo-nos actualmente em missão arriscadíssima para descobrir o significado da sigla AAUAlg, e dos motivos que levam a Comissão de Organização de Festas para Estudantes a usá-la, ao invés da sua verdadeira sigla - COFE), que por esta altura anda ocupadíssima com as festividades de integração dos novos membros da Komu-ni-dade, mais conhecidas por PRAXES. Sobre este assunto, e fazendo agora um parentesis no tema que dá origem a este post, ora aí está um interessante assunto - Praxes. A cereja no topo do bolo este ano é a Declaração de Princípios - A Tradição Académica e a Dignidade Humana... Brilhante!!!! Absolutamente BRILHANTE!!!! Falar de dignidade humana e tradição académica é como... Já estamos a ver o discurso típico:

“Caloirinho, és tão digno!!! Olhos no chão sua Besta!!! Tão humano... Esfrega-te orgásmicamente à besta ao teu lado!!! Só te queremos ajudar... Lava-me a loiça que andei a guardar durante 3 meses!!! Bem-vindo à Uni-Versidade do Al-Garbe...Mais, besta! Rebola-te mais!!!”

Era tão bonito ver o nobre Rei-Tor a ler às bestas a referida Dek-laraçon enquanto estas, felizes por se sentirem dignas e humanas, se rebolavam alegremente em excrementos, lodo, fruta podre e outros fantásticos objectos de dignificação humana...

Outra bonita e lúdica actividade que as bestas podem ter nestas 3 semanas da festa “Anda cá sua Besta e bem-vindo a esta espelunca” é beber um agradável sumo natural ou um chazinho de tília, nas inúmeras barraquinha estacionadas nas Docas(?), enquanto se deliciam com uma tostinhas com os mais variados produtos gastronómicos do Al-Garbe, e se elevam em variadíssimas tertúlias sobre varíadíssimos temas, desde Filosofia, aos filmes do Alexandre Frota, passando claro pelo EstadoAQueOEnsino SuperiorChegou (ou não...)

Ouvimos falar de sítios onde fazem um evento durante 3 semanas, cujo único propósito é embubadarem-se todes ò som dum pimbalhaço qualquer, revelando assim, sem qualquer necessidade do tão famoso contraditório, o que é um estudante universitário.
Seus energúmenos!!

Depois ainda se queixam do pessoal que trabalha bradar “Propinas, não pagam?? Bando de bêbados, vão mas é trabalhar!!!Anda aqui um gajo a trabalhar para isto!” Ainda se queixam depois... Belos exemplos! Ouvir música pimba, a humilhar os novos alunos e a fazer concursos de bebidas alcoólicas, de trambolhões, comas e cambaleanço. Ah, estudantada da boa!!! Isto faz lembrar as palavras de Pinheiro de Azevedo:

- “Granadas? Nã... Isto é só fumaça, Calma que o povo é sereno!!! O povo é sereno...”



Comunicado do MFA às 12:53 PM | Comentários (8)