fevereiro 26, 2004

You're my star

Publicado por medusa em 03:33 PM | Comentários (0)

fevereiro 25, 2004

Acordar

Publicado por medusa em 02:36 PM | Comentários (1)

fevereiro 20, 2004

Se eu soubesse

se eu soubesse alinhar os caminhos em que te moves
e apagar os muros que enfrentas
soltar-te dessas teias que te embaraçaram
ou soprar as neblinas que encontras

dar-te novos sapatos para a caminhada
e tornar amena a paisagem
com linhas breves e suaves
e cores ingénuas
rodear-te de flores e aromas frescos

e colocar ainda no teu caminho muitas surpresas
e um grande sofá de algodão branco
ou uma nuvem para repousares
e te esticares

e depois era só desenhar um grande espelho
para reflectir a tua luz
e assim terias sempre dias radiantes

Publicado por medusa em 06:42 PM | Comentários (0)

fevereiro 19, 2004

Sou fã



Os Olhos de Gulay Cabbar [Olga Roriz]


Coro e Orquestra Gulbenkian >> Lawrence Foster & Ute Lemper

Nem acredito que estamos lá!!

Sou super fã!

Publicado por medusa em 06:40 PM | Comentários (0)

fevereiro 18, 2004

Não vá embora [Marisa Monte]

E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio
E eu que pensava que não ia me apaixonar
Nunca mais na vida

Eu podia ficar feio só perdido
Mas com você eu fico muito mais bonito
Mais esperto
E podia estar tudo agora dando errado pra mim
Mas com você dá certo

Refrão:
Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca maaaais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais

Eu podia estar sofrendo caído por aí
Mas com você eu fico muito mais feliz
Mais desperto
Eu podia estar agora sem você
Mas eu não queeeero, não quero

Publicado por medusa em 08:12 PM | Comentários (2)

fevereiro 17, 2004

Love's divine [Seal]

Then the rainstorm came, over me
And I felt my spirit break
I had lost all of my, belief you see
And realize my mistake
But time through a prayer, to me
And all around me, it came still

I need love, loves divine
Please forgive me now I see that I've been blind
Give me love, loves is what I need to help me know my name

Through the rainstorm came, century
And I felt my spirit fly
I had felt, all of my, reality
I realize what it takes

'Cause I need love, love's divine
Please forgive me now I see that I've been blind
Give me love, loves is what I need to help me know my name

Oh I, don't bet (don't bet), don't bet (don't bet)
Show me how to live a promise me you won't forsake
'Cause love can help me know my name

Well I try to say there's nothing wrong
But inside felt that all in all
But the message here was plain to see
Believe:

'Cause I need love, love's divine
Please forgive me now I see that I've been blind
Give me love, loves is what I need to help me know my name

Oh I, don't bet (don't bet), don't bet (don't bet)
Show me how to live a promise me you won't forsake
'Cause love can help me know my name

Love can help me know my name.

Publicado por medusa em 07:43 PM | Comentários (1)

fevereiro 16, 2004

In my secret life

"In My Secret Life"--
"We all have a sense of a truth. The truth can be the most intimate conversation with one's heart about its desire and appetite. And when this conversation appears, it comes very close to the truth and a feeling of authenticity. But I don't imagine to have a metaphysic system without contradictions, and I don't think this is the poet's nor the songwriter's duty. In one of the songs I start by saying: 'I smile when I'm angry. / I cheat and I lie. / I do what I have to do / to get by. / But I know what is wrong. / And I know what is right. / And I'd die for the truth / In My Secret Life.' To be understood in the way that you can deceive everybody but yourself. This is the truth viewed in a simple, pragmatic and ordinary way, but it isn't the great truth of our existence. I can't control that."

Leonard Cohen

Publicado por medusa em 10:49 AM | Comentários (0)

fevereiro 12, 2004

Cada lugar teu

" ...
mesmo que a vida mude
os nossos sentidos
e o mundo nos leve para longe de nós
e que um dia o tempo pareça perdido
e tudo se desfaça
num gesto só

eu vou guardar
cada lugar teu
ancorado em cada lugar meu
e hoje apenas isso
me faz acreditar
que eu vou chegar contigo
onde só chega quem não tem medo
de naufragar
... "

(Mafalda Veiga)

Publicado por medusa em 11:52 AM | Comentários (1)

tempo

Se fossemos ainda jovens e tivessemos todo o tempo pela frente

levar-te-ia a praias brancas espumadas

assim, tarde como é, so te posso oferecer as minhas mãos
para nelas dançares quando te apetecer
ou antes te aninhares
quando o vento for mais forte

Publicado por medusa em 11:48 AM | Comentários (0)

fevereiro 09, 2004

Song to the Siren [This Mortal Coil]

On the floating, shipless oceans
I did all my best to smile
til your singing eyes and fingers
drew me loving into your eyes.
And you sang "Sail to me, sail to me;
Let me enfold you."
Here I am, here I am waiting to hold you.
Did I dream you dreamed about me?
Were you here when I was full sail?
Now my foolish boat is leaning, broken lovelorn on your rocks.
For you sang, "Touch me not, touch me not, come back tomorrow."
Oh my heart, oh my heart shies from the sorrow.
I'm as puzzled as a newborn child.
I'm as riddled as the tide.
Should I stand amid the breakers?
Or shall I lie with death my bride?
Hear me sing: "Swim to me, swim to me, let me enfold you."
"Here I am. Here I am, waiting to hold you."

Publicado por medusa em 07:09 PM | Comentários (0)

fevereiro 06, 2004

Which van gogh painting are you?



the Which van gogh painting are you? quiz by bethany

Publicado por medusa em 11:57 AM | Comentários (0)

Dança-nossa

se me beijasses agora
e o meu corpo aquecesse
eu saberia dançar contigo
essa dança-nossa que está por cumprir
a dança em que morreremos juntos

Publicado por medusa em 11:27 AM | Comentários (1)

fevereiro 03, 2004

Chorámos horas vãs

chorámos horas vãs

e o teu rosto é hoje esponja a absorver o meu sangue

não soubemos
beber a lágrima
que é doce

nem
limpar a ferida
com as mãos
que são ásperas

fomos mais exigentes
não nos quisemos fracos
e juntos nos desfiámos
juntos descemos
juntos nos puxámos
para baixo de nós

um a sobrepor-se ao outro

um a cumprir a missão
de aliviar dores do outro
em águas espessas
onde não sabemos respirar

Publicado por medusa em 01:26 PM | Comentários (0)