agosto 21, 2003

Conto: A Cabeça de Medusa (6a. parte)

Num campo desolado e seco, essa canção parece ter o poder de trazer o passado ao presente, de interpenetrá-los. Esse mistério encanta o pastor e amedronta o viajante. Essa canção irá direcionar o jovem ao seu destino -- qual será?

A Cabeça de Medusa

(...)

Abraçou-o, cheio de medo. E quando levantaram os olhos, perceberam-se no mesmo campo morto e seco que conheciam. Que poder mágico haveria naquela canção? Petrificar-se para reviver um passado de glória? Seria esse o poder e a sedução da Medusa? Como gostaria de rever os belos campos de outrora. O que via agora era seco e sem vida. Chegaram à pequena fonte assustados e em silêncio, ainda tontos.

O jovem pastor despediu-se do viajante, agradecendo-lhe pela conversa e seguindo seu caminho. Desde aquele dia, entretanto, não conseguia mais esquecer a música mágica e a bela figura da jovem transformada em monstro. Tinha, entretanto, medo de cantá-la e ser transportado. Medo e desejo. Vivia uma realidade dura. Seu rebanho era magro e doente, seu cajado já não orientava e protegia como em outros tempos. Por mais que buscasse novos campos, só conseguia encontrar ruínas de um passado de prosperidade e promessa. Havia resistido, até então. Mas a Medusa, ah! A Medusa. Quando pensava nela suas angústias cessavam. Podia então relembrar, despedir-se de seu sofrimento por alguns instantes. Imaginava-a como a jovem de cabelos dourados que via em seus sonhos.

Foi num desses dias difíceis, em que se vive uma hora por vez, que resolveu cantar a música mágica novamente. Estava cansado de viver arrastando-se pelos campos mortos com seu rebanho doente. Que mal haveria em deslocar-se para o passado? Foi nessa experiência que, surpreendentemente, se encontraram.

Começou a cantar, e de novo se sentiu como no centro de um furacão, mas desta vez havia algo diferente, e ele sentiu que podia controlar aquela força misteriosa que a canção insistia em despertar.

(continua...)

Leia o conto completo

Publicado por Esquisito às agosto 21, 2003 04:21 AM
Comentários