julho 08, 2003

Noção da Responsabilidade

Aqui na minha rua, a distribuição de correspondência passou a ser feita por uma “carteira” que substitue a titular durante as suas férias. Tanto quanto me é dado saber, a prática da substituição de carteiros por trabalhadores eventuais é habitual nesta altura do ano.
Acontece que na passada sexta-feira, a “carteira substituta” porventura triste com a sua tarefa (que, se calhar, não é confortável) resolveu atirar para o caixote do lixo uma parte da correspondência que andava a distribuir.
Uma das habitantes viu aquele gesto, correu para o caixote do lixo e conseguiu recuperar a correspondência.
Naturalmente foi perguntado à rapariga da razão porque teve aquela atitude, dado que a correspondência que deitou para o caixote do lixo é suposta conter documentos importantes, alguns difíceis de recuperar, outros envolvendo o cumprimento de responsabilidades, e outros ainda transmitindo informações importantes para o dia a dia do destinatário. A sua resposta foi que não fez por mal e não tinha pensado que a correspondência era assim tam importante.
Eu acredito que a rapariga não mentiu quando deu aquela resposta.
Este facto é elucidativo quanto ao ensino que é dado aos nossos jovens quer pelos pais quer pela escola.
Será que na escola primária ensinaram àquela jovem o que é ser responsável?
E os seus pais alguma vez lhe terão falado neste assunto?
Aqui fica um acontecimento que servirá para um futuro tema: ser responsável.
Lembrei-me agora dum recente acontecimento que correu as páginas dos jornais portugueses. “A jusficação da falta aos trabalhos do Parlamento pelos Deputados que foram assistir ao jogo de futebol em Sevilha”.

Publicado por Manuel Marques em julho 8, 2003 06:12 PM