março 21, 2007

poesia

Irás ouvi-la, a musa; ela bate três vezes. Depois não bate mais...

A senha é o absurdo.
Assim começa o segredo que esconde a mensagem derradeira...

Sentar-te-ás no escuro esperando as três pancadas. Nao te iludas com a chegada dos três porquinhos, ou do velho que manca com uma bengala. O que massacra a Esfinge no final do jogo.

O desfecho é o absurdo, sem o qual a rota da mensagem derradeira está inçada de significado, e a incerteza de tudo está em toda a parte.

Russell Edson, Poesia in O Túnel

Primavera assim de repente?
poesia que escorre entre
os dedos magoados da gente.

Poesia assim de repente...

Almedina Estádio cidade de Coimbra.

Boa primavera.
Apaixonem-se.
Sejam felizes.

Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em março 21, 2007 02:29 PM | TrackBack
Comentários
Comente esta entrada









Lembrar-me da sua informação pessoal?