outubro 31, 2006

A PRENDA

Hoje pedi uma prenda mas não foi ao pai natal, porque um dia disseram-me que esse gajo das barbas brancas não existia.
Eu já desconfiava porque as minhas cartas nunca tinham resposta e além do mais nunca acreditei naquela treta de que as retas pudessem voar, ou que personagem tão farta pudesse entrar numa chaminé.
Ainda bem que ele não existia mesmo, porque se entrasse na minha saía de lá a saber a chouriço fumado ou a castanhas assadas.
Mas pedi uma prenda que está fora de stock. Ou segundo me disseram, só existe um exemplar.
Mas que raios.
Quem faz as prendas não devia pensar que há gente que possa querer?
Estive mesmo para fazer uma carta ao responsável pelo fabrico de prendas mas depois pensei que poderia não existir, tal e qual o gordo das barbas brancas.
Mas pensei também que a prenda que eu pedi pode ser tão rara que é isso que a torna única e tão especial e de um valor pelo qual eu não posso pagar.
Se virem a minha prenda digam-lhe que voei por aí de chaminé em chaminé para ver se está pousada em alguma lareira.
Digam-lhe que procurei nas lojas onde guardam as prendas fantásticas e valiosas.
Digam-lhe que a procurei em todo o lado e porque se trata apenas de um exemplar, eu gostava de a receber como prenda.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:07 PM | Comentários (1)

Direito à vida

É o próprio direito à vida, que nos dá o direito de escolha seja no que for.
O aborto não pode, nem deve, ser encarado como A SAÍDA. A SOLUÇÃO. Uma forma mais "simplificada de resolver" (que não resolve), e com isso ditar o fim de uma vida.
A actual lei já permite (entre outras), o aborto em casos de crimes sexuais ou de má formação do feto.

Fiquei com a ideia, depois do debate da RTP, que certa esquerda portuguesa parece mais preocupada em dar a grande parte do seu eleitorado uma lei que não seja identificada com algum conservadorismo, do que propriamente, preocupada em resolver os problemas sociais dos portugueses.
Se calhar, o caminho do executivo socialista não seria fechar serviços hospitalares para poupar nas contas públicas, mas sim dotar os mesmos, de condições favoráveis a consultas de aconselhamento, planeamento e melhores condições de funcionamento.
Provavelmente, será o mesmo montante, que o estado terá de gastar com os graves problemas que uma mulher poderá ter no futuro (e com o mais que provavel aumento de número de abortos), caso se avance com a interrupção voluntária da gravidez.

COMO NOS SUPERMERCADOS?

A DRª Edite Estrela relativamente à ruptura de stock de pilulas nos centros de saúde;

"Às vezes também há rupturas de farinha nos stocks dos supermercados"

A verdade é que os supermercados não são centros de saúde e o estado em vez de encerrar, deviam antes investir no seu funcionamento e promover com isso, melhores condições de saúde aos seus cidadãos.
As reformas não passam pela poupança imediata com consequências que podem ser devastadoras no futuro.
É preciso recordar que grande parte dos serviços de saúde encerrados por este executivo situam-se em zonas problemáticas e/ou grande parte, em localidades que sofrem de problemas da interiorização.
Se um dos argumentos da liberalização do aborto é proporcionar aos mais carentes financeiramente a oportunidade de escolha, acaba por ser uma contradição, quando a aposta seria evitar um mal maior que é o aborto e promover a qualidade de vida através de mecanismos sérios de acompanhamento, informação e planeamento que ofereça às famílias portuguesas, outras opções que não a última e a pior de todas.

A política neste país é sempre feita ao contrário.
A aposta na prevenção veio sempre em último lugar.
A sinistralidade rodoviária e dos fogos florestais são bem o exemplo disso mesmo. Nunca existiu uma política a sério de prevenção.
Neste caso, o aborto, NÃO é remédio para ninguém muito menos para a mulher.

Por tudo isto e muito mais...
e porque gosto de estar na vida...
porque gosto de rir, chorar e sentir-me vivo...
de lutar contra as adversidades...
e promover o quanto de bom existe do lado de cá do mundo...

Sou pelo direito à vida.

Por isso digo,

Bom dia mundo

Publicado por Nuno Teixeira em 02:30 AM | Comentários (6)

outubro 30, 2006

Um convite

No próximo sábado, dia 4, pelas 16;00 horas é inaugurada no Museu do Ferro de Torre de Moncorvo, a Exposição de artesanato de autoria de Beatriz Sendin, intitulada "Traz os montes: faço laços".

Trata-se de uma forma de artesanato criativo de autoria de Beatriz Sendin,
Engenheira Têxtil residente no Porto e artesã nas horas vagas. Fez a sua
primeira exposição de artesanato, “Laços e Abraços: verdade ou
consequência?”, em Maio deste ano, no Porto, na sequência de um projecto
iniciado há cerca de 5 anos.

Beatriz Sendin cria um mundo imaginário a partir de matérias-primas têxteis
e de uma gama de acessórios de confecção que asseguram processos de
ligamento (laços), vestindo e dando expressão a uma série de bonecos, de
tipo fantoches.

O título desta exposição - "Traz os montes: faço laços" - é uma referência
indirecta aos laços afectivos que, tanto ela como seu marido, o Engº.
Químico José Sequeira (antigo professor na Escola Secundária de Moncorvo há
mais de 25 anos), desenvolveram com Trás os Montes, e em especial com Torre
de Moncorvo.

Uma proposta, um convite enviado pelo Encarregado do Museu N. Campos.

Publicado por Nuno Teixeira em 08:17 PM | Comentários (0)

Pensamento da noite

Por vezes, por mais que tentemos fazer ou demonstrar afecto pelos outros, nunca será suficiente.
No mundo há sempre um tipo de pessoas que preferem tratar menos bem a quem, lhes dá carinho, atenção e quem demonstra atenção pelos seus momentos de alegria ou tristeza.
Na verdade, ninguém espera reconhecimento quando se gosta de uma pessoa...
Mas também é verdade que também ninguém espera a indiferença ou até um mau estar latente.
É triste quando tentamos sempre agradar mas estamos sempre com a impressão que estamos a mais num lugar que não nos pertence.

Publicado por Nuno Teixeira em 06:04 PM | Comentários (0)

Crónica da vergonha anunciada

O jogo no Estádio do Dragão só veio provar que não há anjos na terra.
Aqueles que se dizem pautar por altos valores morais e desportivos, puseram a nu toda a sua vocação para actos selvagens.
Também estou de acordo com a direcção do Futebol Clube do Porto e também acredito que pudesse eventualmente existir uma acção planeada para anular o jovem prodigio do Futebol Clube do Porto.
Um atentado à magia e a tudo de quanto existe de bom no desporto.

É preciso ainda lembrar os gestos de um selvagem que estava como delegado ao jogo do Benfica e que passou o tempo a provocar os adeptos.
É porco e imoral e hipócrita.
Lembro que são os mesmos senhores que se fartaram de fazer barulho por causa do gesto de Cristiano Ronaldo no estádio da luz.


Uma vergonha.

Ainda dizem que a corrupção e a falta de valores só residem a norte.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:54 AM | Comentários (0)

outubro 28, 2006

Conta-me histórias

Estou muito mas muito longe de ser um fã de Xutos.
Acho que isto deve ter sido das poucas coisas que me agradaram...

Agora que pousas a cabeça
na almofada e respiras satisfeito
quero o teu amor sem sentido nem proveito

Agora que repousas
lentamente sigo a curva do teu peito
procuro o segredo do teu cheiro

Juntos fomos correndo lado a lado
Juntos fomos sofrendo ter amado
Amas a vida
e eu amo-te a ti

Conta-me historias daquilo que eu não vi...
Conta-me historias daquilo que eu não vi...
Conta-me historias daquilo que eu não vi...
Conta-me historias que eu não vi...

Logo juntas a tua roupa
e dizes que a vida está lá fora
passou a minha hora...
passou a minha hora...

Juntos fomos correndo lado a lado
Juntos fomos sofrendo ter amado
Amas a vida
e eu amo-te a ti

Conta-me historias daquilo que eu não vi...
Conta-me historias daquilo que eu não vi...
Conta-me historias daquilo que eu não vi...

Publicado por Nuno Teixeira em 03:19 PM | Comentários (1)

outubro 27, 2006

Mais um para ver antes de morrer

Je t`aime Paris.

Ao que parece, várias estórias, várias vidas, várias personagens, várias intrigas...
Pela amostra (lets look at the trailler) parece uma daquelas coisas que vai marcar o cinema.
E tudo com base no mesmo...

Sempre o Amor.

Vamos ver se há tempo e companhia.

Mais um apontamento às sugestões indicadas no post anterior.

Sejam felizes. Bom fim-de-semana.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 01:01 PM | Comentários (0)

Sugestões de fim de semana

«...Não entendo o que quer dizer com ficar perturbado com estas coisas porque eu, pessoalmente, não assassinei ninguem. Eu era apenas o director do programa de extermínio em Auschwitz.»

Pode ler-se na contra-capa do documento apresentado pela Tinta da China "Entrevistas de Nuremberga". Um livro brutal que apresenta revelações feitas por nazis a um psiquiatra americano.
Leon Goldensohn reuniu esses registos que foram organizados por Robert Gellately com tradução portuguesa de Raquel Moura.
De Rui Cardoso Martins, "E se eu gostasse muito de morrer". Um proposta da Dom Quixote.
Sugiro não o último galardoado com prémio nobel (nunca li), mas uma senhora chamada Selma Lagerlof que conta agora com a tradução portuguesa de "A saga de Gosta Berling". Uma edição Cavalo de Ferro.

Quanto à música a minha sugestão vai para Susanna and the Magical Orchestra com o disco Melody Mountain.
Uma voz fascinante. Soberba. Envolvente. Mágica.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:36 AM | Comentários (0)

Bom Dia MUNDO


(Foto: António Nunes | Nova caminhada)

Ainda que os teus olhos me acompanhassem, logo esse caminho fazia sentido.
Porque apenas leio o teu trilho na distância.
És o caminho que trilho aqui e no meu bloco de apontamentos seguindo as memórias do teu olhar.
E o dia nasce da madrugada e finda nela. E eu aqui parado, só penso que é possível renascer em ti e perder-me.

Bom dia mundo

Publicado por Nuno Teixeira em 02:16 AM | Comentários (1)

outubro 20, 2006

NOVA CAMINHADA

[...]Felizmente que sei cantar sem pressa,
Que sei recomeçar,
Que sei que há uma promessa no acto de cantar[...]

... começa a nova caminhada....

... A CUMPLICIDADE.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:34 PM | Comentários (3)

Sugestões

O meu destaque vai para o livro "Sexo e Amor" de Francesco Alberoni.
Mais uma vez o autor explora os meandros do amor. Quem não se lembra do "Enamoramento e Amor".
Desta vez são explorados os mecanismos da sexualidade na relação amorosa.
Uma edição da Bertrand.
Eis o regresso do saudoso (para quem não lê as crónicas), Miguel Esteves Cardoso. De novo o estilo irónico e acutilante agora presente em "A Minha Andorinha" em habitual edição da Assírio & Alvim.
Da mesma editora (e por sugestão de um amigo meu), "Em Conversa com Thomas Berhnard"
Para o final guardo "Uma História da Guerra" de John Keegan. Para quem quer saber mais sobre os conflitos que marcaram a história da humanidade, da editora Tinta da China.

Só me resta desejar-lhes um bom fim-de-semana.
Que sejam felizes, a melhor de todas as sugestões.

Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 02:40 PM | Comentários (1)

outubro 19, 2006

Malhas caídas

Malhas caídas (projecto Assobio da Cobra)

Não me interpretes mal,
Não troques os sinais
Tu sabes que no fundo,
Bem lá no fundo, somos todos iguais:
Malhas caídas,
Esperança e pouco mais

Não me interpretes mal,
Não me queiras julgar
Sabes que a solidão
Deixa a razão fora do seu lugar:
Malhas caídas,
Pontas por apanhar

Vá, afasta esse olhar
De quem nunca viu uma mulher
Pronta pra dar
E pra tirar tudo o que quer

Vá, rasga-me a roupa,
Salta esse muro
Pelo passado,
Pelo futuro,
Porque nós somos do mesmo lado
Escuro

Não me interpretes mal,
Somos iguais na dor
Tu vais ver que, afinal,
Basta uma chama, um pouco de calor

Letra: João Monge
Música: Manuel Paulo
Voz: Manuela Azevedo

Publicado por Nuno Teixeira em 01:43 PM | Comentários (1)

Bom dia mundo...

...um musical do outro mundo :)

Bom dia mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 02:15 AM | Comentários (1)

outubro 18, 2006

BOM DIA MUNDO

Algo de muito estranho está a passar-se no lado oriental da cidade.
Esta manhã, um repórter da rádio, seguiu as pistas de um estranho caso... dois amantes perseguidos.

Seguido da invenção do amor.

...um cartaz denúncia o nosso amor.

Temos estradas que não usamos.
Somos loucos.
Lindos e soltos voamos.

BOM DIA MUNDO... AO MEU E AO TEU. AO NOSSO MUNDO.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:55 AM | Comentários (0)

outubro 17, 2006

OS SONHOS REPETEM-SE E...

...as reconquistas também.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:54 PM | Comentários (4)

Beijo

Porque há beijos que não se esquecem,
O teu guardo-o comigo toda a vida,
Nas noites brancas que não aquecem,
Nos dias ausentes da tua magia.

Palavras sim tantas palavras te pinto,
Na ausência timida de sorriso traquina,
Rosto e corpo teu poema que sinto,
Hoje que celebro beijo escondido numa esquina.

Tu és sempre o despertar do meu sorriso,
A luz que carrego quando te sinto perto,
Cumplicidade de almas a lua e o feitiço.

Tu e sempre tu que brilhas no meu deserto,
Neste lado do mundo neste dia preciso,
Grito às gentes que meu amor é certo.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:19 PM | Comentários (1)

outubro 16, 2006

Ainda se lembram?

[...] Andava em busca de uma alma semelhante à minha, e não podia encontrá-la.
Procurava por todos os recantos da terra: era inútil a minha perseverança. E, no entanto, não podia continuar só. Precisava de alguém que aprovasse o meu carácter; precisava de alguém que tivesse as mesmas ideias que eu. Era de manhã; o sol ergueu-se no horizonte em toda a sua magnificência[...]

Isidore Ducasse Conde de Lautréamont in Cantos de Maldoror

Publicado por Nuno Teixeira em 05:14 PM | Comentários (0)

Vamos por aí

Vamos por aí, meus amigos!
Celebrar nas asas da noite e do dia,
Levar a voz da escrita a todos os abrigos,
E iremos até ao mundo da fantasia,
Na maré de um povo em euforia...

Vamos por aí, meus amigos!
Escrever ao longo de estradas e caminhos,
Que os inimigos não são moinhos,
E as revoltas: em silêncio...
Soltas em destinos

Vamos por aí. Alguma coisa há-de ser

Publicado por Nuno Teixeira em 01:49 PM | Comentários (1)

Bom dia mundo

Nós por cá.
Mais uma semana do outro lado do mundo.

Bom dia.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:10 AM | Comentários (5)

outubro 13, 2006

Bom dia mundo

HOJE.
Não tenho sugestões para o fim de semana.
A NÃO SER...
tentem mesmo a sério ser felizes.
HOJE...
não voltarei aqui à vossa companhia.
AMANHÃ.
Há-de ver sempre esse amanhã.

Lindos e soltos...

Publicado por Nuno Teixeira em 02:34 AM | Comentários (4)

outubro 11, 2006

Um universo paralelo

Um destes dias, uma lágrima fará rebentar o céu com tal luminosidade que entregará a liberdade a um velho actor que se arrasta num palco.
O big bang da alma. A criação de um universo paralelo sustentado na força de um amor oprimido pelo próprio homem.
Nas montanhas, nos vales, nos rios, nas árvores. Em todas as formas da natureza estará espelhado o rosto e as expressões traquinas de um amor, ao qual será impossível amar. Com o qual é obrigatório conviver.
Por isso esse calvário de habitar um novo universo feito com as mesmas formas.
Sem poder conquistar montanhas, sem contemplar os vales, sem mergulhar nas águas, sem abraçar as árvores com essa vontade de abraçar o mundo inteiro.
É como se a natureza nos ignorasse, porque fazemos parte dela e como tal já não a podemos surpreender. Somos triviais

Porque um amor não se esquece e porque não podemos apenas fingir que não existe...
E porque há quem diga que o amor é uma doença, apenas vamos aprender a conviver com ela.

Bom dia mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 12:50 AM | Comentários (5)

outubro 06, 2006

Sugestões

De noite, amada, prende o teu coração ao meu
e que no sono eles dissipem as trevas
como um duplo tambor combatendo no bosque
contra o espesso muro das folhas molhadas.

Pablo Neruda, Cem Sonetos de Amor

Livros para este fim-de-semana;
"A minha Mulher" de Anton Tchekov da editora Quasi.
"O Espírito da Comédia". Livro de António Escohotado da Antígona.
"Primeiras Páginas". O Século XX nos Jornais Portugueses com recolha e selecção de Luis Trindade com a marca da Tinta da China.

Na música destaco Thievery Corporation com "Versions".
Numa palavra; Fantástico.

Só me resta desejar a todos um excelente fim-de-semana.
Façam o favor de serem felizes.

Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 01:50 PM | Comentários (2)

outubro 04, 2006

PENSAMENTO DO DIA

Gostava de ser factor surpresa.
Surgir na tua vida de forma inovada.
E se necessário, virar as costas ao teu sorriso,
para que fosses tu a conquistar essa ânsia da descoberta em mim.


ah como gostava de ser essa surpresa.
Não ser essa imagem cansada e irrecuperável
que tens de mim aos olhos de um clic de amor

Publicado por Nuno Teixeira em 05:10 PM | Comentários (7)

Bom dia mundo D`Ouro


(Quadro D`Ouro)

Na globalidade. És gente.
Identidade própria.
Pronúncia do norte com orgulho.

És mística. Modéstia. Honestidade.
És linda.

Mesmo assim, ainda és apelidada de "fim do mundo" ou lugar do "sol posto".
AH se soubessem eles do que falam... eles não te sentem como eu te sinto.
Porque não te trazem na alma.

Porque se calhar nunca se perderam nos teus olhos, como eu me perdi... tal e qual a saudade dos olhos de quem amo como a ti.
Na côr, na alegria de um sorriso que palpita com o bater de uma velha locomotiva que nos faz correr em ti e onde se ouvem brincadeiras de crianças.
ÉS assim meu Douro. Tal e qual o meu amor.

Já lá vai o sonho de partilhar-te com quem mais amo, ainda assim fica a beleza a perder de vista e esse sonho incompleto.

Parabéns. Que as 250 velas não te envelheçam nas gentes mas sim nos "frutos".

ÉS DOURO.

BOM DIA DOURO.
BOM DIA MUNDO.

Voamos?


Publicado por Nuno Teixeira em 01:55 AM | Comentários (2)

outubro 02, 2006

Tu e sempre tu

Tu e sempre tu,
De mim que tu disseste,
Que todas as palavras te disse.
Mas que eu sinto,
que tantas ficaram por dizer,
nesse poema ao entardecer...
De descobrir como o refazer.

De palavras desordenadas,
pintar de novo tuas coordenadas,
conquistar-te sem aborrecer.
Quando o que aborrece é apenas
o insistir e o entristecer,
a rotina e o padecer

Conquistar-te agora,
utopia.
Sonho que não sai do lugar,
preso neste meu deambular,
das memórias que pulam,
quando sei que te vou encontrar.

E que fazer?

Não olhar? Não falar? Não tocar?
Querer e desejar.
Afastar-me. Sem palavras.
Deixar.
Ficar com o sentir dentro de mim.

Não olhar? Não falar? Não tocar?
Desejar abraçar e não tentar.
Que teria eu a perder?
Não temer. Nunca temer.
Apenas lutar. Contra mim lutar.
Ficar com o sentir dentro de mim.

Não olhar? Não falar? Não tocar?
Guardar tudo o que se sabe,
tudo o que sabes...
Que o tempo não apaga,
Comigo fica a palavra...
que quero mas não quero dizer

Por ainda amar, por ainda te sentir...
por ainda dar a sentir-te a ti,
Nessa minha hipocrisia de...
Não te olhar nos mais belos olhos
Com receio de falar o meu sentir,
Que encontra sentidos no meu tocar...

em ti,
que protejo do constrangimento,
de me ouvires sentir,
que ainda é amor que guardo dentro,
prefiro então fazer-te sorrir,
para ao menos ter-te perto
sempre que quero recordar,
esse sonho incompleto.

Tu e sempre tu.
Utopia de um sonhar.
Que não se apagou.
Que não se apaga.

Dedicado a ti e sempre a ti.
Com coração atado,
mas com mãos que te mostram,
o que sinto deste lado.

Publicado por Nuno Teixeira em 09:03 PM | Comentários (3)

outubro 01, 2006

Interminável Amor


(Foto: António Nunes | Vejo com os Teus olhos)

Parece-me que te amei de inúmeras maneiras, inúmeras vezes,
Na vida após vida, em eras após eras eternamente.
O meu coração enfeitiçado fez e voltou a fazer o colar das canções
Que tomaste como uma prenda, usando-o à volta do pescoço de
tantas e tantas formas.
Na vida após vida, em eras após eras eternamente.

Sempre que oiço as antigas crónicas do amor, a sua antiga dor,
O seu antigo conto de estar só ou acompanhado,
Quando contemplo o passado, no fim tu apareces
Vestida com a luz da Estrela Polar que trespassa a escuridão do tempo:
Tornas-te uma imagem do que é recordado sempre.

Tu e eu flutuámos aqui na corrente que traz da nascente
Para o coração do tempo o amor de um pelo outro.
Representámos lado a lado milhões de amantes, partilhando
A mesma tímida doçura do encontro, as mesmas amarguradas
lágrimas do adeus -
Antigo amor, mas renovando-se e renovando-se sempre.

Hoje ele acumulou-se aos teus pés, encontrando o seu fim em ti,
O amor de todos os dias, de todos os homens, do passado e de sempre:
Universal Alegria, universal mágoa, universal vida,
As recordações de todos os amores surgindo com este nosso amor -
E as canções de todos os poetas do passado e de sempre.


Rabindranath Tagore, Interminável amor

Publicado por Nuno Teixeira em 04:06 PM | Comentários (3)