agosto 28, 2006

Bom dia mundo

Num lugar da Mancha, de cujo o nome não quero lembrar-me...

Publicado por Nuno Teixeira em 03:14 AM | Comentários (0)

Bom dia mundo

Ele contou-lhe que tinha tido uma namorada que gostava de estar só. Era muito triste, porque eram namorados e os namorados, por definição, andam juntos. Mas ela goostava essencialmente de estar só. Perguntou-lhe uma vez «Porquê ? Tem a ver comigo?» Ao que ela respondeu «Não, não tem a ver contigo, é comigo, desde a infância.» Ele não topou muito bem aquela cena da infância e, num esforço para tentar perceber, procurou encontrar alguma coisa semelhante na sua infância, mas não achou nada.
Quanto mais pensava , mais a sua infância lhe parecia como uma cárie no dente de outra pessoa, não muito saudável, mas também não demasiado incomodativa, pelo menos para ele. E aquela rapariga, que gostava de estar só, estava sempre a esconder-se dele, tudo por causa da infância dela. Aquilo enervava-o imenso.
Acabou por lhe dizer «Ou me explicas, ou deixamos de ser namorados.» Ela disse que estava bem, e deixaram de ser namorados.

Etgar Keret, O Motorista de Autocarro que Queria ser Deus

Temos estradas
que não usamos.
Somos loucos.
Lindos e soltos voamos.

BOM DIA MUNDO. ATÉ JÁ.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:48 AM | Comentários (0)

agosto 25, 2006

Sugestões

Voltam as sugestões de fim de semana. Pouco tempo e muito trabalho foram os responsáveis directos pelo desaparecimento das sugestões.

Livros:
World Press Photo 2006 da Thames & Hudson é conhecida como a bíblia da foto-reportagem. 83 mil fotografias e mais de 4.500 fotógrafos de mais de uma centena de países. Uma outra forma de ver o mundo ou quiçá, a forma directa de ver o mundo.
História Geral dos Piratas da editora Cavalo de Ferro do capitão Charles Johnson. Um misto de realidade e ficção. Kidd ou o Barba Negra assombram o livro negro. Ando apaixonado por estórias de piratas e se a paixão se mantiver até ao próximo ano já sei do que me vou mascarar no carnaval.Portugal - O Outras páginas negras e bem mais reais estão no Vermelho e o Negro, um estudo do também jornalista Pedro Almeida Vieira que foca a problemática dos incêndios em Portugal.

Deixo ainda uma sugestão musical:
TV on the Radio - Return to cookie mountain (2006)

O segundo álbum da banda.

Bom Fim de Semana.

Temos estradas
que não usamos.
Somos loucos.
Lindos e soltos voamos.


Publicado por Nuno Teixeira em 01:14 PM | Comentários (0)

Hoje com sugestões

VOLTO JÁ
VOLTE VOCÊ TAMBÉM

Publicado por Nuno Teixeira em 11:56 AM | Comentários (0)

agosto 23, 2006

Bom dia mundo

[...]Vais voar, Ditosa. Respira. Sente a chuva. É só água. Na tua vida terás muitos motivos para ser feliz, um deles chama-se água, outro chama-se vento, outro chama-se sol e chega sempre como recompensa depois da chuva. Sente a chuva. Abre as asas - miou Zorbas.
A gaivota estendeu as asas. Os projectores banhavam-na de luz e a chuva salpicava-lhe as penas de pérolas. O humano e o gato viram-na erguer a cabeça de olhos fechados.
- A chuva, a água. Gosto! - grasnou.
- Vais voar - miou Zorbas.
- Gosto de ti. És um gato muito bom - grasnou ela aproximando-se da beira do varandim.
- Vais voar. Todo o céu será teu - miou Zorbas.
- Nunca te esquecerei. Nem aos outros gatos - grasnou já com metade das patas de fora do varandim, porque, como diziam os versos de Atxaga, o seu pequeno coração era dos equilibristas.
- Voa! [...]


Luis Sepúlveda, História de uma Gaivota e do Gato que a ensinou a voar

... e deste lado do mundo,

Temos estradas
que não usamos.
Somos loucos.
Lindos e soltos voamos.

Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:11 AM | Comentários (0)

agosto 22, 2006

Retratos minimalistas da longa "Margem da Alegria"

[...]Fui cúmplice das coisas contra mim
e um torrão de terra era uma pedra de loucura
e as árvores cingiam-se de sombra
e contra mim na sombra conspiravam
A inês não é possível pois quem quero é a impossível inês
mais que reinar portugal eu reino em ti de vez
Nem a dor me doeu em tudo tinha a vida
coimbra corpo meu diário pão
nem mesmo a mais pequena das laranjas
perdida no perfume dos pomares de coimbra
desconhece talvez quem foi e continua a ser inês[...]


[...]Há cotovias já no teu silêncio
há coisas de outra idade neste dia
que afugentou os rouxinóis da noite
É manhã nas estrelas vai alguém casar
pedra de pedra intensamente
testamento lavrado sendo já alto o serão
alguém casou alguém morreu de amor
após a sua postrimeira dor
Talvez um dia eu volte lá dessa cidade
somente minha e de mais ninguém
A vida era mágoa para mim que só pedia
a beleza contida num pequeno copo de água
Ninguém profundamente me conhece
nem talvez isso interesse a alguém
e aos íntimos menos que a ninguém
Bailador e monteiro e justiceiro
pedro primeiro pedro derradeiro.

Ruy Belo in A Margem da Alegria

Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:42 AM | Comentários (0)

agosto 17, 2006

Bom dia mundo

Disseram-me ontem que Coimbra começou a chorar.
Não quis acreditar e fui ver à rua, que linhas de chuva eram traçadas através dos candeeiros da rua.
Coimbra continua com a mística de sempre.
Mas lembrei-me, esta madrugada, que não é a cidade que figuradamente chora.
Do céu devem cair as gotas de água de quem chorou por Coimbra. São as sementes lançadas na terra e que a terra rejeitou, que hoje tardiamente choram em uníssono os dias e as noites em qual terra prometida.
E a bem da verdade, a Coimbra também chora, porque por ela, só acolhia quem viesse por bem.
Depois dos ventos loucos de outras madrugadas recentes eis, que Coimbra chora mansinha e repousa nas ruas vazias de Agosto.
Quando acordar, a Coimbra tentará sorrir ao lado dos que passeiam com sorriso no rosto e uma lágrima na algibeira.

Temos estradas
que não usamos.
Somos loucos.
Lindos e soltos voamos

Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:34 AM | Comentários (0)

agosto 09, 2006

Agosto - o mês decisivo

Este mês de Agosto afigura-se como o mês das grandes decisões.
Será um mês de importantes decisões para a minha vida futura e sei que parte das resoluções a serem tomadas nem sequer passam por mim. Mas há que confiar no bom senso e fundamentalmente querer sempre acreditar que os outros merecem sempre a nossa confiança até prova em contrário.
Por norma, sou muito directo nas decisões que tomo. Não entendo como as pessoas podem encarar o "talvez" como um dos factores a ter em conta nas orientações e nas esolhas. Para mim existe o SIM e o NÃO, como tal, neste contexto o "talvez" devia ser banido do dicionário. Louco, dirão alguns.

Devaneios de um louco que não consegue dormir, porque o sono parece que desapareceu de mãos dadas com este vento que estranhamente nas últimas madrugadas parece estar doido.

Bom dia mundo.
Temos de acreditar que podemos ser felizes.

Publicado por Nuno Teixeira em 05:06 AM | Comentários (3)

agosto 08, 2006

Ouvi Dizer (OUTRA VEZ)

Ouvi dizer que o nosso amor acabou.
Pois eu não tive a noção do seu fim!
Pelo que eu já tentei,
Eu não vou vê-lo em mim:
Se eu não tive a noção de ver nascer um homem.

E ao que eu vejo,
Tudo foi para ti
Uma estúpida canção que só eu ouvi!
E eu fiquei com tanto para dar!
E agora
Não vais achar nada bem
Que eu pague a conta em raiva!
E pudesse eu pagar de outra forma!

Ouvi dizer que o mundo acaba amanhã,
E eu tinha tantos planos pra depois!
Fui eu quem virou as páginas
Na pressa de chegar até nós;
Sem tirar das palavras seu cruel sentido!
Sobre a razão estar cega:
Resta-me apenas uma razão,
Um dia vais ser tu
E um homem como tu;
Como eu não fui;
Um dia vou-te ouvir dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!

Sei que um dia vais dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!
A cidade está deserta,
E alguém escreveu o teu nome em toda a parte:
Nas casas, nos carros, nas pontes, nas ruas.
Em todo o lado essa palavra
Repetida ao expoente da loucura!
Ora amarga! ora doce!
Pra nos lembrar que o amor é uma doença,
Quando nele julgamos ver a nossa cura!

(Ornatos Violeta - O Monstro Precisa de Amigos)

Publicado por Nuno Teixeira em 06:56 PM | Comentários (2)

Pensamento na noite

O que somos dentro desta estratégia global que nós próprios estabelecemos?
Somos seres desencontrados do mundo? Divagamos sempre em sentido oposto aos outros e vemos passar as nuvens a uma velocidade vertiginosa?
E depois? Vergamos o nosso ser a um outro que não conhecemos mas que dizem lá habitar, ficamos de novo estupidamente tribais.
Esquecemos o amor inventado ao longo de culturas religiosamente proibídas. Somos apenas o vegetal de um ser maior que aprendemos a temer, quando em casa nos dizem que não devemos temer ninguém. Devemos respeitar o próximo mas nunca ficar para trás.
Temer?
Prefiro morrer no chão, baleado por emoções do real e das lutas justas e coerentes dos povos do que ser um mártir crucificado ao longo dos séculos que não pode valer a almas que se veneram a seus pés.
Não quero partir em vão, prefiro ser o meu mito e morrer em segredo, onde ninguém poderá violar e adulterar a identidade na nossa personalidade.
A morrer que seja em silêncio, porque para espalhafato, já chegam as peripécias em vida

Publicado por Nuno Teixeira em 02:36 AM | Comentários (0)

agosto 05, 2006

Um pensamento no dia


Quando queremos muito uma coisa e quando somos persistentes ao ponto de lutarmos sem baixar os braços, corremos o risco de parecer ridículos aos olhos dos outros mas as grandes conquistas do mundo foram feitas assim, desta forma.
Sem desistir, sem nunca baixar os braços. Mesmo que a luta seja travada por entre o silêncio dos dias.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:41 PM | Comentários (0)

agosto 02, 2006

Um regresso e uma despedida

Hoje terminou mais um ciclo.
Entre as despedidas da vida, umas superam-se outras custam e fazem feridas profundas.

De volta ao outro lado do mundo onde nem tudo tem graça.

Lindos e soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 08:29 PM | Comentários (3)