janeiro 31, 2006

Tema do dia


I was lying in my bed last night staring
At a ceiling full of stars
When it suddenly hit me
I just have to let you know how I feel
We live together in a photograph of time
I look into your eyes
And the seas open up to me
I tell you I love you
And I always will
And I know you can't tell me
I know you can't tell me

So I'm left to pick up
The hints, the little symbols of your devotion
So I'm left to pick up
The hints, the little symbols of your devotion

And I feel your fists
And I know it's out of love
And I feel the whip
And I know it's out of love
And I feel your burning eyes burning holes
Straight through my heart
It's out of love
It's out of love

I accept and I collect upon my body
The memories of your devotion
I accept and I collect upon by body
The memories of your devotion

And I feel your fists
And I know it's out of love
And I feel the whip
And I know it's out of love
And I feel your burning eyes burning holes
Straight through my heart
It's out of love, ooh hoo
It's out of love

Give me a little bit serious love
Give me a little full love
Be full of love

Fists, fists, fists full of love

(Antony and the Johnsons | Fistful of love)

Publicado por Nuno Teixeira em 05:04 PM | Comentários (2)

O teu olhar, o teu sorriso e esse ar de felicidade.
O teu jeito humilde de estar na vida.
Nada disso se apaga. Estará para sempre gravado em mim e em todos aqueles que partilhavam a vida contigo.
Ao partires, deixas saudades mas estarás sempre entre nós.
Onde quer que agora estejas envio-te deste lado do mundo, um abraço e um beijo que não tive oportunidade de te dar.

Viverás sempre solta, livre e linda em cada um de nós.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:37 PM | Comentários (0)

janeiro 30, 2006

para ouvir nos próximos dias frios


(Clap Your Hands Say Yeah)

O disco do dia.
Algo que se pode comparar ao underground de Arcade Fire.
O quinteto nova iorquino ainda vai dar muito que falar e muito que ouvir.
Não é o disco do dia mas talvez dos próximos dias
Os senhores chamam-se Clap Your Hands Say Yeah.
Bato as palmas à excelência.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:08 PM | Comentários (5)

mudança de servidor

A partir desta semana, o Dom Quixote vai ficar às escuras.
A malta vai mudar-se para outro servidor e como tal ficaremos sem imagens momentaneamente.
Sem imagens mas com conteúdos.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:26 PM | Comentários (1)

Bom dia mundo

Aqui deste lado do mundo celebramos o regresso dos novos tempos.
Somos lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:07 AM | Comentários (0)

janeiro 28, 2006

futuro hipotecado


(Foto | Bruno Silva)

Serve-me esta expressão de Bruno Silva para dar título a este post.
Contava-me Bruno Silva há minutos atrás;
"Entrei em contacto com a nossa fonte em Ramallah e ouvia tiros pelo telefone".
Um retrato simples mas ainda assim o reflexo dos momentos de tensão que voltaram.
Neste momento Bruno aguarda num hotel de Tel Aviv, de onde partirá para Ramallah amanhã para recolher imagens.

Conta-nos Bruno Silva a partir de Tel Aviv;

"Mais uma vez o médio oriente em crise e com o futuro hipotecado, o Hamas sai vitorioso nas eleições palestinianas causando apreensão tanto internamente com o rival Fatah como com os israelitas que não aceitam negociar com um partido terrorista, ficamos cá para ver."
Ficamos por cá deste lado do mundo à espera de um retrato singular de Bruno Silva.
Bom trabalho Bruno.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:08 PM | Comentários (0)

Quando a Europa tremeu

Do tamanho do medo, da angústia e de uma raiva feita pelo apelo à vida e à felicidade.
"Que parem".
Hoje ainda se convive com os sentimentos e os pressentimentos. A desconfiança a cada segundo em cada cadência.
A reportagem e os relatos. As feridas que demoram a sarar.
Recordar 11 de Março. Quando a Europa tremeu.
A reportagem na TSF

Publicado por Nuno Teixeira em 11:47 AM | Comentários (0)

janeiro 27, 2006

Bom fim de semana

Voltei.
Para desejar a todos um excelente fim-de-semana e sublinhar as sugestões feitas no post anterior.
Façam o favor de serem felizes.
Voamos para fim-de-semana.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:29 PM | Comentários (1)

Sugestões

Eu já não sou quem era;
O que eu sonhei, morri-o;
E até do que hoje sou
Amanhã direi, quem dera
Volver a sê-lo!... Mais frio
O vento vago voltou.

(Fernando Pessoa)

Hoje e "aqui começa a nova caminhada" (não a do Torga).
Saí. Saí de casa bem antes de começar a escrever este post.
Fui ver e não querem lá ver aquelas folhas de Outono fizeram uma dança à minha volta. Quase que as ignorava, orgulhosamente, perante o olhar atento da noite. Tamanha felicidade de poder sentir a manifestação sincera da natureza levou-me a abraçar a noite e a acolher as folhas que num rodopio dançaram na calma noite selvagem da cidade.
Sentir.
É no sentir que o mundo avança. E eis que aqui estou a martelar no teclado, palavras, que são escutadas em passo de corrida ao ritmo de um dia de trabalho, por sinal, o último para quem não conhece as "regalias" laborais do fim-de-semana.
Encolho os ombros e levo os braços ao céu (não o fiz porque os olhares entre as persianas me poderiam acusar de louco).
E então eu pensei. De que vale correr? De que nos vale gatafunhar poemas e gritos na noite? Quem se sente e nos sente, sabe que estamos cá, porque depois de um grito, o silêncio é sempre revelador de que escrevemos outrora vezes e vezes sem conta.
Logo, como me segredou aquela Princesa da Fragada um dia; "não procures porque quem quiser estar, está".
E eis que estou eu e a honestidade da natureza e tudo de quanto de bom ela representa num misto de grandeza e simplicidade...

NÃO GOSTO DE TEXTOS LONGOS PORQUE AS PESSOAS PERDEM-NOS O RASTO

Sugestões;
Primeira de todas e mais do que nunca... sentir e lutar pelo que se sente ao som de uma ou duas notas de piano. Sentir é muito mais do que um impulso. É mais do que tirar a pulsação a quente e dormir com o inimigo. Sentir é... isto. Escrever a jacto Sentir não é ser comodista e tornarmo-nos parasitas do outro sentir, pensando ver nele forças que abafem outro pulsar.
Sentir. É correr e lutar até colocar a bandeira orgulhosamente na coluna mais pequenina e sorridente, porque das coisas pequenas se constrói a felicidade.
Os livros...
Amantes da linguística. Boa leitura com "Introdução à Linguística - Geral e Portuguesa" com organização de Isabel Hub Faria, Emília Ribeiro Pedro, Inês Duarte e Carlos Gouveia. Um edição da Caminho.
Da Editorial Presença, uma estória dos anos 30.
Sayuri dos olhos claros... poderia ser apenas mais uma famosa gueixa do Japão. Na vida há sempre lugar para a paixão... (agora nas telas)
Totalmente diferente é "Sr Bentley - O Enraba Passarinhos" de Ágata Ramos Simões. Uma curiosidade "popular", divertida e descontraída..
Do Professor Fernando Correia, "Jornalismo, Grupos Económicos e Democracia". Talvez um tema muito abordado em "encontros". Uma nova abordagem. Os detentores dos órgãos de comunicação social e o perigo que isso acarreta para a democracia, pelas influências que este poder exerce nas instituições e poder político.
Poucas músicas hoje... mas tenho andado a pesquisar coisas boas do ano passado que sinto vergonha de não ter conhecido a tempo de os eleger para a minha lista de escolhas do ano passado.
Mesmo assim uma excelente sugestão...
Jacinta. O renascimento do jazz português. O álbum, "Daydream" será apresentado hoje em Faro (particularmente), que na sua produção conta com o toque do saxofonista norte-americano Greg Osby.
Como eu costumo dizer... simplesmente intenso e envolvente. Decididamente muito envolvente.
Para quem tiver a oportunidade, não perca hoje no Teatro Municipal de Faro pelas 21h30.
Voltarei. É bom estar aqui com vocês.
Somos lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:58 AM | Comentários (2)

janeiro 26, 2006

Pensamento do dia

Por vezes, não temos a percepção total da realidade. Ou até temos mas acreditamos que "talvez não seja bem assim... não é como pensamos" e damos aquela oportunidade ou aquilo que eu chamo de segunda via.
Até que vamos confirmando, "debaixo das nossas barbas", que segundo a segundo se vai desmascarando a realidade que deixa destapada a treta.
Só não percebo é o porquê da treta!
Para quê inventar treta quando se pode ser realmente objectivo e claro com as palavras.
Tretas dos dias da vida que passam. Dá pena!
Felizmente vou voando aqui deste lado do mundo.
Lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 08:52 PM | Comentários (0)

janeiro 25, 2006

Toquei só de leve e acabou antes de durar

Leve, breve, suave,
Um canto de ave
Sobe no ar com que principia
O dia.
Escuto, e passou...
Parece que foi só porque escutei
Que parou.

Nunca, nunca, em nada,
Raie a madrugada,
Ou `splenda o dia, ou doire no declive,
Tive
Prazer a durar

Mais do que nada, a perda, antes de eu o ir
Gozar

Fernando Pessoa

Publicado por Nuno Teixeira em 07:23 PM | Comentários (4)

Olá mundo.
Are you ready?
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 02:07 PM | Comentários (0)

janeiro 24, 2006

Sugestão

Para ler com atenção e para tirar as devidas conclusões da ironia que se segue.
Era para sugerir este livro só na Sexta-Feira mas não resisto mais.
"Inconfidências de Incomunicação", de João Moreira dos Santos conta 15 histórias surreais e ilustradas (André Kano), sobre a vida de um profissional de Comunicação Empresarial. Fica um excerto de um dos contos dedicado aos "Jornalistas".

Ok, com estes damo-nos normalmente bem, a não ser quando a bronca estoura e a coisa dá para o torto à conta de algo que escreveram, confundiram ou difundiram sobre a nossa empresa, o nosso chefe (pior ainda) ou nós próprios (desgraça das desgraças).
Damo-nos geralmente bem até porque somos todos de letras, todos nos dedicamos à escrita e passamos a vida a trocar de posições: há os directores de comunicação que já foram jornalistas; os jornalistas que queriam ser directores de comunicação; os directores de comunicação que adoravam ser apenas jornalistas para poderem zurzir forte e feio nos directores de comunicação e nas suas administrações, tal como os jornalistas lhe fazem no presente; os "jornalistas" que são simultaneamente "jornalistas" e relações públicas, porque assim sempre ganham mais uns tostões e até têm uma melhor visão do mercado... ah, e também há, claro, os jornalistas que são apenas jornalistas, uma casta em vias de extinção e que o governo pondera seriamente subsidiar... em nome da diversidade biológica e da perservação da espécie, para benefício das gerações vondouras.

Claro que nem tudo são rosas. Nada dá mais prazer aos directores de comunicação do que inundar os jornalistas com press-releases, até porque assim «esses noctívagos desorganizados sempre têm algo que fazer e não ficam a dormir até tarde e, afinal, "não custa nada" atirar o nosso barros à parede deles». Por outro lado, os jornalistas pegam muitas vezes nos press-releases supérfulos e colocam-nos no seu devido lugar: o caixote do lixo. Já outros, penduram no placard da redacção, para gozo colectivo, os press-releases que consideram autênticas «pérolas do "bem escrever" com redundância, sobreadjectivação e auto-elogio gratuito». Consta que ultimamente os placards existentes já não chegam e que os directores financeiros dos principais jornais se queixam pelos cantos dos gastos excessivos com novas e constantes aquisições deste tipo de equipamentos...
João Moreira dos Santos in, Inconfidências de Incomunicação...

Publicado por Nuno Teixeira em 04:33 PM | Comentários (1)

Sem espaço no bloco

Há sempre algo que fica por dizer ou escrever.
Mashojenãotenhoespaçonomeublocoparaescreveroquefaltoudizer.
(Enganei-me. Onde se rasga esta folha? Como faço gatafunhos? Nunca gostei de apagar palavras. Parece que estamos a retirar sentimentos e a subsitituir por outros. Aqui há dias recebi uma carta de uma amiga pelo correio. Há tanto tempo que não recebia nada pelo correio. A sensação não será a mesma que receber um e-mail. Mas que escrevo eu aqui a estas horas da tarde? Gasto palavras do pensamento!? Hum!!! Vou acabar isto).
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 04:02 PM | Comentários (0)

janeiro 23, 2006

A descoberta

Quando pensamos que já nada nos pode surpreender, eis que surge diante dos nossos olhos algo que nos deixa atarantados.
Querem lá ver o que eu descobri hoje...
Um livro (ou pelo menos tem esse formato), entitulado "Sexo na Cidade Dia e Noite".
Pode ler-se na contracapa;
- Ideias para aumentar a líbido em encontros apaixonados em lugares privados e menos privados
- Truques de mestre e conselhos tórridos para inovar posições clássicas
- Classificação do gozómetro sugerindo o que esperar em cada orgasmo
- Novidades e dicas para acabar com o aborrecimento
- 12 "sítios escaldantes" e o "top sexual" do mês
Bom... estou sem palavras.

Publicado por Nuno Teixeira em 06:41 PM | Comentários (3)

PRESIDENCIAIS

O professor não deu cavaco à esquerda e passeou...
Decerto que não irá passear tanto durante o seu mandato, caso fosse outro dos candidatos o eleito dos portugueses, precisamente o mesmo que mais contribuiu para que o professor fosse o vencedor à primeira volta.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:50 PM | Comentários (7)

janeiro 22, 2006

BOM DIA MUNDO


(Foto: António Nunes | Esperança)

Feliz dia para quem é
o igual do dia,
E no exterior azul que vê
Simples confia [...]

Fernando Pessoa

Publicado por Nuno Teixeira em 11:32 PM | Comentários (1)

janeiro 20, 2006

SUGESTÕES DE FIM DE SEMANA

Se o coração do homem não transborda de amor ou de cólera, nada se faz no mundo [...]

Kazantzaki, Cristo Recrucificado

Hoje, ao contrário de muitas das vezes, vou sugerir o que vou ler, ver e ouvir.
Começo pelas leituras.
"A meu ver" é um livro de fotografias das viajens de Carlos Pinto Coelho com textos de vários convidados que documentam essas fotos. O livro é das edições Asa.
Tenho andado particularmente interessado nos livros de Eric-Emmanuel Schmitt.
Li o "Senhor Ibrahim e o senhor do corão". Deixo um delicioso começo literário;
"Quando completei onze anos, parti o mealheiro e fui ver as putas".
O resto vocês descobrem ao longo do livro.
Eric-Emmanuel Schmitt tem ainda os livros "Oscar e a Senhora Cor de Rosa". Estória de um menino com cancro que não acredita em Deus mas que começa a escrever-lhe.
Quanto a música. Devo dizer que Sara Tavares me surpreendeu pela positiva. Depois de ouvir o seu novo disco nota-se agora alguma maturidade. Nota-se nas influências afro-americanas.
Raramente as minhas sugestões contemplam o cinema.
Mas há dois filmes que quero ver. "Match Point", o novo de Woody Allen (que ao que parece tem algumas referências a Crime e Castigo de Dostoievski).
"Orgulho e Preconceito" inspirado no romance homónimo de Jane Austen é outro que promete.
Tenho mais duas sugestões finais.
Façam por ser felizes e nunca desistam da caminhada, seja ela qual for.
Somos Lindos. Soltos, voamos.
Bom Fim de Semana.

PS - Obrigado pela sugestão no post anterior Ricardo

Publicado por Nuno Teixeira em 02:05 PM | Comentários (5)

BOM DIA MUNDO


(Pierre-Auguste Renoir - Blond Bather, 1881)


E, de novo, nos damos, nos propomos
como pássaros livres e seguros
de pertencer-lhes o sabor dos pomos.


Daniel Filipe in a Inveção do Amor e Outros Poemas

"És um todo que entendo como um poema no qual viajo enquanto te recordo todos os dias.
És um todo que "procuro pela cidade", um todo que me inspira força nas palavras, cores, formas. É o odor da tua presença e essa esperança de dividir sorrisos que ainda me deixa aqui plantado neste acampamento.
És motivo para não abalar com a mochila para outro lugar".

Nuno T. 2002

Publicado por Nuno Teixeira em 12:03 AM | Comentários (3)

janeiro 19, 2006

Pensamento do dia


Ali era o brincar das almas, o saltar do riso, o desassossego dos corpos, e, por fim, o enlouquecer de todos os sentidos.

Cervantes in Dom Quixote

Publicado por Nuno Teixeira em 07:29 PM | Comentários (1)

Já Dom Quixote não sou!


(Foto: António Nunes | Já Dom Quixote não sou!)

Para quem não conhecia.
Aqui fica aquele que rasga as cartas todos os dias.
É esta figura que escreve palavras parvas neste espaço.
Aqui podemos vê-lo à saída de uma reunião que demorou mais de 24h de negociação.
Esta figura não negoceia jogadores de bola, mas está implicado numa negociação mais complexa que o processo de paz entre Israel e Palestina.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:18 PM | Comentários (5)

BOM DIA MUNDO


Não tenho mais palavras.
Gastei-as a negar-te...
(Só a negar-te eu pude combater
O terror de te ver
Em toda a parte.)

Fosse qual fosse o chão da minha caminhada,
Era certa a meu lado
A divina presença impertinente
Do teu vulto calado
E paciente...

E lutei, como luta um solitário
Quando alguém lher perturba a sua solidão.
Fechado num ouriço de recusas,
Soltei a voz, arma que tu não usas,
Sempre silencioso na agressão.

Mas o tempo moeu na sua mó
O joio amargo do que te dizia...
Agora somos dois obstinados,
Mudos e malogrados,
Que apenas vão a par na teimosia.

Miguel Torga in Desfecho

Sem desfecho à vista. Nunca o terei.
Mas será que te lembras?
Bom dia para ti, deste lado do mundo. É para ti que eu continuo a cantar. Obrigado a ficar escondido mas é para ti que ainda canto. Mesmo que lute contra os que me chamam louco. É possivel ter-me enganado tanto ao fim de tanto tempo?
Mesmo assim... ainda será que te lembras? Ou foi um impulso de uma escrita de momento?
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 02:32 AM | Comentários (5)

janeiro 18, 2006

Pensamento do dia

Quando um dia alguém te disser palavras bonitas e te soltar gritos na madrugada...
Quando certa noite alguém te prometer um abraço, cumplicidades, mundos partilhados, músicas e poemas... quando alguém aparecer de repente na tua vida assim desta forma, lembra-te que isso pode ser impulso.
O impulso de alguém se refugiar em ti quando tudo o resto à sua volta se desmoronou.
Então lembra-te que quando te gritarem na madrugada, podem estar a gritar aquilo que gostariam de gritar a quem lhe recusou o toque, o amor e que causou aquele sofrimento dos poemas rasgados.
Mesmo assim, continua a acreditar na sinceridade, porque deste lado do mundo nem todos somos iguais e as acções ficam mesmo e só com quem as pratica.
Não acredites no momento. Vive-o mas acredita no concreto.
Porque as palavras só fazem sentido quando há sangue dentro delas.
Com o tempo, descobrirás que quem te engana com palavras acabará por se mostrar despida de sentimentos. Qual criatura que tenta recuperar a força graças à ti.
Voamos. Voamos sempre, mesmo que nos tentem enganar, lembrem-se que é o nosso estado de alma limpa que conta no final
Tenho pena dos vestem sentimentos disfarçados. A vida que lhes perdoe porque eu não tenho paciência.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 06:28 PM | Comentários (2)

Miopia deslumbrante

Ninguém consegue ser completamente isento, quando simplesmente comentamos fora da vida profissional, os nossos ideiais ou escolhas de vida.
Aqui corro o risco de não ser isento mas sei à partida, que é o que penso claramente.
Depois de mais um fim de semana desportivo toda a gente parece ter-se esquecido das escutas telefónicas e de tudo aquilo que elas podem suscitar relativamente à liberdade e privacidade do indivíduo. As escutas são apenas um exemplo de miopia cerebral.
Não gosto de pensar em conspirações globais mas que dá que pensar lá isso dá.
Não gosto de pensar "eles sabem onde estamos, o que fazemos, onde vamos, o que compramos".
Mas que dá que pensar lá isso dá.
O povo vive preocupado em sair da crise mas não faz nada por isso, perde-se no consumismo como se isso fosse a saída, uma forma de fazer desaparecer com um encolher de ombros e uma utilização desmedida de um cartão magnético, os problemas da vida. "Amanhã logo se vê".
É preciso viver a "vida no agora". Eles, esses a quem chamam os políticos e que já ninguém confia, que resolvam o resto. Nem importa se resolvem ou não, porque a gente vai andando por cá. Eles que se preocupem ou não! Quero lá saber.
Fala-se de vez em quando no défice ou no monstro.
O défice não é um número. Existe défice de trabalho e de motivação e isso tem a ver com cada um.
É a vida lá fora, cá dentro.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:16 PM | Comentários (17)

Uma só forma

Em teu macio olhar repousa o meu.
E na face polida assim formada
se reflecte e recria o próprio céu.

Daniel Filipe

Publicado por Nuno Teixeira em 03:03 PM | Comentários (0)

janeiro 17, 2006

...com uma flor

O principezinho atravessou o deserto e a única coisa que encontrou foi uma flor. Uma flor de três pétalas, uma florzita de nada...


(Antoine de Saint-Exupéry | O Principezinho)

Publicado por Nuno Teixeira em 03:11 PM | Comentários (2)

BOM DIA MUNDO

O tempo não sabe nada
O tempo nunca existiu
O tempo é nossa invenção[...]

Meu amor
O tempo somos nós

(Jorge Palma - Eternamente tu)

Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 11:20 AM | Comentários (3)

janeiro 16, 2006

Curtas da bola

Eu tinha prometido a mim próprio que não voltaria a postar nada sobre futebol neste blog. Acho que é um tema demasiado emotivo.
De qualquer das formas, vou fazê-lo por uma razão. O início da segunda volta dos campeonatos profissionais e o regresso ao mau futebol em Portugal.

Segue-se "em curtas" o que EU penso:
O Futebol Clube do Porto ainda não acertou. É óbvio que falta um lateral direito e pelo menos um central.
Adrianse tornou Quaresma mais maduro. Quaresma não é para "todos os terrenos".
Manu mostrou que a defesa do Porto é de manteiga.
O Benfica foi a equipa que melhor se reforçou na reabertura de mercado.
O Benfica sem deslumbrar ganhou o jogo frente à Académica mas o resultado é exagerado.
Benfica foi melhor que a Académica mas nem sempre o melhor ganha os jogos.
A Académica podia ter trazido pontos da Luz.
A Académica tem razões de queixa da arbitragem no jogo da Luz.
Caso Marcel manifesta-se no estado de espírito da Académica no jogo da Luz.
Zé Castro não é o defesa central que muitos dizem que é.
Filipe Teixeira é quem carrega a Académica. Na minha opinião, o melhor jogador dos estudantes.
O Sporting ganhou com sorte no Restelo. A vitória apenas escondeu as carências de uma equipa sem fio de jogo.
Sporting é Moutinho e Liedson (quando este se lembra de resolver).
Sá Pinto tem garra mas está a mais. Arrasta-se.
Provavelmente a defesa do Sporting é pior que a do Porto.
Belenenses entrou a medo. Jogou na primeira parte com dias linhas encostadas.
Belenenses acordou na segunda parte. Acordou tarde e foi prejudicada pela equipa de arbitragem.
A Académica, Penafiel, Naval, são provavelmente, as equipas que praticam o pior futebol da 1ª Liga. No primeiro caso a culpa é do treinador.
Pelo futebol que tem apresentado o Sporting parece equipa de "meio de tabela".
Manuel Machado é provavelmente o melhor treinador da 1ª Liga.
Guimarães vai começar a subir com Vitor Pontes. Será tarde?

Publicado por Nuno Teixeira em 12:21 PM | Comentários (0)

janeiro 13, 2006

Return to innocence. Return to yourself.

Queria falar contigo, enquanto fecha aquele bar.
Dizer-te o que penso em silêncio, admitir-me a mim e a ti naquele suave cruzar de olhos.
Sem cartas rasgadas em cima da mesa.
Queria apenas falar contigo. Levar-te pela mão e dançar enquanto fecha aquele bar.
Sentir-te rodopiar em torno de palavras que afastamos com os ombros.
Queria falar contigo pelo toque do olhar. Como sempre, dizer-te o que penso.
Só queria falar contigo. Sentir o renovado toque dos meus olhos na tua pele.
Beijar-te enquanto fechamos a noite. Enquanto abrimos de novo os sorrisos.
Estar de volta à cumplicidade das palavras em silêncio.
Queria apenas falar contigo.

Publicado por Nuno Teixeira em 06:29 PM | Comentários (5)

Sugestões

Não digas que não,
Havia pálpebras
sobre o par de olhos nesse rosto.
Eram pálpebras aladas, com pestanas, os olhares
tinham a sua tenda

Paul Celan, A Morte é uma Flor

Fim de semana à porta. Deixo aqui algumas sugestões que possam ser do vosso agrado mas claro que conto sempre com as vossas.
Vamos começar pela música.
Começo por L'altra. A banda de Chicago apresentou no ano passado o disco entitulado "Different Days". Mais um caso sério da feliz união entre a sonoridade clássica e electrónica. Uma união da qual resulta um romantismo musical. Um poema com odores melancólicos.
Continuo a explorar o disco dos De Phazz, "Natural Fake". Não há nada como De Phazz por esse mundo fora. Este disco só vem confirmar aquilo que todas as bandas procuram. A sua marca e a sua sonoridade. De Phazz conseguiu isso muito bem. Seja qual for o local onde ouça música, não consigo ficar indiferente.
Já aqui falei do filme de Orson Welles, Dom Quixote. Um filme que vai estar em Coimbra no TAGV no próximo dia 30. Bem sei que não é sugestão para este fim de semana mas começo desde já a falar e a deixar a sugestão bem cedo a todos.
Estamos em altura de balanço literário. Livrarias e editoras começam agora uma nova caminhada.
Recomendo uma leitura das obras de Ondjaki. O escritor angolano simboliza também aquilo que eu gosto de ver nos textos literários. A simplicidade de escrita, porque por vezes para sentirmos, não é preciso procurar e basculhar palavras. Há quem tenha esse dom de nos fazer sentir através das palavras. Ninguém inventa palavras. Elas estão no dicionário, só que uns conseguem fazer com elas o que outros não conseguem. A sensibilidade e coerência textual não é para todos.
Aproveito para dizer que existem novas tendências Dom Quixote. Em relação às antigas, garanto que a elevação de Soraia Chaves a património nacional partilhou as preferências com os incentivos para plantação de cannabis com o controlo de Francisco Louçã nas planicies alentejanas. Espero também o vosso voto.
Voamos para fim de semana. Sem pensar que o mundo avança por si só mas antes acreditar que o mundo também avança com cada um de nós.
Somos lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:56 PM | Comentários (0)

BOM DIA MUNDO


(Henri Matisse | The Window)

Existe sempre o outro lado.
O outro lado da música,
Da vida, dos sonhos, das esperanças,
O outro lado da ponte,
O outro lado da janela, da rua...
Existe sempre outro lado.
O lado dos poemas virtuais,
Em gritos esquecidos nas páginas rasgadas,
De um par de noites em que abracei o mundo.
Tu fugiste para o teu lado escuro,
Ou lado cobarde? Ou teu mundo?
Para que não sofra do teu lado?
Existe sempre o outro lado
O meu, o teu, o nosso lado,
Se aqui estivesses,
Mostrava-te o lado de cá do mundo...
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 03:05 AM | Comentários (3)

janeiro 12, 2006

Tão perto e tão longe


(Dalí | Very, very Far away behind the sun)

Como uma voz de fonte que cessasse
(E uns para os outros nossos vãos olhares
Se admiraram), pr`a além dos meus palmares
De sonho, a voz que do meu tédio nasce

Parou... apareceu já sem disfarce
De música longínqua, asa nos ares,
O mistério silente como os mares,
Quando morreu o vento e a calma pasce...

A paisagem longínqua só existe
Para haver nela um silêncio em descida
Pr`a o mistério, silêncio a que hora assiste...

E, perto ou longe, grande lago mudo,
O mundo, o informe mundo onde há a vida...
E Deus, a grande Ogiva ao fim de tudo

Fernando Pessoa

Publicado por Nuno Teixeira em 04:15 PM | Comentários (2)

janeiro 11, 2006

Bom dia mundo


(Robby Krieger | "She Lives on Love Street")

Bom dia deste lado.
Hoje voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:42 AM | Comentários (1)

janeiro 10, 2006

Dom Quixote falhou.

Serve este post como pedido de desculpas a todos os amigos e habituais visitantes deste espaço, pelo facto de não terem sido publicadas as sugestões do fim-de-semana passado.
Por motivos de trabalho não foi de possível dedicar o meu tempo a este espaço que tanto adoro.
Por esse facto, sublinho o meu pedido de desculpas e refiro desde já que não sou pessoa que goste de falhar.
O Dom Quixote voltou ao ritmo normal e depois de uma breve aterragem, está de volta ao céu deste lado do mundo.
Lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 07:56 PM | Comentários (0)

Um Padre? Um Ninja? É o Super-Homem? Não, é Tochiba

Não é o que parece.
A imagem mostra apenas parte do ambiente fotográfico de uma estreia cinematográfica de 2006.
"O Ninja fugitivo da paróquia de Mirandela", não é apenas mais uma abordagem aos diferentes modos de vida daqueles que espalham a palavra de Deus com a sua metodologia e de uma forma muito peculiar.
"O Ninja fugitivo da paróquia de Mirandela", vem provar, que não só, a musica do Padre Borga pode ser considerado um factor de motivação que possa eventualmente trazer novos fieis às paróquias do Portugal profundo.
"O Ninja fugitivo da paróquia de Mirandela", é também a história de um homem que pretende mudar o panorama actual da igreja, resolvendo os problemas da paróquia à boa maneira dos filmes de acção dos anos 80 mas misturando também a modernidade de histórias bem actuais.
Depois de verem este filme muitos pensarão que existe uma certa analogia com a técnica e efeitos visuais utilizados em Matrix.
"O Ninja fugitivo da paróquia de Mirandela" é também uma abordagem existencial baseada em factos verídicos.
Se até hoje pensávamos que o resultado de 2+2 poderia ser igual a 4, o filme mostra através de uma nova teoria vinícola de Tochiba que afinal de contas 2+2 pode muito bem ser igual a 9. Ou seja, a distorção vinícola e existencial da personagem, leva-nos a acreditar que a matéria pode dobrar em termos de número e que traz com ele um novo elemento (o amigo que traz a garrafa por exemplo).
Pode parecer complicado mas é uma teoria científica que pode até ser motivo de exploração e investigação por António Damásio.
Numa entrevista exclusiva a Dom Quixote, Tochiba refere ainda que o filme é também uma abordagem ao transformismo. Algo que acabámos por não perceber muito bem.
Estreia prevista para breve num cinema longe de si.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:23 PM | Comentários (4)

janeiro 06, 2006

Sugestões

Por motivos laborais, só é possivel apresentar as sugestões de fim-de-semana hoje mais ao início da noite.
Sorry

Publicado por Nuno Teixeira em 06:14 PM | Comentários (2)

janeiro 05, 2006

...

Ao quinto dia do ano de 2006, Dom Quixote continua a voar de mãos dadas com todos os amigos verdadeiros.
Ao som da música que um dia serão tambores da revolução.
Deste lado do mundo...

Publicado por Nuno Teixeira em 07:24 PM | Comentários (10)

Novas Tendências Dom Quixote

Se não votares vamos sentir a tua falta.
O teu voto é tão importante como a existência desse digno monumento português chamado, Soraia Chaves.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:46 AM | Comentários (1)

PARIS-TEXAS

A rádio tocou.
Mudaram as noites e mudou o meu mundo.
Talvez o único amor fiel.
Que saudades do éter.
Será que ainda sei como se faz? O perfume ainda o sinto.
Hoje acordarei com os acordes de Ry Cooder.
Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:14 AM | Comentários (3)

janeiro 04, 2006

Amantes/Amigos/Conocidos... X

Passo a publicar um texto de uma grande amiga minha.
Publico-o pela maneira como expõe as ideias.
A verdade é que o texto está de tal forma estruturada que nos faz pensar de uma outra forma no tema do amor.
Como eu próprio escrevi um dia;
"Há tantas formas literárias de tratar o amor e a morte que acabamos por as aceitar como partes do real que acabamos por adulterar".


Mis pequeñas criaturas literarias son tan ingenuas que se creen que pueden huir de lo que sienten. Miradlos, absortos en su mundo de disimulo y escondites malos... Tratando de anestesiar sus pobres corazoncitos dislocados.
En algo tienen razón: ambos son conscientes de que expresar un sentimiento es darle carta de naturaleza, otorgarle permiso para existir.
Pero no se dan cuenta de que el silencio no conduce a la desaparición de las ganas; todo lo más, a la transformación en corriente subterránea. Y ya se sabe lo que pasa con las corrientes subterráneas, que salen por donde menos se las espera.
Han pasado de "mi amor", "mi vida" y otras cursiladas que ellos encontraban encantadoras a llamarse por sus nombres de pila, o ni siquiera eso. Se miran uno a otro con deseo mezclado con desconfianza. Ninguno quiere reconocer lo que está pasando. Parecen creer que se olvidarán a fuerza de intentar ignorarse.
Se escudan en el respeto a los terceros. Se escudan en la imposibilidad de materializar lo que desean. Se escudan en todas las defensas convencionales de las que aseguraban estar muy por encima.
Me inspiran pena y risa. Me hacen sonreír con desprecio. Tal vez reúna las fuerzas necesarias para aplastar a mis antaño queridas criaturas y poner fin a sus torpes sufrimientos. Ni siquiera saben resultar patéticos.
Es que aún no os habéis enterado de que el amor no atiende a razones, de que es capaz de superar todos los obstáculos salvo los que nosotros mismos colocamos en nuestras cabezas? Debería haberos enseñado a distinguir entre amor e infatuation. Desde luego, como creadora, me he lucido...

(Nin)

Achei que era de facto um bom texto.

Publicado por Nuno Teixeira em 10:09 PM | Comentários (5)

Pensamento do dia

Por vezes dou por mim a pensar, no que ganham as pessoas, quando não são sinceras sentimentalmente com quem se cruzam na vida?
Ninguém ganha, parece-me. Todos perdem.
"Enquanto houver estrada para andar, nós vamos continuar".
Se um dia se acabar a estrada, levitamos sobre a cidade e olhamos com indiferença os que nos atiraram pedras à alma.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 08:28 PM | Comentários (1)

Dias da chuva cinza

Agora voamos... no tempo.
Palavras, viagens, sonhos cumplicidades, recordações. Tudo caminha livre em bandos e invade a alma.

in Domquixote.weblog.com.pt, 01 Outubro 2004

Publicado por Nuno Teixeira em 04:17 AM | Comentários (0)

BOM DIA MUNDO

Deixe-me ir, preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas dos rios correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer, quero viver
Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar
Se alguém por mim perguntar
Diga que eu só vou voltar
Quando eu me encontrar
Quero assistir ao sol nascer
Ver as águas do rio correr
Ouvir os pássaros cantar
Eu quero nascer, quero viver
Deixe-me ir preciso andar
Vou por aí a procurar
Rir pra não chorar

(Marisa Monte)

Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:58 AM | Comentários (0)

janeiro 03, 2006

Palavras, porque as rosas estão pela hora da morte

Para mim, a maior virtude das pessoas reside no uso das palavras. Na comunicação.
As palavras transmitem emoções. É a essa transmissão que eu chamo de sinceridade comunicativa.
E porque acreditamos na comunicação e na sinceridade do ser humano, deixamo-nos embalar apenas por aquilo que acabamos por descobrir. Que afinal de contas, por vezes ficam os significantes. Palavras sem sangue.
Comunicar verdadeiramente? Sentir o pulso às palavras e aos sentimentos?
Que acto cada vez mais à beira do abismo da extinção.
Boa noite mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 07:34 PM | Comentários (0)

Assobio da cobra


(Assobio da cobra - Manuel Paulo | Imagem retirada do Instituto Camões)

Eis um excelente projecto nacional que apresenta uma diversidade de vozes e sonoridades.O Assobio da Cobra de Manuel Paulo.
Excelentes arranjos e muito bem produzido.
O problema destes projectos: é extremamente difícil conseguir reunir todos os artistas ao vivo, logo, poucos espectáculos.
O Assobio da Cobra de Manuel Paulo. A não perder.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:08 PM | Comentários (0)

Um grito que morreste na praia

Do teu olhar a alvorada,
A inspiração da calma,
Os gestos de uma tarde agitada,
Um grito que morreste na praia.

As palavras que ficaram suspensas,
Encerram em silêncio um grito de amor,
Um que grito que morreste na praia,
Onde me trocaste quiçá por velho amor.

Regresso às banalidades da alvorada,
Preso num grito suspenso de ansiedade,
Que preso por um fio, reclama a palavra,
De uma melodia com verdade...
De um grito que morreste na praia

Publicado por Nuno Teixeira em 10:38 AM | Comentários (0)

Aqui...

Aqui na orla da praia, mudo e contente do mar,
Sem nada já que me atraia, nem nada que desejar,
Farei um sonho, terei meu dia, fecharei a vida,
E nunca terei agonia, pois dormirei de seguida.

A vida é como uma sombra que passa por sobre um rio
Ou como um passo na alfombra de um quarto que jaz vazio;
O amor é um sono que chega para o pouco ser que se é;
A glória concede e nega; não tem verdades a fé.

Por isso na orla morena da praia calada e só,
Tenho a alma feita pequena, livre de mágoa e de dó;
Sonho sem quase já ser, perco sem nunca ter tido,
E comecei a morrer muito antes de ter vivido.

Dêem-me, onde aqui jazo, só uma brisa que passe,
Não quero nada do acaso, senão a brisa na face;
Dêem-me um vago amor de quanto nunca terei,
Não quero gozo nem dor, não quero vida nem lei.

Só, no silêncio cercado pelo som brusco do mar,
Quero dormir sossegado, sem nada que desejar,
Quero dormir na distância de um ser que nunca foi seu,
Tocado do ar sem fragrância da brisa de qualquer céu.

Fernando Pessoa

... para nunca mais gritar. Apenas viver sem confiar.
Bom dia mundo.
Continuamos a voar deste lado.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:38 AM | Comentários (2)

janeiro 02, 2006

Um banco de jardim


(Foto: António Nunes | Um banco de jardim)

E ficou o silêncio...
E um banco de jardim abandonado ali à mercê da cidade selvagem.
Ficou o meu olhar parado e as minhas palavras que fugiram para longe.
E ficou o silêncio.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:34 PM | Comentários (0)

Sigamos...

Ao 2º dia do mês de Janeiro do ano 2006, Dom Quixote refere que este, não será, o ano das esperanças mas sim da concretização de objectivos.

Sigamos o cherne, minha Amiga!
Desçamos ao fundo do desejo
Atrás de muito mais que a fantasia
E aceitemos, até, do cherne um beijo,
Senão já com amor, com alegria...

Em cada um de nós circula o cherne,
Quase sempre mentido e olvidado.
Em água silenciosa de passado
Circula o cherne: traído
Peixe recalcado...

Sigamos, pois, o cherne, antes que venha,
Já morto, boiar ao lume de água,
Nos olhos rasos de água,
Quando, mentido o cherne a vida inteira,
Não somos mais que solidão e mágoa...

Alexandre O'Neill (in No Reino da Dinamarca)


Não é nenhuma comparação com qualquer acto de marketing (político).

Publicado por Nuno Teixeira em 12:31 PM | Comentários (202)