dezembro 30, 2005

BOM ANO

Se escutares com atenção sentirás que deste lado do mundo, gritamos com palavras de fogo.
É um fogo de artifício que escreve no céu o nosso nome.
Somos lindos. Soltos teremos o nosso ano em 2006.
Até para o ano.

Publicado por Nuno Teixeira em 07:42 PM | Comentários (5)

Guardas uma passa para a taça?

Cá estamos.
A poucas horas de celebrar um novo ano, com novas esperanças sempre renovadas pela vontade de querer e fazer melhor.
Dentro de algumas horas muitos estarão a guardar "a última passa para a taça". Muitos reservam a sua felicidade para aquilo que os outros podem conquistar. As victórias que outros lhe podem oferecer entre rios de sentimentos onde se misturam num só sonho a alegria e a tristeza, um sorriso e uma lágrima.
O que foi 2005?
Não seria (sem a barreira das datas) uma continuação de 2004 que encontrará o seu caminho em 2006?
E por aí fora...
E os dias passam...
Dei por mim atafolhado em memórias musicais bem antes de escrever este post. A razão é simples. Preparo uma playlist para que mais logo possa ligar o piloto automático e todos se possam divertir, todos sem excepção, num bar privado, numa casa perdida numa localidade que fica lá daquele lado do mundo.
Afinal vamos ouvir música. Vamos sentir a chegada de 2006. Muitos vão comer passas outros vão passar ao lado delas e outros, claro, vão guardar uma para a tal taça. Qual taça afinal?
Queremos mais? Muito mais?
E menos? O que queremos menos mas que acabamos infelizmente por pedir? Vem no mesmo pacote, na mesma taça?
Não sei.
Sei que não gosto de passas. Mas gosto de taças. Gosto de saborear os meus trofeus. Gosto de ganhar e não gosto de perder. Gosto de amar e ser amado.
E a taça? Quem fica com a outra taça? Sim, há sempre um troféu que sobra que nem sempre é reclamado ou então há o troféu reclamado por mãos erradas.
Devaneios.
Não pensarei em troféus e taças.
Não prometo que guarde uma passa.
Prometo sim, triunfar deste lado do mundo. Ganhar 2006 com força e vontade de viver cada uma das minhas acções com amor. Só assim é possível o empenho e a motivação dos que que me rodeiam.
Não iremos ao tapete em 2006 e o resto, as palavras, as assinaturas, os consumismos disfarçados de sentimentos, já chegam os do meu teatro pessoal.
Decididamente não quero saber se posso correr à superfície da água, ou se o raio do insecto tem uma esperança de vida de um dia e é feliz... eu nem sei se quero dizer até já, porque não preciso de sequer de voltar as costas nem que seja por breves instantes.
Quero lá saber das passas!? Quero lá saber se lá passas, à minha porta!
No fim de contas eu só espero encontrar-te deste lado do mundo. Promover a tua força e mostrar que em conjunto com a minha, ganharemos mais do que uma simples taça... quero mais. Quero muito mais.
Afinal, somos lindos. Afinal somos loucos.
Soltos voamos.
Bom dia mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:10 AM | Comentários (12)

dezembro 28, 2005

Bom dia Mundo

Jogue suas mãos para o céu
E agradeça se acaso tiver
Alguém que você gostaria que
Estivesse sempre com você

Bom dia mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 12:29 PM | Comentários (3)

dezembro 27, 2005

coiso... eheheh

Certo dia uma certa amiga me contou isso do Marketing. Principalmente numa altura em que o Marketing me chateava... até mesmo o meu.
Fica a recordação.
Obrigado.

A) Marketing femenino

1) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. Te acercas a él y le dices: "Soy muy buena en la cama". Eso es Marketing Directo.
2) Estás en una fiesta con un grupo de amigos y veis un tío muy atractivo. Uno de tus amigos se le acerca y le dice: "Esa tía de ahí es muy buena en la cama". Eso es Publicidad.
3) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. Le pides su número demóvil. Al día siguiente le llamas y le dices: "Soy muy buena en la cama". Eso es Telemarketing.
4) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. Lo reconoces. Te acercas a él, le refrescas la memoria y le dices: "¿Te acuerdas lo buena que soy en la cama?". Eso es Customer Relationship Management.
5) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. Te levantas, te arreglas la ropa, te acercas a él y le sirves una copa. Le dices lo bien que huele, admiras su traje, le ofreces un cigarrillo y le dices: "Soy muy buena en la cama". Eso son Relaciones Públicas.
6) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. Te acercas a él y le dices: "Soy muy buena en la cama", y además, le enseñas una teta. Eso es Merchandising.
7) Estás en una fiesta y ves un tío muy atractivo. El se acerca a ti y te dice: "He oído que eres muy buena en la cama". Eso es Branding, "el Poder de la Marca".


B) Marketing masculino

1) Estás en una fiesta y ves a una tía muy atractiva. Te acercas a ella y le dices: "Soy muy bueno en la cama y aguanto toda la noche sin parar". Eso es Publicidad Engañosa, y está penada por la Ley.

As mulheres explicam o mundo às crianças.
Olá mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 10:31 PM | Comentários (2)

Woody


(Woody Allen )

A New Orleans Jazz Band toca esta noite no Centro cultural de belém.
Woody Allen chega hoje a Lisboa. O cineasta vem de Espanha onde deu dois concertos e prepara-se para ver uma sala esgotada, hoje à noite.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:16 AM | Comentários (0)

dezembro 22, 2005

Sugestões de palavras


(Salvador Dalí)

Rios de palavras e de imagens. Formatos, cores e odores. Um mundo que não se resume a uma ou duas mãos bem cheias de títulos.
As minhas sugestões de leitura para este natal, passam não só por títulos deste ano.
Não poderia deixar de sugerir as edições comemorativas da obra de Cervantes.
Dom Quixote com a tradução de Miguel Serras Pereira com ilustrações do mestre Dalí, das Publicações Dom Quixote.
A outra edição é da Relógio d`Água com tradução de José Bento e ilustrações de Lima de Freitas.
Ainda profundamente ligado à obra de Cervantes está a edição da Lunwerg entitulada "Territorios del Quijote". Um passeio fotográfico pelos territórios do cavaleiro da triste figura. Um olhar antento do fotografo Jose Manuel Navia.
"A Luz Prodigiosa" é uma obra adaptada para cinema no ano de 2002. Uma história de Fernando Marías que explora a teoria de que Garcia Lorca não terá morrido no ano de 1936. O livro explora uma série de acontecimentos baseados nos relatos de um vagabundo. Um dos melhores livros que já li. Editado pela Civilização.
"A Sombra do Vento" de Carlos Ruiz Zafón é também um dos grandes livros da minha vida. É simplesmente mágico. Um livro que mistura a magia da literatura com a magia do coração. Traduzido em português por J. Teixeira de Aguilar e com o carimbo das Publicações Dom Quixote.
"Estação Carandiru" abre-nos as portas da extinta prisão de S. Paulo. O livro consegue causar as mais variadas sensações, embora a imagem de horror seja a mais dominante. Uma outra face da humanidade (escondida), revelada pelo médico Drauzio Varela. Um conjunto de crónicas a não perder, com a marca da editora Palavra.

Outras boas sugestões:
10 Livros que mudaram o mundo - Vários autores (Quasi)
William Klein: Exposição fotográfica - Centre Pompidou (Ed.Marval)
Os Corações Também se Gastam - Pedro Paixão (Prime Books)
Conspiração Contra a América - Philip Roth (Dom Quixote)
Ideias que Mudaram o Mundo (Civilização)
1001 Filmes para Ver Antes de Morrer (Dinalivro)
Amor é Prosa Sexo é Poesia - Arnaldo Jabor (Palavra)
Portugal: Uma janela para o Mundo (Quidnovi)
Equador (agora também disponível em edição ilustrada) - Miguel Sousa Tavares (Oficina do Livro)
Casa Quieta - Rodrigo Guedes de Carvalho (Dom Quixote)


Muitos e muitos outros... a lista não pode ficar muito extensa. Mas recomendo também as obras de Cesariny e Pessoa da Assírio & Alvim.
Boas leituras.

Publicado por Nuno Teixeira em 07:14 PM | Comentários (0)

Pensamento do dia

Difíceis as palavras.
Que estranha percepção esta, de ver um filme antes visto.
O mesmo seria em céus nunca antes percorridos, onde segredos se escondem por detrás das nuvens.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:54 PM | Comentários (0)

dezembro 21, 2005

MUSICA deste lado do mundo

Estamos bem perto do final do ano de 2005.
Como é hábito deixo o meu best off 2005 no que à música diz respeito.
Deste lado do mundo cantamos mesmo que não sejamos ouvidos.

Já chega de palavras. Palavras são o que simplesmente queremos fazer com elas.
Os meus discos de 2005:

Badi Assad - Verde
Clã - Vivo
Paula Oliveira & Bernardo Moreira - Lisboa que Adormece
Seu Jorge - Cru
Chambao - Pokito a Poko
Blasted Mechanism - Avatara

Sem ordem de preferência... tenho a certeza que me haverá alguns esquecidos nesta pequena lista. Espero as vossas escolhas como sempre.
Voltamos ao início. Rumo aos dias vulgares mas vividos um a um, aqui deste lado do mundo.
Lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:05 AM | Comentários (7)

dezembro 20, 2005

Para acordar... ou para ficar deitado

Tom Petty And The Heartbreakers

Well I started out down a dirty road
Started out all alone
And the sun went down as I crossed the hill
And the town lit up, the world got still

I'm learning to fly, but I ain't got wings
Coming down is the hardest thing
Well the good ol' days may not return
And the rocks might melt and the sea may burn
I'm learning to fly, but I ain't got wings
Coming down is the hardest thing
Well some say life will beat you down
Break your heart, steal your crown
So I've started out, for God knows where
I guess I'll know when I get there
I'm learning to fly, around the clouds,
But what goes up must come down
I'm learning to fly, but I ain't got wings
Coming down is the hardest thing

Publicado por Nuno Teixeira em 01:02 PM | Comentários (3)

MiNimA+LiSt

VOAMOS

Publicado por Nuno Teixeira em 04:14 AM | Comentários (0)

dezembro 19, 2005

BOM DIA MUNDO

E se o céu não nos cair em cima da cabeça, então hoje será um bom dia.
Porque GRITAMOS deste lado do mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 04:09 AM | Comentários (6)

dezembro 16, 2005

E COIMBRA AQUI TÃO PERTO


(Foto: António Nunes | E Coimbra aqui tão perto)

À NOVA ETAPA DO ANTÓNIO.
Deixámos marcas nesta cidade. Cada uma dessas ruas ou locais conta uma estória nossa.
A amizade está gravada nas pedras das calçadas. Dos tempos de estudante aos tempos de trabalho.
Obrigado pela tua, sempre bem disposta, presença e pelo teu abraço amigo.


Escucha bien, mi viejo amigo
no sé si recordarás
aquellos tiempos ahora perdidos
por las calles de esta ciudad
Leímos juntos libros prohibidos
Creímos que nada nos haría cambiar
Vivimos siempre esperando una señal
En el límite del bien (el límite del bien)
En el límite del mal (el límite del mal)
Te esperaré
en el límite del bien y del mal
Es duro estar tan abatido
cuando no sientes el dolor
es como clavar un cuchillo
en lo más hondo del corazón
Escucha bien, mi viejo amigo
Nunca olvidé nuestra
amistad
La vida es sólo un juego
en el que hay que apostar si quieres ganar
En el límite del bien (el límite del bien)
En el límite del mal (el límite del mal)
Te esperaré
en el límite del bien y del mal
No es difícil encontrar
el paraíso en la oscuridad
La fortuna viene en un barco
sin rumbo ni capitán
Escucha bien, mi viejo amigo
si algún día nos volvemos a ver
sólo espero que todo sea como ayer
En el límite del bien (el límite del bien)
En el límite del mal (el límite del mal)
Te esperaré
en el límite del bien y del mal

El Limite - La Frontera

Um abraço com pronuncia do norte.

Publicado por Nuno Teixeira em 05:29 PM | Comentários (7)

Um (re)verso casual e feliz

Algo de muito extraordinário se passa na baixa da cidade.

Um pôr de sol domingueiro a preto e branco. Em Coimbra. Por entre as ruas sinuosas da baixa, com as suas varandas altas cobertas por alva roupa estendida a preceito que parecem ser o simbolo da nação popular que emerge sem vergonha de ser feliz.
A envolvência dos mesmos rostos de sempre que assomam entre espreitadelas para ver quem passa rumo ao fado boémio das tasquinhas onde se celebra o grande acontecimento.
As conversas cruzam-se das gentes paradas, olhos com brilho esquecem sofrimentos.
Não se fala noutra coisa.
Parece que tudo converge num ápice para a felicidade que hoje desceu à baixa.
Os olhos erguem-se agora para os rectangulos de céu que se desenham no alto das paredes velhinhas onde agora nascem encruzilhadas de fios...
Uma teia poética que transporta canções trocadas casualmente, entre paixões que nasceram da feliz coincidência, da cumplicidade.
Todos falam o mesmo poema todos o cantam de forma diferente mas todos convergem para a mesma teia.
Surge aquele fio de telefone por entre a teia de fios que agora cruza as vidas das gentes.
Surge aquele fio de telefone. Sabe-se que vidas e vozes liga. Não desliga.
Nesse fio não se canta o mesmo poema. Sabe-se apenas que se re-inventa um amor casual que nasceu por entre a encruzilhada virtual da velha cidade.

E tudo surge... através de um fio de telefone, diferente dos outros afinal.

Da janela da minha varanda de preto e branco vestida, invento novos poemas e sinto a cada ponto, vírgula e interjeiçõe que, por vezes as vidas tocam-se pautam-se pelo mesmo fio e pela cumplicidade que faz renascer novos poemas de amor.

Alguma semelhança com outra realidade será apenas uma feliz coincidência.

Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 03:00 PM | Comentários (4)

dezembro 15, 2005

Novas Tendências Dom Quixote.
Um caso raro de verdadeiro estudo científico.
VOTE. NÃO FIQUE EM CASA COMO O VALE E AZEVEDO. PARTICIPE.

Publicado por Nuno Teixeira em 05:48 PM | Comentários (1)

Na nossa aldeia


(Foto: António Nunes | Na nossa aldeia)

Aqui deste lado do mundo, recordo os dias passados no adro da minha aldeia.
Os sorrisos e os pontapés na bola. Aquele olhar apaixonado que troquei com aquela miuda, que hoje nem sei já quem é, o sabor a lenha queimada das lareiras. Os velhotes que trocavam cartas num jogo de paciência. Sem pressa de viver a vida. Sem pressa de ver a morte.
Os tons da minha aldeia, são os tons de qualquer aldeia... Se forem do mesmo tom os nossos olhos e a maneira de ver o mundo.
Pequenas grandes sensações inspiradas numa imagem. Reveladas em sentimentos e tons de cinza dos olhos de um menino.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:08 PM | Comentários (0)

caminhos


(Starry Night | Van Gogh)

Para quem, como eu, tem saudade de viver paixões debaixo de um manto de estrelas.
Olá mundo.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 12:05 PM | Comentários (2)

dezembro 14, 2005

Pensamento

"O homem comum é exigente com os outros. O homem superior é exigente consigo mesmo".
Marco Aurélio

Para os que ainda não aprenderam que a exigencia não é apenas uma forma de apresentar objectivos e de os fazer cumprir.
O exemplo deve partir de cima, para que a exigencia seja uma forma de motivação.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:45 PM | Comentários (2)

Expectante


(Moment of transition | Dalí)

Publicado por Nuno Teixeira em 11:47 AM | Comentários (3)

dezembro 12, 2005

BOM DIA MUNDO


(Enclosed Field with Rising Sun | Van Gogh)

Publicado por Nuno Teixeira em 03:11 AM | Comentários (7)

dezembro 10, 2005

... A MESA DUN CAFÉ EN MADRID?

Imagino escribindo poemas sobre a mesa dun café en Madrid...
Em português te abraçava e beijava com palavras que me inspiras.
Não é verdade que Madrid me mata. Tu me matas de saudade.
É para ti que eu canto hoje...
A ti te deixo um suspiro de saudade e um sopro de felicidade neste mesmo dia que o mundo te conheceu.
Voamos?

Publicado por Nuno Teixeira em 09:03 PM | Comentários (1)

dezembro 09, 2005

Fim-de-semana

Como é habitual, aqui estamos com as sugestões de fim-de-semana.
De leituras e música é feita este post.
Lembro que dentro em breve vou pedir a vossa colaboração para fazerem as vossas escolhas musicais e literárias agora que nos aproximamos de mais um final de ano.
Vamos começar pelas leituras.
Finalmente editado em Português... as crónicas de Bob Dylan.
O homem que me fez companhia musical nos serões radiofónicos. Bob Dylan é um icone musical e um simbolo da musica country.
“Crónicas - Volume I" é uma edição da Ulisseia.
Quando Nietzsche chorou - Irvin D.Yalom
"Quando Nietzsche Chorou" de Irvin D.Yalom. A amizade e o amor elevado a um expoente supremo... é uma proposta da Saída de Emergência.
Vamos à música, ou melhor, vamos dançar?
Hoje pelas 21h.30 o Teatro Académico Gil Vicente em Coimbra, recebe a música de Buenos Aires. Sim, claro que falo do Tango. O que para alguns representa a dança mais quente e sensual, estará hoje representada no TAGV Pelo Quinteto Juan Esteban Cuacci, Com Jorge Ramirez e Nelida Miglionne e um conjunto de Bailarinos.
Juan Esteban Cuacci é acima de tudo um excelente instrumentista e compositor. Destaco a sua participação como teclista na obra de Gabriel Garcia Marquez “Pantaleón y Las Visitadores”, e a apresentação de “Parafernalia Infernal”, de Luís Cícero galardoada com o prémio do Teatro Nacional Argentino.
Por hoje é tudo.
Voamos para fim de semana.
Façam o favor de serem felizes

Publicado por Nuno Teixeira em 02:30 PM | Comentários (4)

hoje

Voltarei aqui para as habituais sugestões de fim-de-semana.
Espero também pelas vossas.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:49 PM | Comentários (0)

Bom dia

Procuro o teu amor na cidade e não encontro. Perdi para sempre o rasto do teu perfume...
Bom dia mundo.
Aqui deste lado já voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 09:41 AM | Comentários (3)

dezembro 07, 2005

Amigo


(Foto: António Nunes)

Serve-me esta foto do António Nunes, para lhe desejar as maiores felicidades pelo seu aniversário, bem como pelas palavras e gestos de amizade que teve durante estes anos.
Para ti, amigo Tochiba, parabéns pelas tuas 28 primaveras (aqui está uma daquelas expressões que eu não gosto de utilizar) e que o futuro seja brilhante.
Obrigado por teres captado a tua poesia com o olhar.
Boa sorte para a nova vida. Sempre contra os moinhos.
Voamos amigo?

Publicado por Nuno Teixeira em 03:52 PM | Comentários (4)

dezembro 05, 2005

Uma volta pelas palavras em dois anos de enganos e desenganos

Coimbra, 04 de Dezembo de 2003.
Uma tarde de chuva, um dia que espreitava o final de um ciclo. Uma pasta com textos inacabados e retalhos de uma paixão não vivida.

Do outro lado...
Hoje o dia não nasceu para todos.

Já se sabia por esta altura que lutar por vezes, não chega. É preciso muito mais.
O primeiro texto publicado no Dom Quixote foi apenas um retalho. Um retalho de um mundo que aqui começava a desenhar-se, sabendo à partida que nem tudo o que parece, o é realmente.

In "A ILHA DA AMORTOPIA. A revolta de Fernando e das Rosas com espinhos" (parte I) (uma nova reinvenção do amor). Dia 9 de Março de 2004

“Deixei de olhar os poemas dos livros. Comecei a dar ar, às minhas palavras, quando senti que os teus olhos me expandiam muito além daquilo que se contam nos livros. Deixei-me levar pela aventura do verde infantil dos teus olhos. Perdi-me em definições para achar o que era isto que não consigo definir. Perdi-me em palavras. Achei-me na força de um abraço que corria contra o tempo. Minha caneta não pára de cantar a tua alma e escrever o teu corpo em linhas bem desenhadas pelas memórias de um perfume bem guardado pelos meus lábios que recordam cada momento em que te percorrem a pele branca e suave”.

E Kamala não voltou mesmo, já o sabia desde o início. Hoje já nem o fim se consegue espreitar.

in, "Um dia tudo isto será teu… e só teu.
Um monólogo ou um diálogo?" Dia 20 de Abril de 2004

- Olha em teu redor.
Imagina o que tudo isto que nos rodeia te pertence.
Eu o criei para ti e agora te ofereço.
Porque choras? Não estou a deixar-te naquela selva vazia à mercê de olhares invejosos e cobardes, dos que contribuíram para que hoje nos separemos aqui.
Deixo-te um mundo fascinante onde poderás rir, chorar. Onde poderás encontrar-te e encontrar-me no canto das aves, sempre que te pousem na mão para cantarem aquela melodia. Nas palavras que dançam calmamente no rio e que vão abraçar-te o corpo, sempre que nele entrares nua para mergulhar longe de um mal que te atormenta. Em breve não estarei aqui mas a água vai acolher sempre que necessário as tuas lágrimas. Serão águas velhinhas mas também sempre renovadas. Também as palavras, também as recordações. Assim como uma música que ouvimos vezes sem conta e que cada vez que a ouvimos descobrimos uma coisa nova. E como ficamos felizes quando acontece. E vai acontecer sempre que abrires as páginas deste livro de aventuras e nele entrares.
Será assim toda a vida.
Olha o céu. Será sempre azul e o sol terá sempre um sorriso. E a pequena brisa que vai arrancar as folhas das árvores será sempre um eco das palavras que não ouvimos.
E as fantasias que se perdem por entre as árvores da floresta. Invenções imediatas de encontros e desencontros, todos eles fascinantes. Criaturas que conferenciam de volta de segredos bem guardados. Falam uma linguagem própria que só nos dois conhecemos.
Aqui não há nem nunca houve lobos porque aqui o mundo foi criado como uma caneta sincera e de tinta corrente, ao ritmo de um sentimento crescente e verdadeiro. E assim nasceu este mundo que te deixo.
Não chores. Aqui está tudo de nós materializado em ti.
Deixo-te agora. Tens este mundo só para ti. Ainda que seja eu que parta ainda olho outra vez para trás. Mais uma vez. Só para ter a certeza que ficas bem.
Embora me vá afastando ainda avisto o brilho dos teus olhos. Ainda te grito deste lado só mais uma vez…
Tens certeza que não queres que eu regresse e partilhe esse nosso mundo novo contigo?

In, "O ESPECTÁCULO E O PALCO. HOJE E AMANHÃ."
Maio 05, 2004

O sorriso vai voltar aos palcos.
A lua vai corar novamente e projectar sentimentos novos nas paredes das casas e nas calçadas das ruas.
A plateia vai rir com os devaneios de um homem que volta a ser criança, que brinca de novo com as nuvens e que rodopia em euforia nos carroceis das paixões.
Lá longe, no fundo da sala escura, estás tu e o teu sorriso de lágrimas a recordar que a feira das vaidades afinal não passou, de um castelo de cartas que já lá vão partindo no tempo mas que não trouxeram o anseio de amor e de libertação.
No fundo da sala abres o caderno dos poemas velhinhos que agora fazem sentido mas que não te abrem o caminho que afastaste com um abanar de ombros despreocupado.
Sais a meio do número, deixas atrás das costas o palco e as luzes. Ainda deixas um suspiro e ergues um novo olhar mas... mas... os sonhos afinal não voltam.
O espectáculo continua na sala e num mundo onde já não consegues entrar.

Publicado por Nuno Teixeira em 05:04 PM | Comentários (2)

DOIS ANOS... SE LADRAM É SINAL DE QUE... VOAMOS?

E pensar que nasceu por amor...
E hoje? O que somos? E amanhã? Que serão os nossos momentos de ontem amanhã?
E pensar que nascemos por amor. E pensar que o amor se esqueceu de nós ou que nunca chegou a acolher este poema. Este e outos poemas.
É assim o mundo.
Ontem fomos. Hoje somos, amanhã que seremos.
Resta voar.
Parabéns Dom Quixote, gostava de ter mais tempo, palavras e recursos para te mostrar que o mundo se faz de amor, mesmo que à nascença desse amor ele não se perceba como tal.
SOMOS UMA VOZ.
CELEBRO COM O MUNDO NA ALMA.
ESTE MUNDO É VOSSO... JÁ NÃO É MEU.
SÃO DOIS ANOS A CONHECER GENTE FANTÁSTICA.

Olá amigos do meu mundo.
Obrigado por olhares pelas minhas palavras por essa objectiva e obrigado por tudo o resto. Fazes uma ideia do quanto é o resto? Fazes ideia dos abraços te devo ainda por tanta amizade? (António).
Obrigado e uma palavra linda e de futuro bom para a minha paz transformado em anjo do meu mundo (Claudia).
Obrigado pelos momentos únicos e desabafos de melodias que correm nos teus dedos, meu respeitoso apaixonado, fiel amigo e sereno Cavaleiro Andante. És de todos a pessoa mais calma e serena. A mais boa das pessoas que eu conheci (Nuno S.)
Obrigado meu ponderado amigo que estiveste presente sempre que a estrada ou o caminho, de repente, desapareciam. Mesmo assim um amigo atento, observador e apaixonado. Um EXPERT. Estamos cá... (Ricardo G.).
Agradeço a eles especialmente mais pela amizade do que pela assiduidade.

O meu obrigado especial aos meus grandes amigos de sempre. Agradeço em teu nome, Claudio que "acolheste" as fontes do meu blogue. Não me sais do coração, porque uma cumplicidade como a nossa não se esquece. Em teu nome eu agradeço a todos os que fizemos as ondas de paixão... bem sabes que são tão cumplices como nós. Vivemos aquele pedaço e eu já tentei contar em palavras mas que o odor é tão forte e a saudade desse mundo é tanta que só saiu apenas uma melodia inacabada, do resto que eu sinto por vós. Bem sei que entenderás meu amigo. Fomos amigos por acidente e não o esquecemos.

Bom dia.
HOLA MADRID. VOAMOS?
Com muito mas muito X?
Onde estás que não te encontro por estas terras virtuais?
Bem sabes que és fantástica. Bem sabes que o nosso mundo só se acaba pelas barreiras que acabamos por aceitar. ME MATAS MADRID
Fazemos um jogo de pés e almofadas? Fazemos um poema de amor? (para ti D.M.)

Olá meus amigos do Don Quijote no Brasil. Felicidades entregues ao casal pela Daniela (espero as vossas fotos quixotescas até hoje).

Olá Suiça. Olá minha criança feita mulher. Pena os desencontros. Pena as magias que não me soubeste explicar.
Espero que para além da minha voz, tenhas levado a minha alma e as minhas palavras (Cátia).
Olá amiga "Psique" no Brasil.
Hola Shita en Argentina.
OLÁ MEU PORTUGAL.
Olá mundo.
Voamos?
Sim, voamos.
Fizemos deste espaço um mundo feito de cumplicidade, porque afinal o amor das pessoas é ao fim de tudo, o entendimento... mesmo que para isso não sejam necessárias palavras ou olhares.
Por vezes basta o siLêncio. Desse silêncio nasceu o amor.
Desse amor nasceu o Dom Quixote.

Parabéns a todos que visitam este blogue e só me resta dizer...


BOM DIA MUNDO.
SOMOS LINDOS. SOLTOS VOAMOS... (MAIS ALTO)

Publicado por Nuno Teixeira em 03:13 AM | Comentários (2)

dezembro 02, 2005

Sugestões de fim-de-semana

Ora vivam, meus amigos.
Chegou a chuva e com ela a vontade de ficar mais por casa, rodeado de uma boa música e o calor de boas palavras. Quem sabe, até, de boas imagens...
Isto porque as minhas sugestões deste fim-de-semana, vão inteirinhas para as leituras.
Para começar, um livro cheio de erotismo em imagem.
"The Girl next door - quotidiano de um fotógrafo amador". O olhar atento e observador do corpo feminino de José Pinto Ribeiro. Para observar. Para saber da calma, do erotismo, da loucura, do quotidiano feminino. De facto a mulher é linda na sua simplicidade.
"Álvaro Cunhal - Uma Biografia Política Vol. 3: O Prisioneiro: 1949 - 1960",
é publicado o terceiro volume da sua biografia política, deta feita no periodo de 1949-1960. Um livro de José Pacheco Pereira da editora Temas & Debates.
"As horas nuas", um livro de 1989 da autora Lygia Fagundes Telles, grande vencedora do Prémio Camões deste ano. O livro fala-nos de loucura, de amor e de morte. De uma personagem saudosista que se deixa arrastar pelos vícios julgando ver neles a cura para a sua dor. Enquanto isso mantém um diálogo com o seu gato que noutros tempos foi um grande poeta e atleta olímpico durante o Império Romano.
Para ler a crianças, ou simplesmente para lerem os adultos que gostem de ser crianças. Principalmente os Durienses.
"Livrinho dos contos do Alto Douro" faz parte de uma colecção de livros de tradições populares portuguesas a cargo de José Viale Moutinho e Fedra Santos, com a marca da Afrontamento.
Uma sugestão para quem vai de visita ás terras Durienses. Recomendo uma visita ao Museu do Ferro de Torre de Moncorvo onde estará patente a partir de amanhã às 16h, a exposição de pintura “Cores Abstractas”, da autoria do artista Manfredo Passos, artista português natural de Berlim, a residir presentemente em Torres Vedras.
Mais informações sobre o pintor Manfredo Passos no site: www.manfredo.net.
Infelizmente hoje, só será possível actualizar as tendências Dom Quixote mais ao início da noite.
E por hoje é tudo meus amigos.
Façam o favor de serem felizes. Nunca desistam de viver nem de amar.
Voamos para fim-de-semana. Levem com vocês este perfume de chuva e sorriam enquanto as gotas de água vos toca a pele.
Estamos vivos.
Domingo, temos edição especial Dom Quixote.
E hoje temos a victória do Futebol Clube do Porto por duas bolas a zero.
Vamos para fim-de-semana.
Lindos. Soltos voamos.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:02 PM | Comentários (1)

Cenas dos próximos capítulos

Hoje no Dom Quixote.
As sugestões de fim-de-semana e novas tendências Dom Quixote.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:37 AM | Comentários (2)

dezembro 01, 2005

Aniversário

O Dom Quixote comemora no próximo Domingo dia 4 de Dezembro dois anos de existência.
São dois anos de palavras e muitas imagens.
Um Dom Quixote que nasceu por amor e viveu por amor durante estes dois anos.
E com tudo isto já lá vão dois anos...

Publicado por Nuno Teixeira em 02:04 PM | Comentários (8)