janeiro 31, 2005

Adiós Fernandez?

Avança a Sic às 13h de hoje:
Adiós Fernandez?

Pode ser realmente necessário, para grande pena minha.
O pior é que depois temos de levar com o 50ª exclusivo de Mourinho a um jornal qulaquer a comentar o momento menos bom do Porto.
E a ouvir frases típicas de um caso clínico.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:13 PM | Comentários (8)

Omnia vincit amor

Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

(Fernando Pessoa)

Omnia vincit amor

Publicado por Nuno Teixeira em 02:53 AM | Comentários (0)

janeiro 30, 2005

Salvador Dalí roubado


Várias obras de Salvador Dalí, expostas numa galeria de arte em Antuérpia, foram ontem roubadas.
A galeria em causa é a Dasc e segundo o proprietário, os ladrões fecharam as portas, apoderaram-se de três esculturas em bronze e de várias gravuras de madeira do artista espanhol e fugiram.
O valor das obras roubadas ronda os 70 mil euros.

Publicado por Nuno Teixeira em 07:36 PM | Comentários (0)

janeiro 29, 2005

Palcos de ontem e de hoje


(Foto: António Nunes | Palcos de ontem e de hoje)


Um palco. Uma vida de espectáculos.
Lembranças de sorrisos junto à lua,
de lágrimas amargas de lembranças doces.
Momentos partilhados
pelo efémero do bom e do mau.
Assobios que não podemos ver,
do lado de cá do palco.
Uma metáfora constante,
que trai o bom e eleva o mau actor.
Uma sala aberta ao céu com cheiro a mofo.
É a brisa que se transcende,
em aplausos, risos e lágrimas de outrora.
São restos de artigos velhos...
São apenas restos de palavras.
Atiradas ao mesmo canto,
onde está a roupa suja e maltratada do trabalho.
São partes de nós que teimamos não arrumar.
Essências de sentimentos fragmentados e frios,
que se misturam com o chão do mundo.
São poemas que escrevemos e esquecemos.
Projectos que achamos utópicos.
Pedaços de nós que estão a mais.
São restos de um todo,
Jogados ao esquecimento,
ou mal julgados para não serem lembrados...
E ali ficam uma eternidade.
Choram como a gente,
por culpa da gente que os sente,
mas não os quer sentir.
São gavetas de despojos,
abertas ao esquecimento dos dias.
E passa o tempo e... The show must go on.

Hoje estamos nesta sala aberta ao mundo,
uma sala com cheiro a mofo.
Passa o palhaço como uma sombra,
perante o sorriso em suspenso de uma criança
que não chega ouvir-se, a não ser, no eco do tempo.
São palcos. É a vida.
São as frases feitas do fim dos telejornais.
Todos já ganhámos o dia.
Até amanhã ou até nunca mais,
ou até à hora marcada,
no palco das velhas emoções.
Essa sala aberta ao céu e... suspensa na nota de um piano.

Publicado por Nuno Teixeira em 08:52 PM | Comentários (1)

janeiro 27, 2005

Auschwitz. 60 anos depois


(Foto: Retirada do site holocaustsurvivors)

O exército vermelho entrou no campo da morte a 27 de Janeiro de 1945. Passaram 60 anos. As imagens terriveis continuam bem presentes para que possamos lembrar a má face da história do homem.
As cerimónias do 60º aniversário da libertação dos campos de morte nazis culminam hoje em Auschwitz, na presença de 2000 antigos deportados, de 50 soldados russos que entraram no campo a 27 de Janeiro e de 44 chefes de Estado, de governo ou ministros da Europa e outros continentes.
Esta deve ser a "última cerimónia" para muitos dos sobreviventes, muito idosos. O lema será o de sempre: "Nunca mais".
Por cá o dia também é lembrado. O jornal Público apresenta um suplemento sobre o assunto.
Os canais de televisão do estado também não esqueceram a data. A RTP1 Apresenta o documentário "Auschwitz visto do ar". A 2 apresenta um debate sobre os 60 anos de Auschwitz.
Dois livros recomendados pelo Dom Quixote:
"Sem Destino", de Imre Kertész e "Se Isto é Um Homem", de Primo Levi.
O Dom Quixote recomenda ainda uma visita ao site holocaustsurvivors
Como disse um dia Primo Levi, falta-nos palavras para expressar esta ofensa, esta demolição do homem.
Para recordar, jamais para esquecer.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:26 PM | Comentários (1)

janeiro 26, 2005

OS AMANTES

És tu? Diz-me que sim!
Transforma-te, se não fores,
torna-te no que ninguém esquece,
abre-me o círculo a mim.

Irradia de ti
plena certeza. Levanto
os braços enfunados pelo teu vento,
És tu? Diz-me que sim!

Mostra-te, leve, assim
como música que reconhecemos
pelo ar que a traz e longe ouvimos...
És tu? Diz-me que sim!

Chama e gelo vi
a envolverem-te num fogo ardente.
Repara, espero-te, distante:
És tu? Diz-me que sim!

Rilke

Publicado por Nuno Teixeira em 07:13 PM | Comentários (0)

...

A propósito da ultima entrada de ontem:
Acredito seriamente que tem de existir vida inteligente em outros mundos...
Afinal, andam sempre a falar-nos na "nossa cara metade". Desconfio que deve ser noutra galáxia.

Publicado por Nuno Teixeira em 05:20 PM | Comentários (0)

janeiro 25, 2005

OS (NOVOS) MUNDOS ON LINE

HOJE NO EXPRESSO (por Cristina Bernardo Silva)

Informação disponível ao público sobre a missão espacial Cassini-Huygens, que pretende explorar o sistema planetário de Saturno e para a qual a composição de Titã é um alvo preferencial, pode ser consultada em páginas da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Agência Espacial Norte-americana (NASA), na Internet. Titã, a maior lua de Saturno - onde aterrou há pouco mais de uma semana a sonda Huygens -, apresenta processos físicos parecidos com os da Terra, com leitos de rios, fenómenos de erosão e precipitações.

Os cientistas pensam mesmo que, há não muito tempo, uma chuva inundou a paisagem de Titã com gotas de metano.

No «site» da ESA, os cibernautas podem ver as últimas imagens de Titã, assim como ler notícias. É ainda possível obter todo o tipo de informação sobre a missão espacial conjunta da ESA, da NASA e da Agência Espacial Italiana (ASI), e sobre a tecnologia utilizada no fabrico da nave Cassini e da sonda Huygens.

Dados sobre os elementos que compõem as equipas que participam em terra nesta missão não tripulada estão igualmente disponíveis na Internet, onde existe um espaço exclusivamente dedicado às crianças. O «site» contém ainda uma secção sobre Saturno e Titã. Os internautas podem mesmo ver onde se encontram Cassini e Huygens no preciso momento em que consultam a página.

Também a Nasa dedica parte do seu «site» à missão, disponibilizando as últimas imagens de Saturno, simulações animadas de aterragens da sonda Huygens e outros vídeos do planeta. Existe ainda a possibilidade de se ouvirem sons provenientes de Saturno. O «site» contém também vários artigos sobre a missão espacial.

A bordo da sonda Huygens, viajaram 80 mil mensagens de homens e mulheres, destinadas a eventuais habitantes extraterrestres, assim como quatro excertos de música pop (audíveis em www.music2titan.com) compostos por Julien Civange et Louis Haériet, músicos até agora pouco conhecidos.

A ESA pretendeu com esta iniciativa «suscitar o interesse do público e dos jovens do mundo inteiro» pela missão.

A sonda Huygens viajou em direcção a Titã depois de ter deixado Cassini, a sua nave-mãe, que chegara a Saturno em Julho de 2004. A missão Cassini-Huygens foi lançada em Outubro de 1997.

Publicado por Nuno Teixeira em 06:11 PM | Comentários (0)

Dias Frios

Dizem que os dias estão mais frios. Eu não notei a diferença!!!

Publicado por Nuno Teixeira em 01:10 PM | Comentários (3)

janeiro 24, 2005

Jornalismo?

Ultimamente li e ouvi algumas opiniões sobre a nova geração de jornalistas.
Interrogações sobre a sua preparação e a sua actuação no panorama actual deste país.
Algumas críticas foram apontadas à "qualidade" das novas fornadas de jornalistas.
Eu pergunto:
1 - Qual a qualidade dos cursos superiores da área da comunicação social?
2 - Quais os conhecimentos "realmente" adquiridos nas faculdades que facultem a integração de um recém licenciado nesse circo que é, alguma comunicação social portuguesa?
3 - Pergunto quantos velhos "camaradas", hoje grandes cabeças pensadoras, senhores por excelência, se mostram de facto disponíveis para resolver os problemas reais dos jovens jornalistas, que não seja através de conversa fiada em congressos e encontros de jornalismo que lhes estimula ainda mais o ego?
4 - Porque não se assume de uma vez que a "cunha" é fundamental?
5 - Voltando ao ensino e aos velhos "camaradas" jornalistas com o curso "25 de Abril" (os tais defensores dos ideais de esquerda), pergunto-me onde estará o seu sentido ético?

E a apregoada "má qualidade" de jornalistas? Como consegue chegar aos patamares do jornalismo? Haverá algum critério para além de um cartão de partido político? Haverá algo mais para além de uma corrida em que alguns partam da linha de partida e outros partam a poucos metros da meta?
Até quando senhores, até quando? Será que algum dia vão ter vergonha na cara e sentir remorsos por hipotecarem o futuro de milhares de jovens neste país em prol dos vossos favores de ocasião?

Publicado por Nuno Teixeira em 02:53 AM | Comentários (0)

O que há de novo do outro lado do mundo?

- Espreitamos agora através das cortinas que balançam ao sabor do tempo.
Aproxima-se uma vaga de frio polar acompanhada de ventos fortes sobre o território português. Nada que não se aguente para além do que se sente entre o ritmo dos dias.
Banalidades eleitoralistas, tragédias que se banalizam nos olhares pregados a um caldeirão de cores agitado por bruxas despidas de qualquer sentimento, corridas entre as filas do trânsito, dias que passam sem darmos conta. Agitação de corpos vazios e depedidos de olhar. Beijos de enganos e desenganos. Correntes que nos prendem e nos atrasam. Correntes que se soltam. Fugitivos que somos naquela corrida do dia-a-dia em que só percebemos que estamos vivos quando afinal se solta uma corrente fria que nos assola a alma.
É tudo uma questão climatérica afinal de contas, sentir o frio e o calor dos dias. Deixar que o sol ou o frio nos queime a pele.
É com este espírito apático que tentamos lançar um olhar sobre o outro lado do mundo.
Vivências, actualidades, expectativas melodias de amor que poderão soprar na alma das gentes que fazem o outro lado do mundo.
É isso que vamos tentar perceber já a seguir com o enviado especial do Dom Quixote. Afinal qual é o ritmo de vida dos dias felizes?


Parece que não é possível neste momento estabelecer ligação com o nosso enviado especial que se encontra na ilha da Amortopia.
Avançamos a qualquer momento para a programação habitual até que o problema técnico esteja resolvido.
E por cá a vida apática, segue dentro de momentos.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:19 AM | Comentários (0)

Lua, lua...

E se pensamos que a lua está do nosso lado e de repente olhamos e vemos apenas uma noite vazia e sombria que nos prega rasteiras em cada calçada!?
Tropeçamos, caímos e voltamos a erguer-nos. E a vida continua... segue dento de momentos numa qualquer esquina da paixão.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:46 AM | Comentários (1)

janeiro 21, 2005

Esta luz nunca se apagara

Trocava algumas palavras musicais com uma amiga do Dom Quixote quando me lembrei de sugerir uma música que não ouvia há muito tempo.
Há quem diga que as covers nunca são melhores que as originais mas voltei a ouvir esta versão dos Smiths feita por Mikel Erentxun.
Desta feita a versão de There`s a light that never goes out.

Esta luz nunca se apagara

Hoy te esperaré
en la esquina iluminada de mi calle. Oh ven
no puedo comprender
que nunca confesaras tu amor
aquella noche eterna. Daba igual.

Hoy te esperará
este reducto de marfil y de hueso que soy,
me hiciste un gran favor
oh, nadie ha dado un paso por mí,
yo era una luz enterrada con puñados de cal.

Y si estoy sólo esta vez,
no es casualidad,
morir por ti sería un lento y bello final
y no regresarás a mi corazón,
morir por ti sería un ambicioso final.

Hoy te esperaré.
Dime, dime a mí quién soy, qué soy
y en el oscuro soportal señor,
mi suerte al fin pudo cambiar?
pero te extraña que exija de nuevo tu amor?

Hoy te esperaré
si dime, dime a mí quién soy, qué soy
y puedo comprender
que nunca confesaras tu error
aquella noche enferma.
era normal

Publicado por Nuno Teixeira em 12:10 AM | Comentários (4)

janeiro 20, 2005

Que dia é hoje

- Que dia é hoje? - perguntou a si próprio ao acordar em sobressalto. Apanhado a meio de um sonho atarantado.
Será o dia do meu mundo? Do desembarque das surpresas na praia dos sonhos desejados?
Dia após dia, o mesmo sobressalto, a mesma ansiedade.
E os sonhos não chegam e a praia já nem sequer se lembra de um final de verão antecipado, quanto mais de uma promessa de sonhos.
Que dia é hoje?
A mesma pergunta repetida de olhos esbogalhados. Sem respostas desses tais dias que passam a correr, sem ter sinais do meu mundo.

Publicado por Nuno Teixeira em 11:56 AM | Comentários (0)

janeiro 18, 2005

Filme de terror

Quando eu era mais novo a minha mãe dizia-me para não ficar a ver filmes de terror até tarde na Tv porque podia ter pesadelos durante a noite.
Aquelas coisas que os pais dizem aos filhos, se calhar não tanto pelos filmes mas pelas horas tardias em frente ao televisor.
Mas o pior, é que o género já ocupa outros suportes. Os jornais, a rádio e claro a televisão.
Fugidas a meio, desorientação, facadas nas costas, incubadoras assassinas, falsas promessas, aparições assustadoras, filósofos utópicos renascidos das cinzas, novas formas de comer criancinhas ao pequeno almoço!!!
Como diria alguém que conhecemos, acho que não vim preparado para isto.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:47 AM | Comentários (2)

Novos tempos

Parecem vir aí tempos de mudança. Um novo mundo!
Novos representantes, novos tachos, novos jobs para novos boys, novos interpretes, novos impostos, novas velhas primeiras páginas.
Um novo filme um novo estado de graça.
E nós por cá cada vez mais velhos e cansados.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:37 AM | Comentários (2)

janeiro 17, 2005

Douro reserva

Hoje passou-me pelas mãos o guia de compras dos vinhos portugueses 2005.
Ora se houver um bom coração que se lembre de me oferecer uma prenda, aqui fica uma sugestão:
Duas Quintas - Douro reserva de 2000.
Um bom vinho que acompanha os bons sabores da caça ou de um bom queijo e uma boa companhia feminina ao pé de uma qualquer lareira.
Caso não haja, ofereçam-me o Bons Ares de 1997... e se não for pedir muito, tragam-me o manjar, a lareira e... bom e... a companhia feminina também não era mau pensado... ehehehhe.
Haverá algo mais original do que uma mulher oferecer uma garrafa de bom vinho? Só mostra requinte.
Bom. Piadas à parte acho que deixo aqui duas boas sugestões.

Publicado por Nuno Teixeira em 04:28 PM | Comentários (1)

O dia seguinte

No dia 16 de janeiro de 1605, fez ontem exactamente 400 anos, começava a ser comercializada a primeira edição de Dom Quixote de la Mancha, obra-prima de Miguel de Cervantes. O início do romance moderno
Miguel de Cervantes Saavedra escreveu as histórias de Alonso Quijano, aquele fidalgo de cerca que perdeu o juízo a ler romances sobre cavaleiros, numa tal prisão de Sevilha. Cumpria pena de prisão por dívidas entre 1592 e 1597.

No dia 20 de dezembro de 1604, a gráfica de Juan de la Cuesta de Madrid, imprimiu o primeiro exemplar de O engenhoso fidalgo de la Mancha, cuja primeira edição tinha 52 capítulos. Passado mais ou menos um mês, parte dos 1.200 exemplares começou a ser vendida na livraria de Francisco de Robles.
Uma primeira edição européia em castelhano, a língua do império oficial de um vasto império que dominava territórios da Itália, Flandres, Bruxelas, Lisboa e América.

Passados quatro séculos, Dom Quixote de la Mancha é um dos livros mais traduzidos depois da Bíblia.
Nos últimos meses de 2004, foi o livro mais vendido na Espanha, onde o governo socialista formou uma comissão nacional para a comemoração do IV centenário que levará adiante um vasto programa relacionado ao aniversário da obra.
Há obras para todos os bolsos, desde a edição popular a um euro até a uma luxuosa de três mil páginas em dois volumes, que inclui estudos ralizados por vários especialistas. Há ainda uma adaptação para crianças do romance de Cervantes.
Há até um roteiro turistico que segue as pisadas do cavaleiro da triste figura como o Campo de Montiel, indicado pelos especialistas como "aquele local de la Mancha cujo nome não quero me recordar", o Campo de Criptana, onde o fidalgo teria lutado contra os moinhos de vento, ou o El Toboso, de onde estava sua amada Dulcinea.
400 anos. Uma obra ainda actual. Ainda hoje lutamos contra moinhos de vento.
Somos loucos? Soltos voamos

Publicado por Nuno Teixeira em 11:04 AM | Comentários (0)

janeiro 14, 2005

Pilha de nervos semanal

Muito sinceramente, tenho cada vez mais vontade de ser Espanhol.
Alguns poderão pensar que sou um velho do Restelo ou simplesmente um contador de estórias utópicas que não cabem em qualquer livro que não seja um espaço virtual por mim criado.
Mas como é que pode?
1 . Os cartazes propagandísticos começam a fazer parte do quotidiano paisagistico. Das duas uma. Ou sou eu que estou cansado de tanto lixo visual ou então a criatividade usada nas campanhas políticas anda muito por baixo.
É certo que ninguém de bom senso acreditaria em qualquer assinatura de campanha e muito menos nos próprios políticos de fachada mas esses cartazes que por aí se encontram na rua, não abonam nada a favor do apelo ao voto.
O semanário Independente resolveu dar mais umas boas facadas nas costas do Pedro com uma versão adulterada do cartaz rejeitado por Cavaco.
Santana e Sócrates parecem dois putos traquinas atrás de protagonismo. Por um lado a conversa da vitimização, por outro, o discurso da mudança com promessas demagógicas ao país real, ou seja, o mais envelhecido. Uma área de acção de Sócrates que parece ter sido retirado de algum manual de direita.
Já ninguém acredita que isto mude.
Já a esquerda, deixou-se dominar pelos meninos de bem, que clamam nas cidades semblantes de inteligência rara. A nova raça bloquista (a dita massa intelectual deste país, os iluminados), continua a subir. Se os inteligentes deste país conseguirem com que os amigos comprem os seus livros como visitam e promovem os seus blogues na internet, qualquer dia temos uma corrente humana de pseudo-intelectuais.
Vamos emigrar meus amigos.
2 . Como pode um povo que tem uma história e uma cultura imensa, aplaudir esse Castelo Branco? Como pode o nosso povo continuar a idolatrar idiotas que são promovidos pela pior comunicação social deste país?
O que fez de tão importante na vida esse imbecil para merecer a maior das honras, que é ser acarinhado pelo povo? Será que já não há verdadeiros heróis num país em crise ou será que esses preferem afastar-se das luzes da ribalta?
3 . Esta semana houve por aí algumas manifestações de solidariadade para com as vítimas da tragédia na Ásia. Às vezes pergunto-me se será justo utilizar causas nobres, para ter mais e mais protagonismo (estamos no país do bem parecer). Não seria melhor algumas instituições não darem tanto nas vistas e começarem a resolver os seus próprios problemas e a criarem condições dignas a quem delas usufrui? Onde pára o ensino com qualidade por exemplo?
Infelizmente há quem prefira continuar a pagar 200 e muitos euros por mês, a hipotecar o seu próprio futuro e a marchar feito pau mandado na feira das vaidades.
Não é má vontade mas continuamos a nadar na porcaria e outros continuam a tirar proveito disso mesmo.
Somos e seremos o Portugal da aparência, dos rapazes bem comportados. Do Portugal a duas velocidades, da hipocrisia e do bom saber em dar nas vistas.
Já não acredito numa revolução em massa mas eu vou continuar a fazer a minha.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:37 PM | Comentários (3)

janeiro 11, 2005

Fim de tarde

Saudades de um fim de tarde passado à lareira. O cheiro da lenha... Um bom copo de vinho tinto, o som de um piano, um poema antigo uma canção de amor.
E ficar... por ali. Desejar que seja sempre um fim de tarde e que a noite bata constantemente nas portadas.
Ouvem-se ao longe os gritos dos putos que regressam eufóricos da escola.
Um bom fim de tarde de inverno...senti-lo com alegria.

Publicado por Nuno Teixeira em 06:30 PM | Comentários (0)

outubro 29, 2004
...
Mais do que um vale. Mais do que montanhas.
Não há paisagem a revelar-se sem a presença de um sorriso traquina.
Ao ritmo dos dias cinzentos.
Caminhar sempre. Mas um caminhar pesado e triste.

Publicado por Nuno Teixeira em 12:52 PM | Comentários (5)

Daqui o verbo

NascerBrincarAprenderCrescerAmarDesiludirFugirDescerAmarSubirBrincarSorrir
RespirarAbrirSentirCairLevantarMarcharCaminharAndarCorrerMandarObedecer
SairEntrarChorarPedirDeverMostrarDizerComunicarFalarLerMostrarQuerer
PoderAbraçarViverMorrer ufa Renascer... Respirar(A)mar... Sentir...
Voltar(A)mar sem pressa.

Aqui como na vida. Paro, escuto e olho. Aprendo a não errar.
Qualquer carruagem é válida, desde que nos dê boleia e um assento, porque o verbo volta a Amar sem pressa.

Amar.

Publicado por Nuno Teixeira em 01:07 AM | Comentários (4)

janeiro 10, 2005

...

Bom dia mundo.
Hola!!!

Publicado por Nuno Teixeira em 10:21 AM | Comentários (0)

janeiro 09, 2005

"The revolution is coming".


(Foto: António Nunes | Dia das Monstruosidades)


"The revolution is coming".

Quando o cortejo chegar à cidade a multidão vai marchar sobre as pedras da calçada a um ritmo profundo e envolvente que poderá parecer assustador, tal a grandiosidade e imponência do desfile que acompanha o novo ditador do mundo.
Sem palavras de ordem, de estandartes em punho de sorrisos e olhares brilhantes, o cortejo avança pela cidade. Hoje aqui. Amanhã na capital. Os revoltosos tomarão de assalto todos os podres do mundo velho.
O novo ditador do mundo, representa a força dos novos Tuaregues que viveram no deserto da grande cidade anos e anos no limite da sobrevivência. Do alto do palanque que desliza sobre a multidão em cortejo, o novo ditador do mundo lança gestos de indiferença a todos os monstros do poder que ardem em fúria na via pública.

"The revolution is coming".

Todos os cobardes e traidores terão direito a julgamento e apenas o dever de ouvir as acusações das quais são alvo de anos e anos de extorsão, plágio e traição. Depois de serem vaiados em directo no canal de Televisão ocupado pelas forças revoltosas vão ser exibidos por todo o país como raridades do mundo velho que acabou de cair perante a nova geração de senhores do mundo.

"The revolution is coming".

Publicado por Nuno Teixeira em 04:59 PM | Comentários (0)

janeiro 07, 2005

A un minuto de ti

Há um olhar que desperta lá longe.
Um paraíso que não posso agarrar. Um sorriso tímido que me faz corar.
Gostava de sair a correr e procurá-lo e dedicar-lhe palavras não virtuais.
Tão longe e tão perto, estivemos de um abraço. Trocámos olhares que não esqueço.
Um rosto que gravei no meu... são essas as vivas recordações desse paraíso do teu olhar.

Antes de tres lunas volveré por ti,
antes que me eches de menos.
Dejaste vías muertas tendidas al pasar,
nunca te he esperado tanto.

A un minuto de ti,
voy detrás de ti.
A un minuto de ti,
te seguiré.

El viento se ha calzado sus guantes de piel,
se entretiene con mi pelo.
Bebo el agua que viene conmigo, estoy
estancado en tu reflejo.

Solamente de ti,
gota a gota,
solamente de ti,
veneno y sed.

Llegaré solo hasta el umbral.
¡Qué puedo perder!
Me atreveré, cuento un paso más.
No soy como tú.

A un minuto de ti,
voy detrás de ti.
A un minuto de ti,
te seguiré.

Voy a arder, braceo en espiral,
me vuelvo a repetir.
Saltaré, planeo en derredor
no soy como tú.

Mikel Erentxun

Publicado por Nuno Teixeira em 04:03 PM | Comentários (0)

janeiro 06, 2005

caminhadas

Há dias que tudo em nós é minimalista.
Outros, em que a caminhada é mais longa e penosa.
Espero que a noite caia, porque aqui na cidade nada foi deixado ao acaso. Fizeram as calçadas e juntaram-lhe um céu de estrelas.
Assim ainda nos podemos perder na caminhada e recordar os rastos do passado.

Publicado por Nuno Teixeira em 03:08 PM | Comentários (0)

Por onde andas?

Por onde andas?
Perguntei a todas as calçadas e a todos os rostos vagabundos de uma manhã fria e cinzenta.
Ninguém sabe onde se esconde o teu perfume nem a tua alegria invulgar.
Desapareceste dos dias tal como negavas as noites.
Por onde andas?
Por curiosidade pergunto. Apenas pela curiosidade. Pergunto mas não procuro. Jamais procurarei o teu rasto e deixarei morrer nos braços de um horizonte eterno uma pergunta e uma paixão que desvanece.
São apáticos os dias sem paixão. Desinteressantes.
São autênticos Domingos à tarde sem motivação.

Publicado por Nuno Teixeira em 02:02 AM | Comentários (0)

janeiro 04, 2005

Verde do meu país


(Foto: António Nunes | Naquele trilho secreto)

Verde é o meu país. Verdes são os encontros com as paisagens humanas do meu Portugal.
Verde que espalha a alegria de um qualquer jogo de crianças... verde que propaga a ansiedade do meu coração.
Trilhos verdes como este, que se escondem nas serras e onde o amor se grava por entre as pedras.
Estamos de volta com os braços erguidos ao vento.
Somos lindos. Soltos Voamos.
Quais moinhos? Os que tombamos!?
Vamos a eles gajada.

Verdes são os campos
Luís de Camões

Verdes são os campos,
De cor de limão:
Assim são os olhos
Do meu coração.

Campo, que te estendes
Com verdura bela;
Ovelhas, que nela
Vosso pasto tendes,
De ervas vos mantendes
Que traz o Verão,
E eu das lembranças
Do meu coração[...]

Publicado por Nuno Teixeira em 03:37 AM | Comentários (0)

janeiro 02, 2005

Expectativas

Expectativas para este ano?

Publicado por Nuno Teixeira em 10:30 PM | Comentários (7)