julho 10, 2004

A decisão de Sampaio

Não era a favor de eleições antecipadas, e julgo que ainda tenho direito, neste país, a poder ter esta opinião.
Sampaio tomou uma das medidas mais difíceis na história política de Portugal.
Mas temos acima de tudo que percebe que Sampaio é o Presidente dos portugueses, eleito por uma maioria mais que suficiente para vencer na primeira volta.
Para quem se esqueceu ganhou com 55,76% contra os 34,54% de Ferreira do Amaral.
Quando essa maioria votou em 2001 em Sampaio, ninguém concerteza imaginava, nem o próprio, da crise política que iria enfrentar três anos após a mesma eleição.
Sampaio como Presidente da República tem o direito de decidir o que é melhor para os portugueses, mesmo que essa decisão irrite a grande maioria dos que votaram nele em 2001.
Caso não saibam, uma das primeiras medidas de Sampaio em 96 foi entregar o seu cartão de militante do PS, porque desde essa data, Sampaio era o nosso representante.
Nunca fui um grande entusiasta de Sampaio, como Monteiro, também eu votei contra Sampaio em 96 e 2001, porque Sampaio não seguia a minha linha ideológica.
Hoje, não passei a adorar Sampaio, porque não considero que Sampaio seja um Presidente de Direita, é apenas o Presidente dos Portugueses.
E porque Sampaio toma esta medida?
Toma-a porque:

- Considera que a coligação governamental lhe dá mais garantias de estabilidade do que a marcação de umas eleições antecipadas.
- Com a retoma que está a chegar ao país, marcar eleições significa perder o comboio da mesma retoma, porque Portugal parava mais de nove meses, com governos de gestão, eleições e orçamentos fora de horas.
- Apesar de todas as medidas de contenção orçamental, Sampaio tem a consciência de que se as mesmas, não tivessem sido feitas o país tinha caído num buraco negro.
- Poderá controlar o governo de uma forma como nunca nenhum Presidente em Portugal teve oportunidade, podendo com isso, controlar PSL e Portas.
- Não teria a mesma oportunidade se marcasse eleições, podendo o governo seguinte desbaratar toda a política económica dos últimos anos.
- Não sabia como o povo votaria, não sabia que governo iria ter a seguir às eleições, se PS-BE, se PSD-PP, se nenhum.
- Arriscava-se a uma verdadeira salada russa na AR e aí sim, instabilidade.

Julgo que Sampaio tomou a atitude correcta, e não compreendo como podem o chamar de cobarde, o homem ainda é Presidente do país, e não o deixa de ser só porque não decidiu o que queríamos.
Não considero nenhuma derrota pessoal, nem política, apenas uma decisão presidencial.
Continua a acreditar na Democracia, não a vamos perder.
Dra. Ana Gomes, por amor de Deus, emigre para Jacarta, porque só prejudica o partido que defende, a Sra. Hoje fez a figura mais idiota que alguma vez vi nos políticos portugueses.
A outros, apenas digo, que ninguém morreu, portanto não é preciso pintar os blogs de negro.

Publicado por TMA em julho 10, 2004 03:30 AM
Comentários