abril 21, 2006

Capicuas


wheel of life de autor desconhecido

No dia 4 de Maio deste ano de 2006, quando passarem dois minutos e três segundos da uma da manhã, o tempo escrever-se-á assim:

01:02:03 04/05/06

Não sei se são resquícios da convivência com tantos jogadores, na noite de inauguração do Casino Lisboa, mas retive a curiosidade, algures nas Azenhas do Mar. Diz que o mesmo só irá repetir-se daqui a mil anos. Mas está garantido o essencial: calma!... seja como for, é certo que se repetirá. E então pergunto-me pela validade dos instantes únicos e volto (como sempre) às verdades maiores de Heraclito e ao Mito do Eterno Retorno.
Fica o apontamento, à laia de quem repara em certas ocorrências perfeitamente inúteis da vida. Como diria Cora, aproveitem (não sei bem para quê)! Muito provavelmente para coisa nenhuma. Como sempre. Como dantes. Que a repetição é fado difícil de se romper. Como a vida e os seus retornos. Frívolos e triviais, banais à conta de tanto se repetirem. Inúteis. Perfeitamente. Perfeitamente inúteis.

Publicado por Ana Tropicana às 11:52 AM | Comentários (0)

janeiro 04, 2006

Alteração de Email


sobre-(o)escrito de sérgio s.

Serve a presente para comunicar que, após 24 preguiçosas horas, cumpri finalmente o firme propósito de me divorciar do Hotmail. A partir de agora, passa a chegar-se «Da Pororoca ao Tejo» via Gmail.

O novo endereço já foi actualizado no link. Basta colocar na garrafinha e tapar direitinho. Depois a maré, as correntezas (e o gmail, claro!) tratam do resto.

Publicado por Ana Tropicana às 06:11 PM | Comentários (0)

dezembro 06, 2005

Memo

Post it: 15h30 - Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, Rua 1º de Maio (Lisboa):

«O Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Jorge Lacão, e o Secretário de Estado Adjunto e da Justiça, José Conde Rodrigues, estão presentes no 1º Fórum com o tema «Prostituição e Tráfico, Visibilidade(s) sobre o problema e modos legais de intervenção», no âmbito do Projecto CAIM, Projecto Piloto na Área da Prostituição e Tráfico de Mulheres em Portugal.»

Estrutura deverá reunir informações permanentes e elaborar estudos
Portugal terá um observatório permanente contra tráfico de mulheres até 2007

Fonte: O Público | Autor: LUSA | Data: 06.12.2005 - 19h39


Portugal vai ter até 2007 um observatório permanente de segurança para questões relacionadas com o tráfico de mulheres para fins de exploração sexual, foi hoje anunciado pela coordenadora do CAIM - Projecto Piloto na Área da Prostituição e Tráfico de Mulheres em Portugal, Isabel Varandas.

De acordo com a responsável, o observatório, já aprovado pelo Governo, vai ser criado junto do Ministério da Administração Interna e terá como funções reunir informações permanentes e elaborar estudos sobre o fenómeno.

Em funções há quatro meses, o projecto CAIM realizou hoje em Lisboa o primeiro fórum para debater o problema e os modos legais de intervenção. Isabel Varandas explicou que o projecto CAIM pretende "conhecer melhor um problema profundamente obscuro", o tráfico de mulheres, aumentar a investigação sobre o fenómeno, apoiar e integrar as vítimas.

No âmbito do CAIM deverá ainda ser criada uma casa de acolhimento para mulheres traficadas e um guia de registo de denúncias, a ser usado pelas forças de segurança, adiantou a responsável.

Durante o fórum, Isabel Varandas propôs a necessidade de se criar uma "estrutura de acolhimento de emergência" para apoiar as prostitutas. Segundo a responsável, nesta estrutura as pessoas reflectem se querem ou não denunciar a sua situação e têm um acompanhamento médico, psicológico e judicial e, posteriormente, serão avaliadas por uma comissão independente que definirá a sua condição ou não de vítima. "Caso sejam consideradas vítimas de tráfico, são colocadas numa instituição de acolhimento temporário", sugeriu, sublinhando que, neste local, as vítimas receberiam apoio e seriam integradas na sociedade.

A responsável considerou ainda que as vítimas de tráfico deveriam receber "um rendimento de integração". "As vítimas são mulheres exploradas e em condições de vulnerabilidade. Muitas delas vieram para Portugal, deixaram os filhos nos países de origem e precisam de enviar dinheiro todos os meses", afirmou.

Isabel Varandas recomendou ainda que é necessário transpor para Portugal a legislação que está em vigor na União Europeia relativamente a esta matéria. Também o secretário de Estado adjunto da Justiça, José Conde Rodrigues, considerou necessário "actualizar a legislação portuguesa", adiantando que no âmbito das reformas do processo penal e direito penal, que vão estar em curso em 2006, o tráfico de pessoas para fins sexuais terá de ser incluído.

O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Jorge Lacão, sublinhou, por sua vez, que "no quadro de um trabalho que está a ser orientado pelo Ministério da Justiça vai haver a revisão de alguns instrumentos legais no combate da criminalidade mais grave e organizada".

Sem especificar mais pormenores, Jorge Lacão acrescentou que vão ser "repensadas algumas soluções para tornar mais eficaz o combate ao tráfico".

O secretário de Estado referiu que o projecto CAIM "é pioneiro no país" e vai permitir "identificar os problemas sociais deste fenómeno e procurar as respostas adequadas". O projecto "ajuda a tomar consciência que o tráfico de seres humanos é um problema sério", não só da sociedade portuguesa, mas também a nível internacional, frisou.

A Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres, os ministérios da Justiça e da Administração Interna, o Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, a Associação para o Planeamento da família e a Organização Internacional para as Migrações são os parceiros do projecto CAIM.

Publicado por Ana Tropicana às 01:45 PM | Comentários (0)