« Finas Claridades | Entrada | Caminhos de Curitiba »

março 17, 2006

«Empowerment» (aqui) , «Capacitação» (lá)

Este Sábado, às 16h, José Strabeli lança, na Bienal do Livro de São Paulo, um livro que me parece muito curioso. O autor parte da construção da comunidade fictícia de "Morro Alto" para fornecer um "manual prático", uma espécie de guia, capaz de contribuir para a organização de comunidades rurais, indígenas, quilombolas, ou mesmo da periferia das grandes cidades, em associações que busquem a garantia dos seus direitos e alternativas capazes de gerar rendimento para o seu próprio sustento.

Escrevi um pouco a respeito. Vou deixar também AQUI.




Publicação «Gestão de associações no dia-a-dia» será lançado na Bienal do Livro de SP
[15/03/2006 12:03]


Este Sábado, 18 de março, às 16h, no stand da Francal Cidadania, é lançado um interessante livro que pretende contribuir, de forma práctica, para a organização de comunidades rurais, indígenas, quilombolas, ou mesmo da periferia das grandes cidades, em associações que busquem a garantia dos seus direitos e alternativas que possam gerar-lhes rendimento.


O desafio de se relacionar com o fazendeiro vizinho, o comerciante da cidade mais próxima, ter acesso aos programas governamentais e aos diferentes mercados para os seus produtos, está cada vez mais presente na vida de comunidades rurais, indígenas e quilombolas no Brasil. Surge, ao mesmo tempo, a necessidade destas comunidades se organizarem e formarem associações que possam representá-las (legal e formalmente) na realização de actividades económicas e na garantia dos seus direitos constitucionais.

Lançado no final de dezembro, o livro «Gestão de associações no dia-a-dia», que agora será lançado na Bienal do Livro de São Paulo, propõe-se ser uma ferramenta capaz de as ajudar, fornecendo dicas e orientações sobre o funcionamento de uma associação, o planejamento de atividades, captação e gestão de recursos, prestação de contas e avaliação dos resultados alcançados.


O livro começa por apresentar uma comunidade fictícia como pretexto para falar de situações reais e é escrito pelo cientista social José Strabeli, do Projeto de Capacitação em Gestão do ISA. Em 144 páginas conta-se a história de uma fictícia comunidade de 87 famílias chamada “Morro Alto” que por muitos anos viveu praticamente isolada do resto do mundo, sobrevivendo da roça e da pesca, raramente indo à cidade mais próxima trocar peças de artesanato por produtos básicos como sabão, velas e sal.

Diz a história que a comunidade decidiu criar uma associação quando «a situação estava ficando muito diferente dos tempos antigos. Abriram estrada, tinha cidade perto, muitas pessoas tinham comprado sitio ou fazenda ao redor da terra da comunidade. Doenças que eles não tinham começaram a aparecer e não conseguiam curar com as plantas que conheciam. O comércio na cidade não aceitava mais só palavra como antes, sempre pediam documentos. Apareceram leis e programas do governo que tratavam sobre a situação deles e precisam conhecer, discutir com a prefeitura, estado e outras organizações da sociedade.»

A partir desse enredo de ficção, o livro narra por meio de situações concretas e diálogos entre os seus «diretores, assessores e pessoas da comunidade» como se organizou a nova associação, abrindo uma conta bancária, contratando um contabilista e organizando o seu próprio arquivo. Relata ainda de que forma os seus integrantes fizeram um diagnóstico dos principais problemas locais, planeando as actividades, elaborando um projecto, negociando e assinando um contrato. Para isso, indica uma série de etapas a serem cumpridas por quem pretende fundar uma associação forte e capaz de lidar com os problemas actuais. Aponta, por exemplo, que o primeiro passo consiste em estabelecer um diálogo entre todos os membros da comunidade de modo a que a realidade local seja bem dimensionada e a que as necessidades das famílias e os direitos colectivos possam ser percebidos por todos.


O livro descreve, depois, a forma como a comunidade deve descobrir as suas potencialidades e oportunidades de trabalho, de maneira a sanar as carências anteriormente inventariadas. É justamente nesta fase que se torna necessária a captação de recursos, ponto fundamental para uma “aventura” ser bem-sucedida.
A terceira parte do livro aborda a questão da gestão dos recursos e fundos angariados, de modo a que os objectivos comuns possam ser atingidos: como se organizar internamente, fazer os controles necessários e organizar os documentos. O passo seguinte trata da elaboração de um projecto: a busca por recursos, a implementação e o monitoramento das actividades, a avaliação dos resultados e a prestação de contas.

O exemplo da comunidade "Morro Alto" funciona como uma ilustração-síntese da própria experiência do autor, que há quatro anos trabalha na assessoria de organizações parceiras do ISA nas regiões do Rio Negro (AM), Parque Indígena do Xingu (MT) e Vale do Ribeira (SP). O Projeto Capacitação em Gestão dedica-se ao fortalecimento institucional destas associações, para que elas possam, cada vez mais, desempenhar um papel estratégico na interlocução dos povos indígenas e populações tradicionais com a sociedade envolvente, principalmente no que se refere às acções que visam a sua própria sustentabilidade.

Quase metade da tiragem inicial da obra foi enviada para associações indígenas do Rio Negro (250 exemplares), associações indígenas do Xingu (50), associações indígenas cadastradas no banco de dados do ISA (210), associações de produtores rurais na região do Xingu, associações quilombolas do Vale do Ribeira, entre outras. Os restantes exemplares serão sendo vendidos na Bienal do Livro de SP por R$ 15,00.

Local: Bienal do Livro de São Paulo
Pavilhão de Exposiçôes do Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1209 (Casa Verde
Data: 18 de março de 2006
Horário: 16h
Lançamento: Gestão de Associações no Dia-a-Dia
Stand: Francal Cidadania - Rua O em frente à Av. 5


Publicado por Ana Tropicana às março 17, 2006 11:35 AM

Comentários

Comente




Recordar-me?