« A Prova | Entrada | Entrar Em África Com a Noite »

janeiro 02, 2006

Estradas d'Água


mirante de autor desconhecido

Da Praça do Império saiu também Ricardo Diniz: velejador desde os 12 anos, conta no currículo com mais de 60 mil milhas náuticas, incluindo quatro travessias do Oceano Atlântico. É a primeira vez que vai fazer uma viagem entre Lisboa e Dakar, a bordo do «Taylor's Port», um veleiro de cruzeiro veloz, com 12,5 metros, contruído na Africa do Sul e desenhado por Angelo Lavranos. Tirando o equipamento e os diversos meios técnicos, Ricardo segue tendo como únicos companheiros a bordo a música, os livros e o mar. Para quê mais, quando «o inferno são os outros»?!...

A ideia é ir-lhe acompanhando os ventos AQUI





Foto: Veleiro «Taylor's Port» (Autor: )




Lisboa-Dakar num barco à vela
A aventura portuguesa de um jovem lobo do mar

Fonte: InfoDesporto | Data: 27/12/2007


Um jovem português prepara-se para fazer sozinho a ligação entre Lisboa e Dakar à vela, embarcando em pleno Inverno numa aventura em que tudo pode acontecer, mas com a confiança de superar dificuldades e o objectivo de simplesmente chegar.
Ricardo Diniz tem 28 anos e a experiência de já ter navegado mais de 60 mil milhas náuticas o que equivale a dar duas voltas e meia ao mundo.

Contudo esta é a primeira vez que vai fazer uma viagem entre Lisboa e Dakar, a bordo do veleiro "Taylor's Port", com 12,5 metros equipado com diversos meios técnicos e tendo como únicos companheiros a música, os livros e o mar.

às 15:30 de 31 de Dezembro Ricardo estará a passar frente ao Padrão dos Descobrimentos, dando início a uma viagem que previsivelmente demorará cerca de 15 dias.

Os imprevistos podem ir dos mais normais como embater num contentor à deriva no mar, aos mais absurdos como o que aconteceu uma vez, em que uma vaca caiu (de um avião) em cima de um barco, diz.

"É normal nestas viagens as coisas correrem menos bem, mas cabe ao velejador saber superá-las e eu tenho que ter confiança na minha preparação", afirma.

E preparação não falta a Ricardo Diniz que veleja desde os 12 anos e entre as mais de 60 mil milhas náuticas que compõem o seu currículo, contam-se quatro travessias do Oceano Atlântico e muitas outras viagens já repetidas diversas vezes como as ligações de Lisboa a Londres ou a Cabo Verde.

Esta não será a primeira vez que Ricardo veleja sózinho e embora afirme que gosta muito e que necessita destes momentos solitários, reconhece que não são fáceis e que há períodos particularmente difíceis de ultrapassar.

A vontade de velejar surgiu aos oito anos quando em Inglaterra o pai o levou a ver o navio Cutty Sark e ele se encantou com outro barco pequenino à vela que estava perto.

Quando lhe foi explicado que nesse mesmo barco um homem sozinho tinha dado a volta ao mundo, Ricardo Diniz pensou:"Uau! A volta ao mundo sozinho. Também quero."Foi nesse momento que nasceu esse sonho". Mas hoje em dia Ricardo diz já não ser um sonho e sim "um objectivo" pelo qual está há anos a trabalhar e para o qual já contactou com mais de quatro mil empresas de todo o mundo.

Ricardo Diniz deixa bem claro que não se trata de nenhuma corrida e que não está a competir com ninguém, apenas entrou no espírito do Lisboa-Dakar e impôs-se um único objectivo: conseguir chegar.




Ricardo Diniz ruma a Dacar de... barco
Fonte: Correio da Manhã | Data: 2005-12-28


“A prova enquadra-se num projecto criado em 2003, chamado ‘Made in Portugal’, que visa promover o nosso país, a cultura, produtos. Foi um gesto natural aderir a esta competição, que liga duas cidades que têm portos. É uma maneira de honrar a prova e dizer a todos os envolvidos bem-vindos”, disse Ricardo Diniz que, às 15h30 de sábado, espera estar a passar frente ao Padrão dos Descobrimentos. “Vou adiar a partida em algumas horas para vê-los partir. A vela é sempre imprevisível e, na melhor das hipóteses, espero chegar a Dacar dentro de 13, 14 dias, num total de 1600 milhas”, acrescentou.

Para abraçar este projecto rumo à capital do Senegal, este jovem vai comandar uma embarcação nada fácil para uma aventura a solo. “Velejá-lo sozinho é complicado. As velas são pesadas e vai ser um desafio físico muito grande. Mas é rápido e robusto”, disse ao Correio da Manhã.

Um boneco da Fundação do Gil vai fazer companhia – “identifico-me com o projecto e na Expo andei mesmo vestido de Gil” – e vai matar o tempo com a biografia de Belmiro de Azevedo e com o ‘Código da Vinci’. Mas nunca esquecendo a segurança. “Um relógio salvou-me a vida, depois de em 2001 ter batido num contentor e de ter ficado à deriva. Como o relógio tinha bússola, consegui orientar-me e pedir ajuda.”

Ricardo Diniz diz que todos os participantes do Dacar, “cheguem ao fim ou não”, têm um ponto comum. “Todos eles tiveram de enfrentar uma luta familiar, de trabalho e financeira”.




Este é o traçado original da viagem - que se iniciou às 15h 30 de Sábado dia 31 de Dezembro - , mas deixo o link para os mapas diários do percurso AQUI.





Publicado por Ana Tropicana às janeiro 2, 2006 03:52 AM

Comentários

Sou um afixionado pela vela. Tenho 27 anos, sou novo, mas ás vezes tenho a sensação de ver o meu sonho muito longe. Tenho um pequeno veleiro de 7 metros, jouet 6,80. O meu primeiro grande objectico era ir até Baiona em vigo, mas tenho muita experiência de navegação e tenho receio. Por favor entra em contacto, pois gostaria de ter um amigo grande velejador. Abraços Jorge Fernandes e boa velejada

Publicado por: jorge fernandes às janeiro 9, 2006 09:58 PM

Comente




Recordar-me?