« Resgates | Entrada | Fim de Agosto »

agosto 27, 2005

Luz

Continuam a apetecer-me as palavras. Sem rima. Mas palavras. Firmes e vigorosas. Cheias. Intensionais porque intencionadas. Coisas de braveza da Gente Brava. Coisas de "Mestre", na verdade:... Resistir... Etapas. Duas perolas que me apetece deixar aqui. Uma especie de "Oficio Diario".



Etapas

Não te detenhas nos corredores sombrios,
são apenas etapas que importa ultrapassar.
De qualquer modo, não passam de episódios
e têm forçosamente um fim.

Os precipícios só existem
na cabeça de quem os inventa.

Nunca cedas ao medo das viagens longas,
de que a vida também se faz.
Na primeira carruagem dos comboios nocturnos
viaja sempre a madrugada.

Quando o sol te acordar, verás que o pesadelo
não passou disso mesmo, um pesadelo.




Resistir

Ao olhar-te nos olhos, sei que me perguntas
a atitude certa, aquela que mais serve
o caminho que tens de prosseguir.
E a minha resposta, de entre muitas
que poderia dar-te, é a mais breve:
resistir, simplesmente resistir.

A vida só interessa se não for
uma cedência à dor
que nos persegue desde que nascemos.
Se for combate permanente,
um constante remar contra a corrente
que teima em afastar-nos do que queremos.




Torcato da Luz (2005)

Publicado por Ana Tropicana às agosto 27, 2005 03:21 AM

Comentários

Porque acredito que o impossível nao existe...

"Sonho Impossível"/
(J. Darion/M. Leigh - versão de Chico Buarque/Ruy Guerra)//
"Sonhar//
Mas um sonho impossível/
Lutar/
Quando é fácil ceder/
Vencer o inimigo invencível/
Negar quando a regra é vender/
Sofrer a tortura implacável/
Romper a incabível prisão/
Voar no limite improvável/
Tocar o inacessível chão/
É minha lei, é minha questão/
Virar esse mundo/
Cravar esse chão/
Mão me importa saber/
Se é terrível demais/
Quantas guerras terei que vencer/
Por um pouco de paz/
E amanhã, se esse chão que eu beijei/
For meu leito e perdão/
Vou saber que valeu delirar/
E morrer de paixão/
E assim, seja lá como for/
Vai ter fim a infinita aflição/
E o mundo vai ver uma flor/
Brotar do impossível chão."

Publicado por: DT às agosto 29, 2005 02:15 AM

Comente




Recordar-me?