« julho 2005 | Entrada | setembro 2005 »

agosto 31, 2005

Entendimentos


sem titulo de autor desconhecido

Abro o The New York Times com quatro dias de atraso e descubro que os americanos ainda se fascinam com a sobrevivência de uma língua.




«Estranhos os gringos americanos!», diria o guia Tatuí, se lhe lesse esta página, nos três quartos de hora que vão do desembarque do vapor ao igarapé onde amarra a voadeira. Estranhas as coisas que continuam a ter o dom de os espantar, reconheço eu. Minha Língua é minha Pátria! Mas talvez os americanos andem a ler menos os poetas... Talvez seja por isso que tanto os intrigue que, no coração da Amazónia, o Nheengatú - a língua que os portugueses inventaram juntamente com os índios para se entenderem, há mais de cinco seculos atrás - continue a correr fluente: nos bancos de escola, nas rezas dos crentes, nas transacções de mercado, nas receitas prescritas pelos médicos, nos assuntos de cartório, na letra das leis.





Language Born of Colonialism Thrives Again in Amazon
Fonte: New York Times | Autor: LARRY ROHTER | Data: 28 de Agosto de 2005

SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA, Brazil, Aug. 23 - When the Portuguese arrived in Brazil five centuries ago, they encountered a fundamental problem: the indigenous peoples they conquered spoke more than 700 languages. Rising to the challenge, the Jesuit priests accompanying them concocted a mixture of Indian, Portuguese and African words they called "língua geral," or the "general language," and imposed it on their colonial subjects.

Elsewhere in Brazil, língua geral as a living, spoken tongue died off long ago. But in this remote and neglected corner of the Amazon where Brazil, Colombia and Venezuela meet, the language has not only managed to survive, it has made a remarkable comeback in recent years.

"Linguists talk of moribund languages that are going to die, but this is one that is being revitalized by new blood," said José Ribamar Bessa Freire, author of "River of Babel: A Linguistic History of the Amazon" and a native of the region. "Though it was originally brought to the Amazon to make the colonial process viable, tribes that have lost their own mother tongue are now taking refuge in língua geral and making it an element of their identity," he said.

Two years ago, in fact, Nheengatú, as the 30,000 or so speakers of língua geral call their language, reached a milestone. By vote of the local council, São Gabriel da Cachoeira became the only municipality in Brazil to recognize a language other than Portuguese as official, conferring that status on língua geral and two local Indian tongues.

As a result, Nheengatú, which is pronounced neen-gah-TOO and means "good talk," is now a language that is permitted to be taught in local schools, spoken in courts and used in government documents. People who can speak língua geral have seen their value on the job market rise and are now being hired as interpreters, teachers and public health aides.

In its colonial heyday, língua geral was spoken not just throughout the Amazon but as far south as the Paraná River basin, more than 2,000 miles from here. The priests played by Jeremy Irons and Robert de Niro in the movie "The Mission," for example, would have communicated with their Indian parishioners in a version of the language.

But in the mid-18th century, the Portuguese government ordered the Jesuits out of Brazil, and the language began its long decline. It lingered in the Amazon after Brazil achieved independence in 1822, but was weakened by decades of migration of peasants from northeast Brazil to work on rubber and jute plantations and other commercial enterprises.

The survival of Nheengatú here has been aided by the profusion of tongues in the region, which complicates communication among tribes; it is a long-held custom of some tribes to require members to marry outside their own language group. By the count of linguists, 23 languages, belonging to six families, are spoken here in the Upper Rio Negro.

"This is the most plurilingual region in all of the Americas," said Gilvan Muller de Oliveira, director of the Institute for the Investigation and Development of Linguistic Policy, a private, nonprofit group that has an office here. "Not even Oaxaca in Mexico can offer such diversity."

But the persistence and evolution of Nheengatú is marked by contradictions. For one thing, none of the indigenous groups that account for more than 90 percent of the local population belong to the Tupi group that supplied língua geral with most of its original vocabulary and grammar.

"Nheengatú came to us as the language of the conqueror," explained Renato da Silva Matos, a leader of the Federation of Indigenous Organizations of the Rio Negro. "It made the original languages die out" because priests and government officials punished those who spoke any language other than Portuguese or Nheengatú.

But in modern times, the language acquired a very different significance. As the dominion of Portuguese advanced and those who originally imposed the language instead sought its extinction, Nheengatú became "a mechanism of ethnic, cultural and linguistic resistance," said Persida Miki, a professor of education at the Federal University of Amazonas.

Even young speakers of língua geral can recall efforts in their childhood to wipe out the language. Until the late 1980's, Indian parents who wanted an education for their children often sent them away to boarding schools run by the Salesian order of priests and nuns, who were particularly harsh with pupils who showed signs of clinging to their native tongue.

"Our parents were allowed to visit us once a month, and if we didn't speak to them in Portuguese, we'd be punished by being denied lunch or sent to sit in a corner," said Edilson Kadawawari Martins, 36, a Baniwa Indian leader who spent eight years as a boarder. "In the classroom it was the same thing: if you spoke Nheengatú, they would hit your palms with a brazilwood paddle or order you to get on your knees and face the class for 15 minutes."

Celina Menezes da Cruz, a 48-year-old Baré Indian, has similar memories. But for the past two years, she has been teaching Nheengatú to pupils from half a dozen tribes at the Dom Miguel Alagna elementary school here.

"I feel good doing this, especially when I think of what I had to go through when I was the age of my students," she said. "It is important not to let the language of our fathers die."

To help relieve a shortage of qualified língua geral teachers, a training course for 54 instructors began last month. Unicef is providing money to discuss other ways to carry out the law making the language official, and advocates hope to open an Indigenous University here soon, with courses in Nheengatú.

And though língua geral was created by Roman Catholic priests, modern evangelical Protestant denominations have been quick to embrace it as a means to propagate their faith. At a service at an Assembly of God church here on a steamy Sunday night this month, indigenous people from half a dozen tribes sang and prayed and preached in língua geral as their pastor, who spoke only Portuguese, looked on approvingly and called out "Hallelujah!"

But a few here have not been pleased to see the resurgence of língua geral. After a local radio station began broadcasting programs in the language, some officers in the local military garrison, responsible for policing hundreds of miles of permeable frontier, objected on the ground that Brazilian law forbade transmissions in "foreign" languages.

"The military, with their outdated notion of national security, have tended to see língua geral as a threat to national security," Mr. Muller de Oliveira said. "Língua geral may be a language in retreat, but the idea that it somehow menaces the dominance of Portuguese and thus the unity of the nation still persists and has respectability among some segments of the armed forces."



















Fotos: Domingo em São Gabriel da Cachoeira (autor: João Silva)

Publicado por Ana Tropicana às 06:42 PM | Comentários (0)

agosto 30, 2005

Estranhos Poderes

«Quando você pinta tinta nessa tela cinza
quando você passa doce dessa fruta passa
»

Tudo o que é humano é mágico. Podia ser umá espécie de "pensamento do dia" ou de "fim de dia". Mas não é. É apenas uma constatação de facto.





Foto: Auto-retrato canvas e carvão - Abril 2005 (autor: V.G)



«Skap» - Zeca Baleiro


quando você pinta tinta nessa tela cinza
quando você passa doce dessa fruta passa
quando você entra mãe-benta amor aos pedaços
quando você chega nega fulô boneca de piche
flor de azevi- che


você me faz parecer menos só menos sozinho
você me faz parecer menos pó menos pozinho

quando você fala bala no meu velho oeste
quando você dança lança flecha estilingue
quando você olha molha meu olho que não crê
quando você pousa mariposa morna lisa
o sangue encharca a camisa


quando você diz o que ninguém diz
quando você quer o que ninguém quis
quando você ousa lousa pra que eu possa ser giz
quando você arde alardeia sua teia cheia de ardis
quando você faz a minha carne triste quase feliz

Publicado por Ana Tropicana às 07:13 PM | Comentários (1)

agosto 28, 2005

Sob o Signo do Fogo


engolidora de fogo de ana tropicana

Olho no recorte da noite de lua minguada, as duas engolidoras de fogo. Reparo nos pés nús sobre a areia da praia. E percebo que o que resulta belo não é o domínio das chamas, mas o respeito pelo que arde. Percebo a enorme diferença de efeitos que existe entre cuspir e engolir. Reparo que não brincam com o fogo. Antes deixam o fogo brincá-las. Como quem sabe que nada do que é sagrado se profana. As duas engolidoras de fogo. Esta noite. Ainda agora, há pouco: lá em baixo, na praia.















Fotos: Engolidora de Fogo (autor: Ana Tropicana)



A rapariga na foto chama-se Catarina. Quer esquecer-se do apelido. Fugiu dos estudos, da casa, das regras do berço. Corre as praias do litoral a engolir fogo. Algures encontrou a Mónica. Tinham um mesmo fascínio: as chamas. Conversam pouco. Confessam que às vezes ficam vários dias em silêncio por não terem o que dizer uma à outra. Dormem onde calha. Passam sede juntas e alguns outros sobressaltos também. Nunca nenhuma falhou quando a outra precisava. Só por isso acham que são amigas. Se conseguirem poupar o suficiente, no final de Outubro vão atrás dos saltimbancos que ainda povoam algumas planícies da Andaluzia. Sonham correr um dia a Roménia, mas não explicam porquê. Também não pergunto: elas lá sabem. Querem ver mais, saber mais, aprender mais. Dispensam os truques. Gostam das coisas reais. Palpáveis, como o fogo. Boa sorte, ás duas!


Publicado por Ana Tropicana às 04:27 AM | Comentários (0)

agosto 27, 2005

Fim de Agosto


mergulho de kika

Dias de flutuante. Ao largo. De vela panda. Sem cárcere. Tempo mamífero de férias. Quase a terminar.




Não sei

Não sei se eras de sal, areia ou espuma,
se eram algas os fios do teu cabelo,
se saíras do mar ou de nenhuma
outra coisa que não o meu apelo.

Não sei que sol do sul irradiavam
as tuas mãos, de súbito estendidas
para estas mãos que há muito as esperavam.

Apenas sei que, ao fim de tantas vidas
que vivi prisioneiro dos meus medos,
me descobri liberto entre os teus dedos.



Torcato da Luz, 2005

Publicado por Ana Tropicana às 08:22 AM | Comentários (3)

Luz

Continuam a apetecer-me as palavras. Sem rima. Mas palavras. Firmes e vigorosas. Cheias. Intensionais porque intencionadas. Coisas de braveza da Gente Brava. Coisas de "Mestre", na verdade:... Resistir... Etapas. Duas perolas que me apetece deixar aqui. Uma especie de "Oficio Diario".



Etapas

Não te detenhas nos corredores sombrios,
são apenas etapas que importa ultrapassar.
De qualquer modo, não passam de episódios
e têm forçosamente um fim.

Os precipícios só existem
na cabeça de quem os inventa.

Nunca cedas ao medo das viagens longas,
de que a vida também se faz.
Na primeira carruagem dos comboios nocturnos
viaja sempre a madrugada.

Quando o sol te acordar, verás que o pesadelo
não passou disso mesmo, um pesadelo.




Resistir

Ao olhar-te nos olhos, sei que me perguntas
a atitude certa, aquela que mais serve
o caminho que tens de prosseguir.
E a minha resposta, de entre muitas
que poderia dar-te, é a mais breve:
resistir, simplesmente resistir.

A vida só interessa se não for
uma cedência à dor
que nos persegue desde que nascemos.
Se for combate permanente,
um constante remar contra a corrente
que teima em afastar-nos do que queremos.




Torcato da Luz (2005)

Publicado por Ana Tropicana às 03:21 AM | Comentários (1)

agosto 26, 2005

Resgates


no regret de ana tropicana

... Coming to get you soon, sweet child of mine!




Fotos: No Regret (autor: Ana Tropicana)




Agora que volto e olho melhor, ocorre-me subitamente porque e que um certo desprendimento pode parecer excessivo e porque e que, vistas assim a olho nu, algumas opcoes podem parecer um quase insano raiar da loucura!... Mas olhando ainda melhor, conforta-me constatar que continuo a respirar com a mesma facilidade. Tudo tranquilo, portanto. Deve, sim, ter sido a decisao certa, que nenhum bandeirante pode, em verdade, levar demasiada bagagem amarrada ao tornozelo!

Publicado por Ana Tropicana às 10:42 PM | Comentários (1)

agosto 25, 2005

Abraços


louis de del

Volto parcialmente à caixa de email, porque tudo aqui tem dias. Daquela varanda soalheira de Barcelona chega notícia de que Setembro será, contra tudo o que se podia supôr, um mês em excelente companhia! Aguardarei feliz, nesse caso, enquanto vou pensando que é bem verdade que há sempre uma janela que se abre. Sempre.





Publicado por Ana Tropicana às 12:44 PM | Comentários (1)

O Pingupira


precious de ana tropicana

Não sei porquê, mas lembrei-me daquela escultura em madeira que retrata o Pingupira, entidade protectora das florestas e matas virgens. O original encontra-se na parede da casa de Julio Arruda, genial indianista paranaense, excelente garfo, divino contador de histórias, poderoso ronco no sono.




Foto: Pingupira (autor: Ana Tropicana)

Publicado por Ana Tropicana às 12:29 PM | Comentários (0)

Frase do Dia

«Quem ama cuida.»

Publicado por Ana Tropicana às 12:24 PM | Comentários (0)

Sobressaltos

Quebro a promessa: folheio um jornal. É urgente saber mais sobre a queda do avião na rota Lima-Pucallpa-Iquitos. Nada me sossega no que leio, à excepção de uma chamada lateral de capa que diz que Portugal amanheceu, enfim, sem chamas. Será?




Avião que caiu no Peru segue em chamas e mortos podem chegar a 60
Fonte: Jornal do Brasil | Autor: EFE | Data: 25 de Agosto de 2005

LIMA - Pelo menos 60 pessoas morreram na queda de um avião da companhia estatal peruana Tans nesta terça-feira, na cidade de Pucallpa, que continua em chamas, segundo a Rádio Programas del Perú (RPP).


O vôo 204 da Tans, que percorria a rota Lima-Pucallpa-Iquitos, caiu às 15h12 (17h12 de Brasília) a cerca de seis quilômetros do aeroporto de Pucallpa e após uma tentativa de pouso forçado devido ao mau tempo.


"O avião está totalmente destruído", comentou um repórter do Canal N, que chegou ao local do acidente depois do desastre. Os meios de comunicação locais informaram que o aparelho se partiu em dois.


Os trabalhos de resgate, segundo as testemunhas, enfrentam dificuldades, porque a região na qual caiu a aeronave está cercada de áreas de floresta tropical e o incêndio ameaça se estender pela vegetação.


O repórter do Canal N esclareceu que "há muitos mortos, mas também muitos sobreviventes".


Segundo o ministro dos Transportes e de Comunicações do Peru, José Ortiz, no avião viajavam 93 passageiros e sete tripulantes.


O ministro não disse o número de sobreviventes e vítimas, mas meios locais já falam em pelo menos 60 mortos. Fontes do Ministério informaram que pelo menos 22 pessoas ficaram feridas, quatro delas gravemente.









Portugal faz balanço da destruição na primeira manhã sem fogo
Fonte: Jornal do Brasil | Autor: EFE | Data: 25 de Agosto de 2005

LISBOA - Portugal amanheceu nesta quinta-feira pela primeira vez em várias semanas, sem fogos florestais ativos, e enquanto os bombeiros respiravam, o país começou mais uma vez a fazer exame de consciência e a avaliar o alcance da destruição.


Apesar do que, o Serviço Nacional de Defesa Civil (SNBPC), em seu balanço das 7h42 (3h42 de Brasília), informava que 850 bombeiros, 256 veículos e uma aeronave, seguiam em alerta para prevenir que voltem os últimos incêndios extintos graças a uma redução das temperaturas em todo o país.


Os cálculos das autoridades portuguesas cifram em mais de 180.000 hectares a superfície queimada em 2005, que sem chegar aos 425.726 de 2003, o pior ano em duas décadas, ultrapassa de sobra os 129.539 hectares queimados em 2004.


Os dados que manejam as diversas instituições falam também de 16 mortos - sendo 11 bombeiros-, direta ou indiretamente relacionados com os incêndios, de um número indeterminado de feridos de diversa gravidade.


Pelo menos 77 casas foram totalmente queimadas, 35 parcialmente destruídas, e por volta de outros 50 edifícios não residenciais foram arrasados pelo fogo.


Em 2003, no pior ano da história recente das florestas portuguesas, as asseguradoras tiveram que dar 9,7 milhões de euros em indenizações, por isso os primeiros cálculos dessas companhias acham que a fatura deste ano passará de 3,5 milhões.


As empresas de telecomunicações, a Rede Eléctrica Nacional (REN) e as cadeias de televisão também figuram na relação de danificados pelo fogo, e faltando serem concretizados os danos da Portugal Telecom (PT), a maior empresa portuguesa, que viu destruídos pelas chamas até o momento 630 quilômetros de cabos e 7.000 postes.


Além disso, são contabilizadas sete instalações industriais ou de serviços destruídas totalmente.


Mais ou menos 3.500 dos 4.150 bombeiros voluntários ou profissionais recenseados desde primeiro de julho para as tarefas de extinção, tiveram que atuar simultaneamente nos piores momentos para atalhar o avanço do fogo, sobretudo na metade norte do país, a mais afetada pelas chamas.


Não se esquecendo da fadiga e com a ajuda de 978 veículos e de 49 aeronaves, entre as 38 com que conta Portugal e as enviadas em sua ajuda por outras nações, como a vizinha Espanha, os bombeiros lutaram este ano contra cerca de 5.200 incêndios, do total de 27.000 avisos recebidos.


Essa cifra, superou os 5.020 de 2004, e se aproxima dos 5.309 de 2003.


Na hora dos balanços é preciso se referir, além disso, à detenção este ano de 118 supostos incendiários, por negligência ou com intenções criminosas, para quem as penas médias impostas pelos tribunais não passam de cinco anos de prisão.

Publicado por Ana Tropicana às 12:03 PM | Comentários (0)

agosto 24, 2005

"O Jogo das Contas de Vidro"


Inside de ana tropicana

Escuto de longe que Portugal continua a consumir-se em brasas mal apagadas, achas de um fogo fátuo ateado longe da razão. Impressionante como, apesar da distância, me chega ainda uma ou outra faúlha, chispas incandescentes, centelhas ainda rubras de um mal antigo. Restos tristes de um pais que insiste em nao se erguer das cinzas!...

P.S. - Lamento, estavamos a ir muito bem de acentos, esta noite, mas o teclado desistiu de cooperar antes do fim!...









Fotos: Inside Composition [autor: Ana Tropicana e Evan Kyle]

Publicado por Ana Tropicana às 02:54 AM | Comentários (2)

agosto 23, 2005

Stairway to Heaven


sol azul de ana tropicana

"There's a lady who's sure all that glitters is gold"

Ele ha penumbras!... Luzes coadas, horas feitas fora de hora, coisas raras e sem defeito, cores geometricas, misterios ao alcance do misterio. Num cobalto atravessado ao Atlantico. Gracas vivas, viveres sem espera. Ele ha pemumbras!





Stairway to Heaven - Led Zeppelin

There's a lady who's sure all that glitters is gold
And she's buying a stairway to heaven
And when she gets there she knows if the stores are closed
With a word she can get what she came for


Woe oh oh oh oh oh
And she's buying a stairway to heaven

There's a sign on the wall but she wants to be sure
And you know sometimes words have two meanings
In the tree by the brook there's a songbird who sings
Sometimes all of our thoughts are misgiven

Woe oh oh oh oh oh
And she's buying a stairway to heaven

There's a feeling I get when I look to the west
And my spirit is crying for leaving
In my thoughts I have seen rings of smoke through the trees
And the voices of those who stand looking

Woe oh oh oh oh oh
And she's buying a stairway to heaven

And it's whispered that soon, if we all call the tune
Then the piper will lead us to reason
And a new day will dawn for those who stand long
And the forest will echo with laughter

And it makes me wonder

If there's a bustle in your hedgerow
Don't be alarmed now
It's just a spring clean for the May Queen

Yes there are two paths you can go by
but in the long run
There's still time to change the road you're on

Your head is humming and it won't go because you don't know
The piper's calling you to join him
Dear lady can't you hear the wind blow and did you know
Your stairway lies on the whispering wind

And as we wind on down the road
Our shadows taller than our souls
There walks a lady we all know
Who shines white light and wants to show
How everything still turns to gold
And if you listen very hard
The tune will come to you at last
When all are one and one is all
To be a rock and not to roll
Woe oh oh oh oh oh
And she's buying a stairway to heaven

There's a lady who's sure all that glitters is gold
And she's buying a stairway to heaven
And when she gets there she knows if the stores are closed
With a word she can get what she came for


And she's buying a stairway to heaven

Publicado por Ana Tropicana às 09:46 PM | Comentários (0)

agosto 22, 2005

Highway


andamentos de john stone

Um brinde, entao!... Aos caminhos. Aos numeros impares. Aos caminhos impares.

P.S. - Quando, enfim se encontra uma ligacao, torna-se um caso menor que o teclado nao permita acentos.

Publicado por Ana Tropicana às 07:14 PM | Comentários (0)

agosto 16, 2005

Kitsch

Ás vezes acontece. Ser muitas coisas numa pessoa só.

Infantil no Sábado de manhã;

Incorrigível no Domingo de madrugada;

Apaixonada à 2ª feira a meio da tarde;

Instintiva à 3ª feira quando começa a escurecer;

Hiper-activa à 4ª feira ao pequeno-almoço;

Exagerada à 5ª feira antes do lusco-fusco;

Cruel à 6ª feira depois da meia-noite;

... and so on, and so on!...









Foto: Elvis Presley (1937 - [autor: autores desconhecidos]

Publicado por Ana Tropicana às 07:54 PM | Comentários (1)

Happy in Blue


three blue de lou r.

Já de saída, e porque me estava a custar ir e deixar a cara feia do "bebé Cérèlac" pendurada no hall de entrada, aproveito esta virtuosidade dos telemóveis (sim, continuo fascinada com as potencialidades!) para aqui pintalgar alguns azuis à laia de «Bom Dia».

Sim, "I'm so happy, cause today..."


Publicado por Ana Tropicana às 08:25 AM | Comentários (0)

Rei de Copas


capa do single de autor desconhecido

... Are you lonesome tonight?, Elvis Presley

Talvez porque hoje é já véspera de amanhã. Talvez porque em tempo de férias me lembrei de "Graceland". Ou talvez não. «... Tell me dear...?»





Foto: Awake [autor: Ana Tropicana]




«Are You Lonesome Tonight?» - Elvis Presley (composição de Turk e Handman)


Are you lonesome tonight,
do you miss me tonight?
Are you sorry we drifted apart?
Does your memory stray to a brighter sunny day
When I kissed you and called you sweetheart?
Do the chairs in your parlor seem empty and bare?
Do you gaze at your doorstep and picture me there?
Is your heart filled with pain, shall I come back again?
Tell me dear, are you lonesome tonight?

I wonder if you're lonesome tonight
You know someone said that the world's a stage
And each must play a part.
Fate had me playing in love you as my sweet heart.
Act one was when we met, I loved you at first glance
You read your line so cleverly and never missed a cue
Then came act two, you seemed to change and you acted strange
And why I'll never know.
Honey, you lied when you said you loved me
And I had no cause to doubt you.
But I'd rather go on hearing your lies
Than go on living without you.
Now the stage is bare and I'm standing there
With emptiness all around
And if you won't come back to me
Then make them bring the curtain down.

Is your heart filled with pain, shall I come back again?
Tell me dear, are you lonesome tonight?

Publicado por Ana Tropicana às 01:41 AM | Comentários (3)

agosto 15, 2005

Mood


display de antonio c.

Conecting people?... Disconecting people? ... Conecting People?... Mal-me-quer... Bem-me-quer... Conecting?... Mal-me-quer... Disconecting?... Bem...Mal... Bem-me-quer...

Yeeeessss: ... «Nokia: Conecting People!»

Estupidamente feliz. Eu.


Publicado por Ana Tropicana às 11:48 PM | Comentários (0)

Factos

Um pensamento inquietante, à hora do jantar: por estranho que pareça, os marinheiros também se podem afogar.

Publicado por Ana Tropicana às 10:11 PM | Comentários (0)

Mood


olho da mata de ana tropicana

A Floresta ensina a confiar. Não adentra a Grande Mata quem não confia. Ali, entre tantas outras coisas, eu reaprendi que há caminhos que pedem a mão.




A Floresta ensina a confiar. Não adentra a Grande Mata quem não confia. Ali eu reaprendi que há caminhos que pedem a mão. Porque quem não nos quer bem não se aproxima. Sabe que nada tem a fazer junto de nós e por isso mantém-se ao largo. É assim na Floresta: nada se dissumula, tudo chega nú e de frente. Tudo é claro e nenhuma coisa tem a vã pretensão de parecer ser o que não é. A Floresta não despreza o fruto que azeda, nem o espinhaço que fere, nem o bicho que mata, nem a folha que envenena. Pede apenas que não se ofereçam enganadores, e é por ser assim que é menos atraente o fruto azedo, mais agudo o espinho, menos acessível a folha venenosa, menos afável o animal feroz. Os povos da Floresta traduzem com o termo "traição" cada ocorrência que viole esta regra simples. O curioso é que o mesmo se aplica - sem grande distinção - ao Homem Branco, a cada vez que chega afável, com palavras de bem-querer e, todavia, sem a atenção e o cuidado daqueles que verdadeiramente trazem o zelo no coração. São esses "os que traem": os que a Grande Mata despreza, expulsa dos seus recantos e prefere longe e sem notícia. Para que não espalhem sobre o puro chão as suas lições de mentir, para não contaminarem as limpas águas dos igapós com as suas roupagem enganadoras, nem encherem as malocas da difícil arte de bem ocultar.
Pelos caminhos da Floresta se aprende, como eu aprendi, o valor de um olho sábio e uma palavra confiável. E quando um mateiro diz: «vem por aqui» é porque avançar é plenamente confiável. Nada a recear, portanto. Confia-se, sim. Cega e incondicionalmente, como na verdade sempre me pareceu que devia ser a correcta forma de viver, o correcto sentido de rumar em alguma direcção.

Publicado por Ana Tropicana às 12:54 PM | Comentários (2)

Mood

Manhã alta levantou-se, súbito, um vento forte que entra a barra do porto, vindo do Sul. Um vento que chocalha o carrilhão da varanda, faz bater todas as janelas que estavam abertas e tudo levantar vôo por aqui!

Publicado por Ana Tropicana às 11:24 AM | Comentários (1)

«Kuarup», Lisboa!


Ritual Kuarup de ana tropicana

Estou entre a impressionante massa de 52 mil pessoas que assistem ao show dos U2. Arrepiante o efeito poderoso da multidão. Cada vez que as vozes se unem em coros para engrossar a noite, penso no intrigante fascínio dos fenómenos coincidentes. Nas entranhas do Brasil, algures numa clareira refundida no Amazonas, a "lua" de 14 de Agosto foi igualmente a escolhida para o Kuarup, rito que vem renovar o ciclo de eterna celebração dos espíritos ancestrais. No palco, Bono Vox abre a goela à noite sufocante de Lisboa. Na gema da Floresta, dilata-se o olho soberano do Grande Pajé Aritana, chefe das tribos Kamayurá, conduzindo as celebrações.

Toda a multidão é, sim, uma expressão de crença: um acontecimento político.







Foto: Ritual Kuarup [autor: Ana Tropicana com António Scorza]




Mavutsinim: O primeiro Kuarup ou a festa dos mortos
(Lenda Kamayurá, extraída da obra Xingu: os índios, seus mitos, de Orlando Villas Bôas e Cláudio Villas Bôas - Ed. Kuarup)


Mavutsinim (o primeiro homem no mundo) queria que os seus mortos voltassem à vida. Foi para o mato, cortou três toros da madeira de kuarup, levou para a aldeia e os pintou. Depois de pintar, adornou os paus com penachos, colares, fios de algodão e braçadeiras de penas de arara.

Feito isso, Mavutsinim mandou que fincassem os paus na praça da aldeia, chamando em seguida o sapo cururu e a cutia (dois de cada), para cantar junto dos kuarup. Na mesma ocasião levou para o meio da aldeia, peixes e beijus para serem distribuídos entre o seu pessoal. Os maracá-êp (cantadores), sacudindo os chocalhos na mão direita, cantavam sem cessar em frente dos kuarup, chamando-os à vida.

Os homens da aldeia perguntavam a Mavutsinim se os paus iam mesmo se tranformar em gente, ou se continuariam sempre de madeira como eram. Mavutsinim respondia que não, que os paus de kuarup iam se transformar em gente, andar como gente e viver como gente vive.

Depois de comer os peixes, o pessoal começou a se pintar, e a dar gritos, enquanto fazia isso. Todos gritavam. Só os maracá-êp é que cantavam. No meio do dia terminaram os cantos, o pessoal, então, quis chorar os kuarup, que representvam seus mortos, mas Mavutsinim não permitiu, dizendo que eles, os kuarup, iam virar gente, por isso não podiam ser chorados.

Na manhã do segundo dia Mavutsinim não deixou qie o pessoal visse os kuarup. "Ninguém pode ver" - dizia ele. A todo momento Mavutsinim repetia isso. O pessoal tinha que esperar. No meio da noite desse segundo dia os toros de pau começaram a se mexer um pouco. Os cintos de fios de algodão e as braçadeiras de penas tremiam também. As penas mexiam como se estivessem sacudidas pelo vento. Os paus estavam querendo transformar-se em gente.

Mavutsinim continuava recomendando ao pessoal para que não olhasse. Era preciso esperar.

Os cantadores - os cururus e as cutias - quando os kuarup começaram a dar sinal de vida cantaram para que se fossem banhar logo que vivessem. Os troncos se mexiam para sair dos buracos onde estavam plantados, queriam sair para fora. Quando o dia principiou a clarear, os kuarup do meio para cima já estavam tomando forma de gente, aparecendo os braços, o peito e a cabeça. A metade de baixo continuava pau ainda.

Mavutsinim continuava pedindo que esperassem, que não fossem ver. "Espera...espera...espera" - dizia sem parar. O sol começava a nascer. Os cantadores não paravam de cantar. Os braços do kuarup estavam crescendo. Uma das pernas já tinha criado carne. A outra continuava pau ainda. No meio do dia os paus começavam a virar gente de verdade. Todos se mexiam dentro dos buracos, já mais gente do que madeira.

Mavutsinim mandou fechar todas as portas. Só ele ficou de fora, junto com os kuarup. Só ele podia vê-los, ninguém mais. Quando estava quase completa a transformação de pau para gente, Mavutsinim mandou que o pessoal saísse das casas para gritar, fazer barulho, promover alegria, rir alto junto dos kuarup. O pessoal, então, começou a sair de dentro das casas.

Mavutsinim recomendava que não saíssem aqueles que durante a noite tiveram relação sexual com as mulheres. Um, apenas, tinha tido relações. Este ficou dentro da casa. Mas não agüentando a curiosidade, saiu depois. No mesmo instante, os kuarup pararam de se mexer e voltaram a ser pau outra vez.

Mavutsinim ficou bravo com o moço que não atendeu à sua ordem. Zangou muito, dizendo: - O que eu queria era fazer os mortos viverem de novo. Se o que deitou com mulher não tivesse saído de casa, os kuarup teriam virado gente, os mortos voltariam a viver toda vez que se fizesse kuarup. Mavutsinim, depois de zangar, sentenciou:

- Está bem. Agora vai ser sempre assim. Os mortos não reviverão mais quanto se fizer kuarup. Agora vai ser só festa.

Mavutsinim depois mandou que retirassem os buracos os toros de kuarup. O pessoal quis tirar os enfeites, mas Mavutsinim não deixou. "Tem que ficar assim mesmo", disse. E em seguida mandou que os lançassem na água ou no interior da mata. Não se sabe onde foram largados, mas estão lá até hoje lá, no Morená.




Kuarup, a cerimónia dos mortos
(extraído da obra A Marcha para o Oeste, por Orlando e Cláudio Villas Bôas)

Na hora do almoço chegou o motor da aldeia. A festa havia terminado. Chamamos de festa por causa da luta e das flautas na fase final, mas em verdade o que assistimos foi o mais importante cerimonial dos índios desta região.

Os mortos são representados por toras de madeira (madeira especial, de origem lendária) plantados no centro da aldeia. Cada família enfeita o seu "morto" com os melhores e mais caprichosos enfeites que possuem, e a seu pé choram um dia e uma noite. Para trás, dois contadores, com o corpo um pouco curvado, seguram com a mão esquerda um arco que serve como Cordão, enquanto com a direita sacodem o maracá, que marca o ritmo do canto que entoam. A madrugada inteira, sempre os mesmos contadores, cantam chorando, sempre agitando o maracá. Ao pé de cada tora de madeira um pequeno fogo é ativado a noite toda pela família, que dele não se desgarra um só minuto. A essa tora de madeira dão o nome de Kuarup. O velho Karatsipá foi um dos contadores deste Kuarup. É uma cena sem dúvida impressionante ver um velho de quase 90 anos, já sem voz, chorar toda a madrugada batendo um maracá, instrumento mágico feito de cabaça.

O Kuarup é a encenação da lenda da criação. Só se justifica a cerimônia quando morre um índio de linhagem que outro não é senão aquele que foi criado pelo herói Criador, Mavotsinin. A tora de madeira que representa o morto tem mais ou menos um metro e sessenta de altura, sendo que os trinta a quarenta centímetros do topo são de uma madeira que os índios chamam de mavunhá - a mesma usada pelo Criador.

Passado o Kuarup, os índios que lá estavam, antes de regressar às suas aldeias, resolveram vir até aqui. Assim é que chegaram seis canoas com quarenta índios cuicuros, duas outras com quinze inalapitis e algumas dezenas de índios camaiurás. Karatsipá veio com o motor, acompanhado pelo juruna Tamacu.




Deixo algumas notas que, entretanto, tudo somado, fui tirando.




O Kuarup - Ritual dos grupos indígenas do Parque do Xingu para homenagear os mortos. Os troncos feitos da madeira “kuarup” são a representação concreta do espírito dos mortos ilustres. Corresponderia a cerimônia de finados dos brancos, entretanto, o Kuarup é uma festa alegre, afirmadora, exuberante, onde cada um coloca a sua melhor vestimenta na pele. Na visão dos índios, os mortos não querem ver os vivos tristes ou feios. (1)

Descrição do Kuarup da tribo Kuikuro – Região do Rio Kuluene
Uma cerimônia de mais profundo sentimento humano realizam os Kuikuro no mês de maio de cada ano e sempre em uma noite de lua cheia. Num cenário fantástico os índios desta tribo, convidam as tribos amigas para evocarem juntas, as almas dos mortos ilustres. Ainda noite, trazem da floresta vários toros de madeira, conforme o número dos que desapareceram, que vão ficando em linha reta no centro do terreiro em frente às malocas onde são recortados na forma humana de cada um e pintam neles as respectivas insígnias que em vida os fazia distinguir pajés, guerreiros, caçadores ou até mesmo aqueles que maior descendentes legaram à comunidade. Enquanto são executados estes trabalhos. Alguns homens com arco e flechas entoam hinos aos mortos.

Preparação do tronco ou o kuarup - Tudo pronto, aos gritos de há-ha, vão os homens às malocas e de lá voltam acompanhados das mulheres e crianças. As mulheres, de cabelos soltos, trazendo algumas frutas e guloseimas, em largas folhas de palmeira, outras, ricos cocares, plumagem de coloridos vivos, braceletes e colares, aproximam-se em passos harmoniosos dos kuarupes e em voz baixa como um sussurro, travam com eles um pequeno diálogo em que parecem exprimir toda a gratidão, falando-lhes das saudades que deixaram, oferecendo-lhes ao mesmo tempo os frutos e guloseimas, e enfeitando-os com os ricos cocares, as plumas, os braceletes.
Vai-se fazendo noite, não tarda a escuridão, os homens trazem da floresta archotes de palha incendiados, cuja luz violenta faz luzir os corpos untados de urucum em reflexos metálicos que desenham toda a beleza dos seus músculos.
Começa a dança do fogo, fantástica visão em volta dos kuarupes.
Primeiro em passos cadenciados depois em um crescendo cada vez maior, ao ritmo do chocalhar dos maracás e das canções místicas, até se fazer ouvir a voz do pajé, numa evocação a Tupã, implorando fazer voltar à vida aqueles mortos ilustres. Neste exato momento a lua cheia se encontra em seu máximo esplendor. Terminando a evocação os homens se dispersam pelo terreno em pequenos grupos, enquanto só o pajé continua a entoar as suas loas até o alvorecer. De novo voltam as mulheres para ouvirem os cânticos que lhes anunciam ter o sol feito voltar à vida os mortos ilustres. Então começa a dança da vida e é executada pelos atletas da tribo, cada um trazendo ao ombro uma longa vara verdejante, símbolo dos últimos nascidos na comunidade.
Os atletas formam um grande círculo correndo em volta dos kuarupes ao mesmo tempo que em gestos e curvaturas os reverenciam. Depois o grande círculo se divide em dois e logo cada qual se dissolve em vários grupos representando a sua respectiva tribo.

Huca-huca - É um momento de intenso silêncio, homenagem a estes últimos nascidos. Finda a homenagem, as diversas tribos executam uma luta que denominam “Uka-uka*” uma espécie de luta romana.
Encerram a cerimônia em que os Kuarupes são, em festiva procissão, levados para o rio, e lá, entregues às suas águas.(2)

* Outras grafias: "huca-huca" e "huku-huka".
(1). Índios – Suplemento Especial. Encarte do Jornal Radical, produzido em parceria com a FUNAI – Fundação Nacional do Índio. Abril de 1997.
(2). Danças do Brasil / Felícitas. - Rio de Janeiro: Editora Tecnoprint Ltdda., sem/data

Publicado por Ana Tropicana às 10:34 AM | Comentários (1)

«Avermelhar»

Sei, pela Maura, que no final do Mês de Agosto, o Planeta Guerreiro vai estar tão perto da Terra como em 60.000 anos não voltará a estar. Quem sabe, sob o auspício de Marte, não chegue enfim o tempo das batalhas decisivas?!

Publicado por Ana Tropicana às 09:40 AM | Comentários (0)

No Palácio do Rei do Mar


ray of light de ana tropicana

«Talvez eu vá ficando igual à armadilha da qual os pescadores dizem ser apenas água.»

... Por isso entro no teu quarto e conto-te em silêncio coisas do amanhecer.













Foto: Ray of Light [autor:Ana Tropicana]




«E (...) quase me cega a perfeição como um sol olhando de frente. (...) De forma em forma vejo o mundo nascer e ser criado. Sem dúvida um novo mundo nos pede grandes palavras, porém é tão grande o silêncio e tão clara a transparência que eu muda encosto a minha cara na superfície das águas lisas como um chão. (...) As imagens atravessam os meus olhos e caminham para lá de mim. Talvez eu vá ficando igual à armadilha da qual os pescadores dizem ser apenas água. (...) Ressoa a vaga no interior da gruta rouca e a maré retirando deixou redondo e doirado o quarto de areia e pedra. (...) Desertas surgem as pequenas praias. Eis o mar e a luz vistos por dentro. (...) Os palácios do rei do mar escorrem luz e água. Esta manhã é igual ao princípio do mundo e aqui eu venho ver o que jamais se viu. O meu olhar tornou-se liso como um vidro. sirvo para que as coisas se vejam. (...) Aqui um líquido sol fosforescente e verde irrompe dos abismos e surge em suas portas. (...) A linha das águas é lisa e limpa como um vidro. (...) Tudo está vestido de solenidade e de nudez. Ali eu quereria chorar de gratidão com a cara encostada contra as pedras.»

Adaptação a partir de As Grutas, de Sophia de Mello Breyner Anderson

Publicado por Ana Tropicana às 08:14 AM | Comentários (0)

agosto 14, 2005

Vertigo

Agenda: mega-show dos U2 no Alvalade XXI... «In the name of love" ! Seja, então.

Publicado por Ana Tropicana às 04:29 PM | Comentários (1)

«Night & Day»


night & day de ana tropicana

... Sim, «é suposto ser assim».





Foto: Night & Day [autor: Ana Tropicana]

Publicado por Ana Tropicana às 12:20 PM | Comentários (0)

agosto 13, 2005

Lugar Velho de Cacela


sotaventos mouros de ana tropicana

Move-se agora o rebento por lugares onde já não vou. Não peço que se lembre de lhe falar de Eugénio e de Sophia, mas que pelo menos não se esqueça de lhe contar, que em tempos mouros, se conquistaram as praças pela sua força e as cidades-mar pelas suas riquezas, e que «... porém Cacela foi desejada só pela beleza.»






Foto: Sotaventos Mouros [autor:Ana Tropicana]




«Está desse lado do Verão
onde manhã cedo
passam barcos, cercada pela cal.

Das dunas desertas tem a perfeição,
dos pombos o rumor,
da luz a difícil transparência
e o rigor.»


«Cacela», de Eugénio de Andrade
in Escrita da Terra III - Poesia e Prosa I , O Jornal/Limiar, Lisboa, 1990.

Publicado por Ana Tropicana às 07:16 PM | Comentários (0)

Lenda da "Mulher Deitada"


mulher deitada de chiara belmonte

A profecia foi cumprida. «Quem passar pelo Vale do Paraíba, nas mediações de Itatiaia, olhando na direcção dos Três Picos de Penedo, verá o perfilar de uma mulher deitada. É Jandira, a índia petrificada, a espera de seu amado Jatyr, que nunca mais voltou...».





Foto: «Mulher Deitada» [autor: Chiara Belmonte ]




Narra Piaga Aymoré uma lenda bela que culmina em profecia. Fica aqui, tal e qual a escutei do próprio:

«Há alguns séculos atrás, quando existiam ainda os Puris ou Purias, uma antiga tribo nómada que vagava pela Cordilheira da Mantiqueira nos cumes da serra de Itatiaia, contava-se a respeito do velho cacique Caboaçu que tinha uma filha, Jandira, que era cobiçada pelos índios da tribo. Porém, somente Jatyr a conquistou, já o cacique queria dá-la a Gurupema, o mais forte da tribo que desejava ser seu sucessor. Gurupema sentiu-se rejeitado por ela e seguiu seus passos até descobrir que ela amava Jatyr. Então, ele revelou o segredo ao cacique e colocou Gurupema em batalha de vida e morte com Jatyr. Somente o vencedor teria como prêmio à filha do Cacique. Jatyr era exímio atirador com arco e flecha e humilhou seu rival perante toda a tribo, atirando-lhe a flecha que atravessa a cada instante uma orelha de Gurupema, que, envergonhado fugiu pela mata adentro. Jatyr recebeu sua amada como companheira e foram felizes por muito tempo. Certa época, um índio chegou exausto e espavorido, notificando que os Emboabas se punham a caminho, depois de terem expulsado os Tamoios da Cordilheira do Mar. O cacique Caboaçu ordenou a fuga da tribo, quando Jatyr interveio dizendo que iria ao encontro dos Emboabas. No caminho, foi atingido, morto por uma flecha traiçoeira, desferida por gurupema. Gurupema surgia na tribo afirmando que os Emboabas se aproximavam guiados por Araribóia e por Jatyr, que os havia traído. O velho Piaga-Pajé, sacerdote, chefe espiritual dos índios, prenunciou a morte da índia e a imortalidade de seu corpo, transormado em pedra, com a forma das cordilheiras que cerram o vale.»





Quem já percorreu as cordilheiras da Serra da Mantiqueira entende, sem regatear em demasia, que a razão peça (nem que seja ao imaginário!) uma forma humanamente concebível de digerir o esmagador espectáculo que a natureza achou por bem extravazar naquele lugar ao ermo. Alda Bernardes de Faria e Silva [Presidente da ACIDHIS Académica - cadeira n. º 04 - Cel. José Mendes Bernardes], nasceu em Itatiaia muitos e muitos séculos depois dos primeiros Puris que habitavam a região. Tal como os índios, continua a olhar o recorte da "Mulher Deitada" e a procurar falar do que as palavras dificilmente deixam exprimir.
Deixo aqui o que escreveu, por altura do 13º aniversário do município:


«Contemplo encantada a serra da Mantiqueira, o imponente maciço do Itatiaia e a majestosa Agulhas Negras, cenário dos mais belos já vistos e cuja sombra vim ao mundo em Itatiaia.
Mas não é, apenas o aspecto físico e as belezas naturais de Itatiaia que hoje, ocupa toda a nossa atenção, mas também o futuro radioso que a espera.
Escreverei um pouco de sua história em comemoração aos seus 13 anos .
Sabemos que a serra da Mantiqueira e o Vale do Paraíba foram primitivamente cobertas de densas matas, ocupadas por selvagens, os Puris, pertencentes ao grupo dos Coroados, que deram ao maciço o nome de ITA-TI-AIA, que segundo Afonso de Taunay, que em tupi-guarani, significa: "Pedra Cheia de Pontas".
Do século XVI ao século XVII, com a descoberta do ouro nas Gerais, o Valedo paraíba e a Serra da Mantiqueira , foram intensamente percorridas por aventureiros e faiscadores a procura de indícios auríferos, seguindo as primitivas trilhas dos selvagens.
No século XXVII, suas terras serviam de passagem ou de pouso de viajantes que, provenientes do Sul de Minas, demandavam os portos sul-fluminenses de Angra dos Reis em especial .
Com o esgotamento das minas, mineradores procuraram suas terras para atividades agrícolas e pecuárias, como o plantio de cana-de-açúcar.
Com o início do Ciclo do Café, no final do século XVII, surgiram grandes fazendas com plantações, subindo e descendo as encostas dos morros arredondados que ornam o vale do Paraíba de Itatiaia.
A região que compreendia a região de Queluz a Barra do Piraí foi habitada pelos primitivos índios Puris ou Purias, sendo o último aldeamento foi na vila de Fumaça, conforme estudou nosso acadêmico Cel Claudio Moreira Bento (*).

Em meados do século XVIII, a serra e o vale tornaram-se importantes vias de transporte das Minas Gerais para o Porto de Angra dos Reis, por onde escoava o ouro por via marítima.
Em conseqüência desse tráfego, foram surgindo na região vários ranchos que serviam como ponto de apoio aos tropeiros. Os arranchadores, para se manterem, faziam roças e viviam em pequenos ranchos. E Itatiaia surgiu assim como arranchamento de tropeiros anônimos .
A colonização só se deu nas primeiras décadas do século XIX, com a chegada de algumas famílias mineiras, procedentes de Aiuruóca-MG, com o esgotamento das minas de ouro das Gerais. Verificando-se maior estabilidade dos que já aqui viviam.
As terras apresentavam a vantagem de servir para outras plantações, surgindo na vasta planície os canaviais e seus engenhos, formando-se os grandes latifúndios.
Foi somente no início do século XIX que surgiu o povoado de Campo Belo e atual Itatiaia, com a instalação do Distrito de Paz e Tabelionato, em 13 de maio de 1832, para inclusive, o registro de terras e de escravos.
Em 5 de abril de 1839, foi instalado o curato Eclesiástico de São José do Campo Belo e subordinado à matriz Nossa Senhora da Conceição de Resende.
A primitiva capela data de 1839. Esta capela deu origem a Matriz de São José, em Itatiaia. Ela foi erigida em terras doadas por D. Silvéria Soares Lucinda, com a condição de invocar São José, padroeiro de sua família.
No início do século XIX, o transporte da região se fazia por via terrestre. Em penoso desfilar, as tropas de muares abriram os caminhos do Oeste para o Leste. Do Sul vinham grandes levas de tropeiros gaúchos, fornecedores de mulas para a lavoura cafeeira e seu escoamento para Angra dos Reis. Foi do Norte que mineiros transpuseram a Mantiqueira para o Vale do Paraíba e lançaram as primeiras raízes da sociedade colonial Itatiaiense.
Podemos citar o Comendador Manuel da Rocha Leão, proprietário da Fazenda Cachoeira, cujo café obteve prêmio de alto preço - medalha de ouro. O galardão só foi conferido a 3(três) dentre cerca de 100 grupos do Produto, na Exposição de Paris de 1866.
Na década de 1870, o Comendador Rocha Leão, adquiriu na Inglaterra, sete milhas de trilhos para a projetada via férrea que teria de percorrer suas lavouras, situada em Itatiaia, hoje, Nhangapi, pertencente à Vila de Campo Belo.
Era filho de Dona Maria Benedita Gonçalves Martins, conhecida como a Rainha do Café em Resende.
Um dos grandes cafeicultores da época, o Comendador Joaquim Gomes Jardim, em sua fazenda Valparaíso, (situada na freguesia de Campo Belo), produziu 8.551 arrobas de café no ano de 1860.
Em 1876, Domingos Gomes Jardim, descendente do Comendador Joaquim Gomes Jardim, recebeu na Feira da Filadélfia, o prêmio de Alta Qualidade.
Na Exposição Regional de 2de dezembro de 1885, destacava-se o café tipo "Moca", das fazendas Itatiaia, ambas da freguesia de Campo Belo.
Foi na década de 1860 e no início de 1870 com a fase áurea do café - o Ouro Verde, que surgiu a exploração da via fluvial pelo rio Paraíba com os barcos enormes que, desde Barra do Piraí, navegavam rio Paraíba acima de Itatiaia (então Campo Belo) para atender os grandes comerciantes das firmas Rocha Bernardes e Irmãos, chegando a exportar 100.000 arrobas de café no Porto das Barcas, hoje, Fazenda Belos Prados; "Teixeira Caboré e Companhia Diogo Santos Pinto com armazéns no Porto das Barcas, na época considerado um dos maiores entrepostos alfandegários e comerciais, pelo volume das operações que realizava , pelo qual, inclusive, eram despachadas para o Rio de Janeiro produções dos municípios de Queluz e Areias.
Os trilhos da Estrada de Ferro D.Pedro II chegaram em Itatiaia em 1873, substituindo aos poucos o comércio fluvial até Barra do Piraí.
Com o fracasso da lavoura do café, por causas amplamente conhecidas, as antigas fazendas de Itatiaia voltaram-se para a pecuária, especialmente a leiteira.
Foi em Itatiaia que surgiu o primeiro exportador fluminense de manteiga e o segundo em leite que era transportado ao Rio em vagões frigoríficos.
Em 1891, surge a Companhia Centros Pastoris do Brasil, que teve como principais incorporadores Rocha Leão e Luiz Rocha Miranda Sobrinho(Barão de Bananal), com o objetivo de reunir o leite produzido na região, para exportá-lo para o Rio de Janeiro. Em 1905, empregava 200 homens e exportava 10.000 litros de leite para o Rio.
Hoje, como marcos históricos rurais, existem as fazendas Belos Prados - antiga propriedade do Cel. José Mendes Bernardes que desenvolveu a pecuária com a criação do gado jérsei, tendo sido o 1º exportador de manteiga e o 2º em leite; Fazenda Campo Belo - propriedade do Dr. Eduardo Augusto Torres Cotrim - a sede das atividades de um dos criadores mais progressistas que a pecuária teve para organizá-la.
Seus trabalhos, marcando uma orientação decisiva numa época de parcos conhecimentos biológicos e zootécnicos, ainda hoje se patenteiam em seus ensinamentos, que noventa anos depois, ainda não se tornaram arcaicos. Em 1915, publicou o livro A FAZENDA MODERNA que serve de referência bibliográfica nos cursos de agronomia e veterinária ainda hoje.
Fazenda Itatiaia - propriedade do Tito Lívio, dedicava-se ao plantio e cultivo do café. Hotel Fazenda, pertencente à Família Cotrim.
Foi também em Itatiaia que, em 1922, surgiu a primeira Usina de Laticínios Campo Belo, de propriedade de Rodolfo Bernardes Cotrim, com a exportação de leite para o Rio de Janeiro, em vagão da Estrada de Ferro Central do Brasil.
Vale lembrar que Itatiaia, foi o precursor da pecuária no município de Resende.
A partir da década de 1930, as fazendas entraram em decadência, iniciando-se nova fase, a do Comércio Hoteleiro, onde as antigas fazendas se transformam em hotéis fazendas.
Com a construção da Rodovia Presidente Dutra, por volta de 1950, ligando os dois maiores centros urbanos do Brasil e mais a Hidroelétrica do Funil, determinaram um grande surto migratório para Itatiaia, surgindo as indústrias XEROX (hoje Flextonics) MICHELIN, Refinações de Milho do Brasil, CREMOGEMA (hoje BIOCHIMICO), IMI...
Foi no século passado que cientistas naturalistas, geólogos e botânicos, visitaram e estudaram o maciço de Itatiaia.
Dentre os brasileiros cumpre mencionar Franklin Massena, Barão Homem de Mello e, em data mais recente, Alberto Lamego, Campos Porto, como também A.J.Sampaio, A.C. Brade. Dentre os estrangeiros, registre-se o francês Glaziu, em companhia da princesa imperial Izabel e seu marido o conde D. Eu, Holt, Wavra, Ulo, Duzeu, Derby, etc.
Merece destaque especial o entomologista José Francisco Zikán, que organizou coleções com mais de 100.000 insetos colhidos no Itatiaia indicando o valor científico da obra por ele realizada, razão de seu nome haver sido perpetuado na ciência de diversos países.Parte do acervo que ele desenvolveu se encontra no Museu do Parque Nacional do Itatiaia, criado em 1937, a outra parte, está no Instituto Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro e todo ele a serviço da ciência.
Campo Belo, atual Itatiaia, foi elevada à Vila por lei federal n. º 311, de dois de março de 1938.
Em 31 de dezembro de 1943, o Decreto Lei n. º 1056, deu ao 4 o de Resende e Vila de Campo Belo, o expressivo nome de Itatiaia que, em Tupi Guarani, segundo Afonso de Taunay, repetimos que quer dizer "pedra cheia de pontas".
O município de Itatiaia foi criado por lei n. º 1330, de 6 de julho de 1988, por desmembramento de Resende e com uma área de 204 km quadrados por ato firmado pelo governador Wellington Moreira Franco.
Sua sede foi elevada à cidade a 1º de junho de 1989. E a 13 de junho de 2000 se deu a criação da Comarca do Município de Itatiaia.
Seja no bairro de Penedo, onde uma antiga Colônia Finlandesa foi fundada, particularmente, em 1929, por um grupo de Finlandeses, seja na sede de Itatiaia o município nesses 13 anos está evoluindo nas trilhas do ecoturismo, sendo possuidor dos maiores números de hotéis do sul fluminense, perdendo apenas para a capital do Estado. N a área de Educação, ocupa um relevante degrau na Excelência do Ensino. Na Saúde, com um dos melhores hospitais do Estado, com uma capacidade de atendimento de alto nível.
Itatiaia, hoje, no terceiro milênio possui efetivamente o triângulo eqüilátero, com os três poderes constituídos: Executivo, Judiciário e Legislativo.
É relevante registrar que alguns dos líderes emancipacionistas morrerão sem serem reconhecidos em vida, no que só podemos lamentar:
" Ver o filho nascer sem ter nele o direito ao exercício à maternidade, mas apesar disso tudo, a chama da vela ainda acesa demonstra a forma de uma esperança ainda viva".

Hoje, o município, emoldurado pela paisagem do maciço do Itatiaia com suas elevações, picos, cascatas, rios, matas e vales, são um convite permanente para os turistas ocuparem os hotéis da região, seja do próprio Parque, seja em Penedo, antiga colônia finlandesa fundada, em 1929, ou nos campos de altitude de Maromba e Maringá, na região de Visconde de Mauá, seja no Paraíba do Sul, antes navegável, seja a Represa do Funil em suas quedas d'água, Itatiaia oferece muito a quem deseja encontrar belezas naturais.»


(*)Cf. "Os puris do Vale do Paraiba Paulista e Fluminense".
Cel Claudio Moreira Bento
Volta Redonda : ACIDHIS,Gazetilha ,1995 .





... E falando dos índios Puris ou Purias, acho que talvez valha a pena ler:




OS ÍNDIOS DO PARAÍBA
José Luiz Pasin (historiador, professor universitário e membro do Instituto de Estudos Valeparaibanos)

Fundados as vilas de São Vicente e do porto de Santos, por Martim Afonso de Souza e Brás Cubas, fortificaram-se os portugueses no planalto, fundado a vila de Santo André da Borda do Campo, cujo alcaide-mor e guarda-mor do campo foi João Ramalho, amasiado com a índia Bartira, filha do cacique Tibiriçá, senhor das tribos tupiniquins que habitavam os campos de Piratininga. Em 1554, um grupo de treze jesuítas, liderados pelo Padre Manoel de Paiva saíram do Colégio de São Vicente, transpuseram a serra de Paranapiacaba e atingindo o planalto, fundaram o colégio de São Paulo dos Campos de Piratininga, no dia 25 de janeiro de 1554. Em 1560, o governador geral Mem de Sá, depois de expulsar os franceses da baía da Guanabara, atendendo razões de Estado e interesse dos jesuítas, extinguiu a vila de Santo André e uniu seus moradores ao Colégio de Piratininga, dando origem à vila de São Paulo. Isolados no planalto, os portugueses e mamelucos paulistas buscavam no sertão e nas suas roças de milho, feijão, trigo e algodão a sua economia de subsistência, utilizando a mão de obra indígena para os trabalhos da lavoura, colheita, transporte, construção e defesa. Os tamoios do litoral confederados com as tribos que habitavam as margens do rio Paraíba, promoveram diversos ataques aos sítios e roças dos paulistas, matando seus moradores, queimando lavouras, saqueando as casas e aprisionando mulheres e crianças. Para se defender dos constantes ataques dos índios do Paraíba, a Câmara Municipal de São Paulo, ordenou a construção de muros e baluartes de taipa de pilão e convocou João Ramalho para iniciar o bandeirismo paulista de apresamento.
Embrenhando-se nos sertões do Paraíba, os paulistas atacavam e parisionavam os índios, levando os sobreviventes como "presa de guerra", para vendê-los como escravos aos engenhos de cana-de-açúcar do litoral vicentino ou para utilizá-lo como mão de obra em seus sítios e engenhocas. O Padre José de Anchieta, em carta escrita de Colégio de São Vicente para o Padre Diogo Laynez datada de 16 de abril de 1563, narra com todos os pormenores o violento ataque desfechado pelos índios do Paraíba à Vila de São Paulo e as atas da Câmara Municipal de São Paulo, registram os "termos" de convocação da população, estado permanente de alerta, conserto dos muros que cercavam a vila e preparativos para a "Guerra no Paraíba". Os mais antigos documentos se referem aos "tamoios" como os índios que "habitavam as margens do rio Parahyba, e foram os desta nação os mais valorosos que teve o sertão...". Da ilha de São Sebastião para o norte até o litoral de Cabo Frio se estendia o território tamoio, abrangendo no interior a regiào do Vale do Paraíba do Sul. Anchieta em mais de uma carta, faz referência aos "tamoyos" ou "tamujas" do Paraíba. Durante o seu cativeiro em Ubatuba, onde fora intermediar as pazes com os tamoios confederados, ele assinala a chegada e partida dos índios do Paraíba.

Assim, em carta escrita de São Vicente, no dia 08 de janeiro de 1565 ao Superior Geral Diogo Laynez, narrando a sua viagem e cativeiro em Ubatuba, diz: aonde depois vieram mais de 300 dos tamujos moradores no campo, em um rio, mui nomeado, chamado Paraíba...". Em outro trecho da sua carta "Ao mesmo tempo que eu cheguei eram baixados os Tamujas do Paríba pelas montanhas que tinham abertas, por onde soiam a vir fazer seus saltos...". O Padre Simão de Vasconcelos, o cronista dos jesuítas, também se refere aos índios do Paraíba confederados com os tamoios do litoral "Por mar eram canoas duzentas, por terra eram os arcos que habitavam as ribeiras do rio Paraíba, com pacto que dessem todos sem cessar, até acabar com a capitania e senhorearem a terra...".

Quanto à distribuição etnográfica das tribos que habitavam o vale do paraíba, não possuímos elementos para situá-las ou nomeá-las corretamente. Os documentos quinhentistas pesquisados (cartas jesuíticas e atas da câmara) só se referem ao "tamoyos" e "tamujas" do paraíba ou aos "cõtrairos do paraíba". Região de passagem e ligação com o litoral de Paraty e Ubatuba, com São Paulo e com as montanhas do planalto mineiro, o vale do Paraíba foi uma região de migração e encontros de tribos e culturas diversas, conforme atestam os mais antigos e recentes achados arqueológicos, em Aparecida-Guaratinguetá, Piquete-Embaú, Paraitinga-Cunha, Caçapava, São José dos Campos e Jacareí. A presença indígena no Vale do Paraíba não se restringe aos achados arqueológicos, mas, se faz presença na toponímia das serras, rios, cidades, bairros, animais, peixes, árvores, aves e frutas, na culinária, no artesanato, nos mitos e crendices, na medicina natural, na linguagem, nos usos e costumes da gente valeparaibana, como tomar banho no rio, comer içá, queimar a terra para plantar, andar descalço, pitar em cachimbos de barro, assar ou cozinhar alimentos em folha de bananeira, estórias de bichos e nas casas de pau-a-pique e sapé. Resgatar esses valores e buscar as nossa raízes indígenas, constitui o desfio maior para descrição e a construção de uma possível identidade cultural da gente valeparaíbana.

Publicado por Ana Tropicana às 06:12 PM | Comentários (0)

Frase do Dia

«Vai, abandona a morte em vida em que hoje estás»
Taiguara






Foto: Imira, Tayra, Ipy [autor: capa do album de Taigura - 1976]




«Vai» - Taiguara (1945-1996)

Vai,
abandona a morte em vida em que hoje estás,
Ao lugar onde esta angústia se desfaz,
E o veneno e a solidão mudam de cor,
Vai indo amor...
Vai, recupera a paz perdida e as ilusões,
Não espera vir a vida as tuas mãos,
Faz em fera flor ferida e vai lutar,
Pro amor voltar...
Vai, faz de um corpo de mulher estrada e sol,
Te faz amante,
faz teu peito errante, acreditar que amanheceu...
Vai, corpo inteiro mergulhar no teu amor,
E esse momento, vai ser teu momento,
O mundo inteiro vai ser teu... teu... teu.
Vai, abandona a morte em vida em que hoje estas,
Ao lugar onde esta angústia se desfaz,
E o veneno e a solidão mudam de cor,
Vai indo amor...




Uma pérola perdida, entre os vinys que herdei. Recordo-me do trauteio do homem que cantava e de ouvir conversas em viés que falavam dele como um "baladeiro" do amor e das liberdades. Sei pouco mais sobre Taigura: apenas que fazia parte da 2ª geração da Bossa Nova, de onde sairam Chico e Toquinho e que a primeira canção que cantou ao vivo foi «Poema dos Olhos da Amada» de Vinícius de Morais e Paulo Soledade - fantástica escolha, se me é permitido. Movia-se perto do bairro de Santa Teresa e cantava nas noites do Rio, no mítico "João Sebastião Bar". Nos entretantos da vida, cruzou caminhos com Miele, Ronaldo Boscoli, Claudete Soares, Jongo Trio, e mais tarde com Eliana Pittman, Cipó, Dori Caymmi e Luís Eça, no «Farnheit 2000», um show que em 1968 se transformaria em disco através da Odeon. Sei que era pouco dado a concessões, que teve problemas muitos com a borracha da censura, que liderou a resistência contra a repressão da ditadura militar a que o Brasil esteve sujeito durante vinte anos, e que viveu no exílio a maior parte da vida. Este álbum sobrevivente, "Imira, Tayra, Ipy" , por exemplo, sei que tinha lançamento previsto durante a celebração do 1º de Maio, em 1976, num grande espectáculo nas ruínas das Missões Jesuítas, no Rio Grande do Sul, com Taiguara ao lado de Hermeto Pascoal, Ubirajara, Toninho Horta e Novelli. O espetáculo foi cancelado, e Taiguara, mais uma vez, partiu, desapontado, para um novo exílio. Esteve em Londres (1973), Paris (1976), Tanzânia e Etiópia (1978), voltando então ao Brasil e partindo novamente para Nova Iorque (1994), onde ainda morou por alguns meses.

Quando morreu, andava a pesquisar sambas que falassem da pobreza e da alegria de viver nos morros cariocas. O seu próximo trabalho seria dedicado ao samba carioca, e nele planeava incluir regravações de Noel Rosa e Paulo Cesar Pinheiro, entre outros. Poucos são, em Portugal, aqueles que se lembram de ter ouvido Taiguara, mas mesmo os que guardam memória frágil da sua voz, sabem que a versatilidade foi talvez o maior prémio que levou da vida conturbada que os anos lhe deram. Tocou de tudo: guarânia paraguaia, samba de morro, bossa-nova, pop-rock.

Publicado por Ana Tropicana às 01:19 PM | Comentários (2)

agosto 12, 2005

Mood

Jantar ainda à luz do dia. No melhor indiano que conheço a Lisboa: forrado a sebosos azulejos de casa de banho e com uma luz parda pegajoso-depressiva. O "mensalão" abre o telejornal. As declarações de ontem do Lula: devidamente recortadas e tricotadas, como convém. Para o diabo com o Fukuyama!... Muda de conversa que estavas até a ir muito bem, esta noite. E não, não entendo o discurso do fim das ideologias. Digo: «A vontade de mais é intrinsecamente humana. Toda a gente sonha com uma casa melhor, uma vida melhor, um país melhor, um amor melhor.» Há um garfo a cair no chão. Não sei que parte te irritou, se a do amor, se a do país. Paciência! Creio sim, que a Grande Nação Brasil há-de voltar a acreditar. Creio, pois! Num grande futuro brasileiro.

Publicado por Ana Tropicana às 10:39 PM | Comentários (3)

Miguel Rio Branco


blue tango de miguel rio branco

Leio no Le Monde uma interessante matéria de Bérénice Bailly, e fico a saber que o trabalho de Miguel Rio Branco atravessou de novo o Atlântico. E depois só esta saudade lânguida do atelier de espelhos venesianos, súbtil metáfora corpórea dos reflexos do mundo abismados nas fotografias em redor. Até meio de Setembro Cris sourds estará exposta em Paris, mas a mostra retrospectiva de outros ensaios fotográficos de MRB - como este memorável Blue Tango que falava da arte da capoeira entre os meninos da rua - prolonga-se até ao fim de Novembro.





























Fotos: Blue Tango, 1984 | [ autor: Miguel Rio Branco (1946) ]




Eis o artigo:


Miguel Rio Branco ausculte la violence du monde, à travers ses images baroques
LE MONDE | Bérénice Bailly (Rio de Janeiro de notre envoyée spéciale) |11.08.05 | 13h14

C'est un homme blessé. Incapable d'oublier la violente algarade qui s'est déroulée, la veille de notre rencontre, sous les fenêtres de son appartement-atelier de Santa Teresa, à Rio de Janeiro. Incapable d'oublier que ce quartier de bohème nantie est "cerné par le tiers-monde", les favelas à quelques mètres de là. Cette dure réalité, Miguel Rio Branco la vit en son coeur. Et tout son travail s'en ressent. Certes, il a passé l'essentiel de sa vie à l'étranger, suivant un père diplomate puis ses envies de liberté. Certes, sa pratique est très éloignée de celle d'un photo reporter témoignant des difficultés de son peuple au quotidien. Mais dans ses sombres et baroques plans rapprochés, c'est toute la douleur de son pays qu'il porte et ausculte ; sa continuelle quête d'identité.


Son exposition dans l'église des Frères-Prêcheurs d'Arles en témoigne. "Cris sourds". Un travail sur la cicatrice, la souffrance, le passage du temps. Le pouvoir, l'oppression, la mort, la survie. Autant de questions très brésiliennes... "Conçue comme un film en plusieurs morceaux", elle mêle "des images de l'Amérique latine à celles des pays conquérants". Est-ce Saint-Jacques-de-Compostelle, le Portugal, La Havane ou Salvador de Bahia, que l'on découvre dans ce chaos d'images ? Peu importent les lieux, seuls immergent ces quelques mots : "la douleur, le labyrinthe de la douleur".


"MES AMBIANCES SONT NOIRES"


Rouge sang et ombres variées : la prédominance de ces sombres nuances a souvent suffi à faire passer Miguel Rio Branco pour un coloriste. Mais le jugement le fait sourire : "Mon atelier a brûlé en 1980, à Sao Paulo, et j'ai perdu dans l'incendie tous mes noirs et blancs des années 1970. Il ne m'est resté que la couleur : peut-être est-ce pour cela que l'on m'appelle un coloriste. Mais en fait j'ai très peu de couleurs, et mes ambiances sont le plus souvent noires. Peut-être faudrait-il commencer à voir un peu en bleu, mais dans ce monde, ce n'est pas évident."

"Cris sourds" construit une vanité moderne, empreinte d'une mystique qu'aucun espace n'aurait pu mettre en valeur mieux que cette superbe église des Frères-Prêcheurs. Plutôt qu'un acte de foi, son auteur la conçoit comme une digression spirituelle. "Bien sûr, explique-t-il, il y a une très forte présence catholique dans mon travail, et j'ai toujours ressenti la nécessité de croire qu'il y avait quelque chose de plus que ce moment où l'on passe sur terre. Mais je ne suis pas attaché à une religion en particulier, toutes m'intéressent : je suis chrétien ; mais au Brésil on n'est jamais seulement chrétien, il y a toujours un fond de candomblé, cette religion née des esclaves africains. Et en ce moment, je suis surtout intéressé par les religions orientales."

Vidéos projetées sur des tissus translucides, images photographiques en installation, sculptures de néons et verre brisé... L'ensemble hétéroclite présenté ici témoigne du parcours tourmenté de Miguel Rio Branco. Commençant par la peinture, dès les années 1960, pour se tourner vers la photographie en 1968, "pour aller vers plus de concret, et un peu par hasard. Mais à mes débuts, je n'avais aucune connaissance sur les photographes. Le seul que je connaissais en 1967 était Bill Brandt. J'aimais son côté ombrageux. De la même manière, quand j'ai passé deux ans à New York, de 1970 à 1972 : j'avais des contacts avec des plasticiens, jamais avec des photographes".

Aujourd'hui, c'est pour lui une certitude, il a complètement basculé vers les arts plastiques, par besoin de trouver des nouvelles formes. "Je suis un plasticien qui a un pied dans le réel : c'est tout le problème. Avant, je croyais qu'en montrant une situation dure on pouvait la changer. Avant." Avant le 11-Septembre et son cortège d'anéantissement, des hommes et des illusions. Un événement historique qui n'a pas laissé indemne son amour de la photographie. "Je suis très négatif par rapport à l'information et à la façon dont elle est mise en scène. Le basculement s'est opéré peu à peu, mais le coup fatal a été porté en 2001. La télévision a pris le dessus, définitivement, sur le documentaire. Depuis 1972, je suis correspondant de l'agence Magnum au Brésil. Mais correspondant de quoi ? La photographie de presse est de moins en moins considérée. Heureusement, Magnum n'est pas une agence figée, elle autorise les travaux personnels, et nous laisse un contrôle total sur l'image. Mais j'ai vraiment pris un tournant, pour prendre l'image de façon métaphorique, très différemment de ce que la presse peut montrer. Ce qui m'intéresse, c'est la question de l'auteur et de la liberté."

"Cris sourds". Miguel Rio Branco à l'église des Frères- Prêcheurs.
Jusqu'au 18 septembre. De 10 heures à 19 heures.
Rue du Docteur-Fanton, Arles (Bouches-du-Rhône)
Tél. : 04-90-96-76-06

Sur Internet : www.rencontres-arles.com.

Rétrospective à la Maison européenne de la photographie
Du 28 septembre au 27 novembre
Rue Fourcy Paris-4e,5-7,
Métro Saint-Paul




Ela foi ver a exposição. Deixo aqui o relato que faz:


«Lorsque l’on pénètre dans la pénombre de l’Eglise des Frères Prêcheurs, on constate que Miguel Rio Branco a installé ici un étrange jeu de lumières et de couleurs. L’exposition comporte des assemblages en damier de photographies disparates – par exemple, photographies de tableaux ou de statues versus photographies de requins – qui semblent mariées sous un sceau nouveau assurant la cohérence de leur assemblage (ambiances, textures, ensembles de couleurs chaudes et ocres opposés à des compositions froides). Ce lien est avant tout thématique : le photographe nous parle ici de pouvoir, de justice et du rôle joué, selon lui, dans ces rapports de pouvoir, par la religion. La façon originale dont Rio Branco va traiter cette question apparaît tout d’abord au moyen de quelques signes avant-coureurs qui créent une sorte de malaise : les statues religieuses paraissent en effet douées de vie. Le traitement photographique participe de cette impression étrange, l’artiste jouant sur les textures des statues christiques. Un triptyque s’attache particulièrement au rendu du volume des statues et de la pierre, avec ses veines, ses aspérités, ses nœuds. Muscles et cou noueux du corps du Christ font se confondre pierre et chair dans un même transport. Plus loin, une statue présente une pose peu conventionnelle : yeux fermés, bouche entrouverte aux lèvres charnues, les mains se touchant le torse - une posture bien éloignée des statues habituellement figées et rigides des lieux de culte.

Ce trouble gagne en intensité à la vue de photographies de peintures religieuses inquiétantes comme celle où l’on peut voir une femme en extase, défaillante : lorsque l’on détache son regard du centre du tableau, on remarque sur la droite un enfant qui la regarde avec inquiétude et effroi. Le regard de l’enfant, dans l’ombre, donne au tableau photographié une tonalité dramatique et l’extase de cette femme se charge soudain d’une atmosphère lourde et pesante, comme si elle semblait désormais victime d’une malédiction divine. Jouxtant ce cliché, une photographie d’un Christ semble aussi le montrer en proie à un mauvais sort. Cette torture intérieure habite la majorité des objets photographiés, et chacun semble en proie à une tourment qui n’épargne pas même le Christ, dont on se demande s’il est victime ou bourreau.

Le malaise qui habite les photographies de Miguel Rio Branco et qui, dit-il, l’a habité tout au long de la réalisation de ce projet, est d’autant plus impalpable et profond que l’artiste ne nous en montre que les signes, les manifestations, étant dans l’impossibilité d’en déterminer la cause. On voit là des personnages aux mains liées, des crânes en nombre, ici une ville déserte envahie par des fils tentaculaires, mais la cause de ce qui ressemble à un châtiment divin demeure insaisissable. Nous restons ignorants des raisons de cette colère divine. Violence et mort sont omniprésentes ; le danger suggéré, potentiel ou visible. Sur les murs de l’église, requins, pieuvre (animal à huit bras, symbole de l’infini, cher à Victor Hugo dans Les Travailleurs de la mer), scènes de corrida, crânes et squelettes semblent participer à une gigantesque danse macabre. Un cliché montre une statue d’un homme tranchant la tête d’un autre et le traitement de l’éclairage donne un rendu tellement réussi du volume que la statue semble sortir du plan de la photographie. Un autre triptyque présente des masques métalliques au rictus cynique, et cet univers trouble semble assaillir le visiteur de toutes parts.

Pouvoir et justice sont aussi présents en filigrane dans les deux installations sonorisées de cette exposition. Sur un grand écran, une vidéo projette l’image d’un tunnel à l’apparence anodine. Il s’agit pourtant du tunnel qui relie l’Assemblée Nationale au Sénat brésilien, passage réservé au pouvoir, sécurisé et interdit au public. Cette sphère ultra-sécurisée du pouvoir privé a pour pendant la présence insidieuse de la violence dans l’espace public, et ce jusque dans les habitacles des voitures : la seconde installation expose un amoncellement de pare-brises cassés. Cette installation avait déjà été présentée au Brésil, et les pare-brises récupérés par Miguel Rio Branco étaient à l’origine troués d’impacts de balles. Présence ostentatoire de la mort, de la violence, impuissance. Présence dissimulée du pouvoir et ambiguïté des figures religieuses. Cette exposition aux couleurs sourdes plonge son spectateur comme son auteur dans un univers inquiétant où Le Cri sourd de Münch trouverait un écho tout particulier. Un dernier aspect, et non le moindre, de cette exposition est l’effet double qu’elle produit : elle procure un effet saisissant de loin, lorsqu’on entre dans l’église, et un autre de près, une fois que l’on s’approche des photos et que l’on appréhende des détails révélateurs. L’un n’annule pas l’autre, ils semblent au contraire se surajouter tour à tour pour amplifier l’impression dégagée par ce travail remarquable, d’une intensité troublante.»

Louise Charbonnier
(juillet 2005)

Publicado por Ana Tropicana às 04:41 PM | Comentários (0)

O Grande Conselheiro

O País continua a arder mas agora estamos todos mais tranquilos: pelo menos já sabemos onde pára o chefe do Governo! Ontem, a propósito da reunião sobre fogos que aconteceu (finalmente!) na Assembleia da República, foram feitas revelações de efeito profundamente calmante. É certo que o primeiro-ministro não apareceu, mas ficámos a saber pela boca do ministro de Estado, António Costa - em sua substituição - que «já não está no Quénia» em férias. Segundo António Costa, Sócrates «já está em Portugal» e «telefonou mais de duas vezes» a perguntar «se deveria voltar ou não», mas parece que como continuava a precisar de descanso «eu disse-lhe que não se justificava».
Afinal, até ao momento, são 118 mil hectares ardidos!...

Para estas e outras "revelações", ler AQUI.

Incêndios : Não há calamidadeFonte: Correio da Manhã | Autor: Cristina Rita / Carlos Ferreira | 2005-08-12

Em Portugal arderam 118 mil hectares até ao momento, mas, mesmo assim, o Governo entende que não se “justifica”, para já, decretar estado de calamidade pública.

Quem o disse foi António Costa, ministro do Estado e da Administração Interna e primeiro-ministro em exercício, perante os deputados numa reunião conjunta da Comissão de Assuntos Constitucionais e da Subcomissão de Agricultura.

Mais, Costa confessou que aconselhou o chefe de Executivo, José Sócrates, na altura em férias no Quénia, a não interromper o seu descanso. José sócrates já se encontra em Portugal mas continua de férias.

Perante a insistência do PSD e sobretudo do CDS-PP, o ministro adiantou: “O sr. primeiro-ministro telefonou-me mais de duas vezes a questionar-me se deveria voltar ou não. Eu disse-lhe, por mais de duas vezes que não se justificava interromper as suas férias. Se alguém cometeu um erro. Fui eu”, declarou.

António Costa revelou também que o próprio Presidente da República, Jorge Sampaio, o questionou sobre a necessidade de se deslocar aos locais mais afectados ou fazer uma intervenção sobre o problema. Costa insistiu que não e, acrescentou, que Belém enviou um adjunto de Sampaio aos locais mais problemáticos. Recorde-se, que em 2003, o Presidente ‘guardou o fato oficial’ e de forma quase incógnita viajou pelas zonas mais afectadas pelos incêndios.

Para tentar afastar mais críticas da oposição sobre a ausência de Sócrates, Costa revelou que é “alérgico” às atitudes dos políticos que “correm para as câmaras de televisão a chorar e a rasgar as vestes”.

Gestão política esgrimida, o ministro anunciou que a partir do próximo Verão, os helicópteros Puma vão ser desafectados das Forças Armadas e colocados ao serviço do combate a incêndios, enaltecendo a cooperação do Ministério da Defesa.

Sempre ’bombardeado’ sobre os meios aéreos disponíveis, Costa acabou por adiantar que no Orçamento de 2006, o Executivo já vai contemplar a aquisição destes meios. Só não sabe quantos ou de que tipo. Uma coisa é certa, o Estado não terá a actual frota de 49 meios aéreos, utilizados em sistema de aluguer (permanente ou não). Aqui, fez mais confissão. Estes processos negociais de aluguer são um autêntico “inferno”.

O Governo ainda explicou que, até agora, o Estado tem “25 milhões de euros de despesa já contratada” no uso dos referidos meios aéreos de apoio aos incêndios. Este valor pode aumentar, avisou Costa, até porque a época de incêndios pode prolongar-se até 15 de Outubro. E respondeu ao CDS, assegurando que poupou três milhões euros num contrato de dois helicópteros pesados, quatro médios e dois ligeiros, contra os seis pesados que o anterior Executivo pretendia. E acenou com o investimento de 1,5 milhões de euros na compra de novos veículos de transporte de água. No plano social, de apoio às famílias afectadas, o ministro garantiu que a Segurança Social já se está a inteirar dos problemas. Só faltou explicar se já há dados concretos dos danos.

Já o ministro da Agricultura, Jaime Silva, que teve menor destaque neste processo, acabou por garantir que o Ministério já accionou uma medida para recuperar o potencial produtivo. “Essa medida dá subsídios até 75 por cento, está aplicada e eu aguardo apenas as informações detalhadas das direcções regionais sobre a avaliação no terreno das percas”, garantiu Jaime Silva, sempre coordenado por António Costa.

Houve ainda um momento em que o BE sugeriu um pacto entre televisões para não mostrar o combate aos incêndios, como se faz na Galiza e nos Estados Unidos. Costa classificou a sugestão de errada, ao partir de um “agente político”, mas aconselhou as televisões a reflectirem sobre o assunto.

VILA POUCA "INDIGNADA" COM GOVERNO

O presidente da câmara municipal de Vila Pouca de Aguiar reagiu ontem com “indignação” ao facto do Governo não ter declarado o estado de calamidade pública em consequência dos prejuízos causados pelos fogos florestais.

Domingos Dias reagiu com “indignação, revolta e repulsa, por se tratar tão mal a pessoa humana e dar tão pouca atenção às vítimas desta tragédia”.

“A câmara municipal tem feito um esforço terrível, porque não temos tido o apoio do governo central”, afirma Domingos Dias, adiantando que o município “é que tem respondido aos casos humanos, reunido com as populações para saber quais as suas necessidades e distribuído roupa e alimentação”, com a ajuda da Cruz Vermelha. “A Segurança Social só está a fazer o levantamento das pessoas que efectivamente ficaram sem casa”, concluiu o autarca.

O presidente da Câmara de Pombal, outro dos concelhos mais atingidos pelos incêndios da semana passada, não dá relevância à não declaração do estado de calamidade. Para Narciso Mota, “o mais importante é que o Governo, através dos vários ministérios, preste o devido apoio” às vítimas dos fogos.

“Estou na expectativa e, de alguma forma, tranquilo, porque na sequência de uma reunião com o Governo Civil de Leiria percebi que havia sintonia quanto ao que é preciso fazer”, declarou Narciso Mota, embora reconhecendo que a população pode ter ficado “indignada e revoltada” pela não declaração do estado de calamidade pública.

“Mas, é preciso é que haja sentido de Estado e solidariedade para repor tudo o que foi destruído”, concluiu o autarca.

REACÇÕES

TERRITÓRIO DESORDENADO (PS)

O deputado socialista, Braga da Cruz, alertou ontem para o problema “do desordenamento do território” como um dos factores que maiores dramas causa nos incêndios.

"ABSOLUTA PASSIVIDADE" (PSD)

O deputado do PSD Montalvão Machado acusou o Governo de “absoluta passividade” e considerando que isso demonstra uma enorme insensibilidade social.

"RESPOSTA URGENTES" (PCP)

O deputado Agostinho Lopes culpou os governos PS e PSD pela falta de acções concretas contra os incêndios e exigiu “respostas urgentes para as populações”.

"FAZ-ME CONFUSÃO" (CDS-PP)

Nuno Melo insistiu na gravidade da ausência de José Sócrates: “Faz-me confusão”, afirmou. E lembrou que, em 2003, Sócrates definiu os incêndios como “uma pouca vergonha”.

ACORDO ENTRE TELEVISÕES (BE)

O deputado do BE, Francisco Louçã, sugeriu um acordo entre televisões como se faz “na Galiza ou nos EUA” para não se mostrarem imagens dos incêndios, salvaguardando a liberdade de Imprensa.

Publicado por Ana Tropicana às 11:59 AM | Comentários (0)

agosto 11, 2005

Plenos Vazios


útero de ana tropicana

Basta a ausência de um anjo, para que qualquer paraíso se torne, subitamente, um lugar menos perfeito. Miss you, Sugar!
























Fotos: Útero [autor: Ana Tropicana]

Publicado por Ana Tropicana às 11:05 PM | Comentários (2)

Mood

Agosto amanhece ainda a fazer caretas. Os telefones tocam menos e isso é bom. Chegou correio da Floresta, o que é melhor ainda.

Publicado por Ana Tropicana às 08:34 AM | Comentários (0)

agosto 10, 2005

Frase do Dia

«Quando os deuses querem nos punir, eles atendem às nossas preces.»
Oscar Wilde

Oportunamente citado, hoje, lá no Noblat. Via Altino.

Publicado por Ana Tropicana às 06:05 PM | Comentários (1)

A Arte de Aproveitar o Instante


acerola de rodrigo brito

Agosto cinzento. Talvez volte a chover hoje também. Penso na felicidade das águas tombadas subitamente pelas veredas dos municípios ribeirinhos. Perfume de humidades que vai da terra à pele. Cascatas de chuva a verter de repente do umbigo dos deuses que boiam pelos sete cantos do céu. Correr os tornozelos pelo barro lamacento das ruas. Buscar um abrigo improvisado. Parar. Aproveitar para dar de beber à sede. Suco de acerola. Ás vezes. Na falta de carambola. Tudo tão diferente aqui! Tão diferente. Menos feliz.





Foto: Acerola [autor: Rodrigo Brito]

Publicado por Ana Tropicana às 09:28 AM | Comentários (2)

«Night is Slow»


drowning de b.medeiros

A Thousand Kisses Deep, por Leonard Cohen

Há, no rebordo da floresta, alguns bares de "copo sujo", onde passo-vem, passo-vai, "são dois prá lá, dois pra cá" , se baila com o corpo mais raso à alma. Em madrugadas mais afortunadas, é por esses tampos de mesa que sempre o encontro: a ele, que é autista, prático, procurado, perigoso. Diz que dança mal e beija bem. Avisa que mente (às vezes). Faz desenhos devassos, conjecturas dissolutas e outras patifarias, mas vomita a arte da embriaguez como ninguém.






Foto: Drowning [autor: Medeiros]


Publicado por Ana Tropicana às 03:49 AM | Comentários (1)

agosto 09, 2005

Entardeceres


pontas soltas de ana tropicana

Pode sim, um sofá ser uma bela cama. Uma muito bela cama. Perfeita e reparadora, depois de mais um dia a confirmar as irremediáveis desatenções do mundo.






Foto: Pontas Soltas [autor:Ana Tropicana]

Publicado por Ana Tropicana às 10:09 PM

No Mercy

Dois dias depois, acontece Nagasaki. Como se um erro nunca pudesse vir só.

Publicado por Ana Tropicana às 01:06 PM

Tristezas

Leio AQUI: «António Teixeira foi traído pelas pernas. A morte foi mais rápida quando, anteontem à noite, o fogo o apanhou longe de casa, longe da pequena aldeia de Monteiros, em Vila Pouca de Aguiar, Vila Real.» e depois continuo a ler, mas infelizmnte o resto da história conta-se em poucas linhas: «Maioria dos incendiários detidos sai em liberdade»

Fogo mata em Vila Real
Fonte: Correio da Manhã | Autor: Luis C. Ribeiro (Vila Real)/Luis Oliveira (Viseu)| 2005-08-09 | 00:00:00

O corpo só foi descoberto ontem de manhã, quando a luz do dia mostrou a destruição causada pelo fogo: dez mil hectares de floresta ardida e 21 casas destruídas. 16 pessoas ficaram sem tecto e, durante horas, duas estiveram desaparecidas. António Teixeira tinha 75 anos. Morreu intoxicado.

“As pernas já não o ajudavam. Ele até já tinha uma operação marcada, por causa dos problemas. Não conseguia andar depressa e quando quis regressar já era demasiado tarde”, contou ao CM uma familiar, em estado de choque. Pela morte de António e pela destruição que se abateu sobre a aldeia de Monteiros, freguesia de Bragado. Numa noite, o fogo reduziu a cinzas dez das 21 casas.

Mas durante a manhã temeu-se que a tragédia em Vila Pouca de Aguiar fosse ainda pior. “Em aldeias com poucos habitantes é fácil saber quem falta”, dizia um popular. Octávio Teixeira faltava em Carrazedo da Cabugueira e Irene Costa Pinto não ‘respondera’ em Parada de Monteiros. Mas ambos deram sinais de vida, “de perfeita saúde”, logo que souberam que os procuravam.

O incêndios responsável pela morte de António Teixeira, pela destruição de metade das casas de Monteiros e pelo pânico no concelho, começou domingo em Pielas. Fora de controlo, as chamas avançaram sobre a freguesia de Parada de Monteiros, desalojando duas pessoas. Some-se mais duas em Capeludas e duas outras em Carrazedo da Cabugueira e Soutelo de Matos. Em Monteiros, a aldeia de António Teixeira, dez ficaram sem casa.

Destes 16 desalojados, muitos passaram a noite na escola preparatória e esperam agora uma solução. Já que as suas casas desapareceram. Domingos Dias, presidente da Câmara de Vila Pouca de Aguiar, pediu a declaração de calamidade pública para as quatro freguesias do seu concelho atingidas pelo fogo. “As populações, na sua maioria idosos, ficaram com a vida reduzida a cinzas. É justo que o Estado as ajude”, afirmou o autarca, revelando que a câmara municipal abriu uma conta bancária para apoiar as vítimas.

Ontem, um mar de cinza esperava os quase 200 bombeiros empenhados em acções de vigilância e combate a reacendimentos, com o apoio de 11 aeronaves. Ao final do dia, com o tempo a ficar mais fresco, o fogo tinha desaparecido. Mas uma certeza ficou. Na autarquia e junto dos bombeiros. “Os fogos tiveram mão criminosa. Começar em quatro locais em simultâneo é muita coincidência”, diz Domingos Dias. O coordenador distrital dos bombeiros, Almor Salvador, acha o mesmo.

CHAMAS CAUSAM PÂNICO EM CASTELO MOVO

O violento incêndio que deflagrou na tarde de domingo em Pereiros, Castelo Branco, propagou-se à Serra da Gardunha e na madrugada de ontem cercou a aldeia histórica de Castelo Novo, no Fundão, tendo destruído quatro casas que estavam desabitadas. As chamas provocaram muito pânico junto dos habitantes, na maioria idosos, queimaram culturas agrícolas e mataram animais.

“A serra parecia que tinha gasolina tal foi a velocidade com que o fogo chegou até às nossas casas”, descreveu Conceição Adolfo, de 45 anos, que durante a noite viveu momentos de terror: “Os bombeiros salvaram-me. Estava sozinha em casa com uma filha de 12 anos e fiquei cercada pelas chamas. Pensei que ia perder tudo”, acrescentou a mulher.

Rosa Alves Pereira, de 75 anos, já estava na cama quando, às duas da manhã lhe bateram à porta gritando: “Fuja dona Rosa que o fogo vem aí”. A septuagenária não queria acreditar no que via: “Estava tudo a arder. Tiraram-me de casa à força e depois fui para o hospital porque sofro do coração e entrei em pânico. Ardeu tudo, menos a minha casinha, graças a Deus”, disse a idosa enquanto que com baldes apagava o barracão onde tinha lenha.

O fogo galgou com rapidez pela Serra da Gardunha e chegou às portas da cidade do Fundão. Rui Esteves, coordenador do Serviço Nacional de Bombeiros de Castelo Branco, referiu que o incêndio “foi de difícil combate devido à inexistência de acessos” e porque junto das habitações “havia muitos arbustos e mato”. O fogo ficou circunscrito às 13h00 e depois seguiram-se as operações de rescaldo no qual participaram 218 bombeiros com 68 viaturas.

DESASTRE NATURAL NA SERRA DA ESTRELA

O ‘coração’ do Parque Natural da Serra da Estrela (PNSE) foi ontem seriamente destruído pelo fogo. As chamas que deflagraram na noite de domingo já consumiram dois mil hectares de uma área composta por um tipo de flora rica e rara. Os bombeiros tiveram grande dificuldade para chegar às várias frentes do fogo, que assim ‘passeou’ à vontade numa zona perto da nascente do Rio Zêzere.

“Trata-se de um desastre natural, ambiental e social sem precedentes”, afirmou ao CM Fernando Matos, director do PNSE, que está muito preocupado com as consequências deste incêndio: “Não sei se as linhas de água vão ser afectadas. Se forem, é uma situação muito grave, porque a água é uma das nossas importantes riquezas”, acrescentou Fernando Matos, lembrando que é naquela zona que se faz a captação da água da Serra da Estrela.

O fogo grassou durante o dia nas encostas do vale glaciar em zonas inacessíveis aos bombeiros. Os meios aéreos também tiveram grandes dificuldades operaracionais devido ao intenso vento e à nuvem de fumo que se formou. “A situação está muito complicada, porque temos muitas dificuldades em chegar ao fogo. Só mesmo o São Pedro nos pode ajudar”, afirmou Joaquim Saraiva, comandante dos Bombeiros Voluntários de Manteigas. Ao início da noite, o fogo ainda não estava controlado e mobilizava perto de uma centena de bombeiros.

OUTROS CASOS

“PLANO CRIMINOSO”

O presidente da Câmara de Penalva do Castelo, município que foi fustigado por diversos incêndios nos últimos cinco dias, diz que as chamas tiveram “origem criminosa”. “Parece que foi preparado um plano criminoso para destruir parte do concelho”, disse Leonidio Monteiro, acrescentando: “Surgiram, quase sempre de noite, vários focos de fogo em diversos sítios. Estava tudo programado”.

FERIDA EM LAMEGO

Uma mulher de 65 anos sofreu queimaduras em 60 por cento do corpo quando, no domingo à tarde, tentava salvar do fogo um pequeno terreno agrícola, no Lugar de Magueija, Meijinhos, concelho de Lamego. Maria da Anunciação Moura, que foi transportada para a Unidade de Queimados dos Hospitais da Universidade de Coimbra, tinha a seu cargo um filho paraplégico de 35 anos.




Maioria dos incendiários detidos sai em liberdade
Fonte: Correio da Manhã | Autor: Ricardo Marques | 2005-08-09


A história conta-se em poucas linhas. Um homem de 23 anos foi detido pela PJ, na semana passada, por existirem fortes indícios de ser o autor de alguns incêndios florestais ocorridos este ano.

No currículo tinha já uma detenção em 2002, pelo mesmo crime, e a condenação a uma multa, que reverteria a favor dos bombeiros. Que nunca pagou. E na sexta-feira, depois de ouvido em tribunal, saiu em liberdade, sujeito a termo de identidade e residência. Mais um para a estatística.

Este ano, de acordo com dados oficiais, a PJ deteve 71 pessoas suspeitas do crime de fogo posto. No entanto, destas, apenas a 16 foi aplicada a mais grave das medida de coacção: a prisão preventiva. As restantes 55 saíram em liberdade: apenas com termo de identidade e residência ou sujeitas a apresentações periódicas junto da polícia.

Anteontem, na RTP, o ministro da Administração Interna, António Costa, defendeu que os magistrados devem “afinar” o critério de aplicação de medidas de coacção a suspeitos de fogo posto, sublinhando que a moldura penal para este tipo de crime “é razoável”.

Uma fonte da PJ sublinhou ao CM que é necessário “reflectir” sobre as medidas a aplicar aos suspeitos de fogo posto. “Estamos a falar de medidas de segurança, de modo a evitar que estas pessoas cometam este tipo de crime”, referiu, lembrando o caso de um homem com antecedentes criminais, inimputável, durante a época de fogos, recolhe a uma instituição psiquiátrica.

Publicado por Ana Tropicana às 11:33 AM

Cooperativa

Leio AQUI que afinal a Alternativa «está em marcha». Ainda bem.

Cooperativa dos trabalhadores de O Comércio do Porto e A Capital «está em marcha»
Fonte: Meios & Publicidade | 9-8-2005


A solução cooperativa proposta pelo Sindicato dos Jornalistas (SJ) aos trabalhadores dos jornais O Comércio do Porto e A Capital «já está a ser implementada no terreno». A garantia foi dada ao M&P pelo presidente do SJ, Alfredo Maia, que revelou estar marcada para hoje uma reunião com a Prensa Ibérica para iniciar as negociações tendo em vista a aquisição dos dois diários, escusando-se no entanto a revelar os valores envolvidos na negociação. No entanto, independentemente do desfecho da reunião, a solução cooperativa «está em marcha», sendo que a mesma já pediu o registo de pessoa colectiva na passada 5ª feira e está a preparar os respectivos actos constitutivos, assegurou Alfredo Maia. Alternativa, Produção Jornalística CRL é o nome da cooperativa, que pode ser a solução para os trabalhadores dos dois títulos. «O objectivo da criação da cooperativa é o de assegurar a viabilidade dos dois jornais, mas também de salvaguardar os postos de trabalho. Se falhar o objectivo de aquisição dos dois títulos, esta cooperativa permite aos trabalhadores terem uma alternativa em termos de trabalho, já que têm capacidade de lançar um projecto editorial alternativo», destacou o presidente do SJ.

Publicado por Ana Tropicana às 11:26 AM

agosto 08, 2005

Amazon Am-1


amazon am-1 de WS

Esta noite vou voar por aldeias indígenas, planar à beira de rios e igarapés, no meio da Floresta Amazônica. Esta noite vou pilotar o meu avião virtual e vingar-me de toda esta saudade que o passar dos dias agiganta.

A Worldsceneries disponibiliza uma nova versão para quem já possui o Amazonia AM-1. Basta escrever a solicitar o URL e fazer o download do up-grade.









A Worldsceneries (WS), no mercado brasileiro desde 2000, é uma divisão da Marcnamara Network especializada em sistemas de simulação de vôo que possui um quadro de funcionários e executivos altamente qualificados. A empresa alia TI com experiência de profissionais com muitos anos de actuação nos segmentos de informática, computadores, design gráfico, desenho, geoprocessamento de imagens de satélite, publicidade, jornalismo e comunicação, gerando assim, excelentes resultados.

Mas a história da WS inicia-se antes mesmo da formalização da empresa. Por volta de 1999, três amigos juntaram-se para colocar em prática a idéia de produzir cenários adicionais para o Flight Simulator e fundaram um grupo chamado Real Flight Brazilian Sceneries. Dessa forma foram desenvolvidos 3 cenários para o Flight Simulator 98 e disponibilizados gratuitamente para os usuários da Internet. O sucesso foi tanto que houve muita repercussão, quer no Brasil, quer no estrangeiro. O sucesso encorajou-os a iniciar o primeiro trabalho comercial. Nada melhor do que começar com um cenário que já tivesse um bom apelo de marketing. Foi assim que os três decidiram produzir o cenário do Rio de Janeiro, denominado «Wonderful Rio». Seguiu-se o cenário de Fernando de Noronha e depois o projecto de reconstituição da vasta região da Amazónia, que designaram por AM-1.

Segundo a WS, AM-1 era ainda a primeira de quatro partes do grande cenário amazónico, com aproximadamente 875 mil quilómetros quadrados de abrangência. Quando o projeto estiver totalmente finalizado (AM-1 até AM-4), terá nada menos do que 3,5 milhões de km2.

Para se ter uma ideia, o AM-1 funciona a partir do Flight Simulator 2004, que originalmente incluia 33 pistas referentes à área AM-1. Ora, nesta mesma área, após a instalação da nova versão, serão incluídas mais 60 pistas, 28 das quais 28 não homologadas e que não constam em nenhuma documentação. Ainda assim, não se tratam de pistas clandestinas; a maioria delas serve às localidades isoladas, tais como aldeias indígenas, postos avançados e outras comunidades.

No pacote AM-1 foram detalhadas pistas de uma área compreendida entre Manaus e o alto Amazonas (Tabatinga), o alto Rio Negro (São Gabriel da Cachoeira e Pico da Neblina) e todo o estado de Roraima. Além disso, segundo a WS, foram programadas as principais estações do Sivam - Sistema de Vigilância da Amazônia. "Voar neste cenário é um verdadeiro desafio para o piloto que precisa ter bons conhecimentos de navegação por instrumentos", pode ler-se em jeito de conclusão no material de divulgação que a empresa disponibiliza.


Características da AMAZONIA-MESH TERRAIN:

- Aeroportos (60 inclusos e mais de 10 detalhados): Manaus (3), Boa Vista, São Gabriel, Tabatinga, Tefé, Auaris, Surucucu, Marari, Pali-miu, Itapara Sport Fishing, entre outros

- Autogen e reprogramação da classificação de terreno da cidade de Manaus, Boa Vista, Tabatinga, Tefé e São Gabriel da Cachoeira.

- Tráfego Aéreo Inteligente Programado.

- Aeronave BUFFALO DHC-5 FAB.

- Aeronave ERJ-145 R99-A SIVAM / FAB.







As minhas primeiras impressões como piloto virtual:

A primeira coisa que chama a atenção no cenário da Amazônia é a quantidade de detalhes acrescentados. São aldeias e vilarejos, com as suas construções típicas, barcos e vegetação característica da região à beira dos rios. Nas cidades maiores, como Manaus e Boa Vista, é genial a forma como a representação permite o aumento considerável da volumetria para criar uma ilusão da quantidade de prédios e a inclusão de pontos visuais importantes.

Voei por diversos aeroportos da região, tais como Manaus (Internacional), São Gabriel da Cachoeira (Querari), Santo Antônio do Iça (Santa Luzia), Caracarai (Ecotur Univini Park), Boa Vista (Internacional), Rorainópolis (Catrimani e Itapara Sport Fishing), Autazes (Fazenda Planura). Em alguns deles, os menores, apenas a pista de pouso está representada. Em outros, a equipe da WS incluiu alguns aspectos das redondezas, como cabanas, igrejas, aldeias indígenas ou complexos hoteleiros. O cenário inclui mesmo alguns resorts localizados no meio da floresta, com toda sua estrutura: áreas de desporto, chalés, piscinas e até heliportos. O exemplo mais flagrante da minúcia é a representação do sobrevôo do Ariaú Amazon Tower, umj complexo de 288 unidades (entre chalés, apartamentos e suítes), localizado próximo de Manaus. Pena que o cenário, neste caso, não permita perceber que as suas instalações são "banhadas" pelo Rio Negro.
Mas depois existem detalhes geniais, como no caso das pistas que ficam situadas à beira de algum rio, e onde podem ser vistos barcos à espera de passageiros ou as palafitas típicas da região. Chamou-me a atenção as texturas dos materiais usados na construção das casas. O cenário é tão magicamente real que em alguns momentos chegamos a ver pessoas nas janelas, e até mesmo um sujeito sentado na porta de um boteco, tomando uma "branquinha".
Para quem prefere outro tipo de pormenores, aviso que também se encontram representadas estruturas maiores do exército ou da aeronáutica, com as suas caixas d'água, radares e hangares. Na verdade, a zona dos aeroportos está muito bem detalhada, com destaque para os maiores, como Manaus e Boa Vista: cercas, hangares das empresas aéreas, hangares militares, tanques de combustível, estradas, prédios, torres, radares, fingers, enfim, todas as construções lá estão.




Publicado por Ana Tropicana às 11:50 PM

Urgências


sem titulo de ricardo araújo

«Reduza o consumo de água. Seja responsável!»




Com a seca do último ano, o país a necessitar de água para combater os incêndios e os níveis das barragens a descer perigosamente, os serviços de saúde pública começam enfim a preocupar-se com campanhas de sensibilização que há muito deviam estar incluídas na formação de cada um para o exercício da cidadania consciente e responsável.

Esta versa assim:




Casa de banho
Evite os banhos de imersão. Num banho de imersão gasta cerca de 75 litros de água, num duche gasta 25 litros;
Feche a torneira enquanto escova os dentes ou se barbeia. Poupará 1 a 30 litros.
Em média, gastamos 10 a 15 litros de água em cada descarga do autoclismo. Reduza o consumo colocando uma garrafa de plástico cheia de água, ou opte por um autoclismo com depósito duplo ou de baixa densidade.

Cozinha
Quando comprar electrodomésticos, opte pelos de menor consumo de água e energia.
Se lavar a loiça manualmente, evite lavá-la com a torneira aberta.
As máquinas de lavar roupa ou loiça devem trabalhar só quando estiverem cheias.

Jardim
Nunca regue o jardim nas horas de calor intenso. Se regar de manhã cedo ou à noite, poupa a água que se evapora com o calor do Sol. Se possível, faça a rega com água de poços.
Não utilize as mangueiras para lavar a rua, o passeio ou os pátios, use uma vassoura.

Lavagem da viatura
Opte por lavar com baldes de água e esponja, pois assim poupa até cerca de 500 litros de água.

Canalização
Instale um misturador de água quente e fria nas torneiras, de forma a evitar desperdício.
Não deixe as torneiras a pingar. Pode desperdiçar até 50 litros de água por dia.
Mantenha em bom estado a canalização das torneiras, autoclismos e máquinas.
Em caso de cortes de fornecimento de água, armazene só a quantidade de que vai necessitar. Se sobrar água, reutilize-a.

Reutilize a Água que puder
Depois de começar a chover, as consequências da seca vão continuar a fazer-se sentir.

Publicado por Ana Tropicana às 06:15 PM

Anormalidades

A propósito dos lixos tóxicos, leio no site Consumers Union Org um número assustador:

«In the U.S., more than 100 million cell phones are taken out of service each year. Most of these discarded phones end up in landfills, leaking toxic metals and chemicals into the ground

Pode protestar-se AQUI.

Publicado por Ana Tropicana às 05:52 PM

agosto 07, 2005

Mood

A coisa tremenda de se viver apartado da nossa gente é ficar irremediavelmente dependente de certas facilidades de comunicação que o mundo "civilizado" disponibiliza em troca de tanta incomunicabilidade reinante. Dois dias longe da internet, sem poder abrir mail e afins é entrar em processo de acelerada agonia!

Publicado por Ana Tropicana às 08:26 AM

«Mascote Lusitana»


herdade da casa branca de ana tropicana

«ESTARE PRENDIDO EN TUS DEDOS»

Fico sim! Por uma noite e mais um dia, o que fôr. A matar saudades do Alentejo e das coisas planas, simples e lineares. Onde a tranquilidade é verdadeira. Genuína. Nenhuma diferença entre a vida e o cenário montado em seu redor! Tudo certo, tudo no lugar. Tudo coincidente. Na lentidão, no vagar, na perfeição. Tudo pleno e imenso. Igual ao alentejano entorno de horizontes e horizontalidades.

Tão óbvio, o segredo. «ESTARE PRENDIDO EN TUS DEDOS». Tão humilde, o segredo: só esse equilíbrio entre verticalidade e horizontais. E ... «ESTARE PRENDIDO EN TUS DEDOS».










Fotos: Ana Tropicana com Ilustrações Oficiais





Bom muito bom ter vindo, Rapazes. Orgulhosa, eu. Muito! Tinha, sim, que vir. Eu. E sim, a canção eleita continua a ser a versão que o Chico fez para «Wrapped Around Your Fingers» do Sting e que se pode escutar AQUI.




Estare Prendido en Tus Dedos - Skank


Para ti soy un aprendiz
Preso entre cila y carbdis
Hipnotizado si vacilo
Mirando en tu dedo el anillo

Sollo vengo aquí para saber
Cosas que no me dijeron ayer
Puedo ver el destino que vendes
Banda de oro en el dedo que extiendes

ESTARE PRENDIDO EN TUS DEDOS

Mefistofeles no es tu apellido
Un poco más y lo habriá sido
Escucharé bien todo lo que dices
Verás lo que pueden los aprendices

ESTARE PRENDIDO EN TUS DEDOS

Diablo y mar profundo están detrás
Un segundo y no me encontrarás
Tornaré tu rostro en alabastro
Sabes que tu siervo es tu maestro

ESTARÁS AHORA EN MIS DEDOS

Publicado por Ana Tropicana às 04:19 AM

agosto 06, 2005

Bálsamos


prozac de ana tropicana

Existem, pois: afinidades de escrita, estéticas similares, falas gémeas. É por isso que o sangue do europeu pode calhar acordar uma bela manhã a falar Tupi sem que nenhuma mágica outra tenha sido necessária senão essa: o encontro.





Fotos: Poente na Zambujeira do Mar ou Prozac Extra-Forte [autor: Ana Tropicana]




Fica o excerto de mais uma, que eu gosto. Muito. Para escutar na íntegra AQUI.


RESPOSTA
S. Rosa - N. Reis)

Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante / Bem mais que o tempo / Que nós perdemos / Ficou pra trás também / O que nos juntou / Ainda lembro / Que eu estava lendo / Só pra saber / O que você achou / Dos versos que eu fiz/ Ainda espero / Resposta / Desfaz o vento / O que há por dentro / Desse lugar que ninguém mais pisou / Você está vendo / O que está acontecendo / Nesse caderno sei que ainda estão / Os versos seus / Tão meus / Que peço /Nos versos meus / Tão seus / Que esperem / Que os aceite / Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante / Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante.

Publicado por Ana Tropicana às 09:11 PM

Boa Fé


caparica: pontão de ana tropicana

... Amanhecer na Zambujeira do Mar e querer crer que é verdade o que me dizem: que tudo amanhece tão limpo como aqui.








Fotos: Costa da Caparica [autor: Ana Tropicana]



Caparica: Interdição de banhos levantada, micro algas tóxicas desapareceram
Fonte: LUSA | 06-08-2005 9:42:00


A Polícia Marítima levantou hoje de manhã a interdição de banhos nas praias da Costa da Caparica após o desaparecimento das micro algas tóxicas que sexta-feira levaram à proibição, informou aquela polícia.

De acordo com o porta-voz da Polícia Marítima, foi levantada a interdição de banhos entre as praias de S. João e da Rainha depois de os concessionários terem verificado que já "não há qualquer vestígio de micro algas".

Segundo o comandante Coelho Cândido, as micro algas acastanhadas terão sido afastadas pela corrente até alto mar ou começado a diluir-se dado que a sua cor indica que já estavam em processo de decomposição.

A decisão de interdição de banhos nas praias da Costa da Caparica foi tomada sexta-feira ao início da tarde depois do aparecimento de uma mancha na água, que análises laboratoriais realizadas pelo Instituto Português de Investigação Marítima (IPIMAR) provaram corresponder a micro algas com alguma toxicidade.

De acordo com informação recolhida sexta-feira, a mancha de micro algas atingiu uma extensão de quase 20 quilómetros.





Caparica: Desaconselhada ingestão bivalves da zona por risco intoxicação - DGS
Fonte: LUSA | 06-08-2005 11:26:00


A ingestão de bivalves recolhidos na zona da Costa da Caparica é desaconselhada pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), que alerta que podem conter a toxina libertada pelas algas que sexta-feira atingiram 20 quilómetros de mar.

Em declarações à agência Lusa, o sub-director geral da Saúde, José Robalo, explicou que a toxina libertada pelas algas que sexta-feira atingiram as praias da Costa da Caparica pode entrar na cadeia alimentar através dos bivalves.

Por esta razão, as autoridades estão a contactar os distribuidores de bivalves da zona para não colocarem estes moluscos no mercado.

A população também está a ser avisada para não recolher os bivalves e, principalmente, não os consumir, pois podem ingerir a toxina que a alga liberta.

A alga em questão tem a designação científica de "Lingolodinium Polyedrum" e a sua cor acastanhada que sexta- feira coloriu as águas de praias da Costa da Caparica revela que se encontrava em "estado avançado do ciclo biológico", adiantou José Robalo.

O sub-director-geral da Saúde referiu que, em contacto com a pele, a alga pode causar alergias, razão porque a interdição dos banhos foi correcta.

Os banhos entre as praias de São João e da Rainha, na Costa da Caparica, estiveram interditos desde a tarde de sexta-feira, uma proibição que a Polícia Marítima levantou hoje de manhã.





Caparica:Micro algas tóxicas devem aparecer à tarde, banhos podem ser interditos
Fonte:LUSA | 06-08-2005 13:12:00

As micro algas tóxicas, que sexta- feira apareceram em algumas praias da Costa de Caparica, poderão surgir novamente hoje à tarde, alertou a Polícia Marítima, adiantando que nesse caso voltará a interditar os banhos.

"Por acção das marés, tudo indica que durante a tarde de hoje a mancha na água volte às praias da Costa de Caparica", disse à agência Lusa o porta-voz da Polícia Marítima (PM), comandante Coelho Cândido, adiantando que "quando as micro algas tóxicas estiverem junto à zona de banhos as praias serão interditas".

O comandante Coelho Cândido referiu ainda que a Polícia Marítima está a acompanhar a situação e quando for necessário será colocada a bandeira vermelha.

Os banhos entre as praias de São João e da Rainha, na Costa de Caparica, estiveram interditos devido ao aparecimento da mancha de micro algas tóxicas desde a tarde de sexta-feira, uma proibição que a Polícia Marítima levantou hoje de manhã.

O chefe do posto da PM da Costa da Caparica, Martinho Carolino, disse à Agência Lusa que durante a manhã de hoje houve muita gente na praia, apesar de em número inferior ao do fim-de-semana passado.

Publicado por Ana Tropicana às 01:27 PM

agosto 05, 2005

Entrando de Sudoeste


noite de skank de ana tropicana

Continuo em estado de Graça com as maravilhas da tecnologia: a proporção encurtada entre os quilómetros e os minutos, que cede ao alcance de um motor mais possante... a imediatez da imagem entre o celular e a net!... Confesso-me fascinada diante da consumação de possíveis que, aparentemente, as leis da física levariam a desmentir.

Você estava longe, então / Por que voltou / Com olhos de verão / Que não vão entender? / Cada um terá razões ou arpões / Dediquei-me às suas contradições, fissões, confusões / Meu desejo, seu bom senso, raivosos feito cães / E a manhã nos proverá outros pães.

Eu cheguei a tempo de escutar ao vivo, mas pode sempre remediar-se o contratempo da ausência ouvindo AQUI. Chama-se Três Lados








Foto: Ondas de Sudoeste [autor: Ana Tropicana]



Saudades, sim. Fazia-se já demasiado distante a Primavera. Grata pela teimosia, então. Porque, sim, talvez seja verdade, sim: os laços reclamam presença. Benvindos, muito benvindos, Rapazes!


Publicado por Ana Tropicana às 09:23 PM

«Goodbye, so long, my love»


saídas de ana tropicana

Lisboa é uma cidade com cada vez menos para oferecer. Especialmente se é Agosto, se as noites são quentes e se se tem para ela mais tempo livre do que é costume. Olho-a num último relance e percebo que, hoje em dia, a única coisa a que me convida é a deixá-la para trás e atravessar urgentemente para outra margem!...

"Lamentamos, temos pena, mas é assim!"

P.S. - ... A expressão é excelente mas deixo-a aqui com a devida vénia porque paga direitos à autora.







E debaixo de uma certa impressão poética (admito!) que a travessia da Ponte 25 de Abril me causa, ocorre-me uma música dos Skank, iluminada canção feita a meio punho pelo Samuel Rosa e o Chico Amaral. Dentro do cérebro vem-me juntamente com o som dos trompetes de Paulo Márcio e Jorge Echevarria. Como naquele concerto ao entardecer. Na praça central de Ouro Preto.



É Tarde

Se você olhar um pouco ao seu redor / Vai poder notar que a noite já caiu
Se você voltar pra casa e não achar ninguém / Vai notar que na cidade falta alguém
Se você ligar o rádio / Todas as canções irão dizer: Goodbye, so long, my love
Você vai deixar na lista / Das tarefas de amanhã: chorar mais tarde
Se você perdeu agora a ilusão / De que os fatos eram fios em suas mãos
Vai querer tirar do armário o velho violão / Vai notar que ainda falta uma canção
Se você ligar o rádio / Todas elas juntas vão dizer: é tarde / E quando o sol da manhã bater na porta
E quando nada lá fora agora importa / Tudo bem, é tarde.

Pode escutar-se AQUI.

Publicado por Ana Tropicana às 08:19 PM

Virtualidades

Se é verdade que pode sim, um objecto carregar em si toda a simbólica do mal, esse objecto é para mim o telemóvel. Ou era, até há poucos segundos atrás!... Acabo de experimentar essa maravilha da técnica que permite, em tempo real real (quase!) colocar on line uma fotografia tirada com o telemóvel. Suspeito que a descoberta dessa funcionalidade é motivação suficiente para, pelo menos, um esforço de reconciliação no futuro.

Publicado por Ana Tropicana às 08:16 PM

«Águas Negras»


fim de tarde na caparica de ana tropicana

Há pouco respondi: «na Costa da Caparica, não. É preciso buscar outras águas!». E perguntaram-me porquê. E eu fiz esta estranha associação com o último filme que Walter Salles acaba de estrear no Brasil. Só não sei o que me arrepiou mais: se as imagens da ficção, se a realidade tal qual se ouve AQUI e lê ALI e ACOLI.





Foto: oficial para divulgação (autor desconhecido)



Eis a ficcção:



ÁGUAS NEGRAS
(DARK WATER, EUA, 2005)

Suspense - 14 anos - 105 min

Lançamento previsto para 12/08/2005

Realização: Walter Salles
Com: Jennifer Connelly

Dahlia Williams (Jennifer Connelly) separou-se recentemente e está a tentar começar uma vida nova, mudando-se para um novo apartamento e começando a trabalhar num novo emprego. Dahlia está decidida a pôr um ponto final na relação com o antigo marido para poder e dedicar-se à filha, Ceci (Ariel Gade), mas a separação litigiosa transforma-se numa complicada batalha pela custódia da criança. Para piorar a situação, o apartamento para o qual elas se mudaram possui barulhos misteriosos, vazamentos constantes de uma água negra e alguns factos estranhos, que dão margem à imaginação de Dahlia. Acreditando que é vítima de um assustador jogo mental, ela tenta juntar as peças do enigma e descobrir o que verdadeiramente está a acontecer.

Ficha Técnica:
Argumento: Rafael Yglesias, baseado no livro de Kôji Suzuki e no argumento de autoria de Hideo Nakata e Takashige Ichise
Produção: Doug Davison, Roy Lee e Bill Mechanic
Música: Angelo Badalamenti
Fotografia: Affonso Beato
Desenho de Produção: Thérèse DePrez
Direcção de Arte: Nicholas Lundy e Andrew M. Stearn
Guarda-roupa: Michael Wilkinson
Edição: Daniel Rezende
Efeitos Especiais: Digital Domain / Flash Film Works / The Effects Group Inc.


Site Oficial: darkwater.movies.go.com



Eis a realidade:





Foto: Invasão de microalgas tóxicas na Caparica - 05/08/2005 [autor: Ana Tropicana]



Foto: Fim de tarde na Caparica - 02/06/2005 [autor: Ana Tropicana]



Foto: A Costa da Caparica dos Anos 50 [autor: Gérard Castello Lopes]




Caparica: Mancha na água das praias deverá ter origem em micro algas
Fonte LUSA | 05-08-2005 18:02:00

O chefe do posto da Polícia Marítima da Costa da Caparica e o presidente da Junta de Freguesia suspeitam que a mancha que obrigou à interdição dos banhos em várias praias da zona poderá ser provocada por micro algas.

O responsável da Polícia Martinho Carolino defende que a mancha que já atingiu cerca de 20 quilómetros pode ter origem num imenso conjunto de micro algas, estando praticamente afastada a hipótese de poluição por hidrocarbonetos (derivados do petróleo).

"Não parece que esteja relacionada com qualquer poluição por hidrocarbonetos", disse o chefe do posto da Polícia Marítima à agência Lusa.

O polícia explicou ainda que as marés estão desde as 17:30 em praia-mar e que só ao final do dia se pode ver como a situação evolui, mas não afasta a hipótese da mancha se propagar para sul até ao limite da praia da Fonte da Telha.

Martinho Carolino admitiu também que essas partículas em suspensão que dão um tom acastanhado à água possam diluir-se ou ser arrastadas pela maré.

Também o presidente da Junta de Freguesia da Costa da Caparica, António Neves, foi informado que a mancha poderá ter sido provocada por algas.

"Fui informado pela Polícia Marítima que a mancha que se vê na água de várias praias da Costa da Caparica poderá ser provocada por micro algas em suspensão", explicou.

António Neves salientou que "não há suspeitas de a mancha seja provocada por hidrocarbonetos nem de esgotos, uma vez que não apareceram espumas nem cheiros anormais", podendo a mancha dissipar- se com a mudança das marés.

As praias, numa extensão de cerca de 20 quilómetros, estão a ser vigiadas por nadadores-salvadores, viaturas de fiscalização da Polícia Marítima e por uma lancha.

A mancha tem um aspecto acastanhado, dirige-se para sul, a caminho da praia da Fonte da Telha e já atingiu o areal. Porém, não se vê qualquer objecto estranho a boiar e no ar sente-se um cheiro forte a maresia.

António Neves disse ainda que já está previsto um plano de acção, articulado com a Protecção Civil, caso seja necessário limpar resíduos deixados no areal das praias.

A mancha, cuja origem e composição ainda não está oficialmente confirmada, levou a que a Polícia marítima proibisse os banhos em várias praias, e içasse a bandeira vermelha, mas muita gente não se mostrou preocupada e continuou a tomar banho.

Os irmãos Cátia e Jordan Brandão, de 13 e 11 anos, respectivamente, estiveram esta tarde a tomar banho na Tarquínio, situada junto ao posto da Polícia Marítima e disseram à agência Lusa não ter notado nada de anormal na água.





Caparica: Análises confirmam micro algas com toxicidade, banhos interditos
Fonte LUSA | 05-08-2005 19:05:00


Análises laboratoriais confirmaram que a mancha acastanhada que hoje atingiu praias da Costa da Caparica é provocada por micro algas com alguma toxicidade, pelo que as autoridades decidiram interditar os banhos entre S. João e a Rainha.

O comandante Coelho Cândido, porta-voz da Polícia Marítima, adiantou que a amostra de água recolhida na Costa da Caparica foi analisada pelo Instituto Português de Investigação Marinha (IPIMAR), que concluiu que a mancha é provocada pela suspensão de "micro algas com alguma toxicidade".

Face a esta informação, a autoridade marítima decidiu interditar os banhos nas praias entre São João e a Rainha enquanto a mancha persistir.

Coelho Cândido referiu que, "pela experiência acumulada relativamente aos aparecimento deste tipo de manchas de algas, as praias poderão ficar interditadas entre dois a quatro dias, dependendo da situação do mar e do vento".

Contudo, o responsável da PM considera que não pode ser feita uma estimativa exacta sobre o tempo que a mancha se vai manter na zona, podendo desaparecer antes do previsto.

Coelho Cândido disse que estas situações "normalmente desaparecem sem causar grandes transtornos", pelo que afasta uma possível contaminação das areias, tanto mais que a mancha praticamente não as atingiu.

Admitiu também que essas partículas em suspensão que dão um tom acastanhado à água possam diluir-se ou ser arrastadas pelas marés.

A mancha, que atingiu uma extensão de quase 20 quilómetros, dirige-se para sul, a caminho da praia da Fonte da Telha. Porém, não se vê qualquer objecto estranho a boiar e no ar notam-se um cheiro forte a maresia mais intenso que o habitual.

Publicado por Ana Tropicana às 07:20 PM

«Lisbon Smoke Cloud»


lisbon smoke cloud de cláudia dias

Recebi umas fotos impressionantes da Claúdia. Estranho amanhecer, o de hoje!... O ar condicionado voltou a funcionar aqui. Talvez resulte. Talvez melhore. Continuo a ter as minhas dúvidas.

Temperatura prevista: 43º em Lisboa.







Fotos: Lisbon Smoke Cloud [autor: Cláudia Dias]

Publicado por Ana Tropicana às 11:08 AM

«Onde há Fumo, há Fogo»


sem título de autor desconhecido

Salva-me um instintivo golpe de volante ao destino errado que estive prestes a dar ao rumo, quando achava que enfim me dirigia a casa. Retomo a direcção correcta. Respiro de alívio, mas a custo... Deve ser o ar pesado que vem dos incêndios que deflagraram em cerco a Lisboa, aproveitando a calada da noite, enquanto eu estava entretida com a noite bela, rente ao mar... Deve ser do fogo traiçoeiro que entretanto se pôs a consumir as tapadas de Mafra e as encostas de Sintra, e que aos poucos vem galgando perigosamente o perímetro da cidade, empurrando esta cortina de irrespiráveis névoas para a costa, na direcção onde estou... Deve ter sido isso: a vista vagamente inflamada... os pulmões repentinamente contraídos pelo ar viciado... esta ligeira falta de ar a impedir-me de oxigenar o cérebro convenientemente... Mas já passou. «Home, sweet home!». Coitados dos bombeiros que vivem sem tréguas, longe do abraço regenerador da cama!...




Assim que acordo procuro notícias frescas que expliquem porque razão toda a fumaça da madrugada não se dissipou ainda. Lisboa está envolta num manto negro de nuvens e o cheiro a queimado é demasiado forte para poder ser mero delírio ou sugestão. O sol desapareceu inexplicavelmente do horizonte, apesar dos optimistas prognósticos de céu limpo e desanuviado que o Verão e Agosto têm andado a prometer. Abro as primeiras edições on line dos jornais. Ligo a televisão. Infelizmente, os meus receios tinham fundamento. É de facto uma triste verdade, esta que faz o povo dizer do fundo da sua sabedoria de "experiência feita" que «onde há fumo, há fogo» ... Não adianta. Por mais que se queira evitar ainda não se conhece o segredo para fazer fogo sem fumo.



Vejamos, este foi o último ponto de situação feito, ontem, pelas autoridades :





Incêndios: 24 fogos sem controlo, Leiria continua distrito mais afectado

Fonte: Lusa | 04-08-2005 23:40


Vinte e quatro incêndios ardiam sem controlo em sete distritos às 23:40 de quinta-feira, com 3.286 bombeiros e 939 veículos envolvidos no combate e rescaldo das chamas, informou o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil.

O distrito de Leiria continuava a ser o mais afectado, com cinco fogos activos a mobilizarem 426 bombeiros e 122 veículos. A pior situação registava-se em Valongo, no concelho de Leiria, com 151 bombeiros e 46 viaturas envolvidas.

Os fogos naquela região levaram ao corte da A1 entre Condeixa e Leiria, desde as 21:00 de quinta-feira, e a Câmara de Leiria preparou vários pavilhões com a ajuda do Exército para receber desalojados.

No distrito de Aveiro 389 bombeiros e 110 viaturas ocupavam-se de cinco, o pior dos quais em Janarde, concelho de Arouca.

Outros cinco incêndios lavravam no distrito de Viseu, o pior dos quais em Antas, Penalva do Castelo, combatido por 112 bombeiros e 28 veículos.

Os restantes fogos nos concelhos de São Pedro do Sul, Castro D+Aire, Tondela e Mangualde davam trabalho a 359 bombeiros e 91 viaturas.

No distrito de Coimbra, um fogo em Espinho, concelho de Miranda do Corvo, mobilizava 110 bombeiros e 27 viaturas, enquanto outros incêndios nos concelhos de Cantanhede e Mira ocupavam mais 106 bombeiros e 29 veículos.

O incêndio em Lugar de São João, concelho de Amarante, era a situação mais complicada no distrito do Porto, com 75 bombeiros e 19 viaturas, mas dois outros fogos em Pinheiral e Portela do Monte ocupavam ainda 58 bombeiros e 14 veículos.

No distrito de Santarém, incêndios em Casais Robustos e Portela de Nexebra mobilizavam 176 bombeiros e 53 viaturas.

Em Mafra, distrito de Lisboa, lavrava um incêndio no Murtal, combatido por 35 bombeiros e 10 viaturas.

No balanço de quinta-feira não há danos pessoais a registar, mas arderam três habitações, duas fábricas e um palheiro agrícola.

Além de bombeiros, às 23:40 de quinta-feira estavam 11 pelotões militares no terreno empenhados em acções de vigilância.





E este foi o primeiro ponto de situação de hoje, para actualizar os acontecimentos nocturnos de que já há algum conhecimento:





Incêndios: 21 fogos por controlar, A1 continua cortada em Aveiro às 8:30 - SNBPC
Fonte LUSA | 05-08-2005 8:47:00

Vinte e um incêndios estavam às 08:30 por controlar em nove distritos de Portugal continental, tendo um deles cortado a Auto-Estrada do Norte entre Aveiro-Sul e Albergaria, segundo os bombeiros e a Brigada de Trânsito da GNR.

No balanço feito pelo Serviço Nacional de Bombeiros e protecção Civil (SNBPC) às 08:30, sete incêndios lavravam no distrito de Aveiro e apenas um estava circunscrito, o de Travesso, em Águeda.

Por circunscrever estavam os fogos que deflagraram em Arões, concelho de Vale de Câmara, Janarde, concelho de Arouca, Oussela, concelho de Oliveira de Azeméis, Calvão, concelho de Vagos, Oliveirinha, concelho de Aveiro e Travanca, concelho de Oliveira de Azeméis.

No distrito de Aveiro o incêndio que mais meios mobilizava era o de Arões, em Vale de Câmara, com 118 bombeiros e 31 veículos.

Os incêndios de Aveiro levaram à activação do Centro Distrital de Operações de Emergência e Protecção Civil e ao corte da auto- estrada do Norte (A1) entre Aveiro-Sul e Albergaria, desde as 06:30.

No distrito de Braga, continua por circunscrever o fogo em Quinchães, concelho de Fafe, enquanto o de Rio Caldo, concelho de Terras de Bouro, já foi dominado.

Menos preocupante é a situação no distrito de Coimbra, onde às 07:30, o fogo que lavrava em Granja, no concelho de Cantanhede, já estava em fase de rescaldo, tal como o de Espinho, no concelho de Miranda do Corvo.

Também neste distrito, foi dado como circunscrito o fogo que tinha eclodido em Duna Mira, concelho de Mira.

O distrito de Leiria, onde também foi activado o Centro Distrital de Operações de Emergência de Protecção Civil, era o que mais meios mobilizava e onde, às 8:30, lavravam sete incêndios, sendo que quatro estavam por controlar.

O fogo em Valongo, concelho de Leiria era o que tinha mais bombeiros envolvidos no combate às chamas em todo o território, 415, apoiados por 127 veículos.

Também por circunscrever no distrito de Leiria estavam os incêndios em Almagreira e Carnide, no concelho de Pombal, e Biodeira, no concelho de Leiria.

Apesar de circunscrito, o incêndio em Penedo, concelho e distrito de Leiria, mobilizava às 08:30 202 bombeiros.

Os incêndios de Famalicão, concelho de Leiria, e de Tornada, concelho de Caldas da Rainha, entraram em rescaldo.

No distrito de Lisboa, o incêndio que deflagrou no Murtal, concelho de Mafra, foi extinto, permanecendo por circunscrever o de Mata Grande, no mesmo concelho.

No distrito do Porto continuava por circunscrever o fogo em Pinheiral, concelho de Marco de Canavezes, enquanto o de Lugar de S.João, concelho de Amarante, entrou em fase de rescaldo.

Com o Plano Municipal de Emergência Activado em Alcanena, o distrito de Santarém tem um fogo por controlar, em Resouro, concelho de Ourém, onde estavam 150 bombeiros, apoiados por 43 veículos.

Já circunscrito está o Casais Robustos, concelho de Alcanena, se bem que mobilizasse às 8:30 222 bombeiros, apoiados por 63 veículos, e No distrito de Viana do Castelo estava por circunscrever o fogo em Estorãos, concelho de Ponte de Lima.

No distrito de Vila Real, outro fogo estava por dominar às 08:30 em Tomba Burros, concelho de Mesão Frio.

No distrito de Viseu lavravam quatro incêndios por controlar, em Amial e Alto Fareginha, ambos no concelho de Castro Daire, Antas, concelho de Penalva do Castelo, e em Oliveira do Douro, concelho de Cinfães.

O Instituto de Meteorologia prevê para hoje uma subida da temperatura máxima, com algumas zonas a registarem mais de 40 graus.

Nove distritos estão hoje risco máximo de incêndio e sete em risco muito elevado.

Publicado por Ana Tropicana às 08:57 AM

«Heat - Cidade Sob Pressão»


curva marginal de ana tropicana

Um calor infernal neste país tão impreparado para todas as coisas quentes!... Portugal não sobrevive a 43º graus!...















Fotos: Curva Marginal [autor: Ana Tropicana]



Sobrevivemos até agora com o ar condicionado avariado. Hoje lembraram-se de nos virar a vida do avesso para o consertar. Graças a Deus! Não tanto por nos pouparem a um Agosto sob o efeito de estufa, mas porque tiveram que «desmobilizar esta célula»: o pé direito superior a 5 metros e os andaimes gigantes que montaram precisam de espaço para se poderem deslocar de um lado para o outro: «inutilizado o posto de trabalho» é preferível «desmobilizar». Seja! Lembro-me que continuo com o fecho das portadas da sala avariado. A urgência do Inverno e a falta de tempo, obrigaram a uma solução de recurso que me impedisse de levantar vôo, por cima dos telhados de Lisboa, com a força das ventanias. Inconveniente: agora para abrir o "remedeio" nem à martelada e continuo sem tempo para chamar um "especialista" que as arranje de vez e como deve ser. Resultado prático: começar a asfixiar dentro de casa, mais cedo que o habitual. Solução: continuar na rua. Consequência: uma noite divina de Verão, o sol a pôr-se em brasa por cima do mar, o cheiro a maresia, um jantar "apessoado" de caprichosas iguarias, a chama fraca das velas a bambolear à lua e à brisa de sal doce, as pessoas por surpresa, a vida - ela própria - a reafirmar (em caso de alguma dúvida persistir) o quão surpreendente sabe e pode ser. Bom, muito bom, o serão de divina e inspirada tertúlia no deck sobranceiro ao areal imenso.

Há sim: ... males que vêm por bem! ... Coisas que correm pior para nos podermos dar à oportunidade daquelas que têm, na verdade, tudo e mais alguma coisa, para serem melhores ainda.

Publicado por Ana Tropicana às 05:08 AM

agosto 04, 2005

"Dejá Vù"

Recebi um email que vale a pena ler, com a sugestiva especificação de "Assunto": «Finalmente, Portugal em movimento!!»




Assunto: Recandidatura de Mário Soares

Animado pelo anúncio da recandidatura de Mário Soares à Presidência da República, o nosso querido Eusébio já confirmou o seu regresso à Selecção.
Por seu turno, António Calvário começou a ensaiar o tema que vai levar ao Festival da Eurovisão de 2006.
No caso de Rosa Mota, a atleta portuense reconheceu não ter tempo para se preparar devidamente para os Jogos Olímpicos, a disputar na Alemanha, em 2008, pelo que resolveu adiar o seu regresso para os Jogos de Paris, em 2012, onde participará na Maratona e nos 10.000 metros.
Fala-se, também, da ressurreição de Oliveira Salazar, Cerejeira e Américo Tomáz.
Portugueses, estejam atentos!

Finalmente, Portugal em movimento!!

Publicado por Ana Tropicana às 02:44 PM

agosto 03, 2005

Diplomacias

Leio AQUI: «Ministro da Casa Civil do Brasil discute investimentos em Portugal»

Publicado por Ana Tropicana às 06:25 PM

Do Jornal ao Blog

Hoje dei, finalmente, um salto aos blogs que os jornalistas dos dois diários que a imprensa portuguesa perdeu (a última edição foi no passado Sábado e 2ª Feira a versão on line até já tinha sido retirada!), estão a utilizar.

ESTE é o de A Capital e ESTE o de O Comércio do Porto.




Sindicato dos Jornalistas propõe solução cooperativa para jornais A Capital e O Comércio do Porto
Fonte: Meios & Publicidade | autor: SP | 3-8-2005


Apesar da proposta da LP Brothers para adquirir A Capital, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) apresentou já uma solução para viabilizar a manutenção dos dois títulos da Prensa Ibérica em Portugal. A proposta do SJ passa pela criação de uma cooperativa, estando ainda por definir se se trataria de «uma cooperativa de produção constituída exclusivamente pelos trabalhadores, ou uma de carácter misto, onde entre um conjunto de cooperativas e outras organizações de carácter social», avançou à Lusa Alfredo Maia, presidente do SJ. Salientando o facto de esta ser uma solução inédita na comunicação social portuguesa, na qual se «opõe a lógica da economia social à capitalista, que falhou a sua missão», Alfredo Maia acredita na viabilidade desta solução, para a qual garante já ter o apoio de várias cooperativas portuguesas de diversos sectores. Esta solução foi apresentada pelo SJ durante os plenários de 1 de Agosto realizados nos dois títulos, tendo ambas as redacções pedido esclarecimentos técnicos sobre a matéria. Durante esta semana estão agendados novos plenários nas duas redacções, com a presença de Alfredo Maia e de especialistas do movimento cooperativo. Entretanto, os jornalistas dos dois títulos estão a utilizar os blogs http://ocomerciodoporto.blogspot.com e http://acapital.blogspot.com para trocarem mensagens em tom de desabafo entre si e com os leitores. SP


Há falta de notícias, parece que "silly season" se tornou a época do ano reservada à "Dança das Cadeiras".
As movimentações já sairam dos bastidores e das mesas de restaurante.



Controlinveste muda direcção do Diário de Notícias
Fonte: Meios & Publicidade | autor: CBF | 3-8-2005


Miguel Coutinho não vai fazer parte da nova direcção do Diário de Notícias (DN), título que assumiu no final do ano passado. Ao que o M&P apurou, o ainda director deste diário da Lusomundo não apresentou, nem vai apresentar, a demissão mas, de acordo com uma notícia avançada ontem à tarde pela edição online do Jornal de Negócios, Joaquim Oliveira, dono da Controlinveste, já o avisou de que não conta com ele. Ao final da tarde de ontem, António José Teixeira, subdirector do Jornal de Notícias, era o nome mais apontado para a direcção do DN. João Marcelino, director do Correio da Manhã, também era dado como quase certo na Lusomundo, mas eventualmente para a direcção do Jornal de Notícias. Até à hora de fecho desta edição online não foi possível falar com nenhum dos dois, que estarão de férias. Fonte da administração da Lusomundo Media adiantou que nenhum director será substituído enquanto não se concretizar a venda do grupo. No entanto, esta depende apenas do parecer positivo da Autoridade da Concorrência, que deve ser conhecido já na sexta-feira, dia 5. Por esse motivo, também a comissão executiva da Lusomundo Media se prepara para passar a pasta à administração escolhida por Joaquim Oliveira. Luís Delgado, Mário Bettencourt Resendes e Miguel Moreno são alguns dos responsáveis que não farão parte da nova estrutura da empresa.

Publicado por Ana Tropicana às 04:51 PM

agosto 02, 2005

Score

Sei que hoje, em pleno serão, está a acontecer o 1º round de um mediático combate: Jefferson vs Dirceu.

Alguém, por favor, me traz notícia do resultado?

Publicado por Ana Tropicana às 11:28 PM

Turbulências


ciclo(nico) de autor desconhecido

Não, não é só impressão minha. Na realidade tempestades e furacões intensificaram-se, durante os últimos 30 anos!

Neste artigo da edição de Agosto da CS Monitor, Peter Spotts explica porquê.




As planet warms, storms grow stronger
By Peter N. Spotts | Staff writer of The Christian Science Monitor
from the August 01, 2005 edition

Scientists see evidence that hurricanes and typhoons have intensified. Are new responses needed?

For years, hurricanes and typhoons have served as poster children for the hazards of global warming.
When simulated tropical storms churn inside the silicon universe of researchers' computers, such cyclones grow in power, and sometimes in number as well, as tropical temperatures increase. But when researchers have looked for global warming's fingerprints on real tropical cyclones, the evidence often has been inconclusive.

Now, one of the top researchers in the field reports that worldwide, these storms are nearly twice as powerful today as they were 30 years ago. Global warming has intensified the trend, exerting an influence stronger than he would have believed even a few months ago, he says.

"I'd been thinking of a very modest response" of tropical cyclones to climate change, "and what we're seeing is not so modest," says Kerry Emanuel, a professor of atmospheric science at the Massachusetts Institute of Technology in Cambridge, Mass.

The upshot: The 21st century could be a rough one for people who settle in hurricane or typhoon-prone areas.

As a result, more communities should be drawing on the experience of states such as Florida in devising building and zoning codes that can reduce damage and fatalities, analysts say. For people who insist on building on vulnerable barrier islands or along fragile coasts, insurance companies should be given a freer hand in deciding who they will cover and what they will charge for hurricane insurance, researchers and policy analysts say.

Strong start to hurricane season

Dr. Emanuel's results are appearing at a time when residents along the US Gulf Coast and throughout the Caribbean are still recovering from what forecasters are calling the most active start to the hurricane season on record. Since June 1, six storms grew strong enough to merit names - from Arlene to Cindy to Franklin. Three became hurricanes. Two reached a potent category four out of five. According to forecasters at the National Hurricane Center in Miami, hurricane Dennis, which reached category four on July 7, ranks as the earliest Caribbean storm on record to reach that strength.

Some researchers argue that in practical terms, the allure to live near the sea will do far more to boost society's risk from such storms over the next several decades than any effect global warming could have on the storms themselves.

Until he concluded this study, Emanuel says he was among that group. Now, he says, global warming's impact on the storms may play a bigger a role than previously believed in putting societies at risk, particularly in less-developed countries. Dr. Emanuel's research, published Sunday on the journal Nature's website, adds a fresh perspective to the discussion about the effects of global warming on tropical cyclones, says Kevin Trenberth, a senior scientist at the National Center for Atmospheric Research in Boulder, Colo.

Early on, concerns about the future of these storms arose based on computer forecasts and basic theory. "Given the information we had at the time, the results were overhyped a bit," Dr. Trenberth acknowledges. He notes that the study doesn't have much comment on the effects of storm surges and torrential rainfall that accompany land-falling hurricanes - factors far more destructive than winds.

Still, Emanuel's approach "adds a new element," says Trenberth. It shows a strong real-world correlation between the oceans' current warming trend - which scientists have linked to the heating- trapping effect of industrial carbon dioxide and other "greenhouse gases" - and the increasing power of tropical cyclones.

Global warming vs. natural cycle

Other researchers have noted that this is more likely a natural period of intense activity for Atlantic hurricanes. For example, William Gray, a specialist in tropical meteorology at Colorado State University who pioneered seasonal hurricane forecasts, notes that the region goes through swings in activity that can span decades. He and his colleagues have noted that the US and its southern neighbors have faced above-average hurricane seasons for the past decade and is likely to do so for some time to come.

Emanuel acknowledges that such cycles are important. Depending on the region under scrutiny, the impact of natural cycles such as El Niño, or the multidecade cycles Dr. Gray observes, can swamp any global-warming signal the storms may carry. But viewed worldwide, the signal starts to appear.

His latest finding, he says, grew out of attempts to answer a broader question: Do hurricanes help drive large-scale ocean currents? These currents carry tropical waters toward the poles, bringing warmth to middle and high latitudes.

Measuring a typhoon's punch

Initial calculations suggested that hurricane activity could account for up to half or more of the driving force behind these currents. If so, a significant long-term rise in tropical cyclones could push warmer water toward higher latitudes. This could lead to warmer average temperatures at middle and high latitudes than climate models currently project.

To answer the question, however, Emanuel needed to gauge a hurricane's or typhoon's punch. So he built a measure based on sustained wind speeds over the life of each storm and on each storm's duration. Combined, they reflect a storm's total power output. Since the mid-70s, storm power fluctuated with well-known natural cycles. But through this natural "noise," global warming's signal emerged as an increase in strength that tracked rising temperatures in the tropical oceans' surface waters.

The work certainly will not be the last word on the subject. Some researchers are already raising questions about Emanuel's approach.

In one sense, however, there is broad agreement, notes Roger Pielky Jr., director of the Center for Science and Technology Policy Research at the University of Colorado at Boulder. Whether scientists attribute the increased tropical cyclone intensity to global warming or natural cycles, the trend is likely to hold for at least a decade.

Looking at the costs to society from these storms, for every dollar in damage from tropical cyclones the Intergovernmental Panel on Climate Change anticipates by 2050, the IPCC's demographic numbers suggest that societal changes will add another $22 to $60 in impact. "If you're a planner, you're saying: We'd better get ready," Dr. Pielke observes.


Publicado por Ana Tropicana às 04:07 PM

Molares e Caninos

A escassez de medicamentos nos entranhados da mata obriga à descoberta de outos processos e remédios. Aí, aprende-se que toda a dor cede, debaixo de uma pressão mais firme sobre um determinado ponto da carne, directamente associado à rede de nervos daquilo que magoa. E ainda que alguma moínha subsista, descobre-se que (à parte do mau bocado passado) por mais lancinante que seja a dor, é garantido: não chega para se morrer dela.

Publicado por Ana Tropicana às 03:36 AM

agosto 01, 2005

Moradas


uma nesga de azul de ana tropicana

Em bom rigor, é tudo uma questão de oferecer às pálpebras resistência suficiente, até se perceber que a felicidade nunca se afasta demasiado: limita-se a mudar para uma casa duas portas mais ao lado.

Publicado por Ana Tropicana às 09:04 AM

Mood

Confesso um certo alívio com a perpectiva de um Agosto sem obrigação de produzir. Sabe-me bem não precisar de ter a preocupação de acompanhar o compasso do mundo a cada segundo. Até em sonhos.

Publicado por Ana Tropicana às 08:25 AM

Estreia

Levantou-se um sopro de vento constante e insistente que produz um som agradável no restolhar dos ramos e copas do jardim. Daqui a pouco é o primeiro dia do resto de "qualquer coisa" nova. Há pouco tempo para saborear o primeiro café da manhã, mas, mesmo assim, sei que não me apetece começar nem o dia, nem a semana, a engolir. Vou sair e levar a máquina fotográfica comigo, pelo sim, pelo não.

Publicado por Ana Tropicana às 08:17 AM