« Virtualidades | Entrada | Entrando de Sudoeste »

agosto 05, 2005

«Goodbye, so long, my love»


saídas de ana tropicana

Lisboa é uma cidade com cada vez menos para oferecer. Especialmente se é Agosto, se as noites são quentes e se se tem para ela mais tempo livre do que é costume. Olho-a num último relance e percebo que, hoje em dia, a única coisa a que me convida é a deixá-la para trás e atravessar urgentemente para outra margem!...

"Lamentamos, temos pena, mas é assim!"

P.S. - ... A expressão é excelente mas deixo-a aqui com a devida vénia porque paga direitos à autora.







E debaixo de uma certa impressão poética (admito!) que a travessia da Ponte 25 de Abril me causa, ocorre-me uma música dos Skank, iluminada canção feita a meio punho pelo Samuel Rosa e o Chico Amaral. Dentro do cérebro vem-me juntamente com o som dos trompetes de Paulo Márcio e Jorge Echevarria. Como naquele concerto ao entardecer. Na praça central de Ouro Preto.



É Tarde

Se você olhar um pouco ao seu redor / Vai poder notar que a noite já caiu
Se você voltar pra casa e não achar ninguém / Vai notar que na cidade falta alguém
Se você ligar o rádio / Todas as canções irão dizer: Goodbye, so long, my love
Você vai deixar na lista / Das tarefas de amanhã: chorar mais tarde
Se você perdeu agora a ilusão / De que os fatos eram fios em suas mãos
Vai querer tirar do armário o velho violão / Vai notar que ainda falta uma canção
Se você ligar o rádio / Todas elas juntas vão dizer: é tarde / E quando o sol da manhã bater na porta
E quando nada lá fora agora importa / Tudo bem, é tarde.

Pode escutar-se AQUI.

Publicado por Ana Tropicana às agosto 5, 2005 08:19 PM