« «Heat - Cidade Sob Pressão» | Entrada | «Lisbon Smoke Cloud» »

agosto 05, 2005

«Onde há Fumo, há Fogo»


sem título de autor desconhecido

Salva-me um instintivo golpe de volante ao destino errado que estive prestes a dar ao rumo, quando achava que enfim me dirigia a casa. Retomo a direcção correcta. Respiro de alívio, mas a custo... Deve ser o ar pesado que vem dos incêndios que deflagraram em cerco a Lisboa, aproveitando a calada da noite, enquanto eu estava entretida com a noite bela, rente ao mar... Deve ser do fogo traiçoeiro que entretanto se pôs a consumir as tapadas de Mafra e as encostas de Sintra, e que aos poucos vem galgando perigosamente o perímetro da cidade, empurrando esta cortina de irrespiráveis névoas para a costa, na direcção onde estou... Deve ter sido isso: a vista vagamente inflamada... os pulmões repentinamente contraídos pelo ar viciado... esta ligeira falta de ar a impedir-me de oxigenar o cérebro convenientemente... Mas já passou. «Home, sweet home!». Coitados dos bombeiros que vivem sem tréguas, longe do abraço regenerador da cama!...




Assim que acordo procuro notícias frescas que expliquem porque razão toda a fumaça da madrugada não se dissipou ainda. Lisboa está envolta num manto negro de nuvens e o cheiro a queimado é demasiado forte para poder ser mero delírio ou sugestão. O sol desapareceu inexplicavelmente do horizonte, apesar dos optimistas prognósticos de céu limpo e desanuviado que o Verão e Agosto têm andado a prometer. Abro as primeiras edições on line dos jornais. Ligo a televisão. Infelizmente, os meus receios tinham fundamento. É de facto uma triste verdade, esta que faz o povo dizer do fundo da sua sabedoria de "experiência feita" que «onde há fumo, há fogo» ... Não adianta. Por mais que se queira evitar ainda não se conhece o segredo para fazer fogo sem fumo.



Vejamos, este foi o último ponto de situação feito, ontem, pelas autoridades :





Incêndios: 24 fogos sem controlo, Leiria continua distrito mais afectado

Fonte: Lusa | 04-08-2005 23:40


Vinte e quatro incêndios ardiam sem controlo em sete distritos às 23:40 de quinta-feira, com 3.286 bombeiros e 939 veículos envolvidos no combate e rescaldo das chamas, informou o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil.

O distrito de Leiria continuava a ser o mais afectado, com cinco fogos activos a mobilizarem 426 bombeiros e 122 veículos. A pior situação registava-se em Valongo, no concelho de Leiria, com 151 bombeiros e 46 viaturas envolvidas.

Os fogos naquela região levaram ao corte da A1 entre Condeixa e Leiria, desde as 21:00 de quinta-feira, e a Câmara de Leiria preparou vários pavilhões com a ajuda do Exército para receber desalojados.

No distrito de Aveiro 389 bombeiros e 110 viaturas ocupavam-se de cinco, o pior dos quais em Janarde, concelho de Arouca.

Outros cinco incêndios lavravam no distrito de Viseu, o pior dos quais em Antas, Penalva do Castelo, combatido por 112 bombeiros e 28 veículos.

Os restantes fogos nos concelhos de São Pedro do Sul, Castro D+Aire, Tondela e Mangualde davam trabalho a 359 bombeiros e 91 viaturas.

No distrito de Coimbra, um fogo em Espinho, concelho de Miranda do Corvo, mobilizava 110 bombeiros e 27 viaturas, enquanto outros incêndios nos concelhos de Cantanhede e Mira ocupavam mais 106 bombeiros e 29 veículos.

O incêndio em Lugar de São João, concelho de Amarante, era a situação mais complicada no distrito do Porto, com 75 bombeiros e 19 viaturas, mas dois outros fogos em Pinheiral e Portela do Monte ocupavam ainda 58 bombeiros e 14 veículos.

No distrito de Santarém, incêndios em Casais Robustos e Portela de Nexebra mobilizavam 176 bombeiros e 53 viaturas.

Em Mafra, distrito de Lisboa, lavrava um incêndio no Murtal, combatido por 35 bombeiros e 10 viaturas.

No balanço de quinta-feira não há danos pessoais a registar, mas arderam três habitações, duas fábricas e um palheiro agrícola.

Além de bombeiros, às 23:40 de quinta-feira estavam 11 pelotões militares no terreno empenhados em acções de vigilância.





E este foi o primeiro ponto de situação de hoje, para actualizar os acontecimentos nocturnos de que já há algum conhecimento:





Incêndios: 21 fogos por controlar, A1 continua cortada em Aveiro às 8:30 - SNBPC
Fonte LUSA | 05-08-2005 8:47:00

Vinte e um incêndios estavam às 08:30 por controlar em nove distritos de Portugal continental, tendo um deles cortado a Auto-Estrada do Norte entre Aveiro-Sul e Albergaria, segundo os bombeiros e a Brigada de Trânsito da GNR.

No balanço feito pelo Serviço Nacional de Bombeiros e protecção Civil (SNBPC) às 08:30, sete incêndios lavravam no distrito de Aveiro e apenas um estava circunscrito, o de Travesso, em Águeda.

Por circunscrever estavam os fogos que deflagraram em Arões, concelho de Vale de Câmara, Janarde, concelho de Arouca, Oussela, concelho de Oliveira de Azeméis, Calvão, concelho de Vagos, Oliveirinha, concelho de Aveiro e Travanca, concelho de Oliveira de Azeméis.

No distrito de Aveiro o incêndio que mais meios mobilizava era o de Arões, em Vale de Câmara, com 118 bombeiros e 31 veículos.

Os incêndios de Aveiro levaram à activação do Centro Distrital de Operações de Emergência e Protecção Civil e ao corte da auto- estrada do Norte (A1) entre Aveiro-Sul e Albergaria, desde as 06:30.

No distrito de Braga, continua por circunscrever o fogo em Quinchães, concelho de Fafe, enquanto o de Rio Caldo, concelho de Terras de Bouro, já foi dominado.

Menos preocupante é a situação no distrito de Coimbra, onde às 07:30, o fogo que lavrava em Granja, no concelho de Cantanhede, já estava em fase de rescaldo, tal como o de Espinho, no concelho de Miranda do Corvo.

Também neste distrito, foi dado como circunscrito o fogo que tinha eclodido em Duna Mira, concelho de Mira.

O distrito de Leiria, onde também foi activado o Centro Distrital de Operações de Emergência de Protecção Civil, era o que mais meios mobilizava e onde, às 8:30, lavravam sete incêndios, sendo que quatro estavam por controlar.

O fogo em Valongo, concelho de Leiria era o que tinha mais bombeiros envolvidos no combate às chamas em todo o território, 415, apoiados por 127 veículos.

Também por circunscrever no distrito de Leiria estavam os incêndios em Almagreira e Carnide, no concelho de Pombal, e Biodeira, no concelho de Leiria.

Apesar de circunscrito, o incêndio em Penedo, concelho e distrito de Leiria, mobilizava às 08:30 202 bombeiros.

Os incêndios de Famalicão, concelho de Leiria, e de Tornada, concelho de Caldas da Rainha, entraram em rescaldo.

No distrito de Lisboa, o incêndio que deflagrou no Murtal, concelho de Mafra, foi extinto, permanecendo por circunscrever o de Mata Grande, no mesmo concelho.

No distrito do Porto continuava por circunscrever o fogo em Pinheiral, concelho de Marco de Canavezes, enquanto o de Lugar de S.João, concelho de Amarante, entrou em fase de rescaldo.

Com o Plano Municipal de Emergência Activado em Alcanena, o distrito de Santarém tem um fogo por controlar, em Resouro, concelho de Ourém, onde estavam 150 bombeiros, apoiados por 43 veículos.

Já circunscrito está o Casais Robustos, concelho de Alcanena, se bem que mobilizasse às 8:30 222 bombeiros, apoiados por 63 veículos, e No distrito de Viana do Castelo estava por circunscrever o fogo em Estorãos, concelho de Ponte de Lima.

No distrito de Vila Real, outro fogo estava por dominar às 08:30 em Tomba Burros, concelho de Mesão Frio.

No distrito de Viseu lavravam quatro incêndios por controlar, em Amial e Alto Fareginha, ambos no concelho de Castro Daire, Antas, concelho de Penalva do Castelo, e em Oliveira do Douro, concelho de Cinfães.

O Instituto de Meteorologia prevê para hoje uma subida da temperatura máxima, com algumas zonas a registarem mais de 40 graus.

Nove distritos estão hoje risco máximo de incêndio e sete em risco muito elevado.

Publicado por Ana Tropicana às agosto 5, 2005 08:57 AM