« Boa Fé | Entrada | «Mascote Lusitana» »

agosto 06, 2005

Bálsamos


prozac de ana tropicana

Existem, pois: afinidades de escrita, estéticas similares, falas gémeas. É por isso que o sangue do europeu pode calhar acordar uma bela manhã a falar Tupi sem que nenhuma mágica outra tenha sido necessária senão essa: o encontro.





Fotos: Poente na Zambujeira do Mar ou Prozac Extra-Forte [autor: Ana Tropicana]




Fica o excerto de mais uma, que eu gosto. Muito. Para escutar na íntegra AQUI.


RESPOSTA
S. Rosa - N. Reis)

Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante / Bem mais que o tempo / Que nós perdemos / Ficou pra trás também / O que nos juntou / Ainda lembro / Que eu estava lendo / Só pra saber / O que você achou / Dos versos que eu fiz/ Ainda espero / Resposta / Desfaz o vento / O que há por dentro / Desse lugar que ninguém mais pisou / Você está vendo / O que está acontecendo / Nesse caderno sei que ainda estão / Os versos seus / Tão meus / Que peço /Nos versos meus / Tão seus / Que esperem / Que os aceite / Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante / Em paz / Eu digo que eu sou / O antigo do que vai adiante / Sem mais / Eu fico onde estou / Prefiro continuar distante.

Publicado por Ana Tropicana às agosto 6, 2005 09:11 PM