janeiro 20, 2005

criptogonia

Um cinzento que escurece a alma. Vem denso como bruma ou medo.
E envaidece o sofrimento. Mascara-se de azul. Tem asas de mel.
Sentimento de si exponenciado. Tortura da intimidade. Feroz acidez.

De súbito um sorriso que não se pode descodificar.
Ou uma lágrima sem fundo. Um olhar apenas límpido.

Volta a serenidade ao pedestal. Ainda que o abalo a ameace.

Publicado por daniel veiga em 10:25 PM | Comentários (0)