novembro 06, 2003

Corta-fogo

Volto a escrever depois de longa ausência simplesmente porque a maré estava baixa e não me ocorreu nada.
Pode ser que agora ocorra.

Lembrei-me do Sevinate Pinto e os Bombeiros.

Vem o homem debitar uma evidência que nem os próprios contestam: os bombeiros não têm formação específica para apagar fogos.
Isto deveria ser uma boa oportunidade para os bombeiros reivindicarem mais meios e mais formação.
Poderia servir para esclarecer o que aconteceu no auge do inferno de Verão, em que dos supostos 35.000 bombeiros voluntários apenas 5 ou 7 mil andavam activos, porque os outros já tinham excedido o limite de faltas ao emprego que a legislação prevê.
Poderia ter vindo o Serviço de Protecção Civil esclarecer que tipo de coordenação fez, que tipo de prioridades estabeleceu, porque é que decidiu defender casas em vez de mandar os bombeiros atacar nas matas.
Poderiam vir os Bombeiros dizer se a coordenação foi bem ou mal feita.

Nada.

Vieram os bombeiros dizer que o ministro se devia demitir e devia ir dar aulas de formação aos bombeiros.

Tirada inteligente de retórica parlamentar.

E do resto? Não têm nada a dizer? Basta chamar nomes ao ministro?
O mundo é mesmo feito de aparências? Ninguém responde às perguntas concretas, às provocações directas?
Temos o património nacional nas mãos de homens (?) de gelatina?

Pior do que os incêndios é teimarmos em ser burros e não aprender nada com eles.
Para a próxima vai ser pior.
Se ainda houver combustível.

Publicado por sergio em novembro 6, 2003 12:58 PM
Comentários