quarta-feira, abr 26

malandro
EM Ópera do Malandro

Young & old (GREGOR SAMSA) (mp3)

In, 55:12 (2006)
Gregor Samsa

Young & old

Falava um dia destes com um amigo sobre a nossa sensibilidade, enquanto gajos, essa que nos levou a experimentar os envolvimentos no masculino, Este meu amigo tem um irmão com 17 anos, e diz ele que acha perfeitamente natural que o irmão, que nesta fase está na descoberta do amor e do sexo, com a namorada, pense mais tarde em experimentar as coisas que ele também experimentou, nomedamente no campo das relações homosexuais. Este meu amigo, embora não seja de artes, tem uma sensibilidade e uma cultura artistica acima da média, e também isso me levou a sentir por ele sentimentos que vão muito além da amizade entre dois gajos, (Ele é um gajo que tão depressa fala apaixonadamente sobre o palácio de Neuchwanstein, como sobre a última intrepretação da Maria Callas). Não sei se a sensibilidade às artes é uma coisa inata, mas estou convencido que os gajos que a tem, são muito mais abertos a novas experiência, A proximidade com as artes traz-nos muito mais à flor da pele sensibilidades que talvez não estejam na base da pirâmide, A música, a arquitectura, o cinema, o design, trazem à tona as razões estéticas, muito mais do que as razões puramente convencionadas.
Numa conversa com um gajo muito mais velho e mais vivido do que eu, em tempos idos, ele dizia-me que preferia os gajos primários, porque eram menos complicados e não intelectualizavam as relações, por outro lado dizia que não se inibia de fazer apreciações sobre este ou aquele gajo era giro ou não, e que se justificava sempre como sendo um esteta... Mas não é uma desculpa, talvez esteja mesmo no nosso ADN, ou talvez seja antes moldável, Eu sou apologista de que tudo se aprende: desenhar, cozinhar, compor, gostar de gajos, Todos poderemos ser um grandes compositores, embora a notabilidade fique só para alguns, Do mesmo modo todos nós nos poderemos apaixonar por um gajo (eu achava até há muito pouco tempo que não).

 
Comentários

já agora, não acho piada a Maria Callas e nem sequer sabia de que castelo falavas (tive que fazer uma pesquisa no google) e isso faz de mim uma pessoa menos sensível às artes? talvez para ti. para mim não.

parece-me que, como tudo na vida, a sensibilidade é relativa.

Comentário de: p.orce às abril 29, 2006 09:49 PM

Antes de mais, gosto da musica e do Gregor Samsa (curioso ser o nome da personagem da Metaformose). Boas escolhas...

Relativamente ao conceito de sensibilidade concordo com o sig_seg e o jornadas. Acho que apresentas uma visão redutora da sensibilidade, limitada àquilo que neste momento parece ser aquilo que sentes. A sensibilidade não existe pelas artes, mas pela maneira de sentir ou de se emocionar com algo...

Comentário de: p.orce às abril 29, 2006 09:46 PM

Não podia estar mais em desacordo, associar o conceito de sensibilidade em geral à sensibilidade homossexual é antes de mais um abuso de linguagem, mas é também um daqueles lugares comuns que já irritam... Enfim, a mim isso parece-me um preconceito, mais um para alimentar o estereótipo. Bem, mas isto é só a minha opinião.
Parabens pelo blog.

Comentário de: sig_seg às abril 28, 2006 07:52 PM

Essa treta da sensibilidade ser apanágio e característica apenas da "série", é uma coisa que me irrita desmesuradamente!!!
E é evidente que o mundo não são só esses dois dias!

Comentário de: Jornadas às abril 28, 2006 04:19 PM

Parabéns. Excelente Blog. Continua sempre assim!

Abraço
Chicão

Comentário de: Chicão às abril 28, 2006 10:18 AM

Será que o malandro está finalmente a aperceber-se que no fundo é um panasca... e que é igual a todos nós!
E que daqui a nada está a cozinhar arroz de tomate, a oferecer flores ao namorado ou até mesmo a ficar com gostos panascas...
Shame on you!
eheheh

Comentário de: Euzinho às abril 28, 2006 02:16 AM

Não concordo mesmo quando dizes que se aprende a gostar de gajos!
Não se aprende... Ou se está disponível para gostar de gajos ou não!
Seria a mesma coisa que dizeres a um gajo 100% gay que ele podia aprender a gostar de mulheres... Isso não funciona dessa forma.

saudações do fundo da linha,
Garçon de Plaisir

Comentário de: Garçon de Plaisir às abril 28, 2006 01:52 AM

Eu acabei de ler uma demonstração genuína de sensibilidade. :)

Comentário de: dcg às abril 27, 2006 09:30 AM

A arte e a sensibilidade andam de mãos dadas. Mas a sensibilidade a mais e a intelectualização forçada (em especial quando não há feed-back) também cansam. Nem sempre, nem nunca!...
E não há incompatibilidade entre o primarismo físico e o patamar cultural. Até pode dar peripécias com piada (estou a lembrar-me de umas, mas são demasiado hard para um blog de respeito como este). ;)

Comentário de: Catatau às abril 27, 2006 08:22 AM