sexta-feira, abr 21

malandro
EM Ópera do Malandro

Like Anything It's Small (Shelley Short) (mp3)

In, captain wildhorse
(rides the heart of tomorrow)
(2006)
Shelley Short


Like Anything It's Small

Falicamente falando, nunca tive grandes fetiches com os tamanhos (nem pequenos, diga-se), Nunca escolhi um gajo por ele ser mais ou menos avantajado, embora me tenha passado um ou outro pelas mãos, nessas condições, Nunca me preocupei sequer muito com isso (e pode até em dadas circunstancias ser encarado como motivo de preocupação), Os meus envolvimentos com gajos foram sempre muito ‘frontais’ e por isso mesmo nunca foi por mais um ou dois centímetros que me assustei ou me empolguei.
Recentemente trabalho com um gajo pouco mais novo do que eu, e recém casado, que é verdadeiramente avantajado, mas avantajado mesmo, Não é uma questão de voyeurismo, mas há coisas que saltam à vista, Não sei se será do corte das calças, se será ta tipologia dos boxeurs, mas é inevitável, o gajo está sentado ao meu lado o dia todo, vamos juntos ao café, passamos os dias com uma proximidade tal que mesmo que eu fosse um gajo muito distraído já teria reparado nisso de certeza. Um dia destes fomos apanhados os dois numa conversa verdadeiramente curiosa entre duas colegas nossas que falavam sobre o engomar da roupa, e uma delas, muito prendada como se verá, dizia que engomava tudo quanto era roupa, incluindo meias, cuecas, toalhas, e que havia roupa que ela até engomava dos dois lados para vencer as rugas mais teimosas, Não sei se foi de se falar em roupa interior, mas a meio da conversa, e enquanto eu pensava que era mesmo uma gaja daquelas que não queria, diz-me o meu colega avantajado num registo mais baixo e com um sorriso malandro, “Eu só me casei com a minha mulher depois de ter a certeza que ela passava dos dois lados”, Ele riu-se e é claro que eu também me ri que nem um perdido, mesmo sem tecer comentários, e enquanto pensava que se calhar aquele sorriso era de puro gáudio por lhe ter sido muito difícil encontrar uma mulher que passasse dos dois lados, porque se aquilo que já salta à vista for o gajo no seu estado normal…

 
Comentários

Ó, isto é ridículo. Estava a responder ao Catatau.

Comentário de: João às abril 28, 2006 11:29 AM

Qual pachorra qual quê? Devia era derreter-se de prazer!

Comentário de: João às abril 28, 2006 11:28 AM

Sim, as grandes dão imenso trabalho!

Comentário de: João às abril 25, 2006 10:07 PM

Ou na versão radical: "No bolso? Ah,... é uma canoa!" :)

Comentário de: Catatau às abril 22, 2006 08:38 PM

ou numa versão ainda na idade da inocência:
"não, não, é um bolicao que tenho no bolso"

Comentário de: malandro às abril 21, 2006 10:02 PM

lol
Hilariante, e muito bem contado como sempre!
Concordo contigo, mas aquilo que foge do habitual tem sempre o seu lado excitante.
:)

Comentário de: dcg às abril 21, 2006 09:31 PM

O rapaz tem sentido de humor, além de ser dotado, pelos vistos. Mas uma coisa é ser dotado, outra é ser eficaz.
Com um tamanho como o que sugeres, qualquer pessoa - homem ou mulher - se "passa". ;) Faz logo lembrar a célebre frase da Mae West para o cobói: "isso aí no bolso é a tua pistola ou estás contente por me ver?", que é como quem diz, num registo mais actual: "tens aí o telemóvel em vibracall ou estás contente por me ver"?

Ainda estou a pensar na pachorra da outra, a passar a ferro pelos dois lados...

Comentário de: Catatau às abril 21, 2006 09:20 PM