« November 2006 | Entrada | January 2007 »

December 28, 2006

Liga BWin - Defesas Laterais

Defesas laterais: é por eles que muitas vezes começa o jogo ofensivo, é por eles que se baqueia defensivamente, mas são sempre pedras basilares para qualquer sistema táctico. Os destaques da BWin Liga são:


tony.jpg
TONY - O lateral direito do E.Amadora tem sido uma peça fora da monotonia e mediocridade que acompanha a equipa da Reboleira. Com decisões rápidas e acertadas, é o elemento mais esclarecido de uma defesa que ocupa uma das posições mais incómodas da Liga. Com um pulmão imenso, Tony tem-se revelado de uma importância extrema e por isso o seu caminho já tomou o destino da Roménia. Um bom valor que se vai embora de Portugal...


alonso160.jpg

ALONSO - Joga sempre de cabeça levantada este brasileiro, que o ano passado chegou à Madeira. Vinha rotulado para substituir Rossato e tem cumprido na totalidade essa função. Com um pé esquerdo muito bom, Alonso é uma das figuras desta Liga, pelo que joga e pelo que faz a equipa jogar...

lino.jpg

LINO - O defesa da Académica que Manuel Machado descobriu no Brasil é um dos raros defesas que conseguem singrar logo no início do campeonato. Por isso mesmo, os 3 golos que já apontou são uma mostra do real valor do ex-Juventude de Caxias. Com uma compleição física bem acima da média para defesa-esquerdo, aproveita para dar uso às bolas paradas. Para continuar a apreciar...


d_ralvim.jpg


RODRIGO ALVIM - Já aqui tínhamos falado de Rodrigo Alvim, e mesmo assim, ele insiste em fazer boas exibições e ser um dos valores seguros da BWin Liga. Daí o seu destaque...

Publicado por Danielovsky às 10:04 PM | Comentários (0)

December 27, 2006

Liga BWin - Guarda-Redes

Na pausa de Natal e Fim de Ano, e enquanto não for tempo de se reduzir o campeonato para 10 equipas, com 4 voltas cada, existem jogadores que se vão destacando na nossa Liga.



Foto: FC Porto
HELTON - Não há dúvida que Vítor Baía já passou à história e a insistência o ano passado de Adriaanse no guarda-redes português foi mais um dos muitos sapos que muitos treinadores tiveram de engolir em muito tempo. O guarda-redes brasileiro, que amadureceu em Leiria, tem provado a aposta do holandês e de Jesualdo Ferreira, já que tem cumprido com relativa vontade todos os perigos que se aproximam da sua baliza. Apenas lhe conto duas falhas, precisamente na única derrota do FC Porto em Braga. Curioso...

Foto Não Disponível

PEÇANHA - O guarda-redes do Paços de Ferreira não beneficia do estatuto de estar presente em nenhum clube mediático, mas as suas defesas ajudam e muito o Paços de Ferreira a manter o 11º lugar da Liga. Com uma elasticidade parecida com a de Helton, Peçanha é um valor seguro para ser adquirido por um Boavista ou um Sp.Braga, dependentes que estão de guarda-redes medianos como Paulo Santos ou William...


Foto: Naval 1º Maio

TABORDA - Feito nas escolas do FC Porto, o guarda-redes da Naval tem mostrado aptidões, que aliadas à sua estatura física, o colocam como dos melhores nesta metade do campeonato. O jogo de pés não é o seu forte, mas a colocação entre os postes é de uma altíssima rotação. Uma outra boa escolha para um clube como Sp.Braga ou Boavista...

Publicado por Danielovsky às 01:47 AM | Comentários (1)

December 20, 2006

As transições e os modelos ofensivos

Quem veja a versão escrita do jornal Record nas suas páginas centrais de hoje, certamente ficaria à espera de saber mais sobre as transições defesa / ataque e ataque / defesa. Mas não.

O Record preferiu optar pelos discursos mais céleres e sensacionalistas, onde prezam as relações extra-futebol e não os esquemas e movimentos de jogadores e equipas, de acordo com o seu modelo de jogo.

A explicação de Fernando Santos, Paulo Bento e Jorge Jesus mereceram nota de destaque, mas a nível geral e subjectivo.

A informação no seu melhor...

Publicado por Danielovsky às 03:53 PM | Comentários (0)

December 19, 2006

Avançado?

Bem o podem procurar no Watford.

Já por cá andou...

Publicado por Danielovsky às 05:18 PM | Comentários (0)

December 15, 2006

Liga Portuguesa

A chegar quase à paragem de Natal e Fim de Ano, a Liga Portuguesa vai dando algumas peças para serem observadas:

Rodrigo Alvim - Vindo do Paraná para o Belenenses este ano, o defesa-esquerdo mostra qualidade acima da média no aspecto ofensivo, sendo um elemento vocacionado para jogar num esquema de três centrais. No Belenenses, para além dos recortes técnicos, a defender não deslumbre, mas também não desilude.

Marcinho - O médio ofensivo que veio do Santos há dois anos para a Madeira só se tem mostrado nesta época. Por isso mesmo, é o principal dinamizador de um meio-campo marítimista que Ulisses Morais tem variado. A posição de nº10 é claramente dele, cabendo a Neca um papel mais defensivo do que aquele que o jogador tinha no Belenenses.

José Vítor - Outro jogador da Madeira, sendo originário da ilha atlântica. Faz o corredor direito do Nacional, aparecendo como uma das pedras mais importantes da estrutura de Carlos Brito. Rápido, com dois bons pés, forma com Patacas, um corredor de forte pendor ofensivo, tendo tempo até para apontar golos, como o deste fim-de-semana, frente ao FC Porto.

Publicado por Danielovsky às 03:01 PM | Comentários (0)

December 05, 2006

Sporting - Benfica

O que se pode começar por dizer é que Fernando Santos soube montar um esquema táctivo que fragilizou as opções de Paulo Bento.
O losango que tantas dores de cabeça tem dado aos benfiquistas acabou por funcionar face à inoperância atacante dos sportinguistas, ávidos de um regresso de Liedson às boas exibições, mas sobretudo aos golos.

Paulo Bento optou pela rotatividade, uma vez mais. Há quem lhe chame surpresa, há quem lhe chame opções. O que é certo e misterioso ao mesmo tempo, é o facto de "Pipi" Romagnoli, ao fim de quase um ano em Portugal, ainda não ter arracado uma única exibição que tivesse ficado na retina dos mais atentos, e o último jogo de Alvalade é mais uma vez prova disso.
Outro dos factores interessantes de analisar no futebol do Sporting é a constante mudança de peças no terreno que existe quase sempre ao intervalo. Se por um lado, pode servir de motivação, por outro, o resultado pode não ser o esperado e é a maneira mais fácil de "queimar" jogadores.

O Sporting apresentou-se com o seu esquema defensivo habitual, onde um ex-extremo Tello começa a servir razoavelmente como defesa. No entanto, a sua ausência na marcação do segundo golo do Benfica mostra dois aspectos:
- Foi ele que marcou o canto e não conseguiu recuperar defensivamente
- A pessoa mais indicada para essa marcação não poderia ser Custódio

No meio-campo, Paulo Bento optou por um pivot defensivo (Custódio), dois médios de transição que funcionavam na interior direita (Moutinho) e na interior esquerda (Nani) e um médio de características atacantes (Romagnoli) que ficava incumbido de distribuir jogo e arrancar desiquilíbrios.
Na frente, Liedson andava solto deambulando pelas alas e Bueno ficava fixo aos centrais.

Fernando Santos não provocou nenhuma surpresa. Apenas quando o Benfica entrou em campo e se colocou rapidamente a vencer, a alteração táctica com a troca de Simão por Nuno Gomes provocou os resultados esperados: a vitória!
Na baliza, Quim continuou a titular, apesar de algumas intermitências esta época.
Na defesa, com o regresso de Luisão, Anderson foi para o banco, ficando Ricardo Rocha incubido das sobras, acompanhado nas laterais por Nélson e Leo.
O meio-campo foi constituído por Petit (pivot defensivo, vulgo "trinco"), Katsouranis (interior direito), Nuno Assis (interior esquerdo) e Simão (nº10 pronto a desiquilibrar com movimentos comuns para a direita ou para a esquerda). Na frente, Nuno Gomes e Miccoli, com o português a ter liberdade criadora e o italiano a fazer trocas posicionais.

Com o começo da partida, foi notório que os lados utilizados para atacar seriam os direitos por várias razões:
- No caso do Sporting, Miguel Garcia e Moutinho (muitas vezes apoiados por Liedson) tentavam explorar a fragilidade física de Leo e a pouca cobertura defensiva de Nuno Assis
- No caso do Benfica, Nélson é dono e senhor do lado direito, já que Katsouranis ou Petit conseguem fazer a cobertura do flanco para o cabo-verdiano atacar um flanco guarnecido por Tello, ao qual faltam rotinas de marcação, acções defensivas e o pouco apoio de Nani

O golo apontado por Ricardo Rocha logo aos 3 minutos é prova disso. um ataque de Nélson pela direita, com respectivo cruzamento e cabeceamento de Nuno Gomes ao segundo poste para defesa de Ricardo para canto. Na marcação do mesmo, Ricardo Rocha antecipou-se a Polga e fez o primeiro golo dos encarnados.
A partir daí, o Sporting começou a actuar de forma pressionante, mas com pouca definição de ideias. Nuno Assis marcava de forma inapelável João Moutinho, Romagnoli não se libertava de Katsouranis e Nélson conseguia secar Nani. O verdadeiro motor de ataque do Sporting chamava-se Miguel Garcia, que aproveitava para subir no terreno e conquistar cantos atrás de cantos.

Sem criar perigo nos lances de bola parada, o Sporting acaba por sofrer o segundo golo num contra-ataque proveniente da marcação de um canto apontado por Tello. O Benfica aproveita o contra-ataque e Simão, marca o segundo golo e sentencia o jogo.

No início da segunda parte, Paulo Bento opta por dois jogadores que provavelmente dariam um maior ímepto ao futebol dos leões: Carlos Martins e Yannick Djaló. E assim foi, durante os segundos 25 minutos, com o Sporting a pressionar e o Benfica em contenção defensiva, pronto a explorar o contra-ataque.
A saída de Miccoli fez com que o Benfica passasse a actuar em 4-3-3, com Paulo Jorge e Simão nas alas e Nuno Gomes solto na frente de ataque.
O Sporting desesperava e nem com três atacantes conseguia arranjar soluções para furar o esquema defensivo do Benfica, já que Petit começava a funcionar como terceiro central, cabendo a Katsouranis o papel de transição defesa-ataque, bem suportado por Nuno Assis.
Com a expulsão de Polga, o Benfica tinha encontrado motivos para sorrir ainda mais, mas a expulsão infantil de Nuno Gomes equilibrou novamente as contas.
No final, Djaló ainda possibilitou a Quim uma defesa fantástica, que assegurou a vitória do Benfica, dando-lhe alguma tranquilidade.

Foi uma vitória táctica de Fernando Santos, que soube aproveitar as virtudes do losango por si criado e observou as deficiências do sistema de Paulo Bento, que não é perfeito (nada o é), e que precisa de alguns retoques importantes na transição defesa-ataque.

Todas as fotos foram retiradas de Gettyimages.

Publicado por Danielovsky às 05:26 PM | Comentários (0)

December 04, 2006

Velhos são os trapos


Foto: SoccerLine

Publicado por Danielovsky às 08:53 PM | Comentários (0)

Os verdadeiros ases do Benfica

Publicado por Danielovsky às 07:17 PM | Comentários (0)

Amor à camisola


Foto: Español

Raúl Tamudo é um desses exemplos, não conhecendo outro clube como o Español de Barcelona. Com uma carreira preenchida na cidade condal, já teve a oportunidade de rumar a outras paragens, mas preferiu sempre as Ramblas a sair da Catalunha.

O golo apontado esta semana ao Sevilha é mais um da sua inegável classe. Pode ser visto aqui.

É mais um de uma categoria que pode bem ser vista no You Tube também, se preferirem. Classe não lhe falta. Falta-lhe sim, um clube à sua dimensão.

Publicado por Danielovsky às 07:09 PM | Comentários (0)