março 27, 2008

Segredo…

Vem,
Conversemos através da alma.
Revelemos o que é secreto aos olhos e ouvidos.

Sem exibir os dentes,
sorri comigo, como um botão de rosa.
Entendamo-nos pelos pensamentos,
sem língua sem lábios.

Sem abrir a boca,
contemo-nos todos os segredos do mundo,
como faria o intelecto divino.

Fujamos dos incrédulos
que só são capazes de entender
se escutam palavras e vêem rostos.

Ninguém fala para si mesmo em voz alta.
Já que todos somos um,
falemos desse outro modo.

Como podes dizer à tua mão: “toca”,
se todas as mãos são uma?
Vem, conversemos assim.

Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma.
Fechemos pois a boca e conversemos através da alma.
Só a alma conhece o destino de tudo, passo a passo.

Jalal ud-Din Rumi

Publicado por Rosa às 07:52 AM | Comentários (0) | TrackBack (0)

março 26, 2008

Máscaras…

Sempre que coloco uma máscara para encobrir minha realidade,
Fingindo ser o que não sou,
Fingindo não ser o que sou,

Faço-o para atrair as pessoas.
Mas logo descubro que somente atraio outros mascarados,
Afastando as pessoas devido a um estorvo: a máscara.

Faço-o para evitar que os outros vejam minhas fraquezas.
Mas logo descubro que por não verem a minha humanidade,
As pessoas não podem me amar pelo que sou, e sim pela máscara.

Faço-o para preservar minhas amizades.
Mas logo descubro que quando perco um amigo, por ter sido autêntico,
Ele realmente não era amigo meu, e sim amigo da máscara.

Faço-o para evitar magoar alguém e por diplomacia,
Mas logo descubro que é a máscara
O que mais magoa as pessoas de quem quero me aproximar.

Faço-o com a certeza de que é o melhor que tenho a fazer para ser amado.
Mas logo descubro o triste paradoxo.
O que mais desejo conseguir com as máscaras
É precisamente o que com elas impeço que aconteça.

Gilbert Brenson

Publicado por Rosa às 11:21 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Uma Casa Portuguesa…

Uma Casa Portuguesa (Trio Boreal)

Numa casa portuguesa fica bem
pão e vinho sobre a mesa.
Quando à porta humildemente bate alguém,
senta-se à mesa co’a gente.
Fica bem essa fraqueza, fica bem,
que o povo nunca a desmente.
A alegria da pobreza
está nesta grande riqueza
de dar, e ficar contente.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho á alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,
uma promessa de beijos
dois braços à minha espera…
É uma casa portuguesa, com certeza!
É, com certeza, uma casa portuguesa!

No conforto pobrezinho do meu lar,
há fartura de carinho.
A cortina da janela e o luar,
mais o sol que gosta dela…
Basta pouco, poucochinho p’ra alegrar
uma existéncia singela…
É só amor, pão e vinho
e um caldo verde, verdinho
a fumegar na tijela.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho á alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,
uma promessa de beijos
dois braços à minha espera…
É uma casa portuguesa, com certeza!
É, com certeza, uma casa portuguesa! (Trio Boreal)

Numa casa portuguesa fica bem
pão e vinho sobre a mesa.
Quando à porta humildemente bate alguém,
senta-se à mesa co’a gente.
Fica bem essa fraqueza, fica bem,
que o povo nunca a desmente.
A alegria da pobreza
está nesta grande riqueza
de dar, e ficar contente.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho á alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,
uma promessa de beijos
dois braços à minha espera…
É uma casa portuguesa, com certeza!
É, com certeza, uma casa portuguesa!

No conforto pobrezinho do meu lar,
há fartura de carinho.
A cortina da janela e o luar,
mais o sol que gosta dela…
Basta pouco, poucochinho p’ra alegrar
uma existéncia singela…
É só amor, pão e vinho
e um caldo verde, verdinho
a fumegar na tijela.

Quatro paredes caiadas,
um cheirinho á alecrim,
um cacho de uvas doiradas,
duas rosas num jardim,
um São José de azulejo
sob um sol de primavera,
uma promessa de beijos
dois braços à minha espera…
É uma casa portuguesa, com certeza!
É, com certeza, uma casa portuguesa!

Publicado por Rosa às 11:20 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Desejo…

Hoje desejo que inventem um banco onde as pessoas se possam sentar e esquecer todo o seu passado, todas as suas mágoas e começar de novo. Seria que repetiriamos os mesmos erros do passado ? Talvez….

Hoje desejo esquecer todas as pessoas que me marcaram… esquecer todas as ilusões que se tornaram em desilusões..

Hoje desejo esquecer que alguem existe porque para essa pessoa não existo..

Hoje desejo que a minha raiva desapareça como por magia…

Hoje desejo que a minha dor no meu coração se desvaneça num amor eterno…

Hoje desejo desaparecer do mundo…

Hoje desejo que alguém se lembre de mim…

Hoje desejo que se esqueçam de mim… principalmente tu.. que nunca vais ler esta mensagem..

Hoje desejo tudo e nada….

Hoje desejo desabar………..

FIM

Publicado por Rosa às 11:18 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A dor do amor…

Existem duas dores de amor:

A primeira é quando a relação termina e nós , continuamos a amar mas tem que se acostumar com a
ausência do outro, com a sensação de perda, de rejeição e com a falta de perspectiva, mas como ainda estamos tão embrulhados na dor não conseguimos ver luz no fim do túnel.

A segunda dor é quando começamos a vislumbrar a luz no fim do túnel.

A mais dilacerante é a dor física da falta de beijos e abraços, a dor de sermos insignificantes para o ser amado. Mas, quando esta dor passa, começamos um outro ritual de despedida: a dor de abandonar o amor que sentíamos. A dor de esvaziar o coração, de remover a saudade, de ficar livre, sem sentimento especial por aquela pessoa. Dói também…

Na verdade, ficamos tão apegados ao amor como à pessoa que o gerou. Muitas pessoas reclamam por não conseguirem se desprender de alguém. É que, sem darem conta, não se querem desprender. Aquele amor, mesmo não retribuído, tornou-se um souvenir, lembrança de uma época bonita que foi vivida… Passou a ser um bem de valor inestimável, é uma sensação à qual nos apegamos. Faz parte de nós. Queremos, lógicamente, voltar a ser alegres e disponíveis, mas para isso é preciso abrir mão de algo que foi nosso por muito tempo, que de certa maneira entranhou-se em nós, e que só com muito esforço é possível esquecer.

É uma dor que nos confunde. Parece ser a 1ª dor , mas já é outra. A pessoa que nos deixou já não nos interessa mais, mas interessa o amor que sentíamos por ela, aquele amor que nos justificava como seres humanos, que nos colocava dentro das estatísticas: “
Eu amo, logo existo”.

Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro de nós…
E só então podemos amar de novo…..

Publicado por Rosa às 11:18 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Sonhos…

Num sonho, sentimos-nos como um peixe dentro de água. De tempos a tempos, emergimos do sonho, lançamos uma olhadela às margens do mundo, depois tornamos a mergulhar rápida e avidamente, pois só nos sentimos bem nas profundezas. Durante
essas curtas saídas, percebemos em terra um ser bizarro, mais lento do que nós, que respira de modo diferente do nosso, colado com todo o seu peso à terra, privado da paixão que habitamos como em nosso próprio corpo. Porque aqui em baixo a paixão e o corpo são inseparáveis, são um só. Esse ser de fora, somos nós também, mas daqui a um milhão de anos e, além desses anos, há entre nós e ele uma terrível calamidade que o vitimou porque ele separou o corpo da paixão…

Publicado por Rosa às 11:17 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Lutar por um sonho…

…”Difícil é lutar por um sonho. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata”…
A maior da verdades…

Publicado por Rosa às 11:17 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Reverência ao Destino…

Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que
realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.

Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.

Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.

Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer. Ou ter coragem pra fazer.

Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.E é assim que perdemos pessoas especiais.

Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.

Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto. Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.

Fácil é dizer “oi” ou “como vai?”
Difícil é dizer “adeus”. Principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas…

Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida. Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.

Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só. Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo
do depois. Amar e se entregar. E aprender a dar valor somente a quem te ama.

Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência. Acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.

Fácil é ditar regras.
Difícil é seguí-las. Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.

Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta. Ou querer entender a resposta.

Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.

Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma. Sinceramente, por inteiro.

Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.

Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém. Saber que se é realmente amado.

Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho. Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.

Carlos Drummond de Andrade

Publicado por Rosa às 11:16 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A vida ao contrário…

" A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito? "

Charles Chaplin

Publicado por Rosa às 11:15 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Paradoxo…

Não sei
Se te conto a verdade
Ou se te minto

Se me dou à paixão
Ou se desisto

Se me cubro de poesia
Ou se me dispo

Mas sei
Que é um mundo…

Tudo o que sinto!

Publicado por Rosa às 11:15 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Cenoura, Ovo ou Café…

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela. Ela já não sabia mais o que fazer e queria desistir.

Estava cansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.

Seu pai, um “chef”, levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver.

Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na última pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.

A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e as colocou em uma tigela. Retirou os ovos e os colocou em uma tigela. Então pegou o café com uma concha e o colocou em uma tigela.

Virando-se para ela, perguntou “Querida, o que você está vendo?”

“Cenouras, ovos e café,” ela respondeu.

Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.

Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.

Ele, então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.

Ela obedeceu e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.

Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.

Ela perguntou humildemente: “O que isto significa, pai?”

Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, água fervendo, mas que cada um reagira de maneira diferente.

A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida à água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil.

Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o líquido interior. Mas depois de terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rigido.

O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora colocado na água fervente, ele havia mudado a água.

“Qual deles é você?” ele perguntou a sua filha. “Quando a adversidade bate a sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café?”

E você?

Você é como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade você murcha e se torna frágil e perde sua força?

Será que você é como o ovo, que começa com um coração maleável? Você teria um espírito maleável, mas depois de alguma morte, uma falência, um divórcio ou uma demissão, você se tornou mais difícil e duro? Sua casca parece a mesma, mas você está mais amargo e obstinado, com o coração e o espírito inflexíveis?

Ou será que você é como o pó de café? Ele muda a água fervente, a coisa que está trazendo a dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a 100 graus centígrados. Quanto mais quente estiver a água, mais gostoso se torna o café. Se você é como o pó de café, quando as coisas se tornam piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.

Como você lida com a adversidade?

Você é uma cenoura, um ovo ou café?

Autor desconhecido ou ignorado

Publicado por Rosa às 11:14 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Maneira de dizer as coisas…

Uma sábia e conhecida anedota árabe diz que, certa feita, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adivinho para que interpretasse seu sonho.

- Que desgraça, senhor! Exclamou o adivinho. Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.

- Mas que insolente _ gritou o sultão, enfurecido. Como te atreves a dizer-me semelhante coisa? Fora daqui!

Chamou os guardas e ordenou que lhe dessem cem acoites. Mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho.

Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:

- Excelso senhor! Grande felicidade vos esta reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho. E quando este saia do palácio, um dos cortesãos lhe disse admirado:

- Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque ao primeiro ele pagou com cem acoites e a você com cem moedas de ouro.

- Lembra-te meu amigo - respondeu o adivinho - que tudo depende da maneira de dizer…

Um dos grandes desafios da humanidade e aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra.

Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta duvida. Mas a forma com que ela e comunicada e que tem provocado, em alguns casos, grandes problemas.A verdade pode ser comparada a uma pedra preciosa. Se a lançarmos no rosto de alguém pode ferir, provocando dor e revolta. Mas se a envolvemos em delicada embalagem e a oferecemos com ternura, certamente será aceita com facilidade.

A embalagem, nesse caso, é a indulgencia, o carinho, a compreensão e, acima de tudo, a vontade sincera de ajudar a pessoa a quem nos dirigimos.

Ademais, será sábio de nossa parte se antes de dizer aos outros o que julgamos ser uma verdade, dize-la a nós mesmos diante do espelho.

E, conforme seja a nossa reação, podemos seguir em frente ou deixar de lado o nosso intento. Importante mesmo, é ter sempre em mente que o que fará diferença e a maneira de dizer as coisas…

Publicado por Rosa às 11:14 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Desilusão…

Vamos pela vida intercalando épocas de entusiasmo com épocas de desilusão. De vez em quando andamos inchados como velas e caminhamos velozes pelo mar do mundo; noutras ocasiões - mais frequentes do que as outras - estamos murchos como folhas que o tempo engelhou. Temos períodos dourados, em que caminhamos sobre nuvens e tudo nos parece maravilhoso, e outros - tão cinzentos! - em que talvez nos apetecesse adormecer e ficar assim durante o tempo necessário para que tudo voltasse a ser belo.
Acontece-nos a todos e constitui, sem dúvida, um sinal de imaturidade. Somos ainda crianças em muitos aspectos.
A verdade é que não temos razões para nos deixarmos levar demasiado por entusiasmos, pois já devíamos ter aprendido que não podem ser duradouros.
A vida é que é, e não pode ser mais do que isso.
Desejamos muito uma coisa, pensamos que se a alcançarmos obtemos uma espécie de céu, batemo-nos por ela com todas as forças. Mas quando, finalmente, obtemos o que tanto desejávamos, passamos por duas fases desconcertantes. A primeira é um medo terrível de perder o que conquistámos: porque conhecemos o que aconteceu anteriormente a outras pessoas em situações semelhantes à nossa; porque existe a morte, a doença, o roubo…
A segunda fase chega com o tempo e não costuma demorar muito: sucede que aquilo que obtivemos perde - lentamente ou de um dia para o outro - o encanto. Gastou-se o dourado, esboroou-se o algodão das nuvens. Aquilo já não nos proporciona um paraíso.
E é nesse momento que chega a desilusão, com todo o seu cortejo de possíveis consequências desagradáveis: podem passar-nos pela cabeça coisas como mudarmos de profissão, mudarmos de clube, trocarmos de automóvel ou de casa, divorciarmo-nos… E, então, surge o desejo de partir atrás de outro entusiasmo: queremos voltar a amar…
Nunca mais conseguimos aprender o que é o amor.
Se nos desiludimos, a culpa não está nas coisas nem está nas outras pessoas. Se nos desiludimos, a culpa é nossa: porque nos deixámos iludir; porque nos deixámos levar por uma ilusão. Uma ilusão - há quem ganhe a vida a fazer ilusionismo - consiste em vestir com uma roupagem excessiva e falsa a realidade, de modo a distorcê-la ou a fazê-la parecer mais do que aquilo que é.
Quando nos desiludimos não estamos a ser justos nem com as pessoas nem com as coisas.
Nenhuma pessoa, nenhuma das coisas com que lidamos pode satisfazer plenamente o nosso desejo de bem, de felicidade, de beleza. Em primeiro lugar porque não são perfeitas (só a ilusão pode, temporariamente, fazer-nos ver nelas a perfeição). Depois, porque não são incorruptíveis nem eternas: apodrecem, gastam-se, engelham-se, engordam, quebram-se, ganham rugas… terminam.
Aquilo que procuramos - faz parte da nossa estrutura, não o podemos evitar - é perfeito e não tem fim. E não nos contentamos com menos de que isso. É por essa razão que nos desiludimos e que de novo nos iludimos: andamos à procura…
De resto, se todos ambicionamos um bem perfeito e eterno, ele deve existir. Só pode acontecer que exista. Mas deve ser preciso procurar num lugar mais adequado.

Vamos pela vida intercalando épocas de entusiasmo com épocas de desilusão. De vez em quando andamos inchados como velas e caminhamos velozes pelo mar do mundo; noutras ocasiões - mais frequentes do que as outras - estamos murchos como folhas que o tempo engelhou. Temos períodos dourados, em que caminhamos sobre nuvens e tudo nos parece maravilhoso, e outros - tão cinzentos! - em que talvez nos apetecesse adormecer e ficar assim durante o tempo necessário para que tudo voltasse a ser belo.
Acontece-nos a todos e constitui, sem dúvida, um sinal de imaturidade. Somos ainda crianças em muitos aspectos.
A verdade é que não temos razões para nos deixarmos levar demasiado por entusiasmos, pois já devíamos ter aprendido que não podem ser duradouros.
A vida é que é, e não pode ser mais do que isso.
Desejamos muito uma coisa, pensamos que se a alcançarmos obtemos uma espécie de céu, batemo-nos por ela com todas as forças. Mas quando, finalmente, obtemos o que tanto desejávamos, passamos por duas fases desconcertantes. A primeira é um medo terrível de perder o que conquistámos: porque conhecemos o que aconteceu anteriormente a outras pessoas em situações semelhantes à nossa; porque existe a morte, a doença, o roubo…
A segunda fase chega com o tempo e não costuma demorar muito: sucede que aquilo que obtivemos perde - lentamente ou de um dia para o outro - o encanto. Gastou-se o dourado, esboroou-se o algodão das nuvens. Aquilo já não nos proporciona um paraíso.
E é nesse momento que chega a desilusão, com todo o seu cortejo de possíveis consequências desagradáveis: podem passar-nos pela cabeça coisas como mudarmos de profissão, mudarmos de clube, trocarmos de automóvel ou de casa, divorciarmo-nos… E, então, surge o desejo de partir atrás de outro entusiasmo: queremos voltar a amar…
Nunca mais conseguimos aprender o que é o amor.
Se nos desiludimos, a culpa não está nas coisas nem está nas outras pessoas. Se nos desiludimos, a culpa é nossa: porque nos deixámos iludir; porque nos deixámos levar por uma ilusão. Uma ilusão - há quem ganhe a vida a fazer ilusionismo - consiste em vestir com uma roupagem excessiva e falsa a realidade, de modo a distorcê-la ou a fazê-la parecer mais do que aquilo que é.
Quando nos desiludimos não estamos a ser justos nem com as pessoas nem com as coisas.
Nenhuma pessoa, nenhuma das coisas com que lidamos pode satisfazer plenamente o nosso desejo de bem, de felicidade, de beleza. Em primeiro lugar porque não são perfeitas (só a ilusão pode, temporariamente, fazer-nos ver nelas a perfeição). Depois, porque não são incorruptíveis nem eternas: apodrecem, gastam-se, engelham-se, engordam, quebram-se, ganham rugas… terminam.
Aquilo que procuramos - faz parte da nossa estrutura, não o podemos evitar - é perfeito e não tem fim. E não nos contentamos com menos de que isso. É por essa razão que nos desiludimos e que de novo nos iludimos: andamos à procura…
De resto, se todos ambicionamos um bem perfeito e eterno, ele deve existir. Só pode acontecer que exista. Mas deve ser preciso procurar num lugar mais adequado.

Paulo Geraldo

Publicado por Rosa às 11:13 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A beleza da mulher...

A verdadeira beleza da mulher,
Aquela beleza que perdura,
É sem duvida, a da mulher madura…
Pois é a mulher que sabe o que quer…
Já viveu amores…
Já teve alegrias, já sofreu dores…
Por ser experiente…
Torna-se exigente…
Não quer sofrer novamente…
Não se deixa levar por um repente…
Quer saber-se amada,
Quer ser bem conquistada…
Ainda que seja um amor de momento…
Que talvez, vire um tormento…
Tem que ser sincero… tem que haver sentimento,
Mesmo que perdure,
Que seja eterno enquanto dure…
Não quer aquele amor apressado…
Tem que ser controlado…
O antes, em preliminares, bem demorado…
O durante… que seja delirante…
O depois, que dure bastante…
Nada daquilo de virar para o lado… é frustrante…
Tem que ser com bastante carinho…
Muito beijinho …
O antes, o durante e o depois… tem que ser com amor…
Com bastante calor…
Tem que saber amar,
Para uma mulher madura conquistar…
Ela quer companhia… com muita harmonia,
Quer vida compartilhada… é mulher activa…
Ter seu espaço respeitado… pois foi conquistado…
Quer amor… quer carinho… e também consideração…
Enfim… quer ser tratada como mulher,
Que soube seu caminho escolher…
Que sempre soube viver…
Quer apenas ter o direito de escolher
Como o fazer…
Quem tiver a felicidade de a ter a seu lado,
Considere-se privilegiado…
Pois foi por ela conquistado…
É a melhor idade… é a idade da razão…
É amor que faz bem ao coração…
É aquele amadurecimento,
Que aprimora o sentimento…
Saibam conservar o amor, o carinho da mulher madura…
Porque este sim, fica… e perdura…

Marcial Salaverry

Publicado por Rosa às 11:12 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Liberdade…

"..O homem reduziu a mulher a uma escrava e a mulher reduziu o homem a um escravo. E, claro, ambos odeiam a escravidão, ambos resistem a ela. Estão constantemente em luta; qualquer pequeno pretexto e a luta inicia-se. Mas a verdadeira luta é muito mais profunda; a verdadeira luta é que ambos aclamam pela sua liberdade. Eles não são capazes de o dizer claramente, podem tê-lo esquecido totalmente. Durante centenas de anos esta era a forma de viver. Eles viram que o seu pai e mãe viveram assim, eles viram que seus avós viveram assim. Esta é a forma de as pessoas viverem - eles aceitaram-na. E sua liberdade está destruída. É como se tentássemos voar alto, no céu, só com uma asa. Algumas pessoas têm a asa do amor e outras têm a asa da liberdade - ambas são incapazes de voar. São necessárias as duas asas..."

Publicado por Rosa às 11:11 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Coração a chorar…

Amores morrem, amores nascem
grandes são os corações
mesmo para quem diz que não sente
também lá moram paixões

Eterno ou efémero
intenso ou passageiro
qualquer que seja o género
ele é sempre verdadeiro

Amar já amei
amado não sei se fui
já me perdi de amores
já senti prazer e dor
já senti frio e tremores

Mas enquanto a vida durar
enquanto o sangue pulsar
cada coração vai chorar
por cada momento que esteve sem amar
esse coração deixou-se ocupar
por sentimentos de não gostar…

Publicado por Rosa às 11:10 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Amor doente…

” um amor doente é preciso que morra para nascer outro mais saudável. “

Publicado por Rosa às 11:06 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Já não choro…

Já não choro
Não por, não ter lágrimas
Mas por estar cansada
De sofrer.
De não ser amada…
Ás vezes penso
Que já não existes
Outras vezes penso
Que morreste
Mas quando me encontro com a solidão
Invades-me de novo
Invades de novo meu coração.
Resta um bocadinho de esperança
Que gostaria de apagar
Para puder deixar,de te amar.
Como se isso fosse possível
Não conseguimos dar ordens
Ao nosso coração
Como é possivel.
Sofro por isto
Sofro por tanta paixão
Mas não consigo entender
Porque me tens aversão.
Não consigo compreender
Como me expulsaste assim
Se foste tu
Que alimentaste o meu amor
E de amor me alimentaste a mim.
Amor tu me deste
Amor te retribui
Penso que não compreendeste
Todo o amor que senti.
Desapareceste
E sem explicação.
Deixando-me a sofrer
Por tanta paixão
Deixando-me assim.
Continuo a viver
Mas sem compreender
Porque me abandonaste
Deixando-me sem entender
Deixando-me a sofrer…

Publicado por Rosa às 11:06 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Será que vai ser sempre assim?

Hoje aqui deitada…
Penso como tudo era fantástico.
Era uma mulher feliz…
Ou pelo menos pensava ser
Tinha tudo o que uma mulher desejava…
Uma pessoa que amava
e que pensava ser amada.
Será que isso foi real?
Ou apenas uma ilusão?
Só tu me podes responder
Será que me amaste de verdade?
Ou disseste não…
Com medo de amar alguém?
só consigo pensar…
Nos teus lábios,
Nos teus cabelos,
Nos teus olhos,
e no teu corpo.
Mas o que conseguiste fazer?
Estragar um sonho tão lindo
Não te censuro por isso
Porque sei que tive culpa.
Por mais que te queira odiar…
Amo-te cada vez mais.
por mais que te queira esquecer…
Lembro-me ainda mais de ti.
Porquê?
Será que vai ser sempre assim?
Dizem que quem gosta não desiste,
mas as minha forças estão a acabar
Não consigo lutar mais…
Por uma pessoa que me magoou…
Por uma pessoa que não sabe o que é amar.

Publicado por Rosa às 11:06 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Por tua causa…

Bonitas as coisa que me dizias,
Todas meras fantasias.
Tantas mentiras me contaste,
E um grande amigo me tiraste.
Talvez seja fácil,
De encantar,
Mas difícil,
Vai ser voltar a amar…
Por tua causa,
Deixei de confiar,
Mas um dia hei-de voltar…
E irei amar alguém,
Muito mais do que te amei!

Publicado por Rosa às 11:05 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A nossa necessidade de amor…

” …Se não amo ninguém,
se ninguém me espera,
se apenas um pressentimento
sobressaltou a tarde,
porque me dói cá dentro
como se tivesse morrido um pouco? “

Infelizmente muitas pessoas se retratam neste poema. Porque não sabemos viver sem ter alguém que nos ame ? porque não basta amarmos a nós próprios ?

Enfim… um dia .. quem sabe.. aprendemos.

Publicado por Rosa às 11:05 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Rosa do deserto…

Chegamos a uma altura na vida em que não cremos mais em sonhos

A capacidade de sonhar torna-se ela própria um sonho
E desejamos voltar a sonhar
Desejamos voltar a sorrir com o olhar
Desejamos voltar a acreditar
Mas o nosso coração está demasiado ressequido
Ressequido como uma rosa do deserto
Feito de areia seca
Por mãos mais secas ainda
E frito em seco sol

Há alturas da vida em que nossos ombros cedem
Não têm mais força para aguentar esperança
Tudo é demasiado enorme para ser suportado
Tudo é demasiado enorme para ser carregado
E cedemos a nós próprios
À única entrega então possível…

Entregamo-nos ao desespero da incapacidade de amar

È a nossa última entrega.

Tudo o que ficou para trás foi luta
Luta pela esperança e pelo amor
E nessa luta lutamos pelo luto em que nos encontramos

Todos os amores que então nos batem à porta são expulsos
Expulsos pelas geridas do nosso passado
Que expurgam amor
Que expurgam desilusões de amor
Que expurgam
Que expurgam …
Que…expurgam…

E nesse acto nem sequer reparamos que a felicidade todos os dias nos toca
Todos os dias alguém, que ainda não perdeu a capacidade de sonhar,

Nos sorri com o olhar
Nos pede para acreditar
Nos oferece rosas vivas,
Feitas por mãos vivas,
criadas com vivo sol…

E nós nem reparamos….
Fechados que estamos no nosso sofrimentos…
Enclausurados que estamos na nossa incapcidade de sonhar
E de sermos sonhados

Eu, rosa do deserto ressequida
Feita de sol
À sombra de mãos vivas…
Quero voltar a ser a ser sonho
Quero voltar a sonhar

Quero voltar à vida…

Publicado por Rosa às 11:04 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

O ciúme…

Ciúme
Um comboio
risca a noite
num grito
de escárnio

Uma fiada de janelas
rindo-se da dor que sinto
ao vê-las passar
sem darem por mim

Passou
e fico tão só
Surdo na gare
de lugar nenhum

Sei que existes
amor impossível
excitando algures
o corpo de alguém

E a minha alma
é aquele jornal
desassossegado ainda
já o comboio
vai longe

Que prazer
distante
me dói aqui?

Publicado por Rosa às 11:03 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Queria ser um anjo…

Queria realmente ser um anjo
Ser o anjo que vela, o anjo que guarda, anjo que proteje
Quebrar todas as barreiras elementais e ser apenas Um anjo

Mas não é permitido, a um anjo
Amar a uma única pessoa
Seu amor não pode ser exclusivo
Seu amor deve ser extensivo
Não é permitido a um anjo
Chorar por todas as pessoas
Seu pranto é exclusivo
Suas lágrimas devem regar, uma por vez
As flores que brotam em cada alma humana

Que anjo posso ser?
Que amor poderei dar?
Que olhos irão me ver? A quem irei amar?

Queria realmente ser um anjo
Ter a bondade nas faces, a sabedoria no olhar
Saber sorrir, saber confortar
Saber entender aos aflitos, saber ensinar
Ir ao encontro de todos
E a todos, amar

Queria realmente ser um anjo
Um anjo qualquer, um anjo comum
Atender as preces dos necessitados
Atender a procura de afecto de uma criança
Um anjo que aprende com a dor, um anjo que aprende com o amor

Queria realmente ser um anjo
Sorrir ao ver a alegria do vencedor
Se emocionar com o desespero do perdedor
Beijar a face daquele que suplica
E aplacar a raiva do inimigo cruel

Por fim, queria realmente ser um anjo
E poder quebrar todas as regras celestiais
Sentir o amor único e exclusivo
E chorar por todos os demais
Queria somente ser, um anjo

Que ama você,e nada mais…

Publicado por Rosa às 11:03 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A saudade…

A saudade é algo que invade meu ser
E faz nascer lágrimas.
É um sentimento que faz doer.
A saudade é uma emoção chata de se sentir,
Mas gostosa
Porque é sentindo ela,
Que descobrimos as pessoas
Que realmente gostamos
E que fazem parte da nossa vida.
Faz doer,
Porque é como deixar um pedacinho de seu existir distante.
Quando vêem as lágrimas,
É como uma declaração do coração,
Dizendo o quanto você
Quer aquele alguém pertinho de você.
O lado bom de sentir saudade,
É a intensa felicidade
Que se sente ao rever seu pedacinho perdido.
Será então as lágrimas do Tempo,
Transformadas em sorrisos de emoção.
Seu coração parece querer pular para fora
De tanta alegria,
Seus olhos brilham,
Seu corpo de transforma
Em um ser maravilhosamente feliz.
A saudade é como um desafio,
Que desafia nossos sentimentos.
E como sempre o coração consegue suportar o Tempo,
Para mais tarde viver momentos de
Completa Felicidade.

Publicado por Rosa às 11:02 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A génese do amor…

Tu me viste, eu te vi…
Tu me amaste, eu te amei…
Qual de nós amou primeiro,
Nem tu sabes, nem eu sei.

A amora nasce da silva,
A silva nasce do chão;
A vista nasce dos olhos,
O amor, do coração.

A amar e a escolher amores
Ensinou-me quem sabia:
A amar foi a natureza,
A escolher, a simpatia.

Debaixo da água está o lodo,
Debaixo do lodo, chão;
Debaixo de uma amizade
Se esconde uma afeição.

Publicado por Rosa às 11:02 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Há pessoas…

” Há pessoas caladas que precisam de alguém para conversar. ” - A solidão cresce todos os dias mesmo no meio das multidões.
” Há pessoas tristes que precisam de alguém que as conforte. “ - Há sempre alguém que canta a canção do bandido e se aproveita da tristeza para vencer.
” Há pessoas apressadas que precisam de alguém para lhes mostrar tudo o que não têm tempo para ver. ” - também existem pessoas que vivem a correr para não olharem para a sua própria vida.

Publicado por Rosa às 11:01 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Porque sofremos por amor ?

Nossa dor não advém das coisas vividas, mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria não sofrermos mas apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz.
Sofremos por que?
Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projecções irrealizadas, por tudo o que gostaríamos de ter compartilhado, e não compartilhamos.
Como aliviar a dor do que não foi vivido?
A resposta é simples como um verso: se iludindo menos e vivendo mais!!!

A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional.

Obs.: como eu concordo com o poeta… sofremos mais pelas expectativas criadas por nós próprios do que propriamente pela perda sofrida.

Publicado por Rosa às 11:00 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Tudo o que se quer…

Olha nos meus olhos

Esquece o que passou

Aqui neste momento

Silêncio e sentimento

Sou o teu poeta

Eu sou o teu cantor

Teu rei e teu escravo

Teu rio e tua estrada

Vem comigo meu amado amigo

Nessa noite clara de verão

Seja sempre o meu melhor presente

Seja tudo sempre como é

É tudo que se quer

Leve como o vento

Quente como o sol

Em paz na claridade

Sem medo e sem saudade

Livre como o sonho

Alegre como a luz

Desejo e fantasia

Em plena harmônia

Eu sou teu homem, sou teu pai, teu filho

Sou aquele que te tem amor

Sou teu par e teu melhor amigo

Vou contigo seja aonde for

E onde estiver estou

Vem comigo meu amado amigo

Sou teu barco neste mar de amor

Sou a vela que te leva longe

Da tristeza que eu sei eu vou

Onde estiver estou

Publicado por Rosa às 10:59 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Um momento contigo…

“Se estás em silêncio, eu silencio contigo, só para ficar a te sentir em meu ser…
Colhendo o momento onde encontro a mim mesmo na presença sã do teu amor.”

Publicado por Rosa às 10:58 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Tudo explicado…

" Os deuses colocaram os defeitos humanos em dois sacos atados por uma pequena corda e colocaram em cada um de nós os sacos de modo que ficasse um ao nosso peito e o outro nas nossas costas.
No saco da frente colocaram os defeitos dos outros, e no saco de trás colocaram os nossos defeitos.
Assim, andamos a vida inteira a vermos os defeitos dos outros, sem nunca vermos os dos outros. “

José Mel Crisóstomo

Publicado por Rosa às 10:57 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Cabeça bem assente…


“ Se pudessemos dar pontapés na pessoa responsável pela maior parte dos nossos problemas, passaríamos a vida sem nos podermos sentar. “

Postado em

Publicado por Rosa às 10:56 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

O passado...

” As pessoas são o resumo do seu passado.. se não o conhecermos é muito fácil julga-la , o mais difiicil é compreende-la. Não julguem ninguem sem a conhecer verdadeiramente porque podem causar muita dor. “

Postado em

Publicado por Rosa às 10:55 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Pensamento...

” Os pensamentos que escolhemos pensar são as ferramentas que utlizamos para pintar a tela das nossas vidas “

Publicado por Rosa às 10:54 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Recordar ou esquecer…

” Quando nos acontece algo de agradável é preciso temperá-lo com um leve desgrado; assim, lembrá-lo-emos melhor. Pois o homem recorda sempre por mais tempo os momentos desagradáveis do que os momentos agradáveis. “

Publicado por Rosa às 10:53 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

A razão das coisas…

" Porque razão só damos valor ás coisas depois de as perdermos se de antemão já sabemos que só damos valor depois de as perder ? Não seria mais lógico e racional se já sabemos que nada é eterno darmos a devida importância enquanto a temos ?!afinal somos animais racionais ou irracionais ?? "

Publicado por Rosa às 10:49 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)

Sempre o amor…

O amor é paixão de alma
Que rouba a jóia mais rica:
Enquanto pretende, cala;
Apenas logra, publica.

O amor é uma albarda
Que se põe a quem quer bem:
Eu, para nao ser albardado,
Não tenho amor a ninguém.

O amor é uma tença
Herdada do paraíso:
Tanto ama o toleirão
Como o homem de juízo.

O amor é uma sede,
Mais do que uma sede, cobiça;
Peixe que não entra na rede,
Cristão que não ouve missa.

O amor é lei divina,
Pecado são dois amores
Bem sabes que Jesus disse
Não sirvas a dois senhores.

O amor duma mulher
É caldo bem apurado;
Quando o amor arrefece,
Temos o caldo entornado

Publicado por Rosa às 10:44 PM | Comentários (0) | TrackBack (0)