« maio 2004 | Entrada | julho 2004 »

junho 30, 2004

O HOMEM DOS GRANDES MOMENTOS

Precisamente 13 anos depois da vitória no Campeonato Mundial de Sub-20, voltaste a carregar a selecção aos ombros. Grande jogo, Luís Figo. Só foi pena aquele golo magnífico ter esbarrado, ingloriamente, no poste de Van der Sar. Mas não faz mal. Domingo levantas a taça. Vais ver.

Publicado por José Mário Silva às 11:25 PM | Comentários (3)

OBRIGADO

Publicado por José Mário Silva às 11:17 PM | Comentários (0)

LOUCURA TOTAL

Para chegar a Campo de Ourique, vindo do Marquês de Pombal, tive que passar pelo Saldanha, fugindo das ruas cortadas pela PSP e da euforia dos adeptos aos gritos nos passeios, nas varandas, nos automóveis e até em camionetas de caixa aberta. É a loucura absoluta, o delírio levado às últimas consequências. (Dentro de um táxi, dois adeptos holandeses abriam os olhos de espanto, levantando os polegares, talvez a imaginar se uma festa assim seria possível em Amsterdão.) Chego a casa 40 minutos depois. E pergunto-me: se ganharmos no domingo, o que vai ser desta cidade?

Publicado por José Mário Silva às 11:14 PM | Comentários (2)

MINUTO 94

Os cinco últimos posts foram todos para o espaço. Quer dizer, para o ciberespaço. Perderam-se algures num buraco negro, ou nos engarrafamentos digitais que colocaram o servidor KO. Mas isso agora não interessa nada. O que interessa é que Anders Frisk já apitou para o fim do jogo. Portugal resistiu. Portugal ganhou (2-1). Somos finalistas. E este é um resultado histórico. Aconteça o que acontecer no domingo, este é um resultado histórico. Parabéns à selecção, parabéns a Scolari, parabéns a todos os jogadores.

Publicado por José Mário Silva às 09:45 PM | Comentários (0)

MINUTO 77

Perdi a ligação à Net e um post. Não me enervem mais do que eu já estou, cáspite.

Publicado por José Mário Silva às 09:30 PM | Comentários (6)

MINUTO 72

Sai Pauleta (lesionado), entra Nuno Gomes. Van Nistelrooy dá uma patada a Ricardo. Os holandeses estão a ficar um bocado brutinhos. Abra os olhos, Sr. Frisk.

Publicado por José Mário Silva às 09:19 PM | Comentários (1)

MINUTO 70

A Holanda pressiona, insiste, acredita. Vão ser 20 minutos de sofrimento. Nada a que já não estejamos habituados, verdade?

Publicado por José Mário Silva às 09:16 PM | Comentários (1)

MINUTO 66

Entra Petit, sai Cristiano Ronaldo. O Scolari lá sabe o que faz.

Publicado por José Mário Silva às 09:13 PM | Comentários (0)

MINUTO 62

Golo da Holanda. Melhor dizendo: auto-golo de Jorge Andrade (um chapéu perfeito a Ricardo). 2-1. Voltam os fantasmas, volta o fado. Caramba: os deuses da fortuna são mesmo ingratos.

Publicado por José Mário Silva às 09:10 PM | Comentários (0)

MINUTO 60

Dantes, só tínhamos a arte. Agora, também temos a eficácia. Temos tudo. Que grande equipa. Que grande máquina de jogar futebol.

Publicado por José Mário Silva às 09:07 PM | Comentários (0)

MINUTO 57

GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO de Maniche! Mas que golo fabuloso: remate de longe, em arco, juntinho ao poste, sem qualquer hipótese para Van der Sar. 2-0. Estamos quase lá. E com toda a justiça.

Publicado por José Mário Silva às 09:05 PM | Comentários (1)

MINUTO 53

Pauleta desperdiça incrivelmente um golo, isolado face a Van der Sar. Que desperdício! Será que o ponta-de-lança açoriano, de tanto enfardar o queijo Terra Nostra, já se esqueceu de como se marcam golos?

Publicado por José Mário Silva às 09:01 PM | Comentários (1)

MINUTO 52

Cristiano Ronaldo recupera, in extremis, uma bola na defesa. Brilhante.

Publicado por José Mário Silva às 08:59 PM | Comentários (0)

MINUTO 49

Figo recebe no peito e sofre falta. Mas quanta elegância naquela recepção.

Publicado por José Mário Silva às 08:56 PM | Comentários (0)

MINUTO 46

Entrou Makaay. A Holanda fica com mais poder de fogo.

Publicado por José Mário Silva às 08:53 PM | Comentários (0)

MINUTO 45

Recomeçou. Só faltam três quartos de hora, caramba.

Publicado por José Mário Silva às 08:51 PM | Comentários (0)

INTERVALO

Jogo sólido, vantagem merecida, tudo tranquilo, um pé na final.
Bom demais para ser verdade?
Já veremos.

Publicado por José Mário Silva às 08:39 PM | Comentários (2)

MINUTO 45

Deco desperdiça um livre frontal à baliza. Fim da primeira parte.

Publicado por José Mário Silva às 08:35 PM | Comentários (0)

MINUTO 44

Remate de Maniche, sem perigo. Portugal controla o jogo e o resultado com mestria.

Publicado por José Mário Silva às 08:34 PM | Comentários (0)

MINUTO 42

Cartão amarelo para Nuno Valente, exagerado. Não era este Frisk que os espanhóis diziam que era caseiro? No lo creo.

Publicado por José Mário Silva às 08:32 PM | Comentários (0)

MINUTO 40

Grande, grande, grande jogada de Figo, terminada com um remate ao poste. Portugal está a merecer amplamente a vantagem.

Publicado por José Mário Silva às 08:31 PM | Comentários (0)

MINUTO 40

Frisk poupa a expulsão a Overmars, que merecia o segundo amarelo por entrada dura sobre Nuno Valente.

Publicado por José Mário Silva às 08:30 PM | Comentários (0)

MINUTO 38

Cartão amarelo para Overmars, por protestar o fora-de-jogo que anulou um golo holandês.

Publicado por José Mário Silva às 08:28 PM | Comentários (0)

MINUTO 34

Defesa fenomenal de Van der Sar, a afastar um remate à queima-roupa de Pauleta.

Publicado por José Mário Silva às 08:24 PM | Comentários (0)

MINUTO 30

Outro arrepio, depois de centro de Davids. Seedorf desperdiça.

Publicado por José Mário Silva às 08:22 PM | Comentários (0)

MINUTO 27

Primeira resposta da Holanda ao 1-0. Remate de primeira de Overmars. Ainda nada está ganho. É preciso sangue frio e muita cabecinha.

Publicado por José Mário Silva às 08:19 PM | Comentários (0)

MINUTO 25

GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO! Grande golaço de Cristiano Ronaldo. Outra vez no sítio certo. Outra vez de cabeça. Magnífico. 1-0.

Publicado por José Mário Silva às 08:17 PM | Comentários (1)

MINUTO 24

Cristiano ensina a Reiziger, durante 30 metros, como se dança o bailinho da Madeira. Parece-me que o holandês ainda tem o olhos tortos.

Publicado por José Mário Silva às 08:15 PM | Comentários (0)

MINUTO 23

Grande arrancada de Figo, pela esquerda. Digam o que disserem, é um senhor.

Publicado por José Mário Silva às 08:12 PM | Comentários (0)

MINUTO 21

Sobressalto na área portuguesa. Red alert. NÃO SE PODE DAR UM MÍLIMETRO AO NISTELROOY!

Publicado por José Mário Silva às 08:11 PM | Comentários (0)

MINUTO 18

Boa jogada de Portugal, remate fraco. Cuidado com o Robben. Para usar uma aquelas comparações de que os jornalistas desportivos gostam tanto, é assim uma espécie de Cristiano Ronaldo dos polders.

Publicado por José Mário Silva às 08:08 PM | Comentários (1)

MINUTO 14

Figo e Cristiano trocam de alas. Scolari pede calma. O jogo está morno. As meias não vão ser como os quartos. Sofreremos menos, espero.

Publicado por José Mário Silva às 08:04 PM | Comentários (0)

MINUTO 10

Na direita, Overmars liga o turbo e acelera. Felizmente, é o único holandês, por enquanto, com tendências tunning.

Publicado por José Mário Silva às 07:59 PM | Comentários (0)

MINUTO 9

Quase golo de Cristiano Ronaldo, depois de centro de Figo. Começámos bem.

Publicado por José Mário Silva às 07:58 PM | Comentários (0)

MINUTO 7

Maniche sofreu um toque e queixa-se muito. Lembra-te da canção, pá: «menos ais, menos ais, menos ais».

Publicado por José Mário Silva às 07:56 PM | Comentários (0)

MINUTO 5

Começo equilibrado. Portugal não acusa os nervos. E há uma boa notícia: afinal o Pauleta sempre participa no Europeu. Estou a gostar de o ver a tocar na bola, a sério, em vez de assinar queijos.

Publicado por José Mário Silva às 07:55 PM | Comentários (0)

PORTUGAL-HOLANDA

Portugal- Ricardo, Miguel, Jorge Andrade, Ricardo Carvalho, Nuno Valente, Costinha, Figo, Maniche, Deco, Ronaldo, Pauleta.

Holanda- Van der Sar, Reiziger, Stam, Bouma, Van Bronckhorst, Seedorf, Cocu, Davids, Overmars, Van Nistelrooy, Robben.

Árbitro- Anders Frisk (Suécia).

Já começou.

Publicado por José Mário Silva às 07:53 PM | Comentários (0)

CLASSIFICADO

vista_alfama.jpg

O apartamento que alberga esta janela em Alfama está à venda. É um T-0 com 45 metros quadrados e obras feitas, a estrear. Mais dados a quem os pedir pelo correio para margaridaferra@hotmail.com.

Publicado por Margarida Ferra às 07:32 PM | Comentários (3)

MANCHETES

À conta do Portugal-Holanda, disseram-se hoje as maiores barbaridades: na TV, no café da esquina, nas rádios, nos supermercados. Os quiosques, então, mais pareciam uma feira de horrores, com sessões contínuas de tortura da pobre deontologia jornalística. «Vamos esmagá-los!», prometeu em letras garrafais o 24 Horas. «Vamos fazê-los em sumo», contrapôs o inflamado Record. Uma vergonha. E depois ainda se queixam, com lágrimas de crocodilo, da violência inusitada dos tablóides ingleses.

Publicado por José Mário Silva às 06:50 PM | Comentários (4)

TER UM FILHO

Ter um filho é simplesmente cair na armadilha mais infalível da biologia. É capitular ante os desejos de expansão desses conquistadores minúsculos mas sempre tão poderosos: os nossos cromossomas. Eles só sabem urrar uma ordem: "propaga-me, multiplica-me!"; este imperativo, quando sobe aos nossos cérebros civilizados, chega com aromas de elevados sentimentos, soa a acordes complexos, a transcendências poéticas. Pois. Mas amar os nossos filhos não é prova de parentesco com essa fabulosa criatura dos nossos sonhos, Deus. É apenas anuir à essência animal que nunca conseguiremos despir como se fosse roupa fora de moda: queremos que os nossos genes sobrevivam e tudo faremos para cumprir esse Norte. Chamemos-lhe paixão, amor ou outra coisa qualquer; nada muda.
Ter um filho, por muito que saibamos tudo isto, também é uma infinidade de outras coisas. É a descoberta de um fiapo de sentido que ameaça a todo o momento transformar o conjunto desgarrado de episódios sem nexo a que chamamos "vida" numa narrativa entendível. (Que esta revelação talvez nunca chegue até acaba por parecer um contratempo aceitável, no meio de tanta beatitude paternal...)
Ter um filho não é só ver surgir ao nosso lado uma vida que se ama mais que a nossa. Os filhos são sim a matriz que estrutura a nossa existência; fora dessa teia de sorrisos, ternuras ínfimas, memórias felizes e pouco fiáveis, texturas de pele, cheiros, vozes, cumplicidades, sobressaltos do coração... fora disto, nada vive, nada dispõe do peso necessário para ser importante. A nossa existência prévia estilhaça-se e desata a gravitar em redor deles como destroços nos anéis de Saturno.

Ter um filho é, e isto descubro-o apenas agora, dia a dia, muito mais do que a maravilha da epopeia do crescimento - os primeiros sorrisos, os primeiros passos and so on. É também o choque de pressentirmos que em breve vamos ter de voltar à nossa desolada condição de seres solitários; os miúdos crescem, erguem muros em seu redor, fecham-nos alas inteiras das suas vidas de repente tão ocupadas e distantes. Mas mesmo isto vai parecer-nos digno de um suspiro de enlevo; mesmo disto iremos ter saudades.
"Ter um filho", por fim, é uma expressão bem enganadora: eles é que nos têm na mão. Mesmo quando tudo parecem fazer para o evitar.
Em suma: ter um filho é mesmo coisa complexa demais para estas tangentes diletantes. Para a próxima, fico calado.

PS: Zé Mário, desculpa lá o atrevimento deste teu amigo ao presumir que teria algo a dizer-te nesta hora tão luminosa...

Publicado por Luis Rainha às 06:27 PM | Comentários (7)

REFLEXOS DA BOA NOVA

Têm sido muitos, os sinais de uma alegria partilhada. E calorosos, todos, mesmo os de pessoas que nunca vi (a não ser atrás de um nome que brilha no ecrã). Impõe-se, ainda assim, destacar o entusiasmo de três meninas encantadoras: a Ju, a Charlotte e a Sara. Obrigado, amigas. Cá do fundo.

Publicado por José Mário Silva às 03:51 PM | Comentários (7)

MY NAME IS BARROSO

Ontem, Durão Barroso deu-se a conhecer a alguns jornalistas europeus, num encontro de que pudemos apreciar alguns highlights via TSF.
O homem estava feliz. Mais: até parecia humano, tal a jovialidade que a sua voz transmitia. Ele brincava com o seu nome ("You can call me simply Barroso; I won.t be angry!"), ele não se conseguia calar ou acalmar, ele parecia um puto agarrado com unhas e dentes a um brinquedo reluzente, há muito desejado.
A fotografia que encima este post vem confirmar este novo Durão Barroso que agora desabrocha feliz para a Europa: um homem com um sorriso que quase transborda da sua cara, alguém que parece jubilar por se ver enfim livre de uma carga atroz.
Compreende-se: mais do que alegria, é o alívio que transfigura Barroso. Alívio por se ver longe de um eleitorado que não o entende; de uma realidade económica que não encontra forma de obedecer às suas ordens; de um partido repleto de Valentins e outros casos de polícia; de um vice-presidente capaz de vender a avó a Bin Laden se isso o aproximar um centímetro mais de uma qualquer cadeira do poder; um governo sem chama nem redenção à vista; um parceiro de coligação que não é bem um partido, antes uma associação de mânfios pouco recomendáveis.
O entusiasmo por se ver escapar incólume a tal naufrágio é natural. Parece-me é um pouco obsceno, tendo em vista que nos deixou a todos para trás, amarrados a um paquete vetusto e esburacado, prestes a sermos conduzidos por um marinheiro de baixa patente, embriagado de si mesmo, néscio e pitosga.

Este alívio jubiloso já o fez levantar voo para céus mais desanuviados, longe dos nossos assuntozitos mesquinhos. Só assim se entendem as declarações que hoje Durão produziu, apelando aos partidos para que não façam da sua nomeação para a presidência da Comissão Europeia assunto de "luta partidária". E afirmando esta enormidade: "Não posso compreender que aqueles que achavam que o cargo de presidente da Comissão era vital para o comissário António Vitorino, agora ponham reservas à minha aceitação do cargo. Isso parece-me francamente extraordinário."
Ou seja, o senhor President não entende como é que a Oposição se poderia melindrar por ver fugir o primeiro-ministro que efectivamente venceu as últimas eleições legislativas. Não lhe passa pela ideia que os portugueses se alarmem quando lhes dizem que vão passar a ser liderados por um incapaz populista que apenas é levado a sério por si próprio e pelos fiéis acólitos, estes já em busca afanosa de tachos num futuro governo liderado pelo chefe.
E, acima de tudo, "Johnny" Barroso não parece vislumbrar a diferença que existe entre a nomeação para esse mirabolante cargo de alguém que já não está em Portugal há anos (Vitorino) e a fuga vergonhosa de um primeiro-ministro que ainda há pouco nos fazia juras de permanência e de constância face à adversidade.
Volta, Guterres, que estás perdoado!

Publicado por Luis Rainha às 02:42 PM | Comentários (7)

CENTRAL DE INFORMAÇÃO

Eis um magnífico site agregador, feito em Portugal e a pensar nos jornalistas portugueses (obrigado, Pedro Guinote). Nele encontramos centenas de fontes noticiosas escolhidas com sabedoria e critério, dos principais jornais do mundo a serviços de meteorologia e mapas, passando pelas grandes agências (Reuters, United Press, AFP, etc), páginas amarelas e até blogues. Tudo organizado e fácil de aceder. Um mimo.

Publicado por José Mário Silva às 02:08 PM | Comentários (1)

EARLY MORNING BLOGS

Nestes dias de brasa e de cinza, é bonito ver Pacheco Pereira a citar (por sugestão dos seus leitores) versos dos Sex Pistols e dos Radiohead.

Publicado por José Mário Silva às 01:39 PM | Comentários (0)

MADRUGADA (3)

Early Sunday Morning de Edward Hopper, 1930. (Quem for à Tate Modern até 5 de Setembro poderá maravilhar-se com esta e muitas outras obras do mestre da desolação urbana.)
Seria assim, a luz trôpega que te iluminou a madrugada, Zé Mário?

Publicado por Luis Rainha às 12:47 PM | Comentários (1)

MADRUGADA (2)

Sair de casa às sete da manhã tem as suas vantagens. O quase silêncio das ruas barulhentas, por exemplo. Ou a luz tão inclinada que ainda mal toca nas pedras do passeio: trôpega de sono, preguiçosa, infantil.

Publicado por José Mário Silva às 12:02 PM | Comentários (1)

MADRUGADA

«Riesengebirge», de Caspar David Friedrich (1835)

Publicado por José Mário Silva às 11:59 AM | Comentários (0)

CINEFILIA

Lembram-se do «Chungking Express», do Wong Kar Wai? Lembram-se do barulho dos aviões sobrevoando a cidade, muito baixo, rente aos telhados? O meu prédio é assim: Hong Kong em Campo de Ourique.

Publicado por José Mário Silva às 09:24 AM | Comentários (9)

Q&A

Perguntam-me se não sinto o peso da responsabilidade. E eu respondo que sim, mas que não é um fardo, é um peso bom, um peso que apetece carregar.
Perguntam-me se não sinto uma espécie de pânico. E eu respondo que sim, mas que é um pânico jubiloso, eufórico, a adrenalina de quem se prepara para subir ao Everest (com a certeza de chegar ao cume).
Perguntam-me se não sinto vertigens. E eu respondo que sim, mas que não são bem vertigens, é a contemplação de um abismo maravilhoso, o mundo a abrir espaço, à nossa frente, para uma vida que hei-de amar mais do que a minha.
Perguntam-me se não estou nervoso. E eu respondo que não, estranhamente não, atravesso os dias sereno, a pairar sobre as coisas, seguro da minha felicidade, imerso numa espécie de gravitas sem espessura, uma gravitas aérea.

Publicado por José Mário Silva às 09:16 AM | Comentários (5)

FADO VADIO

Ontem à noite, pelas janelas abertas, da noite escura, chegava-nos o som de vozes esganiçadas, aplausos, risos, tilintar de copos e «shiu, caluda, silêncio que se vai cantar o fado». O fado vadio, à desgarrada, entre homem e mulher.
É bom que se diga que eu não tenho nada contra o fado vadio, sobretudo quando é mais vadio que fado. Ontem à noite, porém, da noite escura, pelas janelas abertas, o que chegava cá acima era outra coisa. Era uma estridência aziaga, um chinfrim de esturricar miolos, um suplício de guitarras manhosas e gargantas sem dó (nem piedade).
A canícula nocturna é um tormento, um inferno, uma agonia, mas os 30º à meia-noite ainda se toleram, se formos estóicos. As rimas de «Uma Casa Portuguesa» é que não.

Publicado por José Mário Silva às 08:53 AM | Comentários (5)

junho 29, 2004

A NACIONALÍSSIMA TRINDADE

Depois de ver o Scolari a gabar as maravilhas da Nossa Senhora de Caravaggio (infelizmente, nada tem a ver com isto, mas sim com isto), enquanto perorava sobre as vantagens comparativas de Fátima; depois de saber que o Figo passou o desempate com a Inglaterra agarrado a um boneco da Virgem de Fátima; depois de ter visto levas de adeptos de diferentes nacionalidades entretidos a queimar velinhas no santuário da Cova da Iria... já imagino um fadinho a pontuar o pontapé de saída do próximo jogo de Portugal. Aí, teríamos, reunida e triunfante, a santa trindade do bom povo português: Futebol, Fátima e Fado.

Publicado por Luis Rainha às 07:37 PM | Comentários (3)

RETRATO DO MORCÃO ENQUANTO PRIMEIRO-MINISTRO

A nossa equipa de audazes repórteres acaba de garantir outro retumbante exclusivo para o BdE. Com denodada coragem, eles vasculharam o caixote de lixo da residência oficial do presidente da CML e encontraram o rascunho do discurso que Santana Lopes prepara para a sua tomada de posse como primeiro-ministro!
Aqui fica este documento histórico, já purgado dos inúmeros erros de ortografia mas mantendo as anotações feitas pelo punho do eminente estadista:

"Cidadãs, cidadãos, portugueses (ênfase suave mas perceptível na primeira palavra; convém não descurar o meu eleitorado-chave):

Falo-vos num momento de crise grave de festa decisivo (aqui fica bem uma pausa longa. E até posso olhar assim com ar iluminado para o horizonte).
No seguimento da honra que recaiu sobre o nosso bem-amado líder Durão Barroso (atenção: nada de risinhos tontos na parte do "bem amado"), a História clama mais uma vez pela minha presença, pelo meu sacrifício no altar do bem da comunidade. (Aqui, fica bem uma pausa para o pessoal bater palmas).
Como de costume, não me faço rogado. Avanço destemido, de peito aberto contra as balas da inveja, da malquerença, da politiquice rasteira que nunca consegue respeitar os superiores interesses da Nação. E esses interesses têm hoje um nome e um rosto. Que, por acaso, são os meus (mais palmas).
Havia por aí quem pedisse eleições antecipadas. Como se isto de ir a votos a torto e a direito fosse coisa recomendável ou decente. Mas não sabem que vivemos em Democracia, e que as Democracias têm regras?
Ainda para mais, estando eu aqui à espera de uma posição à altura do meu talento predestinado, queriam dar o lugar a quem? Ao tosco do Ferro Rodrigues? Mas estão mesmo a imaginar semelhante burgesso a jantar com a realeza europeia? (isto é capaz de ser demais: tenho de manter o nível de Figura de Estado).
O que valeu a esta Nação em perigo foi o seu Presidente. Saúdo aqui a prudente coragem de Jorge Sampaio, que se soube manter em prolongado silêncio e sem levantar ondas, deixando que a História cumprisse os seus desígnios gloriosos (tenho de perguntar à Bobone se é de bom-tom fazer vénias a um Presidente; o Sampaio ia ficar todo derretido).
Há por aí quem diga que sou pouco culto (fazer pausa para as vaias). Que nem sei bem o que é um Chopin. Que não sei distinguir a Hilida Ilidida Ilíada das Páginas Amarelas.
Mas eu pergunto: quantos entre vós, bom povo português, é que já leram a Ilíada? Aliás, quantos de vocês é que leram um livro desde que saíram da escola? Estão a ver: o País não precisa de quem saiba de violinos ou de sonetos. Precisa sim de homens de acção, políticos de obra, gente que faz primeiro e pensa depois!
E assim sou eu, Pedro Santana Lopes! (Ovação delirante, miúdas a desmaiar.)

Posso não ser um grande pensador intelectualóide, mas não tenho medo de sujar as mãos no cimento das realizações, não receio dar cabeçadas nos obstáculos, porque sei que tudo se aprende na universidade da vida, tudo se solidifica no calor do combate político!
(Pedir silêncio à multidão histérica e afivelar uma expressão comovida.)
Nesta ocasião, uma palavra de especial apreço tem de ir para o meu companheiro de sempre (pôr ar mesmo sério, senão a malta ainda pensa em segundos sentidos), Alberto João Jardim. Um líder que soube levar o seu povo do deserto gonçalvista para a prosperidade de hoje. Um homem como devia haver muitos neste nosso país; mas, como não há mesmo mais nenhum, tenho a honra de o convidar, neste público e solene momento, para o cargo de ministro da Economia da Cultura dos Negócios Estrangeiros. (É melhor improvisar qualquer coisa na altura; mas onde é que vou enfiar este traste, de maneira a que não possa fazer muitos estragos?)
A restante composição do meu gabinete será conhecida muito em breve. Nós, os homens de acção, não precisamos de tempo para grandes reflexões; fazer é que interessa. E quanto mais depressa melhor! (Palmas prolongadas)
O que posso garantir ao País é que será um Governo composto pelos melhores homens e pelas melhores mulheres (Nota: convidar para Secretária de Estado de qualquer coisa aquela ruiva espectacular do gabinete do Arnault) deste País. Um governo que sabe o que os Portugueses desejam e exigem: mais dinheiro, mais obras, mais retoma!
A partir de hoje, já chega de apertar o cinto: as eleições estão à porta e urge garantir que o nosso projecto se vai prolongar por mais uma legislatura. (Aqui, se ninguém estiver a olhar, posso deitar a língua de fora àquela bruxa da Ferreira Leite.) Por isso, não me perguntem qual é a minha filosofia; os Portugueses sabem bem que só tenho uma política: ganhar as próximas eleições nem que a vaca tussa aparecer na TV com a legenda "Primeiro-ministro", ou "Presidente da República" a passar por baixo lixar a vida ao Cavaco e seus rapazinhos tudo por Portugal, nada contra Portugal! (Esta é muita boa; estou mesmo inspirado!)
Se todo o Portugal confiou na Selecção nacional, pode bem agora confiar nos craques da minha equipa; eu, qual Figo inspirado, vou rematar forte contra os nossos adversários, internos ou externos. Vamos ganhar todos os desafios; e de goleada!


THE END

(Nota: não esquecer de convidar a Nituxa para comemorar, mais logo. Pode ser que ela leve a irmã.) "


PS: obrigado, Jorge Mateus, pelo belo "boneco"!

Publicado por Luis Rainha às 06:15 PM | Comentários (1)

ALGUÉM PEDIU ESTE CALOR INFERNAL?

Eu não fui.

Hmmmm, cheira-me a castigo divino.

Publicado por José Mário Silva às 04:59 PM | Comentários (0)

AGORA ESCOLHAM

Têm duas formas possíveis de ocupar o tórrido fim de tarde que se aproxima:

1- Estarem presentes, às 18h30, no Jardim de Inverno do Teatro São Luiz, para a última sessão do «É a Cultura, Estúpido!»

2- Levarem chaves, vozes afinadas, slogans e cartazes imaginativos para a manif contra a "hipótese Santana", em frente ao Palácio de Belém, às 19 horas

Qualquer das alternativas é boa.
Um desperdício, isto de não sermos úbiquos.

Publicado por José Mário Silva às 04:56 PM | Comentários (6)

PROPOSTA DE SMS

Eis uma convocatória muito bem apanhada (vénias e aplausos para a nossa amiga Ju):

TODOS AO MARQUÊS DE POMBAL, NA QUARTA (A PARTIR DAS 21H30), CONTRA SANTANA LOPES PRIMEIRO-MINISTRO! APARECE! LEVA A BANDEIRA DE PORTUGAL! FAZ BARULHO! APITA PELAS CIDADES FORA PARA MOSTRAR O TEU DESAGRADO!

Reenviem para amigos e conhecidos, claro, mas também para o Figo, para o Cristiano Ronaldo, para o Deco e para o Scolari. Eles que ganhem à Holanda. Nós tratamos do resto.

Publicado por José Mário Silva às 04:52 PM | Comentários (1)

UM DISCO BARROCO PARA DURÃO BARROSO

Publicado por José Mário Silva às 01:39 PM | Comentários (11)

OS APOIOS DE SANTANA

A primeira voz que se levantou em defesa e louvor de Santana Lopes, neste cenário de eventual sucessão, foi o campeão da boçalidade e do despesismo: Alberto João Jardim, "rei" da Madeira. Já a primeira voz que se opôs com firmeza, dentro do universo PSD, à ascenção de Santana foi Manuela Ferreira Leite, a Nossa Senhora do Défice. Entretanto, segundo o DN, 18 das 19 distritais do partido laranja fizeram questão de manifestar, ontem, o seu apoio ao ainda presidente da Câmara Municipal de Lisboa.
Tudo isto é triste. Mas tudo isto faz sentido. Tudo isto é lógico. Ainda este ano, não se esqueçam, há eleições regionais na Madeira. E muitos autarcas sociais-democratas vão ter, em 2005, o cargo em risco. Ora, eles sabem que sem a Manuela no caminho, a contar cêntimos, o "amigo" PSL não regateará euros para as inaugurações de pompa e circunstância.
Eles sabem e nós sabemos. Tal como sabe uma parte significativa do PSD (de Pacheco Pereira a Marcelo Rebelo de Sousa), receosa de ver o esforço de contenção orçamental, que tantos votos custou ao partido nos últimos anos, desbaratado pela política populista de Santana.
No fundo, sabemos todos o que nos espera, se as manobras de bastidores suplantarem a necessária clarificação política (dentro do PSD) e democrática (só possível se os portugueses forem chamados às urnas, quanto antes, para definirem a sua vontade actual).
Sabemos todos . ou quase todos. Que Sampaio, lá no Palácio, levante os olhos da Constituição, abra a janela e saiba também.

Publicado por José Mário Silva às 01:30 PM | Comentários (17)

E ELE DISSE QUE SIM

Já está. José Manuel Durão Barroso acaba de anunciar ao país o que se esperava: aceita o convite de Bruxelas e vai assumir a presidência da Comissão Europeia, deixando para trás um partido às turras e um país suspenso da lucidez de Sampaio.

Publicado por José Mário Silva às 01:06 PM | Comentários (3)

POST 2001

Os acasos têm destas coisas. No momento em que ultrapassamos a barreira dos 2000 posts (em pouco mais de sete meses da "segunda vida" do BdE), o blogue atinge o mais extraordinário pico de audiências de sempre. Uns atrás dos outros, caem os nossos melhores records. No fim-de-semana, por exemplo, tivemos 1480 visitas no sábado (650, segundo o Sitemeter) e 1521 (780) no domingo. Uma explosão. Cereja em cima do bolo: no domingo cometemos a proeza rara de ficar em 1.º lugar nas estatísticas da weblog.com.pt, à frente do imbatível Barnabé. Mas o dia de ontem foi ainda melhor: 2.104 visitas no sistema weblog.com.pt; 1220 no Sitemeter. Tendo em conta que o nosso anterior máximo era, respectivamente, 1737 e 906, compreende-se que temos amplas razões para celebrar.
Aos cibernautas que nos têm visitado, tanto os fiéis de sempre como os novos habitués, o nosso sincero agradecimento. Tudo faremos para continuar a merecer a vossa atenção, a vossa leitura, os vossos comentários e os vossos (muitos) regressos.

Publicado por José Mário Silva às 11:05 AM | Comentários (3)

junho 28, 2004

ENTREGUES À BICHARADA (3)

Santana Lopes, já se sabe, nada vê para lá do seu reflexo. De preferência num espelho que o mostre como ele se imagina: predestinado, poderoso e por todos adorado.
Durão Barroso não fala. Prefere defender os "superiores interesses da Nação" não explicando muito bem o que quer fazer e evitando dar qualquer satisfação aos papalvos que nele votaram.
Jorge Sampaio, por mais gente que tenha aos berros mesmo à sua porta, nada ouvirá. Afinal, para quê arriscar a imagem esfíngica e consensual que lhe deu tanto trabalho a construir?

PS: este é o post n.º 2000 da "segunda edição" do Blogue de Esquerda. Onde é que está o meu peluche de prémio?

Publicado por Luis Rainha às 09:27 PM | Comentários (10)

O BLOGUE DA CPEC

O Paulo Querido chamou-lhe CPeC: Crise Política em Curso. E lembrou-se de fazer um blogue agregador sobre o tema. Isto é, sobre o período politicamente convulso que se vive neste momento em Portugal.
Nas palavras do Paulo: «O CPeC pretende agregar numa lista o maior número de entradas e textos cuja temática se prenda com a crise política levantada em Portugal na semana de 21 a 27 de Junho, quando o Primeiro-Ministro colocou a hipótese de abandonar o Governo para se tornar presidente da Comissão Europeia. A natureza dispersa da blogosfera torna difícil seguir o curso das opiniões publicadas e esta lista é um instrumento para minorar essa dificuldade».
Uma vez mais, aplaudimos o gesto, a ideia, o projecto, a intenção. E comprometemo-nos a participar activamente neste CPeC, como já participámos em iniciativas anteriores (o blogue sobre Zeca Afonso ou sobre o 25 de Abril, por exemplo).

Publicado por José Mário Silva às 08:53 PM | Comentários (0)

PARA ACABAR DE VEZ COM O «É A CULTURA, ESTÚPIDO!»

Amanhã, à hora do costume (18h30), no sítio do costume (Jardim de Inverno do Teatro São Luiz), chega ao fim o ciclo de debates/tertúlias informais/conversas de café a que o Nuno Artur Silva, das Produções Fictícias, teve a feliz ideia de chamar «É a Cultura, Estúpido!» (não, não é nenhuma piada dirigida ao Santana Lopes).
Para o grand finale, o formato altera-se um pouco. Os participantes são os habituais (Anabela Mota Ribeiro, João Miguel Tavares, Nuno Costa Santos, Daniel Oliveira, Pedro Lomba, Pedro Mexia, Ricardo Araújo Pereira e este vosso escriba), mas a táctica é diferente: tudo ao molho e fé em Deus, à boa maneira do Estebes. E em vez de dizer bem disto e daquilo, vamos dizer mal de tudo. Ou como se diz no press-release, «venha desancar connosco nos piores livros, filmes e discos do primeiro semestre deste ano (...) e saiba o que não deve colocar no porta­-bagagens, na altura de partir para férias em Oxford ou em Massamá».
Ficam avisados.

PS- Como é óbvio, só pode faltar quem nos trouxer provas de que esteve, à mesma hora, a exigir eleições antecipadas ao nosso Presidente da República, em frente ao Palácio de Belém...

Publicado por José Mário Silva às 08:35 PM | Comentários (2)

VAMOS LÁ OUTRA VEZ

A manifestação de ontem, já o mostrámos, foi um êxito. Mas não chega. É preciso mais gente a gritar em Belém, para que Sampaio oiça, pense e decida.
Por isso, amanhã repetiremos o protesto, à mesmo hora, no mesmo sítio (em frente ao Palácio).
Façam circular a SMS:

TERÇA-FEIRA, 29, ÀS 19h00, PALÁCIO DE BELÉM. SEREMOS AINDA MAIS CONTRA O GOLPE DE SANTANA LOPES. ANTECIPADAS, JÁ!

Publicado por José Mário Silva às 04:12 PM | Comentários (27)

DURÃO DIXIT

Lá de Istambul, onde saboreia a súbita glória europeísta, Durão Barroso dignou-se finalmente a dizer alguma coisa ao povo português. E que disse Durão? O previsível: que voltará quanto antes à pátria, que se reunirá amanhã com o Presidente da República, que convocará um Conselho de Ministros extraordinário. Serenem as massas, porque o nosso líder pensa em nós e nos «superiores interesses nacionais». Acima de tudo, garante Durão, é preciso evitar «a instabilidade política». E é aqui que começa o logro do ainda primeiro-ministro: a instabilidade política não se pode evitar porque já existe, já se espalhou (sôfrega, como um incêndio) pelos corredores dos ministérios e pelos gabinetes das várias esferas do poder.
Se lhe restar um pingo de lucidez, Durão compreenderá que não é possível, neste cenário, construir do zero um governo com capacidade de acção, margem de manobra e, sobretudo, legitimidade democrática . mais ainda após um cataclismo eleitoral da magnitude do que aconteceu no dia 13 e num momento em que a coligação está, na melhor das hipóteses, moribunda. A única saída para o impasse que ele próprio criou é pedir a Sampaio, no momento em que se demitir, a marcação de eleições anticipadas. Qualquer outra atitude será uma receita para o desastre.

Publicado por José Mário Silva às 04:05 PM | Comentários (2)

A CULPA É DESTE GAJO

Jean-Claude Juncker, primeiro-ministro do Luxemburgo, foi a primeira escolha consensual para o cargo que agora o nosso Durão parece ter aceitado. Só que o ingrato, não contente com as carradas de "prestígio" e "mais-valias" que iriam desaguar ao seu pequeno país por via de uma tal escolha, resolveu recusar.
Consta que o homem se recordou de um compromisso eleitoral que tinha assumido com os seus concidadãos. Imagine-se a cobardia e o egoísmo: virar costas a um desafio europeu desta magnitude por causa de uma minudência insignificante. Mas que interessam os votantes do Luxemburgo a quem quer que seja? Vê-se mesmo que o tal Juncker não tem fibra de verdadeiro estadista...

Publicado por Luis Rainha às 03:24 PM | Comentários (8)

A PRIMEIRA MEDIDA DE SANTANA LOPES, AINDA ANTES DE SER PM


Cartoon de Luís Afonso, «Público»

Publicado por José Mário Silva às 09:50 AM | Comentários (7)

NAUSEFE

Ontem comprei Nausefe numa farmácia de serviço. Nausefe é um medicamento para aliviar as náuseas. Por estranho que pareça, garanto-vos que não teve nada a ver com Santana Lopes.

Publicado por José Mário Silva às 09:48 AM | Comentários (4)

O SILÊNCIO NEM SEMPRE É DE OURO

Que num momento delicadíssimo da vida política portuguesa, como o que vivemos, Durão Barroso permaneça calado - nada explicando aos portugueses sobre o que conta fazer nos próximos tempos, ou sobre a forma de evitar o guterriano «pântano» que se aproxima - é, no mínimo, escandaloso. Assim se vê a "prioridade" que o primeiro-ministro-quase-ex-e-já-com-a-cabeça-em-Bruxelas sempre afirmou reservar aos portugueses e aos "superiores interesses nacionais".

Publicado por José Mário Silva às 09:46 AM | Comentários (0)

GOLPE

A possível (e provável) substituição de Durão Barroso por Santana Lopes, sem passar pelo crivo eleitoral ou por um consenso intrapartidário, prefigura um verdadeiro golpe de Estado. Não somos nós que o dizemos. É ela.

Publicado por José Mário Silva às 09:30 AM | Comentários (4)

junho 27, 2004

MANIF EM BELÉM (3)

manif3.JPG

«Sampaio abre a pestana/ Nós não queremos o Santana»

Publicado por José Mário Silva às 11:45 PM | Comentários (1)

MANIF EM BELÉM (2)

manif2.JPG

Senhor Presidente: não se esqueça que está nas suas mãos a chave deste problema.

Publicado por José Mário Silva às 11:41 PM | Comentários (0)

MANIF EM BELÉM (1)

manif1.JPG

SMS + BLOGUES = 2500 PESSOAS. Excelente mobilização (em tempo record), não vos parece?

Publicado por José Mário Silva às 11:33 PM | Comentários (6)

PORQUE DEVE E NÃO DEVE HAVER ELEIÇÕES

Sendo um homem de esquerda, gostaria muito de não ver aqueles que comigo partilham uma série de valores e de ideias, sobre o que se deve esperar de uma sociedade, a fazer o que os tenho visto fazer nos últimos dias.
Meus amigos: deixemos, por favor, para a direita a distorção das regras quando as regras não agradam. Deixemos para a direita a demagogia e o oportunismo. Deixemos para a direita os golpes baixos. Nós não precisamos deles.
Não, não deve haver eleições porque o primeiro-ministro se demitiu (demitirá?). Não, não deve haver eleições porque Santana Lopes não foi a votos. Não, muito menos deve haver eleições porque a direita foi estrondosamente derrotada há dias. Em Portugal existe uma constituição que estabelece uma série de regras e nada nessas regras indica que deve haver eleições agora.
Quando se vota em eleições gerais não se elege um governo e muito menos se elege um primeiro-ministro: elege-se um parlamento. Elegem-se deputados. E é desse parlamento e da correlação de forças entre os deputados que saem os governos, com a escolha do primeiro-ministro a ser responsabilidade directa do Presidente da República. E não há nada que obrigue o PR a escolher como primeiro-ministro o líder do partido com mais deputados: na situação hipotética de só haver maiorias relativas, de ser possível a formação de uma coligação estável entre dois partidos menos votados e não ser possível estabelecer um governo estável com o partido mais votado, é conveniente que o PR não convide o presidente do partido mais votado a formar governo. É assim que o nosso sistema funciona.
Mas ninguém respeita o nosso sistema. E por isso, durante as campanhas eleitorais, e mesmo fora delas, somos submersos por uma campanha maciça que fala de noções inexistentes à luz da constituição como "candidato a primeiro-ministro" ou "líder da oposição", responsabilidade quer da tendência que os media têm para a simplificação mentecapta, quer de uma estratégia deliberada dos dois maiores partidos para concentrar em si todas as atenções e menorizar todas as outras forças.
É por causa desta campanha desonesta que deve agora haver eleições.
Tivessem os senhores do PSD cumprido as regras, tivessem proposto aos portugueses um programa político, tivessem-lhes falado nos deputados que se preparavam para eleger, não tivessem pessoalizado as últimas eleições na figura de Durão Barroso e na aberração da sua "candidatura a primeiro-ministro", teriam agora toda a legitimidade para formar novo governo emanado da sua maioria no parlamento. Toda. Independentemente de tudo o mais. Toda.
Mas o PSD não existiu: só houve Durão Barroso. Nada de programa, para lá de soundbytes demagógicos que se vieram a revelar, pouco depois, totalmente mentirosos. Um vazio total, à excepção da figura do líder. E é por isso, e por mais nada, que se o líder se vai embora, ninguém mais tem a mínima legitimidade para o substituir. É por causa da pessoalização da campanha e do discurso político, em total desrespeito pelo regime constitucional em vigor no país, em completo borrifar para as regras, que é obrigatório ir a votos se o Durão Barroso for mesmo para Bruxelas.
Com a esperança de que apanhem outro banho monumental e que para a próxima se deixem de manipulações de baixo calibre e falem verdade aos portugueses, nomeadamente, mas não só, sobre o que significa na realidade ser candidato a umas eleições parlamentares.
(Jorge Candeias)

Publicado por José Mário Silva às 06:47 PM | Comentários (20)

ENTREGUES À BICHARADA (2)

Publicado por Luis Rainha às 03:07 PM | Comentários (10)

NÃO SE ESQUEÇAM

Hoje, às 19 horas, em Belém (frente ao Palácio do Presidente da República), terá lugar uma manifestação contra a possibilidade de Pedro Santana Lopes substituir Durão Barroso no cargo de primeiro-ministro, sem passar pelo escrutínio eleitoral. Antecipadas, já!

Publicado por José Mário Silva às 02:42 PM | Comentários (2)

junho 26, 2004

NÃO HÁ MANEIRA DE ACORDARMOS DESTE PESADELO

Publicado por Luis Rainha às 11:33 PM | Comentários (7)

UM FILÓSOFO NA RUA

Passaram ontem vinte anos sobre a morte de Michel Foucault. Uma efeméride discreta, no meio do alvoroço dos tempos que correm. O jornal Libération dedicou-lhe um caderno especial que pode ser consultado aqui. Aí podemos ler um texto genérico sobre a aventura intelectual foucaldiana; três textos curtos que o filósofo em tempos escreveu para o jornal; uma entrevista com o seu companheiro, Daniel Defert, que depois da sua morte, e na linha da crítica que Foucault desenvolvera sobre o .poder médico., criou uma associação de apoio aos doentes de Sida; testemunhos vários sobre a actualidade do seu pensamento. Destes, gostámos particularmente do texto de Jacques Rancière, que nos fala de um Foucault que soube reinventar, nos confins da sua investigação e da acção militante, a relação do pensamento com a vida. Tentámos por isso uma tradução do último parágrafo. Conta-nos Rancière:

«À imagem convencional, prefiro então a do meu primeiro encontro com o .filósofo na rua.. Foi em junho de 1968. A acreditar nos sérios biógrafos, que ele por vezes conseguiu despistar, ele estava, durante todo esse tempo, longe de Paris e de suas agitações. E no entanto, nessa manhã estava lá; de férias, é verdade, mas quem é que não estava, nessa altura? Incógnito e sem megafone, mas com um impermeável. Nada a ver com a meteorologia, apenas com os jactos de água com os quais os grevistas da Citröen, que ele vinha apoiar, acolhiam os .autónomos. que queriam forçar o piquete. Ele estava lá sem necessidade, não para trazer à luta o conhecimento do sábio ou a voz do filósofo mas, pelo contrário, para percorrer e medir o território das solidariedades enigmáticas onde o pensamento encontra os seus objectos e as suas tarefas. Longe de todas as racionalizações retrospectivas, é este enigma que vale a pena aprofundar.»

Publicado por Manuel Deniz às 11:32 PM | Comentários (1)

ESTA BANDEIRA, ATÉ A PUNHA À JANELA

Não é made in China. É made in Barnabé. Vai ficar ao pé da outra, igualmente a meia haste.

Publicado por José Mário Silva às 07:24 PM | Comentários (10)

CARO DR. JORGE SAMPAIO,

A si, elegi-o para Presidente da República (juntamente com outros milhões de portugueses). A Pedro Santana Lopes, ninguém o elegeu para primeiro-ministro (só para Presidente da Câmara de Lisboa, para mal dos nossos pecados).
Creio que não é difícil concluir o raciocínio, pois não? Faça qualquer coisa para salvar a dignidade da democracia em Portugal. Marque eleições antecipadas. Já!

Publicado por José Mário Silva às 07:19 PM | Comentários (12)

9 MM

Nove mílimetros apenas, diz a máquina. E os meus braços, ansiosos, à espera.

Publicado por José Mário Silva às 04:47 PM | Comentários (6)

SMS

«TODOS A BELÉM, NO DOMINGO (ÀS 19 HORAS), CONTRA SANTANA LOPES PRIMEIRO-MINISTRO! ABAIXO UM GOVERNO DA TRETA! ENVIA ESTE SMS A TODA A GENTE, JÁ!"

Recebi e reenviei. Façam o mesmo.

Publicado por José Mário Silva às 02:45 PM | Comentários (5)

POR FIM, UMA EXCELENTE RAZÃO PARA HASTEARMOS BANDEIRAS

Convém não esperar. Antes que se faça tarde, proponho aqui e agora uma decisiva campanha pela auto-estima e pelo orgulho nacionais: se Santana Lopes se alcandorar ao cargo de primeiro-ministro de Portugal, vamos todos pendurar bandeiras negras, do mais fundo luto, nas nossas casas, nos nossos carros.
Não podemos, simplesmente, correr o risco desta vergonha, desta ignomínia. Que tal criatura sem currículo, sem uma única ideia que não tenha a ver com a conquista de mais poder, sem um pingo de cultura ou ilustração, sem pudor e sem vergonha, possa vir a ocupar esse cargo - à revelia do voto popular, ainda para mais! -, é uma ameaça à sanidade pública, é o dobrar de finados por Portugal enquanto nação respeitável e sã.
Esta possibilidade merece o nosso nojo. Nas duas acepções da palavra.

Publicado por Luis Rainha às 12:15 AM | Comentários (25)

junho 25, 2004

EPIFANIA

Hoje senti pela primeira vez, noutro corpo, o bater do meu coração.

Publicado por José Mário Silva às 11:58 PM | Comentários (21)

ENTREGUES À BICHARADA

Depois das vaias à "cobardia" de Guterres, depois de repetidas juras de permanência, aí temos, ao que parece, o nosso valente cherne pronto a emigrar para pastagens mais verdes.
A retoma persiste no atraso; o povo, está visto, é mal-agradecido e não sabe recompensar eleitoralmente a esforçada coligação; o governo é uma cáfila de incapazes bolorentos; o PSD uma quadrilha de víboras à espreita do menor sinal de fraqueza; as reservas de matéria cinzenta-alaranjada já se resumem a algumas sobras do cavaquismo. Há que compreender a tentação da fuga: Durão Barroso limita-se a cumprir uma vetusta tradição da marinha mercante.
(Mas não venham, por favor, falar do "prestígio" e da "mais-valia" que será para nós ter um nativo a ocupar a sinecura em questão: alguém saberá, por exemplo, de onde surgiu Jacques Santer, ou que terá benefeciado a Itália com a estadia de Prodi em semelhante trono?)
Às voltas sobre os despojos ainda fumegantes, já se perfilam os abutres do costume: Santana Lopes, o seu amigalhaço Jardim e, não deve tardar muito, Paulo Portas.
Que mais nos irá acontecer? Pior, assim de repente, só se for o Lamego conseguir tomar o poder no PS (também se riam da eventualidade de termos o maior umbigo de Lisboa a trasladar-se para a chefia do governo, não era?)...

Publicado por Luis Rainha às 11:41 PM | Comentários (0)

Encruzilhada

Sampaio não vai demitir o Governo e convocar eleições antecipadas.
Ainda por cima a meio do Euro 2004, olha lá!
A sensação que dá é que este Governo e esta coligação estão nas últimas e os ratos preparam-se para abandonar o navio.
Só o ego do Lopes travestido de "espírito de missão" para ganhar prestígio intramuros o envia agora para um cargo que lhe é tão completamente estranho e para o qual não tem um mínimo dos mínimos de competência, uma sonora gargalhada nas fuças dos cronistas de serviço que dissertam sobre a falta de credibilidade do Ferro para dirigir o País- depois do Durão e do Santana, ATÉ EU!.

A favor da demissão do Governo está em primeiro lugar o facto de ser há demasiado tempo uma palhaçada perigosa, uma manada de incompetentes belicistas e anti-sociais.
O único Ministro competente deste Governo é também o mais sinistro apóstolo da caridadezinha do tempo da Inquisição e o mais veemente opositor a todas as causas sociais, da lei do aborto ao rendimento mínimo, contra os desempregados, a segurança social, os sindicatos.
Só como metáfora bárbara se pode ver o Sr. Félix no Ministério à frente da "Solidariedade Social".
Está a favor da demissão do Governo a total falta de pudor, a lata, ou quem sabe a incapacidade de apresentar um sujeito qualquer com um mínimo de "peso" na sociedade portuguesa que se disponha a dar a cara pelo Governo de direita.
Olha, ao menos vão buscar o Vitor Constâncio, vão buscar o Silva Lopes, recompensem o ex-ministro "socialista com imagem de competente que foi o mandatáro do Força Nacional às eleições europeias!
Se querem algum sempre em pé convençam o Fraústo, recuperem o Veiga Simão!
Pelo menos ainda são pessoas com prestígio, "um certo prestígio" que os coloca como candidatos elegíveis é claro mas mesmo assim prestígio.

Contra a demissão:

1- a legalista: O Governo foi eleito em eleições democráticas das quais resultou uma coligação que continua de pé embora com uns vodkas a mais.
2- a desconfiança: O PS parece um partido (ainda) desorientado apesar de os potenciais votantes continuarem a levá-lo em ombros nas sondagens.
Ainda mal tinham acordado da vitória nas eleições europeias e já continuavam a insistir no que se previa ia ser o campo minado da candidatura Vitorino.
O facto de haverem candidatos à liderança do PS é positivo, mas quem é que vai gerar um movimento como os Estados Gerais, quem tem ideias e personalidade de esquerda?
2- a constatação de facto: O "descontentamento generalizado" dos portugueses expresso nas sondagens é um descontentamento para dentro. Na realidade amocham, não estão suficientemente motivados não já para exigir na rua a demissão do Governo, mas sequer para votarem.( se o voto não interessa então para que é que as pessoas se dão ao trabalho de dizerem que votam no partido x nas eleições?- afinal acreditamos na panaceia platónico/saramaguiana?)
Não existem assim condições para quer ao nível da liderança, quer ao nível da instabilidade social ( olha o pessoal todo a curtir a bola e a borrifar para tudo o que sejam lutas sociais e dê chatices ) para que se justifique uma mudança imediata que a ser feita neste momento não seria mais do que uma golpada com consequências nefastas.
A esquerda quando regressar ao poder precisa de legitimidade para anular muitas das medidas reaccionárias do Governo e impôr sem delongas outras que estão por tomar.

Publicado por tchernignobyl às 10:10 PM | Comentários (6)

CORTESIA SANJOANEIRA

Na noite de São João, sempre que martelava alguém que não conhecesse, dava as "boas noites" ou desejava um "feliz São João".

Publicado por Filipe Moura às 08:11 PM | Comentários (1)

Monty Python

Se fosse noutra altura do ano, era a peta ideal para o dia das mentiras.
Como me dizia há pouco um amigo meu quando isto era apenas do domínio da especulação (não era Real?), como português sinto-me satisfeito por vê-lo daqui para fora, como europeu sinto-me alarmado.

Publicado por tchernignobyl às 07:49 PM | Comentários (3)

SÃO JOÃO

Há uma coisa em que o Porto é sem dúvida melhor do que Lisboa: é o São João (quando comparado com o Santo António).
(Também são melhores, presentemente, no futebol, mas isso é conjuntural.)
E que giro foi participar numa festa com toda a cidade, velhos e novos! E que giro foi ser tripeiro por uma noite! E que giro foi ver a forma natural como os visitantes estrangeiros (acompanhei de perto os participantes da conferência onde me encontro) aderiram normalmente à festa! A maior parte deles nunca deve ter visto coisa igual nos seus países de origem. E foi vê-los a comerem sardinhas, a darem (e receberem) "marteladas" e a levarem com o alho porro na cara.
Agora, definitivamente esta cidade tem um problema com os fogos de artifício...

Publicado por Filipe Moura às 06:32 PM | Comentários (4)

FUTEBOL TOTAL

Este vídeo de ar clandestino circula por aí há uns dias. Qual será a equipa que com este afinco treina alguns dos aspectos mais cruciais do futebol actual? O estilo é-me familiar, mas não sei bem de onde...

Publicado por Luis Rainha às 05:13 PM | Comentários (0)

O DIA SEGUINTE

«A sair, a sair, tenho empadão de vitela e frango de caril», disse-me o empregado do café-restaurante, à hora do almoço. Depois, na pequena pausa, no sorriso cúmplice, senti a aproximação da inevitável piadinha. «Mas veja lá, se quiser muito, mas mesmo muito, talvez ainda lhe arranje meia-dose de bifinhos à inglesa».

Publicado por José Mário Silva às 03:15 PM | Comentários (3)

A SELECÇÃO É UMA EQUIPA DE FUTEBOL

Para esclarecer de vez a questão da bandeirite. Não quero dar demasiada importância ao caso, até porque não vejo em cada português que hasteie uma bandeira à porta de casa necessariamente um candidato a Paulo Portas. Simplesmente, acho tal procedimento, no mínimo, provinciano (e o argumento de tal ser habitual nos países anglo-saxónicos só vem confirmar esta minha opinião).
Convém ver as coisas como elas são, no entanto. Fiquei muitíssimo contente (vibrei) com o resultado de ontem, mas não mais do que ficaria com o meu clube de futebol. Erra quem vê que os atletas estão a "representar o país" (bem... pior ainda é quem vê tal missão no representante da RTP no Festival da Eurovisão!). Representar o país só pode o presidente da República, o governo, diplomatas...
A selecção nacional não é o país; é somente uma equipa de futebol. Por isso não tenho mesmo nada contra as pessoas utilizarem cachecóis e t-shirts de Portugal e levarem bandeiras de Portugal para os estádios e as comemorações. No entanto, parece-me ridículo que hasteiem bandeiras à porta de casa. De facto, eu nunca vi uma bandeira do Benfica, do Sporting ou do Porto hasteada à porta de uma casa. Alguém viu?

Publicado por Filipe Moura às 03:03 PM | Comentários (20)

MAU GANHAR, PÉSSIMO PERDER

Por cá, tivemos o bando de energúmenos que não encontrou melhor forma de comemorar a nossa vitória do que rumar ao Rossio e provocar os adeptos ingleses. A alcateia de pobres de espírito lá conseguiu juntar duas palavritas em "estrangeiro" e passou algum tempo a berrar "go home!"; até à chegada da polícia, que escoltou os assarapantados ingleses dali para fora.
Mas o pior aconteceu mesmo em Thetford, uma cidade do Norfolk onde vivem 6.000 portugueses: ali, um pub pertencente a um nosso compatriota viu-se cercado, após o jogo, por uma multidão de centenas de tresloucados. Estes arremessaram pedras, garrafas e tijolos contra o Red Lion, onde cerca de 120 portugueses, incluindo crianças, tinham estado a ver o jogo.

Dizem que o desporto aproxima as pessoas; mas é certo que também torna claras as suas mais desagradáveis características...

Publicado por Luis Rainha às 12:18 PM | Comentários (1)

AFINAL, AINDA HÁ GENTE MAIS APANHADA DO QUE NÓS...

Reagindo à justa vitória portuguesa, o inenarrável "Daily Mirror" berra hoje em letras garrafais que a equipa inglesa foi... roubada! O suposto esbulho teria ocorrido na jogada em que o árbitro anulou um golo a Campbell. Isto apesar de a alucinada prosa do interior vir acompanhada por uma foto onde é perfeitamente visível que o Ricardo saltou à bola com um morcão pendurado nele:

Apesar disso, parece que andam por lá bandos de "especialistas" indignados com a decisão do árbitro. Bem; pode ser que não demorem muito a recuperar o uso dos seus pobres e inflamados cérebros...

Publicado por Luis Rainha às 11:52 AM | Comentários (6)

NOVAS DO RELATO PERDIDO

Ontem, para minha grande consternação (e, pelo que fui lendo nos comentários, também de alguns leitores), não consegui fazer o habitual relato minuto-a-minuto do jogo da selecção portuguesa. Porquê? Só vos posso dizer que foram motivos de força maior (a merecerem, lá mais para a frente, um post inteiro).
Para já, quero apenas pedir desculpa a todos os interessados que vieram aqui, durante a madrugada, à procura dos pequenos telegramas futebolísticos e bateram com o nariz na porta. Desculpem. Ou sorry, como dizem os... pois, os pobres ingleses que ficaram pelo caminho, depois de uma noite fantástica de Scolari e dos seus brilhantes rapazes.

Publicado por José Mário Silva às 11:22 AM | Comentários (2)

junho 24, 2004

ANTI-CLÍMAX

A 45 minutos do grande jogo dos quartos-de-final, deixo-vos um poema de António Ramos Rosa, incluído no livro «o que não pode ser dito», recentemente editado pela Casa do Sul:

Sem a flor da matéria viva, sem a ondulação do mundo, eis a cabeça, uma corola frígida, enevoada, flutuante. Como nascer lentamente, como fazer respirar o peito do poema, como dançar sobre os degraus invisíveis do vazio?

Publicado por José Mário Silva às 07:01 PM | Comentários (1)

MARCHAR, MARCHAR!

Este boneco de Raphael Bordallo Pinheiro recorda-nos uma das últimas malvadezas que a pérfida Albion nos fez: o Ultimato de 1890. E não se esqueçam que a letra original do nosso hino acabava em "Contra os bretões, marchar, marchar!"
Se calhar, daqui a pouco soa a hora da vingança. Isto se o manhoso John Bull não arranjar forma de torcer o rabo à porca...

Publicado por Luis Rainha às 06:30 PM | Comentários (10)

MAGNANIMIDADE

Os ingleses até podem ficar com a vitoria. A nós, basta-nos ganhar o jogo.

Publicado por Luis Rainha às 05:50 PM | Comentários (1)

NEM ASSIM?

Quer isto dizer que nem depois de gastarmos milhões em estádios conseguimos jogar em casa, no nosso Europeu?

Publicado por Luis Rainha às 05:17 PM | Comentários (0)

A BANDA SONORA DA ALIENAÇÃO

Hoje, dei-me ao martírio de prestar atenção aos irritantes jingles com que a Galp tem perseguido os nossos tímpanos, a propósito do Euro 2004. Um deles reza algo como "O campeonato que vai mudar o nosso fado"; e termina com o óbvio silogismo: "se a Galp é número um em Portugal, Portugal também pode ser número um!" Depois disto, já ninguém me convence que a bola não faz mal à tola.

(Se a vossa curiosidade for mais forte que o vosso bom-senso, podem ouvir a cantilena dos ais aqui.)

Publicado por Luis Rainha às 05:04 PM | Comentários (1)

AVISO A INGLATERRA (AO JEITO DOS TABLÓIDES)

Preparem as malas, bifes. O nosso "Ronni" é muito melhor do que o vosso Rooney.

Publicado por José Mário Silva às 03:22 PM | Comentários (7)

Ó SCOLARI, TU ATÉ JÁ SABES COMO É QUE SE FAZ

Em 2002, no Japão, Luis Filipe Scolari encontrou pela frente a Inglaterra, precisamente nos quartos-de-final. Resultado: 2-1 para o Brasil. Just do it, Filipão. Again.

Publicado por José Mário Silva às 03:14 PM | Comentários (2)

junho 23, 2004

INSTANTE DECISIVO

Henri Cartier-Bresson, Atrás da Gare Saint-Lazare (1932)

Nesta imagem, há dezenas de pequenos detalhes que me fascinam: os reflexos perfeitos; os semi-círculos de metal na água; a duplicação do gradeamento e do céu de Paris; a superfície ainda lisa antes do caos; os telhados que emergem da bruma; aquele homem tão vago (ao fundo) junto a um monte de pedras; os cartazes que anunciam, em maiúsculas, certo apelido eslavo (RAILOWSKY: nome de circo?); a escada de madeira a tremer como certos insectos aquáticos. Mas é sempre neste homem que se lança para o salto impossível, em primeiro plano, que os meus olhos param. Há nele uma harmonia paradoxal, uma elegância inesperada. Ele é o negativo da bailarina que se ergue lá atrás, na parede, graciosa e imóvel, antes e depois do disparo de Cartier-Bresson. A bailarina e o homem que salta: dois voos que se completam e anulam, ecos um do outro, unidos por esse feliz acidente do tempo a que chamamos acaso.

Publicado por José Mário Silva às 07:17 PM | Comentários (11)

PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS

Infelizmente, esta notícia não me espanta mesmo nada. Já tinha previsto que as coisas aconteceriam mais ou menos desta forma, aqui.

Publicado por José Mário Silva às 06:25 PM | Comentários (1)

PORNABRAMOVICH

No cais fluvial de Santa Apolónia, em Lisboa, está a ser exibido para os basbaques portugas (em sessões contínuas, 24 horas sobre 24 horas, pelo menos até ao fim do Euro) um impressionante filme pornográfico de produção russa. Intérpretes: os três mega-iates do mega-milionário Roman Abramovich.

Publicado por José Mário Silva às 06:22 PM | Comentários (4)

O LUÍS RAINHA TINHA RAZÃO, CLARO

Ontem, lá fomos ao Lux perder um prémio (para o superlativo Barnabé) e conviver com os autores do Causa Nossa, numa Festa do Solstício a que acorreu uma percentagem bastante razoável da blogosfera lisboeta. Após uma inspirada sessão de stand up comedy, a cargo de Luís Filipe Borges, os prémios relativos a esta coisa dos blogues foram entregues da seguinte forma:

Prémio à carreira bloguística: António Granado (Ponto Média), J. Pacheco Pereira (Abrupto), Paulo Querido (O Vento lá Fora)
Prémio à esquerda: Barnabé
Prémio à direita: Mar Salgado
Prémio ao melhor blogger: Pedro Mexia

Parece-me um resultado justo e consensual (apesar da intromissão algo abusiva do Pacheco Pereira entre o António Granado e o Paulo Querido). Parabéns aos organizadores e aos premiados.

Publicado por José Mário Silva às 06:18 PM | Comentários (9)

TRISTEZA ITALIANA

O Trappatoni estava mesmo a pedi-las: o triunfo da squadra azzurra sobre a Bulgária (2-1) não foi uma vitória de Pirlo, mas de Pirro.

Publicado por José Mário Silva às 06:07 PM | Comentários (0)

O NASCIMENTO DE UMA GRANDE MEDIDA SOCIAL

Numa operação de alto risco, os nossos operacionais conseguiram infiltrar-se na reunião do Conselho de Ministros onde foi congeminada a "discriminação positiva", no que toca aos passes sociais. Aqui está, em rigoroso exclusivo, o conteúdo da gravação resultante:

(CR) . Imaginem vocês que os chupistas das empresas de transportes públicos agora querem mais dinheiro para continuarem a aceitar os passes sociais.
(JLA) - Mas o que é isso do passe social?
(MS) - Ó pá, é aquilo que os pobgues usam para andar de autocago e de metgo...
(CR) - Lá vamos ter de largar mais umas coroas para subsidiar ainda mais essa maltosa...
(MFL) -Vocês devem estar é parvos! Já me obrigaram a engolir aquele disparate dos submarinos; agora enterrar mais dinheiro nos transportes do povaréu... isso é que nunca!
(PP) . Importam-se de deixar o meus submarinos em paz? Os gajos da NATO é que são uma caterva de imbecis; quando começarmos a torpedear as traineiras dos espanhóis e os barcos de refugiados de Marrocos, logo vão ver como faziam falta!
(JLA) . Calem-se aí, que eu estou a ter uma ideia genial! E se cortássemos o acesso a esses passes ao pessoal que ganhe mais que o ordenado mínimo? Assim, pagávamos menos compensações às empresas e ainda podíamos anunciar que estamos a ajudar quem mais precisa!
(MS) . Ó Zé Luís: esse esquema é fabuloso! Nem pegcebo como é que te chamam Foguest Gump, aqui no PSD...

(PP) . É bem visto, sim senhora. Faz-me lembrar... como é que se chama aquela coisa com que os americanos acalmam a minorias deles?
(MFL) - "Affirmative Action"?
(JLA) - "Acção Afirmativa"... Hmmm... não é lá muito chamativo, pois não?
(PP) - E que tal "Discriminação Positiva"? Até tem a ver com o nosso "Portugal Positivo"...
(CR) - Essa é porreira: dá a ideia que estamos a fazer algo pelos mais necessitados, em vez de estarmos é a cortar os passes a montes de malta!
(BF) - E se o pessoal com dinheiro começa a reclamar que também tem direito a passes baratos, uma vez que paga mais impostos? Sabem, fartámo-nos de falar no tal princípio do utilizador-pagador...
(Gargalhada generalizada)
(MFL) - Ó Bagão, você é mesmo um ponto! Então acha que alguém com dinheiro se sujeita a andar nos nossos transportes públicos?
(Voz inidentificável) . O gajo deve pensar que vive na Suécia...
(Som de porta a abrir-se)
(DB) . Ora bom dia, senhores; folgo em vê-los tão divertidos!
(MS) . Bom dia, patgão! Alegue-se, que acabei de ter uma ideia de agomba; não tagda nada, o povo vai adogá-lo outga vez!

Publicado por Luis Rainha às 01:02 PM | Comentários (9)

HIPNOTISMO ONLINE: COM UMA DÚZIA DE PALAVRITAS, VOU TRANSFORMAR-VOS EM APOIANTES DO NOSSO PRIMEIRO-MINISTRO, DURÃO BARROSO

Indo ele para presidente da CE, Santana Lopes pode substituí-lo no governo.

Publicado por Luis Rainha às 11:19 AM | Comentários (3)

G. W. BUSH QUER SAIR DO IRAQUE COM SAPATINHOS DE CRISTAL


Cartoon de Mike Lane,
«The Baltimore Sun»

Publicado por José Mário Silva às 08:47 AM | Comentários (3)

junho 22, 2004

BANDEIRAS

Um lisboeta vem para o norte e é compreensível que trabalhe menos, contagiado pelo ambiente que o rodeia. No meu caso, pelo menos, tenho a desculpa de estar numa conferência.
Nos próximos dias segue um relato do São João e uma explicação das minhas para o maior reaccionarismo nortenho, quando comparado com o sulista. Tudo temas da maior importância.
Por agora, fico-me por temas cuja importância relativizo. Mas não quero deixar de responder ao Zé Mário, ao Rogério e ao Pagan.
Quando vejo a bandeira portuguesa hasteada, a minha primeira recordação é dos mecânicos de Newark. Em Newark, New Jersey, e nas redondezas, viam-se muitos mecânicos portugueses que se identificavam com bandeiras. Era para fazerem concorrência aos americanos (para esses, isso era o pão nosso de cada dia). Curiosamente só os mecânicos tinham esse orgulho patriótico. Nem os padeiros, nem os outros comerciantes portugueses o tinham, pelo menos com tanto afinco. Havia algo curioso, se bem me lembro: não havia bandeiras americanas nesses mecânicos. O que violava uma lei que eu creio ser federal: não se pode hastear uma bandeira de outro país em território americano sem hastear uma bandeira americana ao lado. Se havia bandeira americana nos mecânicos portugueses, estava muito bem escondida!
Gosto de ser português, mas nem gosto muito do meu país (gostar até gosto, mas acho que tem muitos defeitos). Isto das bandeiras nas janelas deixa-me completamente indiferente, como me deixam a maioria das coisas.

Publicado por Filipe Moura às 09:34 PM | Comentários (20)

A FOTO DA DISCÓRDIA

Os rancorosos dos espanhóis, ainda mal refeitos da tareia futebolística e de alguns achaques do nosso cherne, embirraram agora que não querem dar ao valoroso Barroso o tacho da Presidência da CE. Esta má vontade toda tem origem numa fotografia, imagine-se. Claro está que se trata da aziaga cimeira de guerra dos Açores, onde se reafirmaram as famosas certezas sobre armas de destruição maciça, laboratórios móveis, urânio enriquecido, etc e tal. "É a fotografia que estraga tudo", resumiu um diplomata europeu.
Mas o nosso primeiro não dorme. Os seus assessores de Imprensa acabaram de comunicar aos media que, afinal, tudo não passa de um grande mal-entendido; um caso de identificação errónea. Não foi Durão Barroso quem recebeu a comitiva guerreira!
Para provar esta tese, foi colocada ao dispor dos jornalistas uma outra fotografia que prova, sem margens para dúvidas, que quem lá esteve foi um outro indivíduo - com algumas parecenças com o Dr. Barroso, é certo . de identidade ainda desconhecida.

Depois de confrontados com esta prova esmagadora, que mentiras retorcidas irá agora inventar a pérfida Madrid?

Publicado por Luis Rainha às 08:46 PM | Comentários (2)

HÁ DIAS ASSIM, ESTRANHOS

Esquecemo-nos dos trocos, do lenço, das chaves de casa. Alguém resolve, fingindo uma voz falsa ao telefone, brincar com coisas sérias. Não sabemos onde ficou o carro. O tempo dos relógios, aos solavancos, ameaça obrigações e compromissos. Há na sala um aparelho de ar condicionado a fazer figura de corpo presente. Ainda estão na pasta não sei quantos e-mails por responder. O café entorna-se, a chávena parte-se, o açúcar cai todo no chão. As coisas enleiam-se, conspiram, tropeçam. Só me apetece fazer fast forward.

Publicado por José Mário Silva às 06:49 PM | Comentários (6)

DA EVOLUÇÃO DOS IMPÉRIOS

Com a chegada dos bárbaros, costuma soar o toque de finados dos grandes impérios. Sabendo disto, o Império Britânico precaveu-se: hoje em dia, antecipa-se ao processo e trata de gerar no seu próprio seio as hostes de bárbaros com que invade, à socapa, as nações vizinhas. O azar deles é que nunca tinham lido estes relatórios... agora, estão a regressar a casa com tristes histórias de brutalidade policial, em vez das prometidas pilhagens. Blimey! Nos tempos do Átila, havia mais respeitinho.

Publicado por Luis Rainha às 04:56 PM | Comentários (2)

UMA NUVEM PARA A MARIA

nuvem.JPG

Que a vida agora começada seja muitas vezes assim: aérea, perfeita, infinitamente leve.

Publicado por José Mário Silva às 04:33 PM | Comentários (2)

VERSOS QUE NOS SALVAM

A Antígona acaba de publicar, em excelente tradução de Margarida Vale de Gato, o livro «Satanás Diz», de Sharon Olds, uma poeta americana que é directora do curso de poesia criativa da Universidade de Nova Iorque e consegue ser feminista na prática, sem fundamentalismos teóricos. Nos seus poemas, quase sempre trabalhadíssimos, explora a volúpia e o terror da sexualidade, os paraísos e os pesadelos da vida familiar, as histórias do corpo . tudo num estilo directo e brutal, em que o lirismo é sabotado pela crueza das palavras feias, das dores antigas, dos nós na garganta. Excessiva e provocatória, esta é uma escrita que faz da vida pessoal uma fonte e um campo de batalha, muito na linha dos "pais" poéticos assumidos por Olds (Whitman, Ginsberg).
Deixo-vos dois poemas, atípicos (porque menos explícitos), como amostra:


TEME-SE QUE SE TENHA AFOGADO

De repente ninguém sabe onde estás,
o teu fato negro como algas, o teu rosto
barbudo escorregadio como foca.

Alguém olha pelas crianças. Avanço até
à fímbria da água, agarrando-me à toalha
como um véu de viúva sobre mim.

Nenhum dos nadadores condiz.
Muito baixos, corpulentos, de barba feita,
erguem-se da ressaca, a água
escorrendo-lhes pelos ombros.

As rochas despontam junto à costa como cabeças.
A barrilha espalha-se como um fato negro esfarrapado
e não te consigo encontrar.

O meu estômago começa a contrair-se como que
para vomitar água salgada.

quando subindo a areia ao meu encontro vem
um homem que se parece muito contigo,
a sua barba eriçada como as ervas da praia, o seu fato
negro como uma concha húmida contra o seu corpo.

Aproximando-se, afinal ele
és tu . ou quase.
Quando se perde alguém nunca é
exactamente a mesma pessoa que regressa.

ENCONTRO

para E.A.O.

Penteio o cabelo frente ao espelho
quando te aproximas, o teu rosto cheio de dor,
o teu cabelo desgrenhado.

Sento-me em frente ao espelho
e penteio-te, olhando-te nos olhos
escuros como terra muito abaixo da superfície.

Nem pestanejas quanto o pente se enreda.
Sentas-te muito quieta. Ouvimos a ressaca
que trepa dez pés acima das rochas cavas

e escorre por elas. Estás morta de cansaço
mas sentas-te erecta, olhos fixos em frente,
pretos como sepulcros no espelho.

Não ressentes que eu durma com o teu filho,
não ressentes que tenhamos posto o teu nome à nossa filha,
não ressentes que estejamos aqui de visita
à ilha rochosa onde morreste. Sentas-te
quieta e profunda. As ondas sobem
e cobrem as rochas.

Pouco depois é como se uma só
mulher estivesse frente ao espelho
penteando o cabelo, mas não sei qual,
a tua presença trepando veloz sobre mim,
pesada como a terra de todos os lados.

Publicado por José Mário Silva às 04:18 PM | Comentários (2)

ENTÃO VAMOS PERDER UM PRÉMIO, E NINGUÉM ME DIZIA NADA?

O excelente Causa Nossa preparou para hoje uma "Festa do Solstício" onde, entre outras atracções, subirá ao palco a cerimónia de entrega dos chiquérrimos "Prémios Causa Nossa" ("Cano", para abreviar). Os candidatos estão aqui elencados, e há de tudo: prémio "de carreira bloguística", prémio à esquerda, prémio à direita... até congeminaram uma categoria onde cabe o Santana Lopes como nomeado!
Eu sei que seria de esperar que o BdE ganhasse um destes cobiçados troféus, mas o facto de a Arthur Andersen estar a controlar a honestidade da votação não me deixa grandes esperanças...
Mesmo assim, porque não dar um salto ao Lux, hoje, a partir das 22?

Publicado por Luis Rainha às 01:52 PM | Comentários (2)

DA INVISIBILIDADE

Muita gente tem falado dos relatos futebolísticos, em directo, do Zé Mário. Mas pouca gente (ou nenhuma) reparou que não foi ele a assinar o minuto 52 do jogo de Portugal com a Espanha.
E agora vou ler mais uma história de um livro de capa azul, da Ana Paula Inácio.

Publicado por Margarida Ferra às 01:34 PM | Comentários (5)

DELIRIUM TREMENS

Durante uma hora e picos (talvez nem tanto), os blogues do universo weblog.com.pt estiveram off, out, inacessíveis. Resultado: mãos que tremem, um aperto no peito, boca seca, o pânico do copo vazio. Só não vi ratos imaginários (de plástico, perseguindo-me com double clicks) mas qualquer dia até a esse pesadelo me arrisco.

Publicado por José Mário Silva às 12:29 PM | Comentários (4)

junho 21, 2004

AS GRANDES OBRAS DO JARDIM

Ao que consta, o soba da Madeira já tem programadas, até à próxima consulta eleitoral, 129 inaugurações. Antes de começarem a gabar o imparável progresso da ilha, alicerçado em tanta obra magnificente, deixem-me contar o que vi, há uns anos e em directo na TV lá do sítio: o Alberto João a inaugurar, entre grande pompa e muitos salamaleques, um escorrega numa piscina.
E assim se ganham eleições regionais no terceiro mundo.

Publicado por Luis Rainha às 10:53 PM | Comentários (13)

O GATO CONSTIPADO MOSTRA AS SUAS GARRAS

Souto Moura atreveu-se hoje a tentar descodificar um dos crípticos discursos de Jorge Sampaio; sim, um daqueles em que "afunilamento" e "fulanização" conseguem conviver na mesma frase.
Respondendo a mais umas elipses medrosas em torno dos erros da Justiça e da desejável responsabilização dos magistrados, Souto Moura angariou coragem para chamar os bois pelos nomes e retorquiu: "O acórdão que libertou o doutor Paulo Pedroso teve um voto de vencido em que se entendia que ele não devia ser libertado, o que só por si demonstra que não houve negligência grosseira [na sua prisão preventiva]".
Dava tudo para ver a cara de Jorge I, o Consensual, quando soube deste atrevimento...

Publicado por Luis Rainha às 10:41 PM | Comentários (0)

SERVIÇO PÚBLICO/SACRIFÍCIO PRIVADO

Um olho na TV, um olho no portátil: é mais ou menos assim que eu fico durante os jogos da Selecção Nacional.

Publicado por José Mário Silva às 09:02 PM | Comentários (4)

EUFORISMO

Tal como os extremos que vão à linha cruzar, o blogger inseguro teme sempre que não esteja ninguém ao segundo post.

Publicado por José Mário Silva às 08:59 PM | Comentários (6)

BREAKFAST IN NEW YORK CITY (EM AVEIRO)

"My name is Suzanne Vega and I come from New York City."
Foi assim que ela começou. Foi ao som desta menina - para mim, ela há-de ser sempre uma menina... - que celebrei a passagem de Portugal aos quartos-de-final do Euro 2004. Claro que também iria se Portugal não tivesse ganho... É imperdoável ter estado seis anos em Nova Iorque e nunca ter ido a um concerto de Suzanne Vega. O ano passado estive mesmo para ir, mas o trabalho intenso de escrita da tese obrigou-me a cancelar à última hora e deixar o Ivan pendurado. Espero que ele já a tenha visto entretanto.
Eu vi ontem, pela primeira vez, exactamente um ano depois de ter defendido a minha tese. Foi em Aveiro, no âmbito da iniciativa Aveiro em Festa.
O concerto em si poderia ter sido melhor. Não por culpa da Suzanne que, profissional e simpatiquíssima, fez o que pôde. Surgiu enrolada numa bandeira portuguesa e deu os parabéns. Parte do público é que parecia estar mais interessado em mandar bocas a Espanha do que no concerto propriamente dito, apesar do esforço de Suzanne em enquadrar e explicar todas as canções e em tentar criar empatia com os seus fãs. Para além disso um coro de meninas histéricas, ao fim de cada canção, gritava "Luka! Luka!", provavelmente a única canção que conheciam e que queriam ouvir antes de se ir embora. Ao fim de uma hora e um quarto de concerto, cansada (o seu concerto foi "atirado" para a meia noite) e depois de ter revisitado os seus temas mais conhecidos, Suzanne fez-lhes a vontade. "You probably know this one..." De seguida, convidou o público para um "breakfast in New York City", pois já era tarde e hoje era dia de trabalho. O final do concerto, memorável, foi com Tom's Diner cantado com o público.
Resta-me dar os parabéns à Câmara Municipal de Aveiro e à restante organização da iniciativa "Aveiro em Festa", por este e por todos os outros concertos, a que não assisti (mas que foram ou serão com certeza muito bons). E falta referir um pormenor não despiciendo: com excepção de Alanis Morrissete, na próxima sexta-feira (25.), o preço de entrada em todos estes concertos foi... zero euros! De borla! E com um programa que nada devia ao Rock in Rio. Amo Aveiro.

Publicado por Filipe Moura às 08:57 PM | Comentários (4)

PROGNÓSTICO RESERVADO

A intervenção cirúrgica de ontem redundou no mais lamentável fracasso. Os pacientes, longe de terem reatado os seus laços com a realidade, vêem-se agora num estado de alienação quase irreversível. O primeiro mas revelador sintoma deste agravamento surgiu com a proliferação das bandeiras; hoje, estas não cessam de avançar pelo país afora como um sarampo verde-rubro sem cura à vista. O esgazeamento das turbas que invadiram as ruas é mais um sinal de alarme: criaturas desvairadas gritam a plenos pulmões que "somos os melhores" e que "vamos ser campeões". Torna-se difícil encontrar uma casa onde esta peste ainda não tenha chegado para reclamar as suas vítimas.
O diagnóstico já era claro: uma pandemia de febre da bola, combinada com infecções oportunistas de patrioteirismo agudo. O único tratamento conhecido é a abstenção repentina, ao estilo cold turkey. Vendo-se subitamente privado do seu alucinogéneo, o alienado cai das alturas até dar de caras com a realidade, tão feia e bruta como sempre. (Não vai ser um espectáculo agradável.)
Isto passará, inevitavelmente, pela eliminação de Portugal. É um remédio amargo e difícil de engolir; mas, caramba, a saúde pública está primeiro!

PS Como é hábito durante estes períodos de calamidade generalizada, as primeiras aves de rapina já rondam os doentes, prontas para tirarem partido da triste situação: alguns patrões preparam despedimentos, camuflando-os de licenças para os trabalhadores "verem o jogo em casa, com calma, no fresquinho"; o primeiro-ministro continua a ser Durão Barroso e espera que ninguém vá dar por isso tão cedo; os Delfins aprontam o lançamento de um novo álbum. Acudam-nos!

Publicado por Luis Rainha às 04:20 PM | Comentários (11)

AI TEMOS, TEMOS!


Nestes dias de encarniçada luta pelas audiências na blogosfera, temos de dar aos caros internautas aquilo que eles procuram!

Publicado por Luis Rainha às 04:11 PM | Comentários (9)

DESCULPE, CARO INTERNAUTA, MAS ISSO NÃO TEMOS

Houve alguém que veio parar ao BdE à procura de «euro 2004 + fotos + mulheres suecas».

Publicado por José Mário Silva às 03:38 PM | Comentários (1)

DE COMO SE PODE RESUMIR TUDO NUMA FRASE

«Capitalizemos politicamente esta vitória: Nuno Gomes é de esquerda porque transforma a realidade.» (André Belo, in Barnabé)

Publicado por José Mário Silva às 02:06 PM | Comentários (8)

O ÚNICO SENÃO DA VITÓRIA DE ONTEM

Vamos ter que aturar, por mais uns tempos, o triste espectáculo da bandeirite aguda.

Publicado por José Mário Silva às 02:03 PM | Comentários (19)

junho 20, 2004

GANHÁMOS, FINALMENTE, UMA EQUIPA

Já não era sem tempo, Sr. Scolari.

Publicado por José Mário Silva às 11:58 PM | Comentários (4)

A QUESTÃO DO CÉREBRO ESBURACADO

Afinal sempre ganhámos o tal jogo dificílimo com a Espanha. Quer isto dizer, ó Luis, que erraste o teu brilhante prognóstico. E agora pergunto eu: amanhã, quando acordarmos, como vai ser?

Publicado por José Mário Silva às 11:53 PM | Comentários (1)

HERÓI DO DIA

Publicado por José Mário Silva às 11:48 PM | Comentários (4)

MINUTO 93

GANHÁMOS!!!! E com toda a justiça. Belo, belo, belo.
Parabéns, rapazes. Hoje foram enormes.

Publicado por José Mário Silva às 09:41 PM | Comentários (16)

MINUTO 91

Nuno Gomes desperdiça um lance na cara do guarda-redes. Que pena.

Publicado por José Mário Silva às 09:39 PM | Comentários (0)

MINUTO 90

Maniche fez tudo bem, depois de uma belíssima jogada de contra-ataque, mas Raul Bravo salvou em cima da linha. Fantástico.

Publicado por José Mário Silva às 09:37 PM | Comentários (1)

MINUTO 87

Costinha, sem ninguém nas redondezas, podia ter matado o jogo. Falhou.

Publicado por José Mário Silva às 09:35 PM | Comentários (0)

MINUTO 86

Até o meu portátil sofre com a ansiedade. Ficou sem bateria e o ecrã palpita.

Publicado por José Mário Silva às 09:34 PM | Comentários (0)

MINUTO 84

Sai Cristiano Ronaldo, entra Fernando Couto. Tudo à defesa e fé no Altíssimo, não é, Sr. Scolari?

Publicado por José Mário Silva às 09:33 PM | Comentários (1)

MINUTO 82

Faltam oito minutos. Oito. Só oito. Vá lá.

Publicado por José Mário Silva às 09:28 PM | Comentários (0)

MINUTO 80

Portugal está encostado à parede. O pelotão de fuzilamento perfila-se. Tirem o Goya da sala, já.

Publicado por José Mário Silva às 09:25 PM | Comentários (1)

MINUTO 76

Espanha atira à barra. Portugal atravessa, de peito aberto, a Via Sacra. Não sei se nos espera o Martírio ou a Redenção.

Publicado por José Mário Silva às 09:24 PM | Comentários (0)

MINUTO 75

Jorge Andrade é o Pai, Ricardo Carvalho é o Filho e o Espírito Santo.

Publicado por José Mário Silva às 09:21 PM | Comentários (1)

MINUTO 72

Andreas Frisk poupa a expulsão a Juanito. Afinal quem é que o árbitro ia beneficiar?

Publicado por José Mário Silva às 09:18 PM | Comentários (0)

MINUTO 69

Outra defesa fabulosa de Casillas. Portugal está mais perto do 2-0 do que a Espanha do empate.

Publicado por José Mário Silva às 09:15 PM | Comentários (0)

MINUTO 68

Livre magistral de Figo, defesa magistral de Casillas.

Publicado por José Mário Silva às 09:14 PM | Comentários (0)

MINUTO 61

Que dizia eu? (Engolir em seco.) Fernando Torres remata ao poste. Haja coração.

Publicado por José Mário Silva às 09:08 PM | Comentários (0)

MINUTO 59

Tende calma, por Zeus, tende calma. O pássaro está pousado na nossa mão. Não o deixem voar.

Publicado por José Mário Silva às 09:07 PM | Comentários (0)

MINUTO 56

GOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOLO, de Nuno Gomes. M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O.

Publicado por José Mário Silva às 09:03 PM | Comentários (3)

MINUTO 55

O jogo está a ficar mole como um relógio de Dali. No puede ser, amigos..

Publicado por José Mário Silva às 09:00 PM | Comentários (0)

MINUTO 52

Se não fosse o Jorge Andrade, onde é que nós já não estaríamos.

Publicado por Margarida Ferra às 08:59 PM | Comentários (0)

MINUTO 50

Portugal continua muito bem. Os espanhóis ora parecem monstros, ora moinhos de vento. E nós, de fora, a puxar por D. Quixote.

Publicado por José Mário Silva às 08:57 PM | Comentários (0)

MINUTO 47

No outro jogo, a Grécia reduziu para 2-1. A Espanha já não pode facilitar.

Publicado por José Mário Silva às 08:53 PM | Comentários (0)

MINUTO 45

Sai Pauleta, entra Nuno Gomes. Faz sentido.

Publicado por José Mário Silva às 08:50 PM | Comentários (0)

REFRESCO

Uma dica especial para o Filipe Moura para baixar a pressão do intervalo:

En poursuivant la route vers le nord, à deux heures de marche, on arrive au lieu dit .Aubervilliers., plaine coupée de canaux inutilisables.
Le climat est froid, les chutes de neige fréquentes. Le jeu de la grenouille s.y pratique. Les habitants, trés pauvres, parlent naturellement l.espagnol. Ils attendent la revolution. Ils jouent de la guitarre et ils chantent.

Description raisonnée de Paris
(itineraire pour une nouvelle agence de voyages)
Jacques Fillon en .les lévres nues., 1955

Publicado por tchernignobyl às 08:43 PM | Comentários (1)

MINUTO 46

INTERVALO. Portugal tentou muito, a Espanha defendeu bem. Conclusão: é possível, claro que é possível, mais do que possível. Vou beber um copo de água fresca, a ver se me acalmo.

Publicado por José Mário Silva às 08:39 PM | Comentários (0)

MINUTO 44

Grande oportunidade de Cristiano Ronaldo, depois de um centro de Figo. Era o golo perfeito, no momento perfeito. Mas não foi. Ainda.

Publicado por José Mário Silva às 08:35 PM | Comentários (1)

MINUTO 43

Torres, sozinho na área, cabeceia por cima. Ai, ai, ai.

Publicado por José Mário Silva às 08:33 PM | Comentários (0)

MINUTO 42

Cabeceamento (pouco perigoso) de Costinha, por cima da baliza de Casillas. Portugal joga bem, seguro e bonito, mas remata pouco. Mais ganas, que diabo!

Publicado por José Mário Silva às 08:31 PM | Comentários (0)

MINUTO 34

Raul fura pela grande área. Salva Nuno Valente, in extremis. Com cinco letras apenas se escreve a palavra "susto".

Publicado por José Mário Silva às 08:23 PM | Comentários (0)

MINUTO 31

Falta o golo, caraças. Há muito tempo que não via a selecção jogar tão bem.

Publicado por José Mário Silva às 08:21 PM | Comentários (1)

MINUTO 30

Pauleta, no ataque, é uma ilha - passe o pleonasmo.

Publicado por José Mário Silva às 08:18 PM | Comentários (0)

MINUTO 27

Ricardo sai da área, como um líbero, cheio de precisão e classe.

Publicado por José Mário Silva às 08:16 PM | Comentários (0)

MINUTO 25

Lembram-se da Coreia? A Polónia também ganhou aos EUA. Nós é que estragámos tudo. Desta vez, rapazes, não repitam a história. Por favor.

Publicado por José Mário Silva às 08:13 PM | Comentários (0)

MINUTO 22

No Algarve, a Rússia já ganha por 2-0.

Publicado por José Mário Silva às 08:11 PM | Comentários (0)

MINUTO 18

Jorge Andrade corta de novo um lance perigoso. É um gigante, em todos os sentidos da palavra.

Publicado por José Mário Silva às 08:07 PM | Comentários (0)

MINUTO 16

Quase golo de Deco, excelente resposta de Fernando Torres. O jogo está vivíssimo, on fire.

Publicado por José Mário Silva às 08:06 PM | Comentários (0)

MINUTO 14

Uma coisa é certa. Este jogo não tem nada a ver com o de Guimarães. A Espanha está encolhida, à espera do contra-ataque.

Publicado por José Mário Silva às 08:04 PM | Comentários (0)

MINUTO 10

Deco, Cristiano Ronaldo e Figo estão a "abrir o livro". E os espanhóis estão com medo. Ou é impressão minha?

Publicado por José Mário Silva às 08:00 PM | Comentários (0)

MINUTO 6

Portugal está forte e pressionante. Da fúria castelhana, nem sombra.

Publicado por José Mário Silva às 07:55 PM | Comentários (0)

MINUTO 4

A Rússia marcou contra a Grécia, no Algarve. Boa notícia.

Publicado por José Mário Silva às 07:53 PM | Comentários (0)

MINUTO 3

As duas equipas entraram a medo, nervosas. Mas gosto de ver Cristiano Ronaldo, lá na ponta esquerda.

Publicado por José Mário Silva às 07:52 PM | Comentários (0)

COMEÇOU O PORTUGAL-ESPANHA

Portugal: Ricardo, Miguel, Ricardo Carvalho, Jorge Andrade, Nuno Valente, Costinha, Maniche, Luis Figo, Deco, Cristiano Ronaldo, Pauleta.

Espanha: Casillas, Puyol, Helguera, Juanito, Raúl Bravo, Abelda, Xabi Alonso, Joaquin, Raúl, Vicente, Fernando Torres.

Publicado por José Mário Silva às 07:50 PM | Comentários (0)

RECUPERAR É PRECISO

Não falo do jogo de logo, mas do belíssimo documentário de Agnès Varda que passou ontem à noite, na 2: "Les Glaneurs et la glaneuse". Um olhar sem âncoras que parte da conhecida pintura de Millet, "As Respigadoras", para depois vaguear pelas periferias das nossas cidades, pelas margens das nossas vidas. Mostrando-nos gente que vive entre nós recolhendo, transformando, transfigurando os nossos desperdícios. Gente que perscruta a areia revolvida pelas marés vivas em busca de ostras fugidas dos viveiros. Gente que chega aos pomares logo após as colheitas . numa actividade curiosamente regulamentada. Gente que cria arte a partir de lixo. Gente que come lixo. Gente como Varda que, também ela, respiga planos "estragados", como o de uma tampa de objectiva a dançar no centro da imagem durante longos segundos, integrando-os numa obra fascinante. O Cinema de Varda revela-nos neste minutos preciosos como a vida no "outro lado" da nossa sociedade glutona e distraída se renova e sustenta, longe da assépsia que tantas vezes infecta os nossos olhares.
Se não viram, estejam atentos às inevitáveis repetições. Vale bem a pena.

Publicado por Luis Rainha às 05:32 PM | Comentários (7)

A GAME IS JUST A GAME

Permitam-me sublinhar uma coisa tão óbvia que parece haver quem dela se esquece: se ganharmos é bom, se perdermos é chato, mas o que verdadeiramente importa não está ali, dentro das quatro linhas. Está fora.

Publicado por José Mário Silva às 05:01 PM | Comentários (4)

PROGNÓSTICOS

Algo me diz que o resultado final do Portugal-Espanha será um destes: 1-0, 2-0, 3-0, 4-0, 0-1, 0-2, 0-3, 0-4, 0-0, 1-1, 2-2, 3-3, 4-4. E daí não sei.

Publicado por José Mário Silva às 04:56 PM | Comentários (7)

PORTUGAL-ESPANHA

Daqui a três horas, mais coisa menos coisa, terá início o jogo que decide a permanência da selecção portuguesa no Euro 2004. Decorrerá no estádio de Alvalade (não confundir com Aljubarrota) e poderá ser acompanhado em directo, tanto na TVI como no BdE. Estejam atentos.

Publicado por José Mário Silva às 04:52 PM | Comentários (0)

PREMONIÇÃO?

Passou há minutos na RTP: enquanto uma orquestra trucidava alguns acordes do "Y Viva España", o grotesco "Kinas" era toureado por uma espontânea, com uma bandeira por capote. Não me parece um bom augúrio.

Publicado por Luis Rainha às 12:12 PM | Comentários (4)

O QUE É UM HOMEM ASSIM, COMPARADO COM OS HERÓIS DA BOLA?

Há 64 anos, estava Aristides de Sousa Mendes a caminho de Baiona, depois de Bordéus ter caído sob o avanço nazi. Ali, viria a prosseguir a tarefa a que já dedicara os últimos dias e noites: salvar milhares e milhares de refugiados em fuga. Fê-lo atribuindo vistos a todos os judeus - e demais fugitivos - que lhos pediam, desafiando frontalmente as ordens do então responsável pelo ministério dos negócios estrangeiros, Salazar.
Sousa Mendes é, merecidamente, visto como um grande herói português. Mas não há muitas razões para alimentar o nosso orgulho patrioteiro. Contra um só Aristides de Sousa Mendes, lutaram levas de criaturas oficiais, apostadas em impedir que aquela "massa ignóbil e em grande parte indesejável do ponto de vista social" de gente pouco limpa pudesse conspurcar a sacra Pátria. Esbirros do fascismo e cúmplices do nazismo com lugar garantido nos anais da infâmia, como o embaixador Pedro Teotónio Pereira ou o cônsul Lopo Simeão, sempre obedientes aos desejos do ogre de Santa Comba Dão. (O primeiro viria até a declarar nulos os vistos passados por Sousa Mendes, condenando inúmeros refugiados à morte certa.) Sem esquecer, claro, o cardeal Cerejeira, que ignorou os pedidos de intercessão junto a Salazar que o diplomata caído em desgraça lhe endereçou, no auge das dificuldades económicas por que passava a sua familia. O abutre de sotaina, por certo imbuído da melhor caridade cristã, limitou-se a responder que a única solução seria "rezar à virgem de Fátima".

Apesar de tudo, este aniversário parecer-me-ia uma boa ocasião para nos orgulharmos de ter nascido num país capaz de criar um tal homem. E até daria um bom motivo para desfraldar bandeirinhas a cada esquina; pelo menos, seria ocasião bem mais digna que a presente vassalagem a um grupo de morcões elevados à categoria de heróis por saberem dar chutos a bolas de futebol.
Mas o que é a memória de um homem assim, quando comparada com um campeonato em lindos estádios novinhos em folha, pagos com o dinheiro de um país que nem consegue garantir tratamento hospitalar decente aos seus cidadãos que tenham o azar de adoecer?

Publicado por Luis Rainha às 11:35 AM | Comentários (12)

junho 19, 2004

Filthy (slight return)

Os trabalhos e os dias de Roman Abramovitch:
Da Sibéria a Angola passando pelas ligações aos amigos Putin e Sharon.
É muita pestana queimada, muita meia rota.

Publicado por tchernignobyl às 09:16 PM | Comentários (7)

AFINAL, ENGANEI-ME

Ontem, elogiei aqui o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Pedro Santana Lopes, porque vi na promoção do Arraial Pride um sinal de que estaria a ficar mais tolerante em relação às festas das minorias sexuais. Pura ilusão. O que o autarca pretendeu foi afastar o Arraial do centro da cidade. Pior ainda, quis impedir o respectivo desfile na Avenida da Liberdade. Ou seja, para o inefável PSL todas as marchas são iguais, mas há marchas que são mais iguais do que outras.

Publicado por José Mário Silva às 08:26 PM | Comentários (4)

OBRA-PRIMA

Quem se diz incapaz de compreender a «beleza do futebol», devia assistir a 3.745 repetições (de vários ângulos) do golo que Zlatan Ibrahimovic, jogador sueco de origem sérvia, marcou ontem à Itália, castigando a cobardia táctica do seleccionador Trappatoni. A Suécia empatou (1-1) e Zlatan assinou o golo mais acrobático deste Europeu. Madjer, a ex-estrela do F.C.P., deve ter apreciado.

Publicado por José Mário Silva às 08:17 PM | Comentários (2)

VISITAS

Durante a última semana, o BdE recebeu uma média de 670 visitas diárias (segundo o Sitemeter) e de 1400 (segundo o sistema de estatísticas do weblog.com.pt). Nunca na nossa história . nem sequer nos momentos áureos das "guerras" com a Coluna Infame . tínhamos atingido tão alta performance. A todos os nossos leitores, comentadores e aos blogues que nos citam, o nosso muito obrigado.

Publicado por José Mário Silva às 08:03 PM | Comentários (10)

SÓ A CONSTITUIÇÃO NÃO CHEGA


Cartoon de Plantu, «Le Monde»

Publicado por José Mário Silva às 07:46 PM | Comentários (0)

FILTHY

O senhor Abramovitch, também conhecido como o "patrão do Mourinho", parece que se tem passeado de norte a sul do país num estardalhaço que a imprensa tem relatado incansavelmente, com avidez de pormenores e requintes de basbaquice.
Agradeça-se a ilustração viva que o Abramovitch tem vindo a fazer da até agora algo obscura expressão "filthy rich".

Publicado por tchernignobyl às 01:53 PM | Comentários (7)

SPOTLIGHT

Foi morto hoje um português no Iraque.
Na rádio (TSF?), e na última hora do Público, diz-se que era um funcionário de uma empresa de telecomunicações de nome Roberto Carlos.
Já a BBC diz que se trata de um "contractor", um "security officer".
É quase o regresso à Guerra Colonial.
Serão estes os "spotlights" de que falava, por alturas da famigerada carta de apoio ao Bush, o ministro Martins da Cruz?

Publicado por tchernignobyl às 01:30 PM | Comentários (0)

PARABÉNS, MEU CARO AMIGO

«No ano seguinte, estourou com A Banda, motivo de crônica entusiasmada de Carlos Drummond de Andrade. (...) A felicidade geral com que foi recebida a passagem dessa banda tão simples, tão brasileira e tão antiga na sua tradição lírica, que um rapaz de pouco mais de 20 anos botou na rua, alvoroçando novos e velhos, dá bem a idéia de como andávamos precisando de amor (...) O que aconteceu depois todo mundo sabe. Chico Buarque foi eleito pelos leitores de ISTOÉ o Brasileiro do Século na Música. O resto é silêncio.» (A matéria completa está aqui.)

Publicado por Filipe Moura às 09:35 AM | Comentários (1)

junho 18, 2004

HOUSTON, WE HAVE A PROBLEM!

Não sei se foi a Al Qaeda, mas alguém andou a sabotar os blogues do universo weblog.com.pt. Está tudo de pernas para o ar: caracteres asiáticos esquisitos, itálicos aleatórios, Objectos Visuais Não Identificados, uma confusão. Resumindo: não se consegue ler nada de jeito. Hmmmm, ó Paulo Querido, como é que se endireita isto, pá?

Publicado por José Mário Silva às 08:53 PM | Comentários (5)

MONKEY BOY

Como certamente muitos de vocês saberão, há para aí rapaziada que se entretém a descobrir semelhanças entre o fácies do presidente dos EUA e os traços fisionómicos de algumas espécies de símios. É uma injustiça, claro está. Uma atoarda que só pode nascer da má-fé de espíritos mesquinhos. Um ataque soez. Sim, um ataque soez: que mal é que os macacos nos fizeram para sofrer tão humilhante comparação?
Digo-vos desde já que estou totalmente do lado dos nossos antepassados biológicos (Darwin dixit) e que até sugiro que eles protestem, que se manifestem, que subscrevam petições à ONU ou à Greenpeace. Mas a verdade, caros chimpanzés, é que há provas fortes demais contra vocês.

Publicado por José Mário Silva às 06:37 PM | Comentários (0)

COMO VÃO ESTAR OS NOSSOS CÉREBROS NA 2ª-FEIRA

1- A Agressividade: 62% dos homens portugueses vão sentir uma inexplicável necessidade de cascar no toutiço das respectivas esposas. Os veterinários não vão ter mãos a medir para remendar animais de companhia pontapeados.
2- A Vergonha: pessoas normalmente equilibradas e racionais vão acordar na segunda-feira com uma sensação similar a uma forte ressaca. Os mais afortunados não se recordarão de nada destes dias de histeria nacional: ao verem as suas caras ao espelho, vão tentar adivinhar por que raios alguém os terá pintado de verde e vermelho. O facto de encontrarem feios trapos com as mesmas cores presos aos seus automóveis não vai ajudar em nada a recuperação.
3- A Memória: eis as células que foram as primeiras vítimas do Euro 2004. Já ninguém se recorda da vergonha do último Mundial nem dos paupérrimos resultados nos recentes jogos de preparação. "Somos favoritos": esta frase, como um vírus oportunista, invadiu o centro da Memória e canibalizou também vastos recursos dedicados à Inteligência.
4- A Inteligência: este importante centro cerebral, mirrado após dias de dedicação exclusiva das funções cognitivas a infindáveis discussões futebolísticas, demorará bastante a voltar às suas dimensões originais.
5- A Fala: passado o primeiro choque, a afonia instalar-se-á. À sensação popularmente conhecida como "estar sem palavras", juntar-se-á o esforço exercido sobre as cordas vocais em violentas sessões de berros face ao televisor. O vocabulário dos mais afectados tenderá a permanecer restringido, por semanas a fio, ao "futebolês" e ao vernáculo mais obsceno.
6- O Medo: durante anos, os pacientes sentirão acessos de pânico quando confrontados com qualquer objecto que lhes recorde as circunstâncias dos traumas originais: a "Ilíada", pratos de Moussaka, sacos do Corte Inglés, discos do Julio Iglésias, etc, etc.
7- Os Afectos: esta talvez seja a área atacada que melhor prognóstico apresenta. Depois de semanas a sonhar com o Figo, a odiar o Nuno Gomes ou a suspirar pelo Vítor Baía, as vítimas do Euro 2004 vão de novo reparar naquela gente que partilhava com eles a sala da TV: os filhos e restante parentela. Pode ser que entretanto nenhum tenha morrido de inanição.
8- O Cálculo: o esforço dedicado a complexos exercícios matemáticos e probabilísticos deixará as suas marcas. No final do ano, ainda veremos pelas nossas ruas muitos farrapos humanos de olhar vago, perdidos em conjecturas sonhadoras: "Mas se os gregos tivessem perdido por 22-1 e a Espanha tivesse sido desclassificada..."
9- A Auto-Estima: o Euro 2004 exerceu sobre esta zona do nosso cérebro colectivo o efeito de um esteróide poderosíssimo. As pobres células incharam, incharam... enquanto durou o doping. Agora, rebentaram. Não há mais auto-estima para ninguém, por muito que os moços do "Portugal Positivo" tentem ressuscitá-la. Adivinha-se para breve um referendo a propor a nossa adesão ao Reino de Espanha. Este recusará.

Publicado por Luis Rainha às 05:32 PM | Comentários (11)

FRASE DA SEMANA

«Todos os terroristas do mundo torcem para que o Presidente Bush ganhe as eleições.»
Sabem quem escreveu isto?

Surprise, surprise: João César das Neves (yes, the one and only).

Publicado por José Mário Silva às 04:37 PM | Comentários (8)

VOLTE-FACE

O volte-face que ameaça atirar Durão Barroso para Presidente da Comissão Europeia é uma manobra deliciosa, embora de improvável concretização.
Se o problema é termos um "candidato português", vamos agora ver a coerência daqueles que andaram a pedir ao Governo a aberração que para este seria, no actual contexto político que se vive na Europa, apoiar o candidato socialista Vitorino por uma questão de "patriotismo".

Publicado por tchernignobyl às 04:21 PM | Comentários (3)

EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA

Não deixa de ser inquietante que os portugueses se estejam a habituar a ver diariamente, como se fosse a coisa mais normal do mundo, indivíduos algemados, com as mãos atrás das costas e com os braços torcidos, a serem arrastados pela rua, pela polícia de choque, com a desculpa de que "são só uns hooligans ingleses".
Alguns deles, ao que dizem as notícias, foram até identificados por vídeo...
É sempre a mesma coisa:
Para já são uns adeptos fanáticos da bola, gente de sangue na guelra, atafulhada na cervejola convenientemente vendida à litrada pela "hospitalidade" dos donos dos bares que depois chamam a bófia, quando a coisa dá para o torto e quando a caixa já transborda.
Na realidade, corremos o risco de ver institucionalizados métodos inaceitáveis de actuação policial.

Publicado por tchernignobyl às 03:46 PM | Comentários (4)

SELECCIONEM-NOS POR FAVOR!!!!

Já começa a não haver paciência para este contínuo blaterar de manhã à noite de gajos adultos a .discutirem. futebol na rádio.
.Portugal deve jogar contra a Espanha assim, deve jogar assado...., que angústia, que paranóia persegue esta gente para que passem os dias a repetir a mesma coisa, como se estivéssemos num gigantesco hospício para deficientes mentais, maníacos e obsessivos.
É total a nulidade informativa, horas e horas a fio, que amplifica em morbidez e monotonia as polémicas do decurso do campeonato no resto do ano, quando se imaginaria que é tempo de o pessoal curtir umas jogatanas entre boas equipas, apesar de existir mais assunto aí pelo .país e o mundo..

E depois agora a .guerra psicológica. a que os jornalistas se entregam com a mais prazenteira rasquice.
.Eles estão preocupados., observam referindo-se aos espanhóis... Olha que porra! E NÓS?
Nós que até estamos em desvantagem? Não estamos?
Os espanhóis (os idiotas do mesmo calibre que eles também lá têm) dizem que temem as arbitragens porque tendem a favorecer os países anfitriões, mas acrescentam por outro lado que é raro ganharmos à Espanha.
O QUÊ???
Logo respondem os nossos estrategos empertigadíssimos que a Espanha nunca ganha a países anfitriões, patati patata, repondo talvez a .honra nacional..
Exerce-se a coscuvilhice mais básica:
.Sabe que o Camacho disse que os portugueses não aguentam a pressão?...., perguntava-se ontem ao Tiago.
O ingénuo (ou desmemoriado) entrevistado, em vez de responder .olhe, tenho primeiro de confirmar essas afirmações, porque a minha experiência me diz que você é pouco fiável., presta-se ao jogo e debita uma resposta qualquer daquelas já pré-formatadas:
.bom, é a opinião dele.....
Será que não é possível de outra maneira?
Será que não é possível arranjar um Campeonato da Europa de Futebol para Imbecis e Frustrados que decorra paralelamente ao outro, em campos pelados onde a miríade de .comentadores. dê uns pontapés na bola, se .exprima. e .participe. de forma positiva no Euro, ganhando ocasião de aplicar as variações infinitas da mesma conversa .dentro das quatro linhas.?
É preciso mais futebol, mais estádios, mais campeonatos para que os frustrados envolvam as suas barrigas em calções coloridos e (sobretudo isso) nos deixem um bocado em paz.

Publicado por tchernignobyl às 03:31 PM | Comentários (8)

OS CÉREBROS DOS JOGADORES DO EURO (3)

Termino esta curta viagem às circunvoluções cerebrais dos futebolistas europeus com a antecipação, intracraniana, do grande duelo ibérico do próximo domingo. Todos já nos apercebemos, por esta altura, da tremenda luta simbólica que vai ter o seu epicentro em Alvalade: da "ocupação económica" a Olivença, dos complexos de inferioridade lusos à memória de Aljubarrota, não há nada que não esteja em jogo nesta "partida decisiva".
Mas dentro das cabeças dos jogadores, onde se decidem os mais ínfimos gestos, o que se passará? Recorrendo a sofisticados meios de visualização da actividade cerebral, o Prof. Kalculameláisto procurou respostas. E encontrou-as.
As conclusões do seu trabalho pioneiro, levado a cabo na Academia de Alcochete e nos balneários do Estádio Santiago Bernabéu, ficam perfeitamente resumidas nos seguintes diagramas:

spain.jpg

portugal.jpg

Publicado por José Mário Silva às 02:58 PM | Comentários (1)

OS CÉREBROS DOS JOGADORES DO EURO (2)

Num paper muito aplaudido pelos seus pares (com publicação prevista, em Novembro, na revista «Nature»), o dr. Kalimerovski estabeleceu finalmente uma base fisiológica para o futebol ultra-pragmático das selecções alemãs (desde 1954 à actualidade) e para o irritante catenaccio dos italianos. Ora vejam as imagens cerebrais obtidas, em situação de jogo, quando o dispositivo electrónico do dr. Kalimerovski (desenvolvido em colaboração com o dr. Kantodiretto e com o dr. Kólicarenal) foi aplicado às cabeças, respectivamente, de Torsten Frings e Alessandro Nesta:

germany.jpg

italy.jpg

Publicado por José Mário Silva às 02:43 PM | Comentários (3)

OS CÉREBROS DOS JOGADORES DO EURO (1)

Um grupo internacional de neurobiólogos, todos com apelidos esquisitos começados por K, decidiu investigar como funcionam as cabeças dos craques que desfilam, por estes dias, nos estádios portugueses do Euro. Os resultados confirmam apenas o que já supunhamos.
Por exemplo, as meninges suecas resumem-se a isto:

sweden.jpg

A parte do «flat-pack furniture» refere-se, como é óbvio, a uma conhecida marca de artigos de decoração que abre portas, em Alfragide, já na próxima semana. Querem uma ajuda? Só tem quatro letras e começa por I. Pois, é mesmo essa.

Publicado por José Mário Silva às 02:27 PM | Comentários (0)

TANTO AMAR

Hoje temos dose dupla. Aproveito para agradecer aos leitores que se associaram à semana buarqueana, com comentários ou referências nos seus blogues, e para dedicar esta música à Emiéle e à Ana Sá Lopes, com dois beijinhos. Escolhi-a porque a ouço tanto e de tanto a ouvir, acho que ela é bonita.

Publicado por Filipe Moura às 02:23 PM | Comentários (3)

VIDA

É preciso viver e ser feliz. Não conheço melhor música que o exprima do que esta.

Publicado por Filipe Moura às 02:09 PM | Comentários (1)

MAIS VALE TARDE DO QUE NUNCA

«Admito que me enganei» . assume Vasco Pulido Valente, hoje, no DN. E depois crucifica, com os habituais requintes de malvadez, o saco-de-pancada Durão Barroso. Vale a pena repetir em voz alta, como um mantra: «Levar a coligação até 2006 parece um suicídio; e não a levar é um suicídio.» Agora apreciem a estocada final: «No meio deste patético labirinto o dr. Barroso espera com certeza um milagre. Espera mal. A trapalhada que armou, com irresponsabilidade e presunção, já não se conserta. O país manifestamente não confia nele.»

Publicado por José Mário Silva às 01:39 PM | Comentários (4)

ARRAIAL COM TODOS

A Associação ILGA Portugal vai organizar, no próximo dia 26, mais uma grande festa do Orgulho LGBT, o Arraial Pride, que terá lugar no Parque do Calhau, em Sete Rios/Monsanto, a partir das 20 horas. Mais: o evento está integrado, pela primeira vez, na programação das Festas de Lisboa, o que é no mínimo uma surpresa (chapeau, sr. Pedro Santana Lopes).
Entretanto, pela cidade fora, já se podem ver cartazes a anunciar a festa, com um asterisco que explica, digamos assim, qual é o público-alvo: «lésbico, gay, bissexual, transgénero & hetero». Uma delícia, aquele &.

Publicado por José Mário Silva às 10:39 AM | Comentários (8)

junho 17, 2004

OUTROS FUTEBÓIS

Daqui a pouco, às 22 horas, são lançados, na Cordoaria Nacional, três livros que a Assírio & Alvim acaba de publicar, sobre a temática do futebol:

- «História Natural do Futebol», de Álvaro Magalhães

- «Uma Cidade de Futebol», com fotografias do Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa

- «A Época do Futebol - O Jogo Visto pelas Ciências Sociais», organizado por José Neves e Nuno Domingos

O nosso destaque vai para o último destes volumes, que inclui um texto do Frederico Ágoas, o mais bissexto dos colaboradores deste blogue.

Publicado por José Mário Silva às 09:08 PM | Comentários (7)

O CALCANHAR DE ZIDANE

O jogo França-Croácia até nem está a ser grande coisa, com os campeões da Europa a gerirem o tempo, o cansaço e o resultado (1-0). Mas aquele toque de Zizou, no meio da área, assistindo de calcanhar um companheiro que depois até falhou o golpe de cabeça, é daquelas coisas que não se esquecem. Por mim, futebolisticamente falando, já ganhei o dia.

Publicado por José Mário Silva às 08:55 PM | Comentários (6)

COMO É QUE O JMF NÃO TOPOU ESTA SONDAGEM?

O director do "Público", há uns tempos, anunciou ao mundo que os iraquianos estavam muito contentes com a ocupação do seu país. Baseou-se ele então em alguns dados de uma sondagem levada a cabo pela BBC para afirmar, triunfal e definitivo: "ainda ontem Zapatero voltou a proclamar que .a ocupação é um fiasco.. Pois é. Só é pena os .ocupados. serem de opinião diferente."
No mês passado, a Autoridade Provisória da Coligação descobriu, através de outra sondagem, quantos iraquianos ao certo lobrigam nos marines americanos os seus libertadores: 2% da população. Isso mesmo: dois por cento. Eu cá não li nada sobre isto nas páginas do jornal de José Manuel Fernandes; e vocês?
O que hoje se lê no Público é que a general responsável pelo inferno de Abu Ghraib garantiu ter recebido instruções no sentido de tratar os prisioneiros iraquianos à sua "guarda" como se não passassem de animais: "são como cães e se os deixam acreditar a qualquer momento que são algo mais, então perdem o seu controlo" - uma ordem no melhor estilo de Heinrich Himmler.
Nos dias que correm, as notícias edificantes oriundas da land of the free parecem não ter fim: o relatório da comissão independente sobre os ataques do 11 de Setembro afirma que não existem provas de qualquer colaboração entre o governo de Saddam e a Al-Qaeda. Apesar disso, Bush e o seu vice teimaram, já esta semana, em afirmar o contrário, alimentando o engano em que a maioria dos americanos continua a viver.
O insuspeito NY Times vem hoje exigir a Bush Jr. que peça desculpas "ao povo americano" por ter faltado à verdade neste ponto. (Devem ter muita sorte, devem...) Este editorial termina com uma frase que parece saída da pena de um euro-esquerdista radical: "There are two unpleasant alternatives: either Mr. Bush knew he was not telling the truth, or he has a capacity for politically motivated self-deception that is terrifying in the post-9/11 world."
Para país mais avançado do mundo, demoraram um bocado a ver algo tão escancaradamente óbvio...

Publicado por Luis Rainha às 05:20 PM | Comentários (4)

NO RESTAURANTE DOS BOMBEIROS

Quatro amigos à volta da mesa (dois deles ainda não se conheciam), cerveja, entrecosto, vinho branco num jarrinho, ervilhas com ovos escalfados, histórias do Seinfeld, muitas gargalhadas, uma celebração. Chamem-lhe o que quiserem. Pequena cimeira intrabloguística, por exemplo.

Publicado por José Mário Silva às 04:50 PM | Comentários (7)

ATRÁS DA PORTA

Chico Buarque é mestre na escrita de músicas femininas, em que o sujeito é a mulher. Ninguém deu voz às mulheres na música como Chico.
Um dos melhores exemplos é Atrás da Porta, cuja análise literária pode ser lida aqui e cuja história pode ser lida aqui. Esta canção ficou conhecida principalmente na voz de Elis Regina, mas a versão que proponho é cantada ao vivo por Chico, num concerto com Caetano Veloso. Simplesmente sublime.

Publicado por Filipe Moura às 12:52 PM | Comentários (4)

MOBY (ENLARGE YOUR) DICK


Cartoon de Jeff Parker, «Florida Today»

Publicado por José Mário Silva às 12:41 PM | Comentários (4)

junho 16, 2004

DESCULPA, RUI

As notícias sobre a tua morte futebolística foram manifestamente exageradas.

Publicado por José Mário Silva às 10:01 PM | Comentários (3)

MINUTO 92

Acaba o jogo. 2-0. Excelente vitória de Portugal. No campo, os jogadores russos, já eliminados, olham para a relva. Como se ali começasse a estepe infinita.

Publicado por José Mário Silva às 09:42 PM | Comentários (12)

MINUTO 90

Cristiano Ronaldo parte a loiça toda, como soi dizer-se. Senhor Scolari: é assim tão difícil perceber que o miúdo tem que ser titular?

Publicado por José Mário Silva às 09:39 PM | Comentários (3)

MINUTO 87

GOLO DE PORTUGAL, por Rui Costa, depois de um espantoso trabalho de Cristiano Ronaldo. Belíssimo golo. 2-0. Parabéns.

Publicado por José Mário Silva às 09:38 PM | Comentários (6)

MINUTO 85

Alenichev atira a bola contra Maniche, seu colega de equipa. Maniche rebola-se no chão, como se o tivessem esfaqueado. É tão bonita, a arte teatral.

Publicado por José Mário Silva às 09:36 PM | Comentários (0)

MINUTO 83

Nuno Gomes falha escandalosamente no coração da área. O olheiro do Bolshoi, contudo, apreciou a graciosidade da queda.

Publicado por José Mário Silva às 09:32 PM | Comentários (1)

MINUTO 82

Livre directo de Deco. Mas este guarda-redes suplente defende tudo. Cáspite!

Publicado por José Mário Silva às 09:31 PM | Comentários (0)

MINUTO 79

Os russos vestem de branco. Quando vestiam de vermelho eram bem melhores.

Publicado por José Mário Silva às 09:28 PM | Comentários (1)

MINUTO 77

Sai Figo, entra Cristiano Ronaldo. Até que enfim.

Publicado por José Mário Silva às 09:25 PM | Comentários (0)

MINUTO 73

Deco brilhante, o guarda-redes russo também. Começa o sufoco, espera-se. Até agora, Portugal tem sido demasiado intermitente. É preciso não sair do meio-campo contrário.

Publicado por José Mário Silva às 09:23 PM | Comentários (0)

MINUTO 70

Deco mágico, Nuno Gomes perdulário.

Publicado por José Mário Silva às 09:18 PM | Comentários (2)

MINUTO 64

Figo sofre penalty, não assinalado. Portugal ataca mais. O jogo está muito melhor.

Publicado por José Mário Silva às 09:15 PM | Comentários (0)

MINUTO 63

Deco, Nuno Gomes e Figo construiram a mais bela jogada, até agora, deste Europeu. Infelizmente, a bola foi ao poste. Assim, sim. Assim vale a pena torcer por esta equipa.

Publicado por José Mário Silva às 09:14 PM | Comentários (1)

MINUTO 61

Saem Pauleta e Simão. Entram Nuno Gomes e Rui Costa.

Publicado por José Mário Silva às 09:10 PM | Comentários (0)

MINUTO 59

Há espectadores que fecham os olhos. Credo na boca. Muito gostamos nós de sofrer.

Publicado por José Mário Silva às 09:07 PM | Comentários (0)

MINUTO 56

Defesa apertada de Ricardo. Os russos têm um a menos, mas uma pessoa até se esquece disso.

Publicado por José Mário Silva às 09:06 PM | Comentários (0)

MINUTO 55

Livre directo. Distante. Deco toma muito balanço. O remate, porém, vai morrendo no caminho até à baliza.

Publicado por José Mário Silva às 09:04 PM | Comentários (0)

MINUTO 51

Scolari esbraceja, preocupado. Quinze segundos depois, percebe-se porquê. A defesa portuguesa anda aos papéis. É preciso ter cuidado: os cossacos já brandem os seus sabres.

Publicado por José Mário Silva às 09:02 PM | Comentários (0)

MINUTO 50

Bomba de Nuno Valente. Quase mortal.

Publicado por José Mário Silva às 08:59 PM | Comentários (0)

MINUTO 47

Grande jogada de Ricardo Carvalho (um senhor, este Ricardo) e fora de jogo mal assinalado a Pauleta. O outro Ricardo, o guarda-redes, ainda não fez uma única defesa. E isso diz tudo sobre a ineficácia russa.

Publicado por José Mário Silva às 08:57 PM | Comentários (0)

SEGUNDA PARTE

Os jogadores regressam do balneário. Não há alterações. Recomeça a partida.

Publicado por José Mário Silva às 08:53 PM | Comentários (1)

MINUTO 48

INTERVALO. Portugal está a ganhar bem (1-0), sem deslumbrar. Destaque para Deco, que trouxe outra fluidez e consistência ao jogo português. Simão está melhor do que na primeira partida; Figo, um pouco pior. Se fosse Scolari, trocava Pauleta por Nuno Gomes e punha já o puto Ronaldo, para quebrar as últimas resistências da defesa russa.

Publicado por José Mário Silva às 08:46 PM | Comentários (0)

MINUTO 47

Figo falha o livre directo que pune a suposta falta de Ovchinikov. Quis fazer à Zidane, junto ao poste direito, mais em jeito do que em força. Faltou-lhe o pé do Zidane. E a cabeça do Zidane.

Publicado por José Mário Silva às 08:40 PM | Comentários (1)

MINUTO 44

Ovchinnikov é EXPULSO! Injustamente, a meu ver. Não creio que o guarda-redes russo tenha tocado com a mão na bola, fora da área. Assim, tudo se torna mais fácil.

Publicado por José Mário Silva às 08:37 PM | Comentários (4)

MINUTO 43

Livre muito perigoso, a poucos metros da grande área de Ricardo, desperdiçado por Kerzhakov. Assim não vão lá.

Publicado por José Mário Silva às 08:33 PM | Comentários (0)

MINUTO 41

Primeira conclusão: os russos parecem-me muito mais suaves do que os gregos. Onde os gregos eram pedra, os russos são neve.

Publicado por José Mário Silva às 08:30 PM | Comentários (0)

MINUTO 38

Os russos começam a atacar mais. Sem perigo, é certo, mas com intenção. Talvez não queiram voltar mais cedo para Moscovo, afinal.

Publicado por José Mário Silva às 08:27 PM | Comentários (0)

MINUTO 34

A dinâmica é boa, o jogo parece controlado, mas convinha marcar pelo menos mais um golo antes do intervalo. Que tal, Pauleta? Pode ser?

Publicado por José Mário Silva às 08:24 PM | Comentários (0)

MINUTO 28

Ricardo Carvalho, ele próprio um central, voa entre os centrais. Mas falha o cabeceamento que Jardel (cantado por Rui Veloso) não falharia.

Publicado por José Mário Silva às 08:20 PM | Comentários (0)

MINUTO 23

Ricardo Carvalho vai à bola. O árbitro, porém, diz que ele atingiu as pernas de um jogador adversário. Resultado: mostra-lhe o cartão amarelo, injusto. Erro de paralaxe? As repetições, em câmara lenta, dizem que sim.

Publicado por José Mário Silva às 08:15 PM | Comentários (0)

MINUTO 21

Os russos começam a encenar o seu próprio drama. Não se mexem, deixam correr o tempo, resignam-se. Parecem personagens de Tchékov: cabisbaixos, desiludidos, nostálgicos de melhores tempos.

Publicado por José Mário Silva às 08:10 PM | Comentários (2)

MINUTO 16

Portugal faz pressão alta, à Porto. Os russos raramente saem da defesa. Mas é preciso ter cuidado com os contra-golpes.

Publicado por José Mário Silva às 08:05 PM | Comentários (2)

MINUTO 14

Sobressalto na defesa, depois de um veloz contra-ataque russo. Por favor, não soltem outra vez os fantasmas.

Publicado por José Mário Silva às 08:02 PM | Comentários (0)

MINUTO 10

Bolas roubadas, marcações certeiras, jogo vivo. Este Portugal não tem nada a ver com o que se arrastou pelo relvado das Antas, no sábado.

Publicado por José Mário Silva às 07:59 PM | Comentários (1)

MINUTO 6

GRANDE GOLO DE MANICHE, a passe de Deco. Vêem como até conseguem, rapazes? Toca a marcar outro, rápido.

Publicado por José Mário Silva às 07:57 PM | Comentários (0)

MINUTO 3

Lá ganas de atacar, parece que temos. Falta apenas mais calma na troca de bola e mais precisão no passe.

Publicado por José Mário Silva às 07:53 PM | Comentários (0)

MINUTO 1

Começou. Alea jacta est.

Publicado por José Mário Silva às 07:51 PM | Comentários (0)

AS EQUIPAS PERFILAM-SE

Portugal: Ricardo, Miguel, Ricardo Carvalho, Jorge Andrade, Nuno Valente, Costinha, Luis Figo, Deco, Maniche, Simão Sabrosa, Pauleta.

Rússia: Ovchinnikov, Evseev, Smertin, Bugayev, Sennikov, Aldonin, Izmailov, Alenitchev, Loskov, Kariaka, Kerzhakov.

Publicado por José Mário Silva às 07:44 PM | Comentários (0)

SCOLARI TRANSFIGURA A DEFESA DE PORTUGAL

O treinador da selecção portuguesa tinha prometido mudanças na equipa nacional, para o jogo de hoje com a Rússia, e essas mudanças confirmam-se. Vejamos: entram Miguel, Ricardo Carvalho, Nuno Valente e Deco; saem Paulo Ferreira, Fernando Couto, Rui Jorge e Rui Costa. Faz sentido. Paulo Ferreira paga pelo seu erro fatal, Rui Jorge pelo seu escasso atrevimento, Fernando Couto pela lentidão (além de que Ricardo Carvalho é um central mais completo) e Rui Costa dá lugar, naturalmente, a um Deco que está a jogar muito melhor do que o ex-jogador da Fiorentina.
Claro que esta opção não deixa de ser arriscada: mudar 3/4 da defesa titular, em pleno Euro, é um bocadinho drástico e o sector recuado nem sequer foi o que trabalhou pior no jogo com a Grécia. Quanto a mim, onde era preciso arriscar a sério era lá na frente: abdicar de Maniche e pôr Nuno Gomes de início, ao lado de Pauleta; além de Cristiano Ronaldo no lugar de Simão.
Será esta «pequena revolução» de Scolari suficiente para vencer os russos?
A ver vamos.

Publicado por José Mário Silva às 07:39 PM | Comentários (0)

AS CONTAS COMPLICAM-SE

Tens toda a razão, Luis. Teria sido preferível a vitória da Espanha, que ficaria quase automaticamente apurada. Agora vamos ter que ganhar aos russos (óbvio), mas também a nuestros hermanos, o que nunca foi fácil e agora ainda é menos.
Já agora, acrescento algumas breves notas em relação ao jogo Grécia-Espanha (1-1):

- Os gregos são uma das equipas mais difíceis, astutas e chatas da actualidade: não jogam grande coisa, mas também não deixam jogar. Fazem da defesa o ponto forte e aproveitam o mínimo deslize do adversário.

- A Espanha é uma selecção de nível superior. Trata bem a bola, sabe controlar o jogo, tem óptimos jogadores em todas as posições. Como Portugal, ia sendo traída pela consistência dos gregos. Vai ser mesmo muito complicado ganhar-lhes no último jogo.

- Os jogadores de que mais gosto são aqueles que não têm medo de jogar no limite e arriscar tudo, em cada lance. A Espanha tem dois desses jogadores: Vicente e Joaquín. São eles a dupla infernal, muito mais do que a tão apregoada (e excelente, admito) Raul-Morientes.

Publicado por José Mário Silva às 07:22 PM | Comentários (2)

NÃO DEVO PERCEBER MESMO NADA DISTO

Os comentadores da TVI jubilavam pelo empate entre a Espanha e a Grécia. Não entendo porquê: assim, mesmo que ganhemos aos russos, vamos chegar à derradeira ronda em 3º lugar. Os gregos irão aí encontrar uma equipa russa já eliminada e sem grande motivação; os espanhóis vão atirar-se a nós como gato a bofe, mesmo só precisando de um empate para o apuramento...

Publicado por Luis Rainha às 07:04 PM | Comentários (4)

ÚLTIMAS DA ÚNICA DEMOCRACIA DO MÉDIO ORIENTE

Alguns homens armados, vestidos de forma a passar por civis, entraram num restaurante e abateram de imediato um comensal. Outro cliente do restaurante, um taxista que almoçava pacatamente, foi ferido e está em estado crítico.
Mais um ataque dos extremistas muçulmanos, que sabemo-lo bem, costumam infiltrar-se entre as populações inocentes para depois atacarem sem aviso?
Não; mais um ataque dos terroristas israelitas.
Aconteceu hoje mesmo, em Jenin. O que nos vale é que Israel é uma Democracia.
Pois só uma Democracia seria capaz de condenar um dos seus militares por ter assassinado, em sua casa, um miúdo de 16 anos, desarmado e inofensivo para as tropas presentes. O valente capitão Kortzky foi condenado a dois meses de prisão, seguidos de quatro meses de "tarefas militares".
Apesar de mais de 3.000 palestinianos terem sido abatidos por israelitas desde o início desta intifada - incluindo 548 menores -, apesar de metade ter morrido sem armas nas mãos, o capitão Kortzky foi apenas o terceiro militar israelita a ser condenado pela morte ou ferimentos de civis palestinianos.
Isto é que deve ser a tal "Democracia musculada"...

Publicado por Luis Rainha às 05:48 PM | Comentários (1)

VERSOS QUE NOS SALVAM

De Seamus Heaney, poeta irlandês, Prémio Nobel da Literatura em 1995:


AS CRIANÇAS DA LINHA DE COMBOIO


Quando trepámos pelas ladeiras da trincheira
Ficou-nos o olhar ao nível dos copos brancos
Do telégrafo, dos seus fios crepitantes.

Ondulavam como bela caligrafia
Para leste e oeste ao longo de quilómetros,
Descaindo com o peso das andorinhas.

Éramos pequenos e pensávamos nada saber
Que valesse a pena saber. Achávamos
Que as palavras viajavam pelas linhas nas gotas

Luzentes da chuva, cada uma inseminada
Com a luz do céu, o brilho das linhas,
E nós próprios tão infinitesimais

Que passaríamos pelo fundo de uma agulha.

(in «Da Terra à Luz . poemas 1966-1987», tradução de Rui Carvalho Homem, Relógio d'Água)

Publicado por José Mário Silva às 05:45 PM | Comentários (1)

GENI E O ZEPELIM

Em 1978 Chico Buarque apresentou a Ópera do Malandro, ainda hoje o mais conhecido musical em português, que viria a ser adaptado ao cinema por Ruy Guerra em 1985.
Da Ópera saíram músicas marcantes como Teresinha, O meu amor e Pedaço de mim. Recordamos aqui Geni e o zepelim que, como quase todas as músicas de Chico, tem uma história associada.

Publicado por Filipe Moura às 05:11 PM | Comentários (3)

A NOSSA SORTE É QUE ELES JÁ NÃO TÊM GUARDA-REDES ASSIM


Lev Yashin

Rinat Dassaev

Publicado por José Mário Silva às 05:01 PM | Comentários (4)

ATÉ O ALFREDO BARROSO CONCORDA COMIGO

«(...) Dentro das quatro linhas, tenho mais .fé. no Ricardo Carvalho do que no Fernando Couto, mais crença no Deco do que no Rui Costa e mais esperança no Cristiano Ronaldo do que noutro extremo qualquer.» (crónica de hoje, no DN)

Publicado por José Mário Silva às 04:51 PM | Comentários (2)

SÓ FALTAM TRÊS HORAS

Força Portugal!

PS- Sim, acho que agora já se pode dizer isto sem corar de vergonha.

Publicado por José Mário Silva às 04:45 PM | Comentários (3)

EU E O EURO 2004

Sou necessariamente a favor da realização do Euro 2004 em Portugal, porque o Sporting precisava de um estádio novo. Basta olhar um pouco para trás para se perceber que há muito o Estado devia este apoio ao Sporting. No Campeonato do Mundo de Sub-21, realizado em Portugal em 1991, o sistema já então em vigor ostracizou vergonhosamente o Sporting e o Estádio de Alvalade do evento. Enquanto os estádios dos principais rivais, as Antas e a Luz, e outros de clubes de menor dimensão, tiveram significativos melhoramentos para o evento, financiados pelo Estado, o Sporting não recebeu um tostão que fosse. Sendo o seu estádio aquele que mais necessitava de obras, como se veio a descobrir, um ano depois, com o célebre episódio da pala, e a consequente interdição do estádio. Eram os tempos da Catedral da Luz e das Ruínas de Alvalade, no dizer dos benfiquistas.
Anos mais tarde, um adepto do Sporting morreria devido à queda de um gradeamento, horas antes de um decisivo Sporting-Porto.
José Roquette, o dirigente mais visionário que passou pelo futebol português de que tenho memória, chegou ao poder e tomou duas decisões históricas e fundamentais: o futebol tinha que ser gerido como uma empresa (uma SAD, como se viria a chamar), e o clube precisava de instalações desportivas novas (um centro de estágios e um estádio). Pinto da Costa, o dirigente mais inteligente, copiou precisamente o mesmo modelo para o FC Porto. O Benfica, bem à imagem do povo português, resistiu à mudança, e só a aceitou, no que ao estádio diz respeito, quando era garantido que haveria chorudos financiamentos externos. Isto é, depois de se saber que o Euro 2004 se iria realizar. Este pormenor faz toda a diferença: Sporting e FC Porto decidiram avançar com estádios novos independentemente do Euro 2004. Quem quiser dizer mal dos "estádios do Euro", não o poderá fazer relativamente a estes dois estádios. O estádio do Benfica, pelo contrário, só tem justificação por haver o Euro 2004.
O resto é o que já se sabia: o Sporting inova, o Sporting é pioneiro, os outros copiam. Sempre foi assim. Provavelmente, se José Roquette não tivesse optado pelo modelo de SAD, não haveria SADs em Portugal. Se não tivesse optado por avançar com um estádio novo, nunca se realizaria o Euro 2004 em Portugal. Daí a minha primeira frase. É que Portugal é assim.
A indignação que eu senti, naquele verão de 1992, ao ver o estádio do meu clube interditado por falta de obras, quando um ano antes os estádios dos rivais tinham tido obras pagas pelo estado, é um daqueles sentimentos que só quem é sportinguista sabe o que é. Como só os sportinguistas sabem o que é haver um árbitro que jurou que, enquanto arbitrasse, o Sporting nunca seria campeão. (Curiosamente, desde que esse árbitro se retirou, o Benfica nunca mais foi campeão.) Como só os sportinguistas sabem o que é a associação de árbitros recusar-se a arbitrar os seus jogos, devido a declarações (iguais às dos dirigentes de outros clubes) de um dos seus dirigentes.
A humilhação que tal interdição representou, não pela interdição em si mas pelas circunstâncias em que foi decretada, demorou onze anos a ser reparada. Só o foi com a inauguração deste estádio novo, sem dúvida a obra mais justificada e merecida deste torneio. Digam mal do clientelismo nacional, digam mal do lóbi da construção civil, digam mal dos estádios que vão estar às moscas depois do torneio, digam mesmo mal, se quiserem, dos estádios que não vão estar às moscas (eu não digo). Deixem ser os sportinguistas a criticarem a decoração do estádio . afinal, são eles quem lá vai. Não se atrevam é a dizer mal agora do nosso Alvalade XXI.

Publicado por Filipe Moura às 04:43 PM | Comentários (10)

MANHATTAN CONNECTION

O nosso amigo Ponto esteve uma semana de férias em Nova Iorque e voltou de lá com umas fotos bestiais. Check it out.

Publicado por José Mário Silva às 04:31 PM | Comentários (0)

NÃO TE VÁS EMBORA, PÁ

O Rui Almeida, um dos melhores divulgadores de poesia da blogosfera, ameaça abandonar-nos. É uma má notícia. Muito má mesmo.
Olha, Rui, sem sei o que dizer: está muito calor, vem aí o solstício, depois o outono (e todas as outras estações). Ou seja, espero que mudes de ideias.

Publicado por José Mário Silva às 02:19 PM | Comentários (0)

EM AMSTERDÃO NÃO SE FALA ALEMÃO

E o Van Nistelrooy, sem ser ourives, mostrou como é que se lapida um diamante. No jogo mais emotivo de ontem, a Holanda empatou com a Alemanha: 1-1.

Publicado por José Mário Silva às 12:42 PM | Comentários (2)

SINAIS DE RESPEITO

Houve muitos bloggers que criticaram, com alguma violência, o facto de O Acidental ter apagado os muitos posts em que dizia cobras e lagartos do Prof. Sousa Franco. Nós, pelo contrário, compreendemos e louvamos o gesto, enquanto demonstração de respeito por alguém que morreu nas circunstâncias que todos conhecemos.
Vale a pena, aliás, recuperar o texto em que Paulo Pinto Mascarenhas justifica a limpeza de arquivos: «Lamentamos a morte trágica do Professor Sousa Franco e respeitamos a sua memória. Por isso, removemos todos os textos a ele referentes. Escritos num quadro de combate político, mas sem violar as regras da ética e da boa-educação, os postes deixaram de fazer qualquer sentido neste momento.»
Sendo O Acidental um blogue coerente, espera-se agora que PPM complete o trabalho encetado, apagando todos os posts relativos à defunta coligação PSD-PP.

Publicado por José Mário Silva às 12:37 PM | Comentários (4)

PORTUGAL-RÚSSIA

A pedido de várias famílias, este vosso escriba estará mais uma vez de serviço, ao fim da tarde, para vos dar conta do que se passar no Estádio da Luz, no jogo do "tudo ou nada" da selecção portuguesa. O desafio (e é mesmo um desafio) começa às 19h45. Já sabem: transmissão televisiva na SIC, comentário blogosférico no BdE.

Publicado por José Mário Silva às 09:55 AM | Comentários (8)

CUIDADO AÍ COM AS MANCHETES

A The Economist, compreensivelmente pesarosa com o desaparecimento de Ronald Reagan (esse farol dos conservadores e dos neo-liberais), dedicou-lhe a capa e uma homenagem sentida. Até aqui tudo bem. Escusava era de vir com os exageros do costume: «The man who beat communism». O homem que venceu o comunismo? Então e o Papa João Paulo II, não conta? Então e os outros milhares de anti-comunistas que foram batendo, água mole em pedra dura, na Cortina de Ferro, não contam? Então e o Vasco Rato, não conta? Please. Caros editores da «The Economist»: evitem esse pecado terrível que é a ingratidão. Por muito que gostem dele, Ronald Reagan não foi o homem que venceu o comunismo. Foi, isso sim, um homem que lutou contra o comunismo. Do vosso ponto de vista, já não é pouco.

PS - Na verdade, ele nem sequer venceu o comunismo, mas sim um comunismo, se é que se pode chamar comunismo àquele comunismo.

Publicado por José Mário Silva às 09:50 AM | Comentários (8)

junho 15, 2004

JORGE MARAVILHA

Continuando na fase "Julinho da Adelaide", recordo uma preciosidade gravada somente ao vivo e (creio que) praticamente impossível de encontrar em CD. O ritmo, com um ar de rock, nem parece buarqueano. Apesar da sua escassa divulgação, a música deu que falar devido ao destinatário dos versos "Você não gosta de mim/ mas sua filha gosta". Houve quem julgasse que se dirigiam a um general, cuja filha era progressista e fã de Chico (uma espécie de Dick Cheney...). Mas esta explicação é também muito engraçada (são declarações do próprio Chico). A música, afinal, destinar-se-ia também a um certo polícia (ver aqui para mais informações).

Publicado por Filipe Moura às 08:56 PM | Comentários (3)

TELEGRAMA PARA SCOLARI

Caro Felipão STOP Jogue ao ataque do princípio ao fim STOP Arrisque muito, arrisque tudo, arrisque sempre STOP Tenha agora, por favor, a coragem que não revelou antes STOP Deixe o Rui Costa e o Fernando Couto no banco STOP Aposte no Deco e no Ricardo Carvalho STOP Abdique de um médio defensivo e ponha o Nuno Gomes ao lado do Pauleta STOP Não se esqueça: o Cristiano Ronaldo tem que entrar de início STOP Acho que é tudo STOP Boa sorte STOP Também vai precisar dela STOP

Publicado por José Mário Silva às 07:59 PM | Comentários (9)

AINDA SOBRE ANÕES

Como já devem ter reparado, ao ler uma certa notícia, hoje, lembrei-me de uma certa canção do Zé Mário Branco.
Esta:

O papão do anão

O papão do anão
É o anão do próprio anão
O pior p'ró anão
É ter um irmão menor
É ter um irmão maior
É ter um irmão...

Só de costas o anão é parecido
Com o menino que pode ter sido
Os anões não se medem aos palmos
Eu sou o melhor
Eu sou o maior
Quero ser
Hei-de ser sempre o mais pequenino
Estreitinho
Maneirinho
Que há-de haver

Propriamente ser anão não custa puto
O que custa é manter esse estatuto

O papão do anão
É o anão do próprio anão
O pior p'ró anão
É ter um irmão menor
É ter um irmão maior
É ter um irmão melhor
O pior p'ró anão
É ter um irmão...

Ser anão não é coisa do corpo
É forma do espírito morto
São anões p.ra quem tudo são palmos
Eu sou o melhor
Eu sou o maior
Quero ser sempre o mais pequenino
Estreitinho
Mirradinho
Que há-de haver

Propriamente ser anão não é defeito
É gostar de ser pequeno sem proveito

(in «Resistir é Vencer»)

Publicado por José Mário Silva às 07:45 PM | Comentários (0)

O ANÃO DO PRÓPRIO ANÃO

Ontem, o presidente da concelhia de Matosinhos do PS, Manuel Seabra, demitiu-se do cargo de vice-presidente da respectiva Câmara Municipal. O próprio Francisco Assis, presidente da Federação Distrital do Porto, colocou o seu lugar à disposição. Só falta Narciso Miranda.

Publicado por José Mário Silva às 07:39 PM | Comentários (2)

RESCALDOS

Tem sido quase comovente acompanhar a forma como os principais blogues de direita se desmultiplicam em justificações para a derrocada eleitoral da coligação PSD-PP. Do fantasma da abstenção (esse cómodo álibi) à vitória "global" no Parlamento Europeu, tudo serve para escamotear a dura realidade.
Por mim, nem vou dizer nada. A sério. Para quê? Nestes momentos, há que respeitar as reacções emotivas e eufemísticas. No lugar deles, talvez fizéssemos o mesmo. Até porque se perder dói sempre, perder assim deve doer muito mais.

Publicado por José Mário Silva às 07:26 PM | Comentários (0)

ALGUÉM QUE CONHECE ALGUÉM QUE CONHECE ALGUÉM QUE CONHECE ALGUÉM QUE CONHECE O BIN LADEN


Donald Rumsfeld

Este homem não tem mesmo papas na língua. Ora vejam lá o que andou a dizer aos marinheiros do navio americano USS Essex, estacionado em Singapura, a propósito de uma eventual captura de Bin Laden e da melhor forma de a conseguir (vai em inglês porque é intraduzível):

«The only way we ever found him is finally somebody put enough pressure on enough people to find out that somebody had an idea where somebody might know somebody who might know somebody who would know where he might have been»

Publicado por José Mário Silva às 06:27 PM | Comentários (2)

PUBLI-FUTUROLOGIA


Depois do elegante e cauteloso anúncio com que o BES saudou antecipadamente a destruição da equipa grega, amanhã há mais. As nossas fontes privilegiadas estão em condições de garantir que o próximo incentivo à selecção continuará a seguir o tema das ruínas, mas agora apostando na efígie de Lenin.

ANÚNCIO DO BES A SAIR AMANHÃ

Publicado por Luis Rainha às 01:22 PM | Comentários (9)

0,06

Na noite de domingo, vários dos ensimesmados comentadores pró-governamentais brandiram, com um evidente brilhozinho nos olhos, os indicadores que apontam para uma recuperação da economia portuguesa. Indícios da tal mirífica retoma, o sonho a tornar-se realidade, estão a ver? Pois. Só que é preciso olhar com mais detalhe para os tais indicadores positivos. Se o fizermos, começamos por descobrir que o PIB cresceu realmente no primeiro trimestre, em relação ao mesmo período de 2003. Mas quanto? Preparem-se (rufar de tambores): 0,1%. Extraordinário, hem?
Acontece que o pior ainda está para vir. Na realidade, o valor de 0,1% foi o que avançou o governo, porque o verdadeiro (segundo as nossas fontes) não passou de 0,06%, tendo sido arredondado para cima pelas razões que se adivinham.
E depois, claro, nós é que somos excessivamente optimistas, desfasados da realidade, manipuladores, utópicos, blá, blá, blá.

Publicado por José Mário Silva às 01:09 PM | Comentários (9)

DA SUPERIOR EFICÁCIA DAS SOCIAIS-DEMOCRACIAS NÓRDICAS, SOBRETUDO QUANDO COMPARADAS COM AS ECONOMIAS LIBERAIS SAÍDAS DO ANTIGO PACTO DE VARSÓVIA

A Suécia esmagou a Bulgária, por 5-0, naquele que foi o mais vibrante jogo do Euro 2004, até agora.

Publicado por José Mário Silva às 08:43 AM | Comentários (17)

CANDIDATOS DA MANCHÚRIA?

- O Leonardo Ralha critica a minha "cartilha" num comentário a um post abaixo;
- Guilherme Silva afirmou ontem à noite, num debate com o António José Seguro, na SIC, que acerca dos resultados destas eleições "não vamos tapar o sol com a peneira".
Perante estes e outros exemplos, pergunto-me: estará a famosa CASSETE do PC a produzir finalmente os desejados efeitos nas águas profundas da psique de algumas mentes mais frágeis?

Publicado por tchernignobyl às 07:23 AM | Comentários (7)

ISSO, PÕE-TE AO FRESCO

Quando saía da conferência de imprensa em que comentou a derrota-que-nem-foi-tanto-derrota-assim, a primeira coisa que Durão Barroso disse aos que o rodeavam foi:
"Vocês já repararam (aqui houve uma pausa infinitesimal e fiquei suspenso à espera de alguma afirmação bombástica relacionada com os momentos que se viviam) que está muito mais fresco cá fora?".
Onde param os teóricos da semiologia?
Habitualmente céptico quanto à veracidade das suas afirmações, esta mereceu-me estranhamente algum crédito. Persuadiu-me. Já passava das dez da noite e nem me ocorreu levantar-me para ir à janela comprovar se estava de facto mais fresco lá fora.
Parafraseando o bom povo, não estaremos a perder um óptimo apresentador do Boletim Meteorológico por troca com uma miséria de primeiro-ministro?

Publicado por tchernignobyl às 07:10 AM | Comentários (5)

junho 14, 2004

VENCEDORES DA NOITE DE ONTEM (5)

Zinedine Zidane. Em dois minutos, destroçou a Inglaterra, com um livre directo de geometria perfeita e um penalty marcado comme il faut. É um génio. E os génios, às vezes, fazem coisas destas: resolver, num relâmpago, o que não parecia ter solução.

Publicado por José Mário Silva às 09:24 PM | Comentários (6)

VENCEDORES DA NOITE DE ONTEM (4)

Garcia Pereira. Apesar de ter "roubado" votos à CDU (por causa dos eleitores que se baralham com a foice e o martelo), o PCTP/MRPP conseguiu um resultado superior ao Partido da Nova Democracia, de Manuel Monteiro. Não sendo um feito por aí além, acaba por representar uma vitória simbólica no "campeonato dos pequeninos".

Publicado por José Mário Silva às 09:21 PM | Comentários (5)

VENCEDORES DA NOITE DE ONTEM (3)

Miguel Portas. O sorriso emocionado do Miguel dizia tudo. Não era só a eleição para o Parlamento Europeu que celebrava, eufórico, na Voz do Operário. Era a consolidação definitiva de um projecto político. Com cerca de 5% dos votos, o Bloco de Esquerda deixou de ser um partido pequeno e simpático. É, cada vez mais, um caso sério (com implantação crescente fora dos meios urbanos). E uma alternativa credível.

Publicado por José Mário Silva às 09:17 PM | Comentários (6)

VENCEDORES DA NOITE DE ONTEM (2)

Ferro Rodrigues. É um sobrevivente. Resistiu aos escândalos. Resistiu às escutas da PJ. Resistiu à pressão da imprensa. Resistiu ao seu próprio partido. E conseguiu, em circunstâncias adversas, o melhor resultado de sempre do PS. Se souber controlar os inimigos internos e pegar a sério nas rédeas da oposição, chegará em breve a primeiro-ministro.

Publicado por José Mário Silva às 09:12 PM | Comentários (4)

VENCEDORES DA NOITE DE ONTEM (1)

Sousa Franco. Mesmo póstuma, a vitória também é sua.

Publicado por José Mário Silva às 09:05 PM | Comentários (1)

EXPLICA LÁ MELHOR?

Durante uma das suas (muito boas) análises dos resultados eleitorais, escreveu o Daniel:

"Um partido com menos de 10 por cento não pode fazer coligações de governo."

Não é que eu não ache esta ideia defensável (embora eu julgue que não concordo). É defensável, a meu ver, da perspectiva de alguém do PS ou do PSD. Não esperava era lê-la vinda de quem vem. Ó Daniel, és capaz de te explicar um pouco melhor, por favor? Era bom que trocássemos umas ideias sobre o assunto.

Publicado por Filipe Moura às 09:00 PM | Comentários (2)

ACORDA AMOR

Durante a ditadura militar, Chico Buarque foi a vítima número 1 da censura. A dada altura, Chico não podia mais escrever canção nenhuma, pelo que teve de criar um pseudónimo: Julinho da Adelaide. As músicas de Julinho foram autorizadas pela censura, e Julinho chegou mesmo a dar entrevistas à imprensa.
Uma das canções de Julinho é Acorda Amor. A ironia de Chico está bem presente em versos como "Chame o ladrão, chame o ladrão!"

Publicado por Filipe Moura às 08:13 PM | Comentários (6)

SEMANA BUARQUEANA

Durante esta semana, até sábado, dia do seu 60º aniversário, vamos evocar Chico Buarque.
Pessoalmente gosto mesmo é do Chico músico, pelo que o melhor a evocar são as suas canções. A minha escolha será incompletíssima, parcial e de acordo com as minhas possibilidades. O objctivo é não deixar a data passar em claro e, se possível, recordar aspectos mais esquecidos do grande artista brasileiro. Mas para uma informação muito completa não deixem de visitar a excelente página oficial de Chico.

Publicado por Filipe Moura às 08:02 PM | Comentários (4)

ANALYZE THIS

Deveres profissionais inadiáveis, conjugados com um acesso intermitente à Net, impediram-me de fazer, durante o dia, a análise em detalhe dos resultados eleitorais de ontem, partido a partido. Agora, depois da habitual voltinha pela blogosfera, apercebo-me que o Daniel Oliveira já fez isso mesmo, e muitíssimo bem, no sítio do costume. Passem por lá e confiram.

Publicado por José Mário Silva às 07:52 PM | Comentários (0)

UMA ANDORINHA PODE FAZER A PRIMAVERA

Esta manhã, a andorinha-dos-beirais que se instalou no estendal da roupa lá de casa, vigiando a nossa alegria, também me pareceu feliz com a vitória da esquerda. Muito feliz, mesmo.
Não se esqueçam que as aves são animais utópicos por natureza. Para começar, ganham o céu em vida . literalmente. E depois conseguem-no voando, esse milagre.

Publicado por José Mário Silva às 02:52 PM | Comentários (7)

RESULTADOS FINAIS (ELEIÇÕES PARA O PARLAMENTO EUROPEU)

PS - 44,5% (12 deputados)
PSD/PP - 33,2% (9 deputados)
CDU - 9,1% (2 deputados)
Bloco de Esquerda - 4,9% (1 deputado)
PCTP/MRPP - 1,06%
PND - 1%

Abstenção - 61,2%

Publicado por José Mário Silva às 11:55 AM | Comentários (9)

junho 13, 2004

RUMO A MAIS UMA VITÓRIA

Na mesma linha de raciocínio, parece-me errado pedir ao governo que mude de política como resultado destas eleições.
É que pode até ser um bom conselho mas do ponto de vista deles.
Para o bem dos portugueses convém que o governo mantenha (admitindo que tamanha colecção de ineptos poderia proceder de outra forma) o rumo traçado até às próximas eleições.

Publicado por tchernignobyl às 11:58 PM | Comentários (10)

NÃO MATEM A COLIGAÇÃO

Só espero é que o pessoal de esquerda não se deixe agora envolver na discussão, estéril para nós, sobre se deve ou não continuar a coligação.
Esse é um problema "deles".
A nós interessa-nos que vão todos à vida e depressa, de preferência muito coligadinhos.

Publicado por tchernignobyl às 11:52 PM | Comentários (1)

MOMENTOS MÁGICOS

A perspectiva imbecilizante com que são feitas as análises e os resumos dos jogos de futebol na televisão, sobretudo quando a histeria instalada não permite olhar para um jogo fora da eterna dicotomia "vitória fantástica de uma equipa de outro planeta/ derrota catastrófica de uma equipa inexistente", vai fazer com que provavelmente não voltemos a rever do Portugal-Grécia mais do que os golos, o que é uma pena porque não voltaremos a rever dois momentos absolutamente maravilhosos do jogo protagonizados pelo Figo, duas fintas como só ele sabe fazer.
Numa delas deixou um jogador grego caído no chão, a olhar para o outro lado como se tivesse sido fulminado.
Se querem animar o pessoal, porque não mostram estas coisas em vez de repetirem sempre as mesmas imagens deprimentes dos golos?

Publicado por tchernignobyl às 11:45 PM | Comentários (6)

PRIMEIRO RESCALDO

Sem surpresa, os responsáveis do PSD e do PP passaram a noite em sucessivos e engenhosos exercícios de contorcionismo retórico, de forma a minorar a extensão da humilhante derrota eleitoral que sofreram. Uns mais dignos, outros mais tresloucados (Luís Filipe Menezes, por exemplo, de carabina em punho apontada para dentro do partido), todos se enrolaram em sofismas e sorrisos amarelos. Mas o clímax chegou com a pose "eu-sei-muito-bem-o-que-o-povo-quis-dizer-mas-não-pensem-que-lhe-vou-dar-ouvidos" do primeiro-ministro e líder da coligação perdedora. Durão Barroso chegou ao ponto de se juntar ao PS na barricada dos "vencedores" que acreditam no projecto europeu. Aconteceu na conferência de imprensa de reconhecimento da derrota. E foi uma cena triste, para não dizer ridícula.
Se Durão Barroso fosse um animal político, seria um avestruz.

Publicado por José Mário Silva às 11:36 PM | Comentários (5)

E A AL-QAEDA?

Um cataclismo eleitoral tão grande requer uma explicação inteligente.
Que chantagem terá sido exercida sobre os portugueses?
De quem terão eles medo?

Publicado por tchernignobyl às 11:20 PM | Comentários (7)

FORÇA, PORTUGAL?

Ontem e hoje, o mesmo slogan. Ontem e hoje, o mesmo desastre. Com uma diferença: no futebol, quem grita as duas palavras ainda pode esperar um volte-face; na política, não.

Publicado por José Mário Silva às 11:20 PM | Comentários (2)

SEM FORÇAS PARA REAGIR

Fora destes prodígios de raciocínio lógico, exausto pela expectativa dos resultados, já não encontro forças para reagir negativamente a esta afirmação do sempre insuspeito Luis Filipe Menezes: "Foi um resultado humilhante".
Acho que nem consigo dizer mais.

Publicado por tchernignobyl às 11:17 PM | Comentários (4)

A FLUIDEZ DAS LEGITIMIDADES

Por outro lado, tanto PPortas como o resto do "povo" esmagado nestas eleições realça a "reflexão" que "todos" devem fazer quanto aos números elevados de abstenção. É que ao que parece os 60 por cento de abstenção mostram que o povo, não estando suficientemente motivado para apoiar o governo, também não esteve suficientemente motivado para votar mais contra o governo, apesar dos mais de dez pontos de diferença para a soma dos votos dos partidos da actual coligação (mesmo excluindo as excelentes votações da CDU e sobretudo do BE).
É bom vê-los ter esta visão tão serena do seu próprio descalabro e reconfortante verificar que tudo vai continuar como até aqui.
O estranho é que se esquecem da abstenção quando comentam a vitória no referendo contra o aborto que, embora mais estreita em termos percentuais, foi considerada, ainda assim, uma GRANDE VITÓRIA.
E nem vale a pena argumentar-se que o referendo contra o aborto era uma votação sobre uma questão muito directa.
É que no Parlamento existia à época, como resultado de umas eleições legislativas onde nem tinha havido um grau de abstenção tão grande como isso, um amplo consenso a favor dessa lei.

Publicado por tchernignobyl às 11:03 PM | Comentários (1)

A FORÇA DA LÓGICA

Comprova-se que o posicionamento à direita reflecte normalmente uma análise fria, lógica e racional dos fenómenos sociais e dos factos políticos.
E assim se pode compreender a reacção inteligente de Paulo Portas aos resultados da eleição de hoje: "não seria lógico negar que o PS obteve um bom resultado"...

Publicado por tchernignobyl às 10:55 PM | Comentários (2)

VITÓRIA ESMAGADORA DA ESQUERDA NAS ELEIÇÕES EUROPEIAS

Nunca, desde o 25 de Abril, a esquerda conseguiu tão clamorosa vitória eleitoral no nosso país. Nunca, desde o 25 de Abril, a direita foi tão duramente castigada nas urnas. Mais ainda: o PS esmagou a coligação governamental; a união de facto PSD-PP conseguiu menos votos do que o PSD sozinho em 1999; a CDU aguentou-se à bronca; e o Bloco de Esquerda quase triplicou a percentagem de votos, elegendo Miguel Portas, o primeiro deputado do BE ao Parlamento Europeu. Está a ser bonita a festa, pá.

Publicado por José Mário Silva às 10:51 PM | Comentários (4)

A PASSARADA

O comedouro do meu cão abastece de proteínas e vitaminas a avifauna residente em toda a serra de Sintra: andorinhas, pardais, melros... aparece de tudo neste self-service; até uma coruja branca já aqui apanhei a altas horas da noite, com o bico cheio de ração Chappi!
Hoje, os penduras com penas estão mais atrevidos que nunca: anda uma esquadrilha de enormes melros a rondar o quintal e o almoço do pobre cão, que não pára de ladrar aflito. Há uns minutos, um destes animalejos aziagos estatelou-se ruidosamente contra uma janela da sala onde estou agarrado ao computador. Fiquei capaz de jurar que ele vinha na minha direcção. Agora, o pipiar constante das aves de mau agouro soa-me a ameaça esfomeada...
Será que o diabo dos bichos sabem do comentário que fiz a este post do Zé Mário?

Publicado por Luis Rainha às 11:57 AM | Comentários (6)

ÀS URNAS, CIDADÃOS

Votem à esquerda, à direita, no centro ou até (saramaguianamente) em branco. Mas vão lá. Não se esqueçam. Não se baldem. Não deixem nas mãos de outros os vossos deveres cívicos. E os vossos direitos.

Publicado por José Mário Silva às 11:24 AM | Comentários (6)

TERCEIRA QUESTÃO ÓBVIA

A selecção de Portugal só joga bem quando não é favorita (ou seja, contra adversários teoricamente mais fortes) e claudica quando lhe cabe assumir as "despesas do jogo", como gostam de dizer os comentadores desportivos. Basta relembrar os brilharetes contra a Inglaterra e a Alemanha, no Euro 2000, ou os desastres contra os EUA e a Coreia (no Mundial de 2002) e contra Marrocos (no México, 1986).
Por isso, há que manter a esperança. Como os russos são, em princípio, mais perigosos do que os gregos, somos capazes de empatar. E depois, na última jornada, contra a Espanha, a equipa mais forte do grupo, conseguiremos a inesperada, sofrida e salvadora vitória.
Mas isto é o meu lado optimista a falar. Optimista e utópico, está bom de ver.

Publicado por José Mário Silva às 11:22 AM | Comentários (5)

NÃO APRENDEMOS MUITO EM DOIS ANOS, POIS NÃO?


Para uma nação com fraca auto-estima, não estamos nada mal no que toca ao orgulho antecipado. Sobretudo quando temos na mira adversários teoricamente mais fracos. No último Mundial, os crânios do marketing desta água borbulhosa decidiram antecipar um pouco a comemoração da vitória - mais que certa, claro está - sobre os pobres coitados dos Estado Unidos. No dia do rescaldo da derrota vergonhosa, para piorar a nossa azia, lá demos com este belo reclame.
Ontem, o BES e a Portugália comunicaram ao país que a trupe do Scolari ia transformar os gregos "em ruínas" e que e só poderíamos "encher o papinho de golos".
A arrogância é mesmo um traço de carácter deplorável. E deixa rastos um pouco ridículos, como se vê pela imagem acima...

Publicado por Luis Rainha às 11:17 AM | Comentários (4)

SANT'ANTÓNIO 'INDA NÃO S'ACABOU...

A TVI continua a transmitir, em directo, o festival de vozes estridentes, coreografias desconjuntadas, dançarinas roliças e lantejoulas desmaiadas que dá pelo nome de "Marchas de Lisboa". E eu estou a ter um prazer perverso mas inegável em ver tal espectáculo. Para abrir um sorriso de orelha a orelha, só tenho de me lembrar que o Santana Lopes - com aquela cara de sofrimento que quase conquista a minha pena - tem de estar ali na tribuna a levar com a estopada. Até ao fim.

Publicado por Luis Rainha às 12:38 AM | Comentários (3)

junho 12, 2004

QUAL PERESTRELO, QUAL QUÊ!

Obrigado, Zé Mário: grande relato em directo, aqui no BdE. Quarta-feira, vou estar com um olho na TV e outro no portátil. Isto se a tua boa-vontade não se tiver esfumado, juntamente com a auto-estima colectiva da nação...

Publicado por Luis Rainha às 09:51 PM | Comentários (1)

BOCA OUVIDA DURANTE O JOGO INAUGURAL

"Mas será que esse Pauleta só sabe dar chutos a queijos?"

Publicado por Luis Rainha às 09:45 PM | Comentários (5)

RELATIVISMOS

Faltavam 7 horas para o início do Euro e a equipa do Estoril Praia onde joga o meu filho de 11 anos acabava de ganhar ao Alverca. Ele jogou bem e até marcou um golo.
Não trocava esse resultado sem relevância - e os sorrisos enormes daqueles miúdos suados - por uma vitória de Portugal contra a Grécia.

Publicado por Luis Rainha às 08:53 PM | Comentários (4)

SEGUNDA QUESTÃO ÓBVIA

Depois do breve Verão de todas as euforias, chegou o Outono da descida à triste realidade: Portugal já não faz um jogo de jeito há anos e nem sequer estaríamos no Europeu se não tivéssemos comprado a nossa entrada com alguns milhões de contos em estádios. Os gregos apuraram-se num grupo difícil e até já tinham vantagem nos jogos oficiais disputados contra Portugal.
Mas, afinal, de que estávamos à espera?

Publicado por Luis Rainha às 08:30 PM | Comentários (2)

MINUTO 120

Pouco depois do jogo, a caminho de casa, cruzei-me com uma bandeira portuguesa que seguia aos tropeções, de rojo pelo chão. À mercê do vento; triste, ignorada, com ar de nem sequer ter saboreado bem o momento de glória da subida à antena de um qualquer Punto ou Golf. Esvoaçava lenta e translúcida como uma ténue memória de dias mais felizes.
Será que chegou uma estranha desfolhada, que vai juncar as nossas ruas com os restos da nossa auto-estima estiolada, em milhares de feias folhas verdes e vermelhas?

Publicado por Luis Rainha às 08:20 PM | Comentários (1)

PRIMEIRA QUESTÃO ÓBVIA (EM FORMA DE DESABAFO)

Foi para isto que se gastaram tantos milhões de euros na porcaria dos estádios?

Publicado por José Mário Silva às 07:06 PM | Comentários (13)

COMENTÁRIO FINAL

De um lado, esteve um bando de meninos mimados que pensam que são estrelas e um enorme jogador (Luís Figo). Do outro, esteve uma verdadeira equipa de futebol: onze jogadores coordenados, humildes e batalhadores.
Ganhou a equipa, perderam as pseudo-vedetas. Nada de muito espantoso. Costuma ser assim.

Publicado por José Mário Silva às 07:03 PM | Comentários (22)

MINUTO 94

Não. Claro que não chegámos ao empate. Nem os gregos mereciam tamanha injustiça.

Publicado por José Mário Silva às 06:58 PM | Comentários (3)

MINUTO 93

GOLO de Cristiano Ronaldo. 1-2. Será que ainda chegamos ao empate?

Publicado por José Mário Silva às 06:57 PM | Comentários (0)

MINUTO 88

Os últimos 10 minutos foram bons. Pois. Tarde demais. Deviam ter sido assim os últimos 88.

Publicado por José Mário Silva às 06:52 PM | Comentários (0)

MINUTO 85

Portugal dá tudo por tudo. Não chega. Os gregos resistem, sempre, com a têmpera dos espartanos.

Publicado por José Mário Silva às 06:50 PM | Comentários (0)

MINUTO 82

Cristiano Ronaldo remata à meia-volta dentro da área, o ressalto num defesa grego quase dá golo. Quase.

Publicado por José Mário Silva às 06:46 PM | Comentários (0)

MINUTO 78

Grande jogada de Deco. Infelizmente, não há remate português (um único!) que acerte na baliza.

Publicado por José Mário Silva às 06:42 PM | Comentários (0)

MINUTO 75

Livre arrancado por Figo, depois de um slalom. Luís Figo: um gigante entre os anões.

Publicado por José Mário Silva às 06:39 PM | Comentários (0)

MINUTO 74

Será que o Nuno Gomes entrou mesmo? Ainda não o vi.

Publicado por José Mário Silva às 06:37 PM | Comentários (2)

MINUTO 72

Nada nos sai bem. Rigorosamente nada.

Publicado por José Mário Silva às 06:34 PM | Comentários (0)

MINUTO 69

Alguém poderia explicar ao menino Cristiano Ronaldo como é que se faz um cruzamento?

Publicado por José Mário Silva às 06:32 PM | Comentários (3)

MINUTO 66

Os gregos trocam a bola à vontade. O público português canta olés de humilhação aos seus jogadores. Isto é tudo tão previsível.

Publicado por José Mário Silva às 06:30 PM | Comentários (0)

MINUTO 65

Entra Nuno Gomes, sai Costinha. Não me parece que seja suficiente.

Publicado por José Mário Silva às 06:28 PM | Comentários (0)

MINUTO 62

A exibição portuguesa não está a ser má. Está a ser confrangedora.

Publicado por José Mário Silva às 06:25 PM | Comentários (1)

MINUTO 60

Quem é que está a jogar em casa, afinal?

Publicado por José Mário Silva às 06:23 PM | Comentários (1)

MINUTO 56

Portugal esforça-se mas continua a faltar velocidade, classe, rasgo. Colina mostra a Pauleta o cartão amarelo. Scolari: lance o Nuno Gomes, please.

Publicado por José Mário Silva às 06:20 PM | Comentários (0)

MINUTO 51

GOLO da Grécia. Basinas atira ao ângulo, com calma e precisão.

Publicado por José Mário Silva às 06:15 PM | Comentários (0)

MINUTO 50

Penalty contra Portugal. Infantilidade de Cristiano Ronaldo.

Publicado por José Mário Silva às 06:13 PM | Comentários (0)

MINUTO 45

Recomeça o jogo. Deco e Cristiano Ronaldo estão em campo.

Publicado por José Mário Silva às 06:08 PM | Comentários (4)

DECO E CRISTIANO RONALDO AQUECEM

A esperança renasce.

Publicado por José Mário Silva às 06:07 PM | Comentários (174)

SEGUNDA PARTE

Vamos lá virar o resultado. Também ninguém acreditava no regresso de Ulisses a Ítaca. E olhem, a verdade é que o gajo conseguiu voltar.

Publicado por José Mário Silva às 06:05 PM | Comentários (2)

MINUTO 47

INTERVALO. A Grécia ganha por 1-0. O resultado aceita-se. Os gregos estão a jogar de forma tacticamente perfeita: defendem sem falhas e sabem contra-atacar. Portugal não consegue ultrapassar a muralha azul. Não recupera bolas. Não cria desequilíbrios. Não sabe impor o ritmo. Ou Scolari puxa as orelhas aos rapazes, ou não vamos a lado nenhum.
Por mim, punha já a aquecer o Cristiano Ronaldo.

Publicado por José Mário Silva às 05:56 PM | Comentários (5)

MINUTO 41

Bom remate de Maniche, de muito longe, após mais um bom trabalho de Luís Figo.

Publicado por José Mário Silva às 05:46 PM | Comentários (1)

MINUTO 37

Portugal pressiona muito, mas com pouca objectividade. Os gregos defendem muitíssimo bem e espreitam, sempre com perigo, o contra-ataque.

Publicado por José Mário Silva às 05:42 PM | Comentários (0)

MINUTO 31

O cerco a Tróia aperta-se. Mas falta-nos um Aquiles.

Publicado por José Mário Silva às 05:36 PM | Comentários (1)

MINUTO 25

Rui Costa remata de cabeça, no centro da área grega, fraco. Por enquanto, só Figo está ao nível esperado e exigível.

Publicado por José Mário Silva às 05:30 PM | Comentários (0)

MINUTO 23

Portugal cada vez mais à deriva. Os gregos parecem alemães (como o treinador): frios, eficazes, precisos.

Publicado por José Mário Silva às 05:28 PM | Comentários (0)

MINUTO 20

Cartão amarelo para Costinha, perfeitamente escusado. A Grécia domina, Portugal hesita. A tragédia insinua-se.

Publicado por José Mário Silva às 05:25 PM | Comentários (1)

MINUTO 15

Primeira reacção digna de registo. Rematou Jorge Andrade, forte, de longe, ao lado.

Publicado por José Mário Silva às 05:20 PM | Comentários (1)

MINUTO 12

Desorientação total dos portugueses. Os gregos já podiam estar a vencer por 2-0. Tenham lá calma, pá.

Publicado por José Mário Silva às 05:17 PM | Comentários (0)

MINUTO 9

Grande jogada de Figo. Haja esperança.

Publicado por José Mário Silva às 05:13 PM | Comentários (0)

MINUTO 6

A Grécia entrou melhor. Portugal anda para ali aos tremeliques. Resultado: GOLO dos helénicos, um grande remate de longe de Karagounis. Ui, ui, ui. Isto não é nada bom prenúncio.

Publicado por José Mário Silva às 05:10 PM | Comentários (1)

COMEÇOU O EURO 2004

Equipas em campo:

Portugal: Ricardo, Paulo Ferreira, Fernando Couto, Jorge Andrade, Rui Jorge, Costinha, Maniche, Luis Figo, Rui Costa, Simão Sabrosa, Pauleta.

Grécia: Nikopolidis, Seitaridis, Dellas, Kapsis, Fyssas, Giannokopoulos, Basinas, Zagorakis, Karagounis, Vryzas, Christeas.

Publicado por José Mário Silva às 05:05 PM | Comentários (1)

CONCORDO CONTIGO, FRANCISCO

«Gostar de futebol é um exercício sobre o qual as explicações flutuam ao sabor do momento. Prefiro nunca falar delas, mas podem mencionar-se: a arte, o domínio da bola, o exercício de conjunto, a elegância do passe, a apoteose do golo, a festa da multidão, a cor e a luz dos estádios. São ninharias. Gosta-se de futebol. Ou não se gosta. Podemos ter muitas explicações para a ideia de .gostarmos de futebol., tal como os críticos literários gostam de revolver a obra de Shakespeare ou de Goethe à procura de mais um sinal do admirável génio desses dois europeus. Mas, um leitor de Goethe e de Shakespeare, tal como um adepto da sua equipa de futebol, sabe intimamente que esse génio está lá: o que ele espera, no momento em que está mais perto dos seus livros ou dos golos da sua equipa, é apenas um pouco de magia, de respiração, de alegria.» (no «Frankfurter Allgemeine Zeitung» e no Aviz)

Publicado por José Mário Silva às 04:39 PM | Comentários (1)

O ALMOÇO DO PINTOR


Cartoon de Ares

Publicado por José Mário Silva às 04:31 PM | Comentários (0)

LITTLE BIRD

Um passarinho instalou-se, desde quarta-feira, no estendal da roupa. Passa ali o dia: cantando, balouçando-se, protegendo a casa e quem lá está dentro. Como se soubesse aquilo que nenhum pássaro pode saber.

Publicado por José Mário Silva às 04:22 PM | Comentários (1)

O PIOR PRIMEIRO PARÁGRAFO QUE LI DESDE HÁ MUITO TEMPO

«Oiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnnnnnnk! Não, isto não é o som de um burro com dores de garganta. Nem tão-pouco uma pessoa a uivar depois de ter apanhado com um tijolo na cabeça. Uma nave espacial a fazer aquaplanning? Também não. É o barulho dos meus neurónios a funcionar [sic]. Estão a fazer horas extraordinárias. Estou muito baralhado.»

Esta coisa medonha é o primeiro parágrafo do romance «Viva o Amor!», de Francisco Salgueiro, mais um potencial best-seller light da Oficina do Livro, acabadinho de chegar às livrarias. O enredo é imbecil, as personagens são de cartolina, a prosa está ao nível do «24 Horas» (para pior) e o número de pontos de exclamação por página envergonharia a própria Vera Roquette. O livro é, objectivamente, uma merda. Puro lixo. Lixo literário. Lixo radioactivo. Lixo não reciclável.
E depois ainda vêm dizer que são os críticos literários que têm má vontade...

Publicado por José Mário Silva às 03:01 PM | Comentários (8)

FALTAM TRÊS HORAS

Daqui a pouco, começa (finalmente) o Euro-2004. Em directo na RTP1. E no BdE.

Publicado por José Mário Silva às 02:10 PM | Comentários (3)

PATRIOTISMO BARATO

Preço de uma bandeira nacional made in China: um euro. Isto explica muita coisa.

Publicado por José Mário Silva às 01:43 PM | Comentários (4)

junho 11, 2004

OUVIDO NA FEIRA

No stand da Cavalo de Ferro, um cliente pediu . sem malícia . «uma Vida Sexual». E não, não era o Pedro Mexia.

Publicado por José Mário Silva às 09:11 PM | Comentários (3)

DIA DE REFLEXÃO

Amanhã, véspera das eleições para o Parlamento Europeu, o BdE não publicará posts de teor político susceptíveis de influenciar potenciais eleitores. O artigo 141 da Lei n.º 14/79, de 16 de Maio, explicita que «a propaganda eleitoral, por "qualquer meio", levada a cabo no dia da eleição ou no anterior, é punível».
Parece-me evidente que a blogosfera é um meio . e logo dos mais rápidos, dos mais eficazes, dos mais flexíveis. Por isso mesmo, no quadro legal em vigor, o silêncio político de amanhã faz todo o sentido.

PS - Como é óbvio, no domingo à noite, após o encerramento das urnas, cá estaremos para discutir os resultados.

Publicado por José Mário Silva às 09:02 PM | Comentários (5)

WEBLOG.COM.PT

Fez ontem um ano que o Paulo Querido decidiu abrir o maior serviço de alojamento de blogues exclusivamente português. O sucesso foi o que se sabe. Keep up the good work, Paulo.

Publicado por José Mário Silva às 08:51 PM | Comentários (0)

O MUNDO AO CONTRÁRIO

Já não bastava as bandeiras. Agora até os Xutos têm que ser tratados como «senhores comendadores». Não sei se ria, se emigre.

Publicado por José Mário Silva às 08:45 PM | Comentários (26)

ANÉIS DE FUMO NO ÁTRIO DO KING

Ela diz que vai deixar de fumar, só não sabe quando. Mas eu encontrei-a no cinema, ontem à noite, a sair de um filme do Jarmusch chamado «Coffee and Cigarettes». Já suspeitava: a rapariga não tem emenda. O que a salva é ter um blogue cada vez melhor.

Publicado por José Mário Silva às 07:13 PM | Comentários (0)

EM AUDIÇÃO

«Resistir é Vencer», do José Mário Branco. Um disco muito, muito, muito bom. Excelente. Belíssimo. Com letras de esquerda, de revolta, de dentes cerrados, de insubmissão. Com arranjos perfeitos. Com o Fausto, mais o Sérgio Godinho. Com o Zé Mário na plenitude das suas faculdades musicais, do seu talento. Um álbum maduro, sem arestas. E, lá dentro, pelo menos meia dúzia de canções geniais: Nem Deus, nem Senhor; Canção dos Despedidos; Onofre; Do que um homem é capaz; Canto dos torna-viagem e Pão-Pão.

PS: As músicas podem ser ouvidas (todas!) neste belo site, mas isso não invalida a compra daquele que é, para mim e para já, o melhor disco de música portuguesa editado em 2004.

Publicado por José Mário Silva às 06:09 PM | Comentários (4)

ENCONTROS MAIS E MENOS AGRADÁVEIS

Acabadinho de chegar a Lisboa para uma breve estadia, dirigi-me à Feira do Livro, onde já não ia há alguns anos, tantos quantos não estava em Lisboa em Junho. Cruzei-me com alguns relativos e, provavelmente, com o Luís (isto de a malta que escreve no mesmo blogue não se conhecer...).
Bem, mas os encontros desagradáveis que refiro no título não são, sem dúvida, estes. Pensei que a campanha eleitoral tinha sido suspensa, mas afinal foram só os partidos sérios a fazê-lo. Assim que chego ao Parque, cruzo-me com um cortejo do Partido Nacional Renovador, que empunhava, alegremente, bandeiras com o fascio.
Era 10 de Junho. Afinal, ainda há gente que, como António Ribeiro Ferreira, o maior fã de Ariel Sharon (em editorial neste dia, no DN, em 2002), fala na raça.
Por um lado sou pela liberdade de expressão e associação em geral. Por outro, sou sem dúvida a favor da proibição da publicidade de ideais discriminatórios, racistas e fascistas de qualquer espécie. Traçar a fronteira é complicado. Mas ainda acho que se vivia e respirava melhor no tempo em que estas pessoas tinham vergonha de andar na rua. E foi isso que me fez confusão: como um cortejo fascista pode circular em Lisboa perante a indiferença generalizada. Trinta anos depois do 25 de Abril, está na altura de se voltar a falar em valores; está na altura de se voltar à superioridade moral da democracia.

Publicado por Filipe Moura às 05:25 PM | Comentários (11)

OUTRO QUE SE FOI

Optimista incorrigível, defendi durante muito tempo que não restaria alternativa ao PCP que não fosse modernizar-se e adaptar-se aos dias de hoje. Mas o tempo tem-me vindo a demonstrar que estava errado quanto a este meu optimismo sobre uma evolução do PCP. A geração mais velha do partido, com a excepção do ostracizado Carlos Brito, não conseguiu ainda digerir a queda do Muro de Berlim, e já não o conseguirá. A juventude do partido, por sua vez, parece tão ortodoxa e agarrada ao passado como a geração mais velha, como se comprova, por exemplo, pelo líder parlamentar. A justificação para tal parece-me ser a muito maior atracção que esta geração (a minha) tem pelo Bloco de Esquerda.
Entalada entre estas duas gerações de ortodoxos, surge a geração que eu esperaria que tivesse sido capaz de pegar no PCP e conduzir as necessárias mudanças. Infelizmente (e, nalguns casos, tragicamente) tal não se verificou. Não só porque também há ortodoxos dessa geração, como ainda alguns dos seus membros mais valorosos têm vindo a desaparecer precocemente. Primeiro foi Luís Sá (uma morte tão estúpida e trágica como a de Sousa Franco). Depois, João Amaral, juntamente com Sá o principal rosto da renovação. Pensando na esquerda em geral incluo ainda nesta triste lista José Barros Moura, apesar de este ex-dirigente e eurodeputado, à data da sua morte, há muito ter sido afastado do partido. Agora, foi Lino de Carvalho. Que, sem ser um dos protagonistas da renovação, nunca lhe fechou a porta.
Já cantava o Chico: Deus é um cara gozador, adora a brincadeira.

Publicado por Filipe Moura às 03:46 PM | Comentários (7)

MAS AFINAL COMO É QUE ISTO SE ABRE?

Publicado por José Mário Silva às 01:03 PM | Comentários (5)

GENTE DA TV (2)

No último dia de Feira do Livro, os autores célebres não recearam o calor e acorreram em massa, empenhando-se em esforçadas sessões de autógrafos. Além do Chefe Silva, vi por lá José Luís Peixoto, Gonçalo M. Tavares, Mário de Carvalho.
Mas querem mesmo saber quem é que conseguia invocar a maior legião de fiéis leitores?
A autora do trepidante "As Viagens da Parrachita": Maria Vieira. Sim, essa mesmo, a da trupe do Herman. O livro, que imagino exemplo da mais fina literatura de viagem, foi escrito por ela e pelo seu cônjuge. E, presumo eu, pelo cão de aspecto lazarento e senil que não abandonava os colos dos co-autores.
A bicha para o cobiçado autógrafo era apreciável.

Publicado por Luis Rainha às 12:49 PM | Comentários (4)

GENTE DA TV (1)

Ontem, aproveitei o último dia da Feira do Livro para espreitar a quantidade enorme de títulos que gostaria de trasladar para a minhas estantes... se ao menos a minha conta bancária estivesse de acordo.
O calor, amplificado pelo declive do Parque e pela escadinhas que adornavam vários pavilhões, parecia tremendo: dei por mim mais empenhado em encontrar uma imperial do que em folhear Proust ou Italo Calvino.
Era este o meu aflito estado de espírito quando tropecei numa mesa de plástico. Sentado à sua beira, estava o que me pareceu, à primeira olhadela, um boneco de gesso: uma silhueta humana maciça, branca e imóvel. Com o meu encontrão à mesa, o "boneco" animou-se e soergueu-se da sua cadeira de supermercado. Tratava-se de um indivíduo corpulento, vestido com um estranho uniforme branco que culminava numa espécie de mitra igualmente alva. E era alguém que eu conhecia!
Num sobressalto de alarme, recordei os malefícios da insolação: juraria que estava face a face com o infame padeiro do Bloco de Esquerda. Teria a criatura fugido do limbo onde as personagens de ficção passam os feriados nacionais, para me dar um correctivo por lhe ter causado incómodos evitáveis?
Nada disso. Quando a figura virou para mim o olhar cansado, lembrei-me de quem se tratava: o famoso Chefe Silva, herói de mil séries culinárias, autor de infindos tratados definitivos sobre as artes da cozinha.
Depois de aceitar o meu embaraçado pedido de desculpas com um aceno breve, o mestre voltou a sentar-se, suspirando a sua resignação. E lá ficou ele, derretendo à soleira, preparado para dar autógrafos à fila de leitores que teimava em não se materializar. De repente, aquele cozinheiro fardado a rigor pareceu-me uma figura quase heróica no seu obstinado desafio à canícula e ao abandono: olhos vagos ainda à procura de gastrónomos distraídos, testa enrugada ainda imaginando dedicatórias para leitores ausentes em parte incerta.
Enquanto me afastava, mirei-o uma última vez. E só vi os derradeiros planos da "Morte em Veneza", com Dirk Bogarde imóvel face ao mar, corpo comido pelo calor e pela peste, rosto sulcado por riachos de tinta negra. Só faltava a banda sonora de Mahler.

Que tristeza: nem um dia de Verão antecipado, gasto em feliz passeio pela Feira do Livro, me consegue secar a veia melodramática...

Publicado por Luis Rainha às 12:15 PM | Comentários (3)

TALVEZ ASSIM OS CRAQUES PORTUGUESES SE SAFEM

Segundo o «Inimigo Público», suplemento satírico (e tantas vezes verídico) do jornal «Público», a bola oficial do Euro 2004 «vai ser substituída por uma bexiga de ovelha cheia de palha para permitir um "futebol mais tecnicista"».

Publicado por José Mário Silva às 11:59 AM | Comentários (15)

UMA QUESTÃO DE HIGIENE PÚBLICA (2)

Se alguém deposita um monte de lixo inestético e mal-cheiroso à nossa porta, não telefonamos para os serviços municipalizados berrando impropérios e ameaças. Não: pedimos o favor de removerem os trastes, com a maior brevidade possível. Quando temos um problema bicudo de sanidade pública para resolver, há que coordenar esforços e boas-vontades; não é altura para ataques de histeria.
A reacção do PS aos despautérios alucinados do sub-intendente Almeida Rodrigues é precisamente o contrário do que mandaria o bom-senso. Lançar gritos estrídulos a "exigir" a "demissão imediata" da criatura é mesmo um convite à birra por parte de Santana Lopes. De já para já, os socialistas alfacinhas levaram com uma bela resposta, ao ser-lhes relembrado que a nomeação do especialista em "etnicidades" foi ideia de João Soares...

Publicado por Luis Rainha às 12:00 AM | Comentários (2)

junho 10, 2004

UMA QUESTÃO DE HIGIENE PÚBLICA


Urge retirar do seu posto, a bem da decência e da higiene da nossa capital, o fulano que anda a fazer de comandante da Polícia Municipal de Lisboa. Sim, a criatura que desaconselha a realização de arraiais na zona do Martim Moniz, pois os frequentadores de tais paradeiros são "de tez negra, toxicodependentes e pessoas que se prostituem"; uma maltosa cujos "usos e costumes de origem" só servem mesmo para trazer "ainda mais promiscuidade àquela zona". Esta brilhante cabecinha, instada pela TSF a tentar perceber o tamanho do buraco em que se metera, reafirmou as barbaridades com a maior cara de pau deste mundo, voltando a falar de "etnicidades" e de "música africana", que, mal ecoa nas esquinas da Mouraria, começa logo a atrair "mais pessoas desse género". Vejam bem onde o PNR já conseguiu infiltrar os seus simpatizantes...

Publicado por Luis Rainha às 11:37 PM | Comentários (3)

10 DE JUNHO

Saio à rua. Olho para as janelas, para os carros, para as varandas, para os sacos de plástico do «Expresso», para as caixas registadoras do Pingo Doce. Desconfio que hoje é o Dia de Portugal, de Camões e das Bandeiras Portuguesas.

Publicado por José Mário Silva às 01:06 PM | Comentários (6)

VERSOS QUE NOS SALVAM

Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio;
O mundo todo abarco e nada aperto.

É tudo quanto sinto um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio,
Agora desvario, agora acerto.

Estando em terra, chego ao Céu voando;
Nũa hora acho mil anos, e é de jeito
Que em mil anos não posso achar ũa hora.

Se me pergunta alguém porque assim ando,
Respondo que não sei; porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.

Publicado por José Mário Silva às 12:58 PM | Comentários (1)

LUTO

Hoje, a bandeira que não temos está a meia haste.

Publicado por José Mário Silva às 10:17 AM | Comentários (2)

junho 09, 2004

MATOSINHOS (2)

Nunca conheci pessoalmente o Professor Sousa Franco. Vendo-o através do óculo fosco dos media, construí dele a ideia de um tecnocrata de feitio difícil e trato árido. Alguém que por certo teria o seu valor mas que não me interessava nem um pouco. Assim, precipitei-me na conclusão óbvia de que esta escolha de cabeça-de-lista do PS não passava de um flagrante erro de casting.
Os dias que se seguiram foram, para mim e para muitos outros, incluindo por certo grande parte dos militantes do PS, um momento de revelação: Sousa Franco, afinal, era mais do que uma caixa registadora com mau feitio. Era um homem de resposta rápida, sentido de humor e afabilidade no contacto com os eleitores. Um político bem adaptado à dureza da vida de campanha; um homem combativo mas capaz de manter a compostura mesmo quando sujeito às críticas mais alarves.
Hoje, Sousa Franco acabou por tornar estas eleições inesquecíveis. Pelas piores razões. E já dá para perceber que no fim deste dia triste nada terá por certo sido aprendido.
Os palpites descabidos do costume . de Mário Soares a Saramago . já andam por aí a vaguear. As bestas por detrás daquela arruaça sem nome manifestam-se tranquilas na sua falta de consciência. Mesmo António Costa parece querer fazer de conta que nada de muito grave se passou antes da tragédia.
Esta morte surgiu na sequência dos distúrbios de Matosinhos. Eis o que aconteceu, simplesmente. Não sei se o Professor teria vivido mais um dia ou mais vinte anos se não tivesse anuído a visitar a lota de mau agouro. Ninguém pode dizê-lo.
Mas pode ser que, ao menos, muitos se lembrem da imagem que agora não me sai da cabeça: Sousa Franco apoiado no anão Narciso enquanto os apoiantes do outro anão distribuíam empurrões e vociferavam as suas iras pequeninas.
Pode ser que um pequeno lampejo de vergonha ilumine o crâniozinho do próximo tiranete de freguesia que pense em organizar mais um destes tributos à bestialidade humana.

Mas não foi isso mesmo que os mais optimistas entre nós já tinham sonhado quando testemunharam, há tão pouco tempo, a desgraça de Felgueiras?

Publicado por Luis Rainha às 07:31 PM | Comentários (12)

MATOSINHOS

Vi as bandeiras, os encontrões, os gritos, o furor das peixeiras, os pequenos dirigentes locais a levarem ao extremo as suas pequenas picardias locais, a turbamulta, a loucura, uma agitação de corpos, a baixa politiquice, os arruaceiros estridentes, as agitadas câmaras de TV e, no meio de tudo aquilo, um homem que cambaleia, lívido, à beira do colapso final.
Não foi só António Sousa Franco que morreu hoje, à saída de uma lota onde nunca devia ter entrado. Foi também um modo de fazer política, populista e malsão. Se não aprendermos com o que se passou em Matosinhos, metonímia e hipérbole do que se passa nos vários níveis do poder em Portugal, estamos perdidos.

Publicado por José Mário Silva às 04:00 PM | Comentários (17)

ESTADO DE CHOQUE


António Sousa Franco (1942-2004)

«As palavras são mesmo importantes», dizia ontem o Luis Rainha. Mas o silêncio, em momentos destes, também. Não sei o que dizer perante esta morte inesperada. E por isso calo-me.
A todos os socialistas, familiares e amigos de Sousa Franco, deixo um sinal da nossa tristeza e do nosso pesar.

Publicado por José Mário Silva às 12:22 PM | Comentários (7)

VÊ-SE E NÃO SE ACREDITA

Neste preciso momento, a RTP e a TVI continuam a evocar a memória e os últimos momentos do Professor Sousa Franco. E na SIC, quem comenta a tristíssima notícia? Fátima Lopes e Maya.

Publicado por Luis Rainha às 11:16 AM | Comentários (2)

A BOLA EM TRÂNSITO


Cartoon de Bandeira, no Diário de Notícias

Publicado por José Mário Silva às 10:57 AM | Comentários (2)

28 ANOS

A primeira coisa de que me lembro é das copas das árvores. Copas a passarem depressa de encontro ao céu da manhã, como num filme expressionista. E eu dentro do carro, com o meu pai, o nariz colado ao vidro. Depois, a fachada da maternidade. Degraus enormes. Um corredor encerado, com brilhos de janela e sombras, muito longo. Ao fundo, à direita, o quarto. Deitada na cama, sem barriga, a minha mãe. E tu, o meu irmão, o meu tão esperado irmão, o meu minúsculo e frágil e maravilhoso irmão, ali. Corpo concreto, bebé lindo, amigo para toda a vida.
Foi no dia 9 de Junho de 1976. Eu tinha quatro anos e esta é a memória mais antiga que guardo. A primeira memória. A memória fundadora da minha identidade. E isso diz tudo. Não diz, Manel?
Parabéns.

Publicado por José Mário Silva às 10:52 AM | Comentários (6)

junho 08, 2004

TROCO

Eu sei que isto é mesmo assim, União Europeia oblige, mas ainda me custa ouvir o som do Dante metálico, atirado com displicência para o balcão inox do café.

Publicado por José Mário Silva às 07:19 PM | Comentários (3)

AS PALAVRAS SÃO MESMO IMPORTANTES

Tinha como propósito inabalável não voltar ao bendito "Padeiro" do Bloco de Esquerda. Mas, uma vez que a coisa continua a dar que falar no Barnabé, em redor deste post, não resisti.
Mas tarde decidi piar: o principal do que ia escrever já foi antecipado pelo Rui Tavares. Por isso, vou ater-me às críticas que figuram n.A Praia, da forma mais sucinta que conseguir:
"O padeiro na sua pose javarda vale por mil palavras do candidato Miguel Portas. E o que diz o cartaz do Bloco? O elemento mais grave desta nova campanha nem é, a meu ver, o desejo de .bater.; é a subtil inserção do .lhes.. .Lhes. são obviamente .eles., os .gaijos., .esses malandros., os políticos."
A pose será talvez javarda, mas não consigo ver porquê: o homem até sorri com bonomia e nada na sua pose é agressivo. Mas trata-se de um pormenor sem relevância. Importante é a afirmação seguinte, que o "lhes" remete para a classe política em geral. Isto é mais que invenção: é torcer o óbvio em busca de reforços para pré-concepções inabaláveis.
Para qualquer observador isento . e consultei uns quantos em devido tempo - o alvo da frase é claro e inconfundível: o Governo. Reivindicar para o BE um património de luta encarniçada contra inúmeros aspectos da acção governativa é mais que justo, penso eu. Foi, aliás, o ponto de partida destes cartazes: relembrar ao eleitorado descontente com o presente estado das coisas que o Bloco sempre "bateu forte" nas iniciativas da maioria que tinha como inaceitáveis.
Não acredito que isto possa ser confusão inocente: ver "retórica anti-políticos" neste cartaz é um argumento desonesto e estapafúrdio. Como ignorar que atacar "os políticos" seria coisa impensável para quem faz naturalmente parte desse grupo, como é o caso do BE?
Nos dias que correm, há novos desempregados a cada hora; há um fosso que se aprofunda entre nós e a tal Europa a que deveríamos pertencer; há um governo em funções que olha para os trabalhadores e só vê uma massa de malandros a precisar de correctivos; há miséria moral por todos os recantos onde chegam os tentáculos dos rapazinhos do PP e do PSD; temos um país que agora está mesmo "de tanga", muito por culpa de quem aterrorizou consumidores e investidores, na sua ânsia cega de responsabilizar os seus antecessores. É esta a situação presente: vivemos num tempo que dispensa bem jogos florais com os chavões do costume; este tempo exige gente com a coragem de dizer "basta!", não apaniguados dos jargões opacos da "semiologia gasosa" de que fala o Rui Tavares.

Duzentas palavras do post em questão são gastas a laborar neste equívoco mal-intencionado. Depois, o Ivan segue afirmando que "o Bloco talvez esteja tranquilo com as críticas que têm sido feitas ao cartaz . às quais, que eu saiba, nem sequer responde . com base no pressuposto de que .isto não é uma campanha para intelectuais.. Se não é para intelectuais, não é preciso prestar-lhes contas, nem atenção, nem discutir com eles. A ideia de que há as .massas., para quem se produz o lixo que não requer pruridos morais nem de inteligência, e os .intelectuais., que se ocupam de pensar, é certamente das mais perniciosas e reaccionárias possíveis."
Resumindo: ele está zangado com os dirigentes do Bloco por não lhe responderem às críticas e até se adivinha capaz de calcular os motivos por detrás de tão altaneira obstinação: o desdém pelas massas e pelos intelectuais! O justiceiro denuncia o crime, expõe os culpados e descortina o móbil, tudo de uma penada. O castigo vem logo a seguir: acusa-se o BE de tratar as "massas" . por certo ígnaras e carentes de tão esclarecida protecção . com "paternalismo".
Além destas imaginativas asserções, apresentadas a seco, sem qualquer farrapo de facto a consubstanciá-las, nada nos é dito para justificar a ideia de que o "padeiro" dá corpo "à tentação de tratar .o povo. com condescendência, com paternalismo." Porque será este cartaz acusado de tal e não o seu irmão gémeo, que nos mostra uma jovem urbana? Será proibido tentar levar para cartazes eleitorais figuras de aparência simples e pouco "intelectual"? Cá para mim, esta ideia é que pode bem ser acusada de paternalista.

Mas não está assim tão longe da verdade, o autor do queixume: não se trata de um cartaz concebido para intelectuais, seja lá isso o que for ao certo. Trata-se sim de uma peça de campanha que dispõe de 10 ou 11 palavras para fazer passar . junto a semiólogos, padeiros ou trolhas - uma mensagem clara: votar no Bloco é votar em quem não tem dado tréguas ao governo, é confiar numa força que sabe que há um tempo para rodriguinhos estilosos e outro tempo para lutar pelo que vale a pena e é urgente.

Quando se cita a frase de Moretti - «as palavras são importantes» - convém não esquecer de onde ela vem:
"Giornalista- Io non sono alle prime armi.
Nanni- Alle prime armi...ma come parla?
Giornalista- Anche se il mio ambiente è molto "cheap"
Nanni- Il suo ambiente è molto...?
Giornalista- E' molto "cheap"
Nanni, schiaffegiandola- Ma come parla?
Giornalista- Senta, ma lei è fuori di testa!
Nanni, gridando- E due. Come parla! Come parla! Le parole sono importanti. Come parla!"

Esta cena do Palombella Rossa contém uma revolta contra o palavreado da moda, contra a troca do inteligível pelo discurso florido e sempre chique. Hoje, como nunca, também precisamos de palavras directas, palavras que nos ajudem a falar com as pessoas. Essas é que são importantes. E foi com essas que tentei fazer o raio do cartaz. Se falhei, desculpem lá.

Publicado por Luis Rainha às 05:46 PM | Comentários (12)

EXCLUSIVO!

Depois das fabulosas imagens do trânsito de Vénus em frente ao Sol, temos a honra de apresentar o não menos fabuloso trânsito d' «O Acidental» em frente ao BdE. Infelizmente, como o outro, já acabou.

Publicado por José Mário Silva às 02:52 PM | Comentários (6)

QUANDO UM CABEÇA DE LISTA AFINAL É O NÚMERO 7

Diálogo de campanha eleitoral, transcrito pelo DN:

João de Deus Pinheiro: Sabes quem eu sou?
Criança: (...)
João de Deus Pinheiro: Sou o Figo!
Avô da Criança: A gente precisa mais de si do que do Figo.
Mota Soares: João de Deus Pinheiro é o Figo da política...


Três breves notas:

1- Como é que se pode confiar num homem que mente assim, sem pudor, a uma pobre criancinha? E a Comissão Nacional de Eleições, onde está ela quando é necessária? Será que vai ficar indiferente a este atentado à credulidade de um futuro eleitor?

2- Se dúvidas restassem, creio que com este diálogo se prova que a coligação «Força Portugal» nunca pretendeu uma colagem à euforia pré-Euro 2004. Cachecóis, slogans, «Figo da política»? Tudo coincidências. Qualquer pessoa isenta percebe que uma coisa não tem rigorosamente nada a ver com a outra...

3- Nunca vi o Dr. João de Deus Pinheiro a jogar futebol. No entanto, parece-me que ele é mais o Tiger Woods da política portuguesa. Ou, melhor dizendo, o caddy do Tiger Woods.

Publicado por José Mário Silva às 02:22 PM | Comentários (5)

SEPARADOS À NASCENÇA?


Sol


Catarina Furtado

Publicado por José Mário Silva às 01:40 PM | Comentários (9)

A KAPITAL UNDERGROUND

Santana Lopes, não contente com o tamanho do buraco em que se enterrou com a questão do túnel do Marquês, decidiu fazer do seu suplício um espectáculo público. Vai daí, a CML começou a organizar excursões para visitar a obra parada. Assim, os alfacinhas vão poder observar o estado da única promessa eleitoral que a presente vereação tentou cumprir (a propósito, alguém tem notícias dos fabulosos silos de estacionamento, das piscinas mil e das escolas em barda que Santana nos prometeu?).
Enquanto não chegam as hordas de turistas sequiosos de cultura . espero que este destino esteja a ser convenientemente promovido . o vereador responsável pelo buraco, Pedro Pinto, só tem uma frase desalentada para resumir o que lhe vai na alma ao contemplar o estaleiro deserto: "a vida é assim: uns fazem obra e outros desfazem".
Mas que falta de confiança na imaginação e nas capacidades do chefe! Animem-se, que eu estou em condições de anunciar à população, num rigoroso exclusivo, que Santana Lopes já tem audaciosos planos na manga: o túnel incipiente vai dar lugar a um estabelecimento de diversão nocturna. Uma discoteca vai ali nascer, entre andaimes e escavadoras enferrujadas! A festa de lançamento, animada por um número apreciável de Santanetes, está já a ser preparada. À socapa, consegui fotografar o ensaio geral:

Publicado por Luis Rainha às 01:35 PM | Comentários (3)

O TRÂNSITO DE VÉNUS VISTO PELAS CRIANÇAS (2)

Rafaelos, 10 anos, de Kithnos (Grécia)

Fonte: aqui

Publicado por José Mário Silva às 01:32 PM | Comentários (2)

E VÉNUS AQUI TÃO PERTO...

Para não deixar os pré-rafaelitas, aqui fica "O Espelho de Vénus" de Sir Edward Burne Jones, obra de 1875. Esta pintura pode ser vista em Lisboa, no museu da nossa tão amada Fundação Gulbenkian.

Publicado por Luis Rainha às 12:58 PM | Comentários (0)

O TRÂNSITO DE VÉNUS VISTO PELAS CRIANÇAS (1)

Jan K. Pedersen, de Sonderborg (Dinamarca)

Fonte: aqui

Publicado por José Mário Silva às 11:58 AM | Comentários (1)

A BELEZA DE VÉNUS

She hath the apple in her hand for thee,
Yet almost in her heart would hold it back;
She muses, with her eyes upon the track
Of that which in thy spirit they can see.
Haply, 'Behold, he is at peace,' saith she;
'Alas! the apple for his lips,.the dart
That follows its brief sweetness to his heart,.
The wandering of his feet perpetually!'

A little space her glance is still and coy;
But if she give the fruit that works her spell,
Those eyes shall flame as for her Phrygian boy.
Then shall her bird's strained throat the woe foretell,
And her far seas moan as a single shell,
And through her dark grove strike the light of Troy.

"Venus Verticordia"; pintura e poema de Dante Gabriel Rossetti, 1864-68

Publicado por Luis Rainha às 11:56 AM | Comentários (1)

EU JÁ VI

E garanto-vos uma coisa: é um espectáculo deslumbrante.

Publicado por José Mário Silva às 11:52 AM | Comentários (2)

CONSELHO DE AMIGO

Na farmácia, quando chegar ao balcão e pedir os «óculos de Vénus», não se esqueça de pronunciar bem a palavra «óculos».

Publicado por José Mário Silva às 11:45 AM | Comentários (2)

PARA SABER TUDO SOBRE O TRÂNSITO DE VÉNUS

É favor deambular por aqui. E por aqui.

Publicado por José Mário Silva às 11:36 AM | Comentários (0)

AINDA VÃO A TEMPO

Toca a comprar os óculos especiais (nas farmácias custam 1,5 euros) e a olhar para o Sol. A pequena mancha negra é Vénus, em raríssimo trânsito diante do astro-rei.

Publicado por José Mário Silva às 11:29 AM | Comentários (1)

junho 07, 2004

CLARIVIDÊNCIA CAPITALISTA

«O povo tem perdido qualidade», afirmou José Manuel de Mello, ao DN. Só não explicou, do alto da sua sapiência endinheirada, onde pretende comprar um novo.

Publicado por José Mário Silva às 07:55 PM | Comentários (1)

FALTAM 23 DIAS


Mike Lane, «The Baltimore Sun»

Publicado por José Mário Silva às 07:01 PM | Comentários (7)

BANDEIRINHAS & BANDEIRADAS

Não sei se já repararam no triste espectáculo ambulante. Eu vejo-o por todo o lado, como uma praga: táxis que circulam com umas inestéticas (e decerto pouco aerodinâmicas) bandeiras portuguesas, muito kitsch, presas ao tejadilho.
Pois é. Só nos faltava mais esta. À custa da "febre do Euro", temos que aturar um surto de nacionalismo pacóvio e cromaticamente criminoso (no mínimo). Para ser sincero, eu nem recorro muito a este meio de transporte, mas a última coisa que me apetece é pagar, além da obscena bandeirada, a ridícula bandeirinha.

Publicado por José Mário Silva às 06:45 PM | Comentários (18)

O QUE VALE É QUE ELES NÃO ENTENDEM GRANDE COISA DE ARMAS


Esta imagem, encontrada num site da Juve Leo, diz tudo sobre os seus autores. Sobretudo quando vemos que a arma ali presente é um produto da gloriosa engenharia... soviética. Trata-se de uma Kalashnikov AK-47.

Publicado por Luis Rainha às 05:29 PM | Comentários (13)

DA GRANDEZA (E ELEVAÇÃO) EM POLÍTICA

«Já repararam que o telemóvel é a única coisa que os homens em Portugal discutem quem é que tem o mais pequeno?»

João de Deus Pinheiro, cabeça de lista da coligação Força Portugal, durante uma acção de campanha

Publicado por José Mário Silva às 05:22 PM | Comentários (3)

"O ACIDENTAL" VÊ A LUZ?


Se forem depressa ao blogue que alberga o Vasco Rato, poderão dar de caras com este cartoon. Isto logo a seguir a uma catrefada de elogios fúnebres a Ronald Reagan (incluindo um discurso do presidente/canastrão a propósito do dia D, batalha que ele viu de longe, ocupado como estava no seu perigoso posto na 1st Motion Picture Unit).
O que terá passado pela cabeça dos rapazes?

PS: a anomalia já foi corrigida. Para a próxima, os Acidentais talvez pensem duas vezes antes de chupar a largura de banda alheia, sem sequer pedir autorização; e logo num post com a palavra "ladroagem" no título. Isso não fica nada bem a uns senhores tão respeitosos da propriedade privada; mas eu desculpo-os, face ao momento de boa-disposição que me proporcionaram...

Publicado por Luis Rainha às 01:02 PM | Comentários (31)

E QUEM DIZ ESCRITOR CRONISTA, DIZ BLOGGER

«O escritor cronista: perora sobre tudo, numa olímpica omnisciência. Está convencido de que tem muita graça e de que influi profundamente nos destinos do país. Imagina os governantes a lê-lo e a dizerem às mulheres (ou aos maridos): "Tem graça! Olha que este rapaz tem carradas de razão, vou passar a fazer como ele diz..." Às vezes é feroz, faz ameaças: "Ah, sim? Então eu desanco-o na minha crónica!" No entanto, fica um pouco perplexo quando os amigos exclamam, jovialmente: "Lá li a tua coisa no Diário Popular. Aquela dos rinocerontes, muito gira..." - quando ele tinha escrito umas considerações hábeis sobre chalés suíços no Diário de Notícias

Mário de Carvalho (excerto do texto «Espelho de Escritores», publicado no Jornal de Letras, em 1987, e citado na antologia «Crónica Jornalística - Século XX», de Fernando Venâncio, Círculo de Leitores)

Publicado por José Mário Silva às 10:15 AM | Comentários (4)

junho 06, 2004

BRITNEY

Muita gente se escandalizou com o facto de Britney Spears ter feito um playback manhoso durante o seu espectáculo no Rock in Rio, ontem à noite. Não percebo porquê. A rapariga limitou-se a ser coerente. Se tem um talento de plástico, um sorriso de plástico, um corpo de plástico e uma vida de plástico, por que raio não há-de ter também uma voz de plástico?

Publicado por José Mário Silva às 02:42 PM | Comentários (11)

NA MORTE DE RONALD REAGAN

Atravessei a minha adolescência com dois ódios políticos centrais: Margaret Thatcher e Ronald Reagan (Cavaco Silva era um caso à parte, uma espécie de mistura insossa dos dois, com uns resquícios de autoridade pater familias salazarenta). Para mim, Thatcher e Reagan representavam (representam ainda) o pior da direita dita "moderna". A porta aberta ao neo-liberalismo sem pudor, ao conservadorismo de mão pesada, à asfixia dos direitos sociais duramente conquistados em décadas de luta.
Mas era Ronald Reagan que me provocava pele de galinha. Detestava aquele jeito patético das estrelas hollywoodianas de segunda categoria, os trejeitos de cowboy anti-comunista, o perfil heróico de quem pretendia acordar a América mais profunda (e mais reaccionária). Assustava-me que tão sinistra figura pudesse ter acesso aos códigos dos mísseis inter-continentais e que o mais poderoso país do mundo fosse comandado por um político à imagem do actor que Reagan fora: medíocre e cabotino.
Hoje, sei que as coisas não eram tão simples como então me pareciam. Reconheço-lhe capacidade de liderança, carisma, determinação e inteligência (mais prática do que teórica). Ainda assim, Reagan não deixou de ser, daqui de onde o vejo, um péssimo presidente dos EUA. Que George W. Bush o faça parecer menos mau, em termos comparativos, é só mais uma das fatalidades do nosso tempo.

Publicado por José Mário Silva às 02:35 PM | Comentários (7)

MANIF DE PARIS (CONCLUSÃO)

(Esta foto foi tirada em Fevereiro de 2003, em Nova Iorque, na maior manifestação anti-guerra.)

Onde quer que ele vá, tem uma manifestação a recebê-lo. America rules, essa é que é essa. Venha Kerry, na falta de melhor.

Publicado por Filipe Moura às 11:25 AM | Comentários (10)

MANIF DE PARIS (VI)

O restaurante McDonald's da Place de la Republique.

Publicado por Filipe Moura às 11:23 AM | Comentários (3)

MANIF DE PARIS (V)

Pormenor do cortejo do grupo Euro-Palestine.

Publicado por Filipe Moura às 11:21 AM | Comentários (1)

MANIF DE PARIS (IV)

Há quem acuse os palestinianos de usarem crianças como escudos humanos contra o exército israelita. Eu acuso esta criancinha de não sair da frente do cartaz.

Publicado por Filipe Moura às 11:20 AM | Comentários (1)

MANIF DE PARIS (III)

Um honesto trabalhador, a vender coca-cola aos manifestantes.

Publicado por Filipe Moura às 11:18 AM | Comentários (2)

MANIF DE PARIS (II)

O cortejo do PCF não tinha nem de longe a imaginação ou a animação do da LCR/LO. Havia a sobriedade e a habitual seriedade das propostas, mesmo que algumas pareçam algo gastas de tão repetidas. No fundo, algo semelhante ao que se passa em Portugal, se bem que o PCF não me pareça um partido parado no tempo. Na foto vêem-se alguns dos seus dirigentes.

Publicado por Filipe Moura às 11:16 AM | Comentários (2)

MANIF DE PARIS (I)

Era evidente que a LCR/LO tem uma enorme organização e poder de mobilização. Era o grupo mais vistoso e motivado, e não falhava nada. Tinha música ao vivo: duas incansáveis e empenhadas militantes cantavam palavras de ordem para animar a malta. A influência e carisma da líder da LO, Arlette Laguiller, são visíveis no visual da cantora da direita: igualzinho ao de Arlette. Por cima, no balão, vêem-se os dois Marxs mais conhecidos, em amena cavaqueira.

Publicado por Filipe Moura às 11:14 AM | Comentários (0)

IMPRESSÕES DA MANIF EM PARIS

Afinal a pobre Rita estava era a precisar de um esclarecimento: é que
ontem houve (disseram-me) doze manifestações em Paris! Da segurança social
ao casamento gay, ontem foi mesmo o dia da esquerda passeante. Eu fui à
manifestação maior, contra a política imperialista de Bush e seus
seguidores (um homem não dá para tudo...). Aqui ficam alguns registos
fotográficos.

Publicado por Filipe Moura às 11:11 AM | Comentários (1)

O DIA D FOI HÁ 60 ANOS


Fotografia de Robert Capa, durante o desembarque em Omaha Beach (Normandia)

THANK YOU, AMERICA.

Publicado por José Mário Silva às 11:07 AM | Comentários (30)

junho 05, 2004

READ MY LIPS

Afinal, o Sousa Franco sempre é o Pai, a Mãe, a tia, o gato e o periquito do déficit.
Tudo também culpa, claro está, do anterior governo, constituído por cubanos e comunas.

Publicado por tchernignobyl às 08:32 PM | Comentários (0)

POST ENCONTRADO NUMA GARRAFA À DERIVA NO MEDITERRÂNEO

Perdido algures no interior do Algarve profundo. Sem Internet, TV ou sequer telefone. Se tiver começado a III Guerra Mundial, só darei por ela daqui a uns dias. Socorro.

Publicado por Luis Rainha às 06:14 PM | Comentários (0)

ONDE ESTAVA O UROGALO?

Urogalus maior (galo selvagem), em aguarela de Ulisse Aldrovandi (1522-1605)

Publicado por José Mário Silva às 02:58 PM | Comentários (1)

UM POEMA SOBRE O POEMA ANTERIOR

AS PALAVRAS AS COISAS

Dêem-me Ruy Belo
e não o urogalo.
Mesmo porque não sei
que ave é um urogalo.
E o que faria
com um urogalo
que não vi nenhum
e não se amam animais
que a nossa infância
não conheceu?

Urogalo pouco mais
me comove
que esse seu recente
nome. Homem
de palavras, quero a palavra
urogalo, mas as palavras
de Ruy Belo
cantam num ramo mais alto.

Coisas, reino de Lucrécio,
pobres se com
os vocábulos comparadas,
só átomos, dura e pobre
oferta. Quem vive
solitário e livre
tem amigos
apenas nas palavras,
não no urogalo.
É caçador de si mesmo,
dando-se a morte
em versos contados.

E fora, o que existe?
Nada: coisas, natureza,
o urogalo.
Quando soube
da torneira mal fechada
de morrermos
e que não havia amor
que durasse dez minutos,
quando, enrodilhado, fetal
e estúpido,
atravessei a vau as noites
onde estava o urogalo?

Ruy Belo, na sólida estante,
também nada fez,
mas a culpa era minha.
Em vez de Ruy Belo
dizer: a poesia.
O canto mortífero
que dá vida,
ou algo como isso.

Ruy Belo não sabia
o que era o urogalo
e eu também não
mas o poema
importa mais.
Pouca diferença fazia
se fosse dragão
ou minotauro,
as coisas são todas mitologias,
mas as palavras
cantam
num ramo mais alto.

Quero a Ruy Belo
e não ao urogalo,
solitário e triste
num apartamento
que vê as aves de cima,
mesmo as que não conhece,
feito caçador
do canto mortífero
que não nos dá vida
mas canta, talvez,

num ramo mais alto.


Pedro Mexia, in «Inimigo Rumor», n.º 15, 2.º semestre de 2003

Publicado por José Mário Silva às 02:55 PM | Comentários (0)

UM POEMA DE RUY BELO

O UROGALO

O urogalo vive solitário e livre
entoa um canto triste de que vive
e morre se não canta mas se canta
atrai o caçador que lhe dá morte
É ave vive sobre a morte e cai quando o seu canto
lhe aviva a vida que lhe causa a morte
Não sei que ave é o urogalo
e se o vi só o vi numa fotografia vista
na contracapa de uma certa revista
Só sei que vive solitário e livre
e sei que a solidão e a liberdade
são condição de vida para quem
quer erguer a cabeça sobre a morte viva ou morte morta
O urogalo canta solitário e triste
resiste à morte apenas porque canta
o canto é perigoso pode ouvi-lo o caçador
mas porque canta leva a cabeça erguida
e apenas o perigo dá sentido à vida
Virá o caçador acabará o canto
mas sente-se viver e não importa a morte
a quem ameaçado ameaça no entanto
porque o canto mortífero dá vida
O urogalo vive solitário e livre e
a solidão e a liberdade condição de vida
podem custar a vida àquele que vive
Mas isso não importa importa só
precisamente isso e nada mais que isso
que seja solitário e seja livre e assim viva
a vida de quem vive não de quem vegeta
e que o seu coração seja capaz da solidão
e que levante o canto em liberdade
e que ao cantar a solidão seja cidade


Ruy Belo, in «Transporte no Tempo» (1973)

Publicado por José Mário Silva às 02:50 PM | Comentários (0)

ESTA NOITE SONHEI OFERECER-TE O ANEL DE SATURNO

Imagem captada pela sonda Cassini, cada vez mais perto do objectivo Saturno.

Publicado por José Mário Silva às 02:47 PM | Comentários (3)

DA CRUELDADE

Durante a visita oficial de ontem, João Paulo II recebeu George W. Bush na sua biblioteca. Sublinho: na sua biblioteca (um lugar repleto de livros). Bem sei que o presidente americano invadiu o Iraque, à revelia do bom senso e da posição oficial do Vaticano. Mas, caramba, também não era preciso humilhar de forma tão ostensiva um Chefe de Estado.

Publicado por José Mário Silva às 02:45 PM | Comentários (4)

JC

Este é o ano internacional de Julio Cortázar (1914-1984), um dos mais geniais escritores do séc. XX. Conferir aqui.

Publicado por José Mário Silva às 02:43 PM | Comentários (0)

ERRATA

A frase que cito no post anterior foi retirada deste artigo, publicado hoje pelo DN. Agora, se o analisarem atentamente, como eu analisei, descobrirão por certo uma gralha que diz tudo sobre o estado actual do país, em vésperas do sufocante Euro 2004. Reparem bem: onde se devia ler Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, lê-se Instituto de Ciências Biomédicas Abel Xavier.

Publicado por José Mário Silva às 02:41 PM | Comentários (1)

FRASE RÍDICULA DA SEMANA

«Por vezes levanta-se a questão da participação feminina poder estar de alguma maneira condicionada pelas suas responsabilidades em termos domésticos, em termos de vida familiar, porque tornaria essas mulheres menos disponíveis para uma profissão que requer 24 sobre 24 horas, no que diz respeito a cuidados que são inadiáveis.»

Luís Filipe Pereira, ministro da Saúde, a propósito da polémica sobre as «quotas para homens» nos cursos de Medicina, lançada há dias pelo presidente do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar.

Publicado por José Mário Silva às 02:39 PM | Comentários (4)

«WHO THE HELL IS THIS GUY DRESSED IN WHITE?»

George W. Bush visitou ontem o Papa, no Vaticano. Com a sua infinita e divina paciência, o Sumo Pôntifice lá explicou ao perplexo Presidente dos EUA que todos os habitantes do Vaticano, mas mesmo todos, vivem em Roma («e não, George, eles não se chamam vaticanenses»). Bush ficou deveras impressionado com a sabedoria papal («pois eu julgava, Sua Majestade, que em Roma era preciso ser romano») e dispôs-se mesmo a visitar, antes de partir para a terra dos comedores de queijo, a famosa igreja que levou 16 anos a ser pintada (também conhecida, em certas regiões do Texas, por Sixteen Chapel).

Publicado por José Mário Silva às 02:37 PM | Comentários (2)

O POEMA É UMA ARMA

Poesia visual de Joan Brossa

Publicado por José Mário Silva às 12:33 PM | Comentários (8)

ANTROPOMORFISMOS

Sempre que oiço falar em altercações de trânsito, imagino meia dúzia de carros (os topo-de-gama de um lado, os utilitários do outro) à porrada sobre o asfalto.

Publicado por José Mário Silva às 10:34 AM | Comentários (8)

junho 04, 2004

ALPERCE

Aleluia. Aleluia. Aleluia.
Estamos a entrar na época do mais delicioso dos frutos.

Publicado por José Mário Silva às 07:36 PM | Comentários (11)

LARACHAS

Fiéis à necessidade de descer do pedestal da gente de "boas famílias" (para mim boas famílias são a Sicasal e a Fricarnes), a rapaziada marialva e de língua aguçada do CDS gosta de pôr a mão na anca e arranjar peixeirada em tempo de caça ao voto. Muitos enveredam pelo rugby (em inglês, no original), desporto viril e ao mesmo tempo "bem", outros tornam-se deputados. É o caso de João Almeida, que juntou ao argumentário político as diatribes anti-careca e anti-óculos esquisitos. Ou tem fraco caco de nascença ou então deve ter pensado que este é o linguajar que o povo gosta e entende. Eu cá também tenho veia popular e confesso que me deu vontade de bradar: «oh João Almeida e se fosses levar na... comissão política?» (Pedro Vieira)

Publicado por José Mário Silva às 06:53 PM | Comentários (2)

ABU GHRAIB, GAZA

Vale sempre a pena ler Mario Vargas Llosa e a mim, particularmente hoje, fez-me bem.
Também vale sempre a pena ler Noam Chomsky.

Publicado por Filipe Moura às 06:46 PM | Comentários (5)

ENTRE PARÊNTESIS RECTOS

Por estes dias, os poemas curtos do José Carlos Barros, escritos sob a luz clara do Algarve, são das coisas mais preciosas que a blogosfera nos oferece.

Publicado por José Mário Silva às 06:35 PM | Comentários (2)

DUAS NA FERRADURA...

Confesso que me faz uma certa depressão esta de o PS andar a chatear o governo por dar ou não dar tolerância de ponto na sexta-feira anterior às eleições europeias.
Ainda se isto fosse apenas um ridículo de paternalismo e até de mesquinhez cinzenta...
Mas o pior é que politicamente é um tiro no pé que o Barroso deve estar a agradecer encarecido.
Será que alguém que não tem tolerância de ponto na sexta se dispõe a votar no domingo no partido que surge perante a opinião pública como suficientemente estúpido para o obrigar a ir trabalhar na sexta, julgando com isso obrigá-lo a votar nele?
Uma coisa é defenderem-se ideias e mostrar às pessoas a importância de dar para trás nos famigerados partidos com maioria parlamentar em Portugal e na Europa. Outra coisa é as pessoas armarem-se em zelosos cães pastores a arrebanhar pessoal para as assembleias de voto.

Do outro lado da moeda, está o tradicional apego dos partidos de direita aos "nossos emigrantes". Pois por portas da ravessa chegou há pouco ao meu conhecimento o curioso texto que se segue:

«Portugueses fora da UE não votam nas Europeias

Os cidadãos portugueses que vivam fora do espaço da União Europeia, não podem votar para as eleições do Parlamento Europeu que se realizarão no próximo 13 de Junho. É a interpretação da Lei, dizem a partir de Portugal.
No entanto, para o mesmo Parlamento, os espanhóis podem votar e interpretam a lei de outra forma.
Maria João Belchior
Jornalista Free-lancer em Pequim

A partir do Brasil, Austrália ou China, os portugueses não têm o direito de votar nas eleições para o Parlamento Europeu, a realizar-se no próximo dia 13 de Junho.
.Eu também não posso votar. . diz o Embaixador Antonio Santana Carlos em Pequim. Da secção consular da Embaixada é explicado que esta é a interpretação da Lei do Parlamento Europeu. .Deduz-se que quem vive fora do espaço da UE não está tão sensibilizado para as questões da Europa., justificam da secção consular da Embaixada de Portugal em Pequim.
Da Comissão Nacional de Eleições, do STAPE em Lisboa ou das embaixadas portuguesas em países não europeus, a resposta é sempre a mesma. Os casos excepcionais são apenas para pessoas que, por exemplo, estejam a viajar no dia 13 e que peçam para votar antes da data marcada. Nesta situação são contemplados casos como os dos pilotos de aviões.
No entanto, para os portugueses, estudantes ou trabalhadores, fora da UE, não há casos excepcionais. Independentemente de viver no estrangeiro, entenda-se Ásia, Oceania, América ou África, há meses ou há anos.
De facto, a referida Lei do Parlamento Europeu não diz explicitamente em nenhum ponto que os portugueses a residir fora dos países da UE, não podem votar. Estão apenas estipulados os casos de cidadãos de nacionalidade portuguesa que vivam noutros países membros da União Europeia e que tomem a opção de votar no Estado de residência ou por correspondência.
Por outro lado, a interpretação difere de país para país e os cidadãos espanhóis, dentro ou fora da UE, contam todos como eleitores para a escolha de deputados para o Parlamento Europeu, sendo que o direito de sufrágio se exerce por correspondência ou pessoalmente na embaixada espanhola, que para todos os efeitos, é território nacional.
No caso de Portugal, é de referir que num país em que a abstenção é por regra muito grande e em que os políticos apelam à consciência cívica dos cidadãos para que votem, para aqueles que pretendem votar e não podem por uma questão geográfica, quase parece haver uma distinção entre os mais europeus e os menos europeus. .É lamentável. é a opinião de grande parte da comunidade de portugueses, a maioria estudantes, a residir em Pequim de momento.»

Mas afinal o governo tem toda a razão na sua interpretação da lei.
A china é tão longe... quem é que traria depois aqueles votos de camelo por esses desertos em guerra até ao solo pátrio, para serem laboriosamente contados por gente insuspeita como o dr. guilherme silva ou o dr. arnault ou o presidente da jp?

Publicado por tchernignobyl às 05:15 PM | Comentários (2)

QUINTO? DEIXA LÁ VER... ISSO VEM DEPOIS DO... UM, TRÊS... HMMM...

A sondagem que hoje o DN publica vem colocar o senhor que faz de presidente da CML em 5º lugar, no que toca às preferências dos eleitores para próximo beneficiado pela sinecura da Presidência da República. Ao que parece, até Mário Soares surge à frente do maior umbigo da política nacional. E ainda dizem que o povo é tonto.

Publicado por Luis Rainha às 04:49 PM | Comentários (4)

UM ANO DE VIDA (NA BLOGOSFERA)

Parabéns, Cibertúlia.

Publicado por José Mário Silva às 04:44 PM | Comentários (0)

CORPORATIVISTAS, NÓS?

O médico Ferreira Diniz, acusado no processo da Casa Pia, pode, de acordo com a sua Ordem, continuar a atender crianças no seu consultório. Os guardiães da deontologia médica não encontram qualquer motivo para proceder a uma suspensão que acautele os direitos dos mais fracos, ao contrário do que fez o Estado.
Mas a Ordem também sabe sair em defesa dos desprotegidos, sempre que tal se mostra imperativo. Há uns dias, vi um representante dessa corporação afirmar, a propósito das mortes ocorridas no hospital de Lagos, que "a Ordem está disposta a dar todo o apoio jurídico à colega".
Aqui chegado, pensei: "vão ajudá-la a defender-se. Parece-me bem." Só que não era disso que se tratava. A frase continuou: "... para que ela possa ressarcir-se dos prejuízos que esta acusação lhe tem vindo a causar" (cito de memória).
Resumindo: o senhor dr. já sabe . antes de qualquer julgamento e ao arrepio do inquérito do Ministério - que a culpa não foi por certo da "colega"; ele preocupa-se já com indemnizações, mas não às famílias das vítimas.
Vendo isto, pergunto-me: quantos clínicos terá, ao longo da sua história, a Ordem dos Médicos expulso, impedindo-os permanentemente de exercer?
O meu palpite é "nenhum". Pode ser que esteja enganado. Mas duvido.

Publicado por Luis Rainha às 03:48 PM | Comentários (3)

DISPENSA FEMININA

Faltou-me qualquer coisa na «Má Educação»: as mulheres e a homenagem cinematográfica que o Almodovar lhes costuma prestar. Desta vez, por interpostas e transpostas personagens, deixa-nos apenas a memória desse fascínio. E o filme, quanto a mim, de tão depurado, saiu coxo.

Publicado por Margarida Ferra às 03:44 PM | Comentários (1)

AI AGORA É PRECISO MOTIVO?

Enviei um email a alguns amigos portugueses em Paris. Tudo malta progressista:

Olá colegas,
quereis ir à manif no sábado, na Bastilha? A malta podia encontrar-se, protestar, reivindicar um pouco e ir jantar a seguir.
Respondei svp.
Filipe.

O Gonçalo respondeu-me prontamente "tá-se!" (é de Almada). Já a Rita, velha companheira de lutas dos tempos do Técnico, respondeu-me:

Filipe
Desculpa la a minha ignorância, mas a manif é porquê? Sans papiers, ciência, globalização, Iraque?
Rita

Depois é que eu reparei que não tinha indicado o motivo da manif no email. Estava a pensar na "Grande manifestation contre la visite de Bush", samedi 5 juin 17 h à Bastille. Do plano consta "Le 14 avril 2004, Georges Bush a annoncé son soutien inconditionnel au plan unilatéral d'Ariel Sharon: la destruction systématique de Gaza, la construction des murs qui volent les territoires et emprisonnent les populations en Cisjordanie, l'annexion des colonies israéliennes illégales construites dans les territoires occupés depuis 1967, l'abandon par les Palestiniens du droit au retour des réfugiés chassés de leur terre en 1948, et la suppression de toute possibilité d'un Etat palestinien viable sur un territoire continu. La France ne doit pas s'associer à un tel projet." Tinha recebido um panfleto à saída do metro.
Mais tarde recebi um outro panfleto, desta vez da CGT, apelando à participação numa outra manifestação: "Ensemble le 5 juin pour une sécu solidaire. La sécu: un véritable défi, un véritable enjeu de société. (...) Faisons du 5 juin 2004 une étape de fortes mobilisations, de manifestations partout en France pour répondre aux défis de la santé."
Afinal, este sábado é dia da esquerda passeante em Paris. Talvez venha daí a dúvida da Rita. Mas agora pergunto eu: em França, ou em Portugal, é preciso saber-se o motivo para se ir a uma manifestação?

Publicado por Filipe Moura às 03:22 PM | Comentários (10)

PARA ASSINALAR O REGRESSO DA MARGARIDA (E DA VÍRGULA)

Eugene Atget, «Quai d'Anjou às seis da manhã» (1924)

Publicado por José Mário Silva às 03:00 PM | Comentários (4)

TODAS DIFERENTES, TODAS IGUAIS

Pela primeira vez, passei hoje os olhos pelo interior da nova revista, a "Sábado". Não me pareceu assim muito pior que as outras. E esse é o problema: só me dei conta que aquilo não era nem a "Focus" nem a "Visão" quando a fechei e olhei para a capa.
Os mesmos colunistas, o mesmo design, as mesmas infografias, a mesma prosa morna e insossa.
Convém não esquecer que a Sábado é a tal newsmagazine que se lançou com uma campanha publicitária onde angustiava os potenciais leitores com perguntas do tipo "e se todos vestissem a mesma roupa?" ou "e se todos pensassem da mesma maneira?", finalizando com retumbantes proclamações do direito à diferença e à originalidade. Depois, apresentam "isto" às pessoas.
O boss da Cofina descreveu a sua bela obra como "centrada nos grandes valores nacionais - a família, a autoridade do Estado e a economia de mercado". Até seria preferível que a revista correspondesse mesmo a esta patetice: sempre tinham algo com personalidade própria para vender. Assim, não prevejo grande futuro para o que não passa de mais um clone desengraçado.

PS: só mesmo a Margarida Rebelo Pinto para cantar loas a este produto sem nexo editorial ou comercial. Mas até isso tem explicação, que a moça pode ser semianalfabeta mas não é burra: "se aceitei colaborar como free-lancer na Sábado, é porque também acredito na qualidade do projecto e no direito à diferença. " E tá tudo dito, ricos!

Publicado por Luis Rainha às 12:28 PM | Comentários (4)

MALEITAS CONTAGIOSAS



Há minutos, ouvi uns rapazes de 14-15 anos declarar às câmaras da SIC as razões da sua paixão assolapada pelas delicadas canções dos Metallica. Aparentemente, foram todos influenciados... pelos pais. (Note-se que aqueles dinossauros da cacofonia já urram pelos palcos de todo o mundo desde 1981.)
Aposto que se os progenitores das pequenas e hirsutas criaturas fossem antes fãs de, por exemplo, Debussy ou Boulez, o resultado seria o mesmo: os seus descendentes estariam de qualquer forma ali, prontos a gastar 53 euros para sacudir a moleirinha ao som de obras-primas como .Bleeding Me. e quejandos. Só que os petizes se confessariam antes influenciados pelos amigos, pela TV, pelo sistema, sei lá.
Porque diabos é que o bom gosto é de transmissão tão difícil enquanto que a grunhice musical parece sarampo, tal a velocidade com que se pega aos nossos rebentos?

Publicado por Luis Rainha às 11:05 AM | Comentários (17)

O NOSSO PIOR PESADELO

Cartoon de Larry Wright, «The Detroit News»

Publicado por José Mário Silva às 10:52 AM | Comentários (2)

junho 03, 2004

DO ACASO

À hora do almoço, no preciso instante em que acabava de ler um artigo sobre a prevenção dos incêndios florestais, passou à minha frente um carro dos bombeiros, com sirenes a apitar e luzes azuis, enquanto ao meu lado levantava voo um pombo de penas escuras, como que chamuscadas.

Publicado por José Mário Silva às 08:42 PM | Comentários (5)

DA IRONIA

Estão a ver aquele livrinho sobre a vida sexual de Kant que pré-publiquei ontem? Imaginem lá em que página acaba? Pois é mesmo nessa. Na 69.

Publicado por José Mário Silva às 08:39 PM | Comentários (7)

DO PUDOR

Ao cimo do Parque Eduardo VII, junto aos Auditórios, talvez para não distrair os lisboetas que por ali deambulam com sacos de plástico cheios de catálogos e folhetos, um tapume da Feira do Livro - estrategicamente colocado - esconde da vista o famoso pirilau de Cutileiro. Bonito: a APEL ao serviço dos bons costumes.

Publicado por José Mário Silva às 08:35 PM | Comentários (5)

PREÇOS INFLAMÁVEIS

Com o aumento da produção garantido pela OPEP, começou finalmente a baixar o custo do petróleo nas praças internacionais (ontem já estava abaixo de 40 dólares por barril). Confesso que estou muito curioso para ver como funciona, desta feita, o mercado. E quanto tempo levarão as nossas gasolineiras a corrigir os impossíveis preços a que têm vendido os combustíveis.

Publicado por José Mário Silva às 07:01 PM | Comentários (9)

A ILUSTRE CASA DE HOPPER

É sabido que a casa que serviu de modelo ao infame Bates Motel . recordam-se do "Psycho" de Hitchcock, por certo... - foi a "House by the Railroad" do pintor americano Edward Hopper.
Esta obra-prima de 1925 é hoje vista como sendo a primeira tela da maturidade de Hopper, um ano depois do êxito da sua segunda exposição a solo. Ele sempre negou ter recebido qualquer influência importante durante as suas viagens à Europa; no entanto, custa a crer que o paralelismo com a visão de Giorgio de Chirico seja apenas uma coincidência. A sensação de abandono sem remissão, a suave ameaça que parece descer sobre paredes e ruas com o avanço do entardecer, as sombras que chegam a obliterar secções dos edifícios, a presença dos carris (os comboios foram por muito tempo uma constante nas telas do italiano, filho de um engenheiro ferroviário), o céu mortiço e nunca azul que contradiz a iluminação solar impiedosa... são muitos os pontos de contacto entre os dois universos pictóricos. Mas, acima de tudo, existe uma vaga malaise, a premonição de um qualquer cataclismo iminente, a noção de que ali falta um ingrediente fundamental à estabilidade do mundo que conhecemos. Mesmo quando Hopper lança a figura humana nos seus cenários inóspitos - em obras-primas como "Nighthawks" -, aqueles homens e mulheres (na realidade sempre baseados em si próprio e na sua infeliz mulher, Jo) nunca deixam de se apresentar submersos no sentimento de alienação e estranheza que os manequins de Chirico transpiram.
A "Casa junto ao Caminho de Ferro" é, por muitos antepassados que eu lhe queira inventar, uma obra fabulosa, capaz de investir um modesto objecto inanimado com toda uma paleta de "sentimentos" a custo definíveis. Nas inspiradas palavras do poeta Mark Strand, "the house shines with finality. It.s like a coffin." É verdade: esta casa sem sinal de ocupação parece mais hospitaleira à morte do que às actividades frívolas dos vivos.

(Curiosamente, a vivenda que serviu de modelo a Hopper ainda hoje existe, quarenta quilómetros a norte de Manhattan, na vila de Haverstraw. )
Por outro lado, esta casa ilustre já inspirara o cenário de um outro grande filme, quatro anos antes de Hitch ali colocar a família mais estranha dos anais do Cinema. Em 1956, os cenógrafos de George Stevens haviam desenhado a mansão de "Giant" a partir da obra de Hopper. O Bates Motel em "pessoa" foi sujeito a uma mudança de cor para figurar na comédia de 1981 "Modern Problems", com o canastrão Chevy Chase; dois anos depois, começaria a ignomínia das sequelas manhosas de "Psycho". Mas nem tudo é deplorável neste final de história: pelo menos, não se confirma a teoria segundo a qual a casa da Família Addams teria também sido inspirada pela obra-prima de Hopper...


A casa original, em Haverstraw --- James Dean com mais uma versão da casa de Hopper em fundo...

Publicado por Luis Rainha às 05:48 PM | Comentários (9)

CAMILLE C'EST MOI


Faça você também Que gênio-louco é você? Uma criação de O Mundo Insano da Abyssinia

Publicado por Margarida Ferra às 04:34 PM | Comentários (1)

DÚVIDA AO VOLANTE

Haverá alguma diferença entre os que se colam à traseira do carro da frente na auto-estrada, pressionando com sinais de luzes, e os que aguardam mesa num restaurante, em pé, junto de quem aparenta estar no fim da refeição (a fase dos cigarros e das chávenas de café), antecipando assim o pedido da "continha, faz favor"?

Publicado por Margarida Ferra às 04:30 PM | Comentários (8)

MATISSE E AS POMBAS (2)


Les Oiseaux, 1947

Publicado por Luis Rainha às 02:05 PM | Comentários (1)

MATISSE E AS POMBAS

Henri Cartier-Bresson, Vence (1944)

Publicado por José Mário Silva às 01:18 PM | Comentários (3)

LUZ BRANCA

Eu também vi uma luz branca na terça-feira à noite. Mas acho que os cientistas lhe chamam luar.

Publicado por José Mário Silva às 01:13 PM | Comentários (5)

TÍTULOS

Depois do golo fantástico que o avançado do Sporting marcou ontem, pela selecção nacional de Sub-21, imaginei que pelo menos um dos jornais desportivos exclamasse, na primeira página: «Lourenço da Arábia». Mas não. Devem ter esse título reservado para um cenário futuro, quando o moço, já em fim de carreira, se transferir para o pouco competitivo (mas muitíssimo bem pago) campeonato de futebol do Qatar.

Publicado por José Mário Silva às 01:00 PM | Comentários (5)

O FUTEBOL É MESMO ASSIM

A melhor contratação do Sporting (e do Benfica) para a próxima época foi feita pelo Chelsea.

Publicado por José Mário Silva às 12:53 PM | Comentários (2)

FORÇA PPM!

Num tempo de antena de ontem, vi um membro daquela família interminável de cantores mais ou menos desafinados a botar faladura pelo PPM. Dizia-nos o canoro militante que "se querem o nosso fado, o nosso folclore e as nossas touradas na Europa, então votem no PPM."
Pela primeira vez desde que me conheço, estive quase a permitir que a propaganda mudasse o meu previsto sentido de voto. Descontando a pequena confusão geográfica . a tralha a que o senhor se refere já reside toda na Europa . presumi que ele quer obrigar ao asilo em Estrasburgo o cabaz típico por atacado: touradas, folclore e fado.
Isto sim, é uma promessa eleitoral com pernas para andar. Andar para longe, de preferência...

Publicado por Luis Rainha às 11:50 AM | Comentários (6)

junho 02, 2004

PRÉ-PUBLICAÇÃO

E se Immanuel Kant, o filósofo casto, não fosse tão casto assim? E se o metódico pensador de Königsberg, o tal que a lenda diz ter morrido virgem, afinal escondesse uma inconfessável vida sexual? Que vida sexual seria?
É este o ponto de partida de um livro erudito, provocador e divertidíssimo, assinado por um dos mais esquecidos filósofos do séc. XX: Jean-Baptiste Botul (1896-1947). Em «A Vida Sexual de Immanuel Kant», editado pela Cavalo de Ferro (e traduzido por este vosso escriba), o obscuro estudioso francês reuniu as conferências proferidas sobre o tema, na cidade paraguaia de Nova Königsberg, em 1946.
Eis o excerto de uma delas:

«O FILÓSOFO DEVE ARRANJAR MULHER?

Um Kant mundano e casto, solitário e sociável, amante da boa mesa, mas não da boa carne. Que soma de contradições! Estamos mergulhados no nevoeiro, aquele nevoeiro que cobre as margens do Báltico durante uma boa parte do ano. E eis que esse nevoeiro se torna mais denso em torno do nosso assunto. Eis que uma objecção gravíssima vem contradizer a hipótese da castidade. Nem precisaria de recordar, a kantianos informados como vós, o primeiro princípio da moral kantiana: «Age como se o lema da tua acção devesse ser erigida pela tua vontade em lei universal.»
Apliquemos este princípio à vida sexual. Vemos de imediato que a castidade é tão indefensável e contraditória como o homicídio porque, se todos os humanos a praticassem, estaríamos perante o fim da espécie.
É impossível que um espírito tão poderoso como o de Kant se tenha colocado em contradição com os seus próprios princípios. Por isso a castidade não pode valer como lei universal para a espécie humana.
Ora, a objecção agrava-se quando passamos a considerar um outro princípio defendido por Kant, segundo o qual «todos os órgãos existem em função de um objectivo que devem cumprir ». Incluindo os órgãos sexuais... E os do filósofo também... Caso contrário, o nosso homem não passaria de um monstro, dotado de atributos supérfluos. Não dar uso à sua genitalia seria o mesmo que contradizer as leis fundamentais da natureza.
Conseguem acompanhar-me? Compreendem que a vida sexual de Kant, ou antes a sua não-vida sexual, está longe de ser apenas um detalhe histórico, informativo, documental ou até mesmo anedótico, porque sublinha uma linha de coerência do sistema kantiano?
Nós estamos na selva e a noite cai. Uma noite sem fim ameaça-nos se não fizermos luz e não chamarmos, com os nossos cantos, a madrugada.

***

Para sairmos da obscuridade, vou fazer tábua rasa, como se nunca tivessem aberto um dos livros escritos por Immanuel. Sei bem que isso não corresponde à verdade, porque nesse caso nenhum de vocês estaria aqui, tão longe de Königsberg, após terem passado por tantos riscos e ciladas mortais, para embarcarem nesta magnífica aventura. Mas enfim, de tempos a tempos, é preciso saber voltar a partir do zero (murmúrios de aprovação na sala).
Regressemos então aos fundamentos do kantismo.
Kant revolucionou a moral. Antes dele, a questão ética fundamental era a definição do Bem. Foi o que tentaram todos os filósofos da Antiguidade: estabelecer uma hierarquia entre as coisas boas, de forma a descobrir o Bem supremo, o Bem Soberano, o summum bonum como dizíamos em latim, a que se chamou, conforme os autores, Prazer, Verdade ou Virtude. Valores exteriores ao homem, que o ultrapassam, que ele não criou.
É aqui que Kant intervém de façon renversante .
Para ele, o critério da moralidade não está no que fazemos, mas na forma de fazer. Não é o que resulta de um determinado acto que conta, porque se fosse o pior dos bandidos, desde que financiasse as boas acções da sua paróquia, teria a certeza de ir direitinho para o paraíso. Não, o que faz a moralidade de um acto é a pureza da intenção e a rectidão da vontade. Qualidades difíceis de medir a partir de fora, admitamos. Todavia, é este o único critério que nos permite escapar a uma moral de revista, com os seus conselhos semanais e as suas fichas de cozinha que nos indicam as receitas da felicidade. Porque, para Kant, a questão não é: «Como obter a felicidade?» mas antes «Como tornarmo-nos dignos da felicidade?»
Na primeira formulação, estamos colocados perante a distância que separa a nossa condição da felicidade suprema. A sabedoria consiste então em reduzir esse desvio da mesma forma como trepamos uma montanha para chegarmos ao cume. Na formulação kantiana, trata-se de um desvio em relação a nós mesmos e à ideia que fazemos de nós mesmos. É uma questão de dignidade. Impomo-nos a nós mesmos a nossa lei, que não cai do céu. O homem kantiano é o dono da sua própria consciência, não tem necessidade nem de um confessor nem de um guru. Talvez se recordem que Kant admirou Rousseau, para quem a fonte da moralidade é a Consciência, «instinto divino, voz imortal e celeste». Kant está de acordo. Escutemos a nossa consciência! É a voz do dever.
Como obedecer-lhe? A vida quotidiana impõe-nos que encontremos astúcias. Por exemplo, o terrível dever de nos levantarmos todas as manhãs, para trabalhar... A solução chama-se Lampe. Desta forma, todas as manhãs, às cinco horas, quando ressoava no quarto a voz grossa do seu criado que gritava «Está na hora!», Kant escutava a voz do Dever, vinda do exterior, com o seu tom disciplinar (Lampe era um antigo militar que tinha combatido na Guerra dos Sete Anos). Eis como Kant pôde obedecer ao que escreveu na Crítica da Faculdade de Julgar: «Quando fala a lei moral, deixa objectivamente de haver livre escolha sobre o que deve ser feito .»
Esta doutrina tem a vantagem de fundar uma moral do Dever mesmo que não acreditemos em Deus. Ela reúne num mesmo impulso crentes e agnósticos. Não precisamos de teólogos para celebrar a virtude. A moral kantiana permite fundar um regime que tem a força de uma cidade religiosa sem os inconvenientes do clericalismo. Ela estabelece preceitos universais. É por isso que em França, de onde eu venho, a Universidade e a República veneram Kant. A sua moral dirige-se ao Homem enquanto Homem e nós gostamos disso.»

Publicado por José Mário Silva às 07:44 PM | Comentários (7)

VAMOS TODOS FAZER UM BLOGUE SOBRE AS EUROPEIAS?

A ideia partiu do Nuno Ramos de Almeida: fazer «um blogue dos blogues para centralizar discussões sobre as europeias». Assim uma espécie de centro de informações blogosféricas acerca de um tema específico, como já se fez com o 25 de Abril.
Para resumir tudo numa frase: podes contar connosco, Nuno. Todos os posts que se escreverem no BdE acerca das eleições, da campanha eleitoral ou dos discursos, propostas e gaffes dos candidatos, terá o respectivo reflexo nesse blogue ainda em construção. Aqui.

Publicado por José Mário Silva às 07:35 PM | Comentários (7)

DA ALEMANHA, MAIS BOAS NOTÍCIAS FUTEBOLÍSTICAS

A selecção nacional de Sub-21 acaba de se qualificar para as meias-finais do Campeonato da Europa, disputado na Alemanha, ao vencer a selecção anfitriã por 2-1 (o golo decisivo foi marcado por Lourenço, a 12 minutos do fim). Depois de um começo decepcionante e de muitas contas de cabeça, os putos safaram-se. E lá volta aos píncaros o orgulho nacional, mais a auto-estima...

Publicado por José Mário Silva às 07:31 PM | Comentários (3)

LUZES NA NOITE (2)

«Havia um rapaz à minha espera, agachado, rente ao muro. Abriu as mãos e vi que estavam cheias de um lume verde, furtivo, uma matéria encantada que rapidamente se dispersou na escuridão. "Pirilampos", segredou. Um rio deslizava atrás do muro, opaco, poderoso, arfando fatigado feito um mastim. Atrás dele começava a floresta. O muro, baixo, em pedra bruta, deixava ver a água negra, as estrelas correndo no seu dorso, a densa folhagem ao fundo . como num poço. O rapaz alçou-se para cima das pedras, sem esforço, ficou um momento imóvel, a cabeça afundada na noite, e depois saltou para o outro lado.»

José Eduardo Agualusa, in «O vendedor de passados» (Dom Quixote)

Publicado por José Mário Silva às 07:25 PM | Comentários (2)

LUZES NA NOITE

Ontem, meio Portugal viu objectos luminosos de origem insondável a vaguear pelos nossos céus. Ao entardecer, também pude testemunhar uma féerie luminosa, de proveniência nada obscura mas nem por isso menos fascinante. Descobri que o matagal que tomou conta do meu quintal foi infestado por uma belíssima praga: pirilampos!
À medida que os meus olhos se iam adaptando ao lusco-fusco, sentia-me quase como um místico a quem de súbito é concedido o dom de uma outra visão, magnífica e perturbadora: ali, o corpo da Natureza iluminara-se sem aviso. Deixando-me entrever a circulação de impulsos nervosos através dos seus músculos, saltando de nervo em nervo, de célula em célula.
Mas nem precisava de devaneios líricos para me saber na presença de um espectáculo digno de nota: mesmo à minha porta, centenas de pequenas criaturas dedicavam-se a produzir um químico complexo, a luciferina, com que declaravam a sua presença às fêmeas; ínfimos faróis sinalizando as rotas urgentes da reprodução e do desejo.
Ao cair da noite, o tremeluzir deste frenesi erótico começou, por estranho que pareça, a obedecer a um só ritmo. Como um espectáculo coreografado em meu benefício, todo o quintal pulsava com vagas regulares de luz. Dir-se-ia que os isótopos mais raros fixados nas folhas dos arbustos se preparavam para eclodir numa reacção em cadeia. Mas não: era "apenas" um fenómeno bem conhecido: a sincronização de fase.

Parece que cada fêmea deste bicharoco de vocação pirotécnica pode pôr, de uma só vez, até 500 ovos. Para o ano que vem, vou cobrar bilhetes...

Publicado por Luis Rainha às 07:18 PM | Comentários (2)

SAI MAIS UM KUBRICK


Faça você também Que gênio-louco é você? Uma criação de O Mundo Insano da Abyssinia

Enigmático não me aquece nem me arrefece, mas gosto de pensar que sou significativo (whatever that means)...

Publicado por José Mário Silva às 06:14 PM | Comentários (3)

ESTAS COISAS CORREM-ME SEMPRE MAL


Faça você também Que gênio-louco é você? Uma criação de O Mundo Insano da Abyssinia

Publicado por Luis Rainha às 05:59 PM | Comentários (5)

EU SOU O STANLEY KUBRICK

Eu gosto destes testes e até hoje tenho gostado sempre dos meus resultados! Aqui vai mais um que eu sugiro, desta vez encontrado no Afixe.


Faça você também Que gênio-louco é você? Uma criação de O Mundo Insano da Abyssinia

Publicado por Filipe Moura às 05:24 PM | Comentários (10)

DIÁLOGO INTERBLOGUÍSTICO

. Ó maradona...
. ...
. Estás a ouvir, pá?
. ...
. Deixa lá esses problemas com os computadores, mais a «chatice da escrita» e os blogues de direita que fecham portas e o diabo a sete. Eu tenho aqui uma novidade do caraças para te dar, pá.
. ...
. Uma novidade do caraças. A sério.
. ...
. ...
. ...
. Mas tu prestas atenção ou quê?
. ...
. Sacana do solipsista.
. ...
. ...
. ...
. Deixa estar. Era só para te dizer que hoje sai, com o Record, um DVD inteiro dedicado a Deus. Perdão, a Zinedine Zidane.
. ...
. Está lá tudo. As melhores jogadas do homem, pá, as melhores jogadas do homem. Depois não digas que não te avisei.

Publicado por José Mário Silva às 05:08 PM | Comentários (1)

PARA ALGUNS, A BLOGAGEM NÃO PÁRA

Gostaria de saber se algum dos bloguistas portugueses mais produtivos, como o Daniel (que até já blogou por SMS), o Boss ou o Mérovée ou a Emiéle já chegaram ao ponto dos casos descritos nesta notícia do The New York Times que a seguir transcrevo. E aqui no BdE?

For Some, the Blogging Never Stops

May 27, 2004
By KATIE HAFNER

TO celebrate four years of marriage, Richard Wiggins and his wife, Judy Matthews, recently spent a week in Key West, Fla. Early on the morning of their anniversary, Ms. Matthews heard her husband get up and go into the bathroom.
He stayed there for a long time.

"I didn't hear any water running, so I wondered what was going on," Ms. Matthews said. When she knocked on the door, she found him seated with his laptop balanced on his knees, typing into his Web log, a collection of observations about the technical world, over a wireless link.

Blogging is a pastime for many, even a livelihood for a few. For some, it becomes an obsession. Such bloggers often feel compelled to write several times daily and feel anxious if they don't keep up. As they spend more time
hunkered over their computers, they neglect family, friends and jobs. They blog at home, at work and on the road. They blog openly or sometimes, like Mr. Wiggins, quietly so as not to call attention to their habit.

"It seems as if his laptop is glued to his legs 24/7," Ms. Matthews said of her husband.

The number of bloggers has grown quickly, thanks to sites like blogger.com, which makes it easy to set up a blog. Technorati, a blog-tracking service, has counted some 2.5 million blogs.

Of course, most of those millions are abandoned or, at best, maintained infrequently. For many bloggers, the novelty soon wears off and their persistence fades.

Sometimes, too, the realization that no one is reading sets in. A few blogs have thousands of readers, but never have so many people written so much to be read by so few. By Jupiter Research's estimate, only 4 percent of online users
read blogs.

Indeed, if a blog is likened to a conversation between a writer and readers, bloggers like Mr. Wiggins are having conversations largely with themselves.

Mr. Wiggins, 48, a senior information technologist at Michigan State University in East Lansing, does not know how many readers he has; he suspects it's not many. But that does not seem to bother him.

"I'm just getting something off my chest," he said.

Nor is he deterred by the fact that he toils for hours at a time on his blog for no money. He gets satisfaction in other ways. "Sometimes there's an 'I told you so' aspect to it," he said. Recent ruminations on wigblog.blogspot.com have focused on Gmail, Google's new e-mail service. Mr. Wiggins points with pride to Wigblog posts that voiced early privacy concerns about Gmail.

Perhaps a chronically small audience is a blessing. For it seems that the more popular a blog becomes, the more some bloggers feel the need to post.

Tony Pierce started his blog three years ago while in search of a distraction after breaking up with a girlfriend. "In three years, I don't think I've missed a
day," he said. Now Mr. Pierce's blog (www.tonypierce.com/blog/bloggy.htm), a chatty diary of Hollywood, writing and women in which truth sometimes mingles with fiction, averages 1,000 visitors a day.

Where some frequent bloggers might label themselves merely ardent, Mr. Pierce is more realistic. "I wouldn't call it dedicated, I would call it a problem," he said. "If this were beer, I'd be an alcoholic."

Mr. Pierce, who lives in Hollywood and works as a scheduler in the entertainment industry, said blogging began to feel like an addiction when he noticed that he would rather be with his computer than with his girlfriend - for technical reasons.

"She's got an iMac, and I don't like her computer," Mr. Pierce said. When he is at his girlfriend's house, he feels "antsy." "We have little fights because I want to go home and write my thing," he said.

Mr. Pierce described the rush he gets from what he called "the fix" provided by his blog. "The pleasure response is twofold," he said. "You can have instant gratification; you're going to hear about something really good or bad instantly. And if I feel like I've written something good, it's enjoyable to go back and read it."

And, he said, "like most addictions, those feelings go away quickly. So I have to do it again and again."

Joseph Lorenzo Hall, 26, a graduate student at the School of Information Management and Systems at the University of California at Berkeley who has studied bloggers, said that for some people blogging has supplanted e-mail as a way to procrastinate at work.

People like Mr. Pierce, who devote much of their free time to the care and feeding of their own blogs and posting to other blogs, do so largely because it makes them feel productive even if it is not a paying job.

The procrastination, said Scott Lederer, 31, a fellow graduate student with Mr. Hall, has a collective feel to it. "You feel like you're participating in something important, because we're all doing it together," he said.

Jeff Jarvis, president of Advance.net, a company that builds Web sites for newspapers and magazines, and a blogging enthusiast, defended what he called one's "obligation to the blog."

"The addictive part is not so much extreme narcissism," Mr. Jarvis said. "It's that you're involved in a conversation. You have a connection to people through the blog."

Some compulsive bloggers take their obligation to extremes, blogging at the expense of more financially rewarding tasks.

Mr. Wiggins has missed deadline after deadline at Searcher, an online periodical for which he is a paid contributor.

Barbara Quint, the editor of the magazine, said she did all she could to get him to deliver his columns on time. Then she discovered that Mr. Wiggins was busily posting articles to his blog instead of sending her the ones he had promised, she said. "Here he is working all night on something read by five second cousins and a dog, and I'm willing to pay him," she said.

Ms. Quint has grown more understanding of his reasons, if not entirely sympathetic. "The Web's illusion of immortality is sometimes more attractive than actual cash," she said.

Jocelyn Wang, a 27-year-old marketing manager in Los Angeles, started her blog, a chronicle of whatever happens to pop into her head (www.jozjozjoz.com), 18 months ago as an outlet for boredom.

Now she spends at least four hours a day posting to her blog and reading other blogs. Ms. Wang's online journal is now her life. And the people she has met through the blog are a large part of her core of friends.

"There is no real separation in my life," she said. Like Mr. Wiggins, Ms. Wang blogs while on vacation. She stays on floors at the Hotel Nikko in San Francisco with access to a free Internet connection. ("So I can blog," she explains.)

Blogging for a cause can take on a special urgency. Richard Khoe, a political consultant in Washington who in his spare time helps run a pro-John Kerry group called Run Against Bush, posts constantly to the blog embedded in the
group's Web site (www.runagainstbush.org). He blogs late into the night, although he knows that the site still attracts relatively few visitors.

"Sometimes you get really particular with the kind of link you want, so you search a little more, then a little more, then you want to see what other people are saying about that link you chose," he said. "And before you know it, some real time has passed."

Others find they are distracted to the point of neglectfulness. Tom Lewis, 35, a project manager for a software firm in western Massachusetts who has a photo blog (tomdog.buzznet.com/user), has occasionally shown up "considerably late" for events and has put off more than a few work-related calls to tend to his blog.

Mr. Jarvis characterizes the blogging way of life as a routine rather than an obsession. "It's a habit," he said. "What you're really doing is telling people about something that they might find interesting. When that becomes part of
your life, when you start thinking in blog, it becomes part of you."

The constant search for bloggable moments is what led Gregor J. Rothfuss, a programmer in Zurich, to blog to the point of near-despair. Bored by his job, Mr. Rothfuss, 27, started a blog that focused on technical topics.

"I was trying to record all thoughts and speculations I deemed interesting," he said. "Sort of creating a digital alter ego. The obsession came from trying to capture as much as possible of the good stuff in my head in as high
fidelity as possible."

For months, Mr. Rothfuss said, he blogged at work, at home, late into the night, day in and day out until it all became a blur - all the while knowing, he added, "that no one was necessarily reading it, except for myself."

When traffic to the blog, greg.abstract.ch started to rise, he began devoting half a day every day and much of the weekend to it. Mr. Rothfuss said he has few memories of that period in his life aside from the compulsive blogging.


He was saved from the rut of his online chronicle when he traveled to Asia. The blog became more of a travelogue. Then Mr. Rothfuss switched jobs, finding one he enjoyed, and his blogging grew more moderate.

He still has the blog, but posts to it just twice a week, he said, "as opposed to twice an hour." He feels healthier now. "It's part of what I do now, it's not what I do," he said.

Suffering from a similar form of "blog fatigue," Bill Barol, a freelance writer in Santa Monica, Calif., simply stopped altogether after four years of nearly constant blogging.

"It was starting to feel like work, and it was never supposed to be a job," Mr. Barol said. "It was supposed to be an anti-job."

Even with some 200 visitors to his blog each day, he has not posted to his blog since returning from a month of travel.

Still, Mr. Barol said, he does not rule out a return to blogging someday.

"There is this seductive thing that happens, this kind of snowball-rolling-down-a-hill thing, where the sheer momentum of several years' posting becomes very keenly felt," he said. "And the absence of posting feels like - I don't know, laziness or something."

Tim Gnatek contributed reporting for this article.

http://www.nytimes.com/2004/05/27/technology/circuits/27blog.html?ex=1087049361&ei=1&en=dec47185ad028a24

Publicado por Filipe Moura às 04:51 PM | Comentários (12)

QUOTAS PARA OS HOMENS, JÁ!

É o que pede António Sousa Pereira, presidente do conselho directivo do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, ao ver que a percentagem de mulheres que entram (e se formam) nas faculdades de Medicina é cada vez maior e o contingente masculino mais diminuto. Embora sem avançar propostas tão radicais como as de Sousa Pereira, o bastonário da Ordem dos Médicos, Germano de Sousa, também se mostra preocupado com o crescente desequilíbrio entre os sexos na profissão, em parte devido ao facto «de as estudantes terem mais juízo e estudarem mais do que os rapazes».
A polémica está lançada. E o debate, aqui no BdE, também.

PS- Quero agradecer a sugestão do link à leitora Patrícia Pedrosa.

Publicado por José Mário Silva às 03:20 PM | Comentários (6)

O GÉNIO TORTURADO? (2)


Se metade disto for verdade, o mistério do alheamento de José Mourinho na final fica resolvido. Afinal, o homem pode mesmo ter sido torturado...

Publicado por Luis Rainha às 01:59 PM | Comentários (4)

RECOMEÇAR

Às vezes a tristeza chega assim, com asas de chumbo. O corpo inclina-se, o tempo estilhaça-se, a felicidade evapora-se como o perfume da última flor. É então que é preciso ser mais forte. Resistir. Olhar em frente. Ver lá ao longe a próxima primavera.

(Para a Teresa)

Publicado por José Mário Silva às 12:32 PM | Comentários (2)

O PAPÃO DA ESQUERDA AINDA ASSUSTA AS CRIANCINHAS!


No Dia Mundial da Criança, os miúdos da Associação Unidos de Cabo Verde foram avisados que iam receber uma visita importante. "É o Batatoon que vem aqui?", parece que inquiriram os mais azougados.
Qual quê. Na rifa, saiu-lhes o Miguel Portas em campanha eleitoral. Pelo terror visível no rosto da criança que o cabeça de lista persegue - numa bela pose de monstro de contos de fadas - podemos aquilatar o sucesso da iniciativa...

Publicado por Luis Rainha às 10:55 AM | Comentários (7)

A ESTÁTUA DE TRÓIA

Publicado por José Mário Silva às 10:22 AM | Comentários (3)

junho 01, 2004

NÃO DIGAM AO MANEL

Há uns dias, o Alexandre Andrade fez mais uma das suas impagáveis sugestões do dia: «Prescinda de uma ida ao Museu do Traje e faça um donativo ao PND, em bolas de naftalina, com o valor equivalente ao do bilhete». De que é que estão à espera?

Publicado por José Mário Silva às 11:19 PM | Comentários (2)

ELES TAMBÉM TÊM DIREITO A BLOGAR

O Zé Mário já lhe chamou "Ponto Negro". E foi de uma falta de caridade a toda a prova. Por mim, aplaudo este esforço no sentido de conceder acesso à blogosfera a pessoas com gritantes limitações intelectuais.
Chega a ser enternecedora a forma como eles pelejam contra a gramática e a ortografia; é comovente o seu suado labor quando tentam debalde entender o mundo que os rodeia; é heróico o progresso que fizeram em poucos meses de convívio com a informática: estão já quase a aprender a colocar imagens online...
Frases como "esta é uma estratégia muito utilizado pelo BE e dos extremistas de esquerda" revelam, apesar de tudo, uma corajosa tentativa de esconjurar o analfabetismo funcional em que os autores ainda penam: mais umas horas dedicadas à terapia e até pode ser que os pobres consigam aprender que "media" já é em si um plural, que os acentos e as vírgulas têm sítios próprios onde se sentem bem; enfim, que o Português deu muito trabalho a inventar e não é para escaqueirar assim sem mais nem menos.
Por tudo isto, os rapazes merecem encorajamento, não chacota pública e cruel. Quase me veio uma lagrimita furtiva ao olho quando li o pungente queixume: "vimos um post do Blogue de Esquerda II, no qual fazem a tentativa de ridicularizar o nosso Blog." Em nome dos meus camaradas, arrependo-me da ofensa e declaro-me pronto para a penitência mais sentida. É que é mesmo muito feio fazer troça dos nossos irmãos menos afortunados.

Publicado por Luis Rainha às 07:11 PM | Comentários (17)

A MINHA PISTOLA É MAIOR DO QUE A TUA

O Presidente dos EUA, George W. Bush, mandou guardar, num pequeno estúdio junto da Sala Oval, a pistola com que Saddam Hussein foi encontrado na altura da sua captura por forças norte-americanas.

Depois da hipocrisia e da mentira, só faltava mesmo o fetichismo.

Publicado por José Mário Silva às 06:15 PM | Comentários (10)

MAIS DOIS BLOGUES MUITO BONS

Este (um maná para quem se interessa pela poesia portuguesa contemporânea . mas não só) e este (mais um representante da direita culta, civilizada e que escreve bem).

PS: Apesar das óbvias diferenças ideológicas, há um texto do Eduardo, no What do you represent, que subscrevo palavra a palavra. Com a devida vénia:

«Aquiles já não mora aqui
Um dos efeitos que esta guerra do Iraque está a ter é o de atirar por terra o mito do soldado americano. O marine hiper preparado cheio de coragem e brio que, destemido, tenta impor a democracia no mundo. Haverá soldados americanos que correspondem àquela descrição, mas são uma minoria. Na maioria, são uns putos de vinte e poucos anos, mal treinados para este tipo de combate, do género terra a terra, que se alistaram apenas para terem um emprego e que, de um dia para o outro, se viram enviados para uma terra que lhes é totalmente desconhecida, na geografia, na demografia, na cultura, e na qual vivem, minuto a minuto, atolados no medo da próxima esquina.»

Publicado por José Mário Silva às 06:08 PM | Comentários (5)

SERÁ ESTE O ANÚNCIO MAIS ESTRANHO DE SEMPRE?

Se não é, anda lá perto. E muitos outros candidatos a esse duvidoso galardão estão nesta galeria de anúncios publicados em revistas de motoqueiros do início dos anos 80. Não percam, por favor, o texto do n.º 13...

Publicado por Luis Rainha às 05:37 PM | Comentários (2)

SERÁ ESTE O LIVRO MAIS ESTRANHO DO MUNDO?


"Hypnerotomachia Poliphili" . O título é esquisito ("A Atribulação do Amor num Sonho de Poliphilo"?) o autor misterioso, o texto quase incompreensível. Não, não se trata do último de Thomas Pynchon; esta "novidade" data de 1499 e tem fascinado desde então todos os apreciadores e coleccionadores de incunábulos.
O protagonista, Poliphilo, passa toda a "narrativa" numa sonâmbula busca da sua amada Polia, enquanto nos vai descrevendo estranhos jardins e edifícios . dedicando-lhes aliás um interesse mais do que artístico: ao que parece, ele consegue manter relações carnais com vários tipos de edificações...
Mas a pansexualidade algo estranha . mesmo para os nossos tolerantes padrões contemporâneos . não é o único atractivo desta obra mítica; as suas gravuras são absolutamente magníficas e muito reveladoras das atitudes renascentistas face à Arquitectura. A utilização da tipografia e do design gráfico é esplêndida: coisas que hoje tomamos por simples, como a página dupla ou a decomposição do movimento . ilustrada na animação acima -, foram aqui inventadas.
A boa notícia é que por fim está disponível uma versão em Inglês. Quem estiver neste momento angustiado sem saber o que me oferecer pelo meu aniversário fica assim com uma discreta dica...
Entretanto, podemos admirar esta versão electrónica. Mas julgo escusada qualquer tentativa de a ler: o Italiano em que a "Hypnerotomachia Poliphili" foi escrita já era pouco inteligível na altura, estando também misturado com fragmentos em várias outras línguas.
Ah, é verdade: preparem-se, que em breve este livro vai ser muito falado. Uma espécie de novo "Código da Vinci" que se propõe resolver os mistérios da "Hypnerotomachia" já anda por aí a fazer furor...

Publicado por Luis Rainha às 04:27 PM | Comentários (5)

O FADO DE DEUS

«Quando estou sozinho, recebo os beijinhos todos. Quando ele está, as senhoras não me ligam nenhuma. Só querem falar dos fados que ele canta e não das políticas que eu proponho.» (João de Deus Pinheiro, cabeça-de-lista da coligação Força Portugal, referindo-se a Nuno da Câmara Pereira)

Publicado por José Mário Silva às 02:15 PM | Comentários (4)

A LÓGICA DA DESRESPONSABILIZAÇÃO


Cartoon de Pancho, no «Le Monde»

Publicado por José Mário Silva às 02:08 PM | Comentários (0)

TROCAS CULTURAIS

Quando o meu vizinho francês se põe a ouvir fados da Mísia, volume no máximo e janelas abertas, só me apetece ir à estante buscar um disco do Brassens ou do Ferré.

Publicado por José Mário Silva às 11:41 AM | Comentários (4)

VÁ UM TIPO SER DE DIREITA PARA ISTO

No texto final da extinta Coluna Infame, pode ler-se

Começámos em Outubro de 2002, fascinados pelo fenómeno blogger, e convencidos de que era útil travar deste modo novo o combate cultural contra a hegemonia intelectual da esquerda. Desde essa data, o número de blogs mais que duplicou, e muitos deles defendem os mesmos valores que nós. Facto inédito, a «não-esquerda» domina mesmo a blogosfera portuguesa.

A Coluna Infame mereceu um artigo de Pacheco Pereira, e o seu final um editorial inteiro de José Manuel Fernandes.
Muito tempo passou desde então. Muitos (e bons) novos blogues surgiram felizmente e, há que dizê-lo, principalmente à esquerda. A hegemonia da direita na blogosfera pertence ao passado.
No último sábado acabou o Dicionário do Diabo. Os blogues de direita mais conhecidos (julgo ter visto todos) ou ignoraram o facto ou envergonhadamente dedicaram-lhe, quanto muito, uma linha (excepção feita ao Jaquinzinhos). Compare-se com a forma como o fim deste blogue foi registado nos blogues de esquerda como o Cruzes Canhoto, o Barnabé e aqui o BdE.

Publicado por Filipe Moura às 12:32 AM | Comentários (9)