« LA BLAGUE DU BLOGUE OU BDE - BLOCO DE ESQUERDA (II) | Entrada | LISTA DE POSTS A PUBLICAR NO BDE: »

novembro 24, 2005

AVENTURAS NA FRONTEIRA ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

Ontem, passei a manhã às voltas com um notário da nova geração, competentemente privatizado e moderno. À tarde, calhou-me em sorte uma prolongada excursão a um hospital público mas gerido por privados, o Amadora-Sintra.
De manhã, apanhei com um profissional altaneiro, mal disposto, impertinente e sabichão. E com duas horas de seca. À tarde, vi, por exemplo, uma idosa com Alzheimer que esperava havia oito horas por alguém que a atendesse, apenas porque a "triagem" a tinha misturado com uma fornada de queimados com destino à Pequena Cirurgia.
Sim; a "mão invisível" apresta-se para grandes feitos no nosso país.

Publicado por Luis Rainha às novembro 24, 2005 04:58 PM

Comentários

Passem pelo www.ometablog.blogspot.com e pelo www.aforismos-e-afins.blogspot.com que ha batatada da grossa com a direita ultramontana, vulgo pseudo-liberiais

Cumprimentos,
Joao Galamba

Publicado por: joao galamba em novembro 24, 2005 06:54 PM

No que respeita ao hospital pouco pode fazer pois raramente se consegue escolher aquele para onde vamos.
Já quanto ao notário, o remédio está na sua mão, na próxima vez que precisar recorre a outro e se possível avise os seus amigos e conhecidos que foi mal atendido por esse profissional, garanto que rapidamente esse colega passará a ser mais simpático, menos sabichão e ou impertinente.
Estas são as novas regras de regulação do mercado, que melhor funcionarão com a chegada dos novos notários...( 120 já em Maio)
Porém, garanto que a reforma foi positiva pois agora uma escritura pode ser marcada para o dia seguinte desde que se esteja na posse dos documentos necessários, isto porque todos os novos cartórios estão informatizados e os funcionários foram na sua maioria seleccionados pela sua competência em vez da habitual cunha...
Outra grande vantagem foi o fim da gorjeta para o funcionário, actualmente o rendimento dos funcionários advêm não da dita propina mas sim do seu vencimento e ou percentagem dos lucros, o que melhorou a qualidade de atendimento e a celeridade dos processos.
Com os melhores cumprimentos,

Jorge S. Silva


Publicado por: Jorge S. Silva em fevereiro 23, 2006 01:44 AM