« É QUE ESTES SENHORES SÃO MESMO MUITO IMPORTANTES, SABIAM? | Entrada | A LUZ É UMA COISA QUE SE AGARRA »

outubro 27, 2005

TORRE DE PAPEL

Ontem à noite, entretive-me a contar os andares da torre de livros que me cresceu de mansinho na mesinha-de-cabeceira. Uma pilha fúnebre de ilustres náufragos literários à espera de noites menos ocupadas com trabalho, revisões de trabalho alheio, campanhas eleitorais, etc. Entre os que comecei a ler, os que tentei reler e aqueles que ali coloquei apenas na esperança de absorver por osmose alguma coisa durante o sono, são já 22. Há de tudo: obras mastodônticas, coisas ligeiras cheias de imagens, clássicos, modernos, o diabo a sete.
Preocupante mesmo (ou talvez não) é o facto de o último andar do arranha-céus de papel, o do inquilino mais solicitado nestes últimos dias, ser uma reedição da obra do mestre Carl Barks. Presumo que isto não diz coisas muito simpáticas acerca dos meus critérios. Nem da minha maturidade.

Publicado por Luis Rainha às outubro 27, 2005 01:53 PM

Comentários

(susto, excitação) por momentos pareceu-me ter lido "do mestre Carl Marx", e pensei: "tu queres ver que estamos na presença de um auto de fé em pleno Blogue?" Mas não, afinal, ao ler a segunda vez - muito mais atentamente - tive de abandonar estes pensamentos perversos e perniciosos

Publicado por: eu em outubro 27, 2005 03:42 PM

Vá pelo Conrad, definitivamente.

Publicado por: corvo em outubro 27, 2005 06:54 PM

Um dos desenhadores do Donald Duck? É isso? Mas que anda nessa mesinha de cabeçeira? Um livro do Pato Donald? Se sim, deve ser coisa tipo possessão demoníaca, ou pior.

Toda a gente sabe que Donald é de facto uma metafóra para o Demo.

Publicado por: Rui em outubro 27, 2005 07:14 PM

poxa pensei ter lido carl marx!acabou com toda minha esperança

Publicado por: taina em abril 30, 2006 02:34 PM