« MAIS DOIS POEMAS DE CAMÕES TRADUZIDOS PARA CABOVERDEANO (POR JOSÉ LUÍS TAVARES) | Entrada | THE NEXT ILLUSION WILL BE TELEVISED »

outubro 24, 2005

COITADO DO GEORGE

Eis a brutal queda do presidente dos EUA, só recomendável a anti-americanos primários ou a bushistas com espírito de missão (podem usar o rato para minimizar os tratos de polé).

Publicado por José Mário Silva às outubro 24, 2005 12:52 PM

Comentários

é a esquerda inteligente no seu melhor, lol.

Publicado por: fidel em outubro 24, 2005 02:10 PM

E como é que se tiram as últimas bolas? Assim não vale! a queda ainda é pequena (e inócua)...

Publicado por: Biranta em outubro 24, 2005 02:23 PM

Aí é que te enganas, ZM. Esta piada político-física (sim, foi preciso ir buscar umas quantas equações para modelar o comportamento do boneco) nada tem de anti-americanismo. Quando muito, pode ser apelidada de "anti-Bushista" o que é algo completamente diferente, embora demasiados escribas desta casa confundam as duas coisas... Até tu, por vezes, o fazes, "Brutus".

Publicado por: JotaVê em outubro 24, 2005 02:42 PM

Let me see if I got this right:

uma ficção em que o pai Soares chantageia Sócrates com os seus supostos (das poucas vezes que vi o actual primeiro-ministro ao vivo ele até estava acompanhado por senhoras) comportamentos "desviantes" é mostra de mau gosto inaceitável.

uma animação em que um homem chamado George W. Bush sofre uma infinita queda, amparada aqui e acolá por umas esferas que lhe torcem pernas, braços e pescoço é “fun for all the family”.

Curioso.

Publicado por: Leonardo Ralha em outubro 24, 2005 02:53 PM

A esquerda perde demasiado tempo em sentimentos negativos. em vez de odiar, deviam amar; em vez de destruir, criar. Não só criticar, mas também propor alternativas.

Publicado por: Louco em outubro 24, 2005 02:56 PM

"em vez de destruir criar"...e que grande criação...ao que parece tão aleatória como aquela do "deixa lá ver que país vou invadir agora".

Biranta: se a queda for pequena aciona o link outra vez...and there he goes again. Fun for all the family.

Publicado por: joanaes em outubro 24, 2005 03:03 PM

é onde isto tudo vai dar. traduzindo em leonardês:
gozar com o bush a cair do "infinito", é uma falta de respeito que mereceria pela certa punição exemplar em tribunal.
fazer uma rábula em que um candidato a presidente da republica, mais ou menos de esquerda, faz chantagem com o PM sobre uma questão de costumes, é uma saudável laracha.

Publicado por: tchernignobyl em outubro 24, 2005 03:16 PM

Estás enganado (como vai sendo habitual), Tchern.

Ambas são formas de humor legítimas. Posso é achar mais graça a uma do que a outra (acho bastante graça à primeira e pouca à segunda; não pela referência à suposta homossexualidade de uma das personagens mas pela sátira ao criador da Fundação Vito Corleone). Mas não deixam de ser ambas legítimas no quadro da liberdade de expressão que eu defendo e que tenho alguma esperança de que defendas também.

Só escrevi o comentário por estranhar que, dias depois de haver tanta confusão neste blogue por causa de uma piada - cada vez mais me convenço que o melhor lugar para o Luis seria o Acidental, onde a latitude de opiniões tende a ser maior do que sucede aqui -, se aposte em algo que, sem merecer "por certa punição exemplar em tribunal", parece-me ser de mau gosto.

Fica a explicação, meu caro. Lê-a se te apetecer e, sobretudo, lê nela o que te apetecer.

Best wishes,

Leonardo

Publicado por: Leonardo Ralha em outubro 24, 2005 03:34 PM

Vocês são ums porcos do CARALHO.Para
quando uma animação destas com o FIDE ou o SADDAN
ou o FRANCISCO LOUÇÃ?????

FILHOS DA PUTA

Publicado por: Nelson em outubro 24, 2005 05:22 PM

Parece-me que ninguém percebeu o que eu quis dizer. E o que eu quis dizer era claro como água: esta "brincadeira" só é recomendável a anti-americanos primários, aqueles que confundem a América com Bush e reduzem a sua oposição política ao ódio irracional que George W. lhes merece. Eu posso ter imensos defeitos mas não sou anti-americano, muito menos primário. Não simpatizo com Bush e vitupero as suas políticas, já gozei várias vezes com ele e com as suas gaffes, mas não consigo vislumbrar que graça pode ter o espectáculo do seu sofrimento físico (mesmo se virtual). Por isso considero esta "piada" um nojo.
Se não fui mais claro no post, foi para ver como reagiam os comentadores. E os comentadores reagiram como eu esperava. Isto é, seguiram os seus preconceitos e incluiram-me alegremente numa categoria (a dos anti-americanos primários) a que não pertenço nem nunca pertenci.
Eis uma das armadilhas da internet: a rapidez com que nos equivocamos nos nossos juízos.

PS- Caro Leonardo: onde é que eu disse que aquilo era "fun for all the family"?

Publicado por: José Mário Silva em outubro 24, 2005 05:59 PM

Até parece que ninguém vê o Jay Leno ou o Conan (para só referir "talk shows" americanos a passar em Portugal), onde o Bush é tratado como um verdadeiro imbecil (imbecil em sentido técnico, patológico, e não só político ou moral

Isto, a propósito desta enésima piada com o Bush e do ambiente no BdE onde há mosquitos por cordas (que raio de expressão esta, também...) que misturam putativo humor com putativas ofensas.

Publicado por: Valupi em outubro 24, 2005 08:03 PM

Engracado, descobri sem querer uma função do HTML que me truncou um bocado do texto. Cá vai de novo em versão completa:

Até parece que ninguém vê o Jay Leno ou o Conan (para só referir talk-shows americanos a passar em Portugal), onde o Bush é tratado como um verdadeiro imbecil (imbecil em sentido técnico, patológico, e não só político ou moral - mas também, e em cadeias de televisão nacionais em sinal aberto...). Tal como é causa de um gargalhar sinistro constatar-se que a supostamente puritana sociedade americana lida com a homossexualidade de um modo infinitamente mais maduro, civilizado e inteligente do que a supostamente aberta e despreconceituada sociedade portuguesa filha da Revolução.

Isto, a propósito desta enésima piada com o Bush e do ambiente no BdE onde há mosquitos por cordas (que raio de expressão esta, também...) que misturam putativo humor com putativas ofensas.

Publicado por: Valupi em outubro 24, 2005 08:12 PM

Caro Zé Mário,

Terás razão no que ao meu comentário diz respeito. De facto não escreveste que a animação do Bush era “fun for all the family". Muito pelo contrário. Mas a inclusão do link para a brincadeira com o Bush - no limite aceitável para boa parte do público-alvo do BdE, como se constata por alguns comentários - não deixa de ter o seu quê de "endorsement".

Seja como for, acredito que consideras a brincadeira um nojo - e se calhar deverias tê-lo dito no post original, mas um post é um post é um post. E nisso estamos de acordo.

Abraços da rive droite

Leonardo

Publicado por: Leonardo Ralha em outubro 24, 2005 08:35 PM

Mas eu insinuei isso no post original, Leonardo. Repara que me referi aos anti-americanos primários (como noutros contextos me refiro aos anti-comunistas primários). E "primário", tanto num caso como no outro, não é um adjectivo meigo, pois não?

Publicado por: José Mário Silva em outubro 25, 2005 12:51 AM

Caro Zé Mário.

When you’re right, you”re right. (embora suponho que irás concordar comigo que as expressões anti-americano primário e anticomunista primário tenham perdido boa parte da carga devido ao constante uso).

Aqui deixo o meu braço para torcer - mas de preferência com pouca força, pois a semana ainda vai no adro...

Publicado por: Leonardo Ralha em outubro 25, 2005 01:18 AM

Leonardo:
Como diriam os americanos de que gosto (e são muitos), "no big deal".
;)

Publicado por: José Mário Silva em outubro 25, 2005 01:33 AM

Ó Valupi, a questão é que o Bush, se não é um imbecil, pelo menos intelectualmente deixa muito a desejar, como qualquer observador independente e que não seja um dos tais «bushistas com espírito de missão» reconhecerá. O Bush merece pelo menos a generalidade das caricaturas que lhe são feitas.
A questão portanto é quando é que as caricaturas são merecidas. Pois.

Publicado por: Filipe Moura em outubro 25, 2005 08:25 AM

Já agora - e a propósito do que disse o Leonardo - não vi qual era a piada da animação. Não se pode comparar com o Conan O'Brien ou o Jay Leno!

Publicado por: Filipe Moura em outubro 25, 2005 08:30 AM

Filipe, não sei bem o que entendeste do que escrevi (e posso ter sido confuso, de resto), mas sempre te posso dizer que estás a colocar a questão numa terra de ninguém. O suposto merecimento de uma caricatura é critério indiscutível – isto é, o humor é sempre indiscutivelmente arbitrário, relativo e subjectivo. Vale tanto dizer-se que o Bush merece as caricaturas como dizer-se que as não merece, não é?

Repara que o humor implica um acordo tácito entre o emissor e a audiência, onde os pressupostos nunca são enunciados (sob pena de se desmontar o mecanismo humorista, deixando este de ser eficaz). A que título pode uma caricatura do Bush ser considerada legítima? Uma quantidade de perguntas demasiado extensa para a nossa paciência se levanta: é por ser intelectualmente deficiente?; nesse caso, podemos gozar com qualquer pessoa nas mesmas condições?; quem é que estabelece os parâmetros de tal classificação? e como?; nesse caso, é legítimo fazer humor com deficiências? com todas? só com umas? quais? porquê?; será o cargo actualmente ocupado a tornar impune a zombaria relativa a uma eventual falha na sua estrutura cognitiva?; nesse caso, aceitaremos anedotas racistas para presidentes de pigmentação escura? machistas para presidentes mulheres? xenófobas para presidentes de segunda geração? e tudo isto só porque a função política permitiria exercícios humorísticos "ad hominem"?; [e mais um longo etecetera perguntador].

O humor só existe num qualquer contexto moral, depende dele para se constituir em mensagem significadora. O humor será tão relevante como a sua capacidade de expor a estrutura moral.

Publicado por: Valupi em outubro 25, 2005 02:44 PM

Muito simples, Valupi: nao se aceitam anedotas racistas, machistas ou xenofobas porque ser-se de cor, mulher ou de segunda geracao nao diminui em nada um Presidente. Ser-se mal preparado para o cargo, como e o caso do Bush, diminui um presidente, embora nao o ilegitime caso tenha sido eleito democraticamente. Ser-se comprovadamente corrupto ou desonesto diminui e ilegitima. Parece-me evidente. As tuas comparacoes nao tem sentido.

Publicado por: Filipe Moura em outubro 25, 2005 03:14 PM

Pois, talvez, mas eu estou confuso. Estamos a discutir o quê, afinal?

Publicado por: Valupi em outubro 25, 2005 03:29 PM