« O SPAM TEM UM DEDO QUE ADIVINHA | Entrada | COITADO DO GEORGE »

outubro 23, 2005

MAIS DOIS POEMAS DE CAMÕES TRADUZIDOS PARA CABOVERDEANO (POR JOSÉ LUÍS TAVARES)

Que me quereis perpétuas saudades?
Com que esperanças ainda me enganais?
Que o tempo que se vai não torna mais,
E se torna, não tornam as idades.

Razão é já, ó anos!, que vos vades,
Porque estes tão ligeiros que passais,
Nem todos para um gosto são iguais,
Nem sempre são conforme as vontades.

Aquilo que já quis é tão mudado
Que quase é outra cousa; porque os dias
Têm o primeiro gosto já danado.

Esperanças de novas alegrias
Não mas deixa a fortuna e o tempo errado,
Que do contentamento são espias.

---

Kusé ki nhos kre-m perpetu sodadi?
Nhos ta ngana-m inda ku ki speransa?
Tenpu ki dja bai, ka ta torna pasa,
Y se boita, ka ta boita kes idadi.

Razon ten kes anu ki ta bai ku idadi,
Pamodi es ki ton lijeru ta troka rostu,
Nen tudu ka igual pa tudu gostu,
Nen senpri es ka ta konforma tudu vontadi.

Akilu ki n kreba un bes dja sta ton mudadu
Ki dja e kuazi otu kusa; pamodi dia
Si prumeru gostu dja sta stragadu.

Speransa di nobus alegria
Ka ta pirmiti-m furtuna ku tenpu eradu,
Es ki kontentamentu es ta poi na spia.

***

Oh, como se me alonga de ano em ano
A peregrinação cansada minha!
Como se encurta, e como ao fim caminha
Este meu breve e vão discurso humano!

Vai-se gastando a idade e cresce o dano;
Perde-se-me um remédio que inda tinha;
Se por experiência se adivinha,
Qualquer grande esperança é grande engano.

Corro após este bem que não se alcança;
No meio do caminho me falece;
Mil vezes caio e perco a confiança.

Quando ele foge, eu tardo; e na tardança,
Se os olhos ergo a ver se inda aparece,
Da vista se me perde, e da esperança.

---

Ó, modi ki ta prulunga di anu pa anu
es nha kansadu pirigrinason di me!
Modi ke ta nkurta, y modi ke ta mexe pé,
dipos, es nha kurtu y von izistensia umanu.

Idadi ta ba ta gasta y ta omenta danu;
ta perde-m kel ramedi ki inda n tinha;
si pur spiriensia pode dibinha-
du, kualker grandi speransa é grandi enganu.

N ta kore trás des ben ki ka ta alkansa-
du. Na meiu di kaminhu e ta falise-
-m; mil ves n ta kai y n ta perde kunfiansa.

Ora ke fuxi, mi n ta tarda; y na tardansa,
si n labanta odju pa n odja si inda e ta parse,
e ta disparse-m di vista, y di speransa.

Publicado por José Mário Silva às outubro 23, 2005 11:45 PM

Comentários

Traduzidos para "caboverdeano"?
Ó caro JMS, explique lá à gente que "língua" é essa...
Será assim a modos que o "angolano", o "moçambicano", o "brasileiro", o "peruano", o "argentino", o "americano", etc.?
Ou o "mirandês" e o "minderico"?

Publicado por: Crispim em outubro 24, 2005 05:34 PM

Crispim , é esse o grande probelema. tu tomas-te por um ser superior..outros idem. Mas nâo passas d'um rato..pior uma serpente venenossa, que rasteia aos pés do méstre. capitch?

Publicado por: rowtveiler em outubro 24, 2005 07:37 PM

Zé Luís,

ka ganda labuta, meu. ta ma parsere ku Kamõis i adurar. prgunta: trá êl passadu pur kabverde? s passô (i só pôd ser à vinda), já têv um vislumbr du k tu ias kõsguir. kontinua, pá. é uma onra ká prá malta.

Publicado por: fernando venâncio em outubro 24, 2005 09:19 PM