« O «É A CULTURA, ESTÚPIDO!» REGRESSA AO SÃO LUIZ NO PRÓXIMO DIA 26 | Entrada | NÃO O ESCONDAM, NÃO… »

outubro 20, 2005

EXPOSIÇÕES

Dentro de duas horas, falará Cavaco Silva. Em directo nos vários telejornais, diante da pátria sincronizada.
Antes disso, daqui a meia hora, no Pavilhão Chinês (perto do Jardim do Príncipe Real), será lançado o livro Contrabando, uma antologia poética do poeta neerlandês Gerrit Komrij (de que ainda ontem falámos aqui), traduzida por Fernando Venâncio.
Entre os dois acontecimentos está aquilo que este poema traduz:


ANTÍPODA

Poupem-me a transparência das coisas,
Roupa lavada, sol, danças de roda.
Prefiro reflexos, recordações,
Disfarces mortiços de camaleão.

Não estou. Nenhuma veia em mim murmura.
Vivo nas sombras, nome não conheço.
Deixem-me ressequir na invernia,
Longe das fortes bátegas do verão.

Os temporais de luz, não os suporto.
Não me olhem. Evitem-me essa dor.
Ó câmara. Imagem do bem-estar.
Quero-me antípoda desta exposição.

[A quem estiver no lançamento será dado testemunhar uma cena talvez inédita, com alguns contornos de embaraço para este que vos escreve. Lá mais para a noite explicarei porquê.]

Publicado por José Mário Silva às outubro 20, 2005 06:00 PM

Comentários

Sim, e enquanto isto, o nosso Zé Mário está no Pavilhão Chinês, fazendo o favor que lhe pedi: falar em meu nome, dizendo aquilo que o tradutor achou que devia ser ali dito.

Confesso que me mordo por todos os lados, pois bem gostaria de poder estar lá. Mas um fulano não pode ainda desdobrar-se. E, de resto, eles fazem bem a festa sem mim.

Quero agradecer do coração ao Zé Mário. E espero, secretamente, que ele logo conte alguma coisa do que ali se está - neste mesmo momento - a passar.

Publicado por: fernando venâncio em outubro 20, 2005 06:49 PM

Só gostava de saber por que diabos é que marcam sempre estas festanças para horas em que as pessoas honestas ainda estão a trabalhar...

Publicado por: LR em outubro 20, 2005 07:14 PM

Tens razão, honestíssimo Luís. Reconheço o problema, que já outros (também honestos?) assinalaram.

Mas que dizer às pessoas honestas (outras) que lembrem que, a essa hora, ainda estão a - pesadamente - digerir?

Publicado por: fernando venâncio em outubro 20, 2005 08:55 PM

Luís, houve um salto lógico no comentário anterior. Entre o primeiro e o segundo parágrafos, eu queria referir a sugestão de se fazerem os lançamentos «depois de jantar».

Percebe-se agora?

Publicado por: fernando venâncio em outubro 21, 2005 09:55 AM