« ESTÁTUAS PERDIDAS, CACA DE POMBOS E BLOGUES | Entrada | OS SOARETTES »

outubro 18, 2005

DOIS SONETOS DE CAMÕES EM CRIOULO

No dia do nascimento de Eugénio Tavares (1867-1930), um dos maiores escritores de Cabo Verde, o BdE acolhe a tradução para crioulo que José Luís Tavares, nosso leitor, comentador e itálico, fez de dois célebres sonetos de Luiz Vaz de Camões:


Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E, em mim, converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.

---

Ta muda tenpu, ta muda vontadi,
Ta muda ser, ta muda konfiansa;
Tudu mundu é fetu di mudansa,
Ta toma senpri nobus kolidadi.

Sen nunka pára nu ta odja nobidadi,
Diferenti na tudu di speransa;
Máguas di mal ta fika na lenbransa,
Y di ben, si izisti algun, ta fika sodadi.

Tenpu ta kubri txon di berdi manta,
Ki di nebi friu dja steve kubertu,
Y, na mi, ta bira txoru u-ki n kantaba

Ku dosura. Y, trandu es muda sen konta,
Otu mudansa ta kontise ku más spantu,
Ki dja ka ta mudadu sima kustumaba.


***


No mundo poucos anos, e cansados,
Vivi, cheios de vil miséria dura:
Foi-me tão cedo a luz do dia escura,
Que não vi cinco lustros acabados.

Corri terras e mares apartados,
Buscando à vida algum remédio ou cura;
Mas aquilo que, enfim, não quer ventura,
Não o alcançam trabalhos arriscados.

Criou-me Portugal na verde e cara
Pátria minha Alenquer; mas, ar corruto,
Que neste meu terreno vaso tinha,

Me fez manjar de peixes em ti, bruto
Mar, que bates na Abássia fera e avara,
Tão longe da ditosa pátria minha!

---

Na mundu anus poku, y kansadu,
n vive, na mizéria más porka y duru:
lus di dia ton sedu bira-m sukuru,
ki n ka odja vinti y sinku anu fitxadu.

N kore teras ku mar ka li sin au ladu,
ta buska pa bida algun ramedi o kura;
mas, akilu ki, enfin, ka kre ventura,
ka ta konsigi-l trabadju ariskadu.

Kria-m portugal na nha berdi y amadu
pátria di meu, alenker; mas, ar molestu,
ki n tenba nes korpu ki ka ta ba pa séu,

fase-m kumida di pexi na bo, matxikadu
mar, ki bu ta sota na abásia txipi sen prestu,
ton lonji di kel ditozu pátria di meu!

Publicado por José Mário Silva às outubro 18, 2005 10:02 PM

Comentários

adorei. :-)

Publicado por: abrunho em outubro 19, 2005 07:10 PM