« CRÓNICA DE UMA VITÓRIA ANUNCIADA | Entrada | OS VENCEDORES »

outubro 09, 2005

BALANÇO PROVISÓRIO

Factos são factos:

- O PS perdeu as eleições porque não recuperou nenhuma das autarquias-chave (Lisboa, Porto, Sintra, Coimbra) que lhe fugiram na débacle de 2001. A reconquista de Faro é um magro consolo, até porque Santarém e Aveiro também passaram para o PSD. No entanto, parecem-me algo exagerados os epítetos que as televisões e os comentadores do costume atribuem a esta derrota: "histórica", "esmagadora", etc. Esperemos pelos resultados finais para termos uma imagem mais precisa da extensão dos danos.

- O PSD vence as eleições porque tem o maior número de câmaras, o maior número de mandatos e conserva as principais autarquias do país. No entanto, parece-me que o número de votos a nível nacional (mesmo contando com os resultados das coligações) não será muito superior ao obtido pelo PS. Nesta altura do ciclo político, em eleições que também servem para castigar o Governo e numa altura em que se multiplicam as resistências às reformas de Sócrates, seria de esperar um "voto de protesto" muito mais expressivo. Se os resultados se confirmarem, o PS obterá cerca de 36% de votos. Lembrem-se dos 27% conseguidos por Durão Barroso nas Europeias... A vitória de Marques Mendes é inequívoca mas magra, sobretudo se tivermos em conta que as suas apostas pessoais (Teresa Zambujo, sobretudo) perderam no confronto directo com os candidatos proscritos.

- A CDU recupera câmaras no distrito de Setúbal e Beja (os antigos redutos que tinham ficado enfraquecidos há quatro anos), volta a ganhar a Marinha Grande e "estreia-se" em Peniche, com um score nacional acima dos 10%. Um belíssimo resultado.

- O Bloco melhora a sua implantação local e mantém Salvaterra de Magos, mas fica bastante aquém das expectativas. A eleição de Sá Fernandes como vereador em Lisboa não apaga o falhanço de João Teixeira Lopes no Porto.

- Os verdadeiros vencedores da noite foram os candidatos independentes de veia populista e a contas com a justiça (Fátima Felgueiras, Valentim Loureiro e Isaltino Morais). E é isto que nos deve preocupar.

Publicado por José Mário Silva às outubro 9, 2005 11:48 PM

Comentários