« CAGARÉUS INGRATOS | Entrada | OUTRAS IMPRESSÕES - O PS »

outubro 11, 2005

UM MAL NUNCA VEM SÓ

Para compor o ramalhete, Angela Merkel foi confirmada como chanceler da Alemanha. Temos uma doutorada em Física a tentar ser a nova "dama de ferro" da Europa, depois da (também formada em Física) Margaret Thatcher. Será para isto que estão destinadas as físicas que se metem na política? Talvez seja também por serem mulheres, pois noutros quadrantes políticos temos os também físicos Javier Solana e Oskar Lafontaine.
Sobre a Alemanha propriamente dita: na impossibilidade de se formar uma coligação alargada de esquerda - o que seria o governo natural, dada esta composição do parlamento -, o partido social-democrata deveria ter recusado a "grande coligação" e obrigar a CDU a governar em minoria, nem que tal implicasse a convocação em breve de novas eleições clarificadoras. O SPD e a CDU defendem pontos de vista totalmente incompatíveis em assuntos como o papel do Estado na economia e na sociedade e em questões de política externa. Espero que o SPD não faça concessões em nenhum destes assuntos mas, até por isso, o governo que se vai formar parece-me inviável e contra-natura.

Publicado por Filipe Moura às outubro 11, 2005 10:38 AM

Comentários

Agora virámos parlamentaristas? Filipe, olha que o governo de Santana Lopes tinha maioria absoluta no Parlamento e não li nada teu a favor do respeito da vontade do Parlamento.

Publicado por: André em outubro 11, 2005 11:04 AM

Andre, o SPD, os Verdes e o PDS apresentariam, no governo, o mesmo programa eleitoral e os mesmos lideres que foram eleitos, bem entendido... Se houvesse algum impedimento do primeiro ministro a solucao a encontrar seria de continuidade dentro do proprio governo e nao ao sabor das conveniencias do partido maioritario, compreendido?

Publicado por: Filipe Moura em outubro 11, 2005 11:22 AM

veja em :

www.beijamemuito.blogspot.com

Publicado por: andrebonito em outubro 11, 2005 12:47 PM

E, de facto, uma tragedia. Esperemos que os alemaes percebam a tempo o que ela tem para lhes oferecer. Em todo o caso os alemaes nao sao como os ingleses e os italianos, e eu admirava-me se ela alinhasse aqui com este gremlin que agora esta na Casa Branca.

Publicado por: Filipe Castro em outubro 11, 2005 01:12 PM

Filipe, em relação à CDU governar sem maioria no parlamento, isso não funciona na Alemanha. O sistema alemão, em que existe o Bundestag (parlamento eleito nas últimas eleições) e o Bundesrat (parlamento onde têm assento os Länder e que funciona como câmara alta), acaba por impedir isso.

Um governo necessita de força no Bundestag para poder funcionar e para poder impor medidas ao Bundestag, porque este pode mudar de um momento para o outro (o Schröder teve de governar com um Bundesrat cada vez mais adverso). Por isso mesmo os partidos mais votados tentam sempre criar um governo de coligação maioritário.

O que se poderia criticar é a decisão de não se coligarem com o Partido de Esquerda, do Lafontaine e do Gysi. Ainda assim é uma decisão compreensível. A ida do Lafontaine do SPD para o lado do Gysi teve a ver com discordâncias na política económica de Schröder. Como tal não seria aceitável unirem-se.

Quanto à Merkel, vamos a ver. A coligação dá uma força muito grande ao SPD e ali não entrou FDP. Não esqueçamos que a CDU, com Kohl, foi mais socialista que muitos partidos europeus que são membros da Internacional Socialista, por isso mais vale esperar para ver. A Alemanha tem uma grande tradição do estado social, a ver vamos no que é que isto vai dar.

Publicado por: João André em outubro 11, 2005 03:34 PM

Posso estar enganado, mas a Thatcher nao era formada em Quimica?

Publicado por: JB em outubro 11, 2005 03:40 PM

Nao JB, nao estás enganado.

E se isso fosse o mínimo deste post... parece que alguém não andou a acompanhar a discussão à volta do Hartz IV, mas depois põe-se a postar como se fosse senhor da matéria.

Na política externa aceito que hajam divisões irreconciliáveis, mas no resto...

Publicado por: Andrew em outubro 11, 2005 04:22 PM

Joao, eu sei que uma grande coligacao de esquerda era quase impossivel devido aos ex-comunistas e a relacao do Lafontaine com o Schroeder. Olha que os tempos sao outros, nao sao os do Helmut Kohl. A CDU tem um programa totlamente liberal.
JB, creio que era Fisico-Quimicas, e que este detalhe preciso pouca diferenca faz.

Publicado por: Filipe Moura em outubro 11, 2005 04:39 PM

Era mesmo Química (http://www.margaretthatcher.org/essential/biography.asp); mas que diferença fazem os factos a quem tudo julga saber?

Publicado por: José Magalhães em outubro 11, 2005 06:29 PM

Relatório sobre o mistério da água

Que a água é um bem precioso, todos sabemos. Que a água é razão para exaurir o tempo de uma pessoa em busca de respostas fulcrais é o que pretendo relatar. Na cidade dos Cavalos a situação agravou-se a um ponto de ninguém parar de olhar o céu sem um esgar de dúvida na cara. Passou-se nesta cidade de uma intromissão permitida para uma falta inadmissível, num momento havia água, noutro não. A resposta oficial foi a manutenção de níveis minimos ou cortes justificados face aos graves problemas que outras cidades como a do Cavalo enfrentam, portanto accionou-se um racionamento . No entanto a tolice é coisa não exclusiva destes habitantes. A pergunta paira nas mentes de todos. Quem fechou a água e porquê. Penso que a resposta a este enigma centra-se em quatro pessoas eminentes da cidade dos Cavalos. Há uma forte hipótese de Harry, estar a ocultar um projecto ambicioso, o homem passa a vida a falar da teoria das cordas, dos 25 universos, do hidrogénio enquanto energia do devir. Harry, convenhamos nem é habitante da cidade dos Cavalos, uma análise atenta à pronúncia prova que ele vem do norte, o que inclusive levantou uma discussão acessa com Vespa, rapaz que fala à velocidade da luz e defende que o ser humano é um termo sem comparação. Harry não gostou nada disto, insurgiu-se, levantou os braços, pedindo clemência à ignorância, o maior mal dos homens. Mas quem não garante que este altercamento não seja uma estratégia de diversão a fim de afastar os habitantes dos problemas sérios, logo agora que pessoas juraram gotas pingarem do tecto algures no bairro Cortiça? Vespa além de dotes oratórios dança capoeira e tem ligações ao submundo.É precisamente neste ponto que a minha investigação sobre o desaparecimento da água muda de rumo.O espectáculo de natação dos outros dois foi com certeza valioso e promissor de animar a população, todavia, o enigmático Bolinha, deve guardar segredos terríveis sobre a água, senão vejamos: ele é o guardião do templo e tem uma postura sisuda e a cabeleira balançante. Fui esta tarde à procura dele. Primeiro andou no corredor Y depois veio ter comigo à loja das mudanças, se calhar desconfiado dos meus passos. Uma miúda chamou por ele. O Bolinha respondeu assim: "Não te tinha visto!" As minhas investigações continuam. Será que o Bolinha tem alguma coisa a ver com a possível extinção do tanque Delta ? Quem é a amiga? Para quem trabalha? Será que amanhã vai chover? Como se isto não bastasse tive a confirmação horas mais tarde de um encontro entre Bolinha e Celeste, esta queixava-se que lhe doiam as costas, porque esperara longo tempo na paragem inclinada e o autocarro não passava. Fui testemunha com os meus olhos e ouvidos de toda esta cumplicidade:

- olá, o autocarro nunca mais chega, estou mortinha para chegar a casa, nunca mais é sábado.

- não podes ser assim, tens que acreditar. vamos dar as mãos e ser felizes

- não te importas de repetir, não ouvi muito bem por causa do barulho da mota que passou.

- não podes ser assim, tens que acreditar. vamos dar as mãos e ser felizes.

- estou a morrer de sede. queria tanto um copo de água.- disse isto a bater os lábios rapidamente uns contra os outros como se provasse açúcar pela primeira vez, a paparicar saliva.

Bolinha sorriu e desviou o rosto, despediu-se com um boa tarde e deu os seus habituais passos vagarosos em direcção a outras paragens. Na minha opinião eles estão todos envolvidos. Harry sabe como pôr um submarino a andar, Vespa sabe para onde quer ir e está prestes a descobrir a ubiquidade. Celeste afasta personagens interessadas em resolver os problemas com as suas delongas. Só me resta portanto concluir que o desaparecimento da água na cidade dos Cavalos foi planeada com antecedêndia, não me restam dúvidas que esta manobra usurpiu indevidamente a alegria que todos carecemos e caiu nas mãos erradas durante dois dias!!!

Publicado por: Paulo Eduardo em outubro 11, 2005 06:45 PM

Eu poderia argumentar - e argumento - que a Quimica e um ramo da Fisica. Espero e que o Joao Andre nao se chateie... :)
De qualquer maneira obrigado ao JB pelo reparo.

Publicado por: Filipe Moura em outubro 11, 2005 06:55 PM

Filipe, é verdade que os tempos são outros, o tom liberal também não foge ao programa do SPD.

Quanto à química e física, eu não me chateio nada. Fui eu que disse uma vez a um chefe que na dúvida sobre se certo tema seria física ou química, que dissesse física que estaria sempre bem.

O que me chateia é mesmo o facto de a Thatcher se ter mudado para este lado. Isso sim, chateia-me, que ficassem os físicos com ela :)

Publicado por: João André em outubro 11, 2005 10:20 PM

Mais importantes e decisivas que as 'diferenças' entre a esquerda e a direita, são as diferenças entre os totalitaristas e os democratas. O SPD pode ser de esquerda, pode adoptar políticas e tácticas que me repugnam e incomodam, mas é, apesar disso, um partido democrático. E forças democráticas só por questões de sobrevivência se aliam a forças totalitárias - só um totalitarista, ou um senil sem cérebro, não entende isto - principalmente na Alemanha.

Já agora a do senil sem cérebro é para Soares...

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 11, 2005 11:30 PM

o teu raciocínio, para ser aplicado não precisaria de viajar até à Alemanha.
o que impediu os "totalitários" do psd e do ps de se unirem contra o isaltino?
não é a senilidade.

Publicado por: tchernignobyl em outubro 12, 2005 07:42 AM

Alguns já devem ter nascido senis... ou baralhados. Totalitarismo e corrupção são coisas bastante diferentes.

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 12, 2005 08:58 AM

bom... democraticidade e corrupção também são coisas diferentes..
o que não impede que corrupção possa coexistir com os dois.
um dos problemas da nossa democracia é que se tem revelado permeável à corrupção, mas não vamos ser ingénuos o suficiente para supor que na alemanha também não existe.
neste caso de oeiras, não sei em que medida a recusa do óbvio, de uma coligação contra algo mais inquietante, entre o ps e o psd com programas autárquicos que em muitos pontos são idênticos não teria feito sentido.
resta ainda uma alternativa... isaltino não teve a maioria absoluta... terá assim de fazer alianças, acordos... vamos ver quem se alia ao isaltino.
por alguns momentos aventou-se a hipótese de o isaltino se aliar ao ps para as autárquicas, não sei se isto não passou de arma de arremesso para queimar o ps, agora vamos ver como é que vai ser... a mim não me admiraria nada que a unidade da grande familia social democrata se reponha muito mais rápido do que seria de suspeitar há uns dias atrás, e as feridas serão sanadas...
mas isto sou eu a falar e eu, já se sabe, sou suspeito.

Publicado por: tchernignobyl em outubro 12, 2005 09:16 AM

Quem queimou o PS em Oeiras, com o seu triunfalismo foi o Jorge Coelho. Afinal para acabar por obter um resultado pindérico: não só ficou atrás do Isaltino, como ficou atrás do PSD.

Quanto às questões levantadas pelos candidatos-bandidos como o demagogo Louçã os apelidou, qualquer solução para evitar as suas candidaturas traria muito mais danos à democracia que vantagens. A começar pela utilização dos tribunais para eliminar concorrentes políticos incómodos. A questão do caciquismo é um dos defeitos da democracia com que teremos que aprender a viver. Os caciques, que, sublinhe-se, existem em todos os partidos, devem ser combatidos, mas não pela alteração das regras de jogo.

Como Churchill sublinhou: a democracia é um sistema mau, mas os outros são ainda piores. É fácil desmascarar os podres que a democracia propicia: alguns comentadores políticos, como Chomsky, Monbiot ou Vidal vivem - e muito confortavelmente - disso.

O problema é que as alternativas já foram experimentadas com resultados desastrosos. Bem podem os defensores de projectos utópicos argumentar que não era aquilo que queriam ou que as coisas não se deveriam ter passado assim. A questão é que as utopias são boas só para tirar umas ideias, não para as tentar colocar em prática.

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 13, 2005 10:32 AM

a proposta do jorge coelho de impedir a candidatura de independentes foi uma idiotice inqualificável que por si só mostra (tal como o cartaz de carrilho propondo video vigilância por todo o lado) como o Partrido Socialista necessita urgentemente de encontrar outros porta vozes e dirigentes.
quanto ao resto, parece-me que já começa a ser lugar comum que a democracia também precisa ou pode conviver com alguma corrupção e algum caciquismo. Uma coisa é saber-se que não se consegue exterminá-los a não ser com custos altissimos e de resultados duvidosos na forma e no conteúdo, outra é não denunciar essas situações e não as combater. tretas sobre a forma como vivem alguns da denuncia das taras da sociedade ocidental são pura demagogia que já não tem sequer grande significado é um argumento gasto e contraditório. Se a democracia em que os cidadãos têem o direito de exercer livremente as suas críticas porque são achincalhados pelos "democratas" aqueles que exercem esse direito?
a este respeito vem também a questão do louçã.
o louçã faz uma crítica correctissima e logo os democratas de gema que detestam a corrupção e a demagogia e puta que pariu, com a treta que também já cheira mal do "demagogo louçã". Ora as pessoas estão no seu direito de não curtir o louçã, o seu programa politico e o seu estilo pessoal.
Não misturem é com a proposta do jorge coelho.
O jorge coelho propos uma solução anti-democrática, que é impedir candidatos independentes dos partidos.
O louçã insurgiu-se legitimamente contra o facto de sujeitos a contas com a justiça se poderem apresentar a eleições, o que nada tem a ver com demagogia, é aliás o que deveria defender qualquer pessoa minimamente séria, ou o Marques Mendes tomou a atitude que tomou apenas por uma questão de umas divergências de carácter político?

Publicado por: tchernignobyl em outubro 13, 2005 07:15 PM