« O QUE NOS ESPERA | Entrada | AUTÁRQUICAS NA BLOGOSFERA »

outubro 10, 2005

AO MENOS QUE SE PENSE UM BOCADO

Enquanto a esquerda lambe as feridas, depois de umas eleições que anunciam um perigoso resvalar para o populismo e perda de contacto dos partidos convencionais com a realidade, vale a pena ler este artigo de João de Almeida Santos, no Diário Económico, sobre temas que também têem sido abordados recentemente por intelectuais conservadores como o historiador John Lukacs em Democracy and Populism.
Esperam-se mais desenvolvimentos e as catilinárias dos nossos leitores .

Publicado por tchernignobyl às outubro 10, 2005 12:40 PM

Comentários

Nã serei eu a lançar a verrina contra alguém... abraço

Publicado por: francisco curate em outubro 10, 2005 01:32 PM

a revista Common Review, da Great Books Foundation, disponivel na Tema contra uns inenarravelmente baratos 5 euros, traz uma excelente critica a esse livro, por um tal de Harvey Kaey, que deve perceber desta merda. Como bónus, depois, na mesma revista, fala-se, parece-me que sempre magnificamente, sobre as cartas de Keats, sobre Oakeshott, sobre eliot e Wast Land, sobre a cabra da camille paglia que parece que falou sobre poesia, sobre porque é que finnegans wake é bom (eu precisava de perceber), sobre a história do fim da novela Western, sobre Foucault que parece que se fartou de falar sobre a revolução iraniana num artigo do relativamente famoso Danny Postel, e ainda não acabei de ler a revistinha.

se já não existir à venda arranjar-se-à maneira de fazer chegar exemplar em estado de leitura ao senhor tcherninononinonobilinoninloli.

abraço
maradona

Publicado por: maradona em outubro 10, 2005 10:31 PM

quando li o livro, que não é de classificação fácil e dá tanta trolha na direita americana como nos "liberals"...
chateou-me um pouco a tendência do sr lukacs para proferir certas afirmações premptórias sem de dignar a qualquer tipo de fundamentação.
"the decline of democracy toward populism may not be inevitable; but it has been inseparable from the decline of authority. ("Authority" derives from "autoritas", that is: authorship, moral, social or legal position, dependent on the ability to speak clearly.) The disappearance of the subtle authority of an upper class is but one example of that. It also involves the decline of authority within families. There are multiple evidences of this, ranging from the cult of youth through the increase of criminality among the young to the puerilism of so many adults. A desire for authority will not vanish among men and women; but it may take unexpected and perhaps even shocking new forms."
chateou-me também a forma seca como despacha a hanna arendt "a muddled and dishonest writer...", exactamente como um tipo que levou uns patins e a coisa nunca foi resolvida.
Na altura pensei que seria tique meu de esquerdófilo psicopata com má vontade anticonservadora, mas eis que tempos depois esbarrei com uma referência ao livro, que achava quase as mesmas coisas do que eu ( e outras mais profundas claro..) se calhar outro esquerdalho.
Seria o tal Harvey? Nada melhor do que procurar a "common" lá na Tema e checkar. Se estiver esgotada voltamos a falar, obrigado e um abraço.

Publicado por: tchernignobyl em outubro 10, 2005 11:38 PM

já comprei a revista logo de manhã, acho que era a última.
comecei a ler a história do foucault e assustei-me um bocado, confesso... ignorava por completo o episódio.
numa primeira leitura misturada com um galão, parece-me que a análise ao democracy and populism é um bocado banal.
o livro tem muito mais que se lhe diga.
como nota marginal, notei que o pessimismo de muitas das "sentenças" do livro, retiradas do contexto e servidas a seco, são partilhadas por muita gente do espectro político oposto (a esquerda)- a história da selvejaria... muitas das críticas ao bush/iraque...
Nalguns casos porque o pessoal chega a uma certa idade..., daí talvez o tom peremptório que se nota também em muitas das observações do pulido.
adorei que ele prefira a autodefinição de "reaccionário" à de "conservador", tem outra seriedade, panache e coerência e remete para um portento que me é particularmente caro como o "essai sur la pensée reactionaire" do Cioran sobre o Maistre.
(penso que existe editado em português como "tratado sobre o pensamento reaccionário", uma remniscência de um período em que o nome de cioran não me dizia nada porque ainda não tinha aparecido a fabulosa "el paseante", mas estou farto de procurar e nunca encontrei.)
thanks again

Publicado por: tchernignobyl em outubro 11, 2005 10:28 AM