« COELHOS SUICIDAS EM VERSÃO SPIELBERG ULTRA-RÁPIDA | Entrada | SINOPSE DO DEBATE DE ONTEM À NOITE, NA RTP »

outubro 07, 2005

IDÉEFIX

Nos dias que correm, não se pode enunciar a palavra "direita" que não ocorra logo uma pequena hemoptise de protestos e provocações pueris.
É "redutor" dizem uns, mais versados nas equações de Bernouilli e práticos nos problemas das canalizações do que propriamente interessados em política, quando simultaneamente dão a cada passo de barato quaisquer gargarejos acompanhados com glosas sobre a Bielorrússia à mistura, vindos dos blogs e cronistas direitistas, acerca "da esquerda".
Na realidade esta classificação é evidentemente redutora..., sabemos que existem muitas sensibilidades à direita e à esquerda do espectro político.
Mas quando se fala de direita de forma um tanto simplista, evitando detalhar que este é liberal, aquele neocon, aqueloutro meramente "con" e o outro personalista humanista, no contexto das eleições presidenciais, há que ter em conta o seguinte:
Recentemente tornou-se motivo de gáudio entre um "vasto leque" de cronistas e bloggers, a "confusão" manifesta à esquerda com o problema do candidato presidencial, das tristes figuras que foram feitas por candidatos e o primeiro-ministro, os amuos e desconsiderações entre gente que se suporia mais fraterna.
Em oposição a esta balbúrdia que precede as grandes derrocadas, prefigura-se no horizonte a força tranquila do homem que se pressupõe irá tirar à esquerda, finalmente, o monopólio da ocupação da Presidência da República, apesar de ser regra que todos os presidentes, logo que eleitos à pala do apoio da esquerdalhada, se apressem a alijar esse fardo, preferindo ser "Presidentes de todos os Portugueses".
Como seria de esperar, e contrariando a "ausência de ideias" à esquerda, o tal semi-candidato Cavaco é de antemão elogiado por variadíssimos quadrantes e isento da crítica da falta de ideias quando precisamente o que parece ser a sua vantagem competitiva é não ter ainda aberto a boca para nos revelar uma dica sobre o seu programa eleitoral.
É assim um saco sem fundo onde se vão amontoando as expectativas de muitos carentes, e a "ausência de ideias" é substituída com vantagem por "ideia nenhuma".
Vale a pena enumerar a riqueza e subtileza das diferentes perspectivas que reclamam Cavaco como seu candidato:
Cavaco é adulado pela direita que se reviu no governo Durão Barroso e Paulo Portas.
É adulado pela direita, a quem a crítica feroz à "fuga" de Guterres não impediu (ora se haveria!) de aprovar a partida de Durão para Bruxelas e a chegada de Lopes a primeiro-ministro mantendo a coligação com Portas.
É adorado por aqueles à direita que torceram o nariz quer a Lopes, a Portas ou ao tandem Lopes/Portas, em todas as suas variantes.
É venerado ainda por aqueles que ovacionaram Santana em delírio unânime e ceausesquiano no Congresso em que se legitimou a sua ascensão a primeiro-ministro e será unanimemente apoiado por todos os que defenderam a sua expulsão do PSD quando contribuiu para assassinar politicamente o ex-primeiro-ministro, e ainda por todos os que berraram (e gemem ainda) "Aqui d'el rei olha o golpe de estado constitucional", quando o Presidente da República calçou finalmente os patins ao malogrado Lopes, perante o alívio da generalidade do povo e até de muitos notáveis do PSD.
Cavaco será ainda, ao que parece, apoiado por todos os circunspectos apoiantes do PP que elegeram como secretário-geral um candidato que apareceu no congresso por acaso, numa reviravolta inaudita que foi também uma brutal bofetada na dignidade de um dos homens que mais tinha dado a cara a defender as posições do partido na anterior legislatura, apoiado entusiástica e unanimemente até poucas horas antes.
Será ainda o candidato de um PSD renovado saído de um congresso em que todos os que tinham alcandorado Lopes aos píncaros havia pouco tempo, se desfizeram dele como de um traste velho, descobrindo-lhe o deslize foleiro para o populismo apenas porque foi violentamente castigado pelo eleitorado.
Marginalmente, acrescente-se que Cavaco parece ser, segundo as sondagens, preferido também por bastos eleitores "de esquerda", mas isso nada traz de novo, apenas acrescenta à "confusão" que nessa casa se vive, detalhadamente dissecada aliás por manadas de analistas independentes dos mais variados partidos de direita.
Eis assim o panorama que nos oferece: nas direitas, têm-se registado, num curto prazo de tempo, voltas e reviravoltas, muitas "unanimidades" de uns dias, sensibilidades, diferenças, crises, zangas e birras, mas todas convergem em Cavaco. Porquê? Porque para além de todas as diferenças de ideias superficiais, eles partilham todos da mesma ideia fixa:
O Poder.
Nisso, podemos dar as voltas que quisermos, reduzir mais, reduzir menos, mas são todos iguais.

Publicado por tchernignobyl às outubro 7, 2005 02:04 AM

Comentários

Ó Tchern, tu não me interpretes mal, que eu até acho que tu escreves uns posts e uns comentários porreiros, mas é que eu estou de facto preocupado com o teu fígado.

Tu antes de postar pensa no PCUS. Vê bem um bom pai comunista no primeiro dia de vida inscreve o filho no Benfica lá do sítio (desculpa lá Zé Mário mas a cor do sporting é verde), no segundo dia inscreve o filho no PCUS e finalmente no terceiro dia inscreve o filho no registro civil.

Qual é o resultado disto? É tipo os gajos a tomarem sais de frutos em quantidades brutais e terem ido direitinhos a votar no Soares no passado, e estarem já mentalizados para o fazerem uma segunda vez. Repara, isto não é um feito pequeno, e tu sabes, porque conheces a história dessa entidade bizantina que é a esquerda portuguesa. Isto é estilo tu e eu virmos para aqui voluntariamente (what ever that means) dizer que aquela treta da perestroika foi uma desgraça porque estava tudo muito bem antes com os Gulags sempre a bombar.

Queres mais? Olha o Gerónimoooooo candidato presidencial a fazer uma campanha autárquica estilo legislativas. É que eles matam três coelhos de uma cajadada só, é o velho sonho da esquerda: um primeiro-ministro, uma maioria e um presidente. E ele ainda consegue isto tudo fechado a casa a sete chaves, para não atrair a comunicação social e depois poder vir dizer ao telejornal das oito nos três canais ao mesmo tempo que ninguém lhe liga nenhuma.

Mas voltando à vaca fria do teu post: as presidenciais. Olha o Filipe Moura está farto de postar sobre o assunto, ele é posts do Tabucchi ele é posts do PULI VA, para não me alongar. Ele para mim nem precisa de postar nada, se o Mário Soares não mandar nenhuma bordoada de maior no dossier orçamento, eu voto nele na primeira e na segunda volta. Sempre fui um Soarista!

Mas é o que eu te digo o Filipe Moura é um gajo estranho pá, ele devia aprender com o PCUS, mas não. (Eu sei bem do que estou a falar, mas não me quero estender.) Tipo ele disse anteriormente numa caixa de comentários que era contra a OTA que preferia que se fizesse um aeroporto para as companhias low cost. Está errado. Três erros graves de uma vez só! Primeiro, está a democratizar o acesso ao transporte por avião (e isso é terrível porque a malta quando não vota na urna vota com os pés). Está a descapitalizar uma empresa pública - a TAP - que como qualquer empresa pública que se prese caracteriza-se por um profundo respeito pelos seus utentes, desde logo no cumprimento escrupuloso dos horários. E finalmente está a contribuir para a redução do défice (e isso é o mais grave).

Era isso e era a mudança de mentalidades, que se consubstanciaria no facto de os directores dos clubes de futebol deixarem de achar tão natural serem indiciados por terem um saco azul como acharem uma velha nota de cinco contos perdida na rua. (Reparem que disse indiciados, não estou sequer a pôr em causa a presunção de inocência de ninguém.) Mas isso só lá vai mesmo com o tal garrafão de cinco litros de aguardente que tu aí tens reservado para nós os três.

Publicado por: Luís Oliveira em outubro 7, 2005 04:18 AM

Isto cheira é a dor de cotovelo !

Com 6x1 contra o Cavaco e ainda estão à rasca, porque o homem ainda vai limpar aquilo na primeira volta.

Em vez de post estúpidos que apenas reflectem a vossa inteligência, deviam é aprender com as forças de direita !!

Acham que se houvesse uma coligação de esquerda, as principais câmaras do pais ficavam na mão dos PSD/e ou/CDS-PP, tão é malucos !!

Até mesmo nas presidências, um candidato unanime podia ter uma palavra a dizer contra o Cavaco.

Mas, não esta esquerda saloia prefere combater entre si, disputar o eleitorado, marcar as diferenças,..

E as forças reaccionárias de direita cujo o objectivo é destruir o estado social, fazer o ajuste de contas com o 25 de Abril e empalar o que resta dos capitães de Abril, ... agradece !!!


P.S.
Sim, empalar, estamos em contenção de custos :)

Publicado por: Mr X em outubro 7, 2005 08:17 AM

Luis, o que eu assinalo aqui não é que os eleitores de esquerda engulam sapos para votar num candidato. SE quiserem ganhar quaisquer eleições que sejam têem de engolir inevitavelmente alguns. Mas que isso seja claro e o resultado de um processo de discussão.
Não é esta unanimidade à priori em torno de alguém que ninguém sabe exactamente o que vai fazer.


mr x, à esquerda existe muita venalidade, corrupção, muito vendedor de promessas e banha da cobra, mas à esquerda ainda se discute, existe um certo ambiente de "confusão democrática", que incomoda a manada que apesar dos protestos de liberalidade nunca desdenha de um bom pastor, não é a unanimidade a qualquer preço desde que cheire a tacho.

Publicado por: tchernignobyl em outubro 7, 2005 08:55 AM

Escreve o camarada, "em tom de grande descoberta" que a direita o que quer é o poder.
Então e a esquerda? A esquerda como todos sabemos não quer o poder pelo poder. Quer o poder para fazer o bem, para ajudar quem mais necessita, etc. É só ver o governo do camarada engº Sousa e podemos verificar o bem conhecido altruísmo da esquerda portuguesa que dá pelo nome de “jobs for the boys”.

Publicado por: fidel em outubro 7, 2005 09:09 AM

Caro Tcher,

O texto está muito confuso e peço desculpa por qualquer erro de interpretação. O que me parece da leitura é que estás a aplicar um modelo pré-formatado de discussão (esquerda/direita) às presidenciais que não está a encaixar: programa eleitoral? ideias? poder? - estamos a falar da eleição do Presidente da Républica!

É pena também que o texto não deixe espaço a qualquer discussão porque é impossivel discutir com quem termina com: "são todos iguais": as direitas porque são unânimes e as esquerdas confusas por que são desunidas (mas só as que votam à direita!).

Triste pensamento este em que a democracia termina no PS e que presumo tem saudades quando tudo se resolvia com uma bela "purga".

Publicado por: Daniel Marques em outubro 7, 2005 09:46 AM

É necessário partir de alguns pressupostos e simplificações para caracterizar os regimes de escoamento, é também necessário utilizar alguns conceitos para definir esquerda e direita, por muito que isso não agrade à direita a divisão existe. O regeme estacionário tambám não deve gostar de admitir que o regime turbulento existe. Eu cá prefiro a turbulência.

Publicado por: JCV em outubro 7, 2005 09:51 AM

Porque será que é sempre a Direita que gosta de dizer que já não há Direita e Esquerda? Será que isso esconde o facto que na realidade a rapaziada de Direita ainda tem medo ou vergonha de se assumir? Complexo de culpa, decerto que não? Saiam do armário! "Assomam-se"!

Publicado por: JB em outubro 7, 2005 09:56 AM

1 - O Sampaio quer que os ricos provem a origem das suas contas. 2 - O gajo vai lixar os amigos.

3 - Os amigos? 4 - Os Só-Ares vão ter que provar que o que o Mateus escreveu é mentira!

Publicado por: Rui Pinhão em outubro 7, 2005 10:17 AM

Rafael Marques, espero não estar a interpretar-te mal mas de que se tratará então a eleição para Presidente da República senão de programa eleitoral, baseado em ideias com o objectivo de aceder ao Poder (a "um" poder pelo menos...)?
SE tiveres dúvidas e este respeito aconselho-te a leitura do texto do rui ramos que referi no post "sabes muito", pelo menos no que diz respeito à questão do poder..., já não digo das outras, que pelos vistos são secundárias.
quando dizes "é impossível discutir com quem diz "são todos iguais"..."" fazes mal em não citar o resto da frase. É, como muitas vezes infelizmente, apenas uma questão de leitura e de se tirarem conclusões apressadas que se conformem com o que queremos ler, porque é mais cómodo de comentar.
O que lá está dito com toda a clareza e vem na sequência do texto, que nesse aspecto não me parece que esteja tão confuso como dizes, é que são todos iguais apesar das diferenças epidérmicas, relativamente à questão de quererem o Poder a qualquer preço, o que leva os personagens com as ideias mais contraditórias a anunciarem de antemão o seu apoio a um candidato que ainda não falou claramente sobre a questão.
Com o risco até para muitos deles de se virem a dar mal, basta lembrarmo-nos do caso 2.º mandato do Eanes, só para referir um barrete enfiado pela direita até ao pescoço.
A ideia que aqui exponho, será como todas, discutível, desde que se queira efectivamente discuti-la e não ficar pela rama do assunto com
as referências fáceis à "pré-formatação" e ao putativo reducionismo do "são todos iguais".

Publicado por: tchernignobyl em outubro 7, 2005 11:03 AM

São todos iguais é uma frase que me irrita, porque uns são muito piores que outros!

Publicado por: m em outubro 7, 2005 11:03 AM

quanto ao sr rui pinhão, faz bem em fazer comentários personalizados e deixar a brigada bigornas de lado que não o leva a lado nenhum

Publicado por: tchernignobyl em outubro 7, 2005 11:06 AM

à esquerda existe muita venalidade, corrupção, muito vendedor de promessas e banha da cobra, mas à esquerda ainda se discute

Discute-se, desde que não se contradiga os santos dogmas: direita=fascismo (ou pior), esquerda=modernidade (ou progressismo) e por aí fora. Discussões em que temos camaradas a dar palmadinhas nas costas uns dos outros enquanto concordam alegremente. Se isso é discussão vou ali já venho!

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 7, 2005 12:24 PM

"...são todos iguais.." Quem? A direita? Meu caro senhor, está muitíssimo enganado.

Publicado por: asd em outubro 7, 2005 12:45 PM

Caro Tcher,

O meu nome é Daniel não é Rafael (leituras apressadas é o que dá).

Quanto a retirar frases do contexto é um pouco riduculo esse teu "amuo" visto que o teu texto está aí atrás para quem quiser ler. Pressuponho que não estou a escrever para atrasados mentais.

O texto está confuso, as ideias são confusas e
agora na tua resposta ainda por cima te contradizes. Circulas e circulas e não esclareces nada. Se queres mesmo iniciar um debate responde lá a estas questões:

1. Que "poder" é que estas pessoas vão aceder com o Cavaco a presidente?
2. Um presidente da Républica precisa de um "programa"? Não deverá ser analisado pela sua personalidade e pela capacidade demonstrada para ser o "garante da nação"?
3. Que novo poderá anunciar Cavaco para que a direita mude a opinião acerca dele? Que "ideias novas" poderá estar ele a engendrar? Será Cavaco um novo Freitas do Amaral? Será que vai passar a defender a revolução do proletariado?
4. Diferentes prespectivas apoiam Cavaco. E os outros candidatos? Terão hipoteses de serem eleitos sem o apoio de toda a esquerda? Soares rejeitará o apoio do PC numa segunda volta? E se não, fará isso pelo poder? E se sim será que é a direita que é igual ou seremos, direita e esquerda, todos iguais?

Obrigado,
DANIEL

Publicado por: Daniel Marques em outubro 7, 2005 01:55 PM

O que é triste é ver a "esquerda", sempre tão perdida, a bater com a cabeça uma vez e outra nas mesmas velhas e bolorentas questões.

Publicado por: virtuoso em outubro 7, 2005 02:44 PM

alguém sabe se o camarada xico já está à caça do mais recente politico bandido cá do burgo ?

Publicado por: fidel em outubro 7, 2005 03:17 PM

Deve ser lá para os lados de Salvaterra, ó Fidel...

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 7, 2005 05:24 PM

1 - Quanto a "programa", só tenho ouvido os candidatos de Esquerda dizer que o principal objectivo é derrotar Cavaco e a Direita. Nisso são todos iguais.

2 - Quanto ao Poder como ideia fixa, acho que devias escrever uma posta sobre os Socialistas. Neste momento tomam a maioria dos cargos de Poder. Há um padrão nas demissões e nomeações. E como não podem tomar de assalto as Autarquias, fazem o discurso das vantagens da sintonia entre uma Câmara e o Governo.

É claro que na Direita também não há santos...

Tchern, tu até costumas escrever uns posts bem lúcidos mas hoje revelaste um "clubismo" perverso.

Publicado por: Nuno Morais em outubro 7, 2005 05:32 PM

Silly Season

Avelino já tem dentes do siso
Concorre com os “Malucos do riso”
E quando não vai ao bordel
Fica a ler Maquiavel
Ainda quer roubar mais vezes
Nada resta no Marco de Canavezes
O "people" de Felgueiras "axa cool"
A doutora Fátima e o saco azul
“Ela vai à bola todas as semanas
E no final paga o fino e as bifanas”
Ò Fatinha fazias cá uma falta
Nada como uma ladra pra animar a malta
Valentim é o maior do campeões
Oferece varinhas-mágicas e televisões
Festa e sardinhada na avenida
E que se lixe a câmara falida
Que o major está bem de vida
O Isaltino é um queridinho
Guarda o dinheiro do sobrinho
E ao Domingo vai à missa
Rezar pelas contas da Suíça
E se a eleição der para o torto
Compra um táxi e rouba no aeroporto
Ò ladrõezecos deixem-se de modas
O vosso problema é falta de fodas

Publicado por: Silly Season em outubro 7, 2005 05:46 PM

O Silly Season esquece-se da defensora do proletariado de Salvaterra de Magos, que também está a ser investigada pela Judiciária...

Publicado por: Pedro Oliveira em outubro 7, 2005 06:23 PM

Eu acho que o fascinio que Cavaco Silva ainda exerce nas pessoas é (ou pelo menos esta associado a) uma imagem de seriedade.

Ha muito poucos politicos com coluna vertebral e Cavaco tem uma. Toda a gente reconhece que ele é um neo-liberal que "nao le jornais", um conservador, um contador de feijoes, que se esta nas tintas para o mundo em que vive de uma maneira geral, e para o ambiente e para a cultura em especial.

Mas nos todos ja sabemos que Mario Soares - culto, democrata, etc. - nunca foi capaz de reprimir a corrupcao e o nepotismo no PS, e hoje o PS é o nosso Pinhal da Azambuja (e as trafulhices do Jorge Coelho fariam corar o Ze do Telhado!).

Eu nunca votaria no Cavaco. Mas nao vou votar na familia do Mario Soares.

Publicado por: Filipe Castro em outubro 9, 2005 04:00 PM