« O CARTAZ POLÍTICO É UMA ARMA (QUE SE AUTO-DESTRÓI) | Entrada | E=mc? »

setembro 28, 2005

NEW SKIN FOR THE OLD CEREMONY

O Pedro Mexia tem um novo Estado Civil. E não é esse.

Publicado por José Mário Silva às setembro 28, 2005 01:13 AM

Comentários

Off-topic:


Este assunto está ser ignorado pelos Media. É no mínimo estranho tal silêncio quando olhamos para os números envolvidos. Sabemos que a "Compal se encontra à venda" e sabemos que em Agosto de 2003 "auferiu um subsídio de 6,8 milhões de euros e um valor de sete milhões de euros em benefícios fiscais em sede de IRC".




Ninguém acha isso estranho, ainda mais quando o seu presidente era um destacado membro do Governo da altura?! Existirá devolução das verbas?

Publicado por: Explícito em setembro 28, 2005 12:47 PM

esse é um assunto importante sem dúvida. porque será que os jornais se preocupam apenas com a "reforma milionária" do santana lopes?

Publicado por: tchernignobyl em setembro 28, 2005 01:27 PM

Outra Forma de vender o Corpo


ESTÁ EXPLICADO COMO O CARRILHO FICOU COM A BÁRBARA GUIMARÃES, ou melhor, como é que ela se atracou a ele...Barbara Guimarães recebeu ate Outubro de 2001, durante todos os meses,5.000 euros do Ministério da Cultura para realizar um curto programa diáriona RDP-Antena 1.Ao todo foram 60.000 euros recebidos em 2000 e cerca de 4500 a 5000 euros por mês em 2001. Ou seja, o Estado português gastou com Barbara Guimarães um total de110.000 euros. Tudo graças a amizade então existente entre o ministro da Cultura e aconhecida estrela de televisão.Manuel Maria Carrilho subsidiou o programa, um pequeno magazine cultural de cinco minutos transmitido de segunda a sexta-feira na RDP- Antena 1.Os 5.000 euros mensais atribuídos por Manuel Maria Carrilho a BarbaraGuimarães foram pagos através do Fundo de Fomento Cultural, entidadetutelada pelo Ministério da Cultura e presidida pela actual secretaria-geraldo ministério, Helena Pinheiro Azevedo.Este deve ser o dinheiro que um contribuinte médio faz de descontos UMAVIDA INTEIRA, sem poder fugir !!!

Publicado por: Rui Pinhão em setembro 28, 2005 05:50 PM

que pachorra... até que talvez seja possível de provar uma coisa dessas mas o que se pode esperar de um "hoax" que anda por aí a circular pela internet?
tem todos os ingredientes...
a "gaja" a sacar dinheiro ao "contribuinte" coitado essa figura estóica de fato amarrotado que todo o tuga que se preze gosta de encarnar pelo menos uma vez na vida, os desenvolvimentos erótico-mexeriqueiros do caso... a hipótese de cumplicidade de uma outra pessoa que para não variar está agora no Governo...
bah! queixa-se o pessoal do caso felgueiras.
eu por mim, lá está, o amigo Pinhão, suficientemente imprudente para assinar uma coisa destas podia bem ir direito ao telejornal, à judiciária, fala ao País homem.

Publicado por: tchernignobyl em setembro 28, 2005 06:18 PM

AS COISAS QUE SE DIZEM...

A 13 de Julho do já saudoso ano de 1996 DC, Almeida Santos dizia: «Conheci Fátima Felgueiras como vereadora. Já na altura tinha reparado que a moldura era pequena demais para o retrato». Este Almeida Santos é realmente assombroso, mais um poucochinho e quase que tinha conseguido adivinhar que era a cela e não a moldura que se acabou por revelar diminuta demais para a senhora. Equivocou-se, mas por muito pouco.

Almeida Santos desenvolveu ainda: «Pensei que [Fátima Felgueiras] havia de ir muito longe. Já é presidente da Câmara. Não ficará decerto por aqui». O dr. Almeida pensou, e pensou muito bem. Não é que mais uma vez acertou e a Fátinha foi mesmo para muito longe – pelo menos até ao Brasil já foi. Agora só permanece a incerteza de saber até onde é que ela ainda vai conseguir ir. Vamos ter de aguardar para ver. Estou ansioso.

João Cravinho em 1997 caracterizou Fátima Felgueiras como «uma magnifica representante dos interesses das populações, pelo menos junto do Governo». Será que continua a conservar esta estima junto do actual governo? Bem, pelo “jeito” como foi recebida em Portugal pode-se presumir legitimamente que ainda é capaz de preservar muita dessa estima e consideração que já possuía em tempos idos.

Ainda em 1997, José Penedos vaticinava: «A presidente Fátima Felgueiras é uma garantia de um futuro de identidade e felicidade para todos». Para todos não digo, mas a julgar pelo acolhimento que lhe foi ofertado no retorno, pelo menos ainda deve continuar a ser garantia de alguma coisa para alguns.

Na mesma senda, em Novembro de 1997, Narciso Miranda dirigia-se publicamente a Fátima Felgueiras com a subsequente prosa: «Minha cara Fátima Felgueiras, tenho a certeza que vais fazer uma campanha aliciante para continuares um trabalho autárquico fulgurante e motivador da sociedade civil em Felgueiras». O problema com que Narciso não contava foi a Fátinha ter sinuosamente desviado algum do “fulgor” da sociedade civil para uns cognominados “sacos azuis”.

Similarmente, Fernando Gomes, em Novembro de 1997 alvitrava: «Fátima Felgueiras é hoje um das mais prestigiadas autarcas do partido socialista (…) facto pelo qual os socialistas nacionais se orgulham». Com este orgulho todo a nível nacional por parte dos socialistas, não me admira nada que José Sócrates ainda lhe amanhe um lugarzinho na Administração da GALP.

Analogamente em Novembro de 1997, Francisco Assis confessava que, «quem a conhecia não tinha dúvidas que ela ia assumir as suas funções com a força e determinação que a caracterizam». Como assumidamente Francisco Assis já a conhecia bem, aparentemente deve ter tido um ligeiro lapsus linguae e em vez de ter verbalizado, “assumir”, ele deveria – com quase toda a certeza – ter pretendido pronunciar, “a sumir”.

Maria de Belém, em Dezembro de 1997 proclamava: «A vossa presidente Fátima Felgueiras, tem uma grande força que permite incutir um grande espírito de dinamismo no conselho». O dinamismo foi tanto que conseguiu mesmo “metamorfosear” Felgueiras e colocar, nos últimos anos, o “seu” Concelho no topo do agenda-setting nacional.

Por fim, (but not the least), não poderiam faltar os sapientes pareceres do sempre interventivo Jorge Coelho, dirigidas à Fátinha de Felgueiras, ainda no decorrer do já mais que relembrado ano de 1997 DC: «É uma força da natureza, à qual qualquer membro deste governo não consegue resistir. (…) É o exemplo do que é a força e determinação do povo português. (…) Cada vez que cá venho [a Felgueiras] levo um suplemento de alma. (…) Sugiro aos velhos do Restelo que passem em Felgueiras para verem o que por cá se faz». Palavras para quê? É um verdadeiro socialista português.

http://geracao-rasca.blogspot.com

Publicado por: André em setembro 29, 2005 10:16 PM