« "SOARES PORQUÊ?" | Entrada | MANIF »

setembro 16, 2005

A ARTE DE DAR TIROS NOS PÉS, POR MANUEL MARIA CARRILHO

Depois de utilizar o seu filho bebé como trunfo eleitoral, recusou-se ontem, no debate da SIC Notícias, a cumprimentar o seu adversário político (Carmona Rodrigues), numa clara manifestação de arrogância. É por coisas destas, mais do que pela qualidade intrínseca dos projectos e propostas, que se perdem eleições.

[Independentemente da grosseria demonstrada por Carrilho, a SIC também não se portou muito bem. O episódio da mão estendida em vão por Carmona passou-se off the record, no ambiente tenso pós-debate, e merecia ser divulgado porque revela o carácter dos candidatos. Mas fazer disso o "caso do dia", a que se deu mais importância do que ao próprio duelo de ideias (ou insultos, como preferirem), prefigura um claríssimo exagero noticioso e um empurrão descarado a uma das candidaturas. Eis a abordagem mediática da política portuguesa no seu pior...]

Publicado por José Mário Silva às setembro 16, 2005 10:26 PM

Comentários

não esquecer que a recusa de aperto de mão, além de off-record, acontece DEPOIS de um acto muito mais pulha e que caracteriza toda a filha-da-putice da direita da parte de Carmona.

Publicado por: jm em setembro 17, 2005 11:08 AM

Exacto.O comentario anterior referiu um detalhe importante.O carmona "sonso" rodrigues estava obviamente a gozar com o Carrilho,e foi pulha.Como resposta eu faria o mesmo.Mas o principal facto é notoriamente a SICN ter feito disto o"caso do dia".
É obvio o apoio dos meios Balsemão(a unica excepção sera a Visão) á direita,mais propriamente á candidatura de Cavaco. E existem obviamente responsaveis editoriais e neste caso refira-se Ricardo Costa.É pura canalhice estar-se a comentar
o estado politico do País e a falta de confiança nos politicos,como fez ontem no"Expresso MeiaNoite"com um ar cândido e seráfico e antes ter permitido a edição de uma peça que de politica não tem nada, favorecendo uma das candidaturas,porque
só mostra e enfatiza a reacção de uma das partes.
Somando a isto escreve um artigo de opiniao no DE em que desanca o governo a proposito do referendo
do aborto.Não seria melhor este senhor olhar para dentro de casa e ver a (des)informação mediocre e o populismo mediatico que produz?
Mas como em Portugal existe uma cobardia social paralisante,as pessoas nunca chamam os bois pelos nomes.Preferem dizer televisões ou televisao em vez de nomear os responsaveis editoriais dos mesmos.Até já assisti a debates onde os mesmos responsaveis se queixam da TV ou da Imprensa(que são eles obviamente).
Aqui a esquerda comporta-se com uma cobardia atroz.A maior parte das vezes "esconde-se" atras de "denuncias" (como é o caso),mas já estamos fartos das "denuncias" de manipulação.O que é necessário é que alguem tenha a coragem para lhes dizer cara a cara e em directo o que eles fazem.
Mas aí é tudo muito mais dificil porque a sociedade portuguesa,e mais especificamente as suas elites tem horror á confrontação.São elites tipo "afiliativo",i.e, teatralizam o confronto mas nos bastidores "esta-se bem".
É assim, amanhã há mais.

Publicado por: antonior em setembro 17, 2005 12:18 PM

é o jornalismo que temos...

Publicado por: riquita em setembro 17, 2005 02:37 PM

É bom não esquecer o GRANDE ORDINÁRIO

Mas o que esperar de um debate, em que o candidato do PSD, não encontrou melhor tema de conversa, que uma retrete...

Carmona parecia estar no seu elemento....caneiros e retretes é com ele...

Publicado por: a.pacheco em setembro 17, 2005 04:26 PM

Lamentáveis todos estes comentários... Entre chamar "pulha" a uma homem sob o véu do anonimato nos meandros de um blog e "grande ordinário" frente a frente vai uma grande diferença. E ignóbil o raciocínio que qualifica as pessoas e seus actos por serem de direita e de esquerda, bem à maneira da velha senhora tão pouco estimada e muito criticada.
Os erros ortográficos vou "vender de barato" mas as críticas ao jornalismo interpelo-vos: ser jornalista afigura-se cada vez mais a ser "treinador de bancada". Todos pensam que são, todos querem ser.
Felizmente, ninguém vos dá ouvidos nem voz nos media... Fiquem por aqui que estão muito bem.

Publicado por: Horas Vagas em setembro 17, 2005 05:07 PM

Sobre o Carrilho e o Carmona já se terá dito tudo o que havia a dizer. Porventura o sumário do JMS acerta no essencial, não vamos confundir o Carmona com o "Santana Flopes". O que falta dizer é que até agora quem fez a melhor campanha foi a Maria José Nogueira Pinto, ela não só fez uma campanha séria como uma campanha próxima dos "valores de esquerda" bebidos nessa outra fonte da democracia cristã é certo.

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 17, 2005 05:20 PM

Interessante foi a SIC NUNCA ter passado a parte escatológica do discurso de Carmona que aborda a importância da casa de banho. Se não existisse a TSF ficaríamos a pensar que Carrilho ainda era mais mimado que aquilo que aparenta... Mas quantas pessoas não ouviram a TSF?

Publicado por: Explícito em setembro 17, 2005 06:16 PM

OH! Horas Vagas,mas eu chamo-lhe pulha directamente.Tem duvidas?
A proposito do anonimato isso vindo de si tem graça.
É mais uma anonima defensora corporativa do(mau) jornalismo?

Publicado por: antonior em setembro 17, 2005 06:51 PM

O mais interessante deste caso é provar que os Avelinos não existem só na "Província" e que na "Capital" a peixeirada entre candidatos também existe. Ao lado de Carmona e Carrilho, o Avelino até passa por bem-educado.

Publicado por: José Manuel em setembro 17, 2005 07:30 PM

O problema do avelino é outro ... mais abaixo.

Já ninguém se lembra dele a justificar a destruição de um estádio porque era dele? Para além de outras coisas ...

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 17, 2005 07:38 PM

Antonio Something,
CONSELHO DE ERRATA:
dúvidas
anónimato
anónima

ACRESCENTO:
O meu anonimato vai onde vossa excelência quiser. Pergunte e eu digo.
Se chama pulha directamente isso é lá consigo. Educação cada um tem a que tem e a mais não é obrigado...
Defensora do bom jornalismo, como pôde comprovar no post do meu blog que tão anonimamente comentou. Tudo o que soa a "corporativismo" causa-me urticária. Mas a sensibilidade da minha pele deve ser bem diferente da sua. Os "treinadores de bancada" têm destes males: o autismo e a presunção e, essa, cada um toma a que quer.

Publicado por: Horas Vagas em setembro 17, 2005 08:19 PM

Quanto ao anonimato,obrigado,mas fico-me pelos conselhos da errata.

Publicado por: antonior em setembro 17, 2005 08:45 PM

Horas vagas percebo que lhe cause urticária, ver que ainda há alguem neste país que não endeusa ,os Cavacos-Banif nem os Carmonas-retretes.

Sei que Morais Sarmento e Marques Mendes, se pudessem, tambem controlavam este meio de comunicação, como já o fazem, há maioria da imprensa e das televisões.

Portugal é nestes aspecto em termos de Europa, o país com menos pluralismo na informação.

Estranho é o PS se conformar com esta situação.

Salvem-se os blogues como o Blogue de Esquerda , que mesmo com Horas Vagas, continuam a ser lufadas de ar fresco.

A propósito não voto Carrilho, voto Sá Fernandes....

Publicado por: a.pacheco em setembro 18, 2005 12:04 AM

Horas vagas percebo que lhe cause urticária, ver que ainda há alguem neste país que não endeusa ,os Cavacos-Banif nem os Carmonas-retretes.

Sei que Morais Sarmento e Marques Mendes, se pudessem, tambem controlavam este meio de comunicação, como já o fazem, há maioria da imprensa e das televisões.

Portugal é nestes aspecto em termos de Europa, o país com menos pluralismo na informação.

Estranho é o PS se conformar com esta situação.

Salvem-se os blogues como o Blogue de Esquerda , que mesmo com Horas Vagas, continuam a ser lufadas de ar fresco.

A propósito não voto Carrilho, voto Sá Fernandes....

Publicado por: a.pacheco em setembro 18, 2005 12:28 AM

O interessante, e a tal prova do "mau jornalismo" é que, para quem não tenha podido seguir o debate, que foi o meu caso, o que sessalta é exactamente isso, um chorrilho de pseudo-anedotas. Os custos das retretes, o não-aperto-de-mão, a má educação dos desabafos de "ordinário", tudo coisitas de somenos e sem importância. Porque o debate era sobre Lisboa, não era? Era sobre o que cada um +ropunha para esta cidade, e não sobre o caracter de cada um dos concorrentes. E sobre Lisboa, a avaliar-se daquilo que a imprensa transmitiu, muito pouco se soube.
O que sinto é que nos estamos a "americanizar" naquilo que ela tem de mal.

Publicado por: LG em setembro 18, 2005 03:26 AM

Há quem ainda pense que na SIC se faz jornalismo? O episódio da exploração do desatino entre Carmona Rodrigues e Carrilho não é mais que o paradigma do que os senhores da SIC acham que deve ser transmitido ao público: espectáculo.

Este jornalismo-espectáculo não é inocente, reduz o debate político a polémicas vazias e ignora ostensivamente a substãncia dos assuntos.
A escolha dos municípios a debater no seu "serviço público" foi um exemplo disso. Se não, qual foi o critério da escolha de Amarante? Pela sua grande importância política? Não, apenas porque havia peixeirada garantida.

A SIC organiza os debates políticos de acordo com um princípio apenas: justificarem o negócio da publicidade. Estou-me a lembrar da "novidade" ridícula do relógio no "debate" entre Sócrates e Santana Lopes, e de como um debate com todos os líderes a minimizou.
Se apenas existisse a SIC, ninguém conheceria as propostas das outras forças políticas nas diversas eleições, apenas os argumentos das eleitas pela SIC com direito à existência. A democracia seria o resultado do espectáculo da SIC.

Voltando atrás, recordo como a SICN fez eco da convocação de uma manifestação racista, noticiando-a diariamente durante uma semana.
Lembro os directos ridículos dessa mesma manif, quando nem conseguiu esclareceu a burrada do "arrastão" em que também colaborou.
E agora a excitação dos últimos dias por uma "manif" promovida pelos mesmos da outra "contra" um programa de merda que a SIC decidiu colocar no ar... Até parece que os do PNR decidiram retribuir a publicidade.

Para acabar, o episódio saloio da implosão dos prédios de Tróia, com direito a prolongado directo após semanas de publicidade ao evento. Tudo sem um único debate sobre o que esconde o empreendimento de Tróia em termos de especulação imobiliária e de agressão ambiental e dos direitos centenários dos setubalenses. A publicidade aos condomínios já lá canta...

A SIC é a campeã do info-entretenimento, um escarro no jornalismo.

Publicado por: CausasPerdidas em setembro 18, 2005 03:42 AM

Substância e não "substãncia", obviamente.
De qualquer forma, a SIC Sucks!

Publicado por: CausasPerdidas em setembro 18, 2005 03:46 AM

Substância e não "substãncia", obviamente.
De qualquer forma, a SIC Sucks!

Publicado por: CausasPerdidas em setembro 18, 2005 03:47 AM

Claro que a questão é mais vasta. Mas ha uma questão que, não sendo essecial, releva do carácter. Há quem ainda acredite no carácter - isto é subjectivo, nos tempos que correm, na política? E Carrilho foi um ordinário - ponto. O resto também se pode discutir, claro - e deve. Mas foi ordinário. E gente ordinária é, antes de mais, ordinária. Acima de tudo, é ordinária. E com gente ordinária - nem nos lavabos.

Publicado por: Onan em setembro 18, 2005 03:58 AM

Carrilho demonstrou pouca inteligência e também desespero pelo facto de ter pensado que a eleição seriam favas contadas e quase de certeza vai que as vai perder. Em relação à sua autoproclamada "sinceridade ao não cumprimentar Carmona para não se revelar hipócrita", vamos ver uma coisa: o Carrilho não é tão "naif" como isto. É muito calculista e já o demonstrou, não nos enganemos em relação a isso.
No fim de contas foi mesmo ordinário e provavelmente perdeu a última réstia de hipóteses de ganhar as eleições. Sublinho que não quero que Carmona ganhe.

Publicado por: Pedro Nogueira em setembro 18, 2005 04:54 AM

Luís Oliveira:

Sabe que os valores da democracia cristã que a Nogueira Pinto defende são, resumidamente: quem quer saúde paga-a; quem quer educação paga-a; quem quer reformas paga-as nas seguradoras ( desconta mais e recebe menos); as escolas não devem ter educação sexual (mas o Estado deve pagar a educação moral que deve ser obrigatória); quem faz abortos vai para a prisão; não há rendimento mínimo para quem não está ainda decrépito; quem estiver desempregado tem que aceitar qualquer trabalho em qualquer ponto do país (senão perde o subsídio); as mulheres devem ter horários como os homens (mesmo nocturnos e por turnos); a idade da reforma deve aumentar para todos; a saúde deve sr só para os pobrezinhos (e de preferência para os pobrezinhos velhinhos, os que estão no fim da vida); os emigrantes não devem ser legalizados; quem quer casa paga-a (sem bonificações especiais mesmo se ganhar pouco); se és toxicodependente vais para a prisão, etc., ec., etc.

Se não quizer chamar a estes valores da democracia cristã, valores da direita não lhe chame, mas nunca lhes chame "valores de esquerda". O PCP rejeita-os. E não acha patético que quem andou toda a vida a defender estes valores neoliberais ande agora a calá-los por puro eleitoralismo?

Publicado por: Margarida em setembro 18, 2005 09:22 AM

Caro Pacheco,
o que me causa urticária são as acusações bacocas e vazias como as suas. Os "jornalistas de sofá", que vivem na teoria da conspiração, a exalar por todos os poros a sabedoria pagã de quem pensa saber tudo sobre todos. Os que "soltam postas de pescada" sobre tudo o que é matéria socio/cultural/economica e política. Que dizem entender os bastidores dos media e nunca puseram o pé numa redacção, não conhecem a máquina, os profissionais e as dificuldades dos mesmos.
Sou jornalista há quase 15 anos e nunca senti na pele a pressão de cor política alguma (e ai se sentisse...) mas já ouvi e senti muito bem o que é a arrogância e má educação de intervenientes políticos, que atravessa a esquerda e a direita. Urticária não me causa o Blog de Esquerda, por quem é!! Este blog é uma das minhas visitas diárias!! Urticária causam-me os autistas demagogos!
Cada um faz o melhor que sabe e pode. Eu fico por lá e você por aqui.

Publicado por: Horas Vagas em setembro 18, 2005 12:25 PM

Queria desde já dizer que discordo da opinião expressa em público sobre o aborto por Maria José Nogueira Pinto. Se a opinião de Maria José nogueira Pinto sobre a educação sexual nas escolas for a que a Margarida expressou (duvido) quero também desde já repudiá-la.

Agora talvez valha a pena lembrar o que a Maria José Nogueira Pinto terá feito na Maternidade Alfredo da Costa e duvido de resto que o Ruben de Carvalho tenha prestado serviços ao público comparáveis a esses.

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 18, 2005 02:23 PM

não esquecer que para a Zézinha, Portugal vai do Minho a Timor.

Publicado por: luis aguilar em setembro 18, 2005 03:25 PM

Mas o que cada um faz na vida profissional é "serviço público" para uns e não para outros? Ou é por no caso da Nogueira Pinto seu um job (uma nomeação governamental) e no caso do Ruben ser um trabalho? Ou para uns os jobs são virtuosos e para outros não?

Já viu nalgum sítio a Nogueira Pinto ter-se oposto às posições da democracia-cristã e do CDS? Ou você com essa de só falar na Nogueira Pinto o que quer é que nos esqueçamos que é uma lista do CDS (e do BE, e do PSD e do PS e da CDU) que concorre em Lisboa?

Publicado por: Margarida em setembro 18, 2005 03:44 PM

Horas Vagas, durante o fascismo muito boa gente tambem dizia que nunca tinha tido problemas, bastava aceitarenm caladinhos tudo o que a ditadura propunha.

Quem lê o DN, o Correio da Manha, o Independente , o Semanário, ouve a antena 1 e a TSF ,e vê os telejornais dos 4 canais, algo reessalta, um apoio descarado ao PSD e ao seu candidato Cavaco, e a tentativa de denegrir a maioria das outras forças politicas.

Se como jornalista não sente essa pressão, ainda bem para si, agora se RECUSA que isso é o que se passa na maioria dos meios de comunicação, digo-lhe com toda a franqueza , È PORQUE È CONIVENTE COM ESSA SITUAÇÂO.

Publicado por: a.pacheco em setembro 18, 2005 04:08 PM

:-)
Tenho de rir...
Vamos ser honestos. Nesse caso, a comunicação social também soube manifestar, de forma subtil, o pouco apoio a Santana Lopes. Não?
Está esquizofrenico. Procure ajuda.

Publicado por: Horas Vagas em setembro 18, 2005 06:08 PM

Isto é jornalismo?
Para juntarmos ás revisstas "rosa", temos agora (ou Há já muito tempo, talvez eu ande distraido), as Tvs rosas.

Publicado por: ferreira em setembro 20, 2005 09:05 AM