« SÍSIFO ALIJA O FARDO | Entrada | CHEZ NUESTROS HERMANOS »

setembro 18, 2005

SOBRE AS ELEIÇÕES ALEMÃS

Tenho lido que as eleições legislativas de hoje marcarão o fim da governação da geração "Maio de 68" na Alemanha. Também já li que, se é possível que o próximo governo alemão seja uma coligação chefiada por uma mulher divorciada e um homossexual, tal muito se deverá às lutas dessa mesma geração. Talvez isso seja verdade mas, pessoalmente, ainda não desisti de continuar a ver na chancelaria um mulherengo e inveterado fumador de charutos. E espero que seja possível o renovado Partido de Esquerda (a quem se deve prestar muita atenção) viabilizar uma maioria de esquerda. Tal parece-me difícil, não só pelos preconceitos e aversão sentidos na Alemanha Ocidental face aos ex-comunistas do Leste mas, principalmente, pela má relação pessoal entre Schroeder e Lafontaine, dada a forma como este último abandonou o governo em 1999. Embora não simpatize com o estilo de Lafontaine, tenho de reconhecer que as críticas mais bem fundamentadas que li à Constituição Europeia (de uma perspectiva federalista) partiram do antigo ministro das finanças.
Se fosse alemão votaria porém, convictamente, no Partido Ecologista de Joschka Fisher.

Publicado por Filipe Moura às setembro 18, 2005 10:13 AM

Comentários

Querido Diário:

Acordei hoje toda arrepiada,
o Carmona quer voltar a debater-se todo comigo,
mas só na condição de eu lhe apresentar o meu programa,
ora,
eu não sou uma moça de programa,
sou falsa,
premeditada,
capaz de tudo,
mas uma "rapariga" com um carácter sádico/colérico,
como o meu,
não programa,
sonha,
impulsiva-se,
vai implodindo e explodindo,
de acordo com as situações,
e a necessidade de semear cadáveres.
A Carrilha sonha,
a facada dá-se,
a ascensão nasce.
.
Querido diário,
eu quero MESMO voltar a ter um debate com aqueles braços fortes de homem camarário,
mas não sei o que lhe vou apresentar como programa...
Talvez improvisando,
dizendo-lhe "chama-me cadela!...",
deixa-me ajoelhar-me aos teus pés e lamber-te as solas,
em directo,
na TVI.
"Queres,
meu macho,
que traga umas cuequinhas de renda e me ponha como uma podenga,
a quatro patas,
em cima da mesa do debate,
e a Man'ela Boca Guedes puxa-me as calças para baixo,
e tu afagas-me as rendinhas,
enquanto eu dou ao tutu?..."
.
Para quê andarmos a enganar mais uma vez o público?
No fundo,
eu sou fiel,
ou infiel,
sempre fui,
podemos discutir o meu túnel de metrossexual,
sei lá,
de quilómetr'óssexual,
tu a passares essa mão robusta pelas minhas zonas verdes todas,
eu serei filosófica,
metafórica,
poética,
uma catedrática da golpada e da pornografia,
todas aquelas pequenas porcarias que tu quiseres e de que os homens todos tanto gostam...
Vamos falar de buracos,
dos buracos de Lisboa e dos meus,
"cada buraco meu será um lugar teu",
eu,
de camisa de noite,
tu a meteres-me a mão em directo nas zonas perigosas todas,
e a sermos vídeo-vigiados,
em pleno coito,
a encher Lisboa com "outdoors" desses,
não vermelhos,
mas todos com fundo cor de rosa,
na foto,
de rolos na cabeça,
eu evitarei olhar os munícipes de frente,
baixarei os olhos como uma mulher modesta e doméstica dos Anos 50.
Falaremos de coligações pós-eleitorais
e do leite das orais,
eu far-te-ei olhinhos de abutra gulosa,
serei a tua escola segura daquelas posições e daqueles pratos todos que tu ainda não sabes,
e,
quando me der a tusa,
entramos num vão de escada,
baixas-me as ceroulas e dás-me ali uma injecção assistida,
comigo aos gritos, como uma vénus vulgar,
vamos ter sexo em todos os sanitários de Lisboa,
meter 20 cêntimos e ficar lá dentro duas horas,
até a porta estoirar e ficar aberta,
com toda a gente a ver,
e a lavagame automática a encher-nos de espuma e água,
e eu a ganir,
como a Carmen Maura,
"rega-me,
rega-me toda!..."
Eu serei a tua central de tratamento de resíduos líquidos,
a ser co-incinerada numa sombra qualquer,
como uma vulgar mulher da vida do Intendente,
e tu acabarás por cair nos meus braços, para todo o sempre,
até sermos decrépitas e velhinhas e andarmos de mão dada e aos linguados,
no banco traseiros dos táxis sociais gratuitos.
Carmona,
meu amor:
quero que me comas toda,
primeiro,
à frente do público,
depois,
só à frente da minha querida Bocarra Guimarães,
para ela aprender o que é ser "m'lher" e satisfazer um homem a sério,
e o Dinis a perguntar,
"-- Ó mãe, ó mãe, o que é que o papá está a fazer com o sr. eng. Carmona?..."
"--Estão a coligar-se, meu amor, vai-te deitar...".
.
Querido diário,
eu quero TANTO voltar a debater-me toda com aquele homem!...
.
Eu preciso tanto de ser eleita com ele,
para,
no final de Novembro,
já estar a abandonar a Câmara para me apresentar às eleições presidenciais,
como candidadata,
uma chancelera portuguesa,
como na Alemanha,
a primeira "m'lher" lusitana a chegar a tão alto cargo.
.
Querido diário:
ajuda-me,
e dá-me ideias, coragem, imaginação
e um programa,
nesta instante de tanta ânsia e prova,
assim como na hora da nossa morte...

Publicado por: Arrebenta em setembro 18, 2005 12:48 PM

Filipe: desculpa usar aqui da tua caixa de comentários para discutir tão vil assunto.

Arrebenta:

"A Carrilha sonha,
a facada dá-se,
a ascensão nasce."

A adaptação da mensagem (essa obra prima do Nazi-Fascismo) está um amor!

Publicado por: D. João e a mascara em setembro 18, 2005 02:07 PM

Estou a acompanhar as eleicoes na Alemanha ao vivo, e decidi dar um salto pelos blogues, a ver o que se dizia em Portugal.

Supreendeu-me ler aqui que a Angela Merkel é divorciada, quando estive há 3 meses numa conferencia onde o marido dela participou (Prof. Sauer de Quimica). Supreendeu-me também ver que Guido (o apelido nem quero escrever) do FDP é homosexual. É tao homosexual quanto o Socrates (tirem dai as conclusoes que quiserem...) ou ainda menos.

No Blasfemias já li que o FDP tinha sido excluido pelos outros dois partidos como parceiro de coligacao, quando na verdade essa foi a posicao sempre oficial deles...

Só tenho pena de ver que coisas como estas hao-de passar outras vezes sobre outras eleicoes, mas nessas outras eu nem vou dar por elas... um bocadinho de correccao e busca antes de se escrever...

Publicado por: André Fernandes em setembro 18, 2005 10:04 PM

Longe de mim defender a Angie (que nem sequer é divorciada), mas que é que tens contra as mulheres divorciadas? Quanto aos mulherengos, tens o Stoiber e o Schröder, ambos com diversos casamentos no CV (um deles com 4 e o outro com 5). Em que é que isso os faz melhores pessoas é que eu não sei.

Publicado por: snowgaze em setembro 19, 2005 09:30 AM

Desculpem, a última referencia ao FDP deve ser substituida por PDS,... já era tarde...

Publicado por: André Fernandes em setembro 19, 2005 09:48 AM

Não me parece que o filipe tenha atacado a Merkel por ser divorciada (que por acaso é - voltou é a casar outra vez e fez muito bem), nem que tenha defendido que quanto mais se casa, melhor pessoa se fica. Leiam o texto na íntegra.

Publicado por: Rec em setembro 19, 2005 09:49 AM

Obrigado, Rec, por ainda teres paciência para ires respondendo a alguns dos nossos leitores, algo que confesso que me vai faltando.

Publicado por: Filipe Moura em setembro 19, 2005 01:13 PM

Há sempre bom remédio: é só fechar as caixas a comentários.

Publicado por: LR em setembro 19, 2005 02:52 PM

Os comentadores e os leitores (conforme lhes queiram chamar) escrevem os comentários que entenderem. E vocês se assim o entenderem têm SEMPRE o direito de apagar comentários.

Sem aquelas choradeiras de que é censura, e coisas do género. Olha, eu já escrevi, alguns que se pudesse quem os apagava era eu ... e mesmo esses eu se calhar percebo que vocês não os apaguem.

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 19, 2005 04:58 PM

concordo com o primeiro parágrafo do luis oliveira. e também acho que o filipe tem todo o direito de não ter pachorra para responder a todos ou a alguns dos comentadores e até de manifestar essa falta de pachorra.
fechar as caixas de comentários é que nunca seria solução para nada.

Publicado por: tchernignobyl em setembro 21, 2005 10:33 AM

Caro tchernignobyl:

Registro com agrado a tua resposta. Registro também com agrado o teu regresso a estas caixas de comentários. Tens seguido a participação do bomba por aqui? No outro dia ele disse ao Palinhos: "Pelo menos ajuda-me a esquecer malta desta que dobra mais a espinha que um contorcionista do circo estatal de Xangai. Deixa-te de gozos, Palinhos. Já estamos com saudades do teu sorriso de esquerda e das polémicas que causas quando te apetece ter uma opinião frontal." Por momentos até pensei que ele também fazia parte do conselho de gerência?

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 21, 2005 04:42 PM

luis oliveira, obrigado pela saudação. não tenho seguido infelizmente os debates mas a vocação do bomba é naturalmente explodir.

Publicado por: tchernignobyl em setembro 21, 2005 10:21 PM

Resta-nos esperar (a bem das audiências) que o continue a fazer em grande estilo.

Publicado por: Luis Oliveira em setembro 21, 2005 11:49 PM

Esse tal Fisher tem sido um dos bons "cavalos de Troia" dos USA (vulgo americanos) na Alemanha...para bom entendedor...claro que eles prefeririam a tal senhora, visto aprosimarem-se "novos combates" e ser a tal senhora directamente controlada pelos think tanks que gerem os destinos dos USA...

Publicado por: A L em setembro 23, 2005 09:17 AM


Os verdes alemães preferidos pelos intelectuais da esquerda modernaça.
Eu prefiro o Honecker.
A única coisa que fez de mal na RDA foi ter importado poucas bananas.

Publicado por: joao bento em setembro 30, 2005 06:29 PM