« A MENTE DO SUICIDA | Entrada | IMAGENS QUE MAGOAM »

setembro 13, 2005

PA PA PA, PA-PAPA, PA-PAPA, PA PA PA, PA-PAPAAAA PA-PAPAAAAA

O mundo entrou em guerra nesse dia trágico, o 11 de Setembro de 2001. O início do terceiro milénio começava assim como uma guerra à escala mundial, sem fronteiras, desconhecida dos estrategos militares e ignorada pelas chancelarias, mergulhadas em teorias convencionais e especializadas na guerra fria e na divisão do mundo entre os EUA e a União Soviética. As batalhas desta guerra mundial são muitas e têm nomes. É a batalha de Nova Iorque, Afeganistão, Bali, Iraque, Jerusalém, Telavive, Madrid, Marrocos, Londres, Istambul, Moscovo e Beslan, entre muitas outras frentes de combate. E as vítimas desta guerra são essencialmente civis inocentes que morrem nos transportes públicos, nos seus locais de trabalho, nas discotecas, nas escolas e nas praias.
Esta guerra do terceiro milénio está a mudar o mundo e as pessoas, a mexer com as economias, as culturas, as religiões, os costumes, os medos e todos os velhos conceitos sobre o homem e os seus direitos adquiridos ao longo de muitas décadas. A vida, na Europa, na América, na Ásia, em África e na Oceânia, alterou-se radicalmente a partir do 11 de Setembro. E as velhas clivagens ideológicas entre as diferentes correntes políticas já passaram ou estão a passar definitivamente à História. Agora, neste mundo em guerra contra o terrorismo e fortemente abalado por uma série de catástrofes naturais terríveis, as divisões entre a esquerda e a direita passam cada vez mais pela forma como se encara e se pretende combater ou não a barbárie que mata e destrói em nome de Alá e do Islão.

António Ribeiro Ferreira mostrando os malefícios de beber mais de dois cafés por dia

Publicado por Jorge Palinhos às setembro 13, 2005 10:22 AM

Comentários

De acordo com a prespectiva.
Na verdade começa a ser difícil encontrar sociedades geridas por políticas de esquerda (socialismo comunismo ...) se não contarmos com Cuba.
Nos restantes países, a fronteira entre ser de esquerda ou direita é uma pequena nuance de estratégia dentro do capitalismo e economia de mercado mundialmente adoptadas e aceites (até na China!).

Publicado por: Carlos em setembro 13, 2005 10:49 AM

Mas aquilo não mudou de donos?
E o Delgado, ainda continua?
Estou a ver que tudo continua na mesma. A destilação do ódio, a falsa moralidade e o estar do lado dos "bons da fita". Enfim, sejamos bons.

Publicado por: sónia em setembro 13, 2005 12:00 PM

Caramba, também eu de repente pensei que António Ribeiro Ferreira fosse um heterónimo do Luis Delgado!

Será que o senhor acredita mesmo no que diz no artigo?...eu creio que não, evidentemente!

Já agora, deixo-vos um interessante artigo sobre o tema. Desculpem-me por estar em castelhano.


Las guerras mienten
Por Eduardo Galeano

–Pero el motivo –indagó el señor Duval. –Un hombre no mata por nada.
–¿El motivo? –contestó Ellery, encogiéndose de hombros. –Usted ya conoce el motivo.
(Ellery Queen, Aventura en la Mansión de las Tinieblas.)

Las guerras dicen que ocurren por nobles razones: la seguridad internacional, la dignidad nacional, la democracia, la libertad, el orden, el mandato de la civilización o la voluntad de Dios.
Ninguna tiene la honestidad de confesar: “Yo mato para robar”.
- - -
No menos de tres millones de civiles murieron en el Congo a lo largo de la guerra de cuatro años que está en suspenso desde fines del 2002.
Murieron por el coltan, pero ni ellos lo sabían. El coltan es un mineral raro, y su raro nombre designa la mezcla de dos raros minerales llamados columbita y tantalita. Poco o nada valía el coltan, hasta que se descubrió que era imprescindible para la fabricación de teléfonos celulares, naves espaciales, computadoras y misiles; y entonces pasó a ser más caro que el oro.
Casi todas las reservas conocidas de coltan están en las arenas del Congo. Hace más de cuarenta años, Patricio Lumumba fue sacrificado en un altar de oro y diamantes. Su país vuelve a matarlo cada día. El Congo, país pobrísimo, es riquísimo en minerales, y ese regalo de la naturaleza se sigue convirtiendo en maldición de la historia.
- - -
Los africanos llaman al petróleo mierda del Diablo.
En 1978, se descubrió petróleo en el sur de Sudán. Siete años después, se sabe que las reservas llegan a más del doble, y la mayor cantidad yace al oeste del país, en la región de Darfur.
Allí ha ocurrido recientemente, y sigue ocurriendo, otra matanza. Muchos campesinos negros, dos millones según algunas estimaciones, han huido o han sucumbido, por bala, cuchillo o hambre, al paso de las milicias árabes que el gobierno respalda con tanques y helicópteros.
Esta guerra se disfraza de conflicto étnico y religioso entre los pastores árabes, islámicos, y los labriegos negros, cristianos y animistas. Pero ocurre que las aldeas incendiadas y los cultivos arrasados estaban donde ahora empiezan a estar las torres petroleras que perforan la tierra.
- - -
La negación de la evidencia, injustamente atribuida a los borrachos, es la más notoria costumbre del presidente del planeta, que gracias a Dios no bebe una gota.
El sigue afirmando, un día sí y otro también, que su guerra de Irak no tiene nada que ver con el petróleo.
“Nos han engañado ocultando información sistemáticamente”, escribía desde Irak, allá por 1920, un tal Lawrence de Arabia: “El pueblo de Inglaterra ha sido llevado a Mesopotamia para caer en una trampa de la que será difícil salir con dignidad y con honor”.
Yo sé que la historia no se repite; pero a veces dudo.
- - -
¿Y la obsesión contra Chávez? ¿Nada tiene que ver con el petróleo de Venezuela esta frenética campaña que amenaza matar, en nombre de la democracia, al dictador que ha ganado nueve elecciones limpias? Y los continuos gritos de alarma por el peligro nuclear iraní, ¿nada tienen que ver con el hecho de que Irán contenga una de las reservas de gas más ricas del mundo? Y si no, ¿cómo se explica eso del peligro nuclear? ¿Fue Irán el país que descargó las bombas nucleares sobre la población civil de Hiroshima y Nagasaki?
- - -
La empresa Bechtel, con sede en California, había recibido en concesión, por cuarenta años, el agua de Cochabamba. Toda el agua, incluyendo el agua de las lluvias. No bien se instaló, triplicó las tarifas. Una pueblada estalló y la empresa tuvo que irse de Bolivia.
El presidente Bush se apiadó de la expulsada y la consoló otorgándole el agua de Irak.
Muy generoso de su parte. Irak no sólo es digno de aniquilación por su fabulosa riqueza petrolera: este país, regado por el Tigris y el Eufrates, también merece lo peor porque es la más rica fuente de agua dulce de todo el Medio Oriente.
- - -
El mundo está sediento. Los venenos químicos pudren los ríos y las sequías los exterminan, la sociedad de consumo consume cada vez más agua, el agua es cada vez menos potable y cada vez más escasa. Todos lo dicen, todos lo saben: las guerras del petróleo serán, mañana, guerras del agua.
En realidad, las guerras del agua ya están ocurriendo.
Son guerras de conquista, pero los invasores no echan bombas ni desembarcan tropas. Viajan vestidos de civil estos tecnócratas internacionales que someten a los países pobres a estado de sitio y exigen privatización o muerte. Sus armas, mortíferos instrumentos de extorsión y de castigo, no hacen bulto ni meten ruido.
El Banco Mundial y el Fondo Monetario Internacional, dos dientes de la misma pinza, impusieron, en estos últimos años, la privatización del agua en dieciséis países pobres. Entre ellos, algunos de los más pobres del mundo, como Benín, Niger, Mozambique, Ruanda, Yemen, Tanzania, Camerún, Honduras, Nicaragua. El argumento era irrefutable: o entregan el agua o no habrá clemencia con la deuda ni préstamos nuevos.
Los expertos también tuvieron la paciencia de explicar que no hacían eso por desmantelar soberanías, sino por ayudar a la modernización de los países hundidos en el atraso por la ineficiencia del Estado. Y si las cuentas del agua privatizada resultaban impagables para la mayoría de la población, tanto mejor: a ver si así se despertaba por fin su dormida voluntad de trabajo y de superación personal.
- - -
En la democracia, ¿quién manda? ¿Los funcionarios internacionales de las altas finanzas, votados por nadie?
A fines de octubre del año pasado, un plebiscito decidió el destino del agua en el Uruguay. La gran mayoría de la población votó, por abrumadora mayoría, confirmando que el agua es un servicio público y un derecho de todos.
Fue una victoria de la democracia contra la tradición de impotencia, que nos enseña que somos incapaces de gestionar el agua ni nada; y contra la mala fama de la propiedad pública, desprestigiada por los políticos que la han usado y maltratado como si lo que es de todos fuera de nadie.
El plebiscito del Uruguay no tuvo ninguna repercusión internacional. Los grandes medios de comunicación no se enteraron de esta batalla de la guerra del agua, perdida por los que siempre ganan; y el ejemplo no contagió a ningún país del mundo. Este fue el primer plebiscito del agua y hasta ahora, que se sepa, fue también el último.

Publicado por: Adaúfe em setembro 13, 2005 02:28 PM

camaradas a culpa é do bush.

Publicado por: fidel em setembro 13, 2005 02:33 PM

Não sei a como é pagam artigos destes no DN, mas em Israel pagam-nos ai a uns 5o Euros por palavra - da verba que chega dos Estados Unidos (e da Europa) numa bandeja todos os anos, claro. Portanto para a próxima não me mandes o António, manda-me o Carvalho. Pelo menos ajuda-me a esquecer malta desta que dobra mais a espinha que um contorcionista do circo estatal de Xangai. Deixa-te de gozos, Palinhos. Já estamos com saudades do teu sorriso de esquerda e das polémicas que causas quando te apetece ter uma opinião frontal.

Publicado por: Bomba em setembro 13, 2005 02:58 PM

Parece-me que o António Ferreira desafina nesta freguesia ... Nem uma palavra sobre Bush. Não há pachorra!!

Publicado por: Carlos em setembro 13, 2005 03:36 PM

Jorge, man, parece-me que és o único gajo que continua a ler os escritos do Sharon português. Cuidado que isso pode ter efeitos irreversíveis.

Publicado por: Victor Lazlo em setembro 13, 2005 04:50 PM

O que me atrai mais nesta posta? A banda sonora...

Pa pa-pa pa, pa pa-pa-pa-pa pa pa, pa pa-pa-pa-pa pa pa, pa pa-paaa, pa pa-paaa...

Publicado por: Tania em setembro 13, 2005 05:41 PM

A propósito de conflitos de interesses (extraído Do Portugal Profundo)
O que é que têm os jornalistas que são diferentes dos outros?...


Sobre a pista dada pelo Robin dos Bosques na caixa de comentários Do Portugal Profundo, pus-me a investigar um assunto pertinente. Da minha pesquisa sai uma pergunta para o Governo responder.

Se caiem os subsistemas de saúde e de segurança social, dos militares, polícias e outros, com regalias superiores ao regime geral de segurança social do país, como é o que o Governo mantém o subsistema de segurança social e de saúde dos jornalistas, mais vantajoso que o dos próprios funcionários públicos?...

A Caixa de Previdência e Abono de Família dos Jornalistas (CPAFJ), dirigida por uma Comissão Administrativa, presidida por Maria Antónia Palla (aliás, Maria Antónia Assis Santos), mãe do ministro António Costa (meio-irmão do editor de política da SIC Ricardo Costa), tem um estatuto próprio e mais favorável do que o regime geral de segurança social. O Governo, através do inesquecível ministro José António Vieira da Silva, garantiu em 30 de Maio, segundo o sindicato, a manutenção da Caixa dos Jornalistas "com o actual estatuto". Isto é, garante a excepção face ao regime geral e a manutenção do respectivo subsistema de saúde.
(...)
Os militares e os polícias não fazem parte da nova classificação da casta dos privilegiados. Já a manutenção dos privilégios dos jornalistas pretende recompensar e garantir os favores prestados ao poder político.

Publicado por: Artur Santos em setembro 13, 2005 06:38 PM

A mim, o que mais me mete nojo, é a forma como este «articulista» do DN trata os leitores, como se fossemos todos uma cambada de ignorântes.

Publicado por: Adaúfe em setembro 13, 2005 06:40 PM

Discordo. Ele nem sequer pensa isso, pois o ignorante é ele ;)

Publicado por: random em setembro 13, 2005 06:53 PM

Um blog inteiramente feito pelos leitores, com os temas e assuntos escolhidos por si. Posting é automático à distância de um e-mail. Vamos alargar o debate a toda a gente. Visite e coloque um post...

Porque o povo é quem mais ordena, vamos dar a Voz ao Povo.

Publicado por: Voz ao Povo em setembro 13, 2005 07:00 PM

A esta Brigada ainda gostava de caçá-la aos gambuzinos num quelho e fazer-lhes (devem ser três ou quatro) «Pum!» só a ver como se lhes moviam os maxilares pretéritos, primatas. A antropologia é uma ciência que às vezes desvalorizamos, mas que bem vistas as coisas...

Publicado por: Onan em setembro 14, 2005 12:37 AM

Ribeiro Ferreira igual a si próprio, com os seus delírios e alucinações. Ele que há uns trinta anos militava também na extrema-esquerda - só não sei se no maoísmo ou no marxismo-lininismo.
Esta personagem, como é óbvio, não é para levar a sério.

Publicado por: João Pedro em setembro 14, 2005 01:24 AM

"...a barbarie que mata e destroi em nome de Ala e do Islao?" isto parece mais outra atoarda do abominavel cesar das neves! 3,000 americanos, 48 ingleses... 128.000 Iraquianos?

Os com a pele escura nao contam? Nao é barbarie? E quantos e que morrem vitimas das teorias economicas neo-liberais, com falta de vitaminas, vacinas, agua potavel? E os neo-nazis da Grand Orange Lodge of Ireland, a matarem, espancarem, intimidarem os catolicos no Ulster, desde que o IRA se desarmou?

Publicado por: Filipe Castro em setembro 14, 2005 05:19 AM

"Olhó DN, órgão central do Le Pen!"

"Fidel": pára com isso, o Bush já reconheceu.
(além disso, no DN lavam mais branco)

Publicado por: CausasPerdidas em setembro 14, 2005 08:49 AM

Mais uma vez obrigado. Há excelentes nacos de prosa que nos passam ao lado no meio de tanta coisa que se escreve. Já na semana passada me chamaram a atenção para um divertido texto de César das Neves. Hoje mostram-me uma imagem sintética e verdadeira perfeita da situação actual do mundo em que vivemos e da compreensão do terrorismo.

Muito obrigado. Isto sim, é Serviço Público.

Publicado por: jcd em setembro 14, 2005 09:31 AM

O fundamentalismo islâmico é um mal que tem de ser combatido com determinação por todas as nações do Mundo e não só por um pequeno grupo de países. É uma guerra que tem de ser travada com paciência pelos Serviços Secretos destas nações com um nível elevado de partilha de informação entre estes vários serviços que se querem de elite.
O objectivo será identificar as várias células terroristas existentes em cada nação, neutralizá-las usando para isso uma política de terror, isto é, mostrar a esses elementos que eles não vão conseguir levar por diante os seus intentos sanguinários porque já estão condenados. Para ilustrar isto queria lembrar-lhes o que fez o Estado de Israel aos terroristas que nos jogos olímpicos de Munique assassinaram barbaramente os atletas daquela nação. De forma a apanhar cada um dos terroristas o Estado de Israel formou a Comissão X. Esta comissão usou todos os recursos da nação para identificar cada um destes assassinos. Quando os identificavam enviavam punham nos jornais árabes, na parte de obituário, a fotografia deles e enviavam às famílias cartas de condolências acompnhadas de flores, isto enquanto eles eram vivos. E qual era o objectivo? Mostrar-lhes que os serviços secretos sabiam aonde eles estavam escondidos e que eles estavam condenados. Esta política resultou em pleno e a partir daí os terroristas palestianos perderam a capacidade de operarem fora do Médio Oriente.
O mesmo terá de ser feito pelas restantes nações por uma questão de segurança nacional e porque estes fundamentalistas estão a exigir que o resto do Mundo respeite a cultura deles, mas eles não respeitam a nossa.
Exemplo disso foi a situação que se passou à pouco tempo em França quando o Estado Francês exigiu a proibição nas escolas do uso da gurca (o véu islâmico) e recuou porque os extremistas islâmicos do Iraque (QUE TÊM CHACINADO O POVO IRAQUIANO EM ATENTADOS SUICIDAS) ameaçaram atacar a França se esta não recuasse e como é hábito dos franceses, estes recuaram.
Porque é que eles não respeitam as nossas leis de vivência e nós temos que respeitar as deles? Porque é que as nossas mulheres são obrigadas a usar um véu islâmico quando vão visitar um país islâmico que impõe isso e que muitas vezes apoia o terrorismo internacional (Irão)?
Para ser respeitado é preciso respeitar os outros e eles precisam de saber quais são os seus limites, saberem que a palavra tolerância também existe no vocabulário internacional, mesmo que isso signifique levar a guerra às portas deles.

Publicado por: Supermarine Spitfire em setembro 14, 2005 09:45 AM

> Os com a pele escura nao contam? Nao é barbarie? E quantos e que morrem vitimas das teorias economicas neo-liberais, com falta de vitaminas, vacinas, agua potavel?

Pele escura? tipo os afegão que ninguém falava até os USA derrubarem aquele regime tipo-medieval talibã ?? Ou tas a falar dos iraquianos mortos em nos numerosos antentados em nome da Al-Quaeda ??

Teorias económicas, bem se for teorias politicas posso já avançar com a URSS, China, Camboja e actualmente Coreia do Norte.

Se tiveres a falar de Africa questiona-te sobre porque os governantes desses paises (muito oriundos de regimes de extrema-esquerda) vivem à grande enquanto que o povo morre à fome (ex. Angola) ??


Já agora porque não questionas porque o grande Canadá o grande denfensor das liberdades individuais foi feita uma proposta para a adopção da lei "Sharia" para as comunidades islâmicas. Essa lei que serve de desculpa para os fundamentalistas fomentarem a repressão sobre as mulheres e os crimes em nome do islão ??

Pois isto tudo é uma questão de ponto de vista, né ?



Publicado por: Mr X em setembro 14, 2005 10:00 AM

Eu só me pergunto se as guerras só acabarão no dia que não restar um só ser vivo na face da terra. Interessante o titulo do pensamento.

Publicado por: Ofeliazinha em setembro 14, 2005 11:57 AM

Jorge, explica lá qual é o problema em beber mais de dois cafés por dia? Fica-se a cantar o "Psycho Killer", e depois?
(Não é pá, é "far". Fa fa fa, fa-fafa, fafa-fa, far better...)
O título e o comentário têm mais a ver comigo do que com o ARF. Desconfio que o problema dele é falta de café.
Mas ainda bem que não sou só eu a escrever sobre os artigos dele!

Publicado por: Filipe Moura em setembro 14, 2005 12:23 PM

Já agora porque não questionas porque o grande Canadá o grande denfensor das liberdades individuais foi feita uma proposta para a adopção da lei "Sharia" para as comunidades islâmicas. Essa lei que serve de desculpa para os fundamentalistas fomentarem a repressão sobre as mulheres e os crimes em nome do islão ??

Pois isto tudo é uma questão de ponto de vista, né ?

Essa lei foi recusada! :-)

Publicado por: Filipe Castro em setembro 15, 2005 01:19 AM

E ja me esquecia, Sr X (nao tens nome? tens vergonha das tuas opinioes?): ninguem esta a defender os comunistas e os gulags e o cunhal a aplaudir a invasao da Hungria e o genocidio dos camponeses ucranianos. Toda a gente sabe que ao pe do Estaline o Hitler era um menino de coro, mas isto nao é preto e branco: ou o Estaline ou o Bush!

Quanto aos dirigentes africanos corruptos, prisao com eles!! Deviamos talvez comecar por acabar com o sigilo bancario na Suica e publicar as contas todas com os nomes. Se calhar acabava-se o trafico de drogas, de armas, o terrorismo, etc...

Publicado por: Filipe Castro em setembro 15, 2005 01:26 AM

É engraçado o mundo, Assim que existe uma opurtunidade acusam o Fidel de todos os males sobre a terra. Portanto podia viver com um grande avontade,seu pai emigrante Galego tinha tudo para que ele vivesse sem probelemas.Guevara a mesma coisa, mas o que é interesante, passados anos que o comunismo se desfez,na Russia ex soviética, a populaçâo proclama que se vevia com melhores condiçôes!!Por outro lado a Ucrania,e Georgia estâo ao bordo d'um conflito interno grave depois falsas promésas. Mas o que o futuro nos resérva, é ainda mais grave que o exemplo katrina, mas os espertos(cientistas) todos nos vimos os efeitos,antes das autoridades competentes! A França,ao curso dos séculos,é o melhor exemplo do caos. (Revoluçôes) . Hoje vimos construçôes d'uma riquesa,ignobil( Dubai, Queen Mary e outros) enquanto a populaçâo mundial o nivel de vida se deteora!!

Publicado por: Manuel Martins em setembro 15, 2005 05:29 AM