« 11.09.2001 | Entrada | RE: RE: PÓS-KATRINA »

setembro 11, 2005

UM MITO URBANO

No Acidental, Henrique Raposo não resistiu a fazer, novamente, a insinuação pusilânime da praxe:

Há quatro anos, algumas pessoas estavam a trocar mensagens de... felicidade ideológica. Sim, há quatro anos, muitos ficaram contentes ou, no mínimo, levemente vingados.

De uma vez por todas, esclareçam-me: quem foram esses imbecis que se congratularam com o horror em estado puro e até abriram garrafas de champanhe (João Pereira Coutinho dixit)? Quero nomes. Mesmo com quatro anos de atraso, prometo solenemente, em face de provas inequívocas, verberá-los aqui com todos os palavrões disponíveis no generoso léxico da língua portuguesa.
Enviem logo que possam as vossas listas do opróbrio, ó indignadas gentes. Cá estaremos para as escrutinar.

Publicado por José Mário Silva às setembro 11, 2005 05:58 PM

Comentários

ui, podes esperar sentado

Publicado por: Gonçalo P. em setembro 12, 2005 10:52 AM

Também conheci vários. Ainda por cima, pessoas com quem tinha (e tenho) ligações afectivas. À imbecilidade deles, não quero juntar a minha, julgando-os apenas por essa reacção irracional e esquecendo que também eles são vítimas de carências várias. É no campo da experiência mediática – sempre abstractizante e redutora – que se encontra a explicação possível para tamanha violência mental, tamanha falta de empatia ou mera compreensão do acontecido.

Isto, a propósito de pessoas que conheço intimamente. Pois haverá outros que, dadas as condições certas, possam ser agentes dos mesmos crimes que celebram mal contidamente. O fanatismo começa por ser isto mesmo, um discurso que anula a singularidade humana.

Publicado por: Valupi em setembro 12, 2005 06:45 PM

Vivo em Almada (justificação que baste). E no dia 12 de Setembro de 2001 fui jogar à bola com uns amigos. Às 11 horas parámos o jogo e fizemos (alguns) 3 minutos de silêncio, como boa parte do Mundo.
Mas ao meu lado tinhamos dois tipos, da mesma família, com aqueles lenços da OLP enrolados ao pescoço a rir-se nas nossas caras gritando para quem quisesse ouvir que, na noite anterior, tinha ido jantar fora com a família para comemorar.
E garanto-lhe por tudo que isto é verdade. Trago-lhe até essa gente a contacto que eles não deixarão de confirmar o que aqui se fiz. Para essa gente esse tipo de felicidade é motivo de orgulho.

Publicado por: Tiago Geraldo em setembro 13, 2005 03:47 PM

Vivo em Almada (justificação que baste). E no dia 12 de Setembro de 2001 fui jogar à bola com uns amigos. Às 11 horas parámos o jogo e fizemos (alguns) 3 minutos de silêncio, como boa parte do Mundo.
Mas ao meu lado tinhamos dois tipos, da mesma família, com aqueles lenços da OLP enrolados ao pescoço a rir-se nas nossas caras gritando para quem quisesse ouvir que, na noite anterior, tinha ido jantar fora com a família para comemorar.
E garanto-lhe por tudo que isto é verdade. Trago-lhe até essa gente a contacto que eles não deixarão de confirmar o que aqui se diz. Para essa gente esse tipo de felicidade é motivo de orgulho.

Publicado por: Tiago Geraldo em setembro 13, 2005 03:47 PM

Associação Abril em Maio. Fez festarola no dia seguinte acompanhada de champanhe e brindes ao acontecimento.

Há mais mas não são assim figuras tão públicas como estas. Estava lá a gerência e incluiu convidados

Publicado por: Zazie em setembro 15, 2005 12:18 AM