« PORTUGAIS - GUIDE DE CONVERSATION POUR LE VOYAGE (I) | Entrada | DA ESTUPEFACÇÃO »

setembro 02, 2005

FURACÃO 1

No final descobrimos que nem tecnologia, nem engenharia, nem economia, nem artilharia, nem ideologia nos podem salvar.

Publicado por Jorge Palinhos às setembro 2, 2005 02:42 PM

Comentários

A força da natureza!!!
:)

Publicado por: objectiva3 em setembro 2, 2005 02:58 PM

Nem campanhas de solidariedade, nem contas abertas de ajuda na CGD, nem ONG's a apelar à caridade planetária, nem comentários consternados da nossa classe política, etc etc etc

Publicado por: Martelo em setembro 2, 2005 03:20 PM

Talvez seja altura de se pensar muito a sério no Protocolo de Kyoto.

Publicado por: Marco Oliveira em setembro 2, 2005 04:45 PM

Talvez seja altura de pensar a sério no Protocolo de Kyoto

Publicado por: Marco Oliveira em setembro 2, 2005 04:47 PM

e se virem bem,só atingiu os pretos!

Publicado por: triciclo em setembro 2, 2005 05:32 PM

Protocolo de Kyoto relacionado com o Katrina? Ok... Muito razoavel... Ah! E lógico... muito lógico...

Publicado por: Pedro Gil em setembro 2, 2005 06:50 PM

Claro, se o Bush tivesse assinado o protocolo de Kyoto, Nova Orleães estaria seca. É castigo, eles merecem.

Publicado por: cordobes em setembro 2, 2005 06:53 PM

Na verdade, a ciência e a tecnologia, e em parte a ideologia, poderiam tê-los salvo.

Há décadas que se sabe que o sistema de diques de Nova Orleães não iria resistir a um furacão mais forte que o grau 3, há décadas que há quem peça funanciamento para melhorar e reforçar o sistema, mas esse financiamento não é dado. O mesmo financiamento que flui como água para todas as aventuras militares que passam pelo microencéfalo do Georgie.

Há décadas que os cientistas e os ambientalistas previnem para o facto de que certas obras que foram feitas no Mississípi têm causado danos gravíssimos nos pântanos do delta, que vão sendo erodidos pelo mar a um ritmo impressionante por falta de um fluxo de sedimentos capaz de repor aqueles que são arrastados, e para o facto de que quanto menos pântano existir no delta mais vulnerável fica a cidade de Nova Orleães perante este tipo de tempestades. E no entanto, nada foi feito, mais uma vez porque os planos de defesa da costa custam muito dinheiro. Dinheiro que nunca falta para comprar e desenvolver novas armas.

Há pelo menos uma década que os cientistas e os ambientalistas alertam para o facto de que uma das conseqências do aquecimento global é o aumento na frequência, violência e área geográfica de impacto das grandes tempestades tropicais, e no entanto a burrice instalada na Casa Branca preferiu ignorar olimpicamente o Protocolo de Kyoto e todas as outras tentativas de pôr um travão nas emissões de estufa.

Por fim, há décadas que se conhecem perfeitamente as prováveis consequências de uma inundação desastrosa em Nova Orleães. Isto que está a acontecer foi previsto, estudado e teve a resposta planeada. O que não foi previsto foi a incompreensível incompetência das autoridades em lidar com o assunto.

Na verdade, o que nos condena mesmo é a estupidez e a incompetência. Essas são as reais tragédias da nossa espécie.

Publicado por: Jorge em setembro 2, 2005 07:34 PM

Jorge: Claro! A mensagem deste post só pode ter resultado de estupefacção de Palinhos quando soube das notícias.

Não é bem incompetência, mas como escrevi: uma "tragédia da negligência dos ricos face a uma tragédia dos pobres". Mas compreendo a indignação das suas palavras.

Publicado por: random em setembro 2, 2005 08:43 PM

Não é por causa do incumprimento do protocolo de Quioto que se formam furacões nas águas quentes do Atlântico. Também não é o pior furacão da história, mas é seguramente o mais mediático, ou não tivesse acontecido nos EUA.
A tragédia assume proporções maiores, porque ao contrário do que acontece nos países do 3º Mundo, onde ainda mal passou o furacão, já se começa a levar ajuda a quem necessita, mesmo com os poucos recursos que dispõem, nos EUA começaram a fazer contas de quanto iria custar às seguradoras.

Publicado por: tarik em setembro 3, 2005 12:04 AM

Faço minhas as palavras do Jorge (Candeias).

Publicado por: Filipe Moura em setembro 3, 2005 10:05 PM

Faço minhas as palavras diametralmente opostas ás do Jorge (Candeias).

Publicado por: Irascivel em setembro 4, 2005 03:39 PM

O Jorge Palinhos fez o comentário mais sensato que li em blogues sobre este tema.

Publicado por: Ricardo Alves em setembro 5, 2005 05:34 PM