« A MÃO INVISÍVEL EM ACÇÃO | Entrada | RAPARIGA: ISSO DAS DANÇAS É COISA DO DEMO! »

agosto 25, 2005

Ó TEMPO, VOLTA PRA TRÁS!

Mão amiga apontou-me o caminho para esta bela notícia: "a Assembleia Municipal da cidade de Jeleznogorsk (região de Krasnoiarsk, Sibéria) decidiu, na segunda-feira, dia 15, «satisfazer parcialmente o pedido de antigos combatentes, de comunistas e de ultranacionalistas», instalando um monumento a Stáline". A ideia, claro está, é obstar à "calúnia e falsificação da História".
Como não podia deixar de ser, esta importante novidade é-nos trazida pelos bons ofícios do "Avante!", seguindo na senda de outros celebrados clássicos do jornalismo saudosista que nos asseveravam que "Gorbatchov teve o papel principal na derrota do socialismo, acompanhado apenas por arrivistas e traidores de que se rodeou para torpedear a mais brilhante conquista da história da humanidade". O autor de semelhante alucinação, Leandro Martins, também aproveitou para exultar ao ver que "voltam a aparecer cidades em que se dá o nome de Stáline a ruas". Ah; este senhor, chefe de redacção do "Avante!" é ainda membro do comité central do partido mais autista da Europa Ocidental. Que continua a aguardar, em jubilosa esperança, a chegada desta "vaga de fundo" a Portugal.

Publicado por Luis Rainha às agosto 25, 2005 01:12 PM

Comentários

... o que o Leandro quer, o que ele está a preparar... é que, cada cidade, cada vila, cada aldeia deste Portugal das conquistas revolucionárias, venha a ter na sua rua principal o nome de Álvaro Cunhal, esse herói do 25 de Abril e, também, das transmissões televisivas, na hora da sua morte (e...até de um programa Prós e Contras...)

Publicado por: redescobrimentos em agosto 25, 2005 03:32 PM

camaradas, vamos todos conjugar o verbo cristalizar, presente do indicativo:

eu cristalizo
tu cristalizas
ele estalinizas
...)

por aí fora.

Publicado por: pedro vieira em agosto 25, 2005 05:06 PM

Depois admiram-se que ainda há quem acredite que alguns ainda comem criancinhas ao pequeno-almoço!

Publicado por: Teofilo M. em agosto 25, 2005 05:34 PM

tá certo, obrigado, rainha e vós outros, se não lemos o Avante e no-lo trazem quando é preciso. e o Staline é falado de sobra e já ficava pra História, admirem-se, sem a vossa ajuda. mas inda bem que dão nome a ruas, melhor que descobrimentos, teofilos ou rainhas. belo post, amigos, mesmo quando o vasculhar no pó, por despeito, dá assunto de bom gosto!

Publicado por: charles em agosto 25, 2005 06:00 PM

Hitler matou 6 milhões de Judeus, o Stalin, matou dezoito milhões.

Publicado por: José Tim em agosto 25, 2005 07:17 PM

devemos passar sim a acção directa "DEMOCRACIA DIRECTA"
IGUALDADE, LIBERDADE, FRATERNIDADE ANARQUIA.
esta é sim a sociedade ideal, lutamos por ela, faz o mesmo amigo

saudaçoes libertárias

goulart medeiros

Publicado por: goulart medeiros em agosto 26, 2005 01:49 PM

Pois, os ricos, os poderosos e os "democratas" de todos os quadrantes, ficaram horrorizados com a notícia. Tadinhos, fiquei com tanta pena deles...

Publicado por: Vitor Santos em agosto 28, 2005 05:33 PM

Talvez este link ajude os russos a fazer a caminhada

http://www.anos60.com/portugal/cancoes/antonio_mourao_otempo_volta_pra_tras.wma

Publicado por: oragaita em agosto 28, 2005 09:11 PM

Em portugal é o Soares que vai voltar ao "ACÇÂO SOCIALSTA". Um clássico.

Publicado por: raul em agosto 31, 2005 08:03 AM

CONVITE A TODA A COMUNICAÇÃO SOCIAL

E POPULAÇÃO EM GERAL

Defender a Educação, um apelo da FESAL-E


Apelo Sindical à participação no encontro europeu da FESAL-E (Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo - Educação)

Local: Biblioteca - Museu da República e Resistência
Rua Alberto de Sousa, nº 10 A
1600-002 Lisboa
Metro: Cidade Universitária; Autocarro: 31
Sábado 17 de Set.: das 14h às 19h., com sessão pública das 17h.às 19h.
Domingo 18 de Set.: das 10h. às 13h.

COMUNICADO

Iremos realizar uma reunião europeia da nossa jovem Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo- Educação. Para esta, contamos, além da presença do núcleo português da FESAL-E, da participação de membros da confederação de base de Itália UNICOBAS, do Sindicato de Estudantes e Aprendizes da Suíça Italiana (SISA), de Sindicatos franceses SUD-Education, de Paris e de Grenoble, de outros elementos sindicais franceses, de membros do grupo de sindicalistas universitários holandeses CASA e de representantes da Federación de Ensegnanza da CGT-Espanha.
Nesta reunião haverá lugar para aprofundar a situação das lutas pela educação e contra a sua privatização, pela defesa de um sindicalismo de combate e capaz de se opor às políticas neo-liberais levadas a cabo pela generalidade dos governos dos nossos Estados respectivos. Haverá também lugar para debatermos a melhor
maneira de nos organizarmos ao nível local, regional, nacional e europeu, por forma a termos uma capacidade de intervenção efectiva nas lutas e de mantermos, a todos os níveis, a democracia de base e assembleária, avançando também do ponto de vista do nosso reconhecimento legal. Com efeito, um dos objectivos centrais desta nossa Federação é colocar-se claramente como alternativa à hegemonia dos sindicatos membros da CES (Confederação Europeia de Sindicatos), que no campo da educação, como em tantos outros, se têm pautado pelo mais desbragado conluio com os poderes, tornando assim irrisória a força potencial que os seus muitos milhares de associados representaria.
Apelamos à tua participação se queres realmente defender o sector da Educação, quer sejas docente, funcionário/a não-docente ou estudante!

Site geral multilínguas: www.fesal.it

MAIS INFORMACÕES EM www.blog.comunidades.net/goulart/ ou http://luta-social.blogspot.com

Email da lista de discussão de Portugal: fesale portugal-subscribe@yahoogroups.com

RASCUNHO DE ESTATUTOS DA FESAL-E

Este documento não constitui, por enquanto, um estatuto no sentido jurídico do termo, mas antes um rascunho de estatuto, aberto a modificações e alterações que deverão ser encaminhadas em tempo útil antes do desenrolar do primeiro congresso da FESAL. J.F. Fontana e Y. Bonin estarão mandatados para procederem à verificação das exigências jurídicas necessárias para depositar o estatuto numa organização europeia.
Um primeiro momento de verificação terá lugar no Domingo de manhã, a 18 de Setembro, em Lisboa.

ESTATUTO da FESAL

Art. 1) Designação e sede
1. Com o nome de federação Europeia de Sindicalismo Alternativo (em sigla FESAL) é constituída uma federação internacional de trabalhadoras e trabalhadores.
2. A sede legal situa-se em Roma na Via Tuscolana 9, podendo ser mudada por deliberação da Assembleia.


Art. 2) Natureza
A FESAL é uma organização com objectivos sindicais e sem fins de lucro. Esta é uma organização baseada sobre a solidariedade e a autogestão das trabalhadoras e dos trabalhadores. Declara-se, por outro lado, independente de partidos políticos, grupos de pressão, lobbies económicos e de quaisquer que queiram sufocar a liberdade e a autodeterminação das trabalhadoras e dos trabalhadores. O seu projecto é o de promover a formação do primeiro sindicato de base e alternativo europeu, fora da lógica concertativa e da CES. A FESAL é pela paz entre os povos, a defesa do ambiente e luta contra qualquer forma de discriminação.


Art. 3) Ambito
A FESAL é constituída para:
- apoiar, defender e organizar sindicalmente e politicamente em todas as instâncias as trabalhadoras, os trabalhadores e desocupados/as europeus/eias e imigrantes, em particular nos direitos que lhes são reconhecidos pela Declaração Universal dos Direitos do Homem;
- promover e organizar uma frente de acção ao nível europeu contra as políticas capitalistas e neoliberais;
- garantir e promover os direitos e as liberdades sindicais e políticas individuais e colectivos.
- lutar pela laicidade, o pluralismo e a independência das instituições públicas da sociedade civil;
- promover a auto-organização, o sindicalismo de base e de militância;
- combater a mercantilização da cultura e a a gestão empresarial na instrução, da escola básica á universidade;
- garantir em todas as instâncias o direito à formação e à representação sindical e política de alunos/as e de estudantes sem qualquer discriminação.


Art. 4) Organização
1. É órgão da FESAL a Assembleia conjunta das várias realidades aderentes convocada pelo menos com 30 dias de pré-aviso, através dos membros designados para a mesma, a qual se reune pelo menos uma vez por ano solar e define a política sindica seguindo o critério da unanimidade entre as diversas realidades aderentes presentes.
2. Os cargos executivos, administratiivos e representativos serão atribuídos pela assembleia quando se reputem necessários e às pessoas que, além de se mostrarem disponíveis, recolham o acordo geral. Tais cargos são temporários, sempre revogáveis e não constituem, de modo algum, privilégio ou poder.


Art. 5) Finanças
A FESAL financia-se principalmente segundo o princípio da auto-taxação das entidades aderentes. Propõem-se caixas sectoriais, a constituirem-se provisoriamente através do pagamento anual de uma quota por organização aderente proporcional à retribuição mensal média líquida verificada na nação em causa. A gestão da caixa será atribuida por rotação de dois em dois anos, a uma das entidades aderentes.


Art. 6) Responsabilidade
Quanto a responsabilidade e obrigações da FESAL esta responde unicamente pelo património social. Qualquer responsabilidade pessoal dos membros físicos ou jurídicos da Federação está excluída.
A responsabilidade da representação política externa da FESAL é atribuída por rotação, país por país, de dois em dois anos, a um membro proposto de uma das realidades aderentes, designado na assembleia do sector respectivo da FESAL segundo os termos do artigo 4. A convocação da assembleia é da competência do representante deste modo designado ou de pelo menos duas entidades aderentes.


Art. 7) Sectores
A FESAL está presente a partir de Setembro de 2005 no cenário europeu para o sector da Educação, assumindo a sigla: FESAL - E.
O nascimento em outros campos laborais pode ocorrer por consenso prévio da Assembleia da FESAL – E, que até à criação de novos sectores está investida em exclusivo da titularidade da assembleia FESAL e da própria sigla FESAL, que pode ser usada indiferentemente em vez de FESAL - E.


Art. 8) Modificações estatutárias
As modificações ao presente estatuto são possíveis em assembleia previamente convocada para tal fim, por unanimidade das entidades aderentes e não carecem de actos notariais.


Art. 9) Regulamento
A assembleia da FESAL, para tudo o que não venha aqui disposto, pode dotar-se de um regulamento específico de funcionamento. As decisões sobre o mesmo são tomadas pela unanimidade da Assembleia.


Art. 10) Adesão, renúncia e dissolução
1. Até ao primeiro congresso as entidades que manifestem identidade de propósitos podem juntar-se e unir-se ao projecto.
Após a realização do primeiro congresso, será necessária a unanimidade da assembleia.
2. Qualquer entidade aderente pode renunciar a ser membro da FESAL, comunicando a sua intenção com, pelo menos, 30 dias de antecipação, e fornecendo sob forma escrita uma razão dos seus motivos. A entidade que efectua a renúncia conserva intactos os seu património próprio e prerrogativas próprias.
3. A FESAL pode ser dissolvida por decisão unânime de uma Assembleia convocada para esse fim.


LISBOA 12 DE SETEMBRO DE 2005

CIB-UNICOBAS, Italia, Stefano d’Errico
SIP Suiça, Josè Domench
SISA Suiça, Tessa Nerini
CGT Enseñanza Espanha
SUD Education Paris, J.F. Fontana
SUD Education Grenoble, J.F. Guillaume
Coletivo FESAL – E Portugal
FESAL – E Studenti Italia, Valentina Labate
Coletivo FESAL – E Slovenia
Si Può Orsa Università, Itália, Grazia Morra
Coletivo FESAL – E França, Michel Lanson

Publicado por: GOULART MEDEIROS em setembro 12, 2005 12:15 PM