« DO PAPEL PARA A BLOGOSFERA | Entrada | CONSELHO ÚTIL PARA ESTE VERÃO »

agosto 01, 2005

OTA

Reparei que no BdE tem havido um certo défice de debate sobre a grande questão do momento - a OTA e o TGV. Tenho de confessar que, pela minha parte, tal se deve a uma enorme falta de informação pertinente.
Mas há uma questão que, por ser cada vez mais recorrente, me intrigou: os terrenos. O Paulo Gorjão, dia sim dia sim, quer saber de quem são os terrenos do futuro aeroporto. Eu não sei se tal será um argumento válido ou um mero deslize para a demagogia. Afinal, os defensores da Ota há algum tempo que esgrimem a mesma pergunta contra o aeroporto em Rio Frio. Mas, sem outros meios disponíveis para ter informações mais fidedignas, atirei-me ao Google para tentar descobrir. Não demorou muito até encontrar um dossier do Diário Económico onde se afirma que a maior parte dos terrenos envolvidos no aeroporto da Ota pertencem às empresas Tiner/Renit, Turiprojecto e ESAF. Indo um pouco mais longe, concluí que a Tiner/Renit é um grupo empresarial de capitais brasileiros do imobiliário e construção civil, com ligações à aeronáutica e responsável pelos principais retail e outlet parks lusos.
A Turiprojecto é um aglomerado de empresas ligadas ao imobiliário, à engenharia e à construção civil, liderado por um tal José António Carmo, que incidentalmente é também membro da direcção da Associação Empresarial de Lisboa.
ESAF é, palpite meu, o acrónimo de Espírito Santo Activos Financeiros, uma holding de investimentos mobiliários e imobiliários do Grupo Banco Espírito Santo e, coincidência talvez, cliente do grupo Turiprojecto.
Isto foi o que descobri com uns minutos de pesquisa. Talvez alguém com mais conhecimentos dos meandros políticos e económicos que eu possa fornecer mais dados ou unir mais pontinhos.
Quanto à minha opinião sobre a Ota, ela continua pouco esclarecida, mas os posts que li que me pareceram mais informativos e equilibrados foram este e este.

Adenda: Repito que eu não estou suficientemente informado para tirar conclusões, afirmar ou insinuar nada. Só penso que se fosse ministro com uma nota de rodapé destas teria a precaução deixar tudo muito bem esclarecido. E, se fosse um grupo bancário que teve problemas com um governo recente, gostaria de garantir que era tudo muito clarinho como a proverbial água.

Publicado por Jorge Palinhos às agosto 1, 2005 01:20 PM

Comentários

Excelente ponto de partida, para uma análise de factores de decisão menos convencionais. Porque este tipo de decisões não se podem só basear em estudos de rentabilidade de projectos. Há que considerar a rentabilidade de certos bolsos privados...

Publicado por: Louco em agosto 1, 2005 04:15 PM

Há BES a mais na politica portuguesa.Isto começa a cheirar muito mal...
Cruzando a Ota com o "mensalão" e essa Tiner/Renit com o Brasil e outlets,ie,Freeport...bem...
isto é só um analise coincidental.

Publicado por: antonior em agosto 1, 2005 04:22 PM

Parabens Jorge, excelente texto em minha opinião. Vou mergulhar agora nos teus links, fiquem bem.

Publicado por: Pedro Gil em agosto 1, 2005 05:16 PM

Segundo ouvi, alguns dos terrenos à volta da OTA " já " são de destacados membros do Aparelho do Partido, e de alguns ex ministro(s).

Bem hajam..........

Publicado por: Paulo em agosto 1, 2005 05:28 PM

As minhas visitas a este blog vão tornar-se ainda mais frequentes depois deste excelente post. Muito obrigado.

http://acisgalatea.blogspot.com/

Publicado por: Luis J. em agosto 1, 2005 06:16 PM

Parabéns pela blogue e pela lucidez do post.

Publicado por: Rui Carmo em agosto 1, 2005 10:23 PM

Nos somos pouco mais ou menos, quatro milhôes duzentos mil na famosa diaspora Portuguesa.So prova que os governos sucecivos nâo estivéram a altura do que atendiamos d'eles!A famosa aldrabise é tâo comum,que ninguem se opôe,é uma pêna enorme,porque seja em que lugar ele esteja o Portugues fas-ze remarcar pelo seu valor. Tanto nas artes,politicas,sciencias,sportes,etc! Mas o que espéram para fazer qualquér coisa? Amanha vai ser tarde! Depois da desgraça nâo culpem os vezinhos,nâo hipotéquem o futuro numa jantarada, ou nâo é ainda bastante o exemplo do Lula que gritava nos comicios ;e ainda é mais vigarista que os que la estavam!Gritar nâo importa quem é capaz!Acordem

Publicado por: apache em agosto 1, 2005 10:42 PM

Parabéns Jorge! este foi o grande post que contraria o nome à estação.

Publicado por: zazie em agosto 1, 2005 11:19 PM

Vale a pena darem um pulinho à ota:
http://aguiar-conraria.weblog.com.pt/arquivo/124495.html

Publicado por: Rui Carmo em agosto 1, 2005 11:35 PM

Está morno, mas ainda não está quente

Publicado por: alguem que sabe em agosto 2, 2005 12:37 AM

ó apache você escreve mesmo assim ou está a gozar?

Publicado por: ó apache em agosto 2, 2005 01:19 AM

Ora aqui temos um posto excelente do Palinhos que provavelmente irá servir como matéria incriminatória quando daqui a um ano ou dois a Nova Ordem Mundial quizer sentá-lo no banco dos réus com o intuito de o mandar para um dos centros de re-educação de jornalistas em Peniche ou Caxias.
Também andei às voltas na Google durante uns minutos para aceder ao seu convite para darmos as mãos pesquisadoras, mas não achei nada de interesse, para alem da habitual filantropia capitalista, à la portuga, distribuída, a nivel de investimento, por actividades tão díferentes como fundações caritativas para ajudar crianças necessitadas duma educação decente, e construção-civil multi-sectorial, incluindo a área das creches e lares, como é óbvio, e administração de fundos de pensões de empresas bancárias. Aprenderam depressa com os ingleses. Don´t put all your eggs in one basket.

O facto de uma dessas empresas se pavonear, frente ao mercado americano de investimento com um olho muito cobiçoso no nosso Portugalito, detentora de grande experiência e de projectos comerciais nos terrenos do “novo”aeroporto de Lisboa não me parece ter peso bastante para comprometer a sua idoneidade investimentalista – passe o neologismo sesquipedálico, mas não o resto.
Fora disso, não encontrei nada que manche o caracter de personalidades governamentais de todas as eras e cores inocentes, incluindo socialistas ou comunistas, muito embora tivesse recordado fugazmente que estes últimos se ajudaram, durante o regime de Salazar, de meninos bem metidos no comércio da banca, que nem sequer eram militantes encartados do partido, para arranjarem acomodação secreta e provisória para o grupo que “fugiu” de Caxias nos anos sessenta.
A lista do Espírito Santo é impressionante. Que corpo administrativo tão longo. Como é que há dinheiro para pagar a esta gente toda e ainda sobrar dividendos para contentar o resto dos gatos? E lembrar-me que há uns anos atrás fui a Londres ver o render da guarda no palácio da Filomena das Iscas e sentei-me num autocarro mesmo ao lado dum judeu muito rico, muito simpático e bem-falante, que me garantiu que o chefe da família Espírito chegou a Londres depois do 25 sem um chavo e teve que andar às sopas da sua família. As voltas que este mundo dá. Riches-to-rags-to-fucking-riches.

Publicado por: Bombatomica em agosto 2, 2005 08:53 AM

Seja como for, e julgo que em projectos desta magnitude há sempre alguém a rechear a respectiva bolsa, tenho dúvidas que este par de projectos seja conveniente a Portugal nesta altura. Especialmente depois de tantos avisos de gente informada e especialistas de vários quadrantes políticos.
Mas aguardo por mais informação.
Excelente post Jorge, como sempre de resto.

Publicado por: Stephen King em agosto 2, 2005 09:21 AM