« DITO DE OUTRA MANEIRA | Entrada | OS FACHOS DO NON »

maio 10, 2005

O REFERENDO EUROPEU E A COMUNICAÇÃO SOCIAL

Na campanha para o referendo europeu em França, os partidários do "não" têm-se queixado de terem menos tempo nos noticiários e espaço nos jornais do que os apoiantes do "sim". Tal facto talvez não seja de espantar se tivermos em conta que, apesar de haver sectores politicamente mais moderados pelo "não", incluindo uma facção do Partido Socialista, o "não" é mais imediatamente associado à extrema-esquerda e à extrema-direita. Por exemplo: ontem houve um debate sobre este assunto no canal de televisão TF1. A defender o "sim" estiveram Nicolas Sarzoky (presidente da UMP, de direita), François Bayrou (presidente da UDF, de direita), François Hollande, do PS, e Yann Wehrling, dos Verdes. Para defender o "não", Jean Marie Le Pen, da Frente Nacional, Phillipe de Villiers, um nacionalista de direita que já era opositor de Maastricht, Marie-George Buffet, do PCF, e Olivier Besancenot, da Liga Comunista Revolucionária.
A acrescentar a isto, os principais jornais (excluindo o Le Figaro, mas incluindo o Libération), nos seus editoriais, têm defendido principalmente o "sim".
Mas a avaliar pelas sondagens, os votantes do "não" estão longe de se confinar a franjas do eleitorado. Há várias razões que permitem explicar tal "divórcio" entre a maioria da elite política e uma grande parte da opinião pública. Talvez a principal seja o défice democrático sobre o qual a construção europeia tem assentado. Tal deve ser considerado por quem julga que a questão europeia em países como Portugal está "resolvida", por haver um acordo nos pontos fundamentais dos principais partidos.

Publicado por Filipe Moura às maio 10, 2005 07:26 PM

Comentários

Este assunto do referendo da constituição europeia , é curioso...porque não votar contra?
Parece que há algo de conspirativo nos europeus que não são a favor . Concordo com o que o Filipe refere no seu artigo. Já agora deixo aqui umas deixas para reflectir:
Estaremos nós os portugueses a ser informados verdadeiramente do que está em causa ?
Se os franceses disserem não(o que eu gostaria) algo vai mudar?

Publicado por: lua em maio 10, 2005 11:56 PM